Florianópolis, Brasil

O Legado Açoriano do Atlântico Sul


A inevitável pesca
Pescadores percorrem o mar mais tranquilo entre a costa oeste da Ilha de Santa Catarina e o Brasil continental.
Açores Longe dos Açores
Vacas num ervado próximo da Praia do Matadeiro, um dos locais usados para finalizar a caça à baleia que proliferou no século XVIII.
Uma expressão de vida
Um dos pescadores mais experientes de Armação vestido para o ofício, na praia de Matadeiro.
Santo António de Lisboa
Ciclista percorre um rua tradicional de Santo António de Lisboa, uma freguesia da Ilha de Santa Catarina também ela povoada por descendentes de açorianos.
Azáfama piscatória
Pescadores preparam barcos para mais uma saída para o oceano Atlântico bravio em frente à Barra da Lagoa.
Artesanato açoriano
Mulher trabalha numa renda de bilro, uma técnica de produzir renda trazida dos Açores pelas primeiras emigrantes.
O velho mercado
Fachada peculiar do Mercado Público Municipal de Florianópolis, no coração histórico da cidade.
À Linha
Outra forma de pesca, a partir de uma plataforma rochosa sobre o oceano Atlântico, junto à Praia do Matadeiro.
Recolha esforçada
Pescador puxa o seu barco areal acima, após mais uma jornada no mar bravio da costa leste da Ilha de Santa Catarina.
4fe3a4ba-0a82-413b-a522-7ef36efa08dc
Cimo do forte de Santo António
Defesa de Pedra
Cimo do forte de Santo António, uma das fortalezas erguidas pela Coroa portuguesa para assegurar o domínio da Ilha de Santa Catarina e do mar em redor.
Um ofício alternativo
Criador de ostras nascido na ilha da Madeira trabalha nos seus engenhos, junto a Sambaqui. Alguns madeirenses também chegaram à ilha na emigração essencialmente açoriana.
Num grande cenário
Casal descontrai numa reentrância da costa leste do sul da Ilha de Santa Catarina, com vista para o litoral privilegiado da Praia do Matadeiro.

Durante o século XVIII, milhares de ilhéus portugueses perseguiram vidas melhores nos confins meridionais do Brasil. Nas povoações que fundaram, abundam os vestígios de afinidade com as origens.

A vista a partir do cimo do Morro da Cruz não era a ideal para alimentarmos o imaginário histórico-lusitano daquelas paragens. Para oeste, espraiava-se o casario triangular formado pelos prédios de Floripa com uma interrupção marítima estreita para a sua extensão no continente sul-americano.

A expressão arquitectónica da nova prosperidade da ilha encobria por completo a herança urbana dos colonizadores portugueses que a começaram a viabilizar, pelo que não tardámos a regressar ao coração ribeirinho da capital.

Ainda é cedo e falta ao velho mercado municipal readaptado a proliferação musical e de gente que o anima a partir do meio da tarde. A maior parte dos negócios já estavam ou a abrir ou já abertos e essa constatação, só por si, compensava qualquer lacuna. Tínhamos acordado com as galinhas e a caminhada íngreme no derradeiro percurso para as alturas panorâmicas do antes chamado Pau da Bandeira, quando servia de semáforo para avisar da entrada de embarcações nas imediações da ilha, deixou-nos a precisar de um segundo pequeno-almoço. Foi, assim, com enorme agrado, que encontramos um boteco especializado em frutas, seus sucos e afins.

Numa viagem anterior pelo sul do Brasil tínhamo-nos já familiarizado com a maravilha nutritiva e gustativa das tijelas de açaí. As moças do estabelecimento diminuto ainda tratavam de limpezas mas não nos recusaram a confecção da delícia. Enquanto o faziam, falámos de tudo um pouco, incluindo dos familiares que tinham por terras patrícias. Nem sempre a comunicação fluiu como desejávamos. “Oi ?” atiravam-nos de cada vez que acelerávamos mais o português original. Tantos foram os “ois” que decidimos voltar a recorrer ao sotaque brasileiro genérico, estratégia sempre útil quando, de visita ao Brasil, se tem pouco tempo a perder.

Hoje, belo, amarelo e branco, o Mercado Público Municipal em que ambas trabalhavam funciona no mesmo edifício peculiar construído pelo governo da capitania de Santa Catarina, em 1899, para acolher vendedores e compradores remediados da ilha e redondezas que haviam sido removidos do lugar em que habitualmente comerciavam. O magnânimo soberano brasileiro Dom Pedro II estava prestes a visitar a povoação na companhia do Bispo do Rio de Janeiro e havia que higienizar e aperaltar o centro urbano. O monarca acabou por ficar um mês e concedeu farto beija-mão.

Por essa altura, a cidade chamava-se ainda Desterro (de Nª Senhora do Desterro). Os moradores abominavam a semântica de exílio que dela provinha. Em pleno processo de rebaptismo, a hipótese Ondina foi descartada. No final da revolução federalista, em homenagem ao segundo Presidente brasileiro, Floriano Peixoto, o governador Hercílio Luz fez valer Florianópolis.

Antes de Desterro e de Florianópolis, esteve em vigor por muito tempo Santa Catarina, o nome dado à povoação pelo fundador Francisco Dias Velho por lá ter chegado no dia da santa. Encarregue pela Coroa de uma bandeira colonizadora do sul do Brasil, Dias Velho instalou-se na ilha com a esposa, três filhas, dois filhos, dois padres jesuítas e uns quinhentos índios semi-convertidos. Mandou erguer uma capela que deu origem à Catedral Metropolitana actual e uma série de habitações. Pouco depois, solicitou a posse daquelas terras e a sua colonização. Interessava-nos sobremaneira o povoamento que se seguiu. Não tardámos a sair à procura dos seus vestígios.

A conversa estava tão boa como o açaí mas a Ilha de Santa Catarina não era propriamente pequena. De acordo, conduzimos directos para a praia da Armação, um dos seus recantos mais genuínos, situado no sudeste, entre uma tal de Lagoa do Peri e o oceano.

Ali, damos com um litoral verdejante e grandioso limitado por morros ora cobertos de Mata Atlântica desbastada ora por grama rasa. Vacas que poderíamos jurar serem, no mínimo, parentes das arouquesas aparavam a erva natural. Para diante, um casal de tarambolas coroadas enfurece-se por invadirmos o seu território e expulsa-nos com um dueto de avisos estridentes e voos rasados.

Ainda são oito da manhã. Na enseada contígua, dois barcos de pescadores aportam. Os homens saltam para o areal, empurram os barcos praia acima e descarregam as redes. Rodrigo César, membro do projecto ecologista TAMAR, já os esperava. Não tarda a detectar uma tartaruga  enrodilhada. Com a licença dos pescadores, remove-a, anilha-a, retira amostras da carapaça para análise e devolve-a ao oceano.

Metemos conversa com os homens da faina a ver se algum se atrevia a falar das origens daquelas povoações tão remotas. Mesmo atarefado, um deles, de cabelo e barba branca, peso da responsabilidade a condizer, resume-nos a história o mais que consegue: ”isso daqui foi tudo açoriano. Vieram para cá às centenas já faz muito tempo. Acharam esses lugares bons para caçar baleia e por cá ficaram. O “matadeiro” (deturpação popular de Saco do Matadouro) era aqui mesmo e essa praia ficava toda vermelha. A armação era logo ali ao lado. Tinha várias cá em Santa Catarina… parece que também havia no Rio e em São Paulo.”

Devido à necessidade de consolidar a posse da Colónia de Sacramento,  isolada no limite do território do sul do Brasil (hoje Uruguai), D. João V aprovou a construção de fortalezas na Ilha de Santa Catarina e o seu reforço militar. Também eram precisos habitantes. Como tal, a Coroa concedeu incentivos aos açorianos e madeirenses que se prestassem a emigrar. A partir de meados do século XVIII, mais de 6000 aceitaram mudar-se para o Atlântico Sul. Predominaram os açorianos, escolhidos com critério de virtudes morais e físicas, aos casais. Mais tarde, seriam, aliás, tratados por Casais.

Viveram da agricultura e da produção de algodão e de linho e também da caça à baleia que só trouxe proveitos até à viragem para 1800, ano em que a Coroa extinguiu o seu monopólio de extracção de óleo. Por essa altura, a ilha já tinha 24.000 habitantes livres (quase 75% de origem açoriana) e mais de 5000 escravos, à época, uma prova inequívoca de prosperidade.

Quanto mais explorávamos, mais lugares com história açoriana encontrávamos, como a Praia dos Naufragados, na ponta meridional da ilha que tem o nome que tem porque, em 1751, uma galera com 250 casais já instalados naufragou ao contornar a Barra Sul e quase todos ali deram à costa. A tragédia inviabilizou o plano de fundarem aquela que é hoje Porto Alegre.

Espreitamos esta extremidade batida por um mar temível e invertemos para norte, desta feita pelo litoral virado ao Brasil continental. “Não vão por essa estrada” avisa-nos uma residente. “Tá muito má e às vezes tem bandidos escondidos nos arbustos!”. Já era tarde demais. O conselho obrigou-nos a fazer o carro voar baixinho sobre os buracos. Aproveitamos o balanço e vamos até Santo António de Lisboa e Sambaqui, duas outras povoações fulcrais na ligação com Açores.

A primeira tornou-se muito cedo posto de Alfândega e recebeu colonizadores de várias das ilhas do arquipélago. Lá encontramos outros estabelecimentos que honram a génese açoriana, mais pescadores que esticam enormes fios de redes e senhoras que trabalham nas suas, de bilros, arte que viajou com as tetravós e pentavós de São Miguel, da Terceira, do Faial e por aí fora.

Em Sambaqui, investigamos grandes viveiros de ostras. Ao passarmos por barracos de armazenamento, um trabalhador solitário apanha-nos a pinta. “Bom, vocês com essa pronúncia só podem ser portugueses, né ?” provoca-nos.  “Eu também sou. Nasci na Madeira mas os meus pais vieram para cá ainda eu era bem pequeno. Ando a ver se acabo o curso superior de Agronomia com especialização disto das ostras para voltar para lá. Estagiei em França, em viveiros em frente ao Forte Boyard. Fala-se muito da qualidade vida de Floripa mas isto aqui, como em todo o Brasil, está é uma miséria. Esses políticos só roubam e protegem os seus.” Com este exemplo tardio, confirmámos a extensão da emigração pelo século XX adentro e a presença solidária dos madeirenses entre os açorianos.

Não ficámos por aí. Ainda espreitámos a Barra da Lagoa, um porto de pesca posicionado no fim do canal que liga a enorme Lagoa da Conceição ao mar. Foi esta uma das povoações criadas após a Galera Jesus, Maria e José ter atracado na ilha de Santa Catarina com o primeiro lote de emigrantes. Quando lá chegamos, pescadores jovens preparam barcos coloridos para saírem para o mar. Dois deles, têm pintado o mesmo baptismo sequencial e familiar: Sílvio da Costa II e III. Ao lado, duas bandeiras brasileiras deixam bem claro o destino a que se entregaram aquela e tantas outras famílias de Casais.

Passo do Lontra, Miranda, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.
Curitiba, Brasil

A Vida Elevada de Curitiba

Não é só a altitude de quase 1000 metros a que a cidade se situa. Cosmopolita e multicultural, a capital paranaense tem uma qualidade de vida e rating de desenvolvimento humano que a tornam um caso à parte no Brasil.
Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.
Ilhabela, Brasil

Ilhabela: Depois do Horror, a Beleza Atlântica

Nocenta por cento de Mata Atlântica preservada, cachoeiras idílicas e praias gentis e selvagens fazem-lhe jus ao nome. Mas, se recuarmos no tempo, também desvendamos a faceta histórica horrífica de Ilhabela.
Ilhabela, Brasil

Em Ilhabela, a Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das dez melhores praias do Brasil.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
Jardin Escultórico, Edward James, Xilitla, Huasteca Potosina, San Luis Potosi, México, Cobra dos Pecados
Arquitectura & Design
Xilitla, San Luís Potosi, México

O Delírio Mexicano de Edward James

Na floresta tropical de Xilitla, a mente inquieta do poeta Edward James fez geminar um jardim-lar excêntrico. Hoje, Xilitla é louvada como um Éden do surreal.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Celebração newar, Bhaktapur, Nepal
Cerimónias e Festividades
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Palácio Gyeongbokgung, Seul, Viagem Coreia, Manobras a cores
Cidades
Seul, Coreia do Sul

Um Vislumbre da Coreia Medieval

O Palácio de Gyeongbokgung resiste protegido por guardiães em trajes sedosos. Em conjunto, formam um símbolo da identidade sul-coreana. Sem o esperarmos, acabamos por nos ver na era imperial destas paragens asiáticas.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Cultura
Lhasa, Tibete

Quando o Budismo se Cansa da Meditação

Nem só com silêncio e retiro espiritual se procura o Nirvana. No Mosteiro de Sera, os jovens monges aperfeiçoam o seu saber budista com acesos confrontos dialécticos e bateres de palmas crepitantes.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
jet lag evitar voo, jetlag, turbulência
Em Viagem
Jet Lag (Parte 1)

Evite a Turbulência do Pós Voo

Quando voamos através de mais que 3 fusos horários, o relógio interno que regula o nosso organismo confunde-se. O máximo que podemos fazer é aliviar o mal-estar que sentimos até se voltar a acertar.
Cobá, viagem às Ruínas Maias, Pac Chen, Maias de agora
Étnico
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

Torshavn, Ilhas Faroe, remo
História
Tórshavn, Ilhas Faroé

O Porto Faroês de Thor

É a principal povoação das ilhas Faroé desde, pelo menos, 850 d.C., ano em que os colonos viquingues lá estabeleceram um parlamento. Tórshavn mantém-se uma das capitais mais diminutas da Europa e o abrigo divinal de cerca de um terço da população faroense.
Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico
Ilhas
Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico

A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
bangka, lago kayangan, coron, busuanga, filipinas
Natureza
Coron, Busuanga, Filipinas

A Armada Japonesa Secreta mas Pouco

Na 2ª Guerra Mundial, uma frota nipónica falhou em ocultar-se ao largo de Busuanga e foi afundada pelos aviões norte-americanos. Hoje, os seus destroços subaquáticos atraem milhares de mergulhadores.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
República Dominicana, Praia Bahia de Las Águilas, Pedernales. Parque Nacional Jaragua, Praia
Parques Naturais
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Submarino Vesikko, Suomenlinna, Helsínquia, Finlândia
Património Mundial UNESCO
Helsínquia, Finlândia

A Fortaleza em Tempos Sueca da Finlândia

Destacada num pequeno arquipélago à entrada de Helsínquia, Suomenlinna foi erguida por desígnios político-militares do reino sueco. Durante mais de um século, a Rússia deteve-a. Desde 1917, que o povo suómi a venera como o bastião histórico da sua espinhosa independência.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Mangal entre Ibo e ilha Quirimba-Moçambique
Praias
Ilha do Ibo a Ilha QuirimbaMoçambique

Ibo a Quirimba ao Sabor da Maré

Há séculos que os nativos viajam mangal adentro e afora entre a ilha do Ibo e a de Quirimba, no tempo que lhes concede a ida-e-volta avassaladora do oceano Índico. À descoberta da região, intrigados pela excentricidade do percurso, seguimos-lhe os passos anfíbios.
Teleférico de Sanahin, Arménia
Religião
Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre Carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Sociedade
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Maria Jacarés, Pantanal Brasil
Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
EN FR PT ES