Aldeia da Cuada, Ilha das Flores, Açores

O Éden Açoriano Traído pelo outro Lado do Mar


O Pote de Ouro
Canada Murada
Uma Manta de Retalhos
Decoração Rural
Uma Cafeteira-Vaso
A Aldeia
Poço do Bacalhau
Alagoínha x2
Mar Bravo
Cascatas da Alagoínha
Laje dos Confins da Europa
A Grande Vista
Miradouro do Portal
Quarto de Arco-Íris
A Cuada foi fundada, estima-se que em 1676, junto ao limiar oeste das Flores. Já em pleno século XX, os seus moradores juntaram-se à grande debandada açoriana para as Américas. Deixaram para trás uma aldeia tão deslumbrante como a ilha e os Açores.

Não é que fosse necessário, longe disso, mas, no preciso momento em que damos entrada no espaço retalhado por muros da aldeia da Cuada, nuvens carregadas surgem do cimo das encostas a leste.

Pairam sobre os fios de água do Poço da Alagoinha. Aos poucos, as nuvens estendem-se na direcção do Atlântico. Gotas tresmalhadas pelo vento irrigam os minifúndios por onde cirandamos. Deixam-nos de sobreaviso.

Afastamo-nos do castro de casas que nos obstruía a vista. Detectamos um arco-íris, completo e enorme.

Enquadrava o casario da aldeia, amornado pela iminência do ocaso.

Parecia confirmar o pote de ouro em que, contra o fluxo da história e das mais optimistas previsões, se transformou a Cuada.

Os chuviscos ora caem, ora dão tréguas, ao sabor da nortada.

Os poucos mais de cem habitantes que deixaram a aldeia até 1960, esses, como tantos outros da ilha da Flores e dos Açores, nunca voltaram.

O Abandono da Cuada para as Américas

Durante boa parte do século XX, a Cuada manteve-se ao abandono, as pedras e telhas das suas casas à mercê dos vendavais, das bátegas que fustigam estes confins atlânticos de Portugal.

Em 1970, aliás, já só duas das dezassete casas e palheiros preservavam telhados que merecessem tal nome.

A tempestade que parecia insinuar-se não chega a tanto. Confrontada com os ares do oceano, a franja de nuvens provinda do cimo da ilha intimida-se e dissipa-se.

O arco-íris segue-lhe o exemplo.

À medida que o sol se esparrama para trás do Atlântico, somem-se ainda a sombra abaixo do muro que nos suportava e o tom fulvo das fachadas.

Com a noite, os forasteiros à descoberta da ilha regressam aos seus abrigos de ocasião.

Ressuscitam os lares das gentes florenses que a excessiva insularidade e o subdesenvolvimento das Flores forçaram a partir, em perseguição de sonhos longínquos.

Os novos inquilinos chegam de todas as partes. Ficam um, dois, ou três dias. Recuperam um pouco das vidas lá interrompidas.

Cada casa está identificada com um nome de um dos emigrantes: Fátima, Fagundes, Esméria, Luís.

Nós, instalamo-nos na de Luciana.

Abençoada a dobrar pela proximidade da casa do Império do Divino Espírito Santo local, o único edifício rebocado e alvo do conjunto, diz-se que a casa de Império mais antiga de toda a ilha das Flores.

Cuada: e Como a Aldeia foi Recuperada mas Respeitada

Desconhecemos o que o destino ditou aos emigrantes após cruzarem para as Américas. Não sabemos sequer se o seu destino foi o Canadá, os Estados Unidos, o Brasil – os países acolhedores protagonistas da diáspora açoriana – ou um outro.

Constatamos  que, mesmo resgatado da ruína, das silvas e dotado de modernidade, o povoado humilde e pitoresco que Luciana e os vizinhos abandonaram pouco mudou.

Os caminhos e lajedos de pedra mantêm-se tão ásperos e irregulares como quando as gentes da terra os percorriam, amiúde, descalços. Em tempos terrenos cultivados, os prados ervados surgem divididos a critério, por muros de pedra semelhante à usada na estrutura das casas.

Até há algum tempo, frequentavam esses prados e pastos a vaca Mimosa, Florentina, uma burra. E Tina, a cabra da aldeia.

Algumas casas têm eiras, agora usadas como pátios desafogados. Outras, foram adaptadas de palheiros, como o que pertencia a Pimentel.

O Capricho e a Teimosia Criativa dum Casal Açoriano

O prodígio de ressuscitar a Aldeia da Cuada deveu-se a Teotónia e Carlos Silva, um casal, hoje, com 72 anos que tinha por hábito passar o estio na Fajã Grande, a usufruir do retiro e da paz idílicos do faroeste da ilha das Flores.

Decorria a década de 80. Teotónia e Carlos, originário da ilha do Pico, sentiram o chamamento de recuperar a Cuada. Começaram por comprar uma primeira casa. Logo outra.

A determinada altura, o feitiço verdejante da Ilha das Flores atraía aos confins dos Açores mais e mais viajantes intrigados. Abrigarem-se e viverem o legado das casinhas da Cuada, sem electricidade, TV ou Internet, revelou-se um privilégio que entrou em modo de passa-a-palavra.

Por essa altura, Carlos tinha uma situação profissional estável nas Finanças. Teotónia, trabalhava na Sata, a companhia de aviação que serve os Açores. Apesar do traquejo que tinham no que dizia respeito a dinheiro e a viagens e turismo, ouviam com frequência que se estavam a meter numa loucura.

A própria Direcção de Turismo dos Açores louvou a sua determinação, mas recusou-se a participar, pela lógica de que, mesmo recuperada, a aldeia da Cuada, distante e isolada como estava, não chamaria hóspedes que justificassem o investimento.

Os anos sucederam-se. Chegamos a 1998. A aldeia abriu, de forma oficializada, as portas ao turismo.

Da Ruína, ao Turismo de Aldeia Pioneiro da Cuada

O mesmo destino e humildade que condenou os moradores da velha Cuada a emigrarem, levou à Cuada renovada um número crescente de forasteiros que, de início, tinham como iluminação velhos candeeiros a óleo, bem menos poluentes, em termos visuais, que os postes e cabos da instalação eléctrica que Carlos e Teotónia anseiam trocar por uma outra subterrânea.

Dois anos depois, a aldeia viu-se legalmente protegida pelas autoridades. O até então reticente Governo Regional dos Açores declarou-a “património cultural com interesse histórico, arquitectónico e paisagístico”.

A Cuada tornou-se um Turismo de Habitação (logo, Turismo de Aldeia) pioneiro em Portugal.

Ficou a salvo das atrocidades urbanísticas que abundam por todo o país. Tanto das que viessem do próprio governo como das de iniciativas privadas nas redondezas.

Quanto mais visitantes chegavam, mais sentido tinha para o casal Silva ignorarem os agoiros e prosseguirem com a sua missão.

A Beleza da Cuada e da Ilha das Flores em Redor

Afinal, de tanto ali passarem Verões, ambos conheciam como ninguém o valor dos cenários que envolvem a aldeia que, na opinião de muitos, fazem das Flores a ilha mais deslumbrante do arquipélago.

Conheciam a Fajã e a Fajãnzinha, as companhias mais próximas da Cuada, uma de cada lado.

O Poço da Alagoínha e a Cascata do Poço do Bacalhau, os dois a pouca distância, cada qual com o seu visual florentino de encantar.

Conheciam ainda, o conjunto de miradouros elevados que revelam panoramas verdejantes arrebatadores, salpicados de vacas, a começar pelo do Portal.

Também as piscinas naturais e a linha de costa vulcânica, rude e bela a condizer faziam já parte de si, como fazia a solidão emblemática do ilhéu do Monchique, o derradeiro pedaço de rocha do ocidente lusitano.

Teotónia e Carlos esforçaram-se por, dentro dos limites da simplicidade original, equipar e decorar cada uma das casas à altura dos cenários circundantes.

A Encantadora Simplicidade Histórica da Aldeia da Cuada

Os equipamentos e utensílios – espelhos, interruptores, torneiras, colchas, napperons e tantos outros – vêm do antigamente.

Ou, se não vêm, imitam o melhor possível, segundo o gosto e os caprichos de Teotónia.

Em termos gastronómicos, a Cuada prenda os seus hóspedes com o melhor que as Flores e os Açores têm para oferecer. Quando despertamos, esperava-nos um pequeno-almoço com pão fresco, queijo flamengo e da Ilha, da de São Jorge. Mel, doces, bolo de chia e fruta.

Ao jantar, também no restaurante ao lado da recepção, deliciamo-nos com peixes pescados ao largo, bem grelhados e acompanhados de vegetais colhidos nos terrenos da propriedade.

Por enquanto, cultivam-nos os trabalhadores da Cuada. Carlos e Teotónia partilham planos de que os hóspedes se possam entreter com tarefas rurais.

A Cuada conta, agora, com um acesso rodoviário a partir da estrada da Assumada que serve boa parte do fundo ocidental da ilha.

Tem também um parque de estacionamento inclinado que permite aos hóspedes chegarem com a sua bagagem até à entrada da vila, marcada pela recepção e museu.

Em horas ditas normais, da recepção até cada uma das casas, contam com a força de braços descomunal de Sílvio, encarregado e faz-tudo da Aldeia da Cuada.

As nossas, tratávamos ainda do check in, já Sílvio as tinha deixado à porta da Casa Luciana.

As Canadas Irregulares que Levam a uma Beira-Mar Dramática

Noutros tempos, as gentes chegavam à aldeia por uma canada secular.

Sulcava a floresta entre dois dos templos cristãos emblemáticos daquelas paragens, das imediações da capela de Santo António de Lisboa à casa do Império da Cuada, a tal igreja branca situada acima da Casa Luciana.

Como já vimos, a teimosia de Teotónia e Carlos em, apesar do desajeito dos hóspedes, preservarem os caminhos internos da aldeia, concedeu-nos o privilégio de nela caminharmos por vias fascinantes de história e de genuinidade.

Numas poucas dezenas de metros, a canada principal, sinuosa e vegetada da aldeia conduz-nos do ambiente bucólico e rural da Cuada para o marinho, bem mais selvagem que se sucede a ocidente.

Por ali, os coelhos são donos e senhores de um mato labiríntico pejado de tocas e ninhos. Sobrevoam-nos as abundantes cagarras. Com sorte podem revelar-se pintainhos, estapagados e garajaus.

À medida que desce, a canada transforma-se num trilho pouco claro, nada que pudéssemos comparar com o bem demarcado e concorrido que liga a Fajã Grande ao Farol de Albernaz, virado para a ilha vizinha do Corvo.

Quando um dos seus meandros nos desvenda um inesperado precipício rochoso e o Atlântico agitado, damos meia volta, rumo à Cuada.

Não seria, essa, a última vez que nos abrigávamos na aldeia.

Sempre que o fizemos, sentimos o aconchego humano e o afago da Natureza que os seus moradores se viram obrigados a sacrificar.

ALDEIA DA CUADA

Tel.: +351 292 552 127

https://aldeiadacuada.com

Morada: Lajes das Flores 9960-070

Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Ponta Delgada, São Miguel, Açores

A Grande Urbe Açoriana

Durante os séculos XIX e XX, Ponta Delgada tornou-se a cidade mais populosa e a capital económico-administrativa dos Açores. Lá encontramos a história e o modernismo do arquipélago de mãos-dadas.
Angra do Heroísmo, Terceira, Açores

Heroína do Mar, de Nobre Povo, Cidade Valente e Imortal

Angra do Heroísmo é bem mais que a capital histórica dos Açores, da ilha Terceira e, em duas ocasiões, de Portugal. A 1500km do continente, conquistou um protagonismo na nacionalidade e independência portuguesa de que poucas outras cidades se podem vangloriar.
Ilha do Pico, Açores

A Ilha a Leste da Montanha do Pico

Por norma, quem chega ao Pico desembarca no seu lado ocidental, com o vulcão (2351m) a barrar a visão sobre o lado oposto. Para trás do Pico montanha, há todo um longo e deslumbrante “oriente” da ilha que leva o seu tempo a desvendar.
Vale das Furnas, São Miguel

O Calor Açoriano do Vale das Furnas

Surpreendemo-nos, na maior ilha dos Açores, com uma caldeira retalhada por minifúndios agrícolas, massiva e profunda ao ponto de abrigar dois vulcões, uma enorme lagoa e quase dois mil micaelenses. Poucos lugares do arquipélago são, ao mesmo tempo, tão grandiosos e acolhedores como o verdejante e fumegante Vale das Furnas.
São Jorge, Açores

De Fajã em Fajã

Abundam, nos Açores, faixas de terra habitável no sopé de grandes falésias. Nenhuma outra ilha tem tantas fajãs como as mais de 70 da esguia e elevada São Jorge. Foi nelas que os jorgenses se instalaram. Nelas assentam as suas atarefadas vidas atlânticas.
Corvo, Açores

O Abrigo Atlântico Inverosímil da Ilha do Corvo

17 km2 de vulcão afundado numa caldeira verdejante. Uma povoação solitária assente numa fajã. Quatrocentas e trinta almas aconchegadas pela pequenez da sua terra e pelo vislumbre da vizinha Flores. Bem-vindo à mais destemida das ilhas açorianas.
Graciosa, Açores

Sua Graça a Graciosa

Por fim, desembarcarmos na Graciosa, a nossa nona ilha dos Açores. Mesmo se menos dramática e verdejante que as suas vizinhas, a Graciosa preserva um encanto atlântico que é só seu. Quem tem o privilégio de o viver, leva desta ilha do grupo central uma estima que fica para sempre.
Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos

De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.
Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico

A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.
Ilha Terceira, Açores

Ilha Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Thorong La, Circuito Annapurna, Nepal, foto para a posteridade
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 13º: High Camp - Thorong La - Muktinath, Nepal

No Auge do Circuito dos Annapurnas

Aos 5416m de altitude, o desfiladeiro de Thorong La é o grande desafio e o principal causador de ansiedade do itinerário. Depois de, em Outubro de 2014, ter vitimado 29 montanhistas, cruzá-lo em segurança gera um alívio digno de dupla celebração.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Arquitectura & Design
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Aventura
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Salto para a frente, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu
Cerimónias e Festividades
Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.
Teleférico de Sanahin, Arménia
Cidades
Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Cultura
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Em Viagem
Chefchouen a Merzouga, Marrocos

Marrocos de Cima a Baixo

Das ruelas anis de Chefchaouen às primeiras dunas do Saara revelam-se, em Marrocos, os contrastes bem marcados das primeiras terras africanas, como sempre encarou a Ibéria este vasto reino magrebino.
Conversa entre fotocópias, Inari, Parlamento Babel da Nação Sami Lapónia, Finlândia
Étnico
Inari, Finlândia

O Parlamento Babel da Nação Sami

A Nação sami integra quatro países, que ingerem nas vidas dos seus povos. No parlamento de Inari, em vários dialectos, os sami governam-se como podem.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
muralha da fortaleza de Novgorod e da Catedral Ortodoxa de Santa Sofia, Rússia
História
Novgorod, Rússia

A Avó Viking da Mãe Rússia

Durante quase todo o século que passou, as autoridades da U.R.S.S. omitiram parte das origens do povo russo. Mas a história não deixa lugar para dúvidas. Muito antes da ascensão e supremacia dos czares e dos sovietes, os primeiros colonos escandinavos fundaram, em Novgorod, a sua poderosa nação.
Praia do Penedo, Ilha de Porto Santo, Portugal
Ilhas
Porto Santo, Portugal

Louvada Seja a Ilha do Porto Santo

Descoberta durante uma volta do mar tempestuosa, Porto Santo mantem-se um abrigo providencial. Inúmeros aviões que a meteorologia desvia da vizinha Madeira garantem lá o seu pouso. Como o fazem, todos os anos, milhares de veraneantes rendidos à suavidade e imensidão da praia dourada e à exuberância dos cenários vulcânicos.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Enriquillo, Grande lago das Antilhas, República Dominicana, vista da Cueva das Caritas de Taínos
Natureza
Lago Enriquillo, República Dominicana

Enriquillo: o Grande Lago das Antilhas

Com entre 300 e 400km2, situado a 44 metros abaixo do nível do mar, o Enriquillo é o lago supremo das Antilhas. Mesmo hipersalino e abafado por temperaturas atrozes, não pára de aumentar. Os cientistas têm dificuldade em explicar porquê.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Kogi, PN Tayrona, Guardiães do Mundo, Colômbia
Parques Naturais
PN Tayrona, Colômbia

Quem Protege os Guardiães do Mundo?

Os indígenas da Serra Nevada de Santa Marta acreditam que têm por missão salvar o Cosmos dos “Irmãos mais Novos”, que somos nós. Mas a verdadeira questão parece ser: "Quem os protege a eles?"
Embaixada, Nikko, Spring Festival Shunki-Reitaisai, Cortejo Toshogu Tokugawa, Japão
Património Mundial UNESCO
Nikko, Japão

O Derradeiro Cortejo do Xogum Tokugawa

Em 1600, Ieyasu Tokugawa inaugurou um xogunato que uniu o Japão por 250 anos. Em sua homenagem, Nikko re-encena, todos os anos, a transladação medieval do general para o mausoléu faustoso de Toshogu.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Tarrafal, Santiago, Cabo Verde, Baía do Tarrafal
Praias
Tarrafal, Santiago, Cabo Verde

O Tarrafal da Liberdade e da Vida Lenta

A vila de Tarrafal delimita um recanto privilegiado da ilha de Santiago, com as suas poucas praias de areia branca. Quem por lá se encanta tem ainda mais dificuldade em entender a atrocidade colonial do vizinho campo prisional.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
A Toy Train story
Sobre Carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Sociedade
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Vida Selvagem
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
PT EN ES FR DE IT