Djerba, Tunísia

A Ilha Tunisina da Convivência


Mesquita Fadhloun
Fatih, comerciante de Houmt Souk
O Desafio de não partir a Loiça
Amazigh e os seus camelos
O Castelo Espanhol
Olarias Várias
A sinagoga de El Ghriba
A mesquita Sidi Jmour
Boutique da Dª Radlia
A Igreja de Saint Joseph
Trajes tradicionais Melhfa
Compradoras do Houmt Souk
Mesquita Ibadita de Sedouikech
Arquitectura Tradicional
Sem, Amazigh, dono de camelos
Conversa em Azul Bouganvílea
Mural vs Estendal
Quase noite no Houmt Souk
Há muito que a maior ilha do Norte de África acolhe gentes que não lhe resistiram. Ao longo dos tempos, Fenícios, Gregos, Cartagineses, Romanos, Árabes chamaram-lhe casa. Hoje, comunidades muçulmanas, cristãs e judaicas prolongam uma partilha incomum de Djerba com os seus nativos Berberes.

Amanhece mais um dia, a caminho do final do Verão do sul mediterrânico de África.

A forte evaporação das águas que Roma tratava por Mare Nostrum, reforça um véu celeste sobrecarregado de humidade. Mantém a ilha num casulo de aquosidade, num afago azul-abafado mais expectável a latitudes tropicais.

Avançamos ao longo do mar retido e do pântano entre a costa norte da ilha e a península de Ras R’mal, apontados à capital Houmt Souk.

Constatamos que o vento que sopra de leste, sobre o litoral e que propulsiona uma multidão de kitesurfers, evita uma panela-de-pressão estival, de outra forma, cruciante.

Afinal, também estamos às portas do grande Deserto do Saara.

Os comerciantes do “bairro do mercado” sabem bem com o que devem contar. Em dias normais, sentem a temperatura subir aos 30º ou um pouco mais para, gradualmente recuar para os suaves vintes.

A Vida Mercantil da Capital Houmt Souk

Quando o Saara projecta o seu brado para norte, então, Djerba e o Houmt Souk tostam sob poeiras alaranjadas, a caminho dos 50

Prenda-nos um dia normal.

Comerciantes da famosa e garrida olaria da ilha atendem donas de casa djerbianas, assim distinguíveis pelos seus trajes tradicionais Melhfa, também conhecidos por Domiatis.

Compõem-nos chapéus de palha Mdahlla, que coroam grandes véus brancos, raiados de laranja e vermelho, ou grená.

Com os tempos, estas vestes, que se estima originárias de Domiat, povoação egípcia próxima de Port Saíd, sofreram ajustes e improvisos mas, cruzamo-nos, por toda a Djerba, com as versões fidedignas do traje.

Em Houmt Souk, também damos com variações de tecidos e padrões em que até o Mdahlla difere do original.

Uma Panóplia de Trajes. Uns Tradicionais, outros, nem Tanto

De acordo com o seu estatuto de polo turístico, Houmt Souk e, por extensão, outras povoações modernizadas de Djerba, tornaram-se mais multiculturais e tolerantes.

Por estes lados, as jovens tunisinas andam de jeans apertados e conduzem, devagar e até com um braço à janela.

Passam por mulheres em extremos opostos, de outras gerações e/ou sujeitas à rigidez de outras correntes muçulmanas, enfiadas em longos hijabs e até niqabs.

No que diz respeito aos homens, a liberdade é outra. Quase todos trajam roupa ocidentalizada, sem grande critério, t-shirts, camisas, calças e até calções.

Em volta, encontramos uma excepção, em Fatih, um vendedor ancião refastelado sobre uma cadeira de ferro, com a idade marcada por uma barba grisalha entre o seu chapéu taqiah branco e o decote da jilaba que quase lhe cobre os pés.

Deambulamos entre labirintos de louça.

A Arquitectura Peculiar e a Principal Igreja de Djerba

Logo, por ruelas brancas com cercas, varandas e portas de azuis-turquesa.

Outras, degradadas, com as fachadas pouco ou nada caiadas, descascadas pelo tempo que pinturas murais dotam da cor em falta.

Nesse cirandar, ficamos de frente para a mesquita dos Turcos.

Por ali, um morador sougui candidato a guia interpela-nos: “São de onde vocês, Itália, França? Não adivinhei?

Não interessa.

De certeza que são europeus.

Só vos queria dizer que a igreja mais importante de Djerba, fica ali atrás.”

Esta ansiedade por sublinhar e difundir o direito minoritário de coexistir, em Djerba, vem de há muito.

Da Djerba de Odisseu à dos Nossos Dias

Dos confins da mitologia e da história multicultural e multirreligiosa da ilha.

Na sua era, os gregos conheciam os habitantes de Djerba como os comedores de lótus, alimento que sempre abundou nas lagoas e áreas húmidas da ilha, caso da zona prodigiosa e protegida de Bin El Ouedian.

Odisseu, rei de Ítaca, herói da “Odisseia” de Homero, e os seus guerreiros viram-se empurrados para a ilha e lá naufragados por ventos furiosos que forçaram um interregno nas suas aventuras pelo Mediterrâneo.

Consumada a Cristianização dos Romanos, Girba, a cidade da província da Tripolitânia de que derivou o nome Djerba, gerou e acolheu bispos conceituados.

Cerca de oito séculos depois (de 1135 a 1310), a cruzada e expansão cristã dos reis normandos da Sicília abriu as portas à comunidade cristã que subsiste na ilha, descendente de comerciantes malteses e italianos que acabaram por lá se fixar.

As Conquistas e Perdas Aragonesas da Ilha

O assédio dos Reinos Cristãos não se ficou por aí.

Em 1510, Fernando II de Aragão, o Católico, tentou conquistar Djerba ao xeique muçulmano que a controlava, com o objectivo mais amplo de ampliar o controle espanhol sobre o litoral da Barbaria.

A expedição que comandou, provou-se de tal maneira incauta que redundou na morte de vários milhares de soldados. Ficou conhecida como o Desastre de Djerba.

Quando visitamos o forte também conhecido como Borj Ghazi Mustapha, pomo-nos a par desse outro capítulo da história da ilha. De como, os Aragoneses o construíram no final do século XIII.

Como o perderam para os Árabes. E como, duzentos e vinte anos depois de o erguerem, falharam, de forma dramática, a sua reconquista.

Boutiques, lojas de Recordação e Arte de Rua

Passamos por uma boutique de roupa tradicional, embelezada por manequins que a exibem. Dona Radlia, a proprietária, anima-se com a atenção que prestamos ao seu negócio.

Acede a fazer-se fotografar, à laia de manequim de carne e osso e gentil.

Adiante, dois outros donos de lojas conversam, sentados contra a base de nova fachada azul-branca pitoresca, esta, tingida de verde e rosa por uma buganvílea frondosa.

Djerba Ilha da Tunísia, conversaA frente da igreja de São José prova-se, para variar, branca e amarela. Destaca-se, paredes-meias e acima de um muro sulcado por linhas estruturais.

Enquadrada num arco, entre mantas e tapetes à venda, a pintura de uma menina sorridente, irradia felicidade ingénua.

Por aquela altura, alegra apenas um padre que entra e sai mas a horas de culto inspira centenas de cristãos praticantes de Djerba.

Na tarde seguinte, já na aldeia de Erriadh, ajustamos uma incursão à arte do Bairro de Djerbahood com uma segunda, ao fulcro de outra das comunidades minoritárias da ilha, a judaica.

Sinagoga de El Ghriba, no Âmago da Comunidade Judaica Milenar de Djerba

Mais de uma década depois da nossa primeira visita a Djerba, voltamos à sinagoga de El Ghriba. Encontramo-la tão fulcral como antes, a sua arquitectura mourisca, as suas regras e atmosfera mística, intocadas.

Um primeiro funcionário certifica-se de que nos descalçamos e colocamos um solidéu e um lenço a cobrir as cabeças.

Um outro, já à entrada da sala nuclear da bimah, confirma-o, mantem-se de olho nas acções dos visitantes e noutras necessidades do templo, caso da substituição das velas que está incumbido de manter acesas.

Malgrado o interesse superficial da maior parte dos forasteiros, entregues a selfies sem sim, não obstante a relativa juventude do  templo, erguido no final do século XIX, a sinagoga de El Ghriba é a mais antiga de África.

Assenta numa raiz histórica profunda e num valor religioso inquestionável tanto para os cerca de mil e trezentos judeus de Djerba, como para o Judaísmo em geral.

A Diáspora da Casta Judaica Cohen

Afiança a sua história oral que os judeus habitam a ilha há mais de 2500 anos em contínuo. Uma explicação lendária associa-o à fuga dos Sumo Sacerdotes, aquando da destruição do Templo de Salomão de Jerusalém, ordenada por Nabucodonosor II, rei dos Babilónios.

Acrescenta ainda que esses Cohen transportaram consigo, até Djerba, algumas pedras e uma porta do Templo de Salomão. Os seus descendentes guardaram-nas, ao longo dos séculos, e incorporaram-nas na sinagoga de El Ghriba.

Malgrado a difusão desta narrativa, o primeiro testemunho escrito da presença dos judeus em Djerba – uma comunidade que é única devido à abundância de elementos da casta sacerdote Cohen – só foi encontrado em registos do século XI, preservados no Cairo.

Viajemos até uma praia do norte de Djerba e, em simultâneo, às suas origens.

Os Berberes que preferem ser Tratados de Amazigh

Preparamo-nos para um mergulho nas águas tépidas do Golfo de Gabés, quando nos aborda um dos vários proprietários de dromedários que proporcionam passeios pela beira-mar.

O sol está prestes a pôr-se. Preferimos apreciar o fenómeno dentro de água do que sobre o dorso dos camelídeos.

Sem, o dono dos animais, compreende. Pede-nos apenas que o fotografemos. Esse pretexto dá azo a uma conversa animada que nos confirma que, como sempre, nestes casos, nem tudo é perfeito.

“Nós e os nossos antepassados é que somos os verdadeiros nativos daqui!” alega, em detrimento da imposição árabe.

“Vocês, europeus, sempre gostaram de nos chamar Berberes mas esse termo associa-nos a Bárbaros e nós nunca o aceitámos ou usámos.

Para nós, somos os Imazighen, os homens livres do Norte de África.

Eu sou um Amazigh!

Continua a desiludir-nos a maneira como os árabes se esforçam para diluir o nosso dialecto e cultura. Sempre lutarei contra isso!”

Islamismo e a Derivação Islâmica Djerbiana do Ibadismo

Os árabes conquistaram Djerba aos Bizantinos, em 667 d.C., menos de 50 anos antes de se terem apoderado da Península Ibérica.

No processo de conversão religiosa, boa parte da ilha aderiu a uma doutrina espiritual puritana do Islão. O Ibadismo, assim se denomina, divergiu dos principais ramos do Islamismo: o sunismo e o xiismo.

Baseia-se num seguimento sóbrio das fontes ancestrais do Islamismo que, constatamos na simplicidade subterrânea de diversas mesquitas, caso da de Sedouikech, dissimulada, hoje, entre um dos olivais vastos da ilha.

Os ibaditas e as suas mesquitas sempre procuraram passar despercebidos dos inimigos, dos Cristãos, Otomanos e outros durante as distintas eras bélicas.

Nos nossos dias, Djerba renova uma multietnicidade e coexistência religiosa de que se pode continuar a orgulhar.

COMO IR:

Para mais informações e reservas consulte a sua agência de viagens e solicite o produto Egotravel.

Tataouine, Tunísia

Festival dos Ksour: Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. O Festival dos Ksour presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.
Matmata, Tataouine:  Tunísia

A Base Terrestre da Guerra das Estrelas

Por razões de segurança, o planeta Tatooine de "O Despertar da Força" foi filmado em Abu Dhabi. Recuamos no calendário cósmico e revisitamos alguns dos lugares tunisinos com mais impacto na saga.  
Monte Sinai, Egipto

Força nas Pernas e Fé em Deus

Moisés recebeu os Dez Mandamentos no cume do Monte Sinai e revelou-os ao povo de Israel. Hoje, centenas de peregrinos vencem, todas as noites, os 4000 degraus daquela dolorosa mas mística ascensão.
Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou o Templo de Karnak e a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
Edfu a Kom Ombo, Egipto

Nilo Acima, pelo Alto Egipto Ptolomaico

Cumprida a embaixada incontornável a Luxor, à velha Tebas e ao Vale dos Reis, prosseguimos contra a corrente do Nilo. Em Edfu e Kom Ombo, rendemo-nos à magnificência histórica legada pelos sucessivos monarcas Ptolomeu.
Tsfat (Safed), Israel

Quando a Cabala é Vítima de Si Mesma

Nos anos 50, Tsfat congregava a vida artística da jovem nação israelita e recuperava a sua mística secular. Mas convertidos famosos como Madonna vieram perturbar a mais elementar discrição cabalista.
Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Safari
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Chania Creta Grécia, Porto Veneziano
Cidades
Chania, Creta, Grécia

Chania: pelo Poente da História de Creta

Chania foi minóica, romana, bizantina, árabe, veneziana e otomana. Chegou à actual nação helénica como a cidade mais sedutora de Creta.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
khinalik, Azerbaijão aldeia Cáucaso, Khinalig
Cultura
Khinalig, Azerbaijão

A Aldeia no Cimo do Azerbaijão

Instalado aos 2300 metros rugosos e gélidos do Grande Cáucaso, o povo Khinalig é apenas uma de várias minorias da região. Manteve-se isolado durante milénios. Até que, em 2006, uma estrada o tornou acessível aos velhos Ladas soviéticos.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Em Viagem
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Cobá, viagem às Ruínas Maias, Pac Chen, Maias de agora
Étnico
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Ruínas, Port Arthur, Tasmania, Australia
História
À Descoberta de Tassie,  Parte 2 - Hobart a Port Arthur, Austrália

Uma Ilha Condenada ao Crime

O complexo prisional de Port Arthur sempre atemorizou os desterrados britânicos. 90 anos após o seu fecho, um crime hediondo ali cometido forçou a Tasmânia a regressar aos seus tempos mais lúgubres.
Navala, Viti Levu, Fiji
Ilhas
Navala, Fiji

O Urbanismo Tribal de Fiji

Fiji adaptou-se à invasão dos viajantes com hotéis e resorts ocidentalizados. Mas, nas terras altas de Viti Levu, Navala conserva as suas palhotas criteriosamente alinhadas.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Na pista de Crime e Castigo, Sao Petersburgo, Russia, Vladimirskaya
Literatura
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
Horseshoe Bend
Natureza
Navajo Nation, E.U.A.

Por Terras da Nação Navajo

De Kayenta a Page, com passagem pelo Marble Canyon, exploramos o sul do Planalto do Colorado. Dramáticos e desérticos, os cenários deste domínio indígena recortado no Arizona revelam-se esplendorosos.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Avestruz, Cabo Boa Esperança, África do Sul
Parques Naturais
Cabo da Boa Esperança - Cape of Good Hope NP, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.
Sigiriya capital fortaleza: de regresso a casa
Património Mundial UNESCO
Sigiriya, Sri Lanka

A Capital Fortaleza de um Rei Parricida

Kashyapa I chegou ao poder após emparedar o monarca seu pai. Receoso de um provável ataque do irmão herdeiro do trono, mudou a principal cidade do reino para o cimo de um pico de granito. Hoje, o seu excêntrico refúgio está mais acessível que nunca e permitiu-nos explorar o enredo maquiavélico deste drama cingalês.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Personagens
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
Soufrière e Pitons, Saint Luci
Praias
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Templo Kongobuji
Religião
Monte Koya, Japão

A Meio Caminho do Nirvana

Segundo algumas doutrinas do budismo, são necessárias várias vidas para atingir a iluminação. O ramo shingon defende que se consegue numa só. A partir do Monte Koya, pode ser ainda mais fácil.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre Carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Sociedade
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
manada, febre aftosa, carne fraca, colonia pellegrini, argentina
Vida Quotidiana
Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.
Crocodilos, Queensland Tropical Australia Selvagem
Vida Selvagem
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT