Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana


Passerelle secular
Mulheres caminham sobre a muralha sul da fortaleza de Galle, acima do oceano Índico.
Frente do Forte Galle
Autocarros Tata e riquexós no exterior do pórtico norte do forte de Galle.
A caminho
Excursão de miúdos de escola numa pequena expedição rumo ao bastião da bandeira.
Viagem na história
Dia-a-dia flui através do pórtico "português" da fortaleza, hoje com os brasões holandês e inglês sobre as entradas.
Acima de tudo
Telhados e torres destacam-se do velho casario da cidade fortificada de Galle.
Conversa a 2
Jovens amigos conversam num de vários riquexós em fila numa rua interior da velha Galle.
Em fila e em apuros
Fila de cingaleses regressa lentamente e aos tropeções ao areal, após uma pequena viagem a rochas no meio do mar.
O sul de Galle
Perspectiva da muralha sul do forte de Galle, com a mesquita de Meeran Juma e o farol em destaque.
Forte Ocaso II
Sol alaranja o céu a ocidente do bastião sudoeste do Forte Galle.
Nubentes cingaleses
Achintha e Kaushma, par de noivos durante a sua longa sessão fotográfica prévia ao casamento.
Leitura ao ar livre
Morador repousa a ler um jornal sobre uma das muralhas leste da fortaleza de Galle, em frente à igreja holandesa.
Mais nubentes cingaleses
Dois outros noivos em plena acção da sua própria produção casamenteira.
Forte ocaso
Bola do sol prestes a cair para trás das muralhas próximas ao bastião da Rocha da Bandeira.
Exibição Réptil
Morador de Galle exibe uma cobra aos visitantes.
Meeran Juma
A mesquita Meeran Juma acima dos telhados seculares de Galle.
Euforia pós-escolar
Alunos rejubilam com uma visita ao forte de Galle.
A Caminho
Riquexó percorre uma rua do interior do Forte de Galle.
Frontões Históricos
Sucessivos telhados e cimos grandiosos de edifícios históricos do Forte Galle.
Túnel à Pinha
Moradores atravessam o túnel do Pórtico Português do Forte de Galle.
Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.

É de cima de um dos velhos baluartes virados a norte que nos apercebemos como a estrutura da fortaleza continua a demarcar uma tão clara divisão na cidade.

Do lado de fora, tudo nos parece circular e frenético. Os jogadores da equipa de críquete local dão entrada no redondo Galle International Cricket Stadium, aquecem e estreiam os exercícios do treino matinal.

Os autocarros, quase todos velhos Tatas folclóricos, disputam a rotunda da Stadium Road com os pequenos riquexós que, apesar da hora madrugadora, já rodam sedentos de passageiros.

Forte Galle, Sri Lanka, Ceilão Lendária Taprobana

Autocarros Tata e riquexós no exterior do pórtico norte do forte de Galle.

Mais um Dia Tropical e Quente entre as Muralhas do Forte Galle

No interior, as muralhas sólidas e lineares contêm a incursão do novo dia.  Corvos esvoaçam de guarida em guarida prestes a inaugurar a sua patrulha aérea por alimento. Alguns moradores ginasticam sobre a relva que forra o humilde Mahendra Amarasooriya Park.

Quatro ou cinco vacas pastam-na, indolentes e indiferentes ao resto.

Interrompemos a contemplação que nos ameaçava hipnotizar. Retomamos a caminhada a leste, pelo adarve que dá para a enseada do porto de Galle e revela, ao longe, o grande e morno Índico.

Repetimos passos prudentes, já avisados da irregularidade das suas pedras e do percurso em geral que inclui passagens delicadas para níveis de altura distintos, estreitamentos e intrusões tentaculares de figueiras-de-Bengala.

Terminamos um destes trechos problemáticos mesmo de frente para a igreja holandesa que se diz ter sido construída no lugar de um convento dos Capuchinhos português.

De tempos a tempos, chegam riquexós que deixam visitantes à porta.

Nas imediações, Dominit exibe uma pitão e constringe os estrangeiros para longe da casa de Deus.

Forte Galle, Sri Lanka, Ceilão Lendária Taprobana, riquexós

Morador de Galle exibe uma cobra aos visitantes.

Com uma já gasta conversa de encantar, convence-os a fotografarem-se com o réptil sobre os braços. O pagamento só depende da vontade dos clientes mas seja qual for, deixa-o insatisfeito. “Cem rupias?? Mas como é que eu sustento a minha família assim?”

A Azáfama Estudantil em Volta do Museu Marítimo, em pleno Forte de Galle

Contornamos a entrada do Museu Marítimo de Galle. Um túnel que cruza a sua fachada quase laranja polariza uma comoção paralela.

Carros e riquexós passam-no sem cessar para cá e para lá, ao ritmo de um semáforo. Ao mesmo tempo, os transeuntes fazem-se àquela escuridão efémera, receosos dos desvarios do trânsito.

Estamos prestes a imitá-los quando alguma autoridade dali imperceptível, quebra a ordem das coisas.

Em vez dos veículos, surge da penumbra um enorme comboio de crianças escolares, miúdos e miúdas nos seus respectivos uniformes, algumas com hijabs que a fé dos familiares em Alá lhes impõe.

Conduzidas pelas professoras à saída, as crianças desfilam entusiasmadas pela evasão e distraídas por acenos mil.

Forte Galle, Sri Lanka, Ceilão Lendária Taprobana, fila estudantil

Excursão de miúdos de escola numa pequena expedição rumo ao bastião da bandeira.

Apenas cem metros acima, tal como apareceram, voltam a sumir-se nas profundezas bafientas do museu.

Completamos a travessia. No lado de lá, inteiramo-nos que estamos perante outro dos portais da fortaleza. É o mais antigo, coberto de musgo que se alimenta há meio milénio da sombra e da humidade das monções.

Os nativos ainda o conhecem como “o português” apesar de os brasões destacados acima das suas entradas serem o holandês e o inglês, as potências coloniais que atrapalharam e frustraram os nossos antepassados quando só estes se imiscuíam na soberania da Ilha da Canela.

A Chegada e Supremacia dos Portugueses no Velho Ceilão

Crê-se que, em 1505, uma frota comandada por Lourenço de Almeida navegava a caminho das Maldivas quando uma tempestade a desviou para o litoral do actual Sri Lanka.

Almeida deteve-se em Galle antes de seguir costa oeste acima, onde o receberia o rei de Kotte, nos arredores da actual capital Colombo.

A audiência convenceu De Almeida do valor comercial da ilha. De Almeida, por sua vez, convenceu o rei Vira Parakrama Bahu de que o poderia proteger das incursões vindas da Costa do Malabar e da Arábia em troca de um tributo anual em canela e outros produtos.

Em 1518, já sob liderança de Lopo Soares de Albergaria (também conhecido como Alvarenga), os portugueses regressaram com uma frota reforçada.

Fortificaram-se em Colombo e em Galle.

Forte Galle, Sri Lanka, Ceilão Lendária Taprobana, telhados

Telhados e torres destacam-se do velho casario da cidade fortificada de Galle.

Daí em diante, durante quase um século de alianças, rivalidade e de batalhas, aumentaram o seu domínio e forçaram o grande rival inimigo de Kandy a resistir no interior elevado do Ceilão.

Esta supremacia tinha os dias contados.

Ainda assim, persistem e multiplicam-se no Sri Lanka os apelidos que os portugueses emprestaram principalmente às famílias dos reinos que os apoiavam: Pereras, dos Pereiras – como quem lhe conta esta história – Silvas, Mendis, Fonseka, Rodrigo e muitos outros.

Forte de Galle Adentro, na Direcção do Índico

Longe do caso de JPJ Abeyawickrama, um vendedor ciclista de lotarias que resistiu a impingir-nos as suas cautelas mas nos pediu para se fotografar connosco e com um amigo.

Forte Galle, Sri Lanka, Ceilão Lendária Taprobana, túnel

Dia-a-dia flui através do pórtico “português” da fortaleza, hoje com os brasões holandês e inglês sobre as entradas.

Quando os deixamos, espreitamos as instalações da marinha cingalesa e uma pequena praia aproveitada por banhistas da cidade que se deleitavam no mar translúcido, em jeito de auto-baptismo.

Pouco depois, regressamos à saída sul do pórtico e continuamos a exploração da fortaleza pela Queens e, logo, Hospital Street. Esta última rua e a praça contígua concentram uma panóplia de instituições administrativas que atraem moradores dotados de pastas, documentos e paciência.

Uns metros e muitas arcadas à frente, entramos no jardim marginal da Pedlar Street. Por ali, a atmosfera, de novo marinha e tropical, volta a desanuviar-se.

Um grupo de amigas conversa à sombra de uma Figueira-da-Índia que assentara sobre dezenas de troncos estreitos.

Achintha e Kaushma, noivos em trajes tradicionais lustrosos protagonizam uma produção casamenteira que se arrastaria por horas, percorreria inúmeras outras paragens de Galle e se cruzaria com a de outros noivos nos mesmos preparos.

Forte Galle, Sri Lanka, Ceilão Lendária Taprobana, Nubentes cingaleses

Achintha e Kaushma, par de noivos durante a sua longa sessão fotográfica prévia ao casamento.

Legado Luso, Holandês, Árabe e Cingalês entre Muralhas Portuguesas

O farol desgastado de Galle impõe-se entre coqueiros que lhe perseguem o topo, acima do arvoredo do jardim e na ponta da extremidade que acolheu a praça fortificada.

Apuramos que não são permitidas ascensões ao seu varandim.

Forte Galle, Sri Lanka, Ceilão Lendária Taprobana

Mulheres caminham sobre a muralha sul da fortaleza de Galle, acima do oceano Índico.

Conformados, viramos para a face da muralha disposta entre a Rampart St. e o oceano Índico a sul. Era a terceira aresta da fortaleza que completávamos. Faltavam outras tantas.

O calor e a humidade aumentaram sem clamor.

Desidrataram-nos e dissolveram-nos as energias, como fizeram a vários dos condutores de riquexós que dormitavam sobre os bancos acolchoados.

Não nos levaram o encanto histórico em que andávamos desde o despertar.

Forte Galle, Sri Lanka, Ceilão Lendária Taprobana, riquexós

Jovens amigos conversam num de vários riquexós em fila numa rua interior da velha Galle.

Do lado de lá da rua, como que a desafiar o protagonismo do farol, uma também branca mesquita.

Meeran Juma assenta numa arquitectura que, não fossem os pequenos crescentes cimeiros, e os escritos em árabe do frontal, quase nos passaria por igreja.

Forte Galle, Sri Lanka, Ceilão Lendária Taprobana, mesquita Meeran Juma

A mesquita Meeran Juma acima dos telhados seculares de Galle.

E, no entanto, foi construída pelos mercadores árabes do Sri Lanka no mesmo Bairro Mouro que concentra, em redor das orações, a comunidade muçulmana do forte.

Pré-Produções Fotográficas de Matrimónios Fortificados

Percebemos a iminência de um outro casamento. Pelo séquito de familiares e convidados que arrasta, só pode ser endinheirado. Andamos junto à base da muralha que isola a povoação do Índico, quando, vinda da esquina do farol, uma embaixada de mulheres glamorosas em saris garridos e reluzentes se aproxima no plano do adarve acima.

Intuem, num ápice, o quanto nos despertam interesse como a outros forasteiros ocidentais. Solidárias no orgulho e na vaidade, pavoneiam-se durante quase trezentos metros contra o céu azulão, entre cumulus nimbus quase tão esplendorosos.

Um guia cingalês que nos havia proposto os seus serviços vezes sem conta, esclarece-nos com tom nacionalista de reprovação: “São indianos. O que vale é que cá deixam um bom dinheiro..”

A passerelle só termina no bastião de Flag Rock, a próxima aresta da fortaleza e, de longe, a mais disputada, sempre cercada de vendedores de fruta, bebidas e de guloseimas.

Também Dominit e a sua pitão para lá se tinham mudado, atraídos pela abundância de presas.

De Bastião em Bastião. Um Forte que Preserva a Vida Cingalesa

No cimo da escadaria, um outro animador concentra as atenções da multidão. É mergulhador, num jeito minimal e desajeitado dos clavadistas de La Quebrada de Acapulco. Tem uma tabela para várias proezas. A principal é mergulhar de cabeça para o mar, para um intervalo profundo mas exíguo entre as rochas.

O acrobata não tarda a encontrar clientes entre os grupos de chineses.

O seu primeiro salto concretiza-se num ápice. É quase tão rápido como o regresso pela fachada rochosa do baluarte, uma escalada traiçoeira que, ansioso por facturar algumas centenas adicionais de rupias, completa em três tempos.

Do bastião de Flag Rock até a Torre do relógio que se erguia a norte, oposta ao baluarte em que tínhamos começado o périplo, a fortaleza prova-se mais desafogada.

Forte Galle, Sri Lanka, Ceilão Lendária Taprobana, mais nubentes cingaleses

Dois outros noivos em plena acção da sua própria produção casamenteira.

Frequentam-na, sobretudo, jovens casais de namorados e noivos entregues a carícias tímidas sob chapéus de sol.

Dedicamo-nos às ruas paralelas do interior. Cumprimos uma curta peregrinação turística à igreja de Todos os Santos, que os derradeiros colonos britânicos mandaram erguer em estilo gótico vitoriano.

A igreja está entregue a intensos reparos. Por outro lado, aumentava no âmago da fortaleza o número de cafés, pousadas e lojas de souvenires que corrompiam o encanto do lugar.

Donos do nosso destino, regressamos à Pedlar St. e ascendemos a um bastião instalado sobre um enorme rochedo. Dali, admiramos a vasta baía que se prolongava até ao Pagode Japonês da Paz.

A maré tinha vazado.

As Praias para Lá das Muralhas do Forte

O Índico imediato apiscinava-se enquanto o areal se expandia e acolhia um batalhão de banhistas, entre muitos mais veraneantes.

Uma expedição dos segundos tinha-se aventurado mar raso adentro até umas rochas que distavam 50 metros. Vemo-los num doloroso regresso, a darem os braços em cadeia para evitarem cair sobre o leito rugoso. Isto, enquanto os barcos de pescadores ali ao largo os saudavam.

Forte Galle, Sri Lanka, Ceilão Lendária Taprobana, fila balnear

Fila de cingaleses regressa lentamente e aos tropeções ao areal, após uma pequena viagem a rochas no meio do mar.

Não resistimos mais ao apelo daquele recanto de litoral que irradiava harmonia e felicidade. Sentamo-nos sobre a areia e, por momentos, ficamos a apreciar o fluir do entardecer e do Indico.

Mulheres em saris tagarelam de olho nos maridos que se divertem à beira de água com as suas crianças. Sete ou oito cingaleses de meia-idade flutuam em posição de cruz. O seu ritual atrai e admite vários outros.

Estamos no nosso próprio banho quando reparamos que o sol se põe sobre o bastião da Bandeira da Rocha já sobrelotado.

Forte Galle, Sri Lanka, Ceilão Lendária Taprobana, Forte ocaso

Bola do sol prestes a cair para trás das muralhas próximas ao bastião da Rocha da Bandeira.

Contornamos o fundo da muralha abaixo do farol e entramos no areal ensopado e deserto.

Dessa inesperada posição, acompanhamos o descair do círculo incandescente para baixo do horizonte precoce das muralhas, o alaranjar do céu e o escurecimento de tudo o que estava entre nós e o grande astro: uma árvore massiva, a multidão sobre o bastião e, ao largo, um cargueiro.

Forte Galle, Sri Lanka, Ceilão Lendária Taprobana, Forte ocaso

Sol alaranja o céu a ocidente do bastião sudoeste do Forte Galle.

Com o lusco-fusco a envolver o firmamento, uma celebração efusiva da vida sustentada pela comida e bebida dos vendedores tomou conta daquele recanto lendário do Sri Lanka.

Daí a uns dias, conquistaríamos a fortaleza cingalesa e em tudo distinta de Sigiriya.

PN Yala-Ella-Kandy, Sri Lanka

Jornada Pelo Âmago de Chá do Sri Lanka

Deixamos a orla marinha do PN Yala rumo a Ella. A caminho de Nanu Oya, serpenteamos sobre carris pela selva, entre plantações do famoso Ceilão. Três horas depois, uma vez mais de carro, damos entrada em Kandy, a capital budista que os portugueses nunca conseguiram dominar.
Malé, Maldivas

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, Malé, a capital das Maldivas, pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano  genuíno que as brochuras turísticas omitem.
Cabo da Boa Esperança - Cape of Good Hope NP, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.
Sigiriya, Sri Lanka

A Capital Fortaleza de um Rei Parricida

Kashyapa I chegou ao poder após emparedar o monarca seu pai. Receoso de um provável ataque do irmão herdeiro do trono, mudou a principal cidade do reino para o cimo de um pico de granito. Hoje, o seu excêntrico refúgio está mais acessível que nunca e permitiu-nos explorar o enredo maquiavélico deste drama cingalês.
Chandor, Goa, Índia

Uma Casa Goesa-Portuguesa, Com Certeza

Um palacete com influência arquitectónica lusa, a Casa Menezes Bragança, destaca-se do casario de Chandor, em Goa. Forma um legado de uma das famílias mais poderosas da antiga província. Tanto da sua ascensão em aliança estratégica com a administração portuguesa como do posterior nacionalismo goês.
Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a votaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Ilha do Ibo a Ilha QuirimbaMoçambique

Ibo a Quirimba ao Sabor da Maré

Há séculos que os nativos viajam mangal adentro e afora entre a ilha do Ibo e a de Quirimba, no tempo que lhes concede a ida-e-volta avassaladora do oceano Índico. À descoberta da região, intrigados pela excentricidade do percurso, seguimos-lhe os passos anfíbios.
Ilha de Moçambique, Moçambique  

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
Elmina, Gana

O Primeiro Jackpot dos Descobrimentos Portugueses

No séc. XVI, Mina gerava à Coroa mais de 310 kg de ouro anuais. Este proveito suscitou a cobiça da Holanda e da Inglaterra que se sucederam no lugar dos portugueses e fomentaram o tráfico de escravos para as Américas. A povoação em redor ainda é conhecida por Elmina mas, hoje, o peixe é a sua mais evidente riqueza.
Príncipe, São Tomé e Príncipe

Viagem ao Retiro Nobre da Ilha do Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Safari
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Thorong Pedi a High Camp, circuito Annapurna, Nepal, caminhante solitário
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 12º: Thorong Phedi a High Camp

O Prelúdio da Travessia Suprema

Este trecho do Circuito Annapurna só dista 1km mas, em menos de duas horas, leva dos 4450m aos 4850m e à entrada do grande desfiladeiro. Dormir no High Camp é uma prova de resistência ao Mal de Montanha que nem todos passam.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Arquitectura & Design
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Cerimónias e Festividades
Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.
Acolhedora Vegas
Cidades
Las Vegas, E.U.A.

Capital Mundial dos Casamentos vs Cidade do Pecado

A ganância do jogo, a luxúria da prostituição e a ostentação generalizada fazem parte de Las Vegas. Como as capelas que não têm olhos nem ouvidos e promovem matrimónios excêntricos, rápidos e baratos.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Intersecção
Cultura
Hungduan, Filipinas

Filipinas em Estilo Country

Os GI's partiram com o fim da 2ª Guerra Mundial mas a música do interior dos EUA que ouviam ainda anima a Cordillera de Luzon. É de tricycle e ao seu ritmo que visitamos os terraços de arroz de Hungduan.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Homer, Alasca, baía Kachemak
Em Viagem
Anchorage a Homer, E.U.A.

Viagem ao Fim da Estrada Alasquense

Se Anchorage se tornou a grande cidade do 49º estado dos E.U.A., Homer, a 350km, é a sua mais famosa estrada sem saída. Os veteranos destas paragens consideram esta estranha língua de terra solo sagrado. Também veneram o facto de, dali, não poderem continuar para lado nenhum.
Noiva entra para carro, casamento tradicional, templo Meiji, Tóquio, Japão
Étnico
Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar bodas tradicionais.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Ilha do Norte, Nova Zelândia, Maori, Tempo de surf
História
Ilha do Norte, Nova Zelândia

Viagem pelo Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia.
Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, recife coral
Ilhas
Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.
Verificação da correspondência
Inverno Branco
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Camponesa, Majuli, Assam, India
Natureza
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Catedral de Santa Ana, Vegueta, Las Palmas, Gran Canária
Património Mundial UNESCO
Vegueta, Gran Canária, Canárias

Às Voltas pelo Âmago das Canárias Reais

O velho e majestoso bairro Vegueta de Las Palmas destaca-se na longa e complexa hispanização das Canárias. Findo um longo período de expedições senhoriais, lá teve início a derradeira conquista da Gran Canária e das restantes ilhas do arquipélago, sob comando dos monarcas de Castela e Aragão.
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Avião em aterragem, Maho beach, Sint Maarten
Praias
Maho Beach, Sint Maarten

A Praia Caribenha Movida a Jacto

À primeira vista, o Princess Juliana International Airport parece ser apenas mais um nas vastas Caraíbas. Sucessivas aterragens a rasar a praia Maho que antecede a sua pista, as descolagens a jacto que distorcem as faces dos banhistas e os projectam para o mar, fazem dele um caso à parte.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre Carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Nissan, Moda, Toquio, Japao
Sociedade
Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT