Vereda Terra Chã e Pico Branco, Porto Santo

Pico Branco, Terra Chã e Outros Caprichos da Ilha Dourada


O Pico Juliana
Estrada Regional 111 serpenteia abaixo do Pico Juliana.
A Rocha Quebrada
Carolina Freitas contempla a falésia sulcada da Rocha Quebrada.
Ciprestes e o Fundo
Ciprestes despontam do cimo da vertente do Pjco Branco.
Direcções & Distâncias
Tabuleta tripla indica os sentidos e distâncias mais importantes da vereda.
A Vista do Cimo
Sara Wong e Carolina Freitas no cimo do Pico Branco.
Luz radiosa
Luz resplandece no relevo abaixo e a sul do Pico Branco.
A Vista do Pico Branco
O relevo acidentado abaixo e para sul do Pico Branco, o segundo ponto mais elevado de Porto Santo.
Nicho santuário
Santuário fúnebre com imagem da Virgem Maria.
Um V de Mar
Um recorte da vertente do Pico Branco emoldura o Atlântico azulão.
Cenário de Ouro
Carolina Freitas desce a escadaria que conduz ao cimo do Pico Branco.
Mar Verde-Azul
Folhagem de ciprestes recorta a vastidão do oceano Atlântico.
As Traseiras de Porto Santo
Enseada profunda da costa norte de Porto Santo.
Um Farto Fetal
Caminhante prestes a deixar um fetal da vereda Pico Branco e Terra Chã para trás.
No seu recanto nordeste, Porto Santo é outra coisa. De costas voltadas para o sul e para a sua grande praia, desvendamos um litoral montanhoso, escarpado e até arborizado, pejado de ilhéus que salpicam um Atlântico ainda mais azul.

Os moinhos da Portela ficam para trás, no seu girar imaginário ao vento do cimo da Portela.

Carolina Freitas aponta o jipe às curvas, altos e baixos da Estrada Regional 111. Cruzamos a Serra de Fora do Porto Santo, a mais próxima do sul da Vila Baleira e da faixa urbanizada da ilha. Curva atrás de curva, entramos na outra Serra, a de Dentro. Em tempos, as encostas e o vale desta serrania interior abrigavam abundantes agrícolas.

O solo chegou a ser fértil ao ponto de justificar o trabalho de erguer conjuntos de socalcos. preparados para reter a chuva e a humidade que agraciassem as vertentes oeste da ilha, bem mais irrigadas que as a oriente, de tal maneira que subsistem na sua base, dois grandes reservatórios que a rara pluviosidade abastece. De acordo, quase só essas vertentes do oeste eram plantadas com cevada e outros cereais de sequeiro.

Com o tempo, a ilha do Porto Santo tornou-se mais árida. Em simultâneo, a preponderância do turismo reforçada sobretudo pela grande praia da costa sul de que nos continuávamos a distanciar, retirou sentido à agricultura trabalhosa da ilha.

A ER 111 serpenteia um pouco mais e flecte para oeste. Sem que o esperássemos, deixamos de a acompanhar. Carolina entra para um desvio de terra batida, ascendemos umas dezenas de metros. A guia detém o jipe.

Porto Santo, ER111 e Pico Juliana

Estrada Regional 111 serpenteia abaixo do Pico Juliana.

Da Estrada à Vereda para o Pico Branco e Terra Chã

“Cá estamos. Vamos a isto? desafia-nos, com a sua energia contagiante de sempre. Estamos a meio da tarde. Faz um calor abafado por nuvens de um cinzento-claro que só de quando em quando concedem ao sol uma espreitadela.

Acima e pela frente temos uma longa vertente sulcada e listada por incontáveis colunas de rocha que a erosão desgastou ou, a espaços, fez sumir.

Pouco a pouco, o caminho sobe na vertente. Em tempos, deixava os caminhantes expostos a precipícios consideráveis, razão porque foi dotado de uma vedação de madeira, do mesmo tom que a superfície da encosta, de tal maneira camuflada que a distância a faz desaparecer.

Afiançam registos e a memória dos ilhéus que, noutra era, este mesmo trilho terá sido escavado na ladeira pedregosa para permitir que os burros da ilha carregassem a cevada entre a Terra Chã em que era cultivada e o norte da ilha. Hoje, no fundo do vale, a própria estrada ER 111 emula os meandros elevados da vereda.

A sucessão interminável das colunas prismáticas da Rocha Quebrada, mesmo se intrigante e deslumbrante, acaba por tornar o cenário por diante repetitivo.

A reacção natural é virarmos a atenção para as vistas pelas costas e para as do lado de lá do vale.

Atrás de nós, destacado acima de um vislumbre do mar do norte, destacava-se o Pico Juliana (316m), pontiagudo, sulcado por socalcos que se estendiam até ao seu cume rochoso. E repleto de arvoredo juvenil, supomos que pequenos pinheiros-de-Alepo.

Carolina fala-nos também do mais baixo Pico da Gandaia que – dizem as más-línguas da ilha – recebeu tal baptismo por ser um dos eleitos pelos casais de Porto Santo para namoricos e afins.

Os Inevitáveis Coelhos de Porto Santo

Não obstante a sua dureza inóspita de quase rocha, sempre que o declive da vertente se suaviza um pouco, do nada, surgem os prolíficos coelhos do Porto Santo, descendentes do casal que se diz introduzido por Bartolomeu Perestrelo, futuro capitão donatário do Porto Santo.

Sabe-se que, apesar de terem assegurado uma fonte fácil de carne, como se esperava, os coelhos reproduziram-se de forma exponencial.

Porto Santo, Rocha Quebrada, Terra Chã e Pico Branco

Carolina Freitas contempla a falésia sulcada da Rocha Quebrada.

Se o Porto Santo já não era propriamente luxuriante, menos vegetação passou a ter quando centenas, milhares de espécimes passaram a sobreviver da pouca que existia, da nativa da ilha e da dos cultivos que foram introduzidos, casos da vinha, da cana-de-açúcar e das mais diversas experiências hortícolas.

Desde então bem alimentados, os coelhos contemplavam-nos, por breves momentos, de orelhas bem levantadas. Logo, saíam disparados encosta abaixo para uma qualquer toca do seu contentamento.

Continuamos a ascender. Tínhamos começado em redor dos 200 m acima do nível do mar.  Sabíamos que o mais alto a que o percurso chegava eram os 450 m do Pico Branco, a segunda maior elevação da ilha. Em termos de esforço físico, a conquista deste quase monte estava longe nos intimidar.

Porto Santo, Visto do cimo do Pico Branco

Ciprestes despontam do cimo da vertente do Pjco Branco.

O  Cimo Panorâmico do Cabeço do Caranguejo

Prosseguimos com caminhada e à conversa, sempre que os pulmões bombeavam oxigênio suficiente para as duas actividades. Interrompemos a tagarelice no assalto final, bem mais íngreme que até então, ao Cabeço do Caranguejo, uma orla pedregosa que nos desvendou as primeiras vistas para o lado nordeste da arriba.

Contornamo-lo. Inauguramos a descida para esse lado. Uma bifurcação do trilho estabelecia os caminhos para o Pico Branco e para a Terra Chã, esta, uns 400 metros para baixo e para o interior.

Como previsto, tomamos o do Pico Branco, que continua pelo meio de uma inesperada floresta de ciprestes-da-Califórnia enormes e viçosos, empoleirados na encosta, a comporem um inesperado Porto Santo frondoso e verdejante.

Aqui e ali, complementado por escadarias, o trilho ziguezagueia ajustado ao cimo do monte. Revela-nos perspectivas vertiginosas das falésias e enseadas acima da Ponta do Miguel, batidas por um Atlântico que um qualquer truque da luz exibia num azul resplandecente.

Porto Santo, vista para sul do Pico Branco

Sol filtrado por nuvens incide no relevo abaixo e a sul do Pico Branco.

Víamo-lo salpicado do branco da espuma marinha que envolvia os grandes rochedos e até ilhéus que colonizavam o oceano, um domínio ermo esvoaçado por espécies marinhas felizardas: cagarras, andorinhas-do-mar, almas-negras, roques-de-castro, rolinhas-da-praia.

E outras, no grupo das rapinas, as mantas e os francelhos, toda uma avifauna em parte endémica que contribuiu para a recente candidatura de Porto Santo a Reserva da Biosfera da UNESCO, feita em Setembro de 2019, e sob apreciação da organização.

A Conquista do Pico Branco e a Ameaça Pirata ao Porto Santo

Vencido um derradeiro meandro, conquistamos o Pico Branco.

Aos 450 metros do cume, confirmamos a pedra esbranquiçada que o forma, em certas secções mais expostas à humidade, coberta de urzela, o líquen que lhe inspirou o baptismo, em ambos os casos contrastantes com a terra e rocha vermelha e vulcânica abundante no caminho para o cume.

Do cimo achatado e murado do Pico Branco, deslumbramo-nos com a vista sobre o sul. A Terra Chã e a Ponta dos Ferreiros, o vislumbre do Ilhéu de Cima, no prolongamento da Ponta do Passo.

Porto Santo, cume do Pico Branco

Sara Wong e Carolina Freitas no cimo do Pico Branco.

E, para o interior da ilha, mais distante, o Pico do Facho (516 m). Este que é o cume supremo de Porto Santo ficou assim para a historia por ter servido para avistar a aproximação de navios piratas do Porto Santo e para alertar os habitantes para a sua aproximação.

O aviso fazia-se com recurso ao fogo de grandes fachos, visíveis a qualquer hora do dia, não fossem os piratas magrebinos apanhá-los desprevenidos.

As matamorras como a que resiste na Casa da Serra que avistamos do Miradouro da Terra Chã, permitiam aos portosantenses esconderem os mantimentos e outros bens essenciais à subsistência na ilha. Não eram garantia de segurança, longe disso.

Sabe-se que um dos lugares preferidos para refúgio dos bárbaros chegados de África era o Pico do Castelo (437m), em que subsistem ruínas de uma fortaleza erguida durante o século XVI, já a ameaça dos piratas atormentava há muito a vida e o sono dos colonos.

Mesmo com o Porto Santo já dotado do pequeno castelo no cimo do morro, numa determinada incursão e pilhagem pirata de 1617, quase todos os portosantenses foram levados como escravos para terras africanas infiéis que, dali, continuam a distar pouco menos de 500km.

Porto Santo, Fetal da vereda Terra Chã e Pico Branco

Tabuleta tripla indica os sentidos e distâncias mais importantes da vereda.

O Esconderijo dos Homiziados e os Frades Naufragados

Abaixo da Terra Chã, existe uma furna que se popularizou como dos Homiziados. Terá servido de esconderijo dos piratas mas também, como o nome indica, de abrigo para os fora-da-lei da ilha. E, não bastassem as tragédias trazidas pelos piratas, conta uma lenda que, em tempos, o tecto dessa tal gruta se abateu sobre alguns infelizes abrigados.

São raros, no Porto Santo, os nomes de lugares dados à toa. Em cada baptismo, a ilha faz questão de eternizar o seu passado.

Nas imediações da Terra Chã, fica outro desses exemplos, o Porto de Frades. A quem hoje o encontra, parece apenas e só uma enseada com beira-mar de calhau, água cristalina e um visual ocre-amarelado com o seu quê de misticismo. E, no entanto, o nome que ostenta deixa uma pista para outro dos episódios ainda hoje debatidos da história do Porto Santo.

Segundo narram registos de então, durante a sua segunda visita à ilha, Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira encontraram naquela mesma calheta dois frades portugueses.

Os monges tinham zarpado de Portugal com o rumo das ilhas Canárias, com a missão de contribuir para a conversão dos indígenas Guanches, nativos daquele arquipélago e que então continuavam a resistir à ocupação dos colonos espanhóis e franceses.

Pois, segundo esclareceram, a embarcação em que seguiam teria naufragado. Ainda assim, conseguiram alcançar o Porto Santo. Socorridos pelos homens de Zarco e Tristão, os frades acederam a acompanhar a expedição portuguesa e a se fixarem na ilha da Madeira em vez de nas nas Canárias.

Porto Santo, santuário com Virgem Maria

Santuário fúnebre com imagem da Virgem Maria.

A sua presença na Madeira suscitou que outros frades para lá se mudassem do continente. Mais tarde, a congregação que integraram veio a fundar o Convento de São Bernardino, na região de Câmara de Lobos.

Em Porto Santo, um legado religioso comparável é o da Capela de Nª Srª da Graça cujas fundações se estimam anteriores a 1533. Estava, todavia, escondida para oeste da Serra de Fora que, dali, não conseguíamos avistar.

Tínhamos deixado o jipe abaixo do Pico Juliana. Vimo-nos, assim, obrigados a um regresso de 2km e pouco pelo caminho que ali nos levara.

Porto Santo, Fetal da vereda Terra Chã e Pico Branco

Caminhante prestes a deixar um fetal da vereda Pico Branco e Terra Chã para trás.

Cumprimo-lo no mesmo modo da ida: deslumbrados pelas obras de arte geológicas impressionantes de Porto Santo. De olho nos coelhos que nos mantinham sob vigia.

 

Para Reservar Actividades em Porto Santo contacte a DUNAS VIAGENS E TURISMO

www.dunastravel.com

+351  291 983 088

[email protected]

Porto Santo, Portugal

Louvada Seja a Ilha do Porto Santo

Descoberta durante uma volta do mar tempestuosa, Porto Santo mantem-se um abrigo providencial. Inúmeros aviões que a meteorologia desvia da vizinha Madeira garantem lá o seu pouso. Como o fazem, todos os anos, milhares de veraneantes rendidos à suavidade e imensidão da praia dourada e à exuberância dos cenários vulcânicos.
Pico do Arieiro - Pico Ruivo, Madeira, Portugal

Pico Arieiro ao Pico Ruivo, Acima de um Mar de Nuvens

A jornada começa com uma aurora resplandecente aos 1818 m, bem acima do mar de nuvens que aconchega o Atlântico. Segue-se uma caminhada sinuosa e aos altos e baixos que termina sobre o ápice insular exuberante do Pico Ruivo, a 1861 metros.
Paul do Mar a Quebrada Nova, Madeira, Portugal

À Descoberta da Finisterra Madeirense

Curva atrás de curva, túnel atrás de túnel, chegamos ao sul solarengo e festivo de Paul do Mar. Arrepiamo-nos com a descida ao retiro vertiginoso da Quebrada Nova. Voltamos a ascender e deslumbramo-nos com o cabo derradeiro de Ponta do Pargo. Tudo isto, nos confins ocidentais da Madeira.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos

De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.
Ilha Terceira, Açores

Ilha da Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico

A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.
Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
Lanzarote, Ilhas Canárias

A César Manrique o que é de César Manrique

Só por si, Lanzarote seria sempre uma Canária à parte mas é quase impossível explorá-la sem descobrir o génio irrequieto e activista de um dos seus filhos pródigos. César Manrique faleceu há quase trinta anos. A obra prolífica que legou resplandece sobre a lava da ilha vulcânica que o viu nascer.
San Cristobal de Las Casas, Chiapas, Zapatismo, México, Catedral San Nicolau
UNESCO
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Arquitectura & Design
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Nana Kwame V, chefe ganês, festival Fetu Afahye, Gana
Cerimónias e Festividades
Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.
Penhascos acima do Valley of Desolation, junto a Graaf Reinet, África do Sul
Cidades
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Celebração newar, Bhaktapur, Nepal
Cultura
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Assuão, Egipto, rio Nilo encontra a África negra, ilha Elefantina
Em Viagem
Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.
Horseshoe Bend
Étnico
Navajo Nation, E.U.A.

Por Terras da Nação Navajo

De Kayenta a Page, com passagem pelo Marble Canyon, exploramos o sul do Planalto do Colorado. Dramáticos e desérticos, os cenários deste domínio indígena recortado no Arizona revelam-se esplendorosos.
luz solar fotografia, sol, luzes
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Capacete capilar
História
Viti Levu, Fiji

Canibalismo e Cabelo, Velhos Passatempos de Viti Levu, ilhas Fiji

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.
Efate, Vanuatu, transbordo para o "Congoola/Lady of the Seas"
Ilhas
Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Natal na Austrália, Platipus = ornitorrincos
Natureza
Atherton Tableland, Austrália

A Milhas do Natal (parte II)

A 25 Dezembro, exploramos o interior elevado, bucólico mas tropical do norte de Queensland. Ignoramos o paradeiro da maioria dos habitantes e estranhamos a absoluta ausência da quadra natalícia.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Parques Naturais
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Zanzibar, ilhas africanas, especiarias, Tanzania, dhow
Património Mundial UNESCO
Zanzibar, Tanzânia

As Ilhas Africanas das Especiarias

Vasco da Gama abriu o Índico ao império luso. No século XVIII, o arquipélago de Zanzibar tornou-se o maior produtor de cravinho e as especiarias disponíveis diversificaram-se, tal como os povos que as disputaram.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Vista da Casa Iguana, Corn islands, puro caribe, nicaragua
Praias
Corn Islands-Ilhas do Milho, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands ou Ilhas do Milho, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.
Gravuras, Templo Karnak, Luxor, Egipto
Religião
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou o Templo de Karnak e a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Casamentos em Jaffa, Israel,
Sociedade
Jaffa, Israel

Onde Assenta a Telavive Sempre em Festa

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Macaco-uivador, PN Tortuguero, Costa Rica
Vida Selvagem
PN Tortuguero, Costa Rica

Tortuguero: da Selva Inundada ao Mar das Caraíbas

Após dois dias de impasse devido a chuva torrencial, saímos à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. Canal após canal, deslumbramo-nos com a riqueza natural e exuberância deste ecossistema flúviomarinho da Costa Rica.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.