Erriadh, Djerba, Tunísia

Uma Aldeia Feita Galeria de Arte Fugaz


Djerba – Île des Reves
Espelho Meu
Recanto ET
Apelo Mural
A Casa toda Pintada
Esquina dos Murais
A Peugeot de Nilko
Azul-Flamingo
De Passagem
Convívio Pintado
A Copa de Pakone
Tuaregue Deitado
O Farol de Wen2
Nargiles
Sr. Fatel dos Nargiles
Apelo ambiental
Tributo
A Esplanada da Placette
O Portão
O Mote de Sunra
Em 2014, uma povoação djerbiana milenar acolheu 250 pinturas murais realizadas por 150 artistas de 34 países. As paredes de cal, o sol intenso e os ventos carregados de areia do Saara erodem as obras de arte. A metamorfose de Erriadh em Djerbahood renova-se e continua a deslumbrar.

Chegada da híper-sofisticada Cidade das Luzes, a ideia colidiu com o tradicionalismo de Erriadh de maneira bem mais suave do que se poderia supor.

Há cerca de dois mil anos que a aldeia vivia a paz das suas ruelas e becos, de um branco sujo pelo tempo e pelo deserto, a espaços, quebrada pelas sucessivas tentativas de conquista de Djerba por povos mediterrânicos.

Finda a comoção da Primavera Árabe, inaugurada na Tunísia, no final de 2010, Erriadh padecia, todavia, de um certo caos administrativo de Djerba que culminava na falta de recolha de lixo.

Em 2014, a galeria Itinerrance de Paris confrontou os moradores e comerciantes da aldeia com o início da operação e com a urgência de um sim ou de um não, para cada uma das suas casas com pátio, houch, e outras propriedades contempladas.

Tal como contou o director da galeria e fundador do projecto, Mehdi Ben Cheik, tunisino de nascimento (em 1974), à data, com mais de uma década dedicada à defesa e divulgação da arte de rua, boa parte das gentes de Erriadh venceu uma esperada resistência inicial.

Concordou em acolher os artistas. Em disponibilizar-lhes as suas casas e estabelecimentos, e em apoiá-los na execução das pinturas. Acedeu, inclusive, em comprar os materiais necessários a um trabalho de diagnóstico, limpeza e restauração prévio à chegada dos artistas.

Uns poucos moradores recusaram. Até que constataram o óbvio embelezamento da povoação, se arrependeram e rogaram à organização que os artistas voltassem para lhes pintarem as paredes e muros.

As obras originais e outras adicionadas, em 2022, por cinquenta artistas, alguns de regresso ao projecto, formam a galeria a céu aberto de Erriadh.

Salpicam a grelha da povoação e o cerne de Djerba em que se situa.

É para lá que nos dirigimos do seu litoral norte, com passagem pela sinagoga local de El Gribha, por sua vez, o âmago sagrado da comunidade judaica da ilha.

A Itinerrance de Paris disponibilizou um mapa online que permite aos visitantes orientarem-se no labirinto internacional de murais.

Djerbahood: de Rua em Rua, de Mural em Mural

Pouco virados para a solução de o seguirmos, optamos por nos deixamos perder, por interagirmos tanto quanto possível com moradores e forasteiros.

Sem priorizarmos a busca sistematizada das obras. Mas com o compromisso de nos perdermos o tempo suficiente para percorrermos todas, ou quase todas, as ruelas da aldeia. Diminuta, devemos acrescentar.

O seu nome ancestral, Hara Sghira, qualificava um “pequeno bairro”.

O seguimento do beco por que entrarmos tarda em revelar-nos murais que nos impressionem. O encalço de distintos residentes em trajes tradicionais faz com que nos afastemos um do outro.

Até deixarmos de saber como nos reencontrarmos. Passado algum, tempo, com recurso aos telefones, convergimos.

Quando o fazemos, partilhamos descobertas de pinturas prodigiosas. Os círculos de pequenos seres silhueta do salmantino David de La Mano, abaixo de um pátio pejado de grandes potes, ao lado de uma buganvílea viçosa.

Arte de Rua Chegada de Portugal e dos Quatro Cantos do Mundo

Os painéis criativos de azulejos do português Add Fuel (Diogo Machado), a Pop Art psicadélica de It’s a Living, que remete para o epíteto francês de Djerba.

L’Île des Rêves, a alegrar uma arcada comercial de que desponta uma palmeira solitária. A uma mera quadra, vemos ainda vultos de sombra vivos – já não os de David de La Mano – caminharem sob o farol civilizacional de Wen2.

Procuramos pelo letreiro “The Hood” de Rodolphe Cintorino que inspirou a equipa de Itinerrance de Paris a baptizarem a galeria de Djerbahood.

Dois jovens residentes dizem-nos que já era muito antigo (de 2014) e que o Siroco e outros vendavais afins, gerados no deserto, o tinham mandado abaixo.

Nessa senda, damos de caras com outro dos murais que nos assombra, este, em formato panorâmico.

Em 2014, Bom. K pintou o que nos parece um tuaregue e uma série de ânforas arrastados pelas areias do tempo. A sua túnica cinzenta-azulada vela uma cabra.

Oito anos decorridos, o tempo e as areias já lhe descascaram trechos das vestes e o muro revela parte das pedras que o compõem.

Vemos nuvenzitas brancas aproximarem-se acima. Esperamos o hiato certo.

Com esse acrescento de céu, complementamos o mural com algo da sumptuosidade na sua génese.

As Gentes Coloridas de Erriadh e os Visitantes Intrigados

Enquanto deambulamos, esforçamo-nos por unir as expressões congeladas nas obras a momentos e pessoas de Erriadh.

As mulheres da aldeia, em particular, nos seus trajes islâmicos coloridos, geram imagens graciosas.

Só que são poucas as que não cobrem o rosto quando percebem que as enquadramos.

Uma ou outra das novas gerações, ou com as mãos entregues aos volantes de vespas e motoretas do género.

Aqui e ali, partilhamos a apreciação de murais com famílias visitantes, algumas, vindas da longínqua capital Tunes.

É o que acontece quando encontrarmos a obra de Nilko, de 2014, mas que, menos exposta, preserva toda a sua vivacidade.

Os Velhos e Sedutores Peugeots da Autoria de Nilko

O mural do francês evoca a alternativa tunisina motorizada ao dromedário, as velhas carripanas Peugeot, no caso, as de caixa aberta que o artista sobrecarrega de itens verosímeis.

Enfiado numa jilaba escura, o pai da tal família não resiste. Pede à esposa que o fotografe. Agarra no filho, também ele metido na sua jilabinha. Primeiro, deitam-se sob a furgoneta e fingem que a reparam.

Em seguida, ajustam-se ao fundo da caixa de madeira e simulam que a empurram. Nem a noção de que os fotografamos sem apelo os intimida, ou demove das risadas que partilham.

Certos murais porque passamos provam-se tão ou mais contestatários que artísticos.

Numa ruela, entre hotéis e galerias de artesanato, um autor que nem mais tarde encontramos catalogado, expõe um camelo que emula um cavalo de baloiço, uma vez mais sob palmeiras carregadas de tâmaras.

À esquerda do desenho, a mensagem escrita em inglês, é inequívoca no seu repto de protecção animal: “Camels are not for Fun”.

Em jeito de possível contraponto, ali por perto, um outro mural exibe um dromedário montado por guerreiro de lança em riste, atacado por um felino ameaçador.

Apercebemo-nos de que muito do dia-a-dia de Erriadh se desenrola atrás das fachadas das suas houchs e em idas e voltas, por norma céleres, a houchs de vizinhos e às mercearias da povoação.

Erriadh e o Cerne Social de La Placette

Um reduto cercado de árvores da povoação lidera o acolhimento dos forasteiros, em dois ou três bares-esplanada lá instalados.

Um deles, o café Fatel, espraia-se em banquinhos, mini-mesas e um sofá de chão, instalados sobre longos tapetes tradicionais.

Lá nos cruzamos com um proprietário que reaviva as brasas necessárias aos cachimbos de narguilé (vulgo shisha).

Com o sol a assentar para os lados da Argélia, mais visitantes se instalam na praça, a partilharem chá de menta, cornes-de-gazelle e outras iguarias.

Instigados pelo misticismo do crepúsculo, insistimos na deambulação, atentos a como distintos murais sobressaiam na luz ténue do ocaso e nas artificiais que lhe sucedem.

O pintor Pakone cobre o cimo de um talho com uma das suas árvores de troncos e ramos curvos, de copa rosa quase choque.

Joseph, um jovem tunisino, dá-nos as boas-noites com uma educação e suavidade que indiciam harmonia e respeito pelos mais velhos.

Desvia a vespa que mantém à porta. Entra em casa através da obra abstracta do tunisino Najah Zarbout que revestiu o seu exterior na íntegra.

Prosseguimos pela Rue de la Palestine. Um gato negro eriça-se acima do rectângulo que a identifica. À esquerda de quem contempla, sobressai um grande coração, mutilado por arame farpado.

Também esta é uma obra de 2014. Tal como a questão da Palestina e a Palestina em si, desgastada, a um ponto de quase sem retorno.

Aventuramo-nos por ruas secundárias, que dão para pastos e campos agrícolas de que despontam mais palmeiras. Sob uma delas, uma instalação em forma de grafiti clássico reclama, em francês: “Cortar todos os arranha-céus se eles são mais altos que palmeiras”.

Com os anos, a obra algo fantasmagórica do português Pantónio, que cobre toda uma extensa fachada alva de um dragão negro que dispersa sangue (ou tinta), perdeu igualmente algum do seu fulgor mas resiste a impressionar e até intimidar quem dela se acerca.

Foi dos derradeiros trabalhos que o súbito escurecer nos permitiu achar. Muitos mais ficaram por apreciar.

Neste mesmo ano de 2022, o projecto da galeria Itinerrance de Paris inaugurou a sua versão 2.0. Djerbahood chegou para ficar em Erriadh.

COMO IR:

Para mais informações e reservas consulte a sua agência de viagens e solicite o produto Egotravel

Tataouine, Tunísia

Festival dos Ksour: Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. O Festival dos Ksour presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.
Matmata, Tataouine:  Tunísia

A Base Terrestre da Guerra das Estrelas

Por razões de segurança, o planeta Tatooine de "O Despertar da Força" foi filmado em Abu Dhabi. Recuamos no calendário cósmico e revisitamos alguns dos lugares tunisinos com mais impacto na saga.  
Djerba, Tunísia

A Ilha Tunisina da Convivência

Há muito que a maior ilha do Norte de África acolhe gentes que não lhe resistiram. Ao longo dos tempos, Fenícios, Gregos, Cartagineses, Romanos, Árabes chamaram-lhe casa. Hoje, comunidades muçulmanas, cristãs e judaicas prolongam uma partilha incomum de Djerba com os seus nativos Berberes.
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 - Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
savuti, botswana, leões comedores de elefantes
Safari
Savuti, Botswana

Os Leões Comedores de Elefantes de Savuti

Um retalho do deserto do Kalahari seca ou é irrigado consoante caprichos tectónicos da região. No Savuti, os leões habituaram-se a depender deles próprios e predam os maiores animais da savana.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Treasures, Las Vegas, Nevada, Cidade do Pecado e Perdao
Arquitectura & Design
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
Cortejo Ortodoxo
Cerimónias e Festividades
Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.
no Palco, Antigua, Guatemala
Cidades
Antigua, Guatemala

Guatemala Hispânica à Moda Antigua

Em 1743, vários sismos arrasaram uma das cidades coloniais pioneiras mais encantadora das Américas. Antigua regenerou-se mas preserva a religiosidade e o dramatismo do seu passado épico-trágico.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Cultura
Lagoa de Jok​ülsárlón, Islândia

O Canto e o Gelo

Criada pela água do oceano Árctico e pelo degelo do maior glaciar da Europa, Jokülsárlón forma um domínio frígido e imponente. Os islandeses reverenciam-na e prestam-lhe surpreendentes homenagens.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Creel, Chihuahua, Carlos Venzor, coleccionador, museu
Em Viagem
Chihuahua a Creel, Chihuahua, México

A Caminho de Creel

Com Chihuahua para trás, apontamos a sudoeste e a terras ainda mais elevadas do norte mexicano. Junto a Ciudad Cuauhtémoc, visitamos um ancião menonita. Em redor de Creel, convivemos, pela primeira vez, com a comunidade indígena Rarámuri da Serra de Tarahumara.
Étnico
Pentecostes, Vanuatu

Naghol: O Bungee Jumping sem Modernices

Em Pentecostes, no fim da adolescência, os jovens lançam-se de uma torre apenas com lianas atadas aos tornozelos. Cordas elásticas e arneses são pieguices impróprias de uma iniciação à idade adulta.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Dias Como Tantos Outros

Casario tradicional, Bergen, Noruega
História
Bergen, Noruega

O Grande Porto Hanseático da Noruega

Já povoada no início do século XI, Bergen chegou a capital, monopolizou o comércio do norte norueguês e, até 1830, manteve-se uma das maiores cidades da Escandinávia. Hoje, Oslo lidera a nação. Bergen continua a destacar-se pela sua exuberância arquitectónica, urbanística e histórica.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Ilhas
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Luzes VIP
Natureza
Ilha Moyo, Indonésia

Moyo: Uma Ilha Indonésia Só Para Alguns

Poucas pessoas conhecem ou tiveram o privilégio de explorar a reserva natural de Moyo. Uma delas foi a princesa Diana que, em 1993, nela se refugiou da opressão mediática que a viria a vitimar.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Caminhada sobre a orla, vulcão villarrica, Pucon, Chile
Parques Naturais
Vulcão Villarrica, Chile

Ascensão à Cratera do Vulcão Villarrica, Sempre em Actividade

Pucón abusa da confiança da natureza e prospera no sopé da montanha Villarrica.Seguimos este mau exemplo por trilhos gelados e conquistamos a cratera de um dos vulcões mais activos da América do Sul.
Palácio Gyeongbokgung, Seul, Viagem Coreia, Manobras a cores
Património Mundial UNESCO
Seul, Coreia do Sul

Um Vislumbre da Coreia Medieval

O Palácio de Gyeongbokgung resiste protegido por guardiães em trajes sedosos. Em conjunto, formam um símbolo da identidade sul-coreana. Sem o esperarmos, acabamos por nos ver na era imperial destas paragens asiáticas.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Aula de surf, Waikiki, Oahu, Havai
Praias
Waikiki, OahuHavai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbor e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.
Cortejo garrido
Religião
Suzdal, Rússia

Mil Anos de Rússia à Moda Antiga

Foi uma capital pródiga quando Moscovo não passava de um lugarejo rural. Pelo caminho, perdeu relevância política mas acumulou a maior concentração de igrejas, mosteiros e conventos do país dos czares. Hoje, sob as suas incontáveis cúpulas, Suzdal é tão ortodoxa quanto monumental.
A Toy Train story
Sobre Carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Máquinas Bebidas, Japão
Sociedade
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Vida Selvagem
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT