Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes


Tecto das Américas
Vista para o Monte Aconcágua, o mais elevado do continente americano, com 6.962 metros.
Las Bovedas
Las Bovedas, antigos fornos em Uspallata.
Estância sem Neve
Imagem de Las Cuevas, uma estância a 3.185 metros de altitude que passa os meses mais quentes do ano sem neve.
Rafting andino
Rafting de águas bravas no rio Mendoza.
Santuário
Viajante verifica indicações junto a um santuário na zona de Vilavicêncio.
Petróglifos
Arte primitiva sobre rochas do cerro Tunduqueral, nas imediações de Uspallata.
Secura Verdejante
Cenário com álamos nos arredores de Uspallata.
Aviso
Sinal que alerta para o perigo acrescido pelo declive da estrada da RN7.
Aula ao Ar Livre
Excursão de estudantes de geologia, nas imediações do Cerro Tunduqueral.
Fantasma Ferroviário
Velha linha de comboio dos Andes Mendocinos, desactivada após a construção da Ruta N7.
Cerro Tunduqueral
Viajante contempla a planicie que envolve Uspallata.
Las Cuevas
Entrada da estância de neve de Las Cuevas quase sem neve.
Cume Aconcágua
O cimo do Cerro Acongágua, a montanha mais elevada da América do Sul.
A caminho do Chile
Camião aproxima-se da fronteira com o Chile.
Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada

Pouco a pouco, para oeste das planícies intermináveis salpicadas de adegas sofisticadas e das suas vinhas, a província de Mendoza eleva-se ao domínio arranha-céus da cordilheira dos Andes.

O minúsculo Ford Ka era o carro mais desaconselhado para nos conduzir por terras tão cruas e imponentes. Também estava listado como mais barato. O factor financeiro voltou a falar mais alto. Sobrecarregamo-lo com as mochilas já gastas com que andamos e deixamos para trás a capital homónima da província.

Ladeira atrás de ladeira, o motor do Ka ruge furibundo, em progresso na Ruta Nacional 7 (RN7), a via argentina que atravessa os Andes em direcção ao Chile.

O rio Mendoza acompanha-nos das terras mais planas até à Cordilheira del Limite. Serpenteia por uma panóplia de expressões dramáticas da natureza.

E atravessa algumas das localidades mais pitorescas daquela Argentina desafogada.

A Impressionante Vastidão Andina de Uspallata

A primeira a chamar-nos a atenção é Uspallata, um povoado que, em meados do século XV, se situava nas imediações no Camiño del Inca usado pelos Incas para cruzar os Andes.

A vila surge num vasto planalto, no geral, árido mas que acolhe um oásis de enormes alámos beneficiários de correntes de água tímidas. Neste cenário refrescante encontramos as abóbadas caiadas das Bovedas, fornos de adobe do século XVIII em que os colonos hispânicos fundiam os minerais extraídos da região incluindo o ouro subtraído aos Incas e outros povos indígenas.

Não vemos vivalma em redor. O lugar permanece entregue às cabras e vacas que devoram a erva junto ao ribeiro mais próximo. De acordo, não nos tardamos.

Seguimos à descoberta por uma estrada secundária erma, de asfalto gasto. Vários quilómetros depois, paramos junto a um núcleo de rochas arredondadas em que uma placa identifica os petróglifos do cerro Tunduqueral.

Petroglifos, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina

Arte primitiva sobre rochas do cerro Tunduqueral, nas imediações de Uspallata.

Com paciência, identificamos as figuras antropomórficas:  um rosto com grandes olhos, homenzitos de linhas simples, estranhas criaturas com três dedos e um outro homem, lagarto.

São só exemplos de múltiplas ilustrações que se crê terem sido deixadas por habitantes pré-históricos da região que esboçavam as suas primeiras crenças xamânicas .

Subimos a uma crista geológica destacadas do cenário.

Paisagem Uspallata, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina

Cenário com álamos nos arredores de Uspallata.

Do cimo, confirmamos como não tinha fim aquele deserto pintado e apreciamos-lhe o perfil multicolorido de Western Spaghetti sul-americano. Detectamos ainda o cerro local das Siete Colores elevações com inspiração de arco-íris que abundam no país das pampas.

Já no seu sopé poeirento, absorvemos as explicações de um professor geólogo que forma um grupo de adolescentes interessados.

Ponte e Rio Picheuta: um Cenário Emblemático da América do Sul

Alguns minutos depois, damos com a ponte miniatura de pedra que cruza o rio Picheuta, com o Torreão da Sentinela vizinho e os vestígios do fortim com o mesmo nome do rio.

Nas imediações, o exército liderado pelo General San Martin triunfou, em 1770, na primeira de várias batalhas libertadoras da Argentina contra as forças da coroa espanhola. Ali se começou a concretizar a independência da Argentina e, ao mesmo tempo, se forjou a nova história da América do Sul.

San Martin, esse, transformou-se num herói nacional, uma espécie de Simon Bolivar do cone sul. Hoje, estátuas e ruas em sua honra abundam um pouco por todo o país.

As Polvaredas e o Longínquo Cerro Tupungato

Viajamos a 2050 metros de altitude quando damos entrada em Polvaredas, uma de várias estações ferroviárias andinas que a construção da via asfaltada que ligou Mendoza a Santiago do Chile tornou fantasma.

Estacao Comboio, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina

Velha linha de comboio dos Andes Mendocinos, desactivada após a construção da Ruta N7.

Já nas redondezas de Punta de Vacas, vislumbramos o distante Cerro Tupungato, um vulcão com 6.500 metros de altitude.

Os panoramas andinos revelam-se avassaladores. Sucedem-se outros vales amplos com leitos que os caudais do degelo primaveril escavaram profundos, mesmo se, naquela altura, exagerados para os rios diminuídos que os percorriam.

Rafting Proximo, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina

Rafting de águas bravas no rio Mendoza.

Em redor, como gigantescas forças de opressão, impõem-se outras das montanhas majestosas da América do Sul que a geologia dotou de uma impressionante paleta de tons, do cinza ou preto gastos aos avermelhados e ocres garridos.

A Puente de Inca que Charles Darwin de Dignou a Visitar

Estamos a 2580 metros acima do nível do mar quando, para lá da beira do caminho, identificamos a Puente del Inca, uma formação rochosa natural amarelada esculpida pela passagem da água do rio Vacas sob sedimentos ferruginosos.

Em 1835, também Charles Darwin ali se deixou intrigar. Como era seu hábito, esboçou desenhos da ponte e das grandes estalactites.

Não pôde, no entanto, mimar o corpo saturado das suas intermináveis explorações terrestres nas agora conceituadas águas termais. As infra-estruturas de SPA mal-amanhadas que servem actualmente o lugar só surgiram no início do século XX.

Con Nieveo Hielo, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina

Sinal que alerta para o perigo acrescido pelo declive da estrada da RN7.

Continuamos a submeter o motor urbano e débil do Ford Ka à sua já longa tortura. Após novo esforço mecânico hercúleo alcançamos a entrada para o tecto das Américas.

Monte Aconcágua. O Cenário Majestoso do Tecto das Américas

Estacionamos. Fazemo-nos ao trilho que conduz ao monte que lhe empresta o nome.

Passamos a lagoa Horcones até que, no cimo de um morro, uma placa nos sugere um miradouro privilegiado e identifica a visão longínqua que dali tínhamos : Cerro Aconcágua, 6992 metros.

Cerro Aconcagua 6962, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina

Vista para o Monte Aconcágua, o mais elevado do continente americano, com 6.962 metros.

O trilho que prossegue na sua direcção seduz-nos. Mas ainda estamos longe do fim do trecho argentino da RN7 e viajávamos com o tempo contado.

Fosse como fosse, mesmo que os especialistas considerem o Aconcágua a montanha não técnica mais elevada do mundo  (por o seu cume ser conquistável sem qualquer tipo de equipamento de escalada) nunca a desafiamos de ânimo leve.

Descobertas arqueológicas surpreendentes de 1985 parecem sustentar a acessibilidade relativa da montanha. Nesse ano, o Clube Andinista de Mendoza encontrou uma múmia inca na vertente sudoeste, a 5300 m.

Ficou assim provado que até mesmo as montanhas mais elevadas dos Andes eram usadas para ritos funerários pré-columbinos.

Monte Aconcagua, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina

O cimo do Cerro Acongágua, a montanha mais elevada da América do Sul.

Partilhado pela Argentina e pelo Chile, o monte Aconcágua destaca-se das montanhas vizinhas pelo seu cume amplo. Por norma, cobre-o um manto espesso de neve eterna que atrai alpinistas, ou andinistas – como os argentinos fazem questão de chamar – de todo o mundo.

Apesar da atenção que lhe é dedicada e da altitude recordista do continente sul-americano, do hemisfério ocidental e do hemisfério sul, muito graças à supremacia dimensional da cordilheira dos Himalaias, o Aconcágua não está sequer entre as 400 montanhas mais elevadas do mundo.

A Estação de Inverno e Final de Las Cuevas

Conformados, damos por encerrada a contemplação e retornamos à linha condutora do percurso. Em vez do Aconcágua, continuamos a subir os Andes ainda e sempre pela RN7.

Já na iminência do Chile, chegamos ao vale do rio Las Cuevas e à povoação deserta homónima. A pouca neve que encontramos decora o castanho-escuro das encostas com padrões aleatórios de branco que parecem passados de validade.

Las Cuevas, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina

Imagem de Las Cuevas, uma estância a 3.185 metros de altitude que passa os meses mais quentes do ano sem neve.

Como então aparentavam estar desfasadas as construções de arquitectura nórdica moderna, mais adequadas ao Inverno da zona, época de intensos nevões e de milhares de esquiadores e snowboarders argentinos, chilenos e de outras paragens mais longínquas que ali acorrem para se divertirem e aperfeiçoarem as suas acrobacias.

Las Cuevas confirmou-se a última marca de civilização argentina antes da aduana.

Las Cuevas 3185, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina

Entrada da estância de neve de Las Cuevas quase sem neve.

Em breve, começaríamos a descer a vertente oeste dos Andes e a embrenharmo-nos no território chileno.

Florida Keys, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
Circuito Annapurna: 1º Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Salta e Jujuy, Argentina

Pelas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Mendoza, Argentina

Viagem por Mendoza, a Grande Província Enóloga Argentina

Os missionários espanhóis perceberam, no século XVI, que a zona estava talhada para a produção do “sangue de Cristo”. Hoje, a província de Mendoza está no centro da maior região enóloga da América Latina.
Mérida, Venezuela

Mérida a Los Nevados: nos Confins Andinos da Venezuela

Nos anos 40 e 50, a Venezuela atraiu 400 mil portugueses mas só metade ficou em Caracas. Em Mérida, encontramos lugares mais semelhantes às origens e a geladaria excêntrica dum portista imigrado.
Ushuaia, Argentina

A Última das Cidades Austrais

A capital da Terra do Fogo marca o limiar austral da civilização. De Ushuaia partem inúmeras incursões ao continente gelado. Nenhuma destas aventuras de toca e foge se compara à da vida na cidade final.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Parques nacionais
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Escadaria Palácio Itamaraty, Brasilia, Utopia, Brasil
Arquitectura & Design
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Graffiti deusa creepy, Haight Ashbury, Sao Francisco, EUA, Estados Unidos America
Cidades
The Haight, São Francisco, E.U.A.

Órfãos do Verão do Amor

O inconformismo e a criatividade ainda estão presentes no antigo bairro Flower Power. Mas, quase 50 anos depois, a geração hippie deu lugar a uma juventude sem-abrigo, descontrolada e até agressiva.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Transbordo
Cultura

Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.

Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Músicos de etnia karanga jnunto às ruínas de Grande Zimbabwe, Zimbabwe
Étnico
Grande Zimbabué

Grande Zimbabwe, Pequena Dança Bira

Nativos de etnia Karanga da aldeia KwaNemamwa exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas do Grande Zimbabwe. o lugar mais emblemático do Zimbabwe, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova e problemática nação.  
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Casal Gótico
História

Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

A inevitável pesca
Ilhas

Florianópolis, Brasil

O Legado Açoriano do Atlântico Sul

Durante o século XVIII, milhares de ilhéus portugueses perseguiram vidas melhores nos confins meridionais do Brasil. Nas povoações que fundaram, abundam os vestígios de afinidade com as origens.

Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
barco enferrujado, Mar de Aral, Usbequistão
Natureza
Mar de Aral, Uzbequistão

O Lago que o Algodão Absorveu

Em 1960, o Mar de Aral era um dos quatro maiores lagos do mundo mas projectos de irrigação secaram grande parte da água e do modo de vida dos pescadores. Em troca, a URSS inundou o Uzbequistão com ouro branco vegetal.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Brincadeira ao ocaso
Parques Naturais
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Wall like an Egyptian
Património Mundial UNESCO
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Praias
Gizo, Ilhas Salomão

Gala dos Pequenos Cantores de Saeraghi

Em Gizo, ainda são bem visíveis os estragos provocados pelo tsunami que assolou as ilhas Salomão. No litoral de Saeraghi, a felicidade balnear das crianças contrasta com a sua herança de desolação.
planicie sagrada, Bagan, Myanmar
Religião
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Mahu, Terceiro Sexo da Polinesia, Papeete, Taiti
Sociedade
Papeete, Polinésia Francesa

O Terceiro Sexo do Taiti

Herdeiros da cultura ancestral da Polinésia, os mahu preservam um papel incomum na sociedade. Perdidos algures entre os dois géneros, estes homens-mulher continuam a lutar pelo sentido das suas vidas.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Vida Selvagem
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.