Pequim, China

O Coração do Grande Dragão


O Semáforo de Mao

A imagem supervisora de Mao Tsé-Tung no centro do Portal de Tianamen e de frente para a praça homónima.

Marcha

Soldados marcham durante a cerimónia do recolher da bandeira.

Grupo encalorado

Visitantes chineses passeiam sob o olhar altivo do ex-grande líder.

Em sentido

Ao fim do dia, soldados levam a cabo a cerimónia de recolher da bandeira chinesa.

Glória comunista

Motivos comunistas decoram o topo de um dos edifícios que delimitam a Praça Tianamen.

Sono em serviço

Soldado boceja durante o seu turno mesmo em frente à imagem do grande líder Mao Tse-Tung.

Para mais tarde recordar

Espectadores fotografam e filmam cada passo da cerimónia de recolher da bandeira.

Recordação Patriótica

Visitante de Pequim fotografa-se com a filha em trajes históricos chineses.

Em Sentido

Soldado destacado para a formação que leva a cabo a complexa coreografia do recolher da bandeira chinesa.

Trânsito no Coração de Pequim

Taxis e outros veículos passam em frente ao portal de Tianamen, sob supervisão de Mao Tse-Tung.

Cerimonial

Soldados do exército popular chinês fazem descer a bandeira do centro da Praça de Tianamen.

É o centro histórico incoerente da ideologia maoista-comunista e quase todos os chineses aspiram a visitá-la mas a Praça Tianamen será sempre recordada como um epitáfio macabro das aspirações da nação

Estamos no pino do Verão. Pequim permanece abafada e envolta numa névoa que o seu trânsito intenso e cada vez menos velocípede adensa. Ainda assim, é bem visível a multidão de transeuntes que percorre o passeio disposto ao longo do muro sul da Cidade Proibida. Em pleno período de férias – até para milhões dos sempre atarefados servos e novos empresários chineses – chegam à capital cidadãos curiosos e entusiasmados de quase todas as províncias. Juntam-se-lhes expatriados e forasteiros que, como nós, andam mais intrigados que nunca com o sucesso e poderio global recém-conquistado pela etnia Han.

O destino comum desta romagem é a frente do Portal da Paz Celestial em que, há já várias décadas, a imagem paternalista do ex-Presidente Mao Tsé-Tung, parece supervisionar os acontecimentos em redor e os destinos da nação, protegido por um pequeno exército organizado de forma geométrica em seu redor. Foi Mao quem teve a visão de construir a praça maior e mais espectacular do mundo, com capacidade para acolher, no mínimo, 500.000 súbditos. Para tal, em 1950, o Portal da China foi demolido, tal como muitos outros edifícios em grande parte residenciais e os trabalhos tiveram início. Ficaram concluídos apenas 11 meses depois e concederam ao povo um vasto espaço de pedra e betão no cerne simbólico do sino-universo.

O fundador da República Popular da China também havia expresso o desejo de ser cremado após a sua morte. Mas os dirigentes sucessores consideraram o capricho comprometedor da grandiosidade do líder. No fim de 1976, desrespeitaram-no. O corpo de Zedong – a versão não transliterada do seu nome – foi mumificado e colocado para descanso eterno num mausoléu erguido de propósito no meio da praça, no lugar do antigo Portal da China. Em jeito de compensação, as autoridades aproveitaram para  alargar um pouco mais a praça. Passou a medir 880 por 550 metros e a poder receber 600.000 pessoas.

À imagem do que acontece, durante o Verão, para entrar na Cidade Proibida e em tantas outras atracções do centro da capital, formam-se filas intermináveis de pretendentes a contemplá-lo. E, mesmo se a história se encarregou de provar as atrocidades inspiradas pelo Grande Líder em função da ideologia vermelha e do seu Grande Salto em Frente, nem todos os chineses estão a par da realidade ou estão dispostos a aceitá-la. Muitos, gastam uns poucos yuans numa flor que hão de oferecer à sua memória controversa.

Após a longa espera, alguns visitantes mais desconfiados sentem-se enganados. Apesar dos procedimentos de segurança exaustivos e da obrigatoriedade de se retirar o chapéu, são comuns as acusações de que o que está em exposição não passa de um boneco de cera. O corpo surge numa espécie de cápsula de cristal, coberto por uma bandeira comunista antiga. Protegem-nos vários guardas do exército nacional que acossam os contempladores a prosseguirem o quanto antes para a sala seguinte.

Continuamos a explorar os recantos da praça e atravessamos as passagens subterrâneas sob a estrada que a separa da muralha da Cidade Proibida e do Portal da Paz Celestial.  

Instalaram-se ali por baixo, dezenas de vendedores de recordações e bebidas ambulantes e clandestinos, protagonistas de um jogo  de gato e rato a que a polícia parece já se ter habituado.

O fim da tarde é marcado por um pôr-do-sol difuso que alaranja a vertente oeste. E pelo aglomerar de mais uma multidão multinacional paciente, agora em redor de uma área delimitada em redor do mastro em que esvoaça, altiva, a bandeira chinesa.

A determinada hora certa, militares posicionados em frente ao Portal da Paz Celestial invadem a estrada e interrompem o trânsito. Um pequeno batalhão de soldados de espadas e espingardas ao alto surge do lado de lá dos muros, atravessa uma das pontes e a via ampla que a separa da praça homónima. Em seguida, entram na área restrita e distribuem-se de forma organizada, parte deles a encarar o público ruidoso que lhes aponta centenas de telemóveis para, assim, filmar e fotografar a cerimónia. Outros que sobem ao pedestal coberto a tapete vermelho e fazem continência em direcção ao portal e à figura de Mao já iluminada de forma artificial. Dois destes soldados elevados junto à base do poste arriam a bandeira e enrolam-na com recurso a trejeitos e puxões bruscos, quisemos crer que previstos pelo protocolo.

Quando terminam, o batalhão reagrupa-se e torna a cruzar a estrada de regresso ao lado de lá do portal, lugar de repouso da bandeira que volta a ser erguida após cerimónia semelhante na madrugada seguinte.

Entretanto, tinha anoitecido e a multidão dispersou-se pela praça mas teimava em não debandar, entretida em conversas e a fotografar e a filmar os panoramas iluminados em redor.

Esta permanência ia contra os preceitos das autoridades. De acordo, vários veículos conduzidos por agentes entram em acção vindos da estrada e, apoiados por uma mensagem ensurdecedora em mandarim, forçam as pessoas, como gado, a mover-se em direcção às escadas laterais de saída.

Alguns minutos depois, os últimos resistentes que continuar a ignorar ou a tourear a autoridade rendem-se ao poder da autoridade e às evidências. A Praça da Paz Celestial, construída para o povo, é mais uma vez esvaziada de gente, à força.

Desta vez, o confronto não faz vítimas. Mas de 15 de Abril a 4 de Junho de 1989, Tianamen foi palco de protestos políticos sucessivos que envolveram a sua ocupação principalmente por estudantes e greves de fome. No último dia da contestação, o presidente do Partido Comunista Chinês Deng Xiaoping e o primeiro-ministro Li Peng responderam com a declaração da Lei Marcial e, quando não conseguiram expulsar os manifestantes a bem, ordenaram uma chacina que se crê ter causado entre 300 e 800 mortos e muitos milhares de feridos. Em vez de tanques, a multidão descontente com a falta de abertura política e com a corrupção galopante no seio do PCC viu-se confrontada com forças militares reforçadas por tanques. A maior parte dos protestantes vitimados foram abatidos a tiro mas alguns foram esmagados pelas lagartas dos tanques.

Quem assistiu às imagens que chegaram ao resto do Mundo, dificilmente se esquece do momento mais emblemático dos acontecimentos: um protestante casual, em particular, mostrou enorme coragem e manteve-se na frente de uma coluna de blindados WZ-120 com dois sacos de compras, um em cada mão ao ponto de obrigar o que seguia na dianteira – pouco depois, também os outros – a mudar de direcção para o evitar. O homem desconhecido chegou a subir ao tanque e gritou para dentro da torreta. Pouco depois, pessoas também por identificar vestidas em trajes azuis apareceram e levaram-no para longe do tanque. Até hoje, pouco se sabe de forma inquestionada sobre a identidade destes intervenientes e o seu destino. Sabe-se e sente-se, no entanto, que Tianamen é tudo menos uma Praça de Paz.

Dali, China

A China Surrealista de Dali

Encaixada num cenário lacustre mágico, a antiga capital do povo Bai manteve-se, até há algum tempo, um refúgio da comunidade mochileira de viajantes. As mudanças sociais e económicas da China fomentaram a invasão de chineses à descoberta do recanto sudoeste da nação.
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.

Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.

Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.

Seul, Coreia do Sul

Um Vislumbre da Coreia Medieval

O Palácio de Gyeongbokgung resiste protegido por guardiães em trajes sedosos. Em conjunto, formam um símbolo da identidade sul-coreana. Sem o esperarmos, acabamos por nos ver na era imperial destas paragens asiáticas. 

Nantou, Taiwan

No Âmago da Outra China

Nantou é a única província de Taiwan isolada do oceano Pacífico. Quem hoje descobre o coração montanhoso desta região tende a concordar com os navegadores portugueses que baptizaram Taiwan de Formosa.

Taiwan

Formosa mas Não Segura

Os navegadores portugueses não podiam imaginar o imbróglio reservado à ilha que os encantou. Passados quase 500 anos, Taiwan prospera, algures entre a independência e a integração na grande China.

Huang Shan, China

A Montanha dos Picos Flutuantes

Os picos graníticos de Huang Shan, de que brotam pinheiros acrobatas, surgem em ilustrações artísticas sem conta. O cenário real, além de remoto, permanece mais de 200 dias escondido acima das nuvens.

Badaling, China

Uma Invasão Chinesa da Muralha da China

Com a chegada dos dias quentes, hordas de visitantes Han apoderam-se da maior estrutura criada pelo homem, recuam à era das dinastias imperiais e celebram o protagonismo recém-conquistado pela nação.

Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Competição do Alaskan Lumberjack Show, Ketchikan, Alasca, EUA
Arquitectura & Design
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Lagoas fumarentas
Aventura

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

Preces ao fogo
Cerimónias e Festividades

Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se

Emma
Cidades

Melbourne, Austrália

Austrália “Asienada”

Capital cultural aussie, Melbourne também é frequentemente eleita a cidade com melhor qualidade de vida do Mundo. Quase um milhão de emigrantes orientais aproveitaram este acolhimento imaculado.

Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha-Pão do Usbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Gentlemen Club & Steakhouse
Cultura

Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.

Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Homem em caique no Lago Saint Clair, Tasmânia, Austrália
Em Viagem
À Descoberta de Tassie, 2ª Parte, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Espantoso
Étnico

Ambergris Caye, Belize

O Recreio do Belize

Madonna cantou-a como La Isla Bonita e reforçou o mote. Hoje, nem os furacões nem as disputas políticas desencorajam os veraneantes VIPs e endinheirados de se divertirem neste refúgio tropical.

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Trio das alturas
História

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Habitante de Mindelo, a capital de São Vicente e a capital cultural de Cabo Verde
Ilhas
São Vicente, Cabo Verde

O Milagre de São Vicente

Uma volta a esta ilha revela uma aridez tão deslumbrante como inóspita. Contra todas as probabilidades, por um capricho da história, São Vicente viu o Mindelo prosperar como a segunda cidade mais populosa de Cabo Verde e a sua indisputada capital cultural.
Esqui
Inverno Branco

Lapónia, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.

De visita
Literatura

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Cores Argentinas
Natureza

Perito Moreno, Argentina

O Glaciar Que Não se Rende

O aquecimento é supostamente global mas não chega a todo o lado. Na Patagónia, alguns rios de gelo resistem.De tempos a tempos, o avanço do Perito Moreno provoca derrocadas que fazem parar a Argentina

Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Enseada do Éden
Parques Naturais

Praslin, Seichelles

O Éden dos Enigmáticos Cocos-do-Mar

Durante séculos, os marinheiros árabes e europeus acreditaram que a maior semente do mundo, que encontravam nos litorais do Índico com forma de quadris voluptuosos de mulher, provinha de uma árvore mítica no fundo dos oceanos.  A ilha sensual que sempre os gerou deixou-nos extasiados.

Músicos de etnia karanga jnunto às ruínas de Grande Zimbabwe, Zimbabwe
Património Mundial UNESCO
Grande Zimbabué

Grande Zimbabwe, Pequena Dança Bira

Nativos de etnia Karanga da aldeia KwaNemamwa exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas do Grande Zimbabwe. o lugar mais emblemático do Zimbabwe, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova e problemática nação.  
Palestra
Personagens

Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

Promessa?
Praias
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Buda Vairocana, templo Todai ji, Nara, Japão
Religião
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
Assento do sono
Sobre carris

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

Puro Pacífico do Sul
Sociedade
Tongatapu, Tonga

O Último Trono da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma outra monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.
O projeccionista
Vida Quotidiana

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.

Penhascos acima do Valley of Desolation, junto a Graaf Reinet, África do Sul
Vida Selvagem
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Aterragem sobre o gelo
Voos Panorâmicos

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.