Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

A Ponta Leste, algo Extraterrestre da Madeira


Cauda de Lancha
Uma lancha percorre a costa sul da Ponta de São Lourenço.
Flora Exuberante
Um dos poucos exemplos de planta verdejante.
Ilhéu do Farol
O Farol de São Lourenço, a coroar o Ilhéu do Farol.
ponta-sao-lourenco-madeira-portugal-costa-norte
Estrada que conduz ao norte da Ponta de São Lourenço, com vista para a costa norte da Madeira.
Ponta de São Lourenço
A forma caprichosa da Ponta de São Lourenço.
Vista Partilhada
Caminhantes fazem uma pausa no percurso PR8 da Madeira para admirarem a costa norte da Ponta de São Lourenço.
Abençoada Pesca
Pesca artesanal ao largo da costa sul da Ponta de São Lourenço.
Rocha-Elefante
Uma rocha com forma de paquiderme entre o Caniçal e a Ponta de São Lourenço.
O Cais do Sardinha
Cais do Sardinha e a sua praia pedregosa.
Paraíso pouco acessível
Mar esmeralda e cristalino na costa norte da Ponta de São Lourenço.
A Caminho
Caminhante percorre o itinerário PR 8 ao longo do limiar leste da ilha da Madeira.
Em Pouso
Ave-marinha em pouso sobre uma aresta basáltica.
Colónia vermelha de Penhascos
Penhascos aguçados ao largo da costa norte da Ponta de São Lourenço.
Inóspita, de tons ocres e de terra crua, a Ponta de São Lourenço surge, com frequência, como a primeira vista da Madeira. Quando a percorremos, deslumbramo-nos, sobretudo, com o que a mais tropical das ilhas portuguesas não é.

Decorriam os primeiros tempos da vigente pandemia e seus confinamentos quando, a notícia de uma evasão indevida se destacou das demais.

Cristiano Ronaldo tinha ido passar uns dias à Madeira.

Com a ilha e todo o Portugal confinados, publicou fotos suas com a companheira e o filho em passeio na Ponta de São Lourenço.

O seu, à época, mais recente capricho suscitou uma polémica condigna, ainda assim, muito aquém da excentricidade geológica da península extravagante que o acolheu.

Rocha Elefante, Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

Uma rocha com forma de paquiderme entre o Caniçal e a Ponta de São Lourenço.

O Primeiro e Estranho Avistamento da Ilha da Madeira

À passagem ao largo, se distraído, quem chega de ferry da vizinha ilha de Porto Santo poderá ser levado a pensar que nunca chegou a deixar o ponto de partida.

A Ponta de São Lourenço condiz bem mais com Porto Santo ou as Desertas que com a verdejante, em certos pontos, luxuriante Madeira.

E, no entanto, encerra-a como um apenso oriental, sinuoso e bizarro, que o confim oposto da ilha não tem igual.

Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

A forma caprichosa da Ponta de São Lourenço.

No nosso caso, partimos da capital Funchal. Passado o Machico, a visão do porto e complexo industrial do Caniçal deixa-nos apreensivos. Contornada a Quinta do Lorde, deixamos para trás o derradeiro vestígio de civilização povoada.

Uma rotunda que acolhe uma palmeira frondosa e uma roulotte de comes e bebes estabelece o limite rodoviário.

Daí em diante, ao longo de 9km, a Ponta de São Lourenço assume as cores e formas que a sua geologia vulcânica e pré-histórica lhe concedeu. Revela-se e deslumbra por Natureza.

Caminhantes, Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

Caminhantes fazem uma pausa no percurso PR8 da Madeira para admirarem a costa norte da Ponta de São Lourenço.

PR8 – Um Trilho Acima e Abaixo da Ponta de São Lourenço

O trilho que a sulca recebeu o código de PR8. Começa por curvar a meia-encosta, acima do Atlântico suave e cristalino da Baía d’Abra. Logo, desce para um aperto encerrado pela Praia de São Lourenço.

Entretanto, desvia para a vertente oposta. Lá nos deixa num miradouro virado a norte que exibe um castro de ilhéus e rochedos exuberantes, castigados sem clemência pelo mar setentrional.

Penhascos, Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

Penhascos aguçados ao largo da costa norte da Ponta de São Lourenço.

Mesmo à sombra, impressiona-nos a imponência da enseada que dali se estende até à espécie de cabo da Ponta do Rosto. Os seus penhascos elevam-se mais cem metros acima do mar. Em diversos pontos, o trilho avança sobre o fio da navalha dessas alturas. Renova uma inesperada sensação de vertigem.

Voltamos a ascender a tal orla, muito acima da Gruta da Furna do Bode, com a Ponta do Castelo por diante. Aos ziguezagues, descemos para o istmo rasante, curvo e sombrio em que o “mar do Norte” por pouco se funde com o do Sul. O extremo oposto, coloca-nos na base da quase-ilha que se segue.

Barco à pesca, Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

Pesca artesanal ao largo da costa sul da Ponta de São Lourenço.

Havia algum tempo que vislumbrávamos um oásis diminuto, um palmeiral tão verdejante como destoante. Umas centenas de passos depois, percebemos que emprestava sombra à famosa Casa do Sardinha, bar, restaurante, centro de actividades e de recuperação de energias, para muitos, a principal razão de ser da caminhada.

Casa do Sardinha, o Coração Logístico da Ponta de São Lourenço

O nome do estabelecimento mantém-se aquele porque ao longo dos anos ficou conhecido. Ambos, foram legados pelos antigos proprietários daquelas terras, criadores de gado, como o provam as pedras de curral que por ali subsistem, num tempo em que boa parte da península admitia pastos e até cultivos.

De trigo, da cevada plantada pelos também camponeses da vila piscatória do Caniçal que a faziam germinar no solo aparentemente inóspito do actual Ilhéu da Cevada (dos Desembarcadouros).

Não tardámos a avistá-lo.

São Lourenço, o Porquê do Santo Baptismo

A Ponta de São Lourenço está para sempre ligada aos primeiros momentos da descoberta e colonização da Madeira. Preserva o nome da caravela de João Gonçalves Zarco, um dos três descobridores da ilha.

O achamento da Madeira deu-se em 1419, um ano após do de Porto Santo. Por sua vez, a colonização mais próxima da Ponta de São Lourenço, a do Caniçal, verificou-se por volta de 1489, quando Vasco Martins Moniz e o seu filho primogénito Garcia Moniz lá se instalaram numa fazenda.

No início do século XVI, os Moniz ergueram uma igreja que deu origem à mais antiga das pequenas paróquias da Madeira, São Sebastião do Caniçal, mais tarde, freguesia do Caniçal e uma das coutadas preferidas dos descendentes do Capitão Donatário pioneiro do Porto de Machico, Tristão Vaz.

Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

Mar esmeralda e cristalino na costa norte da Ponta de São Lourenço.

Corsários Ingleses, Piratas Mouros e Ameaças Afins

A colonização do extremo oriental da ilha sempre se provou problemática. Sobre o virar para o século XVII, em plena Dinastia Filipina, os ingleses, inimigos viscerais da Coroa Espanhola, encarregaram-se de atacar e saquear os seus habitantes.

Não foram os únicos. O isolamento daquela ponta da Madeira, às portas de África, tornava-a também vulnerável às pilhagens mouras. A zona revelava-se tal maneira susceptível, que a Capitania de Machico relembrava com frequência os colonos para se manterem atentos às fogueiras do Caniçal.

Durante algum tempo, foi este o único sistema de alerta de ataques provindos do lado da Ponta de São Lourenço. Anos mais tarde, reforçou-o um pequeno forte-vigia.

As infraestruturas de defesa poderiam ter sido outras, bem mais funcionais, caso tivesse passado da mente do Marquês de Pombal a ambição de erguer um porto na Baía d’Abra, conjecturado para abrigar dez naus.

Em vez dessa estrutura, hoje, serve a Ponta de São Lourenço o ínfimo Cais do Sardinha, o ancoradouro e prainha de seixos e água cristalina que regala os caminhantes com banhos recompensadores. Também lá teríamos o nosso mas, regressemos ao trilho.

Cais do Sardinha, Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

Cais do Sardinha e a sua praia pedregosa.

A Derradeira e Mais Extenuante Ascensão

É detrás da Casa do Sardinha que parte o derradeiro trecho do PR8, de longe o mais cansativo. Um esboço de escadaria feita de centenas de socalcos irregulares e demasiado largos exigem-nos das coxas, toda a sua força.

Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

Caminhante percorre o itinerário PR 8 ao longo do limiar leste da ilha da Madeira.

Sabemos que o vencemos e que conquistámos os 162 metros do Pico do Furado quando damos com o Miradouro sem saída da Ponta do Furado.

Nesse cimo uma vez mais exposto ao norte, internado no Atlântico como nenhum até então, a ventania é infernal. Perturba-nos a estabilidade necessária à fotografia e agrava o receio de, sem planos para tal, dali nos estatelarmos no fundo rochoso e pedregoso do sopé do Morro do Furado.

Deslumbramo-nos com a solidão insular do Farol algo equilibrista da Ponta de São Lourenço (107m), o limiar humanizado da península. E, para leste, com o vislumbre das esguias Desertas.

Mesmo desejosos de avançar para lá do reduto encordoado, resistimos ao vendaval e fintamos a tragédia.

Uns poucos metros aquém do Pico do Furado, espanta-nos o fulgor vegetal de uma planta que proliferava da sombra e humidade retida entre dois penhascos.

Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

Um dos poucos exemplos de planta verdejante.

Uma Fauna e Flora de Reserva Especial

De aparência inóspita, a Ponta de São Lourenço acolhe formas de vida tão especiais que, em 1982, foi decretada Reserva Natural: a península em si, reserva parcial. O Ilhéu da Cevada, reserva total.

Feitas as contas, a península é habitat de 138 espécies de plantas, 31 delas exclusivas da ilha da Madeira.

No que diz respeito à fauna, abriga uma das maiores colónias de gaivotas do arquipélago, Corre-caminhos, Pintassilgos, Canários-da-Terra, Francelhos, Cagarras, Roques-de-Castro, Almas-Negras e espécimes de Garajau-Comum, bem como alguns inusitados caracóis endémicos.

Pouso, Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

Ave-marinha em pouso sobre uma aresta basáltica.

Ao largo, apesar de mais fáceis de encontrar nas ilhas Desertas, são avistados, de quando em quando, Lobos-Marinhos.

Revertemos à Casa do Sardinha.

Desse quartel-general providencial, regressamos ao início do trilho.

À Descoberta da Ponta de São Loureço. Agora por Mar

Uns dias depois, complementamos a caminhada com uma exploração marinha da Ponta de São Lourenço. Zarpamos da doca da Quinta do Lorde.

Navegamos ao largo dos recortes que precedem a península e, passada a Ponta do Buraco, sobre as águas tranquilas da Baía d’Abra.

Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

Uma lancha percorre a costa sul da Ponta de São Lourenço.

Após uma escala no Cais do Sardinha, seguimos para a base da Ponta do Furado, de onde, ao contrário do miradouro acima, conseguimos detectar e fotografar o furo geológico em questão.

Prosseguimos ao largo do Ilhéu da Cevada, até chegarmos ao estreito que o separa do vizinho ocre de São Lourenço.

Agora, a partir da superfície do mar, impressionamo-nos a dobrar com o coroar destemido do farol homónimo, inaugurado em 1870 e, como tal, o farol ancião da Madeira.

De alguma forma, o Ilhéu do Farol protegia-nos das correntes e vagas caprichosas geradas pelo encontro dos mares do Norte e do Sul. Protegia, mas não muito.

Farol do Ilhéu do Farol, Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

O Farol de São Lourenço, a coroar o Ilhéu do Farol

Quanto mais deixávamos a sombra dos seus penhascos e nos expúnhamos à vastidão do oceano, mais as ondas e as correntes nos faziam sentir a fragilidade que Gonçalves Zarco, Tristão Vaz Teixeira e Bartolomeu Perestrelo souberam domar.

Com o vento a dramatizar o fluir da lancha, impôs-se um regresso às águas tranquilas do sul. Tínhamos desvendado a ponta remota da Ponta de São Lourenço.

Nas muitas voltas que demos à grande ilha, não voltámos a ver uma Madeira assim.

RESERVE O SEU TOUR DE BARCO À PONTA DE SÃO LOURENÇO COM A MADEIRA SEA EMOTIONS:

https://madeiraseaemotions.com/pt

Tel.:  (+351)  91 030 88 04   

Pico do Arieiro - Pico Ruivo, Madeira, Portugal

Pico Arieiro ao Pico Ruivo, Acima de um Mar de Nuvens

A jornada começa com uma aurora resplandecente aos 1818 m, bem acima do mar de nuvens que aconchega o Atlântico. Segue-se uma caminhada sinuosa e aos altos e baixos que termina sobre o ápice insular exuberante do Pico Ruivo, a 1861 metros.
Paul do Mar a Quebrada Nova, Madeira, Portugal

À Descoberta da Finisterra Madeirense

Curva atrás de curva, túnel atrás de túnel, chegamos ao sul solarengo e festivo de Paul do Mar. Arrepiamo-nos com a descida ao retiro vertiginoso da Quebrada Nova. Voltamos a ascender e deslumbramo-nos com o cabo derradeiro de Ponta do Pargo. Tudo isto, nos confins ocidentais da Madeira.
Corvo, Açores

O Abrigo Atlântico Inverosímil da Ilha do Corvo

17 km2 de vulcão afundado numa caldeira verdejante. Uma povoação solitária assente numa fajã. Quatrocentas e trinta almas aconchegadas pela pequenez da sua terra e pelo vislumbre da vizinha Flores. Bem-vindo à mais destemida das ilhas açorianas.
São Jorge, Açores

De Fajã em Fajã

Abundam, nos Açores, faixas de terra habitável no sopé de grandes falésias. Nenhuma outra ilha tem tantas fajãs como as mais de 70 da esguia e elevada São Jorge. Foi nelas que os jorgenses se instalaram. Nelas assentam as suas atarefadas vidas atlânticas.
Graciosa, Açores

Sua Graça a Graciosa

Por fim, desembarcarmos na Graciosa, a nossa nona ilha dos Açores. Mesmo se menos dramática e verdejante que as suas vizinhas, a Graciosa preserva um encanto atlântico que é só seu. Quem tem o privilégio de o viver, leva desta ilha do grupo central uma estima que fica para sempre.
Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos

De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.
Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico

A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Ilha Terceira, Açores

Ilha da Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
Telhados cinza, Lijiang, Yunnan, China
UNESCO
Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Via Conflituosa
Cerimónias e Festividades
Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem a Via Dolorosa, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Cidades
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Verificação da correspondência
Cultura
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Teleférico que liga Puerto Plata ao cimo do PN Isabel de Torres
Em Viagem
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Étnico
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Competição do Alaskan Lumberjack Show, Ketchikan, Alasca, EUA
História
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Singapura, ilha Sucesso e Monotonia
Ilhas
Singapura

A Ilha do Sucesso e da Monotonia

Habituada a planear e a vencer, Singapura seduz e recruta gente ambiciosa de todo o mundo. Ao mesmo tempo, parece aborrecer de morte alguns dos seus habitantes mais criativos.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Cowboys basotho, Malealea, Lesoto
Natureza
Malealea, Lesoto

A Vida no Reino Africano dos Céus

O Lesoto é o único estado independente situado na íntegra acima dos mil metros. Também é um dos países no fundo do ranking mundial de desenvolvimento humano. O seu povo altivo resiste à modernidade e a todas as adversidades no cimo da Terra grandioso mas inóspito que lhe calhou.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Parques Naturais
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Aloés excelsa junto ao muro do Grande Cercado, Great Zimbabwe
Património Mundial UNESCO
Grande Zimbabwe

Grande Zimbabué, Mistério sem Fim

Entre os séculos XI e XIV, povos Bantu ergueram aquela que se tornou a maior cidade medieval da África sub-saariana. De 1500 em diante, à passagem dos primeiros exploradores portugueses chegados de Moçambique, a cidade estava já em declínio. As suas ruínas que inspiraram o nome da actual nação zimbabweana encerram inúmeras questões por responder.  
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, recife coral
Praias
Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.
Forte de São Filipe, Cidade Velha, ilha de Santiago, Cabo Verde
Religião
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Sociedade
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Vai-e-vem fluvial
Vida Selvagem
Iriomote, Japão

Iriomote, uma Pequena Amazónia do Japão Tropical

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.