Tsfat (Safed), Israel

Quando a Cabala é Vítima de Si Mesma


Estante Sagrada
Livros religiosos judaicos preenchem as prateleiras da sinagoga de Abuhav.
Compenetração Literária
Religioso estuda um dos livros sagrados do judaísmo na sinagoga de Abuhav.
Um bimah Central
Seis degraus alegadament equivalentes aos dias de trabalho na semana, conduzem ao cimo do bimah da sinagoga.
Arte judaica
Yacoov Kaszemacher, um dos muitos artistas que se instalaram na cada vez mais popular Tsfat.
Fachada de Sinagoga
Elementos religiosos e decorativos incontornáveis do judaísmo na sinagoga de Abuhav.
Um morador ultraortodoxo
Judeu hassídico percorre uma ruela coberta de Tsfat, também chamada de Safed ou Zafad.
Letreiro Sinagoga
Família Feliz
Meirav, Ronen e o seu filho Nahman, juntos no seu bar e loja de especiarias de Tsfat.
Parochet
Cortinados simbólicos colocados em frente à arca Torah da sinagoga de Abuhav, uma de várias de Tsfat.
Mulher judia
Mulher judia numa das muitas lojas de arte de Safed.
Safed ou Tsfat
Painel celebra o facto de se considerar Tsfat, Safed, a capital mundial da espiritualidade e cultura judaica.
Arte mezuzah
Mezuzah afixada numa porta da cidade. As mezuzahs identificam a propriedade judaica de um lar e a sua ligação a Deus.
Nos anos 50, Tsfat congregava a vida artística da jovem nação israelita e recuperava a sua mística secular. Mas convertidos famosos como Madonna vieram perturbar a mais elementar discrição cabalista.

Ainda é manhã cedo quando deixamos Tiberias e as margens do mar da Galileia, em direcção a norte.

Sentimo-nos aliviados pelo período menos activo das forças do Hezbollah presentes em povoações do sul do Líbano, ali tão próximas e que se estima terem para cima de 50.000 mísseis apontados ao território hebraico.

As primeiras vistas dos infra-arredores povoação destoam do que esperávamos encontrar.

Confrontamo-nos com uma enorme estação de serviço. Pouco depois, embrenhamo-nos num casario algo incaracterístico, mesmo se, em parte, com o tom aproximado ao das fachadas amareladas de arenito predominantes nesta região. 

Nos derradeiros metros do percurso, cruzamo-nos com pedestres atarefados, muitos deles judeus hassídicos, identificáveis pelas suas vestes negras. 

Um morador ultraortodoxo

Judeu hassídico percorre uma ruela coberta de Tsfat, também chamada de Safed ou Zafad.

A estrada trepa uma encosta íngreme. Percebemos, por fim, que chegamos a Tsfat, a mais elevada de todas as cidades de Israel, situada a 900 metros de altitude, no cimo do terceiro monte do país. 

Pouco depois, a via principal estreita. Desemboca num parque de estacionamento exíguo. Fica-se por ali a Tsfat rodoviária.

De então em diante, ficamos entregues às pernas e ao vasto labirinto de ruelas calçadas e coloridas a que se rende a povoação.

De Entrada em Safed, à Descoberta do Mais Criativo Judaísmo

Num ápice, vemo-nos a passear entre lojas de recordações e galerias de arte quase sempre diminutas, atafulhadas de artefactos, de quadros, ilustrações e fotografias de todos os tipos.

À porta de uma destas galerias, de solideu e fato negros e um cabelo branco apenas lateral que se prolonga para uma barba comprida também alva, Yacoov Kaszemacher irradia bem-estar e simpatia.

Arte judaica

Yacoov Kaszemacher, um dos muitos artistas que se instalaram na cada vez mais popular Tsfat.

As suas pinturas e fotografias da vida tradicional e ultra-ortodoxa judaica são de tal forma expressivas que nos retêm junto ao autor. “Entrem! Lá dentro há muitas mais, estou a ver que vos estão a sensibilizar.”

Yacoov acaba a guiar-nos na galeria. Instigado pela série de perguntas que lhe colocamos, expõe-nos parte da sua vida.

Filho de pais polacos, foi criado numa casa secular da Paris pós-guerra. Na cidade da luz, habituou-se a frequentar clubes nocturnos e a conviver com os músicos, artistas e filósofos discípulos primeiro da Beat Generation, mais tarde, da geração Flower Power.

Orgulha-se da sua longa auto-aprendizagem das técnicas de pintura e fotografia. E da forma como o seu estilo evoluiu com cores fortes, expressões de temas místicos, algo matemáticos.

Yacoov retoma outra das escolhas da sua vida: “no fim dos anos 60 comecei a interessar-me pela espiritualidade. Evoluí de hippie para um judeu hassídico estudioso da Tora. E, em 1971, mudei-me para Israel.

Acrescentei motivos judaicos e cabalísticos ao meu trabalho que, aos poucos, se tornou meditativo.

Parochet

Cortinados simbólicos colocados em frente à arca Torah da sinagoga de Abuhav, uma de várias de Tsfat.

Muito do que estão a ver são imagens que traduzem sentimentos e a vida judaica de Israel, de Tsfat e do hassidismo.”

A Génese Militar e Milenar de Safed

A sua determinação em assentar arraiais em Safed, ou Zefad – como é também conhecida a cidade – foi partilhada por muitos outros artistas e religiosos. Mesmo que, de uma forma intermitente, há muito que ali se instavam vindos dos quatro cantos do mundo.

Safed foi fundada no século II a.C. como aldeia farol (masu’of), parte de uma cadeia de lugares no topo de elevações dotadas de fogos sinalizadores acesos para marcar o início de um novo mês ou dias sagrados.

Esta cadeia estendia-se até Jerusalém. Mais tarde, os cruzados ergueram no local uma cidadela que lhes permitiu controlar a rota para Damasco.

Nos séculos XV e XVI, Safed começou a assumir a sua função mística.

A Migração dos Judeus da Ibéria para a Terra Prometida

Por essa altura, milhares de judeus sefarditas fugiram da Inquisição espanhola e portuguesa.

Muitos dos que se instalaram na cidade eram cabalistas, uma espécie de investigadores da verdade oculta, filósofos racionais, também interessados em ciência e na medicina.

O Rabi Isaac Luria viria a revelar-se o seu líder. Fundou a Cabala (a palavra significa tradição) com base em textos judaicos dos séculos XII e XIII gerados no sul de França e em Espanha.

Arte mezuzah

Mezuzah afixada numa porta da cidade. As mezuzahs identificam a propriedade judaica de um lar e a sua ligação a Deus.

e o Desenvolvimento Místico da Cabala

A reinterpretação destes textos procurou encontrar respostas para as questões que mais intrigavam os Judeus incluindo a verdadeira causa espiritual da sua expulsão da Ibéria.

Luria (também conhecido por Ari) não deixou escritos. Um assistente registou a essência dos seus ensinamentos. Professavam que para criar o Mundo, o Infinito havia sido danificado por forma a gerar espaço para a Criação.

Como resultado, centelhas da Luz Divina caíram da sua posição original e ficaram em risco de ser usadas pelo Mal. Os Judeus podiam restaurar a Luz Divina e reparar o Infinito se levassem a cabo 613 mandamentos.

Estante Sagrada

Livros religiosos judaicos preenchem as prateleiras da sinagoga de Abuhav.

Os dez de Moisés, seriam apenas um início.

Esta interpretação deu aos Judeus uma forma de compreenderem, como parte do Mal, os horrores da Inquisição e da sua expulsão. Mostrou-lhes que deveriam reagir pela procura de uma consciência espiritual elevada que lhes permitisse reparar o Mundo.

É óbvio que, por esta altura da nossa própria aprendizagem da Cabala, nos inclinamos a pensar que o Mal triunfou em larga escala sobre a desejada reparação.

Assim o indiciavam os eventos históricos mais maléficos alguma vez registados à face da Terra, os do Holocausto.

A Sinagoga de Abuhav, o Templo no Âmago Religioso da Cabala

Entramos no bairro das sinagogas de Tsfat. Destas, damos prioridade à mais importante da cidade, a de Abuhav.

Estima-se que foi erguida por seguidores do rabi homónimo, em 1490, com uma configuração assente na Cabala: quatro pilares centrais representantes dos elementos na base da Criação, dez janelas na cúpula simbólicas dos Mandamentos, imagens das doze tribos de Israel que enunciam a unidade judaica.

Um bimah Central

Seis degraus alegadament equivalentes aos dias de trabalho na semana, conduzem ao cimo do bimah da sinagoga.

E ainda pinturas de árvores de romã, uma fruta que tem, por norma, 613 sementes.

O judeu encarregue de guardar o templo recebe-nos com um shalom efusivo que baste, limitado pela preocupação em nos impor o uso de um solideu e um saiote.

Deixa-nos a investigar o templo e a fotografar à vontade. Regressa às profundezas dos seus estudos cabalistas, com a cabeça praticamente afundada num enorme livro envelhecido.

Compenetração Literária

Religioso estuda um dos livros sagrados do judaísmo na sinagoga de Abuhav.

O fundador Isaac Luria sempre foi contra uma divulgação excessiva da Cabala, de início acessível apenas a homens judaicos casados e com mais de quarenta anos.

A Internacionalização e Vulgarização da Cabala entre os Famosos deste Mundo

Contra a sua vontade, a Diáspora judaica acabou por disseminar os seus preceitos por todo o Mundo e entre personalidades que, caso tivessem sido suas contemporâneas, por certo baniria.

Em 2009 e 2012, a recém-convertida Madonna tinha espectáculo agendados para Telavive, nenhum deles na noite de sexta-feira, quando tem início o período sabático dos judeus.

Recebeu uma carta prévia do rabi Samuel Eliyahu que lhe pediu para actuar na Terra Santa em roupas modestas. Em vão,

Em vez, começou a introduzir elementos visuais cabalistas nos seus videoclips.

Letreiro SinagogaA cantora visitou Safed por mais que uma vez e, em particular, a sepultura de Ari onde cantou uma canção típica do Sabat, “Lecha Dodi”, num tom o mais cabalista possível.

Em 2012, chegou à cidade com a família e alguns amigos. Antes, em 2009, acompanharam-na Jesus – o seu namorado brasileiro modelo de então, não o Messias judeu que nunca convenceu os crentes judaicos – e o rabi Michael Berg, filho de Philip Berg.

Philip Berg foi o fundador do Kabalah Center Internacional de Los Angeles. A partir de 1965, esta tornou-se a principal instituição divulgadora da Cabala, responsável pela pretensa adesão de outras estrelas do showbizz norte-americano, casos de Demi Moore, Britney Spears, Anthony Kiedis dos Red Hot Chili Peppers, Ashton Kutcher, Naomi Campbell e muitos outros.

Vários dos novos fiéis deixaram de frequentar o centro, alegadamente por preferirem a anterior fé cristã, ou nenhuma fé. Alguns outros – como a ex-esposa de Mick Jagger –  porque lhe foi requerida doação de 10% dos seus rendimentos.

Pelo que percebemos à descoberta de Safed, a mediatização conseguida com as incursões destas estrelas fazem jeito (e pouco preocupam) quem se colou à Cabala com meros objectivos comerciais.

Já para os verdadeiros cabalistas, quantas mais dessas desistências ocorrerem, melhor.

Mulher judia

Mulher judia numa das muitas lojas de arte de Safed.

O Rabi Gavriel Hubbara da comunidade Iemenita de Safed não se furtou a declarar acerca da rapariga material.

“Ela só vem cá para chamar atenção para ela própria…” e, ao visitar aquele tal rabi, só está a insultar o seu próprio alegado estudo da cabala”,

Sem lugar para dúvidas, uma referência ao Kabalah Center e ao já falecido Philip Berg.

Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.
Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem a Via Dolorosa, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.
Basílica Santo Sepúlcro, Jerusalém, Israel

O Templo Supremo das Velhas Igrejas Cristãs

Foi mandada construir pelo imperador Constantino, no lugar da Crucificação e Ressurreição de Jesus e de um antigo templo de Vénus. Na génese, uma obra Bizantina, a Basílica do Santo Sepúlcro é, hoje, partilhada e disputada por várias denominações cristãs como o grande edifício unificador do Cristianismo.
Jaffa, Israel

Onde Assenta a Telavive Sempre em Festa

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.
São João de Acre, Israel

A Fortaleza que Resistiu a Tudo

Foi alvo frequente das Cruzadas e tomada e retomada vezes sem conta. Hoje, israelita, Acre é partilhada por árabes e judeus. Vive tempos bem mais pacíficos e estáveis que aqueles por que passou.
Guwahati, India

A Cidade que Venera Kamakhya e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
Mar Morto, Israel

À Tona d'água, nas Profundezas da Terra

É o lugar mais baixo à superfície do planeta e palco de várias narrativas bíblicas. Mas o Mar Morto também é especial pela concentração de sal que inviabiliza a vida mas sustém quem nele se banha.
Massada, Israel

Massada: a Derradeira Fortaleza Judaica

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Massada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
Jerusalém, Israel

Em Festa no Muro das Lamentações

Nem só a preces e orações atende o lugar mais sagrado do judaísmo. As suas pedras milenares testemunham, há décadas, o juramento dos novos recrutas das IDF e ecoam os gritos eufóricos que se seguem.
Jaffa, Israel

Protestos Pouco Ortodoxos

Uma construção em Jaffa, Telavive, ameaçava profanar o que os judeus ultra-ortodoxos pensavam ser vestígios dos seus antepassados. E nem a revelação de se tratarem de jazigos pagãos os demoveu da contestação.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Safari
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Cansaço em tons de verde
Cerimónias e Festividades
Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Cidades
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
khinalik, Azerbaijão aldeia Cáucaso, Khinalig
Cultura
Khinalig, Azerbaijão

A Aldeia no Cimo do Azerbaijão

Instalado aos 2300 metros rugosos e gélidos do Grande Cáucaso, o povo Khinalig é apenas uma de várias minorias da região. Manteve-se isolado durante milénios. Até que, em 2006, uma estrada o tornou acessível aos velhos Ladas soviéticos.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Sal Muito Grosso
Em Viagem
Salta e Jujuy, Argentina

Pelas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.
Lançamento de rede, ilha de Ouvéa-Ilhas Lealdade, Nova Caledónia
Étnico
Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Na ilha de Ouvéa, arquipélago das Lealdade, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
História
Nelson a Wharariki, PN Abel Tasman, Nova Zelândia

O Litoral Maori em que os Europeus Deram à Costa

Abel Janszoon Tasman explorava mais da recém-mapeada e mítica "Terra Australis" quando um equívoco azedou o contacto com nativos de uma ilha desconhecida. O episódio inaugurou a história colonial da Nova Zelândia. Hoje, tanto a costa divinal em que o episódio se sucedeu como os mares em redor evocam o navegador holandês.
Caiaquer no lago Sinclair, Cradle Mountain - Lake Sinclair National Park, Tasmania, Austrália
Ilhas
À Descoberta de Tassie, Parte 4 -  Devonport a Strahan, Austrália

Pelo Oeste Selvagem da Tasmânia

Se a quase antípoda Tazzie já é um mundo australiano à parte, o que dizer então da sua inóspita região ocidental. Entre Devonport e Strahan, florestas densas, rios esquivos e um litoral rude batido por um oceano Índico quase Antárctico geram enigma e respeito.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Passageira agasalhada-ferry M:S Viking Tor, Aurlandfjord, Noruega
Natureza
Flam a Balestrand, Noruega

Onde as Montanhas Cedem aos Fiordes

A estação final do Flam Railway, marca o término da descida ferroviária vertiginosa das terras altas de Hallingskarvet às planas de Flam. Nesta povoação demasiado pequena para a sua fama, deixamos o comboio e navegamos pelo fiorde de Aurland abaixo rumo à prodigiosa Balestrand.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Totem, Sitka, Viagem Alasca que já foi da Rússia
Parques Naturais
Sitka, Alasca

Sitka: Viagem por um Alasca que Já foi Russo

Em 1867, o czar Alexandre II teve que vender o Alasca russo aos Estados Unidos. Na pequena cidade de Sitka, encontramos o legado russo mas também os nativos Tlingit que os combateram.
Playa Nogales, La Palma, Canárias
Património Mundial UNESCO
La Palma, Canárias

A Isla Bonita das Canárias

Em 1986, Madonna Louise Ciccone lançou um êxito que popularizou a atracção exercida por uma isla imaginária. Ambergris Caye, no Belize, colheu proveitos. Do lado de cá do Atlântico, há muito que os palmeros assim veem a sua real e deslumbrante Canária.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Personagens
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Tambores e tatoos
Praias
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
Camponesa, Majuli, Assam, India
Religião
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
A Toy Train story
Sobre Carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Vegetais, Little India, Singapura de Sari, Singapura
Sociedade
Little India, Singapura

Little Índia. A Singapura de Sari

São uns milhares de habitantes em vez dos 1.3 mil milhões da pátria-mãe mas não falta alma à Little India, um bairro da ínfima Singapura. Nem alma, nem cheiro a caril e música de Bollywood.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT