Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico


Santíssimo Salvador
A Igreja Matriz do Santíssimo Salvador, destacada acima do casario da Horta.
Horta. Vista do Monte da Guia
Vista da cidade da Horta para lá da enseada do Porto Pim. A partir do Monte da Guia.
Pinturas murais do porto
Secção de pinturas murais da Marina da Horta.
Praia do Almoxarife
Banhistas usufruem do mar suave e da vista sobre o Pico, na Praia do Almoxarife.
Interior do Peter Café Sport
Clientes convivem no interior acolhedor do Café Sport da Horta.
Santa Conceição
Estátua da Virgem Santa da Conceição num miradouro homónimo nos arredores da cidade da Horta.
Pinturas Náuticas Expo
Pinturas murais estendidas num molhe da Marina da Horta, com o Pico em fundo.
De volta ao Faial
Ferry que cumpre a ligação Faial - Pico aproxima-se do Faial.
Ancoradouro
Barcos de pesca ancorados no porto da Horta, capital do Faial.
Peter Café Sport
Visitantes da Horta passam em frente ao Café Sport, mais conhecido por Peters
Casario Horta
Secção pitoresca do casario maioritariamente alvo da cidade da Horta.
Porto Pim
Areal exposto pela maré vazia em frente à Travessa do Porto Pim.
Moinho vento
Moinho de vento de provável inspiração flamenga, na encosta da Espalamaca.
Sol de Porto Pim
Banhista apanha sol na praia de areia vulcânica de Porto Pim.
Bandeirolas & Estandartes
Perspectiva do Café Sport que revela a panóplia de itens náuticos que o decoram.
Vaca. E o Canal do Faial
Vaca destacada no panorama do Monte da Conceição, com o Canal do Faial e a montanha do Pico em fundo.
Casario da Horta
Zona de Angústias em primeiro plano no casario da cidade da Horta.
“Peter”
José Henrique Azevedo, o actual proprietário do Café Sport, também na data dos primeiros 100 anos do Peters.
Quase noite na Horta
Enseadas e casario da Horta coloridas pela iluminação artificial e pelo lusco-fusco.
Veleiros Mil
Veleiros ancorados no porto e marina da Horta, um dos procurados pelos veleiros que atravessam o Atlântico.
A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.

O tempo está óptimo no canal. Como se mantém sobre todo o triângulo desajeitado do Atlântico de que o Faial faz de vértice ocidental.

Quando chegamos ao cimo do Monte da Guia, percebemos, em todas as suas formas e cores, que a geologia jovem dos Açores tinha prendado a Horta a dobrar.

Espraiada à nossa frente, de um gradiente de um azul-marinho quase escuro, até ao verde-esmeralda da beira-mar, a água da baía afagava os lares da Horta e refrescava o areal cinza da praia de Porto Pim.

Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Vista da cidade da Horta para lá da enseada do Porto Pim. A partir do Monte da Guia.

O Fascínio Filipino e a História Baleeira do Faial

O fascínio pela calheta suave e o desejo de nela ancorar vem de há muito. O povoamento do Faial teve início no século XV. Dois séculos depois, D. Filipe II, filho da Imperatriz Isabel, neto de D. Manuel I, o Filipe espanhol que amava mais Portugal que Espanha, ditou que se construísse ali um porto, para que lá pudesse desembarcar.

Mais tarde, os pescadores aproveitaram a iniciativa real. Assim o fez também a pesca baleeira que, entretanto, chegou ao arquipélago e que justificou a operação de uma Fábrica da Baleia local, hoje ocupada pelo Observatório do Mar dos Açores.

Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Areal exposto pela maré vazia em frente à Travessa do Porto Pim.

Por mais condições dadas ao Faial, a pesca, fosse qual fosse, no âmago do Atlântico sem fim, provou-se tudo menos um mar de rosas. Por alguma razão, a freguesia em que se situa essa velha fábrica baleeira ostenta o nome que tem: Angústias.

Não bastasse o encanto e a tranquilidade da enseada de Porto Pim, do lá do istmo elevado que lhe servia de biombo, uma outra calheta banhava a Horta. Víamo-la recortada como que a reclamar uma acoplagem à extremidade oeste da vizinha ilha do Pico, a ponta da Criação Velha e da Madalena.

Apreciamo-la, arredondada e polida pelos milénios. Alongada no anfiteatro natural em que a cidade disputou uma primeira fila à altura da montanha-vulcão se projecta do lado de lá do canal para os céus.

O Refúgio Atlântico da Horta (e sua Marina)

Meia-hora de contemplação depois, regressamos às ruelas da Horta. À marginal em que a ilha celebra a Liberdade e à marina desafogada que impôs ao canal.

A Marina da Horta é o porto de recreio mais antigo dos Açores, a quarta marina mais frequentada dos sete mares. Lá ancoram, todos os anos, em redor de mil e duzentas embarcações.

Veleiros na Marina da Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Veleiros ancorados no porto e marina da Horta, um dos procurados pelos veleiros que atravessam o Atlântico.

Por conta dessa antiguidade e da posição providencial no oceano bravio e no arquipélago – uma posição que protege os barcos dos ventos, venham eles de onde vierem – os navegadores têm-na quase como mítica.

Que outra explicação poderia ter a profusão garrida de pinturas murais com que os timoneiros e tripulação dos iates e veleiros continuam humanizar os paredões e corredores de betão em que se viram em segurança, nos braços de um já saudoso bem-estar.

Pinturas murais, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Pinturas murais estendidas num molhe da Marina da Horta, com o Pico em fundo.

Só os navegadores conhecerão a plenitude desse sentimento mas, fruto da modernidade e da globalização que há muito andam de mão dada quem, como nós, se limita a aterrar no Faial, beneficia de uma forma algo parasita da sensualidade náutica destes confins.

Ditou a história e a sensibilidade da família fundadora que o magnetismo do Faial e da Horta gire em redor de um café-restaurante. Um café-restaurante de tal maneira famoso que repetir-lhe o nome nos soa a desperdício.

Satisfeitos com o já longo estudo fotográfico dos murais e com uma sede súbita a afectar-nos o julgamento, invertemos o rumo da caminhada.

Casario, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Secção pitoresca do casario maioritariamente alvo da cidade da Horta.

Apontamos à Praça Infante Dom Henrique em que, por norma, se inaugura o acolhimento dos navegadores.

Meras dezenas de passos depois, damos com a entrada simples mas elegante do Café Sport, impingida à fachada do casario como um pequeno baleeiro em terra.

Não só em terra.

Peter Café Sport: um Monumento ao Encontro Atlântico dos Navegadores

Sobre uma calçada portuguesa, açoriana e dos mares. Ali, um letreiro de madeira envernizada surge entre duas baleias brancas que nos pareciam sorrir.

Peter Café Sport, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Visitantes da Horta passam em frente ao Café Sport, mais conhecido por Peters

Do exterior batido pelo sol, o âmago do Peter’s pouco passava de um breu intrigante. Quando entramos, desvendamos o mundo lúdico-náutico, orgânico e harmonioso que confirmava a notoriedade planetária do estabelecimento.

Em volta, as paredes e o tecto surgiam forradas de bandeiras, estandartes, fotografias históricas, cartas, mapas, autocolantes e tantos outros apetrechos internacionais da navegação.

Dois balcões de madeira, subsumidos nesta parafernália colorida e que confrontavam as auras de luz moldadas pelas portas e janelas serviam de ponte de comando de todas as manobras.

Peters, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Clientes convivem no interior acolhedor do Café Sport da Horta.

Ao fundo, à esquerda de quem entra, um senhor de cabelo e bigode brancos operava uma pequena loja no caminho para o museu de Scrimshaw acima, um museu repleto de peças de arte esculpidas em osso e dente de baleia, de tal maneira que é considerado o museu deste género mais bem apetrechado.

Ao fundo, à direita, o bar e boca de saída do restaurante, fonte inesgotável de prazer na forma de cervejas geladas e dos badalados gin tonics da casa que fidelizaram os melhores clientes dos tempos pioneiros, os britânicos. Fonte ainda de um menu prodigioso de especialidades faialenses.

Sopa de Baleia, Boca Grande e o Famoso Gin do Peter’s

Sentamo-nos numa mesa de madeira de recanto que nos dava vista privilegiada para as restantes. Dali, bolinamos no ambiente jovem, quase adolescente e cosmopolita da sala.

Saboreamos o gin como se já tivéssemos nascido apreciadores da bebida. Até que nos servem sopas de baleia e nos vemos forçados a reorientar os sentidos da efervescência refrescante do G&T para a consistência gastronómica que nos fumegava nariz acima.

Podia não ser a versão pura, íntegra, sofrida nas peles envelhecidas dos navegadores desembarcados. Ainda assim, estávamos a cumprir o ritual e a viver o sonho do Faial, da Horta e do Peter’s.

A adicionar a tudo, o Café Sport tinha celebrado havia pouco tempo, um século e quatro gerações de vida, numa festa para que convidou toda a ilha do Faial.

Peters, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Perspectiva do Café Sport que revela a panóplia de itens náuticos que o decoram.

A História Já Secular do Peter Café Sport

Reza a história que Henrique Azevedo lhe abriu as portas, no dia de Natal de 1918 e ocupou um espaço de negócio antes ocupado por uma tal de loja de artesanato e bar Casa dos Açores.

Henrique Azevedo era um adepto fervoroso do desporto, praticante de futebol, de remo e de bilhar, entre outros. Surgiu, assim, como algo lógico que rebaptizasse o estabelecimento como Café Sport. Algum tempo depois, este nome ainda oficial foi suplantado por outro, o popularizado Peter’s.

Aconteceu assim porque o oficial chefe do serviço de munições e manutenção do navio “Lusitania II” da Marinha Real Britânica achou o jovem José Azevedo (filho de Henrique Azevedo) parecido com o seu próprio filho, Peter.

Peters, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

José Henrique Azevedo, o actual proprietário do Café Sport, também na data dos primeiros 100 anos do Peters.

À medida em que, na brincadeira, continuou a chamar José Azevedo de Peter, consolidou também o nome hoje mais badalado do bar em que restabelecíamos energias.

Terminamos as sopas de baleia. Chegam dois peixes boca negra grelhados, acompanhados de um prato dos melhores enchidos açorianos. Finda a sobremesa e novo gin, estávamos prontos para rebolar.

À conversa com José Henrique Azevedo, o actual proprietário, percebemos o quanto nos tínhamos aproximado do que é agora esperado de todo e qualquer visitante da da cidade: “Se velejares até à Horta e não visitares o Peter Café Sport, não vistes a Horta na realidade.”

A Descoberta Vespertina da Cidade da Horta

Satisfeitos pelo quase-cumprimento do desígnio, despedimo-nos e entregamo-nos de espírito renovado à cidade solarenga em redor.

Conduzimos até à Ponta da Espalamaca. Subimos ao miradouro da Nª Srª da Conceição. Encontramos uma Santa Conceição de três metros, no sopé de uma cruz com quase trinta.

Virgem Santa da Conceição, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Estátua da Virgem Santa da Conceição num miradouro homónimo nos arredores da cidade da Horta.

Daquele alto abençoado, temos a visão terrena da montanha suprema de Portugal com os povoados da ilha do Pico na sua base. Mas não só.

A atmosfera sobre o canal mantinha-se de tal maneira cristalina que nos concedia um vislumbre difuso das vizinhas mais distantes de São Jorge e da Graciosa.

Praia do Almoxarife, Canal a Meias com o Grande Pico

Descemos para a beira-mar da praia de Almoxarife, o areal que encerra a espécie de fatia de tarte em que se alonga a freguesia homónima, terra verdejante, povoada a partir de 1465 por um grupo de quinze flamengos.

Moinho vento, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Moinho de vento de provável inspiração flamenga, na encosta da Espalamaca.

Como tal, dotada de moinhos de vento com inspiração nos Países Baixos.

Hoje, os descendentes desses colonos remotos são crentes fervorosos no Divino Espírito Santo. É a razão porque, além do moinho empedrado-vermelho da Lomba da Conceição por ali constatamos também os edifícios-impérios prolíficos na ilha Terceira.

Negro, pejado de pedras basálticas arredondadas, submisso ao gigantesco Pico, o areal de Almoxarife volta a sublinhar a essência vulcânica do Faial que a faceta urbana da Horta por vezes nos fazia esquecer.

Praia do Almoxarife, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Banhistas usufruem do mar suave e da vista sobre o Pico, na Praia do Almoxarife.

Nós e os banhistas que se divertiam nas vagas clementes do canal, tínhamos o Pico por diante.

No extremo oposto do Faial, reinava o vulcão Mistério dos Capelinhos. Com um quarto da altitude do Pico e um nome algo ternurento, este vulcão revelou-se bem mais destrutivo para o Faial do que o Pico alguma vez se atreveu a ameaçar.

Mergulho atrás de mergulho, onda após onda, o sol depressa caiu para o ocidente ali oculto.

Desiludidos com a sombra em que nos abandonou, antecipamos o regresso à Horta.

Igreja Santíssimo Salvador. Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

A Igreja Matriz do Santíssimo Salvador, destacada acima do casario da Horta.

Genuíno Madruga e as Suas Prodigiosas Circum-Navegações

Voltamos a passar por Angústias. Em Angústias, encontramos Genuíno Madruga, outra das personalidades açorianas empreendedoras incontornáveis, nascido em Lajes do Pico mas desde criança radicado na Horta.

Genuíno recebe-nos no seu restaurante, com gentileza e paciência inesgotável para o tempo mais que contado em que andávamos.

Em 24 de Janeiro de 2008, Genuíno Madruga tornou-se o primeiro português – e o décimo velejador a nível internacional que, em solitário, conseguiu cruzar o tormentoso Cabo Horn do oceano Atlântico para o Pacífico. A acrescentar ao feito, cumpriu a travessia durante a segunda das suas navegações de volta ao mundo.

Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Barcos de pesca ancorados no porto da Horta, capital do Faial.

Sempre humilde, Genuíno como o só o baptismo lhe faz jus, Genuíno conta-nos como as suas vivências enquanto pescador e, sobretudo, os convívios posteriores com Marcel Bardieux – o primeiro navegador a cumprir a travessia em solitário – o inspiraram a também ele a perseguir o triunfo do amigo intrépido.

Essas suas experiências provaram-se de tal maneira recompensadoras que Genuíno mal disfarçava o prazer de connosco as partilhar, numa verbalização conveniente mas abreviada dos testemunhos que eternizou em “O Mundo que Eu Vi”, o livro da sua vida.

Uma obra para a história da Horta, do Faial e dos Açores.

Horta ao lusco-fusco, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Enseadas e casario da Horta coloridas pela iluminação artificial e pelo lusco-fusco.

Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Ilha Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.

Florianópolis, Brasil

O Legado Açoriano do Atlântico Sul

Durante o século XVIII, milhares de ilhéus portugueses perseguiram vidas melhores nos confins meridionais do Brasil. Nas povoações que fundaram, abundam os vestígios de afinidade com as origens.

Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Mykines, Ilhas Faroé

No Faroeste das Faroé

Mykines estabelece o limiar ocidental do arquipélago Faroé. Chegou a albergar 179 pessoas mas a dureza do retiro levou a melhor. Hoje, só lá resistem nove almas. Quando a visitamos, encontramos a ilha entregue aos seus mil ovinos e às colónias irrequietas de papagaios-do-mar.
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Safari
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
hacienda mucuyche, Iucatão, México, canal
Arquitectura & Design
Iucatão, México

Entre Haciendas e Cenotes, pela História do Iucatão

Em redor da capital Mérida, para cada velha hacienda henequenera colonial há pelo menos um cenote. Com frequência, coexistem e, como aconteceu com a semi-recuperada Hacienda Mucuyché, em duo, resultam nalguns dos lugares mais sublimes do sudeste mexicano.

lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Salto para a frente, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu
Cerimónias e Festividades
Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.
Victoria, capital, ilhas Seychelles, Mahé, Vida da Capital
Cidades
Victoria, Mahé, Seychelles

De “Estabelecimento” Francófono à Capital Crioula das Seychelles

Os franceses povoaram o seu “L’Établissement” com colonos europeus, africanos e indianos. Dois séculos depois, os rivais britânicos tomaram-lhes o arquipélago e rebaptizaram a cidade em honra da sua rainha Victoria. Quando a visitamos, a capital das Seychelles mantém-se tão multiétnica como diminuta.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Djerbahood, Erriadh, Djerba, Espelho
Cultura
Erriadh, Djerba, Tunísia

Uma Aldeia Feita Galeria de Arte Fugaz

Em 2014, uma povoação djerbiana milenar acolheu 250 pinturas murais realizadas por 150 artistas de 34 países. As paredes de cal, o sol intenso e os ventos carregados de areia do Saara erodem as obras de arte. A metamorfose de Erriadh em Djerbahood renova-se e continua a deslumbrar.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Verão Escarlate
Em Viagem

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Conversa entre fotocópias, Inari, Parlamento Babel da Nação Sami Lapónia, Finlândia
Étnico
Inari, Finlândia

O Parlamento Babel da Nação Sami

A Nação sami integra quatro países, que ingerem nas vidas dos seus povos. No parlamento de Inari, em vários dialectos, os sami governam-se como podem.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

Ulugh Beg, Astrónomo, Samarcanda, Uzbequistão, Um matrimónio espacial
História
Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua.
Camiguin, Filipinas, manguezal de Katungan.
Ilhas
Camiguin, Filipinas

Uma Ilha de Fogo Rendida à Água

Com mais de vinte cones acima dos 100 metros, a abrupta e luxuriante, Camiguin tem a maior concentração de vulcões que qualquer outra das 7641 ilhas filipinas ou do planeta. Mas, nos últimos tempos, nem o facto de um destes vulcões estar activo tem perturbado a paz da sua vida rural, piscatória e, para gáudio dos forasteiros, fortemente balnear.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Natureza
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Cahuita, Costa Rica, Caribe, praia
Parques Naturais
Cahuita, Costa Rica

Um Regresso Adulto a Cahuita

Durante um périplo mochileiro pela Costa Rica, de 2003, deliciamo-nos com o aconchego caribenho de Cahuita. Em 2021, decorridos 18 anos, voltamos. Além de uma esperada, mas comedida modernização e hispanização do pueblo, pouco mais tinha mudado.
Cilaos, ilha da Reunião, Casario Piton des Neiges
Património Mundial UNESCO
Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Soufrière e Pitons, Saint Luci
Praias
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Religião
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre Carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Creel, Chihuahua, Carlos Venzor, coleccionador, museu
Sociedade
Chihuahua a Creel, Chihuahua, México

A Caminho de Creel

Com Chihuahua para trás, apontamos a sudoeste e a terras ainda mais elevadas do norte mexicano. Junto a Ciudad Cuauhtémoc, visitamos um ancião menonita. Em redor de Creel, convivemos, pela primeira vez, com a comunidade indígena Rarámuri da Serra de Tarahumara.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Pesca, Caño Negro, Costa Rica
Vida Selvagem
Caño Negro, Costa Rica

Uma Vida à Pesca entre a Vida Selvagem

Uma das zonas húmidas mais importantes da Costa Rica e do Mundo, Caño Negro deslumbra pelo seu ecossistema exuberante. Não só. Remota, isolada por rios, pântanos e estradas sofríveis, os seus habitantes encontraram na pesca um meio embarcado de fortalecerem os laços da sua comunidade.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
PT EN ES FR DE IT