Saba, Holanda

A Misteriosa Rainha Holandesa de Saba


Windward Side II
Vislumbre de Windward Side vista do cume do Mount Scenery.
A Coroa de ferro de Saba
Antena de comunicações sobre o Mount Scenery, o ponto mais elevado de Saba e da Holanda.
Um Europa tropical
Casario de Windward Side com a St. Paul Conversion Church em destaque.
Windward Side I
Casario de Windward Side, no sopé do Mount Scenery, o ponto mais elevado de Saba e da Holanda.
Bestinha Negra
Cabra dá vida a Windward Side, a segunda povoação de Saba.
Branco-verde-Vermelho
O casario branco-verde-vermelho tradicional de Saba.
Uma descida luxuriante
Criança corre pelo trilho do Mount Scenery abaixo.
The Bottom I
A capital de Saba The Bottom, num dos vales mais profundos da ilha.
Well’s Bay Beach
Well's Bay Beach, uma praia, de tempos a tempos desprovida de areia, como na imagem.
O joalheiro
O Joalheiro Mark Johnson na sua The Jewell Cottage, em Windward Side.
Bizza
Participantes de um mercado de rua de Windward Side.
Sacred Heart Church-Saba-Caraíbas Holandesas
A Sacred Heart Church na orla da capital The Bottom.
Capela Sabantina
Pintura da Sacred Heart Church com faces reais de habitantes de Saba.
St. Pauls conversion church-Saba-Caraibas holandesas
A St. Pauls Conversion Church, a igreja de Windward Side.
The Bottom II
O casario em forma circular de The Bottom.
Saba vista do navio Dawn-Caraibas holandesas
Vista de Saba do convés do "Dawn", o barco que assegura ligações a St. Maarten.
Com meros 13km2, Saba passa despercebida até aos mais viajados. Aos poucos, acima e abaixo das suas incontáveis encostas, desvendamos esta Pequena Antilha luxuriante, confim tropical, tecto montanhoso e vulcânico da mais rasa nação europeia.

Descolamos do aeroporto Princess Juliana de Sint Maarten, tornado famoso por ter no início da sua pista a pequena praia de Maho, pela razia que os aviões lhe fazem e aos banhistas momentos antes de aterrarem.

E por se lá se ter popularizado a diversão de sofrer na pele o poder dos jactos dos maiores modelos Boeing e Airbus. A aeronave em que voávamos para Saba pouco tinha que ver com estas.

Saba é visível da Maho Beach. Como o são também Anguila, Saint Barthelemy, Saint Eustatius e Saint Kitts & Nevis, de boa parte da costa e cumes de Sint Maarten. Sem surpresa, um quarto de hora depois da partida, aterramos na pista do aeroporto Juancho E. Yrausquin, uma das mais curtas do mundo.

Transposta a imigração, recolhidas as malas, encontramo-nos com Dona, uma taxista de conveniência com origem em St. Thomas, nas Ilhas Virgens Americanas mas que se havia mudado há vinte anos e em definitivo para, Saba, a ilha da sua avó.

É no carro de Dona que fazemos a primeira viagem por Saba, como as seguintes, própria de uma montanha-russa.

Windward Side, Saba, Caraíbas Holandesas, Holanda

Casario de Windward Side, no sopé do Mount Scenery, o ponto mais elevado de Saba e da Holanda.

Do Lado do Vento de Saba

Sempre aos esses, ascendemos a encosta íngreme de Zion’s Hill até à segunda povoação da ilha, Windward Side. Lá encontramos uma vila repleta de vivendas alvas, com vedações também elas brancas e telhados de zinco vermelhos de que pendem adornos vitorianos gingerbread trim e janelas dotadas de portadas verdes.

Não será alheio a esta harmonia arquitectónica e visual, um conjunto de leis em vigor, criadas para evitar disformidades e aberrações.

Saba até pode ser holandesa. É, aliás, a mais diminuta municipalidade holandesa. Já estas casas, tantas delas seculares, são produto da história intrincada da ilha.

Casario típico-Windward Side-Saba-Holanda

O casario tricolor tradicional de Saba.

A Joalharia Criativa de Mark Johnson

Dona leva-nos à presença de Mark Johnson, um dos filhos pródigos, abastados e criativos de Saba. Encontramo-lo na sala da sua The Jewel Cottage, um chalé com 150 anos adaptado a montra de joalharia de luxo em que Mark passa parte do tempo atrás do portátil a filtrar as encomendas e outras mensagens importantes na sua mailbox.

Além de designer e comerciante de joias, Mark é colecionador de arte e um sério viajante aficionado pela história e pela realidade dos lugares que tem o privilégio de conhecer, umas vezes em prospecção de novas gemas exóticas e de qualidade superior, ou em busca de quadros e esculturas e afins meritórios do seu investimento.

Mark Johnson, Windward Side, Saba, Caraíbas Holandesas, Holanda

Mark Johnson na sua The Jewell Cottage, em Windward Side.

Seja qual for o lugar ou o tema de que falamos, Mark não só está a par como nos surpreende com reparos, análises, histórias e experiências umas mais preciosas que outras, todas elas a moldarem em nós um inevitável deslumbre.

Mark conduz-nos à Villa Compass, uma das vivendas tradicionais encantadoras na lista de imobiliário que detém em Saba.  Mostra-nos a casa e dá-nos algum tempo para nos instalarmos. Logo após, saímos para almoçar.

Com os dias em Saba contados e a tarde a avançar, fazemo-lo meio à pressa. “Se estão mesmo com coragem, saiam já que ainda têm tempo. Fiquem é a saber que é puxado.”

Mark comentava a ascensão ao Mount Scenery (887m), o cume supremo da ilha e do Reino da Holanda. Estávamos conscientes que íamos sofrer. Habituados a estas penas, não nos deixamos demover pelo alerta do anfitrião.

À Conquista do Tecto de Saba. E da Holanda.

Encontramos o início do trilho bem sinalizado à beira da estrada, pouco abaixo do lar de Mark e do centro de Windward Side.

Aos poucos, ladeira a ladeira, degrau a degrau, vimos o caminho para o zénite holandês tornar-se mais íngreme e luxuriante, ladeado por colónias prolíficas de grandes fetos, alguns arbóreos, de palmeiras, bananeiras, orelhas-de-elefante e árvores ensopadas e atapetadas por bromélias, musgo e líquenes.

Criança, trilho Mount Scenery, Saba, Caraíbas Holandesas, Holanda

Criança corre pelo trilho do Mount Scenery abaixo.

Quanto mais ascendíamos mais húmida e ventosa ficava a encosta, às tantas, batida por rajadas que arrastavam uma caravana interminável de nuvens vinda de sudeste.

Por fim, chegamos à zona plana do cume. O trilho subdivide-se na direcção de dois limiares distintos, ambos sobre falésias vertiginosas. Tanto um como o outro, ziguezagueiam por uma floresta densa de árvores e de vegetação rasteira.

Evitamos uma cobra negra. Prosseguimos rumo à orla sul daquele topo. Evitamos o precipício disfarçado pelas nuvens e subimos uma derradeira rampa rochosa que nos leva ao ponto de observação virado a Windward Side.

Mal nos seguramos a um mastro de comunicações de forma a evitarmos que as rajadas nos fizesse voar, identificamos a povoação lá em baixo, iluminada por uma luz solar esbatida que, de alguma forma, conseguira iludir a névoa esvoaçante.

Mount Scenery, Saba, Holanda

Antena de comunicações sobre o Mount Scenery, o ponto mais elevado de Saba e da Holanda.

À Mercê da Nebulosidade Sem Fim

Provou-se excepcional o momento. De então em diante, durante uma boa meia-hora, o máximo que conseguimos foi voltar a vislumbrar a vila em dois ou três lapsos entre nuvens.

Windward Side, Saba, Caraíbas Holandesas, Holanda

Vislumbre de Windward Side vista do cume do Mount Scenery.

Enquanto esperávamos, apercebemo-nos que tínhamos a companhia de um galo obstinado, calculávamos provindo das terras abaixo. Por algum tempo, manteve-se na base do rochedo, a observar-nos os movimentos mas, quando nos viu abrir duas barritas energéticas, escalou-o em três tempos e não desistiu enquanto não conseguiu a sua porção.

Convencidos de que aquela meteorologia caprichosa levaria a melhor, inaugurámos o regresso pungente a Windward Side.

Acolhimento Precioso na The Jewel Cottage

Nessa noite, doridos mas satisfeitos pela pequena conquista, jantamos com Mark Johnson e com Glenn Holm – responsável pela promoção do turismo de Saba – na The Jewel Cottage de Mark. Trocamos histórias de viagens e de aventuras. Diversas acerca das andanças e do mundo das gemas de Mark.

Várias outras sobre a génese de Saba e da vida dos seus cerca de dois mil habitantes, boa parte deles imigrantes dominicanos, venezuelanos e de outras partes que chegam atraídos pelos salários e condições recompensadores e acabam por se estabelecer e constituir ou trazer famílias.

A dimensão reduzida da ilha fez com que as famílias históricas sejam poucas, com meia-dúzia de apelidos predominantes, com destaque para Hassell e Johnson. A maior parte delas têm ancestrais mistos holandeses, ingleses, escoceses e africanos.

Mercado de Rua, Windward side, Saba, Caraíbas Holandesas, Holanda

Participantes de um mercado de rua de Windward Side.

Algumas, partilham ainda genes de irlandeses exilados, em 1625, por Carlos I, quando o recém incumbido rei procurou sanar rebeliões que ele próprio gerou ao atribuir terras dos rebeldes a um grupo de nobres escoceses seus apoiantes.

A Volta de Montanha-Russa à Saba

Na manhã seguinte, cedo, saímos com Glenn Holm que nos conduz de Windward Side pela ilha fora. São tantos os altos e baixos, as colinas e os vales que, às tantas, parece-nos impossível Saba medir apenas os seus 13km2 oficiais.

Passamos por Saint Johns. Pouco depois desse relativo alto, avistamos The Bottom – corrupção inglesada do holandês antigo De Botte (a taça).

The Bottom, Saba, Caraíbas Holandesas, Holanda

O casario em forma circular de The Bottom.

The Botte, ou melhor, The Bottom

Tal como deixa antever o nome actual, a capital de Saba surge num vale profundo, cercado por montanhas de todos os lados.

Glenn explica-nos com orgulho que lá se situa a Saba University School of Medicine, uma instituição reputada e que atrai centenas de estudantes dos Estados Unidos determinados a obter o seu M.D (Medicine Degree) num ambiente exótico mas que, sem vida noturna ou escapatórias congéneres, os mantém estimulados e focados.

Almoçamos em The Bottom. Logo após, Glenn desafia-nos a espreitarmos o interior da Sacred Heart church, erguida num já remoto ano de 1935. Abrimos a porta. Encontramos o templo deserto. Atraem-nos as cores garridas que envolvem o altar.

Pintura, Sacred Heart Church-The Bottom, Saba, Caraíbas Holandesas, Holanda

Pintura da Sacred Heart Church com faces reais de habitantes de Saba.

Percebemos em três tempos, porque razão os bem-dispostos habitantes da ilha a ela se referem como “A Capela Sistina de Saba”. A responsável é Helen Cornet, artista local que pintou aquele recanto da nave com incrível detalhe e, assim nos informa Glenn Holm, ilustrado com faces de seus determinados conterrâneos.

A Praia agora sem areia de Well’s Bay

De The Bottom, descemos nova ladeira íngreme na direcção de Well’s Bay. Falta agora à enseada arredondada o areal branco – ou até negro – apelativo característico de quase todas as ilhas caribenhas.

Como falta a Well’s Bay, faltam areais desses a Saba em geral que o mais parecido que tem é a praia de grandes seixos polidos e redondos que vemos por diante. Saba não desmerece por isso.

Well's Bay Beach, Saba, Caraíbas Holandesas, Holanda

Uma das poucas praias de Saba, de tempos a tempos desprovida de areia, como na imagem.

“Estão a ver aquelas boias coloridas a flutuar junto ao rochedo? Devem ser mergulhadores. Nós afirmámo-nos um dos melhores destinos de mergulho do mundo. Boa parte dos visitantes que recebemos vêm cá pela natureza e, em especial, pelo mergulho incrível que cá encontram.”

São característicos do Saba National Marine Park, grutas e túneis subaquáticos e pináculos submarinos vulcânicos com até 30 metros a partir do leito marinho, cobertos por recifes de coral saudáveis e exuberantes, por esponjas e outros invertebrados.

Neste tipo de ecossistema cada vez mais raro, os mergulhadores encontram com facilidade peixes-papagaio, barracudas, tubarões, raias, polvos, tartarugas e lagostas, entre muitas outras criaturas dos mares.

Durante um largo período da história de Saba, a Well’s Bay e outras em redor da ilha foram o habitat de outros espécimes bem mais temidos pelas potências coloniais.

Casario, Windward Side, Saba, Caraíbas Holandesas, Holanda

Casario de Windward Side com a St. Paul Conversion Church em destaque.

A Lotaria Colonial Ganha pela Holanda

Saba era habitada por indígenas aruaques na altura em que se crê que Cristovão Colombo navegou ao largo da ilha, pouco entusiasmado por nela desembarcar devido ao litoral rugoso e rochoso. Só 140 anos mais tarde Saba viria a acolher visitantes europeus, um grupo de náufragos ingleses sem outra alternativa que lá tentar chegar.

Volvidos mais três anos, um francês à deriva nas Caraíbas reclamou Saba para o rei Luís XIII. Ignorando por completo essa pretensão, o governador holandês da ilha vizinha de Saint Eustatius – que planeamos visitar numa próxima incursão às Antilhas – destacou famílias holandesas para a ocuparem.

Passados outros vinte e quatro anos, Saba tinha já sido dominada por governadores jamaicanos apiratados, os temidos Edward, Thomas e Henry Morgan.

O reinado deste trio e a fama de Saba enquanto refúgio de piratas prolongou-se até que, em 1816, a Holanda a tomou de vez e, com recurso a escravos trazidos de África, lá desenvolveu produções de açúcar, índigo e rum.

Casario, Windward Side, Saba, Caraíbas Holandesas, Holanda

Casario de Windward Side com a St. Paul Conversion Church em destaque.

A Municipalidade Mais Pequena da Holanda

Em tempos mais recentes, Saba chegou a integrar as Antilhas Holandesas mas, quando, em Outubro de 2010, este território autónomo foi dissolvido, Saba tornou-se uma municipalidade especial dentro da Holanda.

Foi dotada de um estatuto constitucional específico equiparado ao de Saint Eustatius e de Bonaire, um estatuto que permite aos habitantes destas ilhas votar para a eleição dos membros da Casa Holandesa dos Representantes.

Na manhã seguinte, bem cedo, subimos a bordo do “The Dawn”, a embarcação que assegura as ligações marinhas entre Saba e Sint Maarten. O mar das Caraíbas mantinha-se revolto e condenou-nos a uma hora e meia aos saltos acima e abaixo de vagas assustadoras. Nada de novo, naquelas remotas paragens.

Saba, Caraíbas Holandesas, Holanda

Vista de Saba do convés do “Dawn”, o barco que assegura ligações a St. Maarten.

Três dias depois de voarmos para Saba, regressamos a Sint Maarten, a metade de outra Pequena Antilha (o restante território é francês), constituinte do reino da Holanda.

Lá voltamos apostados em retomarmos o itinerário norte-sul pela alpondra das Antilhas. Quanto mais das suas ilhas visitávamos, mais nos encantavam as incontáveis excentricidades caribenhas.

Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os "Caribanhos" Divinais de Virgin Gorda

À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.
Maho Beach, Sint Maarten

A Praia Caribenha Movida a Jacto

À primeira vista, o Princess Juliana International Airport parece ser apenas mais um nas vastas Caraíbas. Sucessivas aterragens a rasar a praia Maho que antecede a sua pista, as descolagens a jacto que distorcem as faces dos banhistas e os projectam para o mar, fazem dele um caso à parte.
Guadalupe, Antilhas Francesas

Guadalupe: Um Caribe Delicioso, em Contra-Efeito Borboleta

Guadalupe tem a forma de uma mariposa. Basta uma volta por esta Antilha para perceber porque a população se rege pelo mote Pas Ni Problem e levanta o mínimo de ondas, apesar das muitas contrariedades.
Fort-de-France, Martinica

Liberdade, Bipolaridade e Tropicalidade

Na capital da Martinica confirma-se uma fascinante extensão caribenha do território francês. Ali, as relações entre os colonos e os nativos descendentes de escravos ainda suscitam pequenas revoluções.
Saint-Pierre, Martinica

A Cidade que Renasceu das Cinzas

Em 1900, a capital económica das Antilhas era invejada pela sua sofisticação parisiense, até que o vulcão Pelée a carbonizou e soterrou. Passado mais de um século, Saint-Pierre ainda se regenera.
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Amesterdão, Holanda

De Canal em Canal, numa Holanda Surreal

Liberal no que a drogas e sexo diz respeito, Amesterdão acolhe uma multidão de forasteiros. Entre canais, bicicletas, coffee shops e montras de bordéis, procuramos, em vão, pelo seu lado mais pacato.
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
Safari
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a ChameNepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
A pequena-grande Senglea II
Arquitectura & Design
Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Cerimónias e Festividades
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia – Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Mdina, Malta, Cidade Silenciosa, arquitectura
Cidades
Mdina, Malta

A Cidade Silenciosa e Notável de Malta

Mdina foi capital de Malta até 1530. Mesmo depois de os Cavaleiros Hospitalários a terem despromovido, foi atacada e fortificou-se a condizer. Hoje, é a costeira e sobranceira Valletta que conduz os destinos da ilha. A Mdina coube a tranquilidade da sua monumentalidade.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Camponesa, Majuli, Assam, India
Cultura
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Gyantse, templo Kumbum
Em Viagem
Lhasa a Gyantse, Tibete

Gyantse, pelas Alturas do Tibete

O objectivo final é o Everest Base Camp tibetano. Neste primeiro trajecto, a partir de Lhasa, passamos pelo lago sagrado de Yamdrok (4.441m) e pelo glaciar do desfiladeiro de Karo (5.020 m). Em Gyantse, rendemo-nos ao esplendor budista-tibetano da velha cidadela.
Espectáculo Impressions Lijiang, Yangshuo, China, Entusiasmo Vermelho
Étnico
Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Porfólio Got2Globe

O Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

Banhistas em pleno Fim do Mundo-Cenote de Cuzamá, Mérida, México
História
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
Submarino Vesikko
Ilhas
Helsínquia, Finlândia

A Fortaleza em Tempos Sueca da Finlândia

Destacada num pequeno arquipélago à entrada de Helsínquia, Suomenlinna foi erguida por desígnios político-militares do reino sueco. Durante mais de um século, a Rússia deteve-a. Desde 1917, que o povo suómi a venera como o bastião histórico da sua espinhosa independência.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Na pista de Crime e Castigo, Sao Petersburgo, Russia, Vladimirskaya
Literatura
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
PN Tortuguero, Costa Rica, barco público
Natureza
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Totem, Sitka, Viagem Alasca que já foi da Rússia
Parques Naturais
Sitka, Alasca

Sitka: Viagem por um Alasca que Já foi Russo

Em 1867, o czar Alexandre II teve que vender o Alasca russo aos Estados Unidos. Na pequena cidade de Sitka, encontramos o legado russo mas também os nativos Tlingit que os combateram.
Solovestsky Outonal
Património Mundial UNESCO
Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Cruzeiro Princess Yasawa, Maldivas
Praias
Maldivas

Cruzeiro pelas Maldivas, entre Ilhas e Atóis

Trazido de Fiji para navegar nas Maldivas, o Princess Yasawa adaptou-se bem aos novos mares. Por norma, bastam um ou dois dias de itinerário, para a genuinidade e o deleite da vida a bordo virem à tona.
Composição sobre Nine Arches Bridge, Ella, Sri Lanka
Religião
PN Yala-Ella-Candia, Sri Lanka

Jornada Pelo Âmago de Chá do Sri Lanka

Deixamos a orla marinha do PN Yala rumo a Ella. A caminho de Nanu Oya, serpenteamos sobre carris pela selva, entre plantações do famoso Ceilão. Três horas depois, uma vez mais de carro, damos entrada em Kandy, a capital budista que os portugueses nunca conseguiram dominar.
A Toy Train story
Sobre Carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
cowboys oceania, Rodeo, El Caballo, Perth, Australia
Sociedade
Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Parque Nacional Everglades, Florida, Estados Unidos, voo sobre os canais dos Everglades
Vida Selvagem
Parque Nacional Everglades, Flórida, E.U.A.

O Grande Rio Ervado da Flórida

Quem sobrevoa o sul do 27º estado espanta-se com a vastidão verde, lisa e ensopada que contrasta com os tons oceânicos em redor. Este ecossistema de pântano-pradaria único nos EUA abriga uma fauna prolífica dominada por 200 mil dos 1.25 milhões de jacarés da Flórida.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.