Plymouth, Montserrat

Das Cinzas às Cinzas


Piscina dos Air Studios
A piscina dos Air Studios de Montserrat, em tempos frequentada por algumas das bandas e artistas do mundo.
Piscina feita Pântano
Vegetação apodera-se da piscina cheia de água das chuvas e de lodo dos Air Studios de Montserrat.
O Abrigo Possível
Vigia da Zona de Exclusão do vulcão Soufrière Hills.
O vulcão-chaminé Soufrière
Vulcão Soufrière Hills liberta grandes quantidades de fumos tóxicos.
Igreja de Saint Anthony
Interior de uma das maiores e mais importantes igrejas da cidade abandonada de Plymouth.
Coqueiro Resiliente
Coqueiro eleva-se acima da St. George Hill e, aparentemente, acima do vulcão Soufrière Hills.
Caminho para o Vulcão
Guia Jermaine aproxima-se do cimo da St. George Hill e do vulcão Soufrière Hills.
O Casario Soterrado de Plymouth
Edifícios da cidade abandonada de Plymouth há já algum tempo engolida pela vegetação tropical.
Fim do Golfe
Bolas de golf rebentadas pelas temperaturas elevadas sentidas aquando das erupções do vulcão Soufrière Hills.
Rio de Lava
Torrente solidificada de fluxos piroclásticos ao longo do casario de Plymouth.
Jeremy e o Soufrière Hills
Guia Jeremy aprecia o panorama a toda a volta a partir da St. George Hill
Bolbo aconchegado
A Natureza aconchega uma relíquia legada pela catástrofe de Plymouth.
De volta à Terra
Guia Jermaine aproxima-se do cimo da St. George Hill e do vulcão Soufrière Hills.
Higiene Congelada no Tempo
Banca de uma casa de banho com objectos e marcas bem populares.
O Despontar da Natureza
Plantas tropicais instalam-se numa casa de banho ladrilhada de Plymouth.
Lares do Tempo
Vivendas alinhadas no fundo da encosta do vulcão Soufrière Hills.
Mansões Perdidas
Vivendas alinhadas no fundo da encosta do vulcão Soufrière Hills.
Morte Pré-Erupção
Lápide da sepultura de uma moradora falecida muito antes do colapso de Plymouth.
Quarto de Hotel com Cinza
Quarto repleto de cinza até no piso inferior do hotel de Plymouth.
Estante da Tragédia
Vegetação apodera-se até do mobiliário de uma vivenda abandonada de Plymouth.
Erguida no sopé do monte Soufrière Hills, sobre depósitos magmáticos, a cidade solitária da ilha caribenha de Montserrat cresceu condenada. Como temido, em 1995, o também vulcão entrou num longo período eruptivo. Plymouth, é a única capital de um território político que permanece soterrada e abandonada.

Em Setembro de 2019, um trejeito do destino viabilizou-nos um há muito buscado périplo pelas Caraíbas.

Contados três meses, tínhamos descido a alpondra insular das Pequenas Antilhas desde a República Dominicana até Antígua.

Montserrat distava uma curta travessia de ferry.

Do cimo do barco, apreciamos o casario de St John e as linhas do relevo de Antigua tornarem-se difusas e, aos poucos, as de Montserrat a ganharem definição.

Tudo sobre um Mar das Caraíbas que mais parecia um lago.

Montserrat ilha, Plymouth,

A Ilha de Montserrat, vista do ferry “Jaden Sun”

Preparamo-nos para contornar a extremidade norte de Montserrat quando percebemos um barulho estranho no motor.

O barco detém-se.

Rebocam-nos até ao Terminal da Little Bay em que era suposto amararmos.

Montserrat ilha, Plymouth, Jaden Sun

O ferry que asseguras as ligações marítimas entre Antígua e Montserrat.

Uma anfitriã dá-nos as boas-vindas, conduz-nos à imigração. Logo, despacha-nos para um táxi.

Olveston House e a Entrada na História de Montserrat e de Sir George Martin

À conversa com o motorista Milton, chegamos num ápice a Salem e à Olveston House em que nos íamos hospedar. Lá nos recebem Margaret e Peter, um casal inglês jubilado que passava boa parte do tempo em Montserrat.

Erguida em estilo plantation, a sua casa tinha sido propriedade de Sir George Martin, o famoso quinto Beatle. Martin adquiriu a mansão em 1980. Nos anos seguintes, foi lá que acolheu muitos dos músicos que chegavam da Grã-Bretanha para gravar álbuns.

No que restou dessa tarde, descemos até à praia aconchegante de Line Kiln Bay. No afago das suas vagas, ao sol do Caribe, recuperamos do despertar madrugador e do cansaço da viagem.

As eleições locais tinham ditado um feriado inusitado pelo que estava tudo fechado. Previdentes, com o cair da noite, Margaret e Peter trazem-nos caris vegetarianos, bem servidos de arroz. Assim nos mimam para uma ansiada noite de sono.

Acordamos atrasados. Confrontados com a falta de alternativas, devoramos uma aveia meio cimentada com água. Chamam-nos do pátio em frente.

Era Jermaine, candidato de um dos partidos derrotados, o mais jovem a participar, desde há um bom tempo. Jermaine também era guia de uma tal Fabulous Tours, o cicerone incumbido de nos revelar os cantos de Montserrat.

O Montserrat Volcano Observatory

Começa por nos levar de Salem ao Montserrat Volcano Observatory, em que as autoridades monitoram o vulcão Soufrière, e de onde temos o seu primeiro vislumbre, demasiado difuso e obstruído por nuvens.

Montserrate ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, monitor do Volcano Observatory

Aparelho em tempos usado na monitorização da actividade do vulcão Soufrière Hills.

“Vão vê-lo muito melhor daqui a pouco.” sossega-nos Jermaine. “Vou-vos levar a um lugar tão ou mais único. Vai ser uma missão especial.”

Dali, por ruelas estreitas ladeadas por coqueiros e mato frondoso, chegamos a um cimo de rampa húmido, também ele entregue à vegetação.

E as Ruínas dos Air Studios de Montserrat

Placas presas a numa vedação sinalizavam a Propriedade Privada dos Air Studios Montserrat e, a vermelho, o risco de entrar nas instalações, ferrugentas e instáveis.

Seguimos os passos do guia. Trepamos uma vedação envolta em folhagem.

Do lado de lá, damos com uma piscina cheia de água das chuvas, em vias de se tornar um pântano.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, Air Studios

A piscina dos Air Studios de Montserrat, em tempos frequentada por algumas das bandas e artistas do mundo.

No enfiamento, a entrada para o âmago tecnológico dos velhos Air Studios Montserrat, com a sua vitrine, o tecto de madeira e uma série de encaixes para colunas e outros tipos de equipamento, há muito sumidos.

Malgrado o abandono ao tempo e à flora tropical, nos anos 80, frequentaram aquela piscina e os estúdios estrelas da música como os Beatles, The Police, Dire Straits, Elton John, Duran Duran, Ultravox, Eric Clapton, Lou Reed.

E num estilo mais negro, até os Black Sabath.

Em 1979, ano da inauguração do estúdio, Jimmy Buffet gravou lá um álbum de nome “Volcano”.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, piscina dos Air Studios

Vegetação apodera-se da piscina cheia de água das chuvas e de lodo dos Air Studios de Montserrat.

A Caminho do Vulcão

Por essa altura, o monte Soufrière Hills que o inspirou permanecia dormente. O sono do vulcão seria de pouca dura. Pressionados pela ilegalidade do trespasse, finalizamos umas derradeiras fotos e regressamos à carrinha.

Apontamos a Plymouth e aos domínios sulfurosos do vulcão. No caminho, cruzamos o rio Belham que marca o limiar entre as regiões de São Pedro e de Santo António.

Mesmo entre tanta santidade, uma nova placa alerta para outro risco: “Não Cruzar o Rio Belham. Sempre que há chuva forte, esta área é propensa a torrentes de lava.”

Que todos os perigos fossem esse.

Do lado de lá do rio, passamos pelo Centro Médico abandonado de Cork Hill.

Em frente, na orla de um descampado ervado, passamos por um guardião sob uma guarita precária feita de uma grande placa de madeira sustida, num equilíbrio frágil, por barrotes.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, abrigo

Vigia da Zona de Exclusão do vulcão Soufrière Hills.

Abrigado do sol castigador e, com muita sorte, de projécteis lançados pelo vulcão, o homem assegurava o controle inaugural da Zona de Exclusão de Montserrat, quase um terço da ilha.

Jermaine cumprimenta-o e obtém uma autorização implícita. Não tarda, chegamos a um estaleiro de extracção de areias.

Uma cancela no prolongamento de uma casinhola de ferro, estabelece um derradeiro Check Point, à entrada no sector proibido.

Jermaine intensifica a comunicação por walkie-talkie e detêm-nos. Aguardamos pela chegada das autoridades, que era suposto seguirem-nos de perto.

“Ok, já aqui estão. Vamos embora!” instrui Jermaine. “Atenção que têm meia-hora. Não se afastem. Eles cobram multas pesadas.”

Avançamos, constrangidos pelas regras, por Jermaine e pela perspectiva de o vulcão entrar em erupção, uma ameaça tão latente e real como a da famosa White Island.

Esta, um destino vulcânico, à data, demasiado turístico da Nova Zelândia que, quinze dias mais tarde, tirou a vida a dezasseis visitantes e guias.

À Descoberta da Famigerada Capital Plymouth

Já dentro da zona de exclusão, Jermaine leva-nos a um hotel antes popular de Plymouth. Encontramo-lo inundado da cinza compactada que invadira os quartos, a piscina e outras divisões.

Sobre o balcão da recepção, subsistem uma velha calculadora.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, livro de registos

Caderno de registos ainda sobre o balcão de um dos hotéis mais populares da cidade abandonada de Plymouth.

E um livro de registos, preenchido à mão, com os dados dos hóspedes recém-chegados e que se viram forçados a antecipar o check-out.

Do hotel e da sua quase beira-mar, mudamo-nos para um sector da encosta bem mais acima, que uma maior altura e concentração de cinza e lava mantinha liberto de mato.

Desse ponto, temos a primeira visão panorâmica do Soufrière Hills, do rio vulcânico que dele havia fluído e do casario da temerária Plymouth, soterrado num mar de cinzas e de lava.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, casario soterrado

Edifícios da cidade abandonada de Plymouth há já algum tempo engolida pela vegetação tropical.

Plymouth era desde há muito a capital altiva de Montserrat, o único porto de entrada nesta ilha, um território ultramarino autónomo do Reino Unido e uma das Pequenas Antilhas que encerram as Caraíbas a oriente.

O Despertar Inclemente do Vulcão Soufrière Hills

Nos anos 90, ainda recuperava da destruição causada pelo furacão Hugo (1989) que vitimou vinte um habitantes e deixou boa parte de Montserrat destruída.

No fim de Junho de 1995, apoiada por assistência internacional (sobretudo britânica), a ilha já tinha recuperado do pior.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, cume sulfuroso

Vulcão Soufrière Hills liberta grandes quantidades de fumos tóxicos.

Em Julho, em plena época de furacões, em vez de novo ciclone, o Soufrière Hills inaugurou um período de sucessivas erupções.

Com domicílios e negócios no sopé do vulcão, os moradores tiveram que ser evacuados com urgência. Mantiveram alguma esperança de regressarem.

Em vão.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, Wyke House

Negócio de Plymouth abandonado numa curva desenhada no solo de cinza compactada.

Novas erupções libertaram fluxos piroclásticos e lahares que queimaram e enterraram a cidade, agora fantasma, que tínhamos, em volta.

Dezanove pessoas foram apanhadas desprevenidas e pereceram.

Plymouth permanece votada a um abandono que prováveis novos fenómenos eruptivos justificam.

As cinzas, a lama e o tempo não apagaram, por completo, os rastos das suas vidas.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, divisão de casa

Vegetação apodera-se até do mobiliário de uma vivenda abandonada de Plymouth.

Nova Incursão à Capital Abandonada

Nesse fim de tarde, pouco antes do pôr-do-sol, já senhores de um jipe alugado, concordamos numa incursão rápida e rebelde à zona do hotel, onde se concentravam dezenas de vivendas, lares de vidas, em tempos, abastadas e resplandecentes.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, Soufrière Hills acima de Plymouth

Vivendas alinhadas no fundo da encosta do vulcão Soufrière Hills.

Perscrutamo-las. Damos com os mais distintos vestígios.

Uma casa de banho ainda com uma embalagem de Colgate, um copo e uma lata de desodorizante, junto a uma cortina de banho semi-derretida.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, banca de casa de banho

Banca de uma casa de banho com objectos e marcas bem populares.

Um saco de golfe etiquetado com o nome do proprietário e munido de bolas brancas que o calor tinham feito rebentar.

Arquivos de cassetes e tantos outros itens em tempos corriqueiros, agora, misteriosos, perdidos entre florestas de fetos ensopados.

Escurece. Tal como temíamos, vemo-nos aflitos para, no labirinto de ruas geminadas, recuperarmos o caminho que ali nos levara.

Por fim, conseguimos regressar ao abrigo acolhedor da Olveston House.

Um Terror Inesperado e com Pouco de Vulcânico

Para o dia seguinte, Jermaine tinha prevista uma aproximação ao vulcão que nos garantia uma vez mais proibida e que só a nós nos proporcionaria.

Em jeito de preâmbulo, despertamos às sete e pouco, em pânico devido a um troar inesperado e ao fumo que nos enchia o quarto e fazia sufocar. Ensonados, podíamos jurar que se tratava de uma nova erupção.

Ainda quase tão assustada como nós, Margaret grita-nos do pátio: “Não se preocupem, não é o vulcão!”.  Explica-nos, furiosa, que as autoridades tinham programado acções de pulverização antimalárica e anti-dengue.

Para mal dos nossos pecados, lembraram-se de começar de madrugada, sem pré-avisarem os moradores.

Sobrevivemos ao susto. Levantamo-nos prontos para continuar a descoberta de Montserrat.

Montserrat ilha, Plymouth, vulcão Soufriere, casario soterrado por lava

Torrente solidificada de fluxos piroclásticos ao longo do casario de Plymouth.

Jermaine apareceu uma hora depois.

Uma vez mais por ele guiados, voltámos às imediações sulfurosas do Soufrière Hills.

Por altura da criação deste artigo, o vulcão Cumbre Vieja da ilha de La Palma, nas Canárias encontrava-se numa fase eruptiva tão ou mais destrutiva.

Por sorte, até à data, nenhuma das povoações da ilha estavam no caminho da lava, entre o vulcão e o destino final do oceano Atlântico.

Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Saint-Pierre, Martinica

A Cidade que Renasceu das Cinzas

Em 1900, a capital económica das Antilhas era invejada pela sua sofisticação parisiense, até que o vulcão Pelée a carbonizou e soterrou. Passado mais de um século, Saint-Pierre ainda se regenera.
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Saba, Holanda

A Misteriosa Rainha Holandesa de Saba

Com meros 13km2, Saba passa despercebida até aos mais viajados. Aos poucos, acima e abaixo das suas incontáveis encostas, desvendamos esta Pequena Antilha luxuriante, confim tropical, tecto montanhoso e vulcânico da mais rasa nação europeia.
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Guadalupe, Antilhas Francesas

Guadalupe: Um Caribe Delicioso, em Contra-Efeito Borboleta

Guadalupe tem a forma de uma mariposa. Basta uma volta por esta Antilha para perceber porque a população se rege pelo mote Pas Ni Problem e levanta o mínimo de ondas, apesar das muitas contrariedades.
Miravalles, Costa Rica

O Vulcão que Miravalles

Com 2023 metros, o Miravalles destaca-se no norte da Costa Rica, bem acima de uma cordilheira de pares que inclui o La Giganta, o Tenório, Espiritu Santo, o Santa Maria, o Rincón de La Vieja e o Orosi. Inactivo no que diz respeito a erupções, alimenta um campo geotermal prolífico que amorna as vidas dos costarriquenhos à sua sombra.
Tenerife, Canárias

O Vulcão que Assombra o Atlântico

Com 3718m, El Teide é o tecto das Canárias e de Espanha. Não só. Se medido a partir do fundo do oceano (7500 m), só duas montanhas são mais pronunciadas. Os nativos guanches consideravam-no a morada de Guayota, o seu diabo. Quem viaja a Tenerife, sabe que o velho Teide está em todo o lado.
Ilha do Fogo, Cabo Verde

À Volta do Fogo

Ditaram o tempo e as leis da geomorfologia que a ilha-vulcão do Fogo se arredondasse como nenhuma outra em Cabo Verde. À descoberta deste arquipélago exuberante da Macaronésia, circundamo-la contra os ponteiros do relógio. Deslumbramo-nos no mesmo sentido.
Big Island, Havai

Grande Ilha do Havai: À Procura de Rios de Lava

São cinco os vulcões que fazem da ilha grande Havai aumentar de dia para dia. O Kilauea, o mais activo à face da Terra, liberta lava em permanência. Apesar disso, vivemos uma espécie de epopeia para a vislumbrar.
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
La Palma, CanáriasEspanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design
Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Bom conselho Budista
Cerimónias e Festividades
Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.
Nissan, Moda, Toquio, Japao
Cidades
Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Cultura
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Alasca, de Homer em Busca de Whittier
Em Viagem
Homer a Whittier, Alasca

Em Busca da Furtiva Whittier

Deixamos Homer, à procura de Whittier, um refúgio erguido na 2ª Guerra Mundial e que abriga duzentas e poucas pessoas, quase todas num único edifício.
Centro Cultural Jean Marie Tjibaou, Nova Caledonia, Grande Calhau, Pacifico do Sul
Étnico
Grande Terre, Nova Caledónia

O Grande Calhau do Pacífico do Sul

James Cook baptizou assim a longínqua Nova Caledónia porque o fez lembrar a Escócia do seu pai, já os colonos franceses foram menos românticos. Prendados com uma das maiores reservas de níquel do mundo, chamaram Le Caillou à ilha-mãe do arquipélago. Nem a sua mineração obsta a que seja um dos mais deslumbrantes retalhos de Terra da Oceânia.
Portfólio Fotográfico Got2Globe

A Vida Lá Fora

Celebração Nahuatl
História

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Moa numa praia de Rapa Nui/Ilha da Páscoa
Ilhas
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Natureza
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
Parques Naturais
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Porto Rico, San Juan, Cidade muralhada, panoramica
Património Mundial UNESCO
San Juan, Porto Rico

O Porto Rico e Muralhado de San Juan Bautista

San Juan é a segunda cidade colonial mais antiga das Américas, a seguir à vizinha dominicana de Santo Domingo. Entreposto pioneiro da rota que levava o ouro e a prata do Novo Mundo para Espanha, foi atacada vezes sem conta. As suas fortificações incríveis ainda protegem uma das capitais mais vivas e prodigiosas das Caraíbas.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Insólito Balnear
Praias

Sul do Belize

A Estranha Vida ao Sol do Caribe Negro

A caminho da Guatemala, constatamos como a existência proscrita do povo garifuna, descendente de escravos africanos e de índios arawaks, contrasta com a de vários redutos balneares bem mais airosos.

Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Religião
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Magome a Tsumago, Nakasendo, Caminho Japão medieval
Sociedade
Magome-Tsumago, Japão

Magome a Tsumago: o Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o xogum Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é percorrido por uma turba ansiosa por evasão.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Vida Selvagem
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
EN FR PT ES