Viti Levu, Fiji

Canibalismo e Cabelo, Velhos Passatempos de Viti Levu, ilhas Fiji


Capacete capilar
O cabelo exuberante de Rockodage Bello, dona de uma espécie de antiquário de Pacific Harbour.
Pronto a comer
Rapazes de um matagali da beira do rio Navua ralam coco fresco.
Sobre a Proa
William, um guia nativo, conduz uma pequena expedição pelo rio Navua, em direcção às terras altas de Namosi.
Samu Sakelago
Rapaz fijiano exibe dotes artesãos.
Poder capilar
Imagem histórica de guerreiros fijianos com as grandes cabeleiras tradicionais deste arquipélago melanésio.
Selva tropical de Namosi
Vegetação cerrada do sopé das Namosi Highlands.
Trio Fijiano
Mosese S. Jnr, Herry Danford e Samu Sakelago posam na sua aldeia.
Parede de Vegetação
Cenário verdejante de uma vertente na margem do rio Navua.
Guerreiros Cabeludos
Foto histórica mostra guerreiros fijianos com fartas cabeleiras.
Coreografia de boas-vindas
Jovem protagoniza uma dança, após a cerimónia kava de recepção dos convidados do clã.
Jangada de bambu
Nativo conduz visitantes ao longo do rio Navua.
Mosese S. Jnr
Um jovem da margem do Navua, com o sonho de jogar raguebi na Nova Zelândia ou na Austrália.
Ao Tapete
Nativos de um clã à margem do rio Navua encerram mais uma dança típica.
Trilho Luxuriante
Nativo percorre uma levada ao longo de um afluente do rio Navua.
Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.

Bula, a expressão nacional fijiana significa simultaneamente “olá” e “bem-vindo” e é normalmente proferida com um sorriso nos lábios.

Em Fiji, todo o contacto começa por ela e passa a amizade pela kava, uma espécie de soro obtido das raízes da planta homónima. Não demorámos muito a experimentá-la.

Chegados à foz do Navua, juntamo-nos a um grupo prestes a subir o rio até às enigmáticas Namosi Highlands. A primeira parte da expedição contempla uma visita a um matagali (aldeia típica), e, como manda a tradição, inclui uma cerimónia de recepção com partilha desta bebida.

Do lado da aldeia, é o chefe Tui quem conduz o protocolo. Em representação dos estrangeiros, está um líder de conveniência escolhido pelo guia local, com a concordância do resto da comitiva. Os dois ficam sentados frente a frente, ladeados pelos outros elementos da sua representação.

A Fastidiosa Cerimónia Fijiana da Kava

Dá-se, então, uma troca interminável de palavras entre Tui e o guia William – seu filho e herdeiro do cargo – de que se  destacam, pela repetição, inúmeros naka, diminutivos do obrigado fijiano, que, na íntegra, se pronúncia vinaka.

Terminado o diálogo, o chefe Tui espreme as raízes de kava para uma tanoa – um grande recipiente esculpido em madeira. A bebida, alcoólica e amarga, é finalmente servida aos participantes e gera reacções distintas que vão da repulsa à indiferença.

Habituados ao desconforto dos forasteiros, os anfitriões dão início a exibições de danças tradicionais meke, primeiro masculinas e guerreiras, depois, graciosas, femininas.

Mulher leva a cabo movimentos de uma dança tradicional fijiana.

Após o almoço, o carismático William retoma a palavra e, descreve o passado longínquo da sua aldeia e a arrepiante vida tribal das Namosi Highlands. 

É sem razões contemporâneas para receio que regressamos ao Navua, com o plano de vencer o caudal para chegar às terras altas da cordilheira. Banal nas imediações do oceano, o rio depressa muda de aparência.

E, quando menos se espera, surge ladeado por “florestas” impenetráveis de glória da manhã, bambu e de vegetação rival que criam cenários sombrios. O nevoeiro adensa-se a partir das margens e retoca o ambiente para as novas narrativas arrepiantes de William.

Rio, Fiji, Viti Levu, Canibalismo e Cabelo

Nativo percorre uma levada ao longo de um afluente do rio Navua

O Longo Passado de Canibalismo das Ilhas de Fiji

Este, aproveita a envolvência enigmática e relembra que o canibalismo fez parte de Viti Levu e de grande parte da melanésia durante mais de 2500 anos e que a mais sofisticada forma de vingança para uma tribo de Fiji – o supra-sumo do insulto às rivais – era, até há menos de um século, naquelas mesmas margens, comer os inimigos.

Poupa a comitiva aos pormenores realmente macabros.

A garganta que acolhe o rio aperta à medida que avançamos para o interior e passamos por longas quedas de água que se precipitam das falésias. Ao mesmo tempo, a floresta adensa-se e agrava o ambiente semi-assustador que pareceu ideal ao realizador de “Anaconda 2: The Black Orchid”, para ali rodar mais um filme de fugir da famosa saga réptil.

Sobrevivemos à expedição. Assim que regressamos a Navua, metemo-nos no carro, guiamos até Pacific Harbour e espreitamos o mercado local, um reduto comercial peculiar, estagnado por aparente falta de facturação e aquém do requinte plástico dos resorts em redor. 

Ali, encontramos o exemplo perfeito de outro hobby histórico fijiano: o cabelo. 

Mosese S. Jnr, Fiji, Viti Levu, Canibalismo e Cabelo

m jovem da margem do Navua, com o sonho de jogar raguebi na Nova Zelândia ou na Austrália.

Canibalismo à Parte. A Obsessão dos Fijianos pelo Seu Cabelo

Rockodage Bello passa o espanador pela sua loja de antiguidades quando lhe perguntamos se a podemos fotografar. De dentro do vestido azul às flores, a senhora parece inchar de vaidade e implora apenas por alguns segundos para se arranjar.

Através de uma porta entreaberta, vemo-la a escovar o cabelo farto vezes sem conta perante um espelho antigo. E, quando pensamos que o embelezamento está terminado, Rockodage traz-nos uma cadeira e relembra, com graça inata, que ninguém está com pressa.

Passam-se mais dois minutos até que, por fim, lá ajeita uma pequena pluméria atrás da orelha e se apresenta, radiante, para a fotografia. 

Capacete capilar

O cabelo exuberante de Rockodage Bello, dona de uma espécie de antiquário de Pacific Harbour.

O peso do seu simbolismo desvaneceu-se com o tempo, mas o cabelo chegou a desempenhar um papel fulcral na sociedade fijiana. O tamanho das cabeleiras marcava a masculinidade do portador mas também a hierarquia social das aldeias.

Era sabido que o cabelo de um homem comum não podia ser maior que o do chefe e a cabeleira das mulheres teria que se manter inferior à dos seus maridos.

Tendo em conta estas convenções, alguns indígenas passavam horas em cabeleireiros locais tratando dos seus enormes capacetes capilares (às vezes com 30 cm) que tingiam com as suas cores e padrões preferidos.

Cabelos históricos, Fiji, Viti Levu, Canibalismo e Cabelo

Foto histórica mostra guerreiros fijianos com fartas cabeleiras

A moda desvaneceu-se. Hoje, apesar de se encontrarem ainda enormes bolas capilares, exemplares tão volumosos como o de Rockodage tornaram-se raros.

Os que subsistem, cumprem, na perfeição, a sua função de impressionar.

Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.

Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.

Viti Levu, Fiji

A Partilha Improvável da ilha Viti Levu

Em pleno Pacífico Sul, uma comunidade numerosa de descendentes de indianos recrutados pelos ex-colonos britânicos e a população indígena melanésia repartem há muito a ilha chefe de Fiji.
Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Navala, Fiji

O Urbanismo Tribal de Fiji

Fiji adaptou-se à invasão dos viajantes com hotéis e resorts ocidentalizados. Mas, nas terras altas de Viti Levu, Navala conserva as suas palhotas criteriosamente alinhadas.
Picos florestados, Huang Shan, China, Anhui, Montanha Amarela dos Picos Flutuantes
Parques nacionais
Huang Shan, China

Huang Shan: as Montanhas Amarelas dos Picos Flutuantes

Os picos graníticos das montanhas amarelas e flutuantes de Huang Shan, de que brotam pinheiros acrobatas, surgem em ilustrações artísticas da China sem conta. O cenário real, além de remoto, permanece mais de 200 dias escondido acima das nuvens.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
cowboys oceania, Rodeo, El Caballo, Perth, Australia
Cerimónias e Festividades
Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
Palácio de Cnossos, Creta, Grécia
Cidades
Iraklio, Grécia

De Minos a Menos

Chegamos a Iraklio e, no que diz respeito a grandes cidades, a Grécia fica-se por ali. Já quanto à história e à mitologia, a capital de Creta ramifica sem fim. Minos, filho de Europa, lá teve tanto o seu palácio como o labirinto em que encerrou o minotauro. Passaram por Iraklio os árabes, os bizantinos, os venezianos e os otomanos. Os gregos que a habitam falham em lhe dar o devido valor.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Maiko durante espectaculo cultural em Nara, Geisha, Nara, Japao
Cultura
Quioto, Japão

Sobrevivência: A Última Arte Gueixa

Já foram quase 100 mil mas os tempos mudaram e as gueixas estão em vias de extinção. Hoje, as poucas que restam vêem-se forçadas a ceder a modernidade menos subtil e elegante do Japão.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Eternal Spring Shrine
Em Viagem

Garganta de Taroko, Taiwan

Nas Profundezas de Taiwan

Em 1956, taiwaneses cépticos duvidavam que os 20km iniciais da Central Cross-Island Hwy fossem possíveis. O desfiladeiro de mármore que a desafiou é, hoje, o cenário natural mais notável da Formosa.

Étnico
Gizo, Ilhas Salomão

Gala dos Pequenos Cantores de Saeraghi

Em Gizo, ainda são bem visíveis os estragos provocados pelo tsunami que assolou as ilhas Salomão. No litoral de Saeraghi, a felicidade balnear das crianças contrasta com a sua herança de desolação.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Bar sobre o grande estuário
História

Sydney, Austrália

De Desterro de Criminosos a Cidade Exemplar

A primeira das colónias australianas foi erguida por reclusos desterrados. Hoje, os aussies de Sydney gabam-se de antigos condenados da sua árvore genealógica e orgulham-se da prosperidade cosmopolita da megalópole que habitam. 

Solovestsky Outonal
Ilhas
Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

El Nido, Palawan a Ultima Fronteira Filipina
Natureza
El Nido, Filipinas

El Nido, Palawan: A Última Fronteira Filipina

Um dos cenários marítimos mais fascinantes do Mundo, a vastidão de ilhéus escarpados de Bacuit esconde recifes de coral garridos, pequenas praias e lagoas idílicas. Para a descobrir, basta uma bangka.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Mokoros
Parques Naturais

Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.

Guardiã, Museu Estaline, Gori, Georgia
Património Mundial UNESCO
Uplistsikhe e Gori, Geórgia

Do Berço da Geórgia à Infância de Estaline

À descoberta do Cáucaso, exploramos Uplistsikhe, uma cidade troglodita antecessora da Geórgia. E a apenas 10km, em Gori, damos com o lugar da infância conturbada de Joseb Jughashvili, que se tornaria o mais famoso e tirano dos líderes soviéticos.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Praias
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Queima de preces, Festival de Ohitaki, templo de fushimi, quioto, japao
Religião
Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Parada e Pompa
Sociedade
São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré. Siga a Marinha

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.