Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes


Tecto das Américas
Vista para o Monte Aconcágua, o mais elevado do continente americano, com 6.962 metros.
Las Bovedas
Las Bovedas, antigos fornos em Uspallata.
Estância sem Neve
Imagem de Las Cuevas, uma estância a 3.185 metros de altitude que passa os meses mais quentes do ano sem neve.
Rafting andino
Rafting de águas bravas no rio Mendoza.
Santuário
Viajante verifica indicações junto a um santuário na zona de Vilavicêncio.
Petróglifos
Arte primitiva sobre rochas do cerro Tunduqueral, nas imediações de Uspallata.
Secura Verdejante
Cenário com álamos nos arredores de Uspallata.
Aviso
Sinal que alerta para o perigo acrescido pelo declive da estrada da RN7.
Aula ao Ar Livre
Excursão de estudantes de geologia, nas imediações do Cerro Tunduqueral.
Fantasma Ferroviário
Velha linha de comboio dos Andes Mendocinos, desactivada após a construção da Ruta N7.
Cerro Tunduqueral
Viajante contempla a planicie que envolve Uspallata.
Las Cuevas
Entrada da estância de neve de Las Cuevas quase sem neve.
Cume Aconcágua
O cimo do Cerro Acongágua, a montanha mais elevada da América do Sul.
A caminho do Chile
Camião aproxima-se da fronteira com o Chile.
Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada

Pouco a pouco, para oeste das planícies intermináveis salpicadas de adegas sofisticadas e das suas vinhas, a província de Mendoza eleva-se ao domínio arranha-céus da cordilheira dos Andes.

O minúsculo Ford Ka era o carro mais desaconselhado para nos conduzir por terras tão cruas e imponentes. Também estava listado como mais barato. O factor financeiro voltou a falar mais alto. Sobrecarregamo-lo com as mochilas já gastas com que andamos e deixamos para trás a capital homónima da província.

Ladeira atrás de ladeira, o motor do Ka ruge furibundo, em progresso na Ruta Nacional 7 (RN7), a via argentina que atravessa os Andes em direcção ao Chile.

O rio Mendoza acompanha-nos das terras mais planas até à Cordilheira del Limite. Serpenteia por uma panóplia de expressões dramáticas da natureza.

E atravessa algumas das localidades mais pitorescas daquela Argentina desafogada.

A Impressionante Vastidão Andina de Uspallata

A primeira a chamar-nos a atenção é Uspallata, um povoado que, em meados do século XV, se situava nas imediações no Camiño del Inca usado pelos Incas para cruzar os Andes.

A vila surge num vasto planalto, no geral, árido mas que acolhe um oásis de enormes alámos beneficiários de correntes de água tímidas. Neste cenário refrescante encontramos as abóbadas caiadas das Bovedas, fornos de adobe do século XVIII em que os colonos hispânicos fundiam os minerais extraídos da região incluindo o ouro subtraído aos Incas e outros povos indígenas.

Não vemos vivalma em redor. O lugar permanece entregue às cabras e vacas que devoram a erva junto ao ribeiro mais próximo. De acordo, não nos tardamos.

Seguimos à descoberta por uma estrada secundária erma, de asfalto gasto. Vários quilómetros depois, paramos junto a um núcleo de rochas arredondadas em que uma placa identifica os petróglifos do cerro Tunduqueral.

Petroglifos, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina

Arte primitiva sobre rochas do cerro Tunduqueral, nas imediações de Uspallata.

Com paciência, identificamos as figuras antropomórficas:  um rosto com grandes olhos, homenzitos de linhas simples, estranhas criaturas com três dedos e um outro homem, lagarto.

São só exemplos de múltiplas ilustrações que se crê terem sido deixadas por habitantes pré-históricos da região que esboçavam as suas primeiras crenças xamânicas .

Subimos a uma crista geológica destacadas do cenário.

Paisagem Uspallata, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina

Cenário com álamos nos arredores de Uspallata.

Do cimo, confirmamos como não tinha fim aquele deserto pintado e apreciamos-lhe o perfil multicolorido de Western Spaghetti sul-americano. Detectamos ainda o cerro local das Siete Colores elevações com inspiração de arco-íris que abundam no país das pampas.

Já no seu sopé poeirento, absorvemos as explicações de um professor geólogo que forma um grupo de adolescentes interessados.

Ponte e Rio Picheuta: um Cenário Emblemático da América do Sul

Alguns minutos depois, damos com a ponte miniatura de pedra que cruza o rio Picheuta, com o Torreão da Sentinela vizinho e os vestígios do fortim com o mesmo nome do rio.

Nas imediações, o exército liderado pelo General San Martin triunfou, em 1770, na primeira de várias batalhas libertadoras da Argentina contra as forças da coroa espanhola. Ali se começou a concretizar a independência da Argentina e, ao mesmo tempo, se forjou a nova história da América do Sul.

San Martin, esse, transformou-se num herói nacional, uma espécie de Simon Bolivar do cone sul. Hoje, estátuas e ruas em sua honra abundam um pouco por todo o país.

As Polvaredas e o Longínquo Cerro Tupungato

Viajamos a 2050 metros de altitude quando damos entrada em Polvaredas, uma de várias estações ferroviárias andinas que a construção da via asfaltada que ligou Mendoza a Santiago do Chile tornou fantasma.

Estacao Comboio, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina

Velha linha de comboio dos Andes Mendocinos, desactivada após a construção da Ruta N7.

Já nas redondezas de Punta de Vacas, vislumbramos o distante Cerro Tupungato, um vulcão com 6.500 metros de altitude.

Os panoramas andinos revelam-se avassaladores. Sucedem-se outros vales amplos com leitos que os caudais do degelo primaveril escavaram profundos, mesmo se, naquela altura, exagerados para os rios diminuídos que os percorriam.

Rafting Proximo, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina

Rafting de águas bravas no rio Mendoza.

Em redor, como gigantescas forças de opressão, impõem-se outras das montanhas majestosas da América do Sul que a geologia dotou de uma impressionante paleta de tons, do cinza ou preto gastos aos avermelhados e ocres garridos.

A Puente de Inca que Charles Darwin de Dignou a Visitar

Estamos a 2580 metros acima do nível do mar quando, para lá da beira do caminho, identificamos a Puente del Inca, uma formação rochosa natural amarelada esculpida pela passagem da água do rio Vacas sob sedimentos ferruginosos.

Em 1835, também Charles Darwin ali se deixou intrigar. Como era seu hábito, esboçou desenhos da ponte e das grandes estalactites.

Não pôde, no entanto, mimar o corpo saturado das suas intermináveis explorações terrestres nas agora conceituadas águas termais. As infra-estruturas de SPA mal-amanhadas que servem actualmente o lugar só surgiram no início do século XX.

Con Nieveo Hielo, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina

Sinal que alerta para o perigo acrescido pelo declive da estrada da RN7.

Continuamos a submeter o motor urbano e débil do Ford Ka à sua já longa tortura. Após novo esforço mecânico hercúleo alcançamos a entrada para o tecto das Américas.

Monte Aconcágua. O Cenário Majestoso do Tecto das Américas

Estacionamos. Fazemo-nos ao trilho que conduz ao monte que lhe empresta o nome.

Passamos a lagoa Horcones até que, no cimo de um morro, uma placa nos sugere um miradouro privilegiado e identifica a visão longínqua que dali tínhamos : Cerro Aconcágua, 6992 metros.

Cerro Aconcagua 6962, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina

Vista para o Monte Aconcágua, o mais elevado do continente americano, com 6.962 metros.

O trilho que prossegue na sua direcção seduz-nos. Mas ainda estamos longe do fim do trecho argentino da RN7 e viajávamos com o tempo contado.

Fosse como fosse, mesmo que os especialistas considerem o Aconcágua a montanha não técnica mais elevada do mundo  (por o seu cume ser conquistável sem qualquer tipo de equipamento de escalada) nunca a desafiamos de ânimo leve.

Descobertas arqueológicas surpreendentes de 1985 parecem sustentar a acessibilidade relativa da montanha. Nesse ano, o Clube Andinista de Mendoza encontrou uma múmia inca na vertente sudoeste, a 5300 m.

Ficou assim provado que até mesmo as montanhas mais elevadas dos Andes eram usadas para ritos funerários pré-columbinos.

Monte Aconcagua, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina

O cimo do Cerro Acongágua, a montanha mais elevada da América do Sul.

Partilhado pela Argentina e pelo Chile, o monte Aconcágua destaca-se das montanhas vizinhas pelo seu cume amplo. Por norma, cobre-o um manto espesso de neve eterna que atrai alpinistas, ou andinistas – como os argentinos fazem questão de chamar – de todo o mundo.

Apesar da atenção que lhe é dedicada e da altitude recordista do continente sul-americano, do hemisfério ocidental e do hemisfério sul, muito graças à supremacia dimensional da cordilheira dos Himalaias, o Aconcágua não está sequer entre as 400 montanhas mais elevadas do mundo.

A Estação de Inverno e Final de Las Cuevas

Conformados, damos por encerrada a contemplação e retornamos à linha condutora do percurso. Em vez do Aconcágua, continuamos a subir os Andes ainda e sempre pela RN7.

Já na iminência do Chile, chegamos ao vale do rio Las Cuevas e à povoação deserta homónima. A pouca neve que encontramos decora o castanho-escuro das encostas com padrões aleatórios de branco que parecem passados de validade.

Las Cuevas, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina

Imagem de Las Cuevas, uma estância a 3.185 metros de altitude que passa os meses mais quentes do ano sem neve.

Como então aparentavam estar desfasadas as construções de arquitectura nórdica moderna, mais adequadas ao Inverno da zona, época de intensos nevões e de milhares de esquiadores e snowboarders argentinos, chilenos e de outras paragens mais longínquas que ali acorrem para se divertirem e aperfeiçoarem as suas acrobacias.

Las Cuevas confirmou-se a última marca de civilização argentina antes da aduana.

Las Cuevas 3185, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina

Entrada da estância de neve de Las Cuevas quase sem neve.

Em breve, começaríamos a descer a vertente oeste dos Andes e a embrenharmo-nos no território chileno.

Florida Keys, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Salta e Jujuy, Argentina

Pelas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Mendoza, Argentina

Viagem por Mendoza, a Grande Província Enóloga Argentina

Os missionários espanhóis perceberam, no século XVI, que a zona estava talhada para a produção do “sangue de Cristo”. Hoje, a província de Mendoza está no centro da maior região enóloga da América Latina.
Mérida, Venezuela

Mérida a Los Nevados: nos Confins Andinos da Venezuela

Nos anos 40 e 50, a Venezuela atraiu 400 mil portugueses mas só metade ficou em Caracas. Em Mérida, encontramos lugares mais semelhantes às origens e a geladaria excêntrica dum portista imigrado.
Ushuaia, Argentina

A Última das Cidades Austrais

A capital da Terra do Fogo marca o limiar austral da civilização. De Ushuaia partem inúmeras incursões ao continente gelado. Nenhuma destas aventuras de toca e foge se compara à da vida na cidade final.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Safari
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Music Theatre and Exhibition Hall, Tbilissi, Georgia
Arquitectura & Design
Tbilisi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
cowboys oceania, Rodeo, El Caballo, Perth, Australia
Cerimónias e Festividades
Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
MAL(E)divas
Cidades
Malé, Maldivas

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, Malé, a capital das Maldivas, pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano  genuíno que as brochuras turísticas omitem.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Cabine lotada
Cultura
Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. O imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Chiang Khong a Luang prabang, Laos, Pelo Mekong Abaixo
Em Viagem
Chiang Khong - Luang Prabang, Laos

Barco Lento, Rio Mekong Abaixo

A beleza do Laos e o custo mais baixo são boa razões para navegar entre Chiang Khong e Luang Prabang. Mas esta longa descida do rio Mekong pode ser tão desgastante quanto pitoresca.
Salto para a frente, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu
Étnico
Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Porfólio Got2Globe

O Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

Maori haka, Waitangi Treaty Grounds, Nova Zelândia
História
Bay of Islands, Nova Zelândia

O Âmago Civilizacional da Nova Zelândia

Waitangi é o lugar chave da Independência e da já longa coexistência dos nativos maori com os colonos britânicos. Na Bay of Islands em redor, celebra-se a beleza idílico-marinha dos antípodas neozelandeses mas também a complexa e fascinante nação kiwi.
Ilha do Pico, a oeste da montanha, Açores, lajes do Pico
Ilhas
Ilha do Pico, Açores

A Ilha a Leste da Montanha do Pico

Por norma, quem chega ao Pico desembarca no seu lado ocidental, com o vulcão (2351m) a barrar a visão sobre o lado oposto. Para trás do Pico montanha, há todo um longo e deslumbrante “oriente” da ilha que leva o seu tempo a desvendar.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Na pista de Crime e Castigo, Sao Petersburgo, Russia, Vladimirskaya
Literatura
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
Espargos, ilha do Sal, Cabo Verde
Natureza
Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
ilha de Alcatraz, Califórnia, Estados Unidos
Parques Naturais
Alcatraz, São Francisco, E.U.A.

De Volta ao Rochedo

Quarenta anos passados sobre o fim da sua pena, a ex-prisão de Alcatraz recebe mais visitas que nunca. Alguns minutos da sua reclusão explicam porque o imaginário do The Rock arrepiava os piores criminosos.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Património Mundial UNESCO
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Tarrafal, Santiago, Cabo Verde, Baía do Tarrafal
Praias
Tarrafal, Santiago, Cabo Verde

O Tarrafal da Liberdade e da Vida Lenta

A vila de Tarrafal delimita um recanto privilegiado da ilha de Santiago, com as suas poucas praias de areia branca. Quem por lá se encanta tem ainda mais dificuldade em entender a atrocidade colonial do vizinho campo prisional.
Ulugh Beg, Astrónomo, Samarcanda, Uzbequistão, Um matrimónio espacial
Religião
Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre Carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Walter Peak, Queenstown, Nova Zelandia
Sociedade
Nova Zelândia  

Quando Contar Ovelhas Tira o Sono

Há 20 anos, a Nova Zelândia tinha 18 ovinos por cada habitante. Por questões políticas e económicas, a média baixou para metade. Nos antípodas, muitos criadores estão preocupados com o seu futuro.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Crocodilos, Queensland Tropical Australia Selvagem
Vida Selvagem
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
PT EN ES FR DE IT