Montalegre, Portugal

Pelo Alto do Barroso, Cimo de Trás-os-Montes


A Caminho da Lavra
Moradores de Pitões das Júnias cruzam uma das suas ruas graníticas sobre um tractor.
Abençoado Gado
Pitões contra Fragas II
Cavalos desconfiados
Os lares de Pitões das Júnias
Arte de granito
As Paredes Religiosas do Rio
O Mais Velho Mosteiro II
O Mais Velho Mosteiro
Manhã em Sirvozelo
Paredes & Muralhas
Pôr-do-sol doura as torres do Castelo de Montalegre e o casario da vila
Grande Barrosã
Bar Aberto
Pitões das Júnias
Panorâmica da aldeia de Pitões das Júnias, uma das mais elevadas de Portugal
Mudamo-nos das Terras de Bouro para as do Barroso. Com base em Montalegre, deambulamos à descoberta de Paredes do Rio, Tourém, Pitões das Júnias e o seu mosteiro, povoações deslumbrantes do cimo raiano de Portugal. Se é verdade que o Barroso já teve mais habitantes, visitantes não lhe deviam faltar.

João Dias faz-nos companhia numa das mesas da sua Casa do Castelo, uma pousada-restaurante elegante e acolhedora, como o nome deixa antever, contígua às muralhas da fortaleza sobranceira de Montalegre.

Os temas de conversa sucedem-se ao ritmo das garfadas na gastronomia barrosã deliciosa que saboreamos.

Como seria de esperar nestes confins de meteorologia inclemente, o tempo vem à baila. “Vocês tão a ver o Oscar Branco, certo?” pergunta-nos João. “Ele era daqui. O pai dele é que costumava dizer “em Montalegre só há duas estações: o Inverno e a dos Correios (onde ele trabalhava).” Em pleno Verão português, depressa constatamos que, humor e dramatismo à parte, estava longe de assim ser.

Os dias sucediam-se secos e mornos. Sentíamos o seu bafo na pele pouco depois de cada partida matinal e, por norma, ainda fresca do topo da vila.

Os Tons de Alvor do Castelo de Montalegre

Na primeira delas, descemos as ruelas para sul do castelo à pressa, determinados a acompanhar o incidir da luz solar suave nas muralhas. Boa parte dos moradores dormitavam. Três ou quatro cães surpresos pela nossa atabalhoada passagem, dedicaram-nos ladrares de indignação.

Castelo de Montalegre, Barroso, Trás-os-Montes, Portugal

Torres do Castelo de Montalegre acima do casario da vila

Desconhecíamos àquelas paragens. Apesar disso, lá encontrámos um recanto de onde conseguimos contemplar o lento amarelar das torres que coroam a povoação desde o 1273, ainda no reinado de D. Afonso III, se bem que a maior parte da sua construção como fortificação fulcral da região de Montalegre terá decorrido durante o do rei povoador Dom Dinis.

Povoações não faltam nas vastas Terras de Barroso que se avistam das suas ameias, serra do Gerês a oeste, a do Larouco a leste e, a norte, a iminente Galiza.

Com o sol já a galgar o plano das torres, regressamos à Casa do Castelo. De lá, apontamos a uma de tantas aldeias locais que continuam a padecer de despovoamento. Apanhamos a estrada M308.

Serpenteamos para ocidente, não tarda, na companhia do Alto Cávado que por ali nasce e irriga uma albufeira homónima de que sai como mero Cávado. Passamos a sul de Frades. De Sezelhe. De Travassos do Rio e de Covelães.

O Cávado e a estrada prosseguem rumo à Albufeira de Paradela. Nós, ficamo-nos em Paredes do Rio. Passeamos ao longo da rua da Igreja.

Conversamos com o senhor Artur, um ancião que encontramos a tentar limitar as desventuras encharcadas do Leão, o seu golden retriever.

Morador Paredes-do-Rio, região do Barroso, Montalegre, Portugal

Sr. Artur conduz o seu golden retriever junto à igreja de Paredes do Rio.

À Descoberta de Paredes do Rio

Passamos às portas da Casa da Travessa, uma casa senhorial de granito talhado quando o Sr. Acácio, proprietário da pousada e membro da Associação Social e Cultural de Paredes de Rio nos aborda: “Ah, são vocês que nos vêm visitar de Lisboa. Ligaram-nos de Montalegre e avisaram-nos disso.” Daí em diante, seguimo-lo em modo de périplo guiado. Acácio leva-nos directos ao ex-libris histórico da aldeia, o Pisão.

Várias corgas fluem pela encosta por que se dispõe a aldeia abaixo, na direcção do Cávado. Desde sempre rurais, necessitados de força motriz que processasse a sua produção agrícola, os habitantes de Paredes do Rio não se pouparam a esforços. Ao primeiro moinho, seguiu-se um segundo.

A esses, outros. A determinada altura, eram já oito. Em tempos mais recentes, o saudoso Sr. Adelino Gil, que vivia entre os moinhos, prendou a aldeia com um Pisão, um engenho hídrico que alimentava um gerador, uma serra eléctrica e dois enormes martelos que castigavam lã molhada em água quente, de forma a torná-la forte e impermeável.

O Invento Multiusos do Pisão

Com o passar dos anos, o Pisão teve diversos usos. O mais popular continua a ser a produção do burel, o famoso tecido artesanal negro, empregue nas capas, calças e coletas ainda hoje vestidas pelos nativos desta raia nortenha.

Já nos nossos dias, o Pisão foi legado à Associação Cultural. Também o forno comunitário de Paredes do Rio continua operacional. Ao longo dos tempos maioritariamente frios da região, serviu de Casa de Povo e de convívio. Acolheu debates e discussões.

Abrigou viajantes e sem-abrigos a quem era permitido passar a noite ao calor alimentado a lenha, enquanto as broas coziam. Com frequência, às fornadas de trinta.

Antes de deixarmos Paredes do Rio, ainda espreitamos o tanque comunitário. Quando dele nos abeiramos, uma pequena manada de vacas barra-nos o caminho.

Um outro morador da aldeia conduzia-as ao bebedouro próximo, abaixo de um milheiral embelezado por girassóis. Não as seguia propriamente da forma tradicional de outras eras: a pé e de sachola ao ombro. Fazia-o ao volante de uma pequena e conveniente moto-quatro azul.

O Mosteiro Enigmático de Santa Maria das Júnias

Retomamos a M308. Retrocedemos na direcção de Montalegre. Chegados a Covelães, desviamos para a M513 que conduz a Tourem e à Espanha Galega.

A meio deste trecho, cortamos para Pitões das Júnias e, sem resistirmos mais ao apelo do seu misticismo, descemos em busca do Mosteiro de Santa Maria das Júnias.

Encontramo-lo nas profundezas de um vale estreito, nas imediações de um riacho que, mais abaixo, se precipita numa queda d’água àquela hora sombria, dissimulada entre os penhascos.

Mosteiro de Santa Maria das Júnias, Pitões das Júnias, Barroso, Trás-os-Montes, Portugal

Mosteiro de Santa Maria das Júnias prestes a ceder à sombra

Reparamos de imediato na combinação dos estilos românico e gótico da estrutura. Crê-se que o mosteiro foi erguido, aos poucos, ainda antes do estabelecimento da nação portuguesa (início do século XII), no lugar de um retiro de um ermita usado desde o século IX.

Da Origem Medieval, à Ruína do Século XIX

De início, ocuparam-no os monges da Ordem de São Bento. A meio do século XIII, tornou-se Cistercience e foi agregado à Abadia galega de Oseira.

Aninhado num nicho improvável, este nunca se revelou um mosteiro convencional. Por norma, mesmo isolados, os mosteiros costumavam subsistir do cultivo de coutos. Em vez disso, os monges das Júnias dedicaram-se à criação de animais e sua pastorícia. Mesmo assim, prosperaram tanto ou mais que outros mosteiros contemporâneos.

Com o passar dos anos, o Mosteiro de Santa Maria das Júnias congregou mais e mais terras da região do Barroso e da Galiza. Nesse período, o seu desafogo justificou diversas obras de expansão e melhoramentos que se prolongaram pela Idade Moderna adentro, até quase meio do século XVIII.

Mas a localização aventureira do monastério impôs distintos revezes. O ribeiro que escutámos e vimos fluir nas traseiras do edifício assoreou e destruiu parte das estruturas acrescentadas. Já em pleno século XIX, um incêndio avassalador arruinou outras das dependências.

De qualquer maneira, por essa altura, já o mosteiro havia sido abandonado. Em 1834, as ordens religiosas masculinas foram extintas. Pouco depois, o  derradeiro monge da abadia das Júnias assumiu a função de pároco da aldeia vizinha de Pitões.

O mosteiro ficou entregue ao vale que o recebeu. E ao tempo.

ruínas do Mosteiro de Santa Maria das Júnias, Barroso, Trás-os-Montes, Portugal

As ruínas do Mosteiro de Santa Maria das Júnias, nas imediações de Pitões das Júnias

A Raia ex-Contrabandista de Tourém

A sombra não tardou a a apoderar-se do talvegue e a destacar as ruínas graníticas resplandecentes. Percebemos, então, que o dia se esgotava e dedicamos o que dele restava a outras paragens incontornáveis do Barroso.

De Pitões, retornamos à M513. Apontamos a uma estranha protuberância rectangular portuguesa na Galiza e a uma aldeia raiana situada já quase no cimo dessa península mapeada.

Atravessamos a ponte sobre o braço oriental do Encoro de Salas, assim chamam os galegos à represa. Do lado de lá, estamos no topo da freguesia de Tourém e já na Galiza. Entramos, assim, num dos dois únicos exclaves do território de Portugal, a par com o de Mourão.

À imagem de tantas outras das nossas povoações raianas, em tempos de fronteiras fechadas, Tourém prosperou. É algo em que reparamos quando percorremos a sua longa rua principal.

Constatamo-lo na abundância de domicílios, nas dimensões desafogadas dos lares e nos materiais bem mais modernos que o granito rude de outras partes e, hoje, em muito melhor estado de conservação.

“Tourém, foi sempre um caso à parte…” explica-nos João Dias, ele próprio experiente em cruzar fronteiras. João emigrou cedo para Boston, Estados Unidos. Graças a muita dedicação e trabalho a condizer, regressou a Montalegre e conseguiu um à vontade financeiro raro nesta região limítrofe e, durante largo tempo, serva da agricultura e da pecuária.

Do Bacalhau aos Colchões: mercadoria para todos os gostos

Em Tourém, com Espanha além do Salas, favorecidos pela escassez de vários bens e uma guarda fiscal algo permissiva, muitos moradores da aldeia que ainda hoje falam uma miscelânea de português e galego recorreram à única alternativa financeiramente equiparável à emigração: o contrabando. Assim orientaram as suas vidas.

Os comerciantes habituaram-se a contratar passadores de mercadoria que cobravam para cima de 1000 escudos (5€) à hora, nessa altura, um verdadeiro luxo.

As mercadorias eleitas formavam um insólito sortido: os portugueses queriam sobretudo bacalhau e bananas. Mas também encomendavam colchões, azeite, vacas, colmeias e outros produtos díspares. Já os espanhóis, privilegiavam a roupa, os têxteis do lar e as televisões.

O negócio prosperou até à abertura das fronteiras. De 1990 em diante, boa parte destes homens tiveram que se adaptar a uma nova realidade: a vida rural, a criação do gado. Fosse como fosse, quase todos haviam acumulado boas poupanças e os sempre disponíveis fundos europeus só facilitaram a transição.

Os Garranos Esquivos do Planalto da Mourela

A tarde começa a ceder à noite. Voltamos a atravessar Tourém no sentido contrário e reentramos nos montes e vales verdejantes do Planalto da Mourela, a 1200m de altitude. Cruzamos terras idolatradas pelos observadores de aves que lá buscam, entre dezenas de pássaros, o picanço-de-dorso-ruivo. Sem que o esperássemos, os dorsos que avistamos são outros.

Garranos no Planalto da Mourela, Montalegre, Barroso, Trás-os-Montes, Portugal

Garranos inquietos pela presença de humanos no seu território do Planalto da Mourela.

Uma manada de garranos pasta sobre uma encosta forrada de tojo e de ervas tenras. Uns são pretos, outros são de um castanho-dourado, todos eles selvagens. Ao sinal do garanhão líder, esquivam-se das nossas tentativas de aproximação a trote. Acabam por trotar para trás de uma cumeada.

Somem-se para os lados do Couto Misto, um microestado que, favorecido por uma combinação de circunstâncias políticas, se manteve independente de Portugal, dos reinos a norte e, mais tarde, de Espanha, estima-se que desde o século XII até 1868.

Quando regressamos a Montalegre, o sol poente já alaranjava as torres do castelo e o casario da vila de que se destacavam.

Reabrigamo-nos na Casa do Castelo. Recuperamos energias. E retomamos a conversa prolífica com João Dias.

De Volta às Júnias. Agora aos seus Pitões

Na manhã seguinte, na sua companhia, saímos disparados para Pitões das Júnias.

À medida que subimos aos 1100 metros que fazem da aldeia uma das mais elevadas de Portugal, vemo-la definir-se nos seus tons de granito acinzentado e vermelho-telha, entre um retalho harmonioso de plantios murados e as fragas pedregosas da Serra do Gerês.

Casario de Pitões das Júnias, Montalegre, Barroso, Trás-os-Montes

Casario de Pitões das Júnias disposto no sopé de fragas ponteagudas

Entramos pelo povoado pela Avenida de São Rosendo e pela Rua Rigueiro. Chegados ao Largo Eiró, João Dias encontra um conhecido. Deixamo-los à conversa. Por nossa conta, continuamos a desvendar a aldeia que, entre os seus cerca de duzentos habitantes conta com vários emigrantes retornados e de brasileiros que, como o recém-chegado turismo rural, a ajudam a reavivar.

Chega a hora de apontarmos a Braga. Pelo caminho, João Dias ainda nos leva a Sirvozelo, outra aldeia encantadora, instalada entre grandes rochedos arredondados de granito. Em seguida, escolta-nos até Ferral onde se realiza um de frequentes concursos pecuários.

Subimos ao precinto do evento no momento exacto da Bênção do Gado. Lá assistimos ao Padre de serviço a borrifar de água benta vacas barrosãs com os cornos maiores que alguma vez testemunhámos em bovinos portugueses.

Bênção do Gado de Ferral, casario de granito e telha de Pitões das Júnias, região do Barroso, Trás-os-Montes

Padre borrifa vacas barrosãs com água benta durante a Bênção do Gado de Ferral

Os proprietários pacientes dos animais seguram-nos pelos focinhos, para assim evitarem interações que poderiam arruinar a passagem religiosa do sacerdote.

Nem tudo corre como é suposto. Alguns dos criadores de gado queixam-se, em modo de escárnio, de terem sido mais abençoados – leia-se aspergidos – que propriamente as vacas. Contamos o sucedido a João Dias e partilhamos risadas generosas. Após o que nos despedimos de Ferral, do anfitrião e do Barroso.

Reserve Actividades ao Ar Livre e Estadias em Casas Tradicionais na região do Barroso e do PN Peneda-Gerês em:

www.naturbarroso.net   www.termontalegre.net

Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha-Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Ilha da Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Castro Laboreiro, Portugal  

Do Castro de Laboreiro à Raia da Serra Peneda - Gerês

Chegamos à (i) eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Peneda-Gerês, Portugal

Do "Pequeno Tibete Português" às Fortalezas do Milho

Deixamos as fragas da Srª da Peneda, rumo a Arcos de ValdeVez e às povoações que um imaginário erróneo apelidou de Pequeno Tibete Português. Dessas aldeias socalcadas, passamos por outras famosas por guardarem, como tesouros dourados e sagrados, as espigas que colhem. Caprichoso, o percurso revela-nos a natureza resplandecente e a fertilidade verdejante destas terras da Peneda-Gerês.
Campos de Gerês -Terras de Bouro, Portugal

Pelos Campos do Gerês e as Terras de Bouro

Prosseguimos num périplo longo e ziguezagueante pelos domínios da Peneda-Gerês e de Bouro, dentro e fora do nosso único Parque Nacional. Nesta que é uma das zonas mais idolatradas do norte português.
festa no barco, ilha margarita, PN mochima, venezuela
Parques nacionais
Ilha Margarita ao PN Mochima, Venezuela

Ilha Margarita ao Parque Nacional Mochima: um Caribe bem Caribenho

A exploração do litoral venezuelano justifica uma festa náutica de arromba. Mas, estas paragens também nos revelam a vida em florestas de cactos e águas tão verdes como a selva tropical de Mochima.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Via Crucis de Boac, Festival de Moriones, Marinduque, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.
Baleias caçada com Bolhas, Juneau a Pequena Capital do Grande alasca
Cidades
Juneau, Alasca

A Pequena Capital do Grande Alasca

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta pequena capital que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cultura
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Passageira agasalhada-ferry M:S Viking Tor, Aurlandfjord, Noruega
Em Viagem
Flam a Balestrand, Noruega

Onde as Montanhas Cedem aos Fiordes

A estação final do Flam Railway, marca o término da descida ferroviária vertiginosa das terras altas de Hallingskarvet às planas de Flam. Nesta povoação demasiado pequena para a sua fama, deixamos o comboio e navegamos pelo fiorde de Aurland abaixo rumo à prodigiosa Balestrand.
Jingkieng Wahsurah, ponte de raízes da aldeia de Nongblai, Meghalaya, Índia
Étnico
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Um dos prédios mais altos de Valletta, Malta
História
Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.
Luzes VIP
Ilhas

Ilha Moyo, Indonésia

Uma Ilha Só Para Alguns

Poucas pessoas conhecem ou tiveram o privilégio de explorar a reserva natural de Moyo. Uma delas foi a princesa Diana que, em 1993, nela se refugiou da opressão mediática que a viria a vitimar.

Passageiros sobre a superfície gelada do Golfo de Bótnia, na base do quebra-gelo "Sampo", Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
El Nido, Palawan a Ultima Fronteira Filipina
Natureza
El Nido, Filipinas

El Nido, Palawan: A Última Fronteira Filipina

Um dos cenários marítimos mais fascinantes do Mundo, a vastidão de ilhéus escarpados de Bacuit esconde recifes de coral garridos, pequenas praias e lagoas idílicas. Para a descobrir, basta uma bangka.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Geisers El Tatio, Atacama, Chile, Entre o gelo e o calor
Parques Naturais
El Tatio, Chile

Géiseres El Tatio – Entre o Gelo e o Calor do Atacama

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio, no Deserto de Atacama surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4200 m de altitude. Os seus géiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes.
Tempo de surf
Património Mundial UNESCO

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Teleférico que liga Puerto Plata ao cimo do PN Isabel de Torres
Praias
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Estante Sagrada
Religião

Tsfat, Israel

Quando a Cabala é Vítima de Si Mesma

Nos anos 50, Tsfat congregava a vida artística da jovem nação israelita e recuperava a sua mística secular. Mas convertidos famosos como Madonna vieram perturbar a mais elementar discrição cabalista.

Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Substituição de lâmpadas, Hidroelétrica de Itaipu watt, Brasil, Paraguai
Sociedade
Hidroeléctrica Binacional de Itaipu, Brasil

HidroElétrica Binacional do Itaipu: a Febre do Watt

Em 1974, milhares de brasileiros e paraguaios confluíram para a zona de construção da então maior barragem do Mundo. 30 anos após a conclusão, Itaipu gera 90% da energia paraguaia e 20% da do Brasil.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.