Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico


Santíssimo Salvador
A Igreja Matriz do Santíssimo Salvador, destacada acima do casario da Horta.
Horta. Vista do Monte da Guia
Vista da cidade da Horta para lá da enseada do Porto Pim. A partir do Monte da Guia.
Pinturas murais do porto
Secção de pinturas murais da Marina da Horta.
Praia do Almoxarife
Banhistas usufruem do mar suave e da vista sobre o Pico, na Praia do Almoxarife.
Interior do Peter Café Sport
Clientes convivem no interior acolhedor do Café Sport da Horta.
Santa Conceição
Estátua da Virgem Santa da Conceição num miradouro homónimo nos arredores da cidade da Horta.
Pinturas Náuticas Expo
Pinturas murais estendidas num molhe da Marina da Horta, com o Pico em fundo.
De volta ao Faial
Ferry que cumpre a ligação Faial - Pico aproxima-se do Faial.
Ancoradouro
Barcos de pesca ancorados no porto da Horta, capital do Faial.
Peter Café Sport
Visitantes da Horta passam em frente ao Café Sport, mais conhecido por Peters
Casario Horta
Secção pitoresca do casario maioritariamente alvo da cidade da Horta.
Porto Pim
Areal exposto pela maré vazia em frente à Travessa do Porto Pim.
Moinho vento
Moinho de vento de provável inspiração flamenga, na encosta da Espalamaca.
Sol de Porto Pim
Banhista apanha sol na praia de areia vulcânica de Porto Pim.
Bandeirolas & Estandartes
Perspectiva do Café Sport que revela a panóplia de itens náuticos que o decoram.
Vaca. E o Canal do Faial
Vaca destacada no panorama do Monte da Conceição, com o Canal do Faial e a montanha do Pico em fundo.
Casario da Horta
Zona de Angústias em primeiro plano no casario da cidade da Horta.
“Peter”
José Henrique Azevedo, o actual proprietário do Café Sport, também na data dos primeiros 100 anos do Peters.
Quase noite na Horta
Enseadas e casario da Horta coloridas pela iluminação artificial e pelo lusco-fusco.
Veleiros Mil
Veleiros ancorados no porto e marina da Horta, um dos procurados pelos veleiros que atravessam o Atlântico.
A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.

O tempo está óptimo no canal. Como se mantém sobre todo o triângulo desajeitado do Atlântico de que o Faial faz de vértice ocidental.

Quando chegamos ao cimo do Monte da Guia, percebemos, em todas as suas formas e cores, que a geologia jovem dos Açores tinha prendado a Horta a dobrar.

Espraiada à nossa frente, de um gradiente de um azul-marinho quase escuro, até ao verde-esmeralda da beira-mar, a água da baía afagava os lares da Horta e refrescava o areal cinza da praia de Porto Pim.

Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Vista da cidade da Horta para lá da enseada do Porto Pim. A partir do Monte da Guia.

O Fascínio Filipino e a História Baleeira do Faial

O fascínio pela calheta suave e o desejo de nela ancorar vem de há muito. O povoamento do Faial teve início no século XV. Dois séculos depois, D. Filipe II, filho da Imperatriz Isabel, neto de D. Manuel I, o Filipe espanhol que amava mais Portugal que Espanha, ditou que se construísse ali um porto, para que lá pudesse desembarcar.

Mais tarde, os pescadores aproveitaram a iniciativa real. Assim o fez também a pesca baleeira que, entretanto, chegou ao arquipélago e que justificou a operação de uma Fábrica da Baleia local, hoje ocupada pelo Observatório do Mar dos Açores.

Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Areal exposto pela maré vazia em frente à Travessa do Porto Pim.

Por mais condições dadas ao Faial, a pesca, fosse qual fosse, no âmago do Atlântico sem fim, provou-se tudo menos um mar de rosas. Por alguma razão, a freguesia em que se situa essa velha fábrica baleeira ostenta o nome que tem: Angústias.

Não bastasse o encanto e a tranquilidade da enseada de Porto Pim, do lá do istmo elevado que lhe servia de biombo, uma outra calheta banhava a Horta. Víamo-la recortada como que a reclamar uma acoplagem à extremidade oeste da vizinha ilha do Pico, a ponta da Criação Velha e da Madalena.

Apreciamo-la, arredondada e polida pelos milénios. Alongada no anfiteatro natural em que a cidade disputou uma primeira fila à altura da montanha-vulcão se projecta do lado de lá do canal para os céus.

O Refúgio Atlântico da Horta (e sua Marina)

Meia-hora de contemplação depois, regressamos às ruelas da Horta. À marginal em que a ilha celebra a Liberdade e à marina desafogada que impôs ao canal.

A Marina da Horta é o porto de recreio mais antigo dos Açores, a quarta marina mais frequentada dos sete mares. Lá ancoram, todos os anos, em redor de mil e duzentas embarcações.

Veleiros na Marina da Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Veleiros ancorados no porto e marina da Horta, um dos procurados pelos veleiros que atravessam o Atlântico.

Por conta dessa antiguidade e da posição providencial no oceano bravio e no arquipélago – uma posição que protege os barcos dos ventos, venham eles de onde vierem – os navegadores têm-na quase como mítica.

Que outra explicação poderia ter a profusão garrida de pinturas murais com que os timoneiros e tripulação dos iates e veleiros continuam humanizar os paredões e corredores de betão em que se viram em segurança, nos braços de um já saudoso bem-estar.

Pinturas murais, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Pinturas murais estendidas num molhe da Marina da Horta, com o Pico em fundo.

Só os navegadores conhecerão a plenitude desse sentimento mas, fruto da modernidade e da globalização que há muito andam de mão dada quem, como nós, se limita a aterrar no Faial, beneficia de uma forma algo parasita da sensualidade náutica destes confins.

Ditou a história e a sensibilidade da família fundadora que o magnetismo do Faial e da Horta gire em redor de um café-restaurante. Um café-restaurante de tal maneira famoso que repetir-lhe o nome nos soa a desperdício.

Satisfeitos com o já longo estudo fotográfico dos murais e com uma sede súbita a afectar-nos o julgamento, invertemos o rumo da caminhada.

Casario, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Secção pitoresca do casario maioritariamente alvo da cidade da Horta.

Apontamos à Praça Infante Dom Henrique em que, por norma, se inaugura o acolhimento dos navegadores.

Meras dezenas de passos depois, damos com a entrada simples mas elegante do Café Sport, impingida à fachada do casario como um pequeno baleeiro em terra.

Não só em terra.

Peter Café Sport: um Monumento ao Encontro Atlântico dos Navegadores

Sobre uma calçada portuguesa, açoriana e dos mares. Ali, um letreiro de madeira envernizada surge entre duas baleias brancas que nos pareciam sorrir.

Peter Café Sport, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Visitantes da Horta passam em frente ao Café Sport, mais conhecido por Peters

Do exterior batido pelo sol, o âmago do Peter’s pouco passava de um breu intrigante. Quando entramos, desvendamos o mundo lúdico-náutico, orgânico e harmonioso que confirmava a notoriedade planetária do estabelecimento.

Em volta, as paredes e o tecto surgiam forradas de bandeiras, estandartes, fotografias históricas, cartas, mapas, autocolantes e tantos outros apetrechos internacionais da navegação.

Dois balcões de madeira, subsumidos nesta parafernália colorida e que confrontavam as auras de luz moldadas pelas portas e janelas serviam de ponte de comando de todas as manobras.

Peters, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Clientes convivem no interior acolhedor do Café Sport da Horta.

Ao fundo, à esquerda de quem entra, um senhor de cabelo e bigode brancos operava uma pequena loja no caminho para o museu de Scrimshaw acima, um museu repleto de peças de arte esculpidas em osso e dente de baleia, de tal maneira que é considerado o museu deste género mais bem apetrechado.

Ao fundo, à direita, o bar e boca de saída do restaurante, fonte inesgotável de prazer na forma de cervejas geladas e dos badalados gin tonics da casa que fidelizaram os melhores clientes dos tempos pioneiros, os britânicos. Fonte ainda de um menu prodigioso de especialidades faialenses.

Sopa de Baleia, Boca Grande e o Famoso Gin do Peter’s

Sentamo-nos numa mesa de madeira de recanto que nos dava vista privilegiada para as restantes. Dali, bolinamos no ambiente jovem, quase adolescente e cosmopolita da sala.

Saboreamos o gin como se já tivéssemos nascido apreciadores da bebida. Até que nos servem sopas de baleia e nos vemos forçados a reorientar os sentidos da efervescência refrescante do G&T para a consistência gastronómica que nos fumegava nariz acima.

Podia não ser a versão pura, íntegra, sofrida nas peles envelhecidas dos navegadores desembarcados. Ainda assim, estávamos a cumprir o ritual e a viver o sonho do Faial, da Horta e do Peter’s.

A adicionar a tudo, o Café Sport tinha celebrado havia pouco tempo, um século e quatro gerações de vida, numa festa para que convidou toda a ilha do Faial.

Peters, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Perspectiva do Café Sport que revela a panóplia de itens náuticos que o decoram.

A História Já Secular do Peter Café Sport

Reza a história que Henrique Azevedo lhe abriu as portas, no dia de Natal de 1918 e ocupou um espaço de negócio antes ocupado por uma tal de loja de artesanato e bar Casa dos Açores.

Henrique Azevedo era um adepto fervoroso do desporto, praticante de futebol, de remo e de bilhar, entre outros. Surgiu, assim, como algo lógico que rebaptizasse o estabelecimento como Café Sport. Algum tempo depois, este nome ainda oficial foi suplantado por outro, o popularizado Peter’s.

Aconteceu assim porque o oficial chefe do serviço de munições e manutenção do navio “Lusitania II” da Marinha Real Britânica achou o jovem José Azevedo (filho de Henrique Azevedo) parecido com o seu próprio filho, Peter.

Peters, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

José Henrique Azevedo, o actual proprietário do Café Sport, também na data dos primeiros 100 anos do Peters.

À medida em que, na brincadeira, continuou a chamar José Azevedo de Peter, consolidou também o nome hoje mais badalado do bar em que restabelecíamos energias.

Terminamos as sopas de baleia. Chegam dois peixes boca negra grelhados, acompanhados de um prato dos melhores enchidos açorianos. Finda a sobremesa e novo gin, estávamos prontos para rebolar.

À conversa com José Henrique Azevedo, o actual proprietário, percebemos o quanto nos tínhamos aproximado do que é agora esperado de todo e qualquer visitante da da cidade: “Se velejares até à Horta e não visitares o Peter Café Sport, não vistes a Horta na realidade.”

A Descoberta Vespertina da Cidade da Horta

Satisfeitos pelo quase-cumprimento do desígnio, despedimo-nos e entregamo-nos de espírito renovado à cidade solarenga em redor.

Conduzimos até à Ponta da Espalamaca. Subimos ao miradouro da Nª Srª da Conceição. Encontramos uma Santa Conceição de três metros, no sopé de uma cruz com quase trinta.

Virgem Santa da Conceição, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Estátua da Virgem Santa da Conceição num miradouro homónimo nos arredores da cidade da Horta.

Daquele alto abençoado, temos a visão terrena da montanha suprema de Portugal com os povoados da ilha do Pico na sua base. Mas não só.

A atmosfera sobre o canal mantinha-se de tal maneira cristalina que nos concedia um vislumbre difuso das vizinhas mais distantes de São Jorge e da Graciosa.

Praia do Almoxarife, Canal a Meias com o Grande Pico

Descemos para a beira-mar da praia de Almoxarife, o areal que encerra a espécie de fatia de tarte em que se alonga a freguesia homónima, terra verdejante, povoada a partir de 1465 por um grupo de quinze flamengos.

Moinho vento, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Moinho de vento de provável inspiração flamenga, na encosta da Espalamaca.

Como tal, dotada de moinhos de vento com inspiração nos Países Baixos.

Hoje, os descendentes desses colonos remotos são crentes fervorosos no Divino Espírito Santo. É a razão porque, além do moinho empedrado-vermelho da Lomba da Conceição por ali constatamos também os edifícios-impérios prolíficos na ilha Terceira.

Negro, pejado de pedras basálticas arredondadas, submisso ao gigantesco Pico, o areal de Almoxarife volta a sublinhar a essência vulcânica do Faial que a faceta urbana da Horta por vezes nos fazia esquecer.

Praia do Almoxarife, Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Banhistas usufruem do mar suave e da vista sobre o Pico, na Praia do Almoxarife.

Nós e os banhistas que se divertiam nas vagas clementes do canal, tínhamos o Pico por diante.

No extremo oposto do Faial, reinava o vulcão Mistério dos Capelinhos. Com um quarto da altitude do Pico e um nome algo ternurento, este vulcão revelou-se bem mais destrutivo para o Faial do que o Pico alguma vez se atreveu a ameaçar.

Mergulho atrás de mergulho, onda após onda, o sol depressa caiu para o ocidente ali oculto.

Desiludidos com a sombra em que nos abandonou, antecipamos o regresso à Horta.

Igreja Santíssimo Salvador. Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

A Igreja Matriz do Santíssimo Salvador, destacada acima do casario da Horta.

Genuíno Madruga e as Suas Prodigiosas Circum-Navegações

Voltamos a passar por Angústias. Em Angústias, encontramos Genuíno Madruga, outra das personalidades açorianas empreendedoras incontornáveis, nascido em Lajes do Pico mas desde criança radicado na Horta.

Genuíno recebe-nos no seu restaurante, com gentileza e paciência inesgotável para o tempo mais que contado em que andávamos.

Em 24 de Janeiro de 2008, Genuíno Madruga tornou-se o primeiro português – e o décimo velejador a nível internacional que, em solitário, conseguiu cruzar o tormentoso Cabo Horn do oceano Atlântico para o Pacífico. A acrescentar ao feito, cumpriu a travessia durante a segunda das suas navegações de volta ao mundo.

Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Barcos de pesca ancorados no porto da Horta, capital do Faial.

Sempre humilde, Genuíno como o só o baptismo lhe faz jus, Genuíno conta-nos como as suas vivências enquanto pescador e, sobretudo, os convívios posteriores com Marcel Bardieux – o primeiro navegador a cumprir a travessia em solitário – o inspiraram a também ele a perseguir o triunfo do amigo intrépido.

Essas suas experiências provaram-se de tal maneira recompensadoras que Genuíno mal disfarçava o prazer de connosco as partilhar, numa verbalização conveniente mas abreviada dos testemunhos que eternizou em “O Mundo que Eu Vi”, o livro da sua vida.

Uma obra para a história da Horta, do Faial e dos Açores.

Horta ao lusco-fusco, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico

Enseadas e casario da Horta coloridas pela iluminação artificial e pelo lusco-fusco.

Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Ilha da Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.

Florianópolis, Brasil

O Legado Açoriano do Atlântico Sul

Durante o século XVIII, milhares de ilhéus portugueses perseguiram vidas melhores nos confins meridionais do Brasil. Nas povoações que fundaram, abundam os vestígios de afinidade com as origens.

Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Mykines, Ilhas Faroé

No Faroeste das Faroé

Mykines estabelece o limiar ocidental do arquipélago Faroé. Chegou a albergar 179 pessoas mas a dureza do retiro levou a melhor. Hoje, só lá resistem nove almas. Quando a visitamos, encontramos a ilha entregue aos seus mil ovinos e às colónias irrequietas de papagaios-do-mar.
Gravuras, Templo Karnak, Luxor, Egipto
Arquitectura & Design
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou o Templo de Karnak e a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Danca dragao, Moon Festival, Chinatown-Sao Francisco-Estados Unidos da America
Cerimónias e Festividades
São Francisco, E.U.A.

Com a Cabeça na Lua

Chega a Setembro e os chineses de todo o mundo celebram as colheitas, a abundância e a união. A enorme sino-comunidade de São Francisco entrega-se de corpo e alma ao maior Festival da Lua californiano.
praca registao, rota da seda, samarcanda, uzbequistao
Cidades
Samarcanda, Uzbequistão

Um Legado Monumental da Rota da Seda

Em Samarcanda, o algodão é agora o bem mais transaccionado e os Ladas e Chevrolets substituíram os camelos. Hoje, em vez de caravanas, Marco Polo iria encontrar os piores condutores do Uzbequistão.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Espectáculo Impressions Lijiang, Yangshuo, China, Entusiasmo Vermelho
Cultura
Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
A Toy Train story
Em Viagem
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Cowboys basotho, Malealea, Lesoto
Étnico
Malealea, Lesoto

A Vida no Reino Africano dos Céus

O Lesoto é o único estado independente situado na íntegra acima dos mil metros. Também é um dos países no fundo do ranking mundial de desenvolvimento humano. O seu povo altivo resiste à modernidade e a todas as adversidades no cimo da Terra grandioso mas inóspito que lhe calhou.
luz solar fotografia, sol, luzes
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Kolmanskop, Deserto do Namibe, Namíbia
História
Kolmanskop, Namíbia

Gerada pelos Diamantes do Namibe, Abandonada às suas Areias

Foi a descoberta de um campo diamantífero farto, em 1908, que originou a fundação e a opulência surreal de Kolmanskop. Menos de 50 anos depois, as pedras preciosas esgotaram-se. Os habitantes deixaram a povoação ao deserto.
barco colorido, ilhas gili, indonesia
Ilhas
Ilhas Gili, Indonésia

Gili: as Ilhas da Indonésia que o Mundo Trata por “Ilhas”

São tão humildes que ficaram conhecidas pelo termo bahasa que significa apenas ilhas. Apesar de discretas, as Gili tornaram-se o refúgio predilecto dos viajantes que passam por Lombok ou Bali.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Inverno Branco
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Natureza
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Parques Naturais
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Avestruz, Cabo Boa Esperança, África do Sul
Património Mundial UNESCO
Cabo da Boa Esperança - Cape of Good Hope NP, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.
Verificação da correspondência
Personagens
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Montezuma e Malpaís, melhores praias da Costa Rica, Catarata
Praias
Montezuma, Costa Rica

De Volta aos Braços Tropicais de Montezuma

Passaram 18 anos desde que nos deslumbrámos com este que é um dos litorais abençoados da Costa Rica. Há apenas dois meses, reencontrámo-lo. Tão aconchegante como o  tínhamos conhecido.
Glamour vs Fé
Religião
Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a votaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Mahu, Terceiro Sexo da Polinesia, Papeete, Taiti
Sociedade
Papeete, Polinésia Francesa

O Terceiro Sexo do Taiti

Herdeiros da cultura ancestral da Polinésia, os mahu preservam um papel incomum na sociedade. Perdidos algures entre os dois géneros, estes homens-mulher continuam a lutar pelo sentido das suas vidas.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Geisers El Tatio, Atacama, Chile, Entre o gelo e o calor
Vida Selvagem
El Tatio, Chile

Géiseres El Tatio – Entre o Gelo e o Calor do Atacama

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio, no Deserto de Atacama surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4200 m de altitude. Os seus géiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.