Pequim, China

O Coração do Grande Dragão


O Semáforo de Mao

A imagem supervisora de Mao Tsé-Tung no centro do Portal de Tianamen e de frente para a praça homónima.

Marcha

Soldados marcham durante a cerimónia do recolher da bandeira.

Grupo encalorado

Visitantes chineses passeiam sob o olhar altivo do ex-grande líder.

Em sentido

Ao fim do dia, soldados levam a cabo a cerimónia de recolher da bandeira chinesa.

Glória comunista

Motivos comunistas decoram o topo de um dos edifícios que delimitam a Praça Tianamen.

Sono em serviço

Soldado boceja durante o seu turno mesmo em frente à imagem do grande líder Mao Tse-Tung.

Para mais tarde recordar

Espectadores fotografam e filmam cada passo da cerimónia de recolher da bandeira.

Recordação Patriótica

Visitante de Pequim fotografa-se com a filha em trajes históricos chineses.

Em Sentido

Soldado destacado para a formação que leva a cabo a complexa coreografia do recolher da bandeira chinesa.

Trânsito no Coração de Pequim

Taxis e outros veículos passam em frente ao portal de Tianamen, sob supervisão de Mao Tse-Tung.

Cerimonial

Soldados do exército popular chinês fazem descer a bandeira do centro da Praça de Tianamen.

É o centro histórico incoerente da ideologia maoista-comunista e quase todos os chineses aspiram a visitá-la mas a Praça Tianamen será sempre recordada como um epitáfio macabro das aspirações da nação

Estamos no pino do Verão. Pequim permanece abafada e envolta numa névoa que o seu trânsito intenso e cada vez menos velocípede adensa. Ainda assim, é bem visível a multidão de transeuntes que percorre o passeio disposto ao longo do muro sul da Cidade Proibida. Em pleno período de férias – até para milhões dos sempre atarefados servos e novos empresários chineses – chegam à capital cidadãos curiosos e entusiasmados de quase todas as províncias. Juntam-se-lhes expatriados e forasteiros que, como nós, andam mais intrigados que nunca com o sucesso e poderio global recém-conquistado pela etnia Han.

O destino comum desta romagem é a frente do Portal da Paz Celestial em que, há já várias décadas, a imagem paternalista do ex-Presidente Mao Tsé-Tung, parece supervisionar os acontecimentos em redor e os destinos da nação, protegido por um pequeno exército organizado de forma geométrica em seu redor. Foi Mao quem teve a visão de construir a praça maior e mais espectacular do mundo, com capacidade para acolher, no mínimo, 500.000 súbditos. Para tal, em 1950, o Portal da China foi demolido, tal como muitos outros edifícios em grande parte residenciais e os trabalhos tiveram início. Ficaram concluídos apenas 11 meses depois e concederam ao povo um vasto espaço de pedra e betão no cerne simbólico do sino-universo.

O fundador da República Popular da China também havia expresso o desejo de ser cremado após a sua morte. Mas os dirigentes sucessores consideraram o capricho comprometedor da grandiosidade do líder. No fim de 1976, desrespeitaram-no. O corpo de Zedong – a versão não transliterada do seu nome – foi mumificado e colocado para descanso eterno num mausoléu erguido de propósito no meio da praça, no lugar do antigo Portal da China. Em jeito de compensação, as autoridades aproveitaram para  alargar um pouco mais a praça. Passou a medir 880 por 550 metros e a poder receber 600.000 pessoas.

À imagem do que acontece, durante o Verão, para entrar na Cidade Proibida e em tantas outras atracções do centro da capital, formam-se filas intermináveis de pretendentes a contemplá-lo. E, mesmo se a história se encarregou de provar as atrocidades inspiradas pelo Grande Líder em função da ideologia vermelha e do seu Grande Salto em Frente, nem todos os chineses estão a par da realidade ou estão dispostos a aceitá-la. Muitos, gastam uns poucos yuans numa flor que hão de oferecer à sua memória controversa.

Após a longa espera, alguns visitantes mais desconfiados sentem-se enganados. Apesar dos procedimentos de segurança exaustivos e da obrigatoriedade de se retirar o chapéu, são comuns as acusações de que o que está em exposição não passa de um boneco de cera. O corpo surge numa espécie de cápsula de cristal, coberto por uma bandeira comunista antiga. Protegem-nos vários guardas do exército nacional que acossam os contempladores a prosseguirem o quanto antes para a sala seguinte.

Continuamos a explorar os recantos da praça e atravessamos as passagens subterrâneas sob a estrada que a separa da muralha da Cidade Proibida e do Portal da Paz Celestial.  

Instalaram-se ali por baixo, dezenas de vendedores de recordações e bebidas ambulantes e clandestinos, protagonistas de um jogo  de gato e rato a que a polícia parece já se ter habituado.

O fim da tarde é marcado por um pôr-do-sol difuso que alaranja a vertente oeste. E pelo aglomerar de mais uma multidão multinacional paciente, agora em redor de uma área delimitada em redor do mastro em que esvoaça, altiva, a bandeira chinesa.

A determinada hora certa, militares posicionados em frente ao Portal da Paz Celestial invadem a estrada e interrompem o trânsito. Um pequeno batalhão de soldados de espadas e espingardas ao alto surge do lado de lá dos muros, atravessa uma das pontes e a via ampla que a separa da praça homónima. Em seguida, entram na área restrita e distribuem-se de forma organizada, parte deles a encarar o público ruidoso que lhes aponta centenas de telemóveis para, assim, filmar e fotografar a cerimónia. Outros que sobem ao pedestal coberto a tapete vermelho e fazem continência em direcção ao portal e à figura de Mao já iluminada de forma artificial. Dois destes soldados elevados junto à base do poste arriam a bandeira e enrolam-na com recurso a trejeitos e puxões bruscos, quisemos crer que previstos pelo protocolo.

Quando terminam, o batalhão reagrupa-se e torna a cruzar a estrada de regresso ao lado de lá do portal, lugar de repouso da bandeira que volta a ser erguida após cerimónia semelhante na madrugada seguinte.

Entretanto, tinha anoitecido e a multidão dispersou-se pela praça mas teimava em não debandar, entretida em conversas e a fotografar e a filmar os panoramas iluminados em redor.

Esta permanência ia contra os preceitos das autoridades. De acordo, vários veículos conduzidos por agentes entram em acção vindos da estrada e, apoiados por uma mensagem ensurdecedora em mandarim, forçam as pessoas, como gado, a mover-se em direcção às escadas laterais de saída.

Alguns minutos depois, os últimos resistentes que continuar a ignorar ou a tourear a autoridade rendem-se ao poder da autoridade e às evidências. A Praça da Paz Celestial, construída para o povo, é mais uma vez esvaziada de gente, à força.

Desta vez, o confronto não faz vítimas. Mas de 15 de Abril a 4 de Junho de 1989, Tianamen foi palco de protestos políticos sucessivos que envolveram a sua ocupação principalmente por estudantes e greves de fome. No último dia da contestação, o presidente do Partido Comunista Chinês Deng Xiaoping e o primeiro-ministro Li Peng responderam com a declaração da Lei Marcial e, quando não conseguiram expulsar os manifestantes a bem, ordenaram uma chacina que se crê ter causado entre 300 e 800 mortos e muitos milhares de feridos. Em vez de tanques, a multidão descontente com a falta de abertura política e com a corrupção galopante no seio do PCC viu-se confrontada com forças militares reforçadas por tanques. A maior parte dos protestantes vitimados foram abatidos a tiro mas alguns foram esmagados pelas lagartas dos tanques.

Quem assistiu às imagens que chegaram ao resto do Mundo, dificilmente se esquece do momento mais emblemático dos acontecimentos: um protestante casual, em particular, mostrou enorme coragem e manteve-se na frente de uma coluna de blindados WZ-120 com dois sacos de compras, um em cada mão ao ponto de obrigar o que seguia na dianteira – pouco depois, também os outros – a mudar de direcção para o evitar. O homem desconhecido chegou a subir ao tanque e gritou para dentro da torreta. Pouco depois, pessoas também por identificar vestidas em trajes azuis apareceram e levaram-no para longe do tanque. Até hoje, pouco se sabe de forma inquestionada sobre a identidade destes intervenientes e o seu destino. Sabe-se e sente-se, no entanto, que Tianamen é tudo menos uma Praça de Paz.

Dali, China

A China Surrealista de Dali

Encaixada num cenário lacustre mágico, a antiga capital do povo Bai manteve-se, até há algum tempo, um refúgio da comunidade mochileira de viajantes. As mudanças sociais e económicas da China fomentaram a invasão de chineses à descoberta do recanto sudoeste da nação.
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.

Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.

Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.

Seul, Coreia do Sul

Um Vislumbre da Coreia Medieval

O Palácio de Gyeongbokgung resiste protegido por guardiães em trajes sedosos. Em conjunto, formam um símbolo da identidade sul-coreana. Sem o esperarmos, acabamos por nos ver na era imperial destas paragens asiáticas. 

Nantou, Taiwan

No Âmago da Outra China

Nantou é a única província de Taiwan isolada do oceano Pacífico. Quem hoje descobre o coração montanhoso desta região tende a concordar com os navegadores portugueses que baptizaram Taiwan de Formosa.

Taiwan

Formosa mas Não Segura

Os navegadores portugueses não podiam imaginar o imbróglio reservado à ilha que os encantou. Passados quase 500 anos, Taiwan prospera, algures entre a independência e a integração na grande China.

Huang Shan, China

A Montanha dos Picos Flutuantes

Os picos graníticos de Huang Shan, de que brotam pinheiros acrobatas, surgem em ilustrações artísticas sem conta. O cenário real, além de remoto, permanece mais de 200 dias escondido acima das nuvens.

Badaling, China

Uma Invasão Chinesa da Muralha da China

Com a chegada dos dias quentes, hordas de visitantes Han apoderam-se da maior estrutura criada pelo homem, recuam à era das dinastias imperiais e celebram o protagonismo recém-conquistado pela nação.

Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Sem corrimão
Arquitectura & Design

Brasília, Brasil

Da Utopia à Euforia

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.

Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Cable car com Transamerica Pyramid, São Francisco, Califórnia, Estados Unidos da América
Cidades
São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Cansaço em tons de verde
Cultura

Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival. 

Desporto
Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.
Surfspotting
Em Viagem

Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.

Indígena Coroado
Étnico

Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes Venezuelanos em Festa

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Mural de Key West, Flórida Keys, Estados Unidos
História
Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Mme Moline popinée
Ilhas

Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.

Recta Final
Inverno Branco

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Brincadeira ao ocaso
Natureza
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Um Apocalipse Televisionado
Parques Naturais

La Palma, Espanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.

As Cores da Ilha Elefante
Património Mundial UNESCO

Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.

Cabana de Brando
Personagens

Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.

Dunas da ilha de Bazaruto, Moçambique
Praias
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Cavaleiros do Divino durante a Festa do Divino Espírito Santo, Pirenópolis, Brasil
Religião
Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por padres portugueses, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações religiosas e pagãs. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.
Sobre carris
Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.
Puro Pacífico do Sul
Sociedade

Tongatapu, Tonga

O Último Trono da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.

O projeccionista
Vida Quotidiana

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.

Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Vida Selvagem
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.