Vereda Terra Chã e Pico Branco, Porto Santo

Pico Branco, Terra Chã e Outros Caprichos da Ilha Dourada


O Pico Juliana
Estrada Regional 111 serpenteia abaixo do Pico Juliana.
A Rocha Quebrada
Carolina Freitas contempla a falésia sulcada da Rocha Quebrada.
Ciprestes e o Fundo
Ciprestes despontam do cimo da vertente do Pjco Branco.
Direcções & Distâncias
Tabuleta tripla indica os sentidos e distâncias mais importantes da vereda.
A Vista do Cimo
Sara Wong e Carolina Freitas no cimo do Pico Branco.
Luz radiosa
Luz resplandece no relevo abaixo e a sul do Pico Branco.
A Vista do Pico Branco
O relevo acidentado abaixo e para sul do Pico Branco, o segundo ponto mais elevado de Porto Santo.
Nicho santuário
Santuário fúnebre com imagem da Virgem Maria.
Um V de Mar
Um recorte da vertente do Pico Branco emoldura o Atlântico azulão.
Cenário de Ouro
Carolina Freitas desce a escadaria que conduz ao cimo do Pico Branco.
Mar Verde-Azul
Folhagem de ciprestes recorta a vastidão do oceano Atlântico.
As Traseiras de Porto Santo
Enseada profunda da costa norte de Porto Santo.
Um Farto Fetal
Caminhante prestes a deixar um fetal da vereda Pico Branco e Terra Chã para trás.
No seu recanto nordeste, Porto Santo é outra coisa. De costas voltadas para o sul e para a sua grande praia, desvendamos um litoral montanhoso, escarpado e até arborizado, pejado de ilhéus que salpicam um Atlântico ainda mais azul.

Os moinhos da Portela ficam para trás, no seu girar imaginário ao vento do cimo da Portela.

Carolina Freitas aponta o jipe às curvas, altos e baixos da Estrada Regional 111. Cruzamos a Serra de Fora do Porto Santo, a mais próxima do sul da Vila Baleira e da faixa urbanizada da ilha. Curva atrás de curva, entramos na outra Serra, a de Dentro. Em tempos, as encostas e o vale desta serrania interior abrigavam abundantes agrícolas.

O solo chegou a ser fértil ao ponto de justificar o trabalho de erguer conjuntos de socalcos. preparados para reter a chuva e a humidade que agraciassem as vertentes oeste da ilha, bem mais irrigadas que as a oriente, de tal maneira que subsistem na sua base, dois grandes reservatórios que a rara pluviosidade abastece. De acordo, quase só essas vertentes do oeste eram plantadas com cevada e outros cereais de sequeiro.

Com o tempo, a ilha do Porto Santo tornou-se mais árida. Em simultâneo, a preponderância do turismo reforçada sobretudo pela grande praia da costa sul de que nos continuávamos a distanciar, retirou sentido à agricultura trabalhosa da ilha.

A ER 111 serpenteia um pouco mais e flecte para oeste. Sem que o esperássemos, deixamos de a acompanhar. Carolina entra para um desvio de terra batida, ascendemos umas dezenas de metros. A guia detém o jipe.

Porto Santo, ER111 e Pico Juliana

Estrada Regional 111 serpenteia abaixo do Pico Juliana.

Da Estrada à Vereda para o Pico Branco e Terra Chã

“Cá estamos. Vamos a isto? desafia-nos, com a sua energia contagiante de sempre. Estamos a meio da tarde. Faz um calor abafado por nuvens de um cinzento-claro que só de quando em quando concedem ao sol uma espreitadela.

Acima e pela frente temos uma longa vertente sulcada e listada por incontáveis colunas de rocha que a erosão desgastou ou, a espaços, fez sumir.

Pouco a pouco, o caminho sobe na vertente. Em tempos, deixava os caminhantes expostos a precipícios consideráveis, razão porque foi dotado de uma vedação de madeira, do mesmo tom que a superfície da encosta, de tal maneira camuflada que a distância a faz desaparecer.

Afiançam registos e a memória dos ilhéus que, noutra era, este mesmo trilho terá sido escavado na ladeira pedregosa para permitir que os burros da ilha carregassem a cevada entre a Terra Chã em que era cultivada e o norte da ilha. Hoje, no fundo do vale, a própria estrada ER 111 emula os meandros elevados da vereda.

A sucessão interminável das colunas prismáticas da Rocha Quebrada, mesmo se intrigante e deslumbrante, acaba por tornar o cenário por diante repetitivo.

A reacção natural é virarmos a atenção para as vistas pelas costas e para as do lado de lá do vale.

Atrás de nós, destacado acima de um vislumbre do mar do norte, destacava-se o Pico Juliana (316m), pontiagudo, sulcado por socalcos que se estendiam até ao seu cume rochoso. E repleto de arvoredo juvenil, supomos que pequenos pinheiros-de-Alepo.

Carolina fala-nos também do mais baixo Pico da Gandaia que – dizem as más-línguas da ilha – recebeu tal baptismo por ser um dos eleitos pelos casais de Porto Santo para namoricos e afins.

Os Inevitáveis Coelhos de Porto Santo

Não obstante a sua dureza inóspita de quase rocha, sempre que o declive da vertente se suaviza um pouco, do nada, surgem os prolíficos coelhos do Porto Santo, descendentes do casal que se diz introduzido por Bartolomeu Perestrelo, futuro capitão donatário do Porto Santo.

Sabe-se que, apesar de terem assegurado uma fonte fácil de carne, como se esperava, os coelhos reproduziram-se de forma exponencial.

Porto Santo, Rocha Quebrada, Terra Chã e Pico Branco

Carolina Freitas contempla a falésia sulcada da Rocha Quebrada.

Se o Porto Santo já não era propriamente luxuriante, menos vegetação passou a ter quando centenas, milhares de espécimes passaram a sobreviver da pouca que existia, da nativa da ilha e da dos cultivos que foram introduzidos, casos da vinha, da cana-de-açúcar e das mais diversas experiências hortícolas.

Desde então bem alimentados, os coelhos contemplavam-nos, por breves momentos, de orelhas bem levantadas. Logo, saíam disparados encosta abaixo para uma qualquer toca do seu contentamento.

Continuamos a ascender. Tínhamos começado em redor dos 200 m acima do nível do mar.  Sabíamos que o mais alto a que o percurso chegava eram os 450 m do Pico Branco, a segunda maior elevação da ilha. Em termos de esforço físico, a conquista deste quase monte estava longe nos intimidar.

Porto Santo, Visto do cimo do Pico Branco

Ciprestes despontam do cimo da vertente do Pjco Branco.

O  Cimo Panorâmico do Cabeço do Caranguejo

Prosseguimos com caminhada e à conversa, sempre que os pulmões bombeavam oxigênio suficiente para as duas actividades. Interrompemos a tagarelice no assalto final, bem mais íngreme que até então, ao Cabeço do Caranguejo, uma orla pedregosa que nos desvendou as primeiras vistas para o lado nordeste da arriba.

Contornamo-lo. Inauguramos a descida para esse lado. Uma bifurcação do trilho estabelecia os caminhos para o Pico Branco e para a Terra Chã, esta, uns 400 metros para baixo e para o interior.

Como previsto, tomamos o do Pico Branco, que continua pelo meio de uma inesperada floresta de ciprestes-da-Califórnia enormes e viçosos, empoleirados na encosta, a comporem um inesperado Porto Santo frondoso e verdejante.

Aqui e ali, complementado por escadarias, o trilho ziguezagueia ajustado ao cimo do monte. Revela-nos perspectivas vertiginosas das falésias e enseadas acima da Ponta do Miguel, batidas por um Atlântico que um qualquer truque da luz exibia num azul resplandecente.

Porto Santo, vista para sul do Pico Branco

Sol filtrado por nuvens incide no relevo abaixo e a sul do Pico Branco.

Víamo-lo salpicado do branco da espuma marinha que envolvia os grandes rochedos e até ilhéus que colonizavam o oceano, um domínio ermo esvoaçado por espécies marinhas felizardas: cagarras, andorinhas-do-mar, almas-negras, roques-de-castro, rolinhas-da-praia.

E outras, no grupo das rapinas, as mantas e os francelhos, toda uma avifauna em parte endémica que contribuiu para a recente candidatura de Porto Santo a Reserva da Biosfera da UNESCO, feita em Setembro de 2019, e sob apreciação da organização.

A Conquista do Pico Branco e a Ameaça Pirata ao Porto Santo

Vencido um derradeiro meandro, conquistamos o Pico Branco.

Aos 450 metros do cume, confirmamos a pedra esbranquiçada que o forma, em certas secções mais expostas à humidade, coberta de urzela, o líquen que lhe inspirou o baptismo, em ambos os casos contrastantes com a terra e rocha vermelha e vulcânica abundante no caminho para o cume.

Do cimo achatado e murado do Pico Branco, deslumbramo-nos com a vista sobre o sul. A Terra Chã e a Ponta dos Ferreiros, o vislumbre do Ilhéu de Cima, no prolongamento da Ponta do Passo.

Porto Santo, cume do Pico Branco

Sara Wong e Carolina Freitas no cimo do Pico Branco.

E, para o interior da ilha, mais distante, o Pico do Facho (516 m). Este que é o cume supremo de Porto Santo ficou assim para a historia por ter servido para avistar a aproximação de navios piratas do Porto Santo e para alertar os habitantes para a sua aproximação.

O aviso fazia-se com recurso ao fogo de grandes fachos, visíveis a qualquer hora do dia, não fossem os piratas magrebinos apanhá-los desprevenidos.

As matamorras como a que resiste na Casa da Serra que avistamos do Miradouro da Terra Chã, permitiam aos portosantenses esconderem os mantimentos e outros bens essenciais à subsistência na ilha. Não eram garantia de segurança, longe disso.

Sabe-se que um dos lugares preferidos para refúgio dos bárbaros chegados de África era o Pico do Castelo (437m), em que subsistem ruínas de uma fortaleza erguida durante o século XVI, já a ameaça dos piratas atormentava há muito a vida e o sono dos colonos.

Mesmo com o Porto Santo já dotado do pequeno castelo no cimo do morro, numa determinada incursão e pilhagem pirata de 1617, quase todos os portosantenses foram levados como escravos para terras africanas infiéis que, dali, continuam a distar pouco menos de 500km.

Porto Santo, Fetal da vereda Terra Chã e Pico Branco

Tabuleta tripla indica os sentidos e distâncias mais importantes da vereda.

O Esconderijo dos Homiziados e os Frades Naufragados

Abaixo da Terra Chã, existe uma furna que se popularizou como dos Homiziados. Terá servido de esconderijo dos piratas mas também, como o nome indica, de abrigo para os fora-da-lei da ilha. E, não bastassem as tragédias trazidas pelos piratas, conta uma lenda que, em tempos, o tecto dessa tal gruta se abateu sobre alguns infelizes abrigados.

São raros, no Porto Santo, os nomes de lugares dados à toa. Em cada baptismo, a ilha faz questão de eternizar o seu passado.

Nas imediações da Terra Chã, fica outro desses exemplos, o Porto de Frades. A quem hoje o encontra, parece apenas e só uma enseada com beira-mar de calhau, água cristalina e um visual ocre-amarelado com o seu quê de misticismo. E, no entanto, o nome que ostenta deixa uma pista para outro dos episódios ainda hoje debatidos da história do Porto Santo.

Segundo narram registos de então, durante a sua segunda visita à ilha, Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira encontraram naquela mesma calheta dois frades portugueses.

Os monges tinham zarpado de Portugal com o rumo das ilhas Canárias, com a missão de contribuir para a conversão dos indígenas Guanches, nativos daquele arquipélago e que então continuavam a resistir à ocupação dos colonos espanhóis e franceses.

Pois, segundo esclareceram, a embarcação em que seguiam teria naufragado. Ainda assim, conseguiram alcançar o Porto Santo. Socorridos pelos homens de Zarco e Tristão, os frades acederam a acompanhar a expedição portuguesa e a se fixarem na ilha da Madeira em vez de nas nas Canárias.

Porto Santo, santuário com Virgem Maria

Santuário fúnebre com imagem da Virgem Maria.

A sua presença na Madeira suscitou que outros frades para lá se mudassem do continente. Mais tarde, a congregação que integraram veio a fundar o Convento de São Bernardino, na região de Câmara de Lobos.

Em Porto Santo, um legado religioso comparável é o da Capela de Nª Srª da Graça cujas fundações se estimam anteriores a 1533. Estava, todavia, escondida para oeste da Serra de Fora que, dali, não conseguíamos avistar.

Tínhamos deixado o jipe abaixo do Pico Juliana. Vimo-nos, assim, obrigados a um regresso de 2km e pouco pelo caminho que ali nos levara.

Porto Santo, Fetal da vereda Terra Chã e Pico Branco

Caminhante prestes a deixar um fetal da vereda Pico Branco e Terra Chã para trás.

Cumprimo-lo no mesmo modo da ida: deslumbrados pelas obras de arte geológicas impressionantes de Porto Santo. De olho nos coelhos que nos mantinham sob vigia.

 

Para Reservar Actividades em Porto Santo contacte a DUNAS VIAGENS E TURISMO

www.dunastravel.com

+351  291 983 088

[email protected]

Porto Santo, Portugal

Louvada Seja a Ilha do Porto Santo

Descoberta durante uma volta do mar tempestuosa, Porto Santo mantem-se um abrigo providencial. Inúmeros aviões que a meteorologia desvia da vizinha Madeira garantem lá o seu pouso. Como o fazem, todos os anos, milhares de veraneantes rendidos à suavidade e imensidão da praia dourada e à exuberância dos cenários vulcânicos.
Pico do Arieiro - Pico Ruivo, Madeira, Portugal

Pico Arieiro ao Pico Ruivo, Acima de um Mar de Nuvens

A jornada começa com uma aurora resplandecente aos 1818 m, bem acima do mar de nuvens que aconchega o Atlântico. Segue-se uma caminhada sinuosa e aos altos e baixos que termina sobre o ápice insular exuberante do Pico Ruivo, a 1861 metros.
Paul do Mar a Quebrada Nova, Madeira, Portugal

À Descoberta da Finisterra Madeirense

Curva atrás de curva, túnel atrás de túnel, chegamos ao sul solarengo e festivo de Paul do Mar. Arrepiamo-nos com a descida ao retiro vertiginoso da Quebrada Nova. Voltamos a ascender e deslumbramo-nos com o cabo derradeiro de Ponta do Pargo. Tudo isto, nos confins ocidentais da Madeira.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos

De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.
Ilha Terceira, Açores

Ilha da Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha-Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico

A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.
Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
Lanzarote, Ilhas Canárias

A César Manrique o que é de César Manrique

Só por si, Lanzarote seria sempre uma Canária à parte mas é quase impossível explorá-la sem descobrir o génio irrequieto e activista de um dos seus filhos pródigos. César Manrique faleceu há quase trinta anos. A obra prolífica que legou resplandece sobre a lava da ilha vulcânica que o viu nascer.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Parques nacionais
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Sombra vs Luz
Arquitectura & Design

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
Salto para a frente, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu
Cerimónias e Festividades
Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.
Comunismo Imperial
Cidades

Hué, Vietname

A Herança Vermelha do Vietname Imperial

Sofreu as piores agruras da Guerra do Vietname e foi desprezada pelos vietcong devido ao passado feudal. As bandeiras nacional-comunistas esvoaçam sobre as suas muralhas mas Hué recupera o esplendor.

Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Conversa entre fotocópias, Inari, Parlamento Babel da Nação Sami Lapónia, Finlândia
Cultura
Inari, Finlândia

O Parlamento Babel da Nação Sami

A Nação sami integra quatro países, que ingerem nas vidas dos seus povos. No parlamento de Inari, em vários dialectos, os sami governam-se como podem.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Em Viagem
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Músicos de etnia karanga jnunto às ruínas de Grande Zimbabwe, Zimbabwe
Étnico
Grande Zimbabué

Grande Zimbabwe, Pequena Dança Bira

Nativos de etnia Karanga da aldeia KwaNemamwa exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas do Grande Zimbabwe. o lugar mais emblemático do Zimbabwe, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova e problemática nação.  
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Monumento Cap 110, Martinica, Antilhas Francesas
História
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Um cenário imponente
Ilhas

Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.

Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Inverno Branco
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Estancia Harberton, Tierra del Fuego, Argentina
Natureza
Terra do Fogo, Argentina

Uma Fazenda no Fim do Mundo

Em, 1886, Thomas Bridges, um órfão inglês levado pela família missionária adoptiva para os confins do hemisfério sul fundou a herdade anciã da Terra do Fogo. Bridges e os descendentes entregaram-se ao fim do mundo. Hoje, a sua Estancia Harberton é um deslumbrante monumento argentino à determinação e à resiliência humana.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Mangal entre Ibo e ilha Quirimba-Moçambique
Parques Naturais
Ilha do Ibo a Ilha QuirimbaMoçambique

Ibo a Quirimba ao Sabor da Maré

Há séculos que os nativos viajam mangal adentro e afora entre a ilha do Ibo e a de Quirimba, no tempo que lhes concede a ida-e-volta avassaladora do oceano Índico. À descoberta da região, intrigados pela excentricidade do percurso, seguimos-lhe os passos anfíbios.
Carrinha no Jossingfjord, Magma Geopark, Noruega
Património Mundial UNESCO
Magma Geopark, Noruega

Uma Noruega Algo Lunar

Se recuássemos aos confins geológicos do tempo, encontraríamos o sudoeste da Noruega repleto de enormes montanhas e de um magma incandescente que sucessivos glaciares viriam a moldar. Os cientistas apuraram que o mineral ali predominante é mais comum na Lua que na Terra. Vários dos cenários que exploramos no vasto Magma Geopark da região parecem tirados do nosso grande satélite natural.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Hotel à moda Tayrona
Praias

Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.  

Àgua doce
Religião

Maurícias

Uma Míni-Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.    

Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Graffiti deusa creepy, Haight Ashbury, Sao Francisco, EUA, Estados Unidos America
Sociedade
The Haight, São Francisco, E.U.A.

Órfãos do Verão do Amor

O inconformismo e a criatividade ainda estão presentes no antigo bairro Flower Power. Mas, quase 50 anos depois, a geração hippie deu lugar a uma juventude sem-abrigo, descontrolada e até agressiva.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Trio das alturas
Vida Selvagem

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.