Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico


Santíssimo Salvador
A Igreja Matriz do Santíssimo Salvador, destacada acima do casario da Horta.
Horta. Vista do Monte da Guia
Vista da cidade da Horta para lá da enseada do Porto Pim. A partir do Monte da Guia.
Pinturas murais do porto
Secção de pinturas murais da Marina da Horta.
Praia do Almoxarife
Banhistas usufruem do mar suave e da vista sobre o Pico, na Praia do Almoxarife.
Interior do Peter Café Sport
Clientes convivem no interior acolhedor do Café Sport da Horta.
Santa Conceição
Estátua da Virgem Santa da Conceição num miradouro homónimo nos arredores da cidade da Horta.
Pinturas Náuticas Expo
Pinturas murais estendidas num molhe da Marina da Horta, com o Pico em fundo.
De volta ao Faial
Ferry que cumpre a ligação Faial - Pico aproxima-se do Faial.
Ancoradouro
Barcos de pesca ancorados no porto da Horta, capital do Faial.
Peter Café Sport
Visitantes da Horta passam em frente ao Café Sport, mais conhecido por Peters
Casario Horta
Secção pitoresca do casario maioritariamente alvo da cidade da Horta.
Porto Pim
Areal exposto pela maré vazia em frente à Travessa do Porto Pim.
Moinho vento
Moinho de vento de provável inspiração flamenga, na encosta da Espalamaca.
Sol de Porto Pim
Banhista apanha sol na praia de areia vulcânica de Porto Pim.
Bandeirolas & Estandartes
Perspectiva do Café Sport que revela a panóplia de itens náuticos que o decoram.
Vaca. E o Canal do Faial
Vaca destacada no panorama do Monte da Conceição, com o Canal do Faial e a montanha do Pico em fundo.
Casario da Horta
Zona de Angústias em primeiro plano no casario da cidade da Horta.
“Peter”
José Henrique Azevedo, o actual proprietário do Café Sport, também na data dos primeiros 100 anos do Peters.
Quase noite na Horta
Enseadas e casario da Horta coloridas pela iluminação artificial e pelo lusco-fusco.
Veleiros Mil
Veleiros ancorados no porto e marina da Horta, um dos procurados pelos veleiros que atravessam o Atlântico.
A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.

O tempo está óptimo no canal. Como se mantém sobre todo o triângulo desajeitado do Atlântico de que o Faial faz de vértice ocidental.

Quando chegamos ao cimo do Monte da Guia, percebemos, em todas as suas formas e cores, que a geologia jovem dos Açores tinha prendado a Horta a dobrar.

Espraiada à nossa frente, de um gradiente de um azul-marinho quase escuro, até ao verde-esmeralda da beira-mar, a água da baía afagava os lares da Horta e refrescava o areal cinza da praia de Porto Pim.

Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Vista da cidade da Horta para lá da enseada do Porto Pim. A partir do Monte da Guia.

O Fascínio Filipino e a História Baleeira do Faial

O fascínio pela calheta suave e o desejo de nela ancorar vem de há muito. O povoamento do Faial teve início no século XV. Dois séculos depois, D. Filipe II, filho da Imperatriz Isabel, neto de D. Manuel I, o Filipe espanhol que amava mais Portugal que Espanha, ditou que se construísse ali um porto, para que lá pudesse desembarcar.

Mais tarde, os pescadores aproveitaram a iniciativa real. Assim o fez também a pesca baleeira que, entretanto, chegou ao arquipélago e que justificou a operação de uma Fábrica da Baleia local, hoje ocupada pelo Observatório do Mar dos Açores.

Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Areal exposto pela maré vazia em frente à Travessa do Porto Pim.

Por mais condições dadas ao Faial, a pesca, fosse qual fosse, no âmago do Atlântico sem fim, provou-se tudo menos um mar de rosas. Por alguma razão, a freguesia em que se situa essa velha fábrica baleeira ostenta o nome que tem: Angústias.

Não bastasse o encanto e a tranquilidade da enseada de Porto Pim, do lá do istmo elevado que lhe servia de biombo, uma outra calheta banhava a Horta. Víamo-la recortada como que a reclamar uma acoplagem à extremidade oeste da vizinha ilha do Pico, a ponta da Criação Velha e da Madalena.

Apreciamo-la, arredondada e polida pelos milénios. Alongada no anfiteatro natural em que a cidade disputou uma primeira fila à altura da montanha-vulcão se projecta do lado de lá do canal para os céus.

O Refúgio Atlântico da Horta (e sua Marina)

Meia-hora de contemplação depois, regressamos às ruelas da Horta. À marginal em que a ilha celebra a Liberdade e à marina desafogada que impôs ao canal.

A Marina da Horta é o porto de recreio mais antigo dos Açores, a quarta marina mais frequentada dos sete mares. Lá ancoram, todos os anos, em redor de mil e duzentas embarcações.

Veleiros na Marina da Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Veleiros ancorados no porto e marina da Horta, um dos procurados pelos veleiros que atravessam o Atlântico.

Por conta dessa antiguidade e da posição providencial no oceano bravio e no arquipélago – uma posição que protege os barcos dos ventos, venham eles de onde vierem – os navegadores têm-na quase como mítica.

Que outra explicação poderia ter a profusão garrida de pinturas murais com que os timoneiros e tripulação dos iates e veleiros continuam humanizar os paredões e corredores de betão em que se viram em segurança, nos braços de um já saudoso bem-estar.

Pinturas murais, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Pinturas murais estendidas num molhe da Marina da Horta, com o Pico em fundo.

Só os navegadores conhecerão a plenitude desse sentimento mas, fruto da modernidade e da globalização que há muito andam de mão dada quem, como nós, se limita a aterrar no Faial, beneficia de uma forma algo parasita da sensualidade náutica destes confins.

Ditou a história e a sensibilidade da família fundadora que o magnetismo do Faial e da Horta gire em redor de um café-restaurante. Um café-restaurante de tal maneira famoso que repetir-lhe o nome nos soa a desperdício.

Satisfeitos com o já longo estudo fotográfico dos murais e com uma sede súbita a afectar-nos o julgamento, invertemos o rumo da caminhada.

Casario, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Secção pitoresca do casario maioritariamente alvo da cidade da Horta.

Apontamos à Praça Infante Dom Henrique em que, por norma, se inaugura o acolhimento dos navegadores.

Meras dezenas de passos depois, damos com a entrada simples mas elegante do Café Sport, impingida à fachada do casario como um pequeno baleeiro em terra.

Não só em terra.

Peter Café Sport: um Monumento ao Encontro Atlântico dos Navegadores

Sobre uma calçada portuguesa, açoriana e dos mares. Ali, um letreiro de madeira envernizada surge entre duas baleias brancas que nos pareciam sorrir.

Peter Café Sport, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Visitantes da Horta passam em frente ao Café Sport, mais conhecido por Peters

Do exterior batido pelo sol, o âmago do Peter’s pouco passava de um breu intrigante. Quando entramos, desvendamos o mundo lúdico-náutico, orgânico e harmonioso que confirmava a notoriedade planetária do estabelecimento.

Em volta, as paredes e o tecto surgiam forradas de bandeiras, estandartes, fotografias históricas, cartas, mapas, autocolantes e tantos outros apetrechos internacionais da navegação.

Dois balcões de madeira, subsumidos nesta parafernália colorida e que confrontavam as auras de luz moldadas pelas portas e janelas serviam de ponte de comando de todas as manobras.

Peters, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Clientes convivem no interior acolhedor do Café Sport da Horta.

Ao fundo, à esquerda de quem entra, um senhor de cabelo e bigode brancos operava uma pequena loja no caminho para o museu de Scrimshaw acima, um museu repleto de peças de arte esculpidas em osso e dente de baleia, de tal maneira que é considerado o museu deste género mais bem apetrechado.

Ao fundo, à direita, o bar e boca de saída do restaurante, fonte inesgotável de prazer na forma de cervejas geladas e dos badalados gin tonics da casa que fidelizaram os melhores clientes dos tempos pioneiros, os britânicos. Fonte ainda de um menu prodigioso de especialidades faialenses.

Sopa de Baleia, Boca Grande e o Famoso Gin do Peter’s

Sentamo-nos numa mesa de madeira de recanto que nos dava vista privilegiada para as restantes. Dali, bolinamos no ambiente jovem, quase adolescente e cosmopolita da sala.

Saboreamos o gin como se já tivéssemos nascido apreciadores da bebida. Até que nos servem sopas de baleia e nos vemos forçados a reorientar os sentidos da efervescência refrescante do G&T para a consistência gastronómica que nos fumegava nariz acima.

Podia não ser a versão pura, íntegra, sofrida nas peles envelhecidas dos navegadores desembarcados. Ainda assim, estávamos a cumprir o ritual e a viver o sonho do Faial, da Horta e do Peter’s.

A adicionar a tudo, o Café Sport tinha celebrado havia pouco tempo, um século e quatro gerações de vida, numa festa para que convidou toda a ilha do Faial.

Peters, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Perspectiva do Café Sport que revela a panóplia de itens náuticos que o decoram.

A História Já Secular do Peter Café Sport

Reza a história que Henrique Azevedo lhe abriu as portas, no dia de Natal de 1918 e ocupou um espaço de negócio antes ocupado por uma tal de loja de artesanato e bar Casa dos Açores.

Henrique Azevedo era um adepto fervoroso do desporto, praticante de futebol, de remo e de bilhar, entre outros. Surgiu, assim, como algo lógico que rebaptizasse o estabelecimento como Café Sport. Algum tempo depois, este nome ainda oficial foi suplantado por outro, o popularizado Peter’s.

Aconteceu assim porque o oficial chefe do serviço de munições e manutenção do navio “Lusitania II” da Marinha Real Britânica achou o jovem José Azevedo (filho de Henrique Azevedo) parecido com o seu próprio filho, Peter.

Peters, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

José Henrique Azevedo, o actual proprietário do Café Sport, também na data dos primeiros 100 anos do Peters.

À medida em que, na brincadeira, continuou a chamar José Azevedo de Peter, consolidou também o nome hoje mais badalado do bar em que restabelecíamos energias.

Terminamos as sopas de baleia. Chegam dois peixes boca negra grelhados, acompanhados de um prato dos melhores enchidos açorianos. Finda a sobremesa e novo gin, estávamos prontos para rebolar.

À conversa com José Henrique Azevedo, o actual proprietário, percebemos o quanto nos tínhamos aproximado do que é agora esperado de todo e qualquer visitante da da cidade: “Se velejares até à Horta e não visitares o Peter Café Sport, não vistes a Horta na realidade.”

A Descoberta Vespertina da Cidade da Horta

Satisfeitos pelo quase-cumprimento do desígnio, despedimo-nos e entregamo-nos de espírito renovado à cidade solarenga em redor.

Conduzimos até à Ponta da Espalamaca. Subimos ao miradouro da Nª Srª da Conceição. Encontramos uma Santa Conceição de três metros, no sopé de uma cruz com quase trinta.

Virgem Santa da Conceição, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Estátua da Virgem Santa da Conceição num miradouro homónimo nos arredores da cidade da Horta.

Daquele alto abençoado, temos a visão terrena da montanha suprema de Portugal com os povoados da ilha do Pico na sua base. Mas não só.

A atmosfera sobre o canal mantinha-se de tal maneira cristalina que nos concedia um vislumbre difuso das vizinhas mais distantes de São Jorge e da Graciosa.

Praia do Almoxarife, Canal a Meias com o Grande Pico

Descemos para a beira-mar da praia de Almoxarife, o areal que encerra a espécie de fatia de tarte em que se alonga a freguesia homónima, terra verdejante, povoada a partir de 1465 por um grupo de quinze flamengos.

Moinho vento, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Moinho de vento de provável inspiração flamenga, na encosta da Espalamaca.

Como tal, dotada de moinhos de vento com inspiração nos Países Baixos.

Hoje, os descendentes desses colonos remotos são crentes fervorosos no Divino Espírito Santo. É a razão porque, além do moinho empedrado-vermelho da Lomba da Conceição por ali constatamos também os edifícios-impérios prolíficos na ilha Terceira.

Negro, pejado de pedras basálticas arredondadas, submisso ao gigantesco Pico, o areal de Almoxarife volta a sublinhar a essência vulcânica do Faial que a faceta urbana da Horta por vezes nos fazia esquecer.

Praia do Almoxarife, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Banhistas usufruem do mar suave e da vista sobre o Pico, na Praia do Almoxarife.

Nós e os banhistas que se divertiam nas vagas clementes do canal, tínhamos o Pico por diante.

No extremo oposto do Faial, reinava o vulcão Mistério dos Capelinhos. Com um quarto da altitude do Pico e um nome algo ternurento, este vulcão revelou-se bem mais destrutivo para o Faial do que o Pico alguma vez se atreveu a ameaçar.

Mergulho atrás de mergulho, onda após onda, o sol depressa caiu para o ocidente ali oculto.

Desiludidos com a sombra em que nos abandonou, antecipamos o regresso à Horta.

Igreja Santíssimo Salvador. Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

A Igreja Matriz do Santíssimo Salvador, destacada acima do casario da Horta.

Genuíno Madruga e as Suas Prodigiosas Circum-Navegações

Voltamos a passar por Angústias. Em Angústias, encontramos Genuíno Madruga, outra das personalidades açorianas empreendedoras incontornáveis, nascido em Lajes do Pico mas desde criança radicado na Horta.

Genuíno recebe-nos no seu restaurante, com gentileza e paciência inesgotável para o tempo mais que contado em que andávamos.

Em 24 de Janeiro de 2008, Genuíno Madruga tornou-se o primeiro português – e o décimo velejador a nível internacional que, em solitário, conseguiu cruzar o tormentoso Cabo Horn do oceano Atlântico para o Pacífico. A acrescentar ao feito, cumpriu a travessia durante a segunda das suas navegações de volta ao mundo.

Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Barcos de pesca ancorados no porto da Horta, capital do Faial.

Sempre humilde, Genuíno como o só o baptismo lhe faz jus, Genuíno conta-nos como as suas vivências enquanto pescador e, sobretudo, os convívios posteriores com Marcel Bardieux – o primeiro navegador a cumprir a travessia em solitário – o inspiraram a também ele a perseguir o triunfo do amigo intrépido.

Essas suas experiências provaram-se de tal maneira recompensadoras que Genuíno mal disfarçava o prazer de connosco as partilhar, numa verbalização conveniente mas abreviada dos testemunhos que eternizou em “O Mundo que Eu Vi”, o livro da sua vida.

Uma obra para a história da Horta, do Faial e dos Açores.

Horta ao lusco-fusco, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Enseadas e casario da Horta coloridas pela iluminação artificial e pelo lusco-fusco.

Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Ilha Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.

Florianópolis, Brasil

O Legado Açoriano do Atlântico Sul

Durante o século XVIII, milhares de ilhéus portugueses perseguiram vidas melhores nos confins meridionais do Brasil. Nas povoações que fundaram, abundam os vestígios de afinidade com as origens.

Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Mykines, Ilhas Faroé

No Faroeste das Faroé

Mykines estabelece o limiar ocidental do arquipélago Faroé. Chegou a albergar 179 pessoas mas a dureza do retiro levou a melhor. Hoje, só lá resistem nove almas. Quando a visitamos, encontramos a ilha entregue aos seus mil ovinos e às colónias irrequietas de papagaios-do-mar.
Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos

De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.
Graciosa, Açores

Sua Graça a Graciosa

Por fim, desembarcarmos na Graciosa, a nossa nona ilha dos Açores. Mesmo se menos dramática e verdejante que as suas vizinhas, a Graciosa preserva um encanto atlântico que é só seu. Quem tem o privilégio de o viver, leva desta ilha do grupo central uma estima que fica para sempre.
Corvo, Açores

O Abrigo Atlântico Inverosímil da Ilha do Corvo

17 km2 de vulcão afundado numa caldeira verdejante. Uma povoação solitária assente numa fajã. Quatrocentas e trinta almas aconchegadas pela pequenez da sua terra e pelo vislumbre da vizinha Flores. Bem-vindo à mais destemida das ilhas açorianas.
São Jorge, Açores

De Fajã em Fajã

Abundam, nos Açores, faixas de terra habitável no sopé de grandes falésias. Nenhuma outra ilha tem tantas fajãs como as mais de 70 da esguia e elevada São Jorge. Foi nelas que os jorgenses se instalaram. Nelas assentam as suas atarefadas vidas atlânticas.
Vale das Furnas, São Miguel

O Calor Açoriano do Vale das Furnas

Surpreendemo-nos, na maior ilha dos Açores, com uma caldeira retalhada por minifúndios agrícolas, massiva e profunda ao ponto de abrigar dois vulcões, uma enorme lagoa e quase dois mil micaelenses. Poucos lugares do arquipélago são, ao mesmo tempo, tão grandiosos e acolhedores como o verdejante e fumegante Vale das Furnas.
Ilha do Pico, Açores

A Ilha a Leste da Montanha do Pico

Por norma, quem chega ao Pico desembarca no seu lado ocidental, com o vulcão (2351m) a barrar a visão sobre o lado oposto. Para trás do Pico montanha, há todo um longo e deslumbrante “oriente” da ilha que leva o seu tempo a desvendar.
Angra do Heroísmo, Terceira, Açores

Heroína do Mar, de Nobre Povo, Cidade Valente e Imortal

Angra do Heroísmo é bem mais que a capital histórica dos Açores, da ilha Terceira e, em duas ocasiões, de Portugal. A 1500km do continente, conquistou um protagonismo na nacionalidade e independência portuguesa de que poucas outras cidades se podem vangloriar.
Ponta Delgada, São Miguel, Açores

A Cidade da Grande Ilha dos Açores

Durante os séculos XIX e XX, Ponta Delgada tornou-se a cidade mais populosa e a capital económico-administrativa dos Açores. Lá encontramos a história e o modernismo do arquipélago de mãos-dadas.
Aldeia da Cuada, Ilha das Flores, Açores

O Éden Açoriano Traído pelo outro Lado do Mar

A Cuada foi fundada, estima-se que em 1676, junto ao limiar oeste das Flores. Já em pleno século XX, os seus moradores juntaram-se à grande debandada açoriana para as Américas. Deixaram para trás uma aldeia tão deslumbrante como a ilha e os Açores.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 5º - Ngawal a BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
planicie sagrada, Bagan, Myanmar
Arquitectura & Design
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Parada e Pompa
Cerimónias e Festividades
São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré. Siga a Marinha

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.
Ponta Delgada, São Miguel, Açores, Portas da Cidade
Cidades
Ponta Delgada, São Miguel, Açores

A Cidade da Grande Ilha dos Açores

Durante os séculos XIX e XX, Ponta Delgada tornou-se a cidade mais populosa e a capital económico-administrativa dos Açores. Lá encontramos a história e o modernismo do arquipélago de mãos-dadas.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Cultura
Espectáculos

O Mundo em Cena

Um pouco por todo o Mundo, cada nação, região ou povoação e até bairro tem a sua cultura. Em viagem, nada é mais recompensador do que admirar, ao vivo e in loco, o que as torna únicas.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Em Viagem
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Tambores e tatoos
Étnico
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Music Theatre and Exhibition Hall, Tbilissi, Georgia
História
Tbilisi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.
São Tomé Ilha, São Tomé e Principe, Norte, Roça Água Funda
Ilhas
São Tomé, São Tomé e Príncipe

Pelo Cocuruto Tropical de São Tomé

Com a capital homónima para trás, rumamos à descoberta da realidade da roça Agostinho Neto. Daí, tomamos a estrada marginal da ilha. Quando o asfalto se rende, por fim, à selva, São Tomé tinha-se confirmado no top das mais deslumbrantes ilhas africanas.
Quebra-Gelo Sampo, Kemi, Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Almada Negreiros, Roça Saudade, São Tomé
Literatura
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
PN Tortuguero, Costa Rica, barco público
Natureza
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Parques Naturais
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Campeche, México, Península de Iucatão, Can Pech, Pastéis nos ares
Património Mundial UNESCO
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
República Dominicana, Praia Bahia de Las Águilas, Pedernales. Parque Nacional Jaragua, Praia
Praias
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Camboja, Angkor, Ta Phrom
Religião
Ho Chi-Minh a Angkor, Camboja

O Tortuoso Caminho para Angkor

Do Vietname em diante, as estradas cambojanas desfeitas e os campos de minas remetem-nos para os anos do terror Khmer Vermelho. Sobrevivemos e somos recompensados com a visão do maior templo religioso
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre Carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Fiéis cristãos à saida de uma igreja, Upolu, Samoa Ocidental
Sociedade
Upolu, Samoa  

No Coração Partido da Polinésia

O imaginário do Pacífico do Sul paradisíaco é inquestionável em Samoa mas a sua formosura tropical não paga as contas nem da nação nem dos habitantes. Quem visita este arquipélago encontra um povo dividido entre sujeitar-se à tradição e ao marasmo financeiro ou desenraizar-se em países com horizontes mais vastos.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
O rio Zambeze, PN Mana Poools
Vida Selvagem
Kanga Pan, Mana Pools NP, Zimbabwe

Um Manancial Perene de Vida Selvagem

Uma depressão situada a 15km para sudeste do rio Zambeze retém água e minerais durante toda a época seca do Zimbabué. A Kanga Pan, como é conhecida, nutre um dos ecossistemas mais prolíficos do imenso e deslumbrante Parque Nacional Mana Pools.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.