Rostov Veliky, Rússia

Sob as Cúpulas da Alma Russa


1001 Noites Russas
Cu?pulas do kremlin de Rostov, considerado o mais impressionante da Ru?ssia, a seguir ao de Moscovo.
Expedição lacustre
Barqueiro e passageiros acabados de zarpar para o meio do lago Nero.
Santas obras I
Alunos de pintura de frescos entregues às suas obras no interior do Mosteiro de Santo Jacob o Salvador.
À margem
O Mosteiro de Santo Jacob o Salvador com Lago Nero pelo meio.
Chamas de fé
Fiéis ortodoxas acendem velas em plena nave de uma das igrejas do Mosteiro de Santo Jacob o Salvador.
A catedral
Edifício do Mosteiro de Santo Jacob o Salvador com o Lago Nero por detrás.
Missa à vista
Duas gerac?o?es de fie?is ortodoxas com o lenc?o caracteri?stico, a caminho do servic?o religioso
Moda Russa medieval
Visitante russa do kremlin diverte-se num traje de outros tempos..
Barbas da Ortodoxia
Padre Ignatio no Mosteiro Spaso-Yakovlevsky (de Santo Jacob o Salvador).
Atenção Suprema
Visitantes contemplam os frescos no tecto de uma das igrejas ortodoxas do kremlin de Rostov.
Abóbadas do tempo
Cu?pulas do kremlin de Rostov, bem acima das muralhas e da seque?ncia de lojas conti?guas.
Santas obras II
Alunos de pintura de frescos entregues às suas obras no interior do Mosteiro de Santo Jacob o Salvador.
Passageiros inesperados
Barqueiro do lago Nero e gatos desejosos de embarcar.
Barbas da Ortodoxia II
Sacerdote ortodoxo a caminho de um servic?o religioso de fim de tarde.
O ensaio
Cena de uma sessão fotográfica casamenteiro no interior do kremlin de Rostov.
Abóbadas do tempo II
Mais cúpulas seculares, as de uma igreja antiga nos arredores de Rostov Veliky.
Sombras do poder
Ciclista local passa em frente às muralhas do kremlin de Rostov.
X 2
Reflexo no pequeno lago no interior do kremlin de Rostov Veliky.
140c5e14-2ac1-495e-b619-76f9be6611e0
É uma das mais antigas e importantes cidades medievais, fundada durante as origens ainda pagãs da nação dos czares. No fim do século XV, incorporada no Grande Ducado de Moscovo, tornou-se um centro imponente da religiosidade ortodoxa. Hoje, só o esplendor do kremlin moscovita suplanta o da cidadela da tranquila e pitoresca Rostov Veliky.

Um Convívio Ortodoxo (mas não muito)

Mais que inesperados, o acolhimento e a visita guiada do padre Ignatio revelam-se mágicos. O sacerdote da igreja ortodoxa russa pouco ou nada falava além do seu dialecto nativo.

Ainda assim, de dentro da sua batina negra, a face bonacheirona e a barba farta quase ruiva de que pendia um grande crucifixo dourado – convencional católico, não o bizantino – emanava uma espécie de “fiquem à vontade, a igreja também é vossa” que nos estimulava e reconfortava.

Padre Ignatio no Mosteiro Spaso-Yakovlevsky, Rostov, Rússia

Padre Ignatio no Mosteiro Spaso-Yakovlevsky (de Santo Jacob o Salvador).

Alexei Kravchenko acompanhava-nos desde o momento em que, na madrugada anterior, tínhamos deixado o aeroporto de Domodedovo, nos arredores de Moscovo.

Percorria, connosco, o labirinto escurecido de escadarias e corredores no interior do Mosteiro Spaso-Yakovlevsky (Santo Jacob o Salvador), há muito venerado como o santuário de São Demétrio de Rostov, um bispo da igreja ortodoxa ucraniana e russa que viveu durante o século XVII.

Alexei traduzia parte das explicações e apelos de Ignatio. Orgulhoso por chegarmos de tão longe e de ali tomarmos conhecimento da sua obra, Ignatio não se poupa a esforços. Subimos por escadarias que servem estruturas complexas de andaimes de madeira erguidos contra as enormes paredes do templo.

Ignatio tinha lá instalado uma autêntica escola de pintura de frescos. Distribuídos por vários níveis e a uma luz com tom de mel, jovens alunos aplicavam-se a pintar originais e réplicas inspiradas na prolífica iconografia ortodoxa.

Alunos de pintura no Mosteiro de Santo Jacob o Salvador, Rostov, Rússia

Trio de alunos de pintura de frescos entregues às suas obras no interior do Mosteiro de Santo Jacob o Salvador.

Saudamo-los e espreitamos e fotografamos algumas das obras garridas em curso. Mais preocupados com as trajectórias dos sensíveis pincéis, eles retribuem de forma tímida.

À margem destas imagens religiosas, Ignatio também conhecia a riqueza paisagística que o mosteiro nos podia revelar. Prosseguimos, assim, escadarias acima até chegarmos a um varandim central que nos concede uma vista central da abóboda e cúpulas da maior das igrejas do complexo, com o lago Nero por detrás.

Edifício do Mosteiro de Santo Jacob o Salvador e Lago Nero, Rostov, Rússia

Edifício do Mosteiro de Santo Jacob o Salvador com o Lago Nero por detrás

Regressamos ao interior de tijolo e vidro da abóboda em que estávamos. Um vulto que surge do nada e quase nos assusta apresenta-se em português e deixa-nos ainda mais atónitos: “Olá, como estão amigos, sejam bem-vindos!”

Consciente da nossa nacionalidade, Ignatio achara por bem convidar um compincha a conhecer-nos. “Sabem onde eu vivo e trabalho?” Começa por nos questionar Serguei. “Não vai ser fácil de adivinharem.”

Provavelmente ainda fruto dos velhos intercâmbios comunistas entre o partido MPLA e a U.R.S.S., médico de profissão, fazia já muito tempo que Serguei integrava a equipa do Hospital Central de Maputo. Falava um português quase fluído que nos manteve à conversa pelo menos, até que Ignatio o voltou a solicitar.

Mosteiro de Santo Jacob o Salvador e Lago Nero, Rostov Veliky, Rússia

O Mosteiro de Santo Jacob o Salvador com Lago Nero pelo meio

Missa à moda Russa

Daquele recanto elevado, sombrio e esconso do mosteiro, passamos para o seu coro desdobrado. Lá apreciamos a elegância ampla, ortodoxa e multicolor da nave em redor. Do nada, um sacerdote “irmão” de Ignatio trajado com uma casula de um amarelo lustroso aparece e percorre o piso de losangos vermelhos e amarelo-torrados, em trajectórias quase automáticas.

Fiéis ortodoxas no interior igrejas do Mosteiro de Santo Jacob o Salvador, Rostov, Rússia

Fiéis ortodoxas acendem velas em plena nave de uma das igrejas do Mosteiro de Santo Jacob o Salvador.

Aproxima-se da entrada, abençoa um grupo de mulheres crentes, todas elas com os cabelos envoltos em lenços respeitosos. Enquanto isso, outros que vestem batas negras dispõem-se num reduto oposto ao das senhoras. Lá inauguram uma sequência de cânticos litúrgicos intercalados com as palavras da homília.

Naquele cimo panorâmico em que tudo supervisionávamos, a ortodoxia do rito ressoava a dobrar. Entrava-nos pelos ouvidos e pelo cérebro. Com tal volume e gravidade que nos chegava a intimidar.

Tínhamos perdido a noção do tempo. Mesmo se, por aquela altura e àquela latitude, os dias do estivo se mantinham longos, quando deixamos o mosteiro, já a tarde, até então solarenga e resplandecente, apontava às trevas.

Alexei apreciava sobremaneira a Rússia clássica e antiga que nos revelava. Lembrou-se, assim, de uma outra igreja secular, dissimulada no campo verdejante do Yaroslav Oblast (a província da Federação Russa por onde andávamos), a uns 20 km.

Igreja ortodoxa, Rostov, Rússia

Mais cúpulas seculares, as de uma igreja antiga nos arredores de Rostov Veliky

Outra igreja, outra missa

Fiéis ortodoxas a caminho de missa, Rostov, Rússia

Duas gerações de fiéis ortodoxas com o lenço característico, a caminho do serviço religioso

Encantado com a perspectiva de lá acompanharmos o ocaso, incita-nos a fazermos a viagem. Quando nos confrontamos com o seu edifício de tijolinhos esbranquiçados, estava prestes a começar a liturgia local. Mais mulheres de lenço cruzam um portão centrado numa vedação de madeira.

Outras, conversam à sombra do arvoredo circundante. Apressam-se apenas quando por elas passa o sacerdote para ali designado, dono de um caminhar e de um porte soberbo e de feições austeras e sérias que, sob uma batina com longas mangas e de um toucado klobuk, ao contrário do que acontecera com Ignatio, nos inspirava mistério e temor.

Padre ortodoxo, Rostov, Rússia

Sacerdote ortodoxo a caminho de um serviço religioso de fim de tarde

Os fiéis reúnem-se no interior da igreja. Desta feita, ficamos os três a usufruir da bênção que a natureza envolvente nos concedia, deliciados com a brisa suave que fazia as árvores ondular, com os voos picados das andorinhas e o grasnar longínquo dos corvos.

O sol deixa de dar no castro de cúpulas prateadas de outra velha igreja no extremo oposto do caminho e o arrebol coincide com o término do serviço religioso. Dá-nos o sinal por que esperávamos para voltar a Rostov.

Alexei tinha conduzido boa parte da noite anterior entre São Petersburgo e Moscovo, a tempo de nos receber. Nós, tínhamos sofrido algo semelhante para apanharmos o voo.

De volta a Rostov Veliky

Sem surpresas, após um jantar despachado de sopa fria okroshka e de uma espécie de nhoquis a que os russos chamam pelmenis, acompanhados de canecas de kvass (bebida fermentada de centeio) regressamos aos aposentos da Khors Guesthouse & Gallery. Pouco depois, rendemo-nos ao sono que tínhamos em débito.

Ciclista passa em frente ao Kremlin de Rostov, Rússia

Ciclista local passa em frente às muralhas do kremlin de Rostov.

Despertamos com as galinhas e galos da pousada. Deixamos Alexei entregue ao seu cansaço particular e saímos à descoberta. A pousada pouco distava do kremlin de Rostov, uma cidadela muralhada de que despontavam torres e mais torres, e um batalhão de cúpulas sobranceiras.

Sucessivos Ladas, Volgas e relíquias automóveis soviéticas afins passam pela base das muralhas que, ao longo de uma das ruas principais, acolhiam vários dos estabelecimentos comerciais convenientes da cidade. A visão surreal das enormes igrejas aguça-nos a curiosidade e a ansiedade e leva-nos a uma incursão precoce.

Kremlin de Rostov, Rússia

Cúpulas do kremlin de Rostov, bem acima das muralhas e da sequência de lojas contíguas

Uma incursão ao Kremlin

No interior, desvendamos a vida paralela até então oculta do kremlin. Uma sessão fotográfica casamenteira desenrola-se com passagem pelos cantos mais fotogénicos da velha fortaleza.

À beira do seu pequeno lago, sucessivas senhoras vestem trajes medievais, sem grandes hipóteses de rivalizarem com a elegância e leveza pré-matrimonial da noiva. Jovens entregues a pequenas telas batalham com as perspectivas desafiantes das suas pinturas.

Lago interior do Kremlin de Rostov Veliky, Rússia

Reflexo no pequeno lago no interior do kremlin de Rostov Veliky.

E grupos organizados atrás de guias, seguem a simbologia religiosa e a profundeza histórica da panóplia de frescos que, repletos de sábios e santos ortodoxos, decoravam a nave central.

Foram necessários muitos séculos de guerra e paz para Rostov se engrandecer e merecer as visitas e a reverência que lhe são agora dedicadas.

Esses séculos levaram-na de mera povoação da tribo finlandesa Merya, de entreposto comercial viquingue e, depois, cita, a capital de um dos muitos principados que se viram sob controle dos poderosos Tártaros. Pouco depois, a uma das principais cidades do Gran Ducado de Moscovo.

Durante todo este tempo, Rostov manteve-se um assento incontornável dos bispado e arcebispado russo, da religiosidade russa em geral. Erguido durante o século XVII, na ressaca de invasões mongóis e polacas-lituanas, o kremlin que explorávamos estabeleceu o culminar do seu engrandecimento.

E, no entanto, pouco depois, Rostov viu-se ultrapassada em importância administrativa por Yaroslav. O hiato histórico e correspondente marasmo civilizacional em que caiu, não invalida que continue a ser conhecida por Rostov Veliky (a Grande), uma forma também útil de a distinguir da congénere russa Rostov-on-Don, essa, uma cidade moderna, bem maior, às margens do rio Don.

Em busca de cúpulas, de barco a remos

Durante os seus mais de mil anos, Rostov manteve a companhia ora líquida ora gelada do Nero, um lago abastecido por oito rios, mesmo assim, pouco profundo (3.6 m de profundidade máxima, com 13 por 8 km de extensão). Deixamos o Kremlin.

Barqueiro e passageiros no Lago Nero, Rostov Veliky, Rússia

Barqueiro e passageiros acabados de zarpar para o meio do lago Nero.

Caminhamos ao longo da margem imediata, junto aos canaviais anfíbios que antecedem a sua imensidão esverdeada. Passamos por várias das docas e passadiços que servem as izbas (vivendas de madeira) ribeirinhas. Uma dessas estruturas acolhia uma pequena frota de embarcações metálicas de recreio.

Ao chegarmos a outra, um barco aproxima-se de terra e do seu ancoradouro privado. A bordo, um timoneiro cinquentão com chapéu de  comandante naval rema para duas mães e os seus rebentos. A meros cem metros, um vizinho e rival acabado de ancorar é recebido por dois gatos – um preto e um pardo – que o aguardavam, desejosos de embarcar.

Barqueiro e gatos, no lago Nero, Rostov Veliky, Rússia

Barqueiro do lago Nero e gatos desejosos de embarcar.

Contagiados por estas sucessivas cenas de evasão e de lazer, ambicionamos a nossa própria navegação. Alugamos um barco. Saímos disparados a remar para o meio do lago, conscientes da altura a que o Kremlin se projectava e intrigados pelo que a vista de lá nos reservava.

Umas boas dezenas de remadas depois, o anseio confirma-se. Vemos uma floresta de torres e cúpulas destacar-se do fundo verdejante da margem. Umas são prateadas, outras cinza-chumbo, outras ainda verde-escuras, assentes sobre um grande torreão rosa pálido.

Kremlin de Rostov Veliky, Rússia

Cúpulas do kremlin de Rostov, considerado o mais impressionante da Rússia, a seguir ao de Moscovo.

Quanto mais nos distanciamos, mais cúpulas se insinuam contra o céu de fim de tarde, estival e continental, carregado de humidade, azulão a condizer. Quantas mais cúpulas desvendamos, mais a história pomposa de Rostov Veliky e da velha Rússia resplandece e nos deslumbra.

A TAP voa de Lisboa para Moscovo à 2ª, 3ª, 5ª, 6ª e sábados às 23h10, chegada às 06h20.  Voa de Moscovo para Lisboa à 3ª, 4ª, 6ª, sábados e domingos, às 07h15, chegada às 11h10.

Novgorod, Rússia

A Avó Viking da Mãe Rússia

Durante quase todo o século que passou, as autoridades da U.R.S.S. omitiram parte das origens do povo russo. Mas a história não deixa lugar para dúvidas. Muito antes da ascensão e supremacia dos czares e dos sovietes, os primeiros colonos escandinavos fundaram, em Novgorod, a sua poderosa nação.
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.
São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré. Siga a Marinha

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.
Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival.
Suzdal, Rússia

Mil Anos de Rússia à Moda Antiga

Foi uma capital pródiga quando Moscovo não passava de um lugarejo rural. Pelo caminho, perdeu relevância política mas acumulou a maior concentração de igrejas, mosteiros e conventos do país dos czares. Hoje, sob as suas incontáveis cúpulas, Suzdal é tão ortodoxa quanto monumental.
Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de "Crime e Castigo"

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
Bolshoi Zayatsky, Rússia

Misteriosas Babilónias Russas

Um conjunto de labirintos pré-históricos espirais feitos de pedras decoram a ilha Bolshoi Zayatsky, parte do arquipélago Solovetsky. Desprovidos de explicações sobre quando foram erguidos ou do seu significado, os habitantes destes confins setentrionais da Europa, tratam-nos por vavilons.
Bolshoi Solovetsky, Rússia

Uma Celebração do Outono Russo da Vida

Na iminência do oceano Ártico, a meio de Setembro, a folhagem boreal resplandece de dourado. Acolhidos por cicerones generosos, louvamos os novos tempos humanos da grande ilha de Solovetsky, famosa por ter recebido o primeiro dos campos prisionais soviéticos Gulag.
Moscovo, Rússia

A Fortaleza Suprema da Rússia

Foram muitos os kremlins erguidos, ao longos dos tempos, na vastidão do país dos czares. Nenhum se destaca, tão monumental como o da capital Moscovo, um centro histórico de despotismo e prepotência que, de Ivan o Terrível a Vladimir Putin, para melhor ou pior, ditou o destino da Rússia.
Kronstadt, Rússia

O Outono da Ilha-Cidade Russa de Todas as Encruzilhadas

Fundada por Pedro o Grande, tornou-se o porto e base naval que protegem São Petersburgo e o norte da grande Rússia. Em Março de 1921, rebelou-se contra os Bolcheviques que apoiara na Revolução de Outubro. Neste Outubro que atravessamos, Kronstadt volta a cobrir-se do mesmo amarelo exuberante da incerteza.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Safari
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
planicie sagrada, Bagan, Myanmar
Arquitectura & Design
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
bebe entre reis, cavalhadas de pirenopolis, cruzadas, brasil
Cerimónias e Festividades
Pirenópolis, Brasil

Cruzadas à Brasileira

Os exércitos cristãos expulsaram as forças muçulmanas da Península Ibérica no séc. XV mas, em Pirenópolis, estado brasileiro de Goiás, os súbditos sul-americanos de Carlos Magno continuam a triunfar.
Homer, Alasca, baía Kachemak
Cidades
Anchorage a Homer, E.U.A.

Viagem ao Fim da Estrada Alasquense

Se Anchorage se tornou a grande cidade do 49º estado dos E.U.A., Homer, a 350km, é a sua mais famosa estrada sem saída. Os veteranos destas paragens consideram esta estranha língua de terra solo sagrado. Também veneram o facto de, dali, não poderem continuar para lado nenhum.
fogon de Lola, comida rica, Costa Rica, Guapiles
Comida
Fogón de Lola, Costa Rica

O Sabor a Costa Rica de El Fogón de Lola

Como o nome deixa perceber, o Fogón de Lola de Guapiles serve pratos confeccionados ao fogão e ao forno, segundo tradição familiar costarricense. Em particular, a família da Tia Lola.
Tombola, bingo de rua-Campeche, Mexico
Cultura
Campeche, México

Um Bingo tão lúdico que se joga com bonecos

Nas noites de sextas um grupo de senhoras ocupam mesas do Parque Independencia e apostam ninharias. Os prémios ínfimos saem-lhes em combinações de gatos, corações, cometas, maracas e outros ícones.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Africa Princess, Canhambaque, Bijagós, Guiné Bissau,
Em Viagem
Cruzeiro Africa Princess, 1º Bijagós, Guiné Bissau

Rumo a Canhambaque, pela História da Guiné Bissau

O Africa Princess zarpa do porto de Bissau, estuário do rio Geba abaixo. Cumprimos uma primeira escala na ilha de Bolama. Da antiga capital, prosseguimos para o âmago do arquipélago das Bijagós.
Noiva entra para carro, casamento tradicional, templo Meiji, Tóquio, Japão
Étnico
Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar bodas tradicionais.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

O Terreno e o Celestial

Ao fim da tarde
História
Ilha de Moçambique, Moçambique  

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
Seixal, Ilha da Madeira, piscina
Ilhas
Seixal, Madeira, Portugal

A Ilha da Madeira do Coração

Quem visita a Madeira, encanta-se com o seu dramatismo quase tropical. Neste caso, o autor deve confessar que foi o destino das suas primeiras três viagens de avião. Que tem uma amiga de lá, que o fez ser um pouco de lá. Da Madeira virada ao Norte sem fim. Do destemido e acolhedor Seixal.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Almada Negreiros, Roça Saudade, São Tomé
Literatura
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
Passageira agasalhada-ferry M:S Viking Tor, Aurlandfjord, Noruega
Natureza
Flam a Balestrand, Noruega

Onde as Montanhas Cedem aos Fiordes

A estação final do Flam Railway, marca o término da descida ferroviária vertiginosa das terras altas de Hallingskarvet às planas de Flam. Nesta povoação demasiado pequena para a sua fama, deixamos o comboio e navegamos pelo fiorde de Aurland abaixo rumo à prodigiosa Balestrand.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Piton de la Fournaise, Reunião, o caminho do vulcão
Parques Naturais
Piton de la Fournaise, Reunião

O Vulcão Turbulento da Reunião

Com 2632m, o Piton de la Fournaise, o único vulcão eruptivo da Reunião, ocupa quase metade desta ilha que exploramos, montanhas acima, montanhas abaixo. É um dos vulcões mais activos e imprevisíveis do oceano Índico e à face da Terra.
Mergulhão contra pôr-do-sol, Rio Miranda, Pantanal, Brasil
Património Mundial UNESCO
Passo do Lontra, Miranda, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.
Varela Guiné Bissau, praia de Nhiquim
Praias
Varela, Guiné Bissau

Praia, derradeiro Litoral, até à Fronteira com o Senegal

Algo remota, de acesso desafiante, a aldeia pacata e piscatória de Varela compensa quem a alcança com a afabilidade da sua gente e com um dos litorais deslumbrantes, mas em risco, da Guiné Bissau.
Camboja, Angkor, Ta Phrom
Religião
Ho Chi-Minh a Angkor, Camboja

O Tortuoso Caminho para Angkor

Do Vietname em diante, as estradas cambojanas desfeitas e os campos de minas remetem-nos para os anos do terror Khmer Vermelho. Sobrevivemos e somos recompensados com a visão do maior templo religioso
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Sociedade
Tongatapu, Tonga

A Última Monarquia da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma outra monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Tombolo e Punta Catedral, Parque Nacional Manuel António, Costa Rica
Vida Selvagem
PN Manuel António, Costa Rica

O Pequeno-Grande Parque Nacional da Costa Rica

São bem conhecidas as razões para o menor dos 28 parques nacionais costarriquenhos se ter tornado o mais popular. A fauna e flora do PN Manuel António proliferam num retalho ínfimo e excêntrico de selva. Como se não bastasse, limitam-no quatro das melhores praias ticas.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.