Porto Santo, Portugal

Louvada Seja a Ilha do Porto Santo


Recanto Piscatório
Recanto humanizado da praia grande de Porto Santo.
Piscinas Atlânticas
As Piscinas naturais de Porto de Salemas.
Ouro e Esmeralda
Banhistas frequentam a praia dourada-esmeralda do Penedo.
Ponta da Calheta vs Ilhéu da Cal
O Boqueirão de Baixo e o ilhéu da Cal como vistos da Ponta da Calheta.
Tubos de Órgão
Os tubos de órgão, formação geológica excêntrica, na base do Pico de Ana Ferreira.
Contra Gigantes
Moinhos do Porto Santo, nas imediações do Miradouro da Portela.
Morenos
Enseada apertada e profunda da Ilha de Porto Santo.
Equilíbrio natural
Carolina Freitas em equilibrismo na Gruta do Pico Ana Ferreira.
Praia Não Vigiada
Recanto balnear inusitados da Praia das Salemas.
Silhuetas Férreas
Silhuetas do ilhéu de Ferro e mais além.
Barrilhas
Barrilhas exuberantes, dão mais cor e mais vida ao Porto Santo.
King Kong
Porto das Salemas com o rochedo King Kong em fundo.
Linhas de Porto Santo
Vista da ilha de Porto Santo, a partir do miradouro da Calheta.
A Praia de Pedra do Zimbralinho
Formas geológicas produzidas pelo vulcanismo, na enseada do Zimbralinho.
Nos passos de alguém
Passos marcam um rumo na praia grande da ilha de Porto Santo.
Ascensão
Carolina Freitas sobe ao Pico de Ana Ferreira.
Porto das Salemas
Maré vazia no Porto das Salemas, com o rochedo King Kong na distância.
Vinhedo Porto Santo
Vinhedos separados por sebes de canas.
Fim da Caminhada
Um visitante da Ponta da Canaveira, com vista para o Ilhéu de Ferro.
Tarde dourada
Passos dourados na praia grande da ilha de Porto Santo.
Descoberta durante uma volta do mar tempestuosa, Porto Santo mantem-se um abrigo providencial. Inúmeros aviões que a meteorologia desvia da vizinha Madeira garantem lá o seu pouso. Como o fazem, todos os anos, milhares de veraneantes rendidos à suavidade e imensidão da praia dourada e à exuberância dos cenários vulcânicos.

Chegados ao miradouro da Ponta da Calheta, o estreito no limiar da praia sem fim do Porto Santo torna o mar menos profundo.

Pinta o Boqueirão de Baixo de um azul-turquesa resplandecente que contrasta com a negrura e crueza geológica do Ilhéu da Cal por diante.

Hoje, o visual dourado e translúcido que fez da grande praia o principal atributo financeiro da ilha pouco ou nada deixa saber das agruras que sucessivas gerações de portosantenses passaram em função do maior dos seus ilhéus.

Desde os tempos remotos da colonização da ilha que a secura inóspita de Porto Santo – a partir de 1940, por exemplo, passaram-se doze anos sem pluviosidade – inviabilizou cultivos e prados que permitissem a criação de animais de maior porte.

Toda e qualquer matéria-prima lá encontrada tinha valor redobrado. Foi o caso do calcário, a fonte de cal que acabou por inspirar o baptismo do também chamado Ilhéu de Baixo.

Ilhéu da Cal, Porto Salemas, Ilha Porto Santo, Portugal

O Boqueirão de Baixo e o ilhéu da Cal como vistos da Ponta da Calheta.

O Ilhéu de Baixo e a Era Portosantense da Cal

Durante o século XX, alguns empresários viram na diversidade mineral do sub-arquipélago de Porto Santo uma riqueza que permitiu atenuar as carências agrícolas e pecuárias das ilhas. Foram instaladas pedreiras de calcário no ainda chamado Ilhéu de Baixo.

Extraído a grande custo, de minas e galerias, o calcário era transportado de barco para a ilha-mãe e, lá, transformado em cal destinado às edificações que aumentavam no Porto Santo, ainda mais na ilha da Madeira, que os portosantenses se habituaram a fornecer em troca de vegetais, frutas e outros mantimentos que tinham dificuldade em obter.

O calcário era cozinhado em grandes fornos com feitio de cone invertido. Chegaram a ser dezassete. E libertavam um aroma intenso que, às tantas, os nativos da ilha reconheciam fosse onde fosse.

Mesmo se a cozedura do calcário se fazia a temperaturas elevadíssimas, nenhuma fase da produção da cal se revelava tão arriscada como a da extração. Registaram-se vários acidentes nas minas e pedreiras. Num único desabamento de rochas, pereceram dezasseis homens.

Nas últimas décadas, o turismo começou a compensar as carências de Porto Santo. Alguns destes fornos foram preservados como património histórico incontornável da ilha.

Atraem os forasteiros mais curiosos a quem o reduto do grande areal dourado, só por si, não faz umas boas férias.

Praia da Ilha de Porto Santo, Portugal

Passos marcam um rumo na praia grande da ilha de Porto Santo.

Périplo pelo Porto Santo Dourado. E Pelo Dramático Legado pelo Vulcanismo

Sobretudo a quem chega de um período passado na vizinha ilha da Madeira, ou de países sem litoral ou com litoral todo ele rochoso, a grande praia de Porto Santo surge como uma espécie de miragem real, como um sonho de deleite balnear com 9km de que custa despertar.

Carolina Freitas, a guia nativa incumbida de nos mostrar a sua ilha conhece bem o modo All Inclusive All Praia e Preguiça em que demasiados visitantes passam os dias. Habituada a repetir as caminhadas e explorações mais recompensadoras da ilha, mantém um vigor físico impressionante que, numa fase de inactividade própria do confinamento a que obrigou a pandemia Covid 19, nos obrigou a esforços redobrados.

“Mesmo sendo Domingo, isto mal nunca me pode fazer” afiança-nos Carolina na sua imperturbável boa-disposição.

“Há um tempo que não posso ir ao ginásio mas estas caminhadas são tão boas ou melhores” acrescenta, enquanto galga as centenas de degraus naturais do Pico de Ana Ferreira, como se a sua ascensão se tratasse de um qualquer passeio alegre.

Pico de Ana Ferreira, Ilha de Porto Santo, Portugal

Carolina Freitas sobe ao Pico de Ana Ferreira.

À Conquista do Pico de Ana Ferreira

O Pico de Ana Ferreira é uma das elevações contidas de Porto Santo, ilha formada há em redor de 14 milhões de anos. Prova-se excepcional pela sua configuração geológica, não tanto pelos 283 metros que constituem o zénite do ocidente da ilha.

Ditaram caprichos tensionais do arrefecimento do magma que moldou o Porto Santo que este monte se fizesse de colunas prismáticas quase perfeitas, orientadas sob diversos sentidos. Umas, surgem deitadas. Outras oblíquas. Outras ainda, com predomínio na base, verticais, ou apenas ligeiramente tombadas em jeito de Tubos de Órgão, como foram apelidadas.

Tubos de Órgão, Ilha de Porto Santo, Portugal

Os tubos de órgão, formação geológica excêntrica, na base do Pico de Ana Ferreira.

Carolina vence os degraus de mugearite, um a um, dois a dois, entre arbustos e cactos, ainda e sempre a um ritmo de corredora de trilhos profissional. Mantermo-nos no encalço da cicerone esfalfa-nos.

Recuperamos a sua companhia, deixamos o coração recuperar da tortura a que o submetíamos. Em seguida, inteiramo-nos do contexto histórico peculiar por detrás do nome do monte.

Afiança um sector mais linguarudo da história que, malgrado o cognome de “O Príncipe Perfeito”, o Rei de Portugal e dos Algarves D. João II teve uma filha bastarda. Pressionada pela corte para não complicar a vida ao pai e ao reino, Ana Ferreira mudou-se para a ilha do Porto Santo. Mais que lá se instalar, dizem os portosantenses, que a senhora tornou a ilha um seu feudo.

Ora, logo a partir dos primeiros anos da sua povoação, Porto Santo foi alvejada pelos piratas berberes. Quando se via ameaçado, o povo escondia-se no Pico do Castelo, no extremo nordeste da ilha. E, diz-se ainda que, mesmo bastarda e degredada, Ana Ferreira não se misturava com a populaça.

Em vez, refugiava-se no monte que Carolina nos tinha feito conquistar, quem sabe se na gruta que, entretanto, nos revela e em que fica

Gruta Pico Ana Ferreira, Ilha Porto Santo, Portugal

Carolina Freitas em equilibrismo na Gruta do Pico Ana Ferreira.

mos um bom tempo a admirar o panorama emoldurado em forma elíptica da ilha, entregues a experiências acrobáticas-fotográficas.

A Descoberta Inaugural da ilha de Porto Santo

Divirjamos da conquista para a descoberta. Há que deixar tão claro quanto Carolina nos deixou a nós que o Porto Santo foi a primeira das ilhas ainda hoje portuguesas que os navegadores lusos encontraram.

Mesmo se, à imagem da Madeira, já aparecia em mapas desde, pelo menos 1339, Porto Santo foi achado, em 1418, por acidente durante uma expedição comandada por João Gonçalves Zarco, em que participaram ainda Tristão Vaz Teixeira e Bartolomeu Perestrelo.

O Infante Dom Henrique tinha instruído os navegadores a serviço da coroa a encontrarem novos territórios a ocidente de África. Enquanto orientavam o regresso pela Volta do Mar, uma tempestade fez os navios desviar-se da rota habitual.

Sem que nada o deixasse prever, a tempestade empurrou os barcos para uma enseada abrigada. A fortuna dupla de encontrarem o abrigo e um território que, ao contrário das Canárias, os rivais de Castela não tinham ainda reclamado, suscitou o baptismo religioso de Porto Santo.

Enseada da Ilha de Porto Santo

Enseada apertada e profunda da Ilha de Porto Santo.

Regressemos à nossa própria descoberta da ilha. No tempo que lhe dedicámos, deslumbramo-nos com incontáveis enseadas que o vulcanismo parece ter ditado inacessíveis, pelo menos por terra, uma das que mais nos impressiona, no fundo da falésia dos Morenos.

Outras, em redor do Furado do Norte e da Ponta da Canaveira, com vista para o Ilhéu de Ferro, aproximável por um trilho exíguo no cimo de penhascos vertiginosos que, do nada, Carolina investiga numa correria.

Ilhéu do Ferro, Ilha de Porto Santo, Portugal

Silhuetas do ilhéu de Ferro e mais além.

Espreitamos a enseada do Zimbralinho, essa, acessível, dona e senhora de um visual cru e escuro com muito de islandês. Mudamo-nos ainda para o noroeste da ilha onde descemos para a beira-mar rochosa e intrincada do Porto das Salemas.

Chegamos com a maré vazia, como é aconselhável.

Porto das Salemas, ilha do Porto Santo

Maré vazia no Porto das Salemas, com o rochedo King Kong na distância.

Uma tabuleta bem hirta, espetada entre grandes seixos e ao lado de um exemplar único de espreguiçadeira amarela, deixa bem vincado que se trata de uma Praia Não Vigiada.

Àquela hora tardia, não só ninguém a vigia como, além de nós, ninguém a frequentava.

Praia das Salemas, ilha de Porto Santo, Portugal

Recanto balnear inusitados da Praia das Salemas.

Deslumbrados pela sua excentricidade rochosa, cirandamos de poça em poça, estudamos salemas, lapas e búzios.

E contemplamos o rochedo longínquo do King Kong, há muito conformado com a solidão marinha a que se viu votado.

Piscinas naturais de Porto Salemas, Ilha Porto Santo, Portugal

As Piscinas naturais de Porto de Salemas.

Vila Baleira e a Presença Incontornável de Cristóvão Colombo

Regressamos às imediações de Vila Baleira, apesar de acolher menos de 6.000 habitantes, a capital da ilha de Porto Santo.

Passeamos pela praia. Desviamos para as suas dunas d’ouro. Do cimo de uma delas, localizamos os vinhedos de caracol espraiados sobre o solo arenoso, entre sebes de muros de crochet, caniços e arbustos.

Admiramos a beleza daqueles vinhedos quase de brincar mas que, todos os anos, renovam o vinho peculiar de Porto Santo, apurado nos seis séculos do povoamento sempre desafiante da ilha.

Das dunas e seus vinhedos, embrenhamo-nos nas ruelas de Vila Baleira. Numa delas, esbarramos com a casa em que Cristóvão Colombo, desde cedo, bem relacionado com a corte e com nobres portugueses, se dignou a viver na cidade.

Ditaram certas circunstâncias que, na sequência da descoberta da ilha, Bartolomeu Perestrelo fosse indigitado o primeiro Capitão-Donatário de Porto Santo, em 1445.

Como determinaram outras que, em 1479, três anos após se ter instalado em Lisboa, o navegador genovês viesse a casar em Vila Baleira com Filipa Moniz Perestrelo, filha de Bartolomeu Perestrelo e neta de Filippo Pallastrelli, um nobre de origem italiana que, após se mudar para Lisboa e viver no Porto, viu o apelido aportuguesado.

A Ligação Matrimonial de Colombo aos Perestrelo, Família Pioneira de Porto Santo

Até dois anos antes do casamento, Filipa Perestrelo mantinha-se comendadora do Mosteiro de Santos, em Lisboa, um mosteiro exclusivo da alta nobreza, frequentado pelo rei D. João II e por Cristóvão Colombo que lá costumava ir à missa. Estima-se que entre repetidas conversas e convívios com Filipa Perestrelo, veio a resultar o agendamento da boda, conveniente aos planos de vida de ambos.

Em 1478, Colombo conseguira uma posição no negócio de exportação do açúcar produzido na Madeira, estima-se que de Paolo di Negro, um negociante italiano.

Por essa altura, Colombo ambicionava já tornar-se um descobridor reputado. Filipa Perestrelo, abrir-lhe-ia caminho à influência e conhecimento náutico do pai. Alguns historiadores afiançam, inclusive, que a sogra de Colombo lhe passou os mapas e documentos de cartografia de Bartolomeu Perestrelo.

Terá sido no Porto Santo e na Madeira que Colombo gizou boa parte do projecto de chegar às Índias pelo Ocidente, projecto que a Coroa Portuguesa, entretanto, recusou apoiar.

Cristóvão Colombo acabou por desvendar as Américas para o Velho Mundo, em Outubro de 1492, doze ou treze anos depois do casamento em Lisboa.

Da Subsistência Desafiante, à Prosperidade Sobretudo Turística

No meio milénio e pouco que decorreu, os colonos intrépidos de Porto Santo tudo fizeram para vencer as adversidades, sobretudo as secas que se repetiam, agravadas pelo desmatamento intensivo, necessário à lenha e à construção de tudo um pouco.

E pela reprodução descontrolada dos coelhos que vemos saltitar em toda a ilha, diz-se que descendentes de um único par de roedores libertado por Bartolomeu Perestrelo, consciente de que seria difícil atrair e manter povoadores se estes tivessem que subsistir apenas da pesca, da captura de aves e dos caracóis prolíficos da ilha.

Melhor ou pior, com o tempo, os Profetas – como são também chamados os portosantenses – asseguraram a sua vida na ilha e aperfeiçoaram meios fascinantes e hoje famosos do que começou como mera subsistência.

É o caso da arquitectura das Casas de Salão e das matamorras em que se abrigavam dos piratas. E, num âmbito gastronómico, do vinho, das papas de milho e do milho frito, também do bolo do caco que Carolina Freitas e os portosantenses em geral, defendem com unhas e dentes ter sido criado no Porto Santo, não na Madeira.

Hoje, o Porto Santo oferece aterragens bem mais suaves que a sua vizinha e memoráveis retiros atlânticos. Regressaremos o quanto antes.

 

Para Reservar Actividades em Porto Santo contacte a DUNAS VIAGENS E TURISMO

dunastravel.com

+351  291 983 088

[email protected]

 

 

 

Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha-Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Ilha da Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico

A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.
Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos

De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Parques nacionais
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Competição do Alaskan Lumberjack Show, Ketchikan, Alasca, EUA
Arquitectura & Design
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Aventura
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades

Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita a ilha de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Ali, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.

Kiomizudera, Quioto, um Japão Milenar quase perdido
Cidades
Quioto, Japão

Um Japão Milenar Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Um contra todos, Mosteiro de Sera, Sagrado debate, Tibete
Cultura
Lhasa, Tibete

Sera, o Mosteiro do Sagrado Debate

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Composição sobre Nine Arches Bridge, Ella, Sri Lanka
Em Viagem
PN Yala-Ella-Kandy, Sri Lanka

Jornada Pelo Âmago de Chá do Sri Lanka

Deixamos a orla marinha do PN Yala rumo a Ella. A caminho de Nanu Oya, serpenteamos sobre carris pela selva, entre plantações do famoso Ceilão. Três horas depois, uma vez mais de carro, damos entrada em Kandy, a capital budista que os portugueses nunca conseguiram dominar.
Moa numa praia de Rapa Nui/Ilha da Páscoa
Étnico
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Salto Negao, chapada diamantina, bahia gema, brasil
História
Chapada Diamantina, Brasil

Bahia de Gema

Até ao final do séc. XIX, a Chapada Diamantina foi uma terra de prospecção e ambições desmedidas.Agora que os diamantes rareiam os forasteiros anseiam descobrir as suas mesetas e galerias subterrâneas
Passerelle secular
Ilhas

Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana

Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.

Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Garranos galopam pelo planalto acima de Castro Laboreiro, PN Peneda-Gerês, Portugal
Natureza
Castro Laboreiro, Portugal  

Do Castro de Laboreiro à Raia da Serra Peneda – Gerês

Chegamos à (i) eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Abastecimento
Parques Naturais

PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.

Património Mundial UNESCO
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Monumento Cap 110, Martinica, Antilhas Francesas
Praias
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Estante Sagrada
Religião

Tsfat, Israel

Quando a Cabala é Vítima de Si Mesma

Nos anos 50, Tsfat congregava a vida artística da jovem nação israelita e recuperava a sua mística secular. Mas convertidos famosos como Madonna vieram perturbar a mais elementar discrição cabalista.

white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Graffiti deusa creepy, Haight Ashbury, Sao Francisco, EUA, Estados Unidos America
Sociedade
The Haight, São Francisco, E.U.A.

Órfãos do Verão do Amor

O inconformismo e a criatividade ainda estão presentes no antigo bairro Flower Power. Mas, quase 50 anos depois, a geração hippie deu lugar a uma juventude sem-abrigo, descontrolada e até agressiva.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Vida Selvagem
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.