Ushuaia, Argentina

Uma Fazenda no Fim do Mundo


Picos Gémeos
Picos afiados da Cordilheira Martial, no limiar dos Andes.
Canal WC
Small WC of the Harberton Estancia over the Beagle Channel.
Coroa da estancia
Edifício no cimo de um dos outeiro em que assenta a vasta propriedade.
Curiosidade
Passageiros de catamara observam a colónia de pinguins da ilha Martillo, nas imediações da estancia Harberton.
Fim da viagem
Embarcação aproxima-se de um cais da estancia Harberton,
Floresta morta
Árvores mortas pela inundação do rio Larsiparsabk.
Árbole bandera
Uma lenga inclinada pelo vento forte prevalecente desta região da Terra do Fogo
Furgoneta-ferrugem
Velha carrinha Power Wagon estacionada sobre a erva da estancia Harberton.
Picos Gémeos
Picos afiados da Cordilheira Martial, no limiar dos Andes.
Depósito de peles
Pilha de peles de ovelha guardados num velho armazém da estancia Harberton.
Pinguinagem
Pinguins da ilha Martilho, alguns exemplares de uma comunidade bem mais vasta às margens do Canal Beagle.
Turfeira excêntrica
Uma de várias turfeiras às margens semi-inundadas do rio Larsiparsabk.
Castoreira-Tierra-de-fuego-Argentina
Árvores mortas e seus troncos, um dos habitats preferidos dos castores da zona.
Decoração óssea
Esqueleto de Cetáceo no limiar da Estancia Harberton.
Pato indeciso
Pato prestes a fazer-se às águas gélidas do Canal Beagle.
Secagem ao natural
Turfeira excêntrica
Uma de várias turfeiras às margens semi-inundadas do rio Larsiparsabk.
Em, 1886, Thomas Bridges, um órfão inglês levado pela família missionária adoptiva para os confins do hemisfério sul fundou a herdade anciã da Terra do Fogo. Bridges e os descendentes entregaram-se ao fim do mundo. Hoje, a sua Estancia Harberton é um deslumbrante monumento argentino à determinação e à resiliência humana.

O percurso que cumprimos só vem reforçar a noção de quão estranha e extrema é a presença de Ushuaia neste confins quase Antárcticos. Bastam uns poucos quilómetros da ruta 3 para o casario da última das cidades dar lugar à natureza crua da Tierra del Fuego.

A via começa por se internar na faixa de Argentina espartilhada entre o grande Lago Fagnano (a norte) e o Canal Beagle (a sul).

Cordilheira Martial, Tierra del Fuego, Argentina

Picos afiados da Cordilheira Martial, no limiar dos Andes.

Aproveita uma abertura mais ampla na sequência quebrada dos Montes Martial e apanha boleia da planura fluvial do Larsiparsabk, um rio que nasce no sopé da cordilheira e se contorce vezes sem conta até que, uns 60 km para leste, desagua no Beagle.

A Viagem de Ushuaia, ao Longo do excêntrico rio Larsiparsabk

Alimentado pelo degelo constante dos picos nevados, o curso do Larsiparsabk é pouco contido. Aqui e ali, extravasa sobre a lisura exuberante em redor. Irriga turfeiras multicolores e pântanos repletos de troncos ressequidos de florestas que sucumbiram a sucessivas inundações.

Turfeira junto ao rio Larsiparsabk, Tierra del Fuego, Argentima

Uma de várias turfeiras às margens semi-inundadas do rio Larsiparsabk.

Têm o seu quê de extraterrestre as terras por que nos movemos.

Confrontados com a abundância de castores e dos diques que os roedores incansáveis com eles erguem, os moradores chamaram-lhes castoreras. A influência dos animais na nomenclatura da região não se fica por aí. Uns quilómetros para diante, passamos na base de um tal de Cerro Castor. Chegámos no Outono destas paragens austrais.

Os primeiros nevões estão por dias. Mais para diante no ano, o Castor e as suas vertentes brancas irão transformar-se em resort de desportos de Inverno e entreter as gentes esquiadoras da região.

Repetem-se as turfeiras. Sucedem-se os pauis e os charcos, ora a norte ora a sul dos meandros descontrolados do Larsiparsabk. Vemo-los ensoparem a paisagem e o percurso até que, a determinada altura, a ruta 3 dá lugar à Ruta Provincial J. Toca um braço do Canal Beagle e volta a internar-se no já quase bico de bota da Terra do Fogo.

Pequena floresta morta

Árvores mortas pela inundação do rio Larsiparsabk.

As árboles Bandera como prenúncio da estancia Harberton

Os cenários mudam. Em vez dos excessos aquáticos, é uma inesperada aridez ventosa que os torna inóspitos. Sentimos as rajadas vindas do Pacífico varrerem o cimo de um alto suave.

São os ventos de há muito, os vendavais milenares constantes que tornam infernal a navegação de leste para oeste a sul do Cabo Horn, logo abaixo no mapa, os mesmo que valorizaram a passagem protegida de quase 600 km que Fernão de Magalhães achou e navegou em 1520.

A força destes ventos é tal que os arbustos pouco se desenvolvem e a erva tem um tom de amarelo desmaiado. Daquele ermo rejeitado pela comum vegetação, algumas lengas (nothofagus pumilio) intrépidas fizeram a sua nação. Saímos do carro. Apreciamo-las com a atenção que nos mereciam.

Árbole bandera, Tierra del Fuego, Argentina

Uma lenga inclinada pelo vento forte prevalecente desta região da Terra do Fogo

Em vez de hirtas, estas árvores submetem-se ao vento e fazem os troncos e galhos crescerem na horizontal, como longos penteados laterais em sustentação. Os argentinos tratam-nas por árboles banderas. Traduzem na perfeição o mote dos colonizadores pioneiros da Terra do Fogo: vergar sim. Nunca quebrar. Estávamos na iminência do mais antigo e notório dos exemplos.

A Ruta J serpenteia por alguns quilómetros adicionais. Contorna outros dois braços de mar do Canal Beagle. Entramos numa península retorcida. Encontramos, por fim, a Estancia Harberton na costa oriental dessa península, mais abrigada do vento, se é que isso existe nestas paragens.

Estancia Harberton, Tierra del Fuego, Argentina

Edifício no cimo de um dos outeiro em que assenta a vasta propriedade.

Por fim a Distante e Isolada Estancia Harberton

Nuvens arroxeadas pela humidade passam a grande velocidade sobre os prados verdejantes. Filtram a luz já de si suave daquelas latitudes extremas e emprestam ao lugar uma atmosfera bucólica que nos parece anestesiar os sentidos.

Nos seus tempos áureos, muitos milhares de ovelhas salpicavam os pastos e garantiam rendimentos nunca sonhados pelos proprietários.

Desde há duas décadas, Tommy Goodall – o tetraneto do fundador – seguiu a onda que invadiu a última das cidades e converteu a estancia ao turismo. Conservou apenas alguns exemplares de ovinos com o fim de recriar o passado e mostrar aos visitantes as técnicas ancestrais de pastoreio e tosquia.

Armazém de peles, estancia Harberton, Tierra del Fuego, Argentina

Pilha de peles de ovelha guardados num velho armazém da estancia Harberton.

O Súbito Declínio da Era Ovina

Espreitamos para dentro de uma janela com vidros partidos. No interior sombrio, vislumbramos uma grande pilha de peles lanzudas. Cá fora, junto a uma paliçada que serve de curral, uma outra pele, ainda ensanguentada, contrasta com a erva viçosa em que assenta.

Em vez dos ovinos antes abundantes, gansos e patos assumiram o protagonismo faunístico da estancia. Cirandam, elegantes e soberbos. De tal forma comprometidos com o lugar que nem a nossa aproximação os faz mudar de rumo.

Passado, não tarda, um século e meio, os edifícios (casa, celeiro, estábulo, vedações) todos de madeira ou chapa pintada, coroam a paisagem como que a celebrar o triunfo da obstinação sobre a crueza dos elementos. Também um velho camião Power Wagon verde-enferrujado resiste, estacionado num tempo bem distante do dos seus melhores dias.

Carrinha Power Wagon na estancia Harberton, Tierra del Fuego, Argentina

Velha carrinha Power Wagon estacionada sobre a erva da estancia Harberton.

Thomas Brides: missionário e fazendeiro pioneiro

Thomas Bridges, o fundador da estancia foi o primeiro a instalar uma fazenda nos confins da Terra do Fogo. Mas não foi o primeiro a levar a sua vida para a província.

Em 1869, missionários da South America Mission Society britânica fixaram-se na região com propósitos estritamente religiosos. Waite Hockin Stirling, o pioneiro, chegou por sua conta e estabeleceu-se entre os indígenas Yamaná. Outros se lhe juntaram. Thomas Bridges foi um deles.

A história de Bridges não podia ser mais insólita. Ainda bebé, foi encontrado abandonado junto a uma ponte, em Inglaterra, e viu-se adoptado por um missionário. Em 1856, com apenas 13 anos, Bridges foi levado pela sua família adoptiva para as ilhas Falkland (Malvinas), para participar no estabelecimento de uma estação missionária agrícola.

Barco prestes a atracar na estancia Harberton, Tierra del Fuego, Argentina

Embarcação aproxima-se de um cais da estancia Harberton,

Naquele arquipélago austral, aprendeu a falar yaghan, o dialecto dos nativos da Terra do Fogo, muitos deles entretanto deslocados para as Falkland para serem treinados em distintos trabalhos.

Por altura da sua primeira viagem à Terra do Fogo, em 1863, Bridges já comunicava com os nativos. Essa sua virtude foi crucial no assentamento de uma nova missão anglicana em Ushuaia. Num ápice, estimulada por alguns casamentos, a população aumentou. A primeira criança europeia a nascer na colónia, foi um dos filhos de Thomas Bridges.

O Papel Fulcral dos Bridges no Assentamento de Missionários e outros colónos

Os Bridges mantiveram sempre um papel fulcral na integração dos recém-chegados entre os indígenas. Uma das divisões da primeira casa que construíram em Ushuaia foi, aliás, ocupada por um casal Yamaná.

Mas a era de proselitismo tranquilo de Ushuaia não durou o que os Bridges e restantes pioneiros contavam. A partir de 1880 propagaram-se rumores de que os campos em redor de Ushuaia eram ricos em ouro.

Inúmeros prospectores, auxiliares, negociantes e suas famílias afluíram à cidade apenas para se desiludirem. Uns anos mais tarde, começou a ser construído o Ferrocarril Austral Fueguino, hoje denominado Tren del Fin del Mundo.

Em 1884, Bridges acolheu a primeira das expedições argentinas oficiais à Terra do Fogo, levada a cabo com o fim de lá instituir uma subperfeitura.

Decorridos apenas dois anos, em jeito de recompensa pelo seu trabalho com os nativos, pelo apoio a marinheiros naufragados nas imediações do Cabo Horn e a cientistas, exploradores e a outros colonos, recebeu do Congresso Nacional Argentino um talhão de terra e a cidadania argentina.

O Abandono do Proselitismo e o Retiro Rural dos Bridges na Longínqua Harberton

Em desacordo com a missão anglicana que o enviara para o Novo Mundo, demitiu-se das suas funções para se estabelecer numa estancia. Chamou-lhe Harberton, segundo o nome da vila inglesa em que nascera a sua esposa.

Quando por lá passámos, a propriedade pertencia a Will e Lucas, bisnetos de Thomas Bridges. Era gerida por Thomas D. Goodall, um outro bisneto (4ª geração).

Este e a sua família habitavam a casa original dos Bridges, erguida com óbvia influência arquitectónica das cottages de campo britânicas, com excepção para os ossos de maxilar de baleia dispostos em “A” a fazerem de pórtico e para outros, de partes distintas dos cetáceos que encontramos à beira do Canal Beagle, em jeito de decoração de jardim.

Continuamos a desvendar Harberton. Contornamos uma esquina. Do lado de lá, sobre um alpendre atafulhado de utensílios agrários e pecuários, um funcionário septuagenário munido de um facão corta grandes bocados de carne e prende-os a ganchos pendurados do tecto.

Pele de cordeiro seca ao sol na estancia Harberton, Tierra del Fuego, Argentino

Pele de cordeiro seca sob o sol ténue das latitudes quase antárcticas das estancia Harberton.

Nas imediações, um outro corta lenha e aumenta a pilha gigantesca com que as gentes de Harberton se aquecerão nos meses vindouros.

A Incrível Resiliência dos Bridges nos Confins da Terra do Fogo

É coisa séria o Inverno da Terra do Fogo. De um momento para o outro a temperatura mergulha para -20º (ou para menos) enquanto o vento chicoteia a paisagem sem misericórdia. A meteorologia poder revelar-se de tal maneira agreste que, sobretudo os visitantes argentinos e chilenos, conhecedores do clima dos fundos dos seus países, se espantam ao constatar que alguém ali decidiu assentar arraiais.

E ao ver como a família Brigdes não só sobreviveu como prosperou, malgrado surtos de febre tifóide, períodos em que a cotação da lã entrou em queda livre, roubo de gado e ataques de cães selvagens. E, apesar de um Inverno em particular, mais recente, tão frio que exterminou 80% do gado e incentivou a aposta da família no turismo há já bom tempo prodigioso em Ushuaia e um pouco por toda a Terra do Fogo.

Incursão pinguinera à Ilha Martillo e um Regresso Diluviano a Ushuaia

Também a Ilha Martillo, situada diante da estancia, se tornou uma atracção. É lar de uma vasta colónia de pinguins-de-Magalhães. Dizem-nos que começaram a instalar-se na praia pouco depois de os rebanhos desaparecerem dos pastos em redor. Mais tarde, uns poucos operadores turísticos foram autorizados a mostrá-los aos forasteiros.

Caminhamos até um dos pontões que serve a fazenda e subimos a bordo de um semi-rígido veloz. Nuns poucos minutos, desembarcamos sobre o cascalho cinzento que cobre o litoral da ilha. Dão-nos uma oportunidade excepcional de  nos aproximarmos e fotografarmos os animais.

Pinguins da ilha Martillo, Tierra del Fuego, Argentina

Pinguins da ilha Martilho, alguns exemplares de uma comunidade bem mais vasta às margens do Canal Beagle.

Habituados às incursões de diferentes navios, os pinguins já não fogem dos humanos como faziam de início. Alguns espécimes, revelam uma paciência que quase se confunde com vaidade fotográfica.

Começamos por estar só nós e os outros passageiros do semi-rígido. Às tantas, dois catamarãs modernos ancoram na iminência do areal. Uma pequena multidão conflui para a proa e, por uns bons 15 minutos, disputa-a e às melhores perspectivas dos pinguins.

Passageiros em catamarã, Ilha Martillo, Tierra del Fuego, Argentina

Passageiros de catamara observam a colónia de pinguins da ilha Martillo, nas imediações da estancia Harberton.

Regressamos a Harberton antes de estas embarcações zarparem de volta ao Beagle. Debaixo de um céu que arroxeava a olhos vistos. Quando nos enfiamos na carrinha, já caiam algumas gotas. Cumprimos os 80 km do trajecto de volta a Ushuaia debaixo de uma das chuvadas inclementes típicas dos confins do mundo por que andávamos.

Ushuaia, Argentina

O Derradeiro Comboio Austral

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.

Canal Beagle, Argentina

No Rumo da Evolução

Em 1833, Charles Darwin navegou a bordo do "Beagle" pelos canais da Terra do Fogo. A sua passagem por estes confins meridionais moldou a teoria revolucionária que formulou da Terra e das suas espécies

Ushuaia, Argentina

A Última das Cidades

A capital da Terra do Fogo marca o limiar austral da civilização. De Ushuaia partem inúmeras incursões ao continente gelado. Nenhuma destas aventuras de toca e foge se compara à da vida na cidade final.
Passo da Lontra, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.

El Calafate, Argentina

Os Novos Gaúchos da Patagónia

Em redor de El Calafate, em vez dos habituais pastores a cavalo, cruzamo-nos com gaúchos criadores equestres e com outros que exibem para gáudio dos visitantes, a vida tradicional das pampas douradas.

Mendoza, Argentina

A Eno-Província Argentina

Os missionários espanhóis perceberam, no século XVI, que a zona estava talhada para a produção do “sangue de Cristo”. Hoje, Mendoza está no centro da maior região vinícola da América Latina.

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.

Misiones, Argentina

Missões Impossíveis

No séc. XVIII, os jesuítas expandiam um domínio religioso no coração da América do Sul em que convertiam os indígenas guarani. Mas as Coroas Ibéricas arruinaram a utopia tropical da Companhia de Jesus

Cataratas Iguaçu, Brasil/Argentina

O Grande Splash

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.

Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes

Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada

Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Competição do Alaskan Lumberjack Show, Ketchikan, Alasca, EUA
Arquitectura & Design
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Sombra de sucesso
Cerimónias e Festividades

Champotón, México

Rodeo debaixo de Sombreros

Com o fim do ano, 5 municípios mexicanos organizam uma feira em honra da Virgén de La Concepción. Aos poucos, o evento tornou-se o pretexto ideal para os cavaleiros locais exibirem as suas habilidades

Celebração Nahuatl
Cidades

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Comodidade até na Natureza
Comida

Tóquio, Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.

O projeccionista
Cultura

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.

Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Em Viagem
Braga - Ice Lake, Nepal

A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Em manobras
Étnico

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Doces crocantes
História

São João de Acre, Israel

A Fortaleza que Resistiu a Tudo

Foi alvo frequente das Cruzadas e tomada e retomada vezes sem conta. Hoje, israelita, Acre é partilhada por árabes e judeus. Vive tempos bem mais pacíficos e estáveis que aqueles por que passou.

Passagem
Ilhas

Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.

Esqui
Inverno Branco

Lapónia, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.

Litoral de Upolu
Literatura

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

Natureza
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Parques Naturais
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Glamour vs Fé
Património Mundial UNESCO
Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a vetaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Tambores e tatoos
Praias

Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.

A Crucificação em Helsínquia
Religião

Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.

Cable car com Transamerica Pyramid, São Francisco, Califórnia, Estados Unidos da América
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Ijen-Inferno
Sociedade

Vulcão Ijen, Indonésia

Escravos do Enxofre

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.

Fim da Viagem
Vida Quotidiana

Talkeetna, Alasca

Vida à Moda do Alasca

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.

Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.