Cândia, Sri Lanka

Incursão à Raíz Dental do Budismo Cingalês


Na Mesma Rota
O Palácio Real
Passeio de Fé
Cândia e o seu Lago
A Câmara do Dente
Negócios a Preto & Branco
Buda nas Alturas
Aroma de Budismo
Colegas do Lago
Trio Improvável
Monges a Caminho
Buda de Lankathilakaya
De Silva x 2
Fé e Fogo
À mão
O Templo Lankathilakaya
Conversa à Janela
Budismo Axadrezado
À Espera
Bagos contra a Má Influência
Situada no âmago montanhoso do Sri Lanka, no final do século XV, Cândia assumiu-se a capital do reino do velho Ceilão que resistiu às sucessivas tentativas coloniais de conquista. Tornou-se ainda o seu âmago budista, para o que continua a contribuir o facto de a cidade preservar e exibir um dente sagrado de Buda.

Pouco passa das nove da manhã.

O Templo do Dente volta a render-se à cerimónia Pooja, na sua versão de ritual diário, denominado Theva, em qualquer dos casos, um frenesim de fé que há muito o anima.

Fluem crentes metidos nos seus trajes, mas descalços. As mulheres em saias, camisas e sáris garridos e lustrosos. Os homens, quase todos em calças e camisas da alvura da pureza.

Solene, a cerimónia desenrola-se numa esquadria de corredores e câmaras definidos, do chão ao tecto, por grelhas de madeira trabalhadas e envernizadas.

Orações em Família, Flores, Fruta e Fé

Numa espécie de antecâmara, as famílias reúnem-se, sentam-se no chão, numa prece comunal em que até as crianças se mantêm compenetradas.

Em frente, ao longo de uma mesa estendida de uma ponta à outra de um corredor, os fiéis depositam as oferendas com que louvam Lord Buddha.

Dois funcionários ajudam-nos a organizá-las numa manta de retalhos condigna. Nenúfares recém-colhidos e distintas flores do mesmo tipo e cores, juntas, e em secções em que combinam com outras.

Há ainda arroz e alguns frutos de que se destacam exuberantes bagos de romã, dispostos e destacados sobre travessas de papel como um dos três frutos que os budistas consideram sagrados.

O estatuto não é para todos os presentes. Ou, se é, desvaneceu-o a rotina quase diária do ritual.

Um funcionário do templo instalado a um canto da mesa, examina em redor.

Quando pensa estar a salvo de olhares alheios, furta e delicia-se com uma mão-cheia de romã, de uma textura e sabor etéreos que os budistas creem apaziguadores do mal e dos pecados.

Uma lenda budista conta que uma demónia de nome Hariti se havia habituado a devorar crianças. E que Buda a curou desse hábito dando-lhe uma romã a comer.

Em volta da mesa, mesmo se os seus narizes mal a passam, as crianças maravilham-se com a exuberância mutável do tabuleiro.

Os jovens frutos budistas, admiram ainda a compenetração e a elegância com que os seus progenitores, de mãos juntas em frente às faces, voltam a exaltar o Iluminado.

Num pátio ali próximo, entre grandes potes de barro e munidos de jambés, um trio de monges de cabeças rapadas, em hábitos tom de mostarda, leva a cabo a sua própria oração, austera como o chão de laje que os sustenta.

Chegados por um túnel forrado com motivos intrincados – brancos, amarelos, dourados – mais e mais crentes prolongam a theva do dia. Atrai-os a presença suprema de Buda.

Cândia e o Templo do Dente que Abriga um Canino de Buda

Em Cândia, ali, naquele mesmo templo, a manifestação inusitada de um dos seus dentes, um canino esquerdo, para sermos mais rigorosos.

Os crentes acedem a câmara que o preserva por uma porta para a sabedoria eterna, por si só, uma espécie de acto religioso pejado de simbolismo.

Acima da porta, entre dois sóis estampados num céu ondulante, é um dragão de boca escancarada quem parece conceder a passagem.

De ambos os lados da cortina que faz de véu, dois guardiães amarelos têm a companhia de um porteiro identificado por um sarong e colete brancos. O interior revela um altar, coroado por um Buda de ouro reluzente e ladeado por dois alvos.

O canino sagrado é mantido no interior de uma campânula, também ela uma obra prodigiosa de joalharia.

A falta de uma real exposição da relíquia, tanto a sala como o seu entorno, surgem decoradas de outros dentes.

Grandes marfins expostos em curva na direção das estátuas, num jeito pouco ou nada subtil de lhes apontarem a sacralidade.

Sacerdotes budistas, desta feita, em hábitos laranjas, surgem do nada.

Posicionam-se numa outra face daquela mesma câmara fulcral, entre outro conjunto de marfins e uma cortina vermelha-dourada mantida fechada.

Inauguram cânticos, a que se segue um mantra encurtado.

Findo o recital, o séquito que os acompanha prostra-se em reverência. Dos monges conceituados e da santidade do Buda a que os monges e qualquer budista aspiram.

Meros mortais que somos, confrontados com tal solenidade, assalta-nos a curiosidade de como o canino de Buda, ali teria acabado.

A Viagem do Dente de Buda, da Índia até Cândia

De volta ao plano da lenda, após a entrada de Gautama Buddha no estado de Nirvana final, o dente terá sido guardado algures na região de Kalinga (costa nordeste da Índia).

De lá, por instrução de um rei local denominado Guhasiva, a sua filha princesa Hemamali escondeu o dente no cabelo.

Com a protecção do marido príncipe Dantha, conseguiu viajar até à ilha do actual Sri Lanka.

Nessa era do ano 300 d.C., governava a ilha Sirimeghavanna, rei de Anuradhapura antes de Kashyapa I, o sucessor que conquistou o trono após emparedar o pai.

E que, mais tarde, se refugiou no cimo da famosa fortaleza-rochedo de Sigirya.

Sirimeghavanna assumiu a responsabilidade superior de guardar o dente. Daí em diante, essa custódia tornou-se parte da história do Sri Lanka.

Por altura dos séculos XIII e XIV, Cândia tornou-se um centro espiritual das duas maiores seitas do Budismo, a Mahayana e a Theravada.

A Guarda do Dente que Valida o Controlo do Ceilão

Há muito que o direito e o dever de custódia da relíquia dental correspondiam à legitimidade de governar a ilha.

De acordo, os sucessivos reis construíam o seus próprios “templos do dente” junto às suas residências reais.

No decorrer da intrincada história do Ceilão, o dente acabou no cerne montanhoso da ilha, em Cândia, desde o final do século XV, um reino em expansão.

Deixamos o Templo do Dente. Vagueamos na vastidão que o envolve e ao grande lago artificial a sul.

Como seria de esperar naquela que é considerada a capital budista do Sri Lanka, cruzamo-nos com outros templos e santuários.

Assistimos a novas oferendas, entre bandeirolas coloridas, fumos e incensos.

Nesta divagação, acabamos por divergir para a esfera secular e para um plano administrativo da cidade.

Cândia e o seu Deslumbrante Centro Notarial e de Advocacia

Em fuga do rugido ensurdecedor de velhos autocarros e riquexós, damos conosco numa rua delimitada por edifícios coloniais de dois andares.

Vemos um sector dessas fachadas pejado de placas negras com letras brancas.

Quando as examinamos, constatamos que exibem palavras cingalesas e, aqui e ali, nomes ocidentais.

Alguns, soam-nos familiares. Estamos num domínio de notários e advogados.

Entre tantos outros cingaleses, encontramos uma tal de firma “De Silva e De Silva”.

O visual colonial, algo decadente do lugar seduz-nos. Deixamo-nos perder nas suas salas, à conversa com funcionárias que, à mão, elaboram plantas de edifícios e outros documentos oficiais.

“Aposto que há muito tempo não viam um trabalho destes!” atira-nos uma delas, consciente da preciosidade clássica do que fazia.

Em inglês, tagaleramos ainda com outras que tiram fotocópias ou espanam o pó de secretárias e estiradores seculares.

Percebemos que, à parte do seu espaço de trabalho, partilham do espanto por ali termos visto interesse.

Tal como acontece um pouco por todo o Sri Lanka, boa parte dos funcionários possuem nomes portugueses.

Ou, pelo menos, familiares que os têm.

E, no entanto, estamos numa das poucas cidades do Ceilão que sempre resistiram.

Aos portugueses, e às outras potências coloniais com que os portugueses o disputaram.

A Chegada Precoce dos Portugueses ao Ceilão

Portugal deparou-se com esta ilha a que os romanos já conheciam como Taprobana, durante a primeira viagem de Vasco da Gama à Índia. Nessa expedição, o navegador inteirou-se que se tratava da única produtora de canela no Mundo.

Ora, a especiaria era deveras apreciada e procurada na Europa.

Na sequência, D. Manuel I instruiu o vice-Rei D. Francisco de Almeida de que, se possível, o Ceilão deveria ser controlado.

Em 1505, diz-se que arrastado por uma tempestade, acabou por lá dar à costa o navegador filho do vice-Rei, Lourenço de Almeida, obrigado a ancorar junto ao actual porto de Colombo.

Nos cento e cinquenta anos que se seguiram (até 1658), estimulados pela importância da ilha, os portugueses estabeleceram fortes e feitorias.

O Gradual Domínio do Litoral do Ceilão

A própria Colombo, Galle, Jafanapatão, Negumbo, Baticalo e Tricomalee.

Além da canela, a ilha estava repleta de pedras preciosas, pérolas e outras riquezas que os seus reis e nobres exibiam.

De tal maneira, que várias personalidades influentes na expansão do Império defenderam que a sua capital devia ser transferida de Goa para o Ceilão.

Cândia, o Reino Resistente das Montanhas

Três grandes reinos disputavam a ilha: Kotte, o predominante; Jafanapatão, ao norte e, dono e senhor das montanhas no âmago da ilha, Cândia.

Como se tinham habituado a fazer em redor do Mundo, os portugueses exploraram as rivalidades entre estes reinos, com os missionários de distintas ordens a procurarem converter os reis e nobres locais ao Cristianismo e a moldarem-nos à esfera colonial lusa.

Os portugueses asseguraram a Cristianização conveniente de mais do que um rei de Cândia. E, entre 1589 e 1594, o controle deste reino. Nesses cinco anos, a Coroa viu-se em apuros para designar um novo rei português.

Subsistia essa novela da nomeação do rei quando, iradas pela execução de um general cingalês, as forças aliadas da ilha, debandaram.

E o Debacle Português no Ceilão, às Mãos do Rebelde de Cândia e dos Holandeses

Konnapu Bandara, o Rebelde de Kandy, um temido rival cingalês cristianizado enquanto Dom João de Áustria e que chegou a Rei de Vimaladharmasuriya, aproveitou a vulnerabilidade dos portugueses, entretanto cercados.

Em Outubro de 1594, servido por um enorme exército, encurralou-os e chacinou-os.

Raptou ainda Cusumasana Devi, a nativa que os lusos baptizaram de Dª Catarina e que, durante o ano de 1591, conseguiram manter rainha de Cândia.

Não tarda, os holandeses entraram em cena. Precipitaram o colapso colonial dos portugueses no Ceilão.

Cândia continuou a resistir. Preserva o seu lugar sobranceiro na história do Sri Lanka.

E o canino de Buda que o legitima.

PN Yala-Ella-Kandy, Sri Lanka

Jornada Pelo Âmago de Chá do Sri Lanka

Deixamos a orla marinha do PN Yala rumo a Ella. A caminho de Nanu Oya, serpenteamos sobre carris pela selva, entre plantações do famoso Ceilão. Três horas depois, uma vez mais de carro, damos entrada em Kandy, a capital budista que os portugueses nunca conseguiram dominar.
Sigiriya, Sri Lanka

A Capital Fortaleza de um Rei Parricida

Kashyapa I chegou ao poder após emparedar o monarca seu pai. Receoso de um provável ataque do irmão herdeiro do trono, mudou a principal cidade do reino para o cimo de um pico de granito. Hoje, o seu excêntrico refúgio está mais acessível que nunca e permitiu-nos explorar o enredo maquiavélico deste drama cingalês.
Lhasa, Tibete

Quando o Budismo se Cansa da Meditação

Nem só com silêncio e retiro espiritual se procura o Nirvana. No Mosteiro de Sera, os jovens monges aperfeiçoam o seu saber budista com acesos confrontos dialécticos e bateres de palmas crepitantes.
Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana

Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.
Monte Koya, Japão

A Meio Caminho do Nirvana

Segundo algumas doutrinas do budismo, são necessárias várias vidas para atingir a iluminação. O ramo shingon defende que se consegue numa só. A partir do Monte Koya, pode ser ainda mais fácil.
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Monte Kyaiktiyo, Myanmar

A Rocha Dourada e em Equilíbrio de Buda

Andamos à descoberta de Rangum quando nos inteiramos do fenómeno da Rocha Dourada. Deslumbrados pelo seu equilíbrio dourado e sagrado, juntamo-nos à peregrinação já secular dos birmaneses ao Monte Kyaiktyo.
savuti, botswana, leões comedores de elefantes
Safari
Savuti, Botswana

Os Leões Comedores de Elefantes de Savuti

Um retalho do deserto do Kalahari seca ou é irrigado consoante caprichos tectónicos da região. No Savuti, os leões habituaram-se a depender deles próprios e predam os maiores animais da savana.
Muktinath a Kagbeni, Circuito Annapurna, Nepal, Kagbeni
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 14º - Muktinath a Kagbeni, Nepal

Do Lado de Lá do Desfiladeiro

Após a travessia exigente de Thorong La, recuperamos na aldeia acolhedora de Muktinath. Na manhã seguinte, voltamos a descer. A caminho do antigo reino do Alto Mustang e da aldeia de Kagbeni que lhe serve de entrada.
Jardin Escultórico, Edward James, Xilitla, Huasteca Potosina, San Luis Potosi, México, Cobra dos Pecados
Arquitectura & Design
Xilitla, San Luís Potosi, México

O Delírio Mexicano de Edward James

Na floresta tropical de Xilitla, a mente inquieta do poeta Edward James fez geminar um jardim-lar excêntrico. Hoje, Xilitla é louvada como um Éden do surreal.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Moa numa praia de Rapa Nui/Ilha da Páscoa
Cerimónias e Festividades
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
Viagem na História de Santa Cruz de La Palma, Canárias, Varandas Avenida Marítima
Cidades
Santa Cruz de La Palma, Canárias

A Viagem na História de Santa Cruz de La Palma

Começou como mera Villa del Apurón. Chegado o séc. XVI, a povoação não só tinha ultrapassado as suas dificuldades como era já a terceira cidade portuária da Europa. Herdeira dessa abençoada prosperidade, Santa Cruz de La Palma tornou-se uma das capitais mais elegantes das Canárias.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Noiva entra para carro, casamento tradicional, templo Meiji, Tóquio, Japão
Cultura
Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar bodas tradicionais.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Motociclista no desfiladeiro de Sela, Arunachal Pradesh, Índia
Em Viagem
Guwahati a Sela Pass, Índia

Viagem Mundana ao Desfiladeiro Sagrado de Sela

Durante 25 horas, percorremos a NH13, uma das mais elevadas e perigosas estradas indianas. Viajamos da bacia do rio Bramaputra aos Himalaias disputados da província de Arunachal Pradesh. Neste artigo, descrevemos-lhe o trecho até aos 4170 m de altitude do Sela Pass que nos apontou à cidade budista-tibetana de Tawang.
Cena natalícia, Shillong, Meghalaya, Índia
Étnico
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

O Terreno e o Celestial

Guardiã, Museu Estaline, Gori, Georgia
História
Uplistsikhe e Gori, Geórgia

Do Berço da Geórgia à Infância de Estaline

À descoberta do Cáucaso, exploramos Uplistsikhe, uma cidade troglodita antecessora da Geórgia. E a apenas 10km, em Gori, damos com o lugar da infância conturbada de Joseb Jughashvili, que se tornaria o mais famoso e tirano dos líderes soviéticos.
Buraco Azul, ilha de Gozo, Malta
Ilhas
Gozo, Malta

Dias Mediterrânicos de Puro Gozo

A ilha de Gozo tem um terço do tamanho de Malta mas apenas trinta dos trezentos mil habitantes da pequena nação. Em duo com o recreio balnear de Comino, abriga uma versão mais terra-a-terra e serena da sempre peculiar vida maltesa.
Verificação da correspondência
Inverno Branco
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Rede em Palmeiras, Praia de Uricao-Mar das caraibas, Venezuela
Natureza
PN Henri Pittier, Venezuela

PN Henri Pittier: entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Parques Naturais
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Jingkieng Wahsurah, ponte de raízes da aldeia de Nongblai, Meghalaya, Índia
Património Mundial UNESCO
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Promessa?
Praias
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Mosteiro de Tawang, Arunachal Pradesh, Índia
Religião
Tawang, Índia

O Vale Místico da Profunda Discórdia

No limiar norte da província indiana de Arunachal Pradesh, Tawang abriga cenários dramáticos de montanha, aldeias de etnia Mompa e mosteiros budistas majestosos. Mesmo se desde 1962 os rivais chineses não o trespassam, Pequim olha para este domínio como parte do seu Tibete. De acordo, há muito que a religiosidade e o espiritualismo ali comungam com um forte militarismo.
Sobre Carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Bar de Rua, Fremont Street, Las Vegas, Estados Unidos
Sociedade
Las Vegas, E.U.A.

O Berço da Cidade do Pecado

Nem sempre a famosa Strip concentrou a atenção de Las Vegas. Muitos dos seus hotéis e casinos replicaram o glamour de néon da rua que antes mais se destacava, a Fremont Street.
saksun, Ilhas Faroé, Streymoy, aviso
Vida Quotidiana
Saksun, StreymoyIlhas Faroé

A Aldeia Faroesa que Não Quer ser a Disneylandia

Saksun é uma de várias pequenas povoações deslumbrantes das Ilhas Faroé, que cada vez mais forasteiros visitam. Diferencia-a a aversão aos turistas do seu principal proprietário rural, autor de repetidas antipatias e atentados contra os invasores da sua terra.
PN Tortuguero, Costa Rica, barco público
Vida Selvagem
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
PT EN ES FR DE IT