Egipto


Luxor, Egipto
De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto
Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.

Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.

Monte Sinai, Egipto

Força nas Pernas e Fé em Deus

Moisés recebeu os Dez Mandamentos no cume do Monte Sinai e revelou-os ao povo israelita. Hoje, centenas de peregrinos vencem, todas as noites, os 4000 degraus daquela dolorosa mas mística ascensão.

Deserto Branco, Egipto
O Atalho Egípcio para Marte
Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
Wall like an Egyptian
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
As Cores da Ilha Elefante

Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.

Céu Divinal

Monte Sinai, Egipto

Força nas Pernas e Fé em Deus

Moisés recebeu os Dez Mandamentos no cume do Monte Sinai e revelou-os ao povo israelita. Hoje, centenas de peregrinos vencem, todas as noites, os 4000 degraus daquela dolorosa mas mística ascensão.

Cenário marciano do Deserto Branco, Egipto
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.

Mapa


Como ir


VISTOS E OUTROS PROCEDIMENTOS

Cidadãos portugueses e brasileiros podem obter visto à chegada ao Egipto. Para isso, o seu passaporte deve ter 6 ou mais meses de validade. Os vistos custam cerca de 20€.

CUIDADOS DE SAÚDE E SEGURANÇA

As autoridades do Egipto exigem certificado da vacina da febre amarela aos visitantes que provenham de um destino com risco de transmissão desta doença. É indicada a vacinação contra a hepatite A e a febre tifóide. 

Para mais informações sobre saúde em viagem, consulte o Portal da Saúde do Ministério da Saúde e Clínica de Medicina Tropical e do Viajante. Em FitForTravel encontra conselhos de saúde e prevenção de doenças específicas de cada país (em língua inglesa).

O Egipto tem vivido períodos de grande instabilidade politíco-social. É desaconselhável viajar para a península do Sinai com excepção para a estância de Sharm El Sheik. Outras zonas, neste momento, perigosas são Beni Suef, Minya, Asyut Sohag e, no geral, a fronteira com a Líbia e com o Sudão. Mais informações na Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas.

VIAGEM PARA O EGIPTO

Voe com a TAP (tel.: 707 205 700) para Istambul. De Istambul, poderá voar com a Turkish Airlines para o Cairo. No melhor dos casos, a viagem deverá durar cerca de 10h e custar em redor de 600€.

A não perder


  • Cairo e Pirâmides de Giza​
  • Deserto Branco e seus oásis
  • Alexandria
  • Rio Nilo
  • Luxor
  • Abydos
  • Aswan
  • Abu-Simbel
  • Monte Sinai e Mosteiro de Santa Catarina
  • Praias e cenários submarinos do Mar Vermelho

Explorar


VOOS INTERNOS

O Egipto desenvolveu uma boa rede de ligações aéreas domésticas com voos para a maior parte das cidades. A companhia nacional Egypt Air opera a maior parte destes voos e lugares turísticos de maior interesse. Entre os destinos mais comuns contam-se Luxor, Aswan, Abu Simbel, Hurghada, Sharm el-Sheikh, Alexandria, Marsa Matruh, Marsa Alam e o oásis de Kharga. As viagens são relativamente acessíveis. Como exemplo, um voo de ida-e-volta do Cairo para Luxor pode custar apenas 140€, 40€ ou 50€ para voos substancialmente mais curtos. Tenha em conta que há uma grande diferença nos preços dos voos de época alta para época baixa e consoante a antecedência com que adquire os voos.

AUTOCARRO

A rede de autocarros é muito abrangente, servida por um grande número de empresas com veículos melhores ou piores. As empresas com maior notoriedade são a Pullman, West Delta, Golden Arrow, Super Jet, East Delta, El Gouna, Upper Egypt Bus Co e a Bedouin Bus. Rotas mais populares como as que ligam Cairo, Alexandria, Ismailia, Port Said, Suez, Mosteiro de Santa Catarina, Sharm el-Sheikh, Hurghada e Luxor são servidas por autocarros de luxo com ar condicionado, casa de banho e TV a bordo, por norma, mais seguros e bastante confortáveis. 

É provável que as viagens por outras rotas menos populares sejam asseguradas por autocarros sem estas condições, pouco higiénicos e muito barulhentos tanto devido aos motores como pela música ou filmes passados a bordo.

No Egipto, as viagens de autocarro envolvem riscos consideráveis de acidentes rodoviários devido à má condição das estradas e, principalmente, à imprudência dos condutores. Na zona do Sinai e entre Assuão e Abu Simbel, conte com várias inspecções militares, para as quais deve ter passaporte pronto a exibir.

Não conte com a facilidade de compras de passagens online. Os bilhetes são adquiridos em estações de camionagem ou a bordo. 

BARCO

Uma das viagens clássicas do Egipto é a subida do Nilo com paragens estratégicas nas cidades e lugares com as mais impressionantes ruínas egípcias casos de Luxor, Edzna, Edfu, Kom Ombo, Assuão e outros. Praticamente todos os programas de agências de viagem incluem viagens nestes barcos mas as passagens podem ser compradas de forma independente em grande barcos a vapor, em dahabiyyas (embarcações à vela de maiores dimensões e bem equipadas) ou nas tradicionais feluccas . Os preços diferem imenso. Podem ir de 10€ por noite numa pequena felucca espartana (por norma, a partir de Assuão) a 300€ ou 400€ por noite nos navios cruzeiro mais luxuosos.

Ferries asseguram uma viagem bastante proveitosa entre Hurghada e Sharm-El-Sheikh. O percurso dura 90 minutos ou consideravelmente mais se o mar estiver agitado. Custa cerca de 40€. 

COMBOIO

A companhia que gere a maior parte dos comboios egípcios é a Egyptian National Railways.

O comboio até poderia constituir sempre uma boa solução já que a rede ferroviária egípcia é extensa (mais de 5.000 km de carris) a passarem pela maior parte das cidades e lugares emblemáticos. No entanto, as autoridades deixaram que a infra estrutura se degradasse de tal forma que poucas viagem de comboio se provam vantajosas face às asseguradas por autocarros de luxo. 

Podem considerar-se excepções os trechos entre Cairo e Alexandria a bordo dos comboios Turbini e Espani  e os comboios-cama nocturnos mais turísticos que vão do Cairo até Luxor e Assuão. Estes comboios são geridos por uma empresa distinta de nome Abela Egypt.  Lembre-se, todavia, que só ao assegurar a viagem em compartimentos cama terá condições realmente aceitáveis de conforto e as viagens no eventualmente tórrido Egipto exigem bons descansos.

As classes dividem em Primeira, Segunda e Terceira. 

A Primeira exige reservas feitas antecipadamente. Incluem beliches, roupa de cama, casa de banho partilhada e ar condicionado. Jantares e pequenos almoços estão contemplados nos preços dos bilhetes e são servidos por hospedeiros nos próprios compartimentos. 

A Segunda tem condições um pouco piores que a Primeira (e muito provavelmente ausência de ar condicionado). Custa apenas um pouco menos que a Primeira pelo que é aconselhável cobrir a diferença e viajar mais descansado.

Em termos de higiene e conforto, a Terceira classe é o descalabro ferroviário do Egipto mas continua a apoiar milhões dos seus cidadãos mais humildes. Não existe ar condicionado, as carruagens podem ser fornos, os assentos são muito provavelmente de madeira, os comboios detêm-se uma eternidade nas estações e atrasam-se horas a fio. Espere o pior possível em todos os aspectos excepto o preço.

Todos os bihetes têm que ser comprados nas estações. Cartões internacionais de estudante garantem descontos em todas as classes excepto os comboios-cama. A viagem entre Cairo e Luxor em Segunda Classe vai custar-lhe apenas 4€ a 6€. 

ALUGUER DE VIATURA

Alugar um carro no Egipto é um decisão que só os mais corajosos estão dispostos a tomar. Se alugar o carro no Cairo, já terá percebido o porquê mesmo antes de chegar às instalações do rent-a-car. Fora das maiores cidades, o trânsito suaviza-se e a condução requer acima de tudo atenção a defeitos na estrada e a eventuais infracções de outros condutores. A regra, no Egipto é ignorar as regras.

Estará muito melhor servido para explorar o país se conseguir um veículo 4WD robusto. Os rent-a-cars exigem que o condutor tenha pelo menos 21 anos. Conte pagar cerca de 30€ por dia por um utilitário, um pouco menos se alugar fora da época alta e por períodos mais longos. O combustível é altamente subsidiado pelo estado e, como tal, pouco dispendioso, cerca de 0,20€ o litro de gasolina ou diesel. É necessária Carta Internacional de Condução.

Pelas grandes desvantagens acima descritas, o mais comum é alugar carro já com condutor ou táxis para serviços de longa duração. Os preços para este tipo de acordos dependem muito da sua vocação e paciência para regatear. 

Quando ir


No geral, o clima do Egipto é seco e quente ou muito quente. A grande excepção vai para Dezembro, Janeiro e Fevereiro mas apenas no norte do país. Mesmo durante estes meses, as temperaturas continuam relativamente quentes no sul mas podem facilmente descer abaixo de 10ºC no Cairo, Alexandria e lugares sobre a costa mediterrânica.

Resumida a situação climática, o Inverno é, ano atrás de ano, a época alta do Egipto e o Verão – quando as temperaturas máximas ultrapassam diariamente os 40ºC e podem aproximar-se dos 50ºC – é a época baixa.

Os meses intermédios de Março e Abril, como os de Outubro e Novembro são consideradas, por muitos, as melhores alturas para visitar o país.

 

 

 

Dinheiro e Custos


A moeda do Egipto é a Libra egípcia (EGP). Mas devido à instabilidade que afecta a Libra, a maior parte dos grandes hotéis e resorts, bem como agências de tours, a empresa Abela que gere os comboios-cama e muitos outros negócios só aceitam dólares americanos ou euros. As caixas ATM continuam a aumentar de número de dia para dia o que permite aos viajantes servirem-se mais frequentemente dos seus cartões. Os pagamentos com cartão de crédito também são muito populares nos estabelecimentos virados para o turismo mais sofisticados. O Egipto é um país bastante acessível. Um visitante pouco exigente com conforto e requinte e com orçamento muito controlado consegue viajar no Egipto por tão pouco como 25€ a 30€ por dia, sendo que as despesas mais elevadas com que se irá deparar são as entradas nas inúmeras atracções históricas.

ALOJAMENTO

Como era de esperar existe alojamento de todos os tipos no Egipto desde hostels para mochileiros quase gratuitos até aos hotéis e resorts de 4 e 5 estrelas bem mais dispendiosos de Luxor, Assuão ou das estâncias do Mar Vermelho, Hurghada ou Sharm El Sheikh. Conte pagar de 6€ a 10€ por noite, por um quarto duplo com ar condicionado, no Cairo, até muitas centenas de euros por noite nos melhores hotéis de cadeias internacionais de Hurghada ou Sharm El Sheikh. 

ALIMENTAÇÃO

Entre os pratos incontornáveis contam-se ful medames, ta'miya, koshary, taagin. Exactamente como acontece com o alojamento, vai encontrar de refeições quase gratuitas em restaurantes quase só frequentados por locais – 1€ a 4€ refeição completa – a outras com preços tornados intermédios pela presença frequente de viajantes estrangeiros – 4€ a 20€ –  e, no topo dos topos, os restaurantes dos hotéis e resorts mais requintados das cadeias internacionais, entre 20€ e os 200€ ou mais por refeição.

INTERNET

Tornou-se popular, alimentou a revolução da Primavera Árabe centrada na Praça Tahrir e está disponível na maior parte dos lugares turísticos, quer nos hotéis, resorts, bares e restaurantes quer em internet cafés que cobram de 0,20€ a 1€ dependendo da localização e da velocidade disponível. Empresas como a Mobinil, Vodafone Egipto e Etisalat comercializam cartões SIM que podem ser usados em smart phones, tablets e em pens (USB sticks) ligadas a portáteis. Estas soluções evitam custos exagerados de roaming.