Ushuaia, Argentina

Uma Fazenda no Fim do Mundo


Picos Gémeos
Picos afiados da Cordilheira Martial, no limiar dos Andes.
Canal WC
Small WC of the Harberton Estancia over the Beagle Channel.
Coroa da estancia
Edifício no cimo de um dos outeiro em que assenta a vasta propriedade.
Curiosidade
Passageiros de catamara observam a colónia de pinguins da ilha Martillo, nas imediações da estancia Harberton.
Fim da viagem
Embarcação aproxima-se de um cais da estancia Harberton,
Floresta morta
Árvores mortas pela inundação do rio Larsiparsabk.
Árbole bandera
Uma lenga inclinada pelo vento forte prevalecente desta região da Terra do Fogo
Furgoneta-ferrugem
Velha carrinha Power Wagon estacionada sobre a erva da estancia Harberton.
Picos Gémeos
Picos afiados da Cordilheira Martial, no limiar dos Andes.
Depósito de peles
Pilha de peles de ovelha guardados num velho armazém da estancia Harberton.
Pinguinagem
Pinguins da ilha Martilho, alguns exemplares de uma comunidade bem mais vasta às margens do Canal Beagle.
Em, 1886, Thomas Bridges, um órfão inglês levado pela família missionária adoptiva para os confins do hemisfério sul fundou a herdade anciã da Terra do Fogo. Bridges e os descendentes entregaram-se ao fim do mundo. Hoje, a sua Estancia Harberton é um deslumbrante monumento argentino à determinação e à resiliência humana.

O percurso que cumprimos só vem reforçar a noção de quão estranha e extrema é a presença de Ushuaia neste confins quase Antárcticos. Bastam uns poucos quilómetros da ruta 3 para o casario da última das cidades dar lugar à natureza crua da Tierra del Fuego.

A via começa por se internar na faixa de Argentina espartilhada entre o grande Lago Fagnano (a norte) e o Canal Beagle (a sul).

Cordilheira Martial, Tierra del Fuego, Argentina

Picos afiados da Cordilheira Martial, no limiar dos Andes.

Aproveita uma abertura mais ampla na sequência quebrada dos Montes Martial e apanha boleia da planura fluvial do Larsiparsabk, um rio que nasce no sopé da cordilheira e se contorce vezes sem conta até que, uns 60 km para leste, desagua no Beagle.

A Viagem de Ushuaia, ao Longo do excêntrico rio Larsiparsabk

Alimentado pelo degelo constante dos picos nevados, o curso do Larsiparsabk é pouco contido. Aqui e ali, extravasa sobre a lisura exuberante em redor. Irriga turfeiras multicolores e pântanos repletos de troncos ressequidos de florestas que sucumbiram a sucessivas inundações.

Turfeira junto ao rio Larsiparsabk, Tierra del Fuego, Argentima

Uma de várias turfeiras às margens semi-inundadas do rio Larsiparsabk.

Têm o seu quê de extraterrestre as terras por que nos movemos.

Confrontados com a abundância de castores e dos diques que os roedores incansáveis com eles erguem, os moradores chamaram-lhes castoreras. A influência dos animais na nomenclatura da região não se fica por aí. Uns quilómetros para diante, passamos na base de um tal de Cerro Castor. Chegámos no Outono destas paragens austrais.

Os primeiros nevões estão por dias. Mais para diante no ano, o Castor e as suas vertentes brancas irão transformar-se em resort de desportos de Inverno e entreter as gentes esquiadoras da região.

Repetem-se as turfeiras. Sucedem-se os pauis e os charcos, ora a norte ora a sul dos meandros descontrolados do Larsiparsabk. Vemo-los ensoparem a paisagem e o percurso até que, a determinada altura, a ruta 3 dá lugar à Ruta Provincial J. Toca um braço do Canal Beagle e volta a internar-se no já quase bico de bota da Terra do Fogo.

Pequena floresta morta

Árvores mortas pela inundação do rio Larsiparsabk.

As árboles Bandera como prenúncio da estancia Harberton

Os cenários mudam. Em vez dos excessos aquáticos, é uma inesperada aridez ventosa que os torna inóspitos. Sentimos as rajadas vindas do Pacífico varrerem o cimo de um alto suave.

São os ventos de há muito, os vendavais milenares constantes que tornam infernal a navegação de leste para oeste a sul do Cabo Horn, logo abaixo no mapa, os mesmo que valorizaram a passagem protegida de quase 600 km que Fernão de Magalhães achou e navegou em 1520.

A força destes ventos é tal que os arbustos pouco se desenvolvem e a erva tem um tom de amarelo desmaiado. Daquele ermo rejeitado pela comum vegetação, algumas lengas (nothofagus pumilio) intrépidas fizeram a sua nação. Saímos do carro. Apreciamo-las com a atenção que nos mereciam.

Árbole bandera, Tierra del Fuego, Argentina

Uma lenga inclinada pelo vento forte prevalecente desta região da Terra do Fogo

Em vez de hirtas, estas árvores submetem-se ao vento e fazem os troncos e galhos crescerem na horizontal, como longos penteados laterais em sustentação. Os argentinos tratam-nas por árboles banderas. Traduzem na perfeição o mote dos colonizadores pioneiros da Terra do Fogo: vergar sim. Nunca quebrar. Estávamos na iminência do mais antigo e notório dos exemplos.

A Ruta J serpenteia por alguns quilómetros adicionais. Contorna outros dois braços de mar do Canal Beagle. Entramos numa península retorcida. Encontramos, por fim, a Estancia Harberton na costa oriental dessa península, mais abrigada do vento, se é que isso existe nestas paragens.

Estancia Harberton, Tierra del Fuego, Argentina

Edifício no cimo de um dos outeiro em que assenta a vasta propriedade.

Por fim a Distante e Isolada Estancia Harberton

Nuvens arroxeadas pela humidade passam a grande velocidade sobre os prados verdejantes. Filtram a luz já de si suave daquelas latitudes extremas e emprestam ao lugar uma atmosfera bucólica que nos parece anestesiar os sentidos.

Nos seus tempos áureos, muitos milhares de ovelhas salpicavam os pastos e garantiam rendimentos nunca sonhados pelos proprietários.

Desde há duas décadas, Tommy Goodall – o tetraneto do fundador – seguiu a onda que invadiu a última das cidades e converteu a estancia ao turismo. Conservou apenas alguns exemplares de ovinos com o fim de recriar o passado e mostrar aos visitantes as técnicas ancestrais de pastoreio e tosquia.

Armazém de peles, estancia Harberton, Tierra del Fuego, Argentina

Pilha de peles de ovelha guardados num velho armazém da estancia Harberton.

O Súbito Declínio da Era Ovina

Espreitamos para dentro de uma janela com vidros partidos. No interior sombrio, vislumbramos uma grande pilha de peles lanzudas. Cá fora, junto a uma paliçada que serve de curral, uma outra pele, ainda ensanguentada, contrasta com a erva viçosa em que assenta.

Em vez dos ovinos antes abundantes, gansos e patos assumiram o protagonismo faunístico da estancia. Cirandam, elegantes e soberbos. De tal forma comprometidos com o lugar que nem a nossa aproximação os faz mudar de rumo.

Passado, não tarda, um século e meio, os edifícios (casa, celeiro, estábulo, vedações) todos de madeira ou chapa pintada, coroam a paisagem como que a celebrar o triunfo da obstinação sobre a crueza dos elementos. Também um velho camião Power Wagon verde-enferrujado resiste, estacionado num tempo bem distante do dos seus melhores dias.

Carrinha Power Wagon na estancia Harberton, Tierra del Fuego, Argentina

Velha carrinha Power Wagon estacionada sobre a erva da estancia Harberton.

Thomas Brides: missionário e fazendeiro pioneiro

Thomas Bridges, o fundador da estancia foi o primeiro a instalar uma fazenda nos confins da Terra do Fogo. Mas não foi o primeiro a levar a sua vida para a província.

Em 1869, missionários da South America Mission Society britânica fixaram-se na região com propósitos estritamente religiosos. Waite Hockin Stirling, o pioneiro, chegou por sua conta e estabeleceu-se entre os indígenas Yamaná. Outros se lhe juntaram. Thomas Bridges foi um deles.

A história de Bridges não podia ser mais insólita. Ainda bebé, foi encontrado abandonado junto a uma ponte, em Inglaterra, e viu-se adoptado por um missionário. Em 1856, com apenas 13 anos, Bridges foi levado pela sua família adoptiva para as ilhas Falkland (Malvinas), para participar no estabelecimento de uma estação missionária agrícola.

Barco prestes a atracar na estancia Harberton, Tierra del Fuego, Argentina

Embarcação aproxima-se de um cais da estancia Harberton,

Naquele arquipélago austral, aprendeu a falar yaghan, o dialecto dos nativos da Terra do Fogo, muitos deles entretanto deslocados para as Falkland para serem treinados em distintos trabalhos.

Por altura da sua primeira viagem à Terra do Fogo, em 1863, Bridges já comunicava com os nativos. Essa sua virtude foi crucial no assentamento de uma nova missão anglicana em Ushuaia. Num ápice, estimulada por alguns casamentos, a população aumentou. A primeira criança europeia a nascer na colónia, foi um dos filhos de Thomas Bridges.

O Papel Fulcral dos Bridges no Assentamento de Missionários e outros colónos

Os Bridges mantiveram sempre um papel fulcral na integração dos recém-chegados entre os indígenas. Uma das divisões da primeira casa que construíram em Ushuaia foi, aliás, ocupada por um casal Yamaná.

Mas a era de proselitismo tranquilo de Ushuaia não durou o que os Bridges e restantes pioneiros contavam. A partir de 1880 propagaram-se rumores de que os campos em redor de Ushuaia eram ricos em ouro.

Inúmeros prospectores, auxiliares, negociantes e suas famílias afluíram à cidade apenas para se desiludirem. Uns anos mais tarde, começou a ser construído o Ferrocarril Austral Fueguino, hoje denominado Tren del Fin del Mundo.

Em 1884, Bridges acolheu a primeira das expedições argentinas oficiais à Terra do Fogo, levada a cabo com o fim de lá instituir uma subperfeitura.

Decorridos apenas dois anos, em jeito de recompensa pelo seu trabalho com os nativos, pelo apoio a marinheiros naufragados nas imediações do Cabo Horn e a cientistas, exploradores e a outros colonos, recebeu do Congresso Nacional Argentino um talhão de terra e a cidadania argentina.

O Abandono do Proselitismo e o Retiro Rural dos Bridges na Longínqua Harberton

Em desacordo com a missão anglicana que o enviara para o Novo Mundo, demitiu-se das suas funções para se estabelecer numa estancia. Chamou-lhe Harberton, segundo o nome da vila inglesa em que nascera a sua esposa.

Quando por lá passámos, a propriedade pertencia a Will e Lucas, bisnetos de Thomas Bridges. Era gerida por Thomas D. Goodall, um outro bisneto (4ª geração).

Este e a sua família habitavam a casa original dos Bridges, erguida com óbvia influência arquitectónica das cottages de campo britânicas, com excepção para os ossos de maxilar de baleia dispostos em “A” a fazerem de pórtico e para outros, de partes distintas dos cetáceos que encontramos à beira do Canal Beagle, em jeito de decoração de jardim.

Continuamos a desvendar Harberton. Contornamos uma esquina. Do lado de lá, sobre um alpendre atafulhado de utensílios agrários e pecuários, um funcionário septuagenário munido de um facão corta grandes bocados de carne e prende-os a ganchos pendurados do tecto.

Pele de cordeiro seca ao sol na estancia Harberton, Tierra del Fuego, Argentino

Pele de cordeiro seca sob o sol ténue das latitudes quase antárcticas das estancia Harberton.

Nas imediações, um outro corta lenha e aumenta a pilha gigantesca com que as gentes de Harberton se aquecerão nos meses vindouros.

A Incrível Resiliência dos Bridges nos Confins da Terra do Fogo

É coisa séria o Inverno da Terra do Fogo. De um momento para o outro a temperatura mergulha para -20º (ou para menos) enquanto o vento chicoteia a paisagem sem misericórdia. A meteorologia poder revelar-se de tal maneira agreste que, sobretudo os visitantes argentinos e chilenos, conhecedores do clima dos fundos dos seus países, se espantam ao constatar que alguém ali decidiu assentar arraiais.

E ao ver como a família Brigdes não só sobreviveu como prosperou, malgrado surtos de febre tifóide, períodos em que a cotação da lã entrou em queda livre, roubo de gado e ataques de cães selvagens. E, apesar de um Inverno em particular, mais recente, tão frio que exterminou 80% do gado e incentivou a aposta da família no turismo há já bom tempo prodigioso em Ushuaia e um pouco por toda a Terra do Fogo.

Incursão pinguinera à Ilha Martillo e um Regresso Diluviano a Ushuaia

Também a Ilha Martillo, situada diante da estancia, se tornou uma atracção. É lar de uma vasta colónia de pinguins-de-Magalhães. Dizem-nos que começaram a instalar-se na praia pouco depois de os rebanhos desaparecerem dos pastos em redor. Mais tarde, uns poucos operadores turísticos foram autorizados a mostrá-los aos forasteiros.

Caminhamos até um dos pontões que serve a fazenda e subimos a bordo de um semi-rígido veloz. Nuns poucos minutos, desembarcamos sobre o cascalho cinzento que cobre o litoral da ilha. Dão-nos uma oportunidade excepcional de  nos aproximarmos e fotografarmos os animais.

Pinguins da ilha Martillo, Tierra del Fuego, Argentina

Pinguins da ilha Martilho, alguns exemplares de uma comunidade bem mais vasta às margens do Canal Beagle.

Habituados às incursões de diferentes navios, os pinguins já não fogem dos humanos como faziam de início. Alguns espécimes, revelam uma paciência que quase se confunde com vaidade fotográfica.

Começamos por estar só nós e os outros passageiros do semi-rígido. Às tantas, dois catamarãs modernos ancoram na iminência do areal. Uma pequena multidão conflui para a proa e, por uns bons 15 minutos, disputa-a e às melhores perspectivas dos pinguins.

Passageiros em catamarã, Ilha Martillo, Tierra del Fuego, Argentina

Passageiros de catamara observam a colónia de pinguins da ilha Martillo, nas imediações da estancia Harberton.

Regressamos a Harberton antes de estas embarcações zarparem de volta ao Beagle. Debaixo de um céu que arroxeava a olhos vistos. Quando nos enfiamos na carrinha, já caiam algumas gotas. Cumprimos os 80 km do trajecto de volta a Ushuaia debaixo de uma das chuvadas inclementes típicas dos confins do mundo por que andávamos.

Ushuaia, Argentina

O Derradeiro Comboio Austral

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.

Canal Beagle, Argentina

No Rumo da Evolução

Em 1833, Charles Darwin navegou a bordo do "Beagle" pelos canais da Terra do Fogo. A sua passagem por estes confins meridionais moldou a teoria revolucionária que formulou da Terra e das suas espécies

Ushuaia, Argentina

A Última das Cidades

A capital da Terra do Fogo marca o limiar austral da civilização. De Ushuaia partem inúmeras incursões ao continente gelado. Nenhuma destas aventuras de toca e foge se compara à da vida na cidade final.
Passo da Lontra, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.

El Calafate, Argentina

Os Novos Gaúchos da Patagónia

Em redor de El Calafate, em vez dos habituais pastores a cavalo, cruzamo-nos com gaúchos criadores equestres e com outros que exibem para gáudio dos visitantes, a vida tradicional das pampas douradas.

Mendoza, Argentina

A Eno-Província Argentina

Os missionários espanhóis perceberam, no século XVI, que a zona estava talhada para a produção do “sangue de Cristo”. Hoje, Mendoza está no centro da maior região vinícola da América Latina.

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.

Misiones, Argentina

Missões Impossíveis

No séc. XVIII, os jesuítas expandiam um domínio religioso no coração da América do Sul em que convertiam os indígenas guarani. Mas as Coroas Ibéricas arruinaram a utopia tropical da Companhia de Jesus

Cataratas Iguaçu, Brasil/Argentina

O Grande Splash

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.

Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes

Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada

Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Arquitectura & Design
Fortalezas

O Mundo à Defesa

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Totens tribais
Aventura

Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula

Preces ao fogo
Cerimónias e Festividades

Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se

Nacionalismo Colorido
Cidades

Cartagena de Índias, Colômbia

Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".

Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Mini-snorkeling
Cultura

Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso a “A Praia”

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Verão Escarlate
Em Viagem

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Cenário marciano do Deserto Branco, Egipto
Étnico
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Pastéis nos ares
História
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Solovestsky Outonal
Ilhas

Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag cruel. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.

Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

O Apogeu da América do Norte
Natureza

Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Épico Western
Parques Naturais

Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos E.U.A. Hoje, na Navajo Nation, os navajos também vivem na pele dos velhos inimigos.

Abastecimento
Património Mundial UNESCO

PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.

Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Pura Vida em risco
Praias

Montezuma, Costa Rica

Um Recanto Abnegado da Costa Rica

A partir dos anos 80, Montezuma acolheu uma comunidade cosmopolita de artistas, ecologistas, pós-hippies, de adeptos da natureza e do famoso deleite costariquenho. Os nativos chamam-lhe Montefuma.

Em louvor do vulcão
Religião

Lombok, Indonésia

Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito

A Toy Train story
Sobre carris
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Aos repelões
Sociedade

Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.

O projeccionista
Vida Quotidiana

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.

Perigo de praia
Vida Selvagem

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.