Aldeia da Cuada, Ilha das Flores, Açores

O Éden Açoriano Traído pelo outro Lado do Mar


O Pote de Ouro
Canada Murada
Uma Manta de Retalhos
Decoração Rural
Uma Cafeteira-Vaso
A Aldeia
Poço do Bacalhau
Alagoínha x2
Mar Bravo
Cascatas da Alagoínha
Laje dos Confins da Europa
A Grande Vista
Miradouro do Portal
Quarto de Arco-Íris
A Cuada foi fundada, estima-se que em 1676, junto ao limiar oeste das Flores. Já em pleno século XX, os seus moradores juntaram-se à grande debandada açoriana para as Américas. Deixaram para trás uma aldeia tão deslumbrante como a ilha e os Açores.

Não é que fosse necessário, longe disso, mas, no preciso momento em que damos entrada no espaço retalhado por muros da aldeia da Cuada, nuvens carregadas surgem do cimo das encostas a leste.

Pairam sobre os fios de água do Poço da Alagoinha. Aos poucos, as nuvens estendem-se na direcção do Atlântico. Gotas tresmalhadas pelo vento irrigam os minifúndios por onde cirandamos. Deixam-nos de sobreaviso.

Afastamo-nos do castro de casas que nos obstruía a vista. Detectamos um arco-íris, completo e enorme.

Enquadrava o casario da aldeia, amornado pela iminência do ocaso.

Parecia confirmar o pote de ouro em que, contra o fluxo da história e das mais optimistas previsões, se transformou a Cuada.

Os chuviscos ora caem, ora dão tréguas, ao sabor da nortada.

Os poucos mais de cem habitantes que deixaram a aldeia até 1960, esses, como tantos outros da ilha da Flores e dos Açores, nunca voltaram.

O Abandono da Cuada para as Américas

Durante boa parte do século XX, a Cuada manteve-se ao abandono, as pedras e telhas das suas casas à mercê dos vendavais, das bátegas que fustigam estes confins atlânticos de Portugal.

Em 1970, aliás, já só duas das dezassete casas e palheiros preservavam telhados que merecessem tal nome.

A tempestade que parecia insinuar-se não chega a tanto. Confrontada com os ares do oceano, a franja de nuvens provinda do cimo da ilha intimida-se e dissipa-se.

O arco-íris segue-lhe o exemplo.

À medida que o sol se esparrama para trás do Atlântico, somem-se ainda a sombra abaixo do muro que nos suportava e o tom fulvo das fachadas.

Com a noite, os forasteiros à descoberta da ilha regressam aos seus abrigos de ocasião.

Ressuscitam os lares das gentes florenses que a excessiva insularidade e o subdesenvolvimento das Flores forçaram a partir, em perseguição de sonhos longínquos.

Os novos inquilinos chegam de todas as partes. Ficam um, dois, ou três dias. Recuperam um pouco das vidas lá interrompidas.

Cada casa está identificada com um nome de um dos emigrantes: Fátima, Fagundes, Esméria, Luís.

Nós, instalamo-nos na de Luciana.

Abençoada a dobrar pela proximidade da casa do Império do Divino Espírito Santo local, o único edifício rebocado e alvo do conjunto, diz-se que a casa de Império mais antiga de toda a ilha das Flores.

Cuada: e Como a Aldeia foi Recuperada mas Respeitada

Desconhecemos o que o destino ditou aos emigrantes após cruzarem para as Américas. Não sabemos sequer se o seu destino foi o Canadá, os Estados Unidos, o Brasil – os países acolhedores protagonistas da diáspora açoriana – ou um outro.

Constatamos  que, mesmo resgatado da ruína, das silvas e dotado de modernidade, o povoado humilde e pitoresco que Luciana e os vizinhos abandonaram pouco mudou.

Os caminhos e lajedos de pedra mantêm-se tão ásperos e irregulares como quando as gentes da terra os percorriam, amiúde, descalços. Em tempos terrenos cultivados, os prados ervados surgem divididos a critério, por muros de pedra semelhante à usada na estrutura das casas.

Até há algum tempo, frequentavam esses prados e pastos a vaca Mimosa, Florentina, uma burra. E Tina, a cabra da aldeia.

Algumas casas têm eiras, agora usadas como pátios desafogados. Outras, foram adaptadas de palheiros, como o que pertencia a Pimentel.

O Capricho e a Teimosia Criativa dum Casal Açoriano

O prodígio de ressuscitar a Aldeia da Cuada deveu-se a Teotónia e Carlos Silva, um casal, hoje, com 72 anos que tinha por hábito passar o estio na Fajã Grande, a usufruir do retiro e da paz idílicos do faroeste da ilha das Flores.

Decorria a década de 80. Teotónia e Carlos, originário da ilha do Pico, sentiram o chamamento de recuperar a Cuada. Começaram por comprar uma primeira casa. Logo outra.

A determinada altura, o feitiço verdejante da Ilha das Flores atraía aos confins dos Açores mais e mais viajantes intrigados. Abrigarem-se e viverem o legado das casinhas da Cuada, sem electricidade, TV ou Internet, revelou-se um privilégio que entrou em modo de passa-a-palavra.

Por essa altura, Carlos tinha uma situação profissional estável nas Finanças. Teotónia, trabalhava na Sata, a companhia de aviação que serve os Açores. Apesar do traquejo que tinham no que dizia respeito a dinheiro e a viagens e turismo, ouviam com frequência que se estavam a meter numa loucura.

A própria Direcção de Turismo dos Açores louvou a sua determinação, mas recusou-se a participar, pela lógica de que, mesmo recuperada, a aldeia da Cuada, distante e isolada como estava, não chamaria hóspedes que justificassem o investimento.

Os anos sucederam-se. Chegamos a 1998. A aldeia abriu, de forma oficializada, as portas ao turismo.

Da Ruína, ao Turismo de Aldeia Pioneiro da Cuada

O mesmo destino e humildade que condenou os moradores da velha Cuada a emigrarem, levou à Cuada renovada um número crescente de forasteiros que, de início, tinham como iluminação velhos candeeiros a óleo, bem menos poluentes, em termos visuais, que os postes e cabos da instalação eléctrica que Carlos e Teotónia anseiam trocar por uma outra subterrânea.

Dois anos depois, a aldeia viu-se legalmente protegida pelas autoridades. O até então reticente Governo Regional dos Açores declarou-a “património cultural com interesse histórico, arquitectónico e paisagístico”.

A Cuada tornou-se um Turismo de Habitação (logo, Turismo de Aldeia) pioneiro em Portugal.

Ficou a salvo das atrocidades urbanísticas que abundam por todo o país. Tanto das que viessem do próprio governo como das de iniciativas privadas nas redondezas.

Quanto mais visitantes chegavam, mais sentido tinha para o casal Silva ignorarem os agoiros e prosseguirem com a sua missão.

A Beleza da Cuada e da Ilha das Flores em Redor

Afinal, de tanto ali passarem Verões, ambos conheciam como ninguém o valor dos cenários que envolvem a aldeia que, na opinião de muitos, fazem das Flores a ilha mais deslumbrante do arquipélago.

Conheciam a Fajã e a Fajãnzinha, as companhias mais próximas da Cuada, uma de cada lado.

O Poço da Alagoínha e a Cascata do Poço do Bacalhau, os dois a pouca distância, cada qual com o seu visual florentino de encantar.

Conheciam ainda, o conjunto de miradouros elevados que revelam panoramas verdejantes arrebatadores, salpicados de vacas, a começar pelo do Portal.

Também as piscinas naturais e a linha de costa vulcânica, rude e bela a condizer faziam já parte de si, como fazia a solidão emblemática do ilhéu do Monchique, o derradeiro pedaço de rocha do ocidente lusitano.

Teotónia e Carlos esforçaram-se por, dentro dos limites da simplicidade original, equipar e decorar cada uma das casas à altura dos cenários circundantes.

A Encantadora Simplicidade Histórica da Aldeia da Cuada

Os equipamentos e utensílios – espelhos, interruptores, torneiras, colchas, napperons e tantos outros – vêm do antigamente.

Ou, se não vêm, imitam o melhor possível, segundo o gosto e os caprichos de Teotónia.

Em termos gastronómicos, a Cuada prenda os seus hóspedes com o melhor que as Flores e os Açores têm para oferecer. Quando despertamos, esperava-nos um pequeno-almoço com pão fresco, queijo flamengo e da Ilha, da de São Jorge. Mel, doces, bolo de chia e fruta.

Ao jantar, também no restaurante ao lado da recepção, deliciamo-nos com peixes pescados ao largo, bem grelhados e acompanhados de vegetais colhidos nos terrenos da propriedade.

Por enquanto, cultivam-nos os trabalhadores da Cuada. Carlos e Teotónia partilham planos de que os hóspedes se possam entreter com tarefas rurais.

A Cuada conta, agora, com um acesso rodoviário a partir da estrada da Assumada que serve boa parte do fundo ocidental da ilha.

Tem também um parque de estacionamento inclinado que permite aos hóspedes chegarem com a sua bagagem até à entrada da vila, marcada pela recepção e museu.

Em horas ditas normais, da recepção até cada uma das casas, contam com a força de braços descomunal de Sílvio, encarregado e faz-tudo da Aldeia da Cuada.

As nossas, tratávamos ainda do check in, já Sílvio as tinha deixado à porta da Casa Luciana.

As Canadas Irregulares que Levam a uma Beira-Mar Dramática

Noutros tempos, as gentes chegavam à aldeia por uma canada secular.

Sulcava a floresta entre dois dos templos cristãos emblemáticos daquelas paragens, das imediações da capela de Santo António de Lisboa à casa do Império da Cuada, a tal igreja branca situada acima da Casa Luciana.

Como já vimos, a teimosia de Teotónia e Carlos em, apesar do desajeito dos hóspedes, preservarem os caminhos internos da aldeia, concedeu-nos o privilégio de nela caminharmos por vias fascinantes de história e de genuinidade.

Numas poucas dezenas de metros, a canada principal, sinuosa e vegetada da aldeia conduz-nos do ambiente bucólico e rural da Cuada para o marinho, bem mais selvagem que se sucede a ocidente.

Por ali, os coelhos são donos e senhores de um mato labiríntico pejado de tocas e ninhos. Sobrevoam-nos as abundantes cagarras. Com sorte podem revelar-se pintainhos, estapagados e garajaus.

À medida que desce, a canada transforma-se num trilho pouco claro, nada que pudéssemos comparar com o bem demarcado e concorrido que liga a Fajã Grande ao Farol de Albernaz, virado para a ilha vizinha do Corvo.

Quando um dos seus meandros nos desvenda um inesperado precipício rochoso e o Atlântico agitado, damos meia volta, rumo à Cuada.

Não seria, essa, a última vez que nos abrigávamos na aldeia.

Sempre que o fizemos, sentimos o aconchego humano e o afago da Natureza que os seus moradores se viram obrigados a sacrificar.

ALDEIA DA CUADA

Tel.: +351 292 552 127

https://aldeiadacuada.com

Morada: Lajes das Flores 9960-070

Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Ponta Delgada, São Miguel, Açores

A Grande Urbe Açoriana

Durante os séculos XIX e XX, Ponta Delgada tornou-se a cidade mais populosa e a capital económico-administrativa dos Açores. Lá encontramos a história e o modernismo do arquipélago de mãos-dadas.
Angra do Heroísmo, Terceira, Açores

Heroína do Mar, de Nobre Povo, Cidade Valente e Imortal

Angra do Heroísmo é bem mais que a capital histórica dos Açores, da ilha Terceira e, em duas ocasiões, de Portugal. A 1500km do continente, conquistou um protagonismo na nacionalidade e independência portuguesa de que poucas outras cidades se podem vangloriar.
Ilha do Pico, Açores

A Ilha a Leste da Montanha do Pico

Por norma, quem chega ao Pico desembarca no seu lado ocidental, com o vulcão (2351m) a barrar a visão sobre o lado oposto. Para trás do Pico montanha, há todo um longo e deslumbrante “oriente” da ilha que leva o seu tempo a desvendar.
Vale das Furnas, São Miguel

O Calor Açoriano do Vale das Furnas

Surpreendemo-nos, na maior ilha dos Açores, com uma caldeira retalhada por minifúndios agrícolas, massiva e profunda ao ponto de abrigar dois vulcões, uma enorme lagoa e quase dois mil micaelenses. Poucos lugares do arquipélago são, ao mesmo tempo, tão grandiosos e acolhedores como o verdejante e fumegante Vale das Furnas.
São Jorge, Açores

De Fajã em Fajã

Abundam, nos Açores, faixas de terra habitável no sopé de grandes falésias. Nenhuma outra ilha tem tantas fajãs como as mais de 70 da esguia e elevada São Jorge. Foi nelas que os jorgenses se instalaram. Nelas assentam as suas atarefadas vidas atlânticas.
Corvo, Açores

O Abrigo Atlântico Inverosímil da Ilha do Corvo

17 km2 de vulcão afundado numa caldeira verdejante. Uma povoação solitária assente numa fajã. Quatrocentas e trinta almas aconchegadas pela pequenez da sua terra e pelo vislumbre da vizinha Flores. Bem-vindo à mais destemida das ilhas açorianas.
Graciosa, Açores

Sua Graça a Graciosa

Por fim, desembarcarmos na Graciosa, a nossa nona ilha dos Açores. Mesmo se menos dramática e verdejante que as suas vizinhas, a Graciosa preserva um encanto atlântico que é só seu. Quem tem o privilégio de o viver, leva desta ilha do grupo central uma estima que fica para sempre.
Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos

De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.
Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico

A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.
Ilha Terceira, Açores

Ilha Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Safari
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
A pequena-grande Senglea II
Arquitectura & Design
Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Ilha de Miyajima, Xintoismo e Budismo, Japão, Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
New Orleans luisiana, First Line
Cidades
New Orleans, Luisiana, E.U.A.

A Musa do Grande Sul Americano

New Orleans destoa dos fundos conservadores dos E.U.A. como a defensora de todos os direitos, talentos e irreverências. Em tempos francesa, para sempre afrancesada, a cidade do jazz inspira, a novos ritmos contagiantes, a fusão de etnias, culturas, estilos e sabores.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Jardin Escultórico, Edward James, Xilitla, Huasteca Potosina, San Luis Potosi, México, Cobra dos Pecados
Cultura
Xilitla, San Luís Potosi, México

O Delírio Mexicano de Edward James

Na floresta tropical de Xilitla, a mente inquieta do poeta Edward James fez geminar um jardim-lar excêntrico. Hoje, Xilitla é louvada como um Éden do surreal.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Namibe, Angola, Gruta, Parque Iona
Em Viagem
Namibe, Angola

Incursão ao Namibe Angolano

À descoberta do sul de Angola, deixamos Moçâmedes para o interior da província desértica. Ao longo de milhares de quilómetros sobre terra e areia, a rudeza dos cenários só reforça o assombro da sua vastidão.
Navala, Viti Levu, Fiji
Étnico
Navala, Fiji

O Urbanismo Tribal de Fiji

Fiji adaptou-se à invasão dos viajantes com hotéis e resorts ocidentalizados. Mas, nas terras altas de Viti Levu, Navala conserva as suas palhotas criteriosamente alinhadas.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Dias Como Tantos Outros

Vista do John Ford Point, Monument Valley, Nacao Navajo, Estados Unidos
História
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Mahé Ilhas das Seychelles, amigos da praia
Ilhas
Mahé, Seychelles

A Ilha Grande das Pequenas Seychelles

Mahé é maior das ilhas do país mais diminuto de África. Alberga a capital da nação e quase todos os seichelenses. Mas não só. Na sua relativa pequenez, oculta um mundo tropical deslumbrante, feito de selva montanhosa que se funde com o Índico em enseadas de todos os tons de mar.
Quebra-Gelo Sampo, Kemi, Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Literatura
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Natureza
Morondava, Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Terraços de Sistelo, Serra do Soajo, Arcos de Valdevez, Minho, Portugal
Parques Naturais
Sistelo, Peneda-Gerês, Portugal

Do “Pequeno Tibete Português” às Fortalezas do Milho

Deixamos as fragas da Srª da Peneda, rumo a Arcos de ValdeVez e às povoações que um imaginário erróneo apelidou de Pequeno Tibete Português. Dessas aldeias socalcadas, passamos por outras famosas por guardarem, como tesouros dourados e sagrados, as espigas que colhem. Caprichoso, o percurso revela-nos a natureza resplandecente e a fertilidade verdejante destas terras da Peneda-Gerês.
Palmeiras de San Cristobal de La Laguna, Tenerife, Canárias
Património Mundial UNESCO
Tenerife, Canárias

Pelo Leste da Ilha da Montanha Branca

A quase triangular Tenerife tem o centro dominado pelo majestoso vulcão Teide. Na sua extremidade oriental, há um outro domínio rugoso, mesmo assim, lugar da capital da ilha e de outras povoações incontornáveis, de bosques misteriosos e de incríveis litorais abruptos.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Personagens
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, recife coral
Praias
Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.
Kremlin de Rostov Veliky, Rússia
Religião
Rostov Veliky, Rússia

Sob as Cúpulas da Alma Russa

É uma das mais antigas e importantes cidades medievais, fundada durante as origens ainda pagãs da nação dos czares. No fim do século XV, incorporada no Grande Ducado de Moscovo, tornou-se um centro imponente da religiosidade ortodoxa. Hoje, só o esplendor do kremlin moscovita suplanta o da cidadela da tranquila e pitoresca Rostov Veliky.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre Carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Sociedade
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Mesmo em tempos de paz, detectamos militares por todo o lado. A postos, nas cidades, cumprem missões rotineiras que requerem rigor e paciência.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Vai-e-vem fluvial
Vida Selvagem
Iriomote, Japão

Iriomote, uma Pequena Amazónia do Japão Tropical

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.