Pucón, Chile

Entre as Araucárias de La Araucania


O grande vulcão Villarrica
Travessia sobre azul
Senhora d’El Bosque
A Postos
Araucania no Lago Tinquilco
Salto de Leão II
À espera do frio
Sol de lado
Salto de Leão
Trabalho da Natureza
Rosto Mapuche
Trabalho da Natureza III
O Verde Tinquilco
Mapuche aguerrido
Salto La China
A determinada latitude do longilíneo Chile, entramos em La Araucanía. Este é um Chile rude, repleto de vulcões, lagos, rios, quedas d’água e das florestas de coníferas de que brotou o nome da região. E é o coração de pinhão da maior etnia indígena do país: a Mapuche.

Boa vontade nunca faltou a Don Carlos Carrillo, disso estávamos certos. Só que, amiúde, o seu acolhimento voluntarista em Pucón descambava em trapalhadas que nos víamos obrigados a resolver.

Saímos bem cedo da Cabaña Quiñolafquen em que nos tinham alojado. Deixamo-la disparados para o Parque Nacional Huerquehue, um ex libris de Pucón e uma das áreas protegidas mais antigas do Chile, fundada em 1912.

À entrada, o administrador do parque dá-nos más notícias. “Pois, eu entendo que estava tudo combinado mas olhem que, lá da municipalidad, não me chegou nada.”

Guarda-florestal, PN Huerquehue, Pucón, La Araucania, Chile

Guarda-florestal do Parque Nacional Huerquehue, um dos mais conceituados da região de La Araucania.

No dia anterior, na nossa presença, Don Carrillo tinha de facto telefonado para uma delegação local da CONAF, a influente Corporación Nacional Forestal. Só que o fez para a do parque errado: ligara para o Parque Nacional Villarrica em vez de para o Huerquehue.

Explicamos o equívoco ao paciente director e sublinhamos que vínhamos do outro lado do Planeta, que os cenários de Pucón eram maravilhosos  e que nos sentiríamos frustrados se não os pudéssemos revelar em Portugal.

Por sorte, além de compreensivo, é amante da fotografia de natureza.  “Só tenho uma D50, nada como esses vossos maquinões. Mas lá vou fazendo o meu melhor. Olhem, não há problema. Entrem. Cansem-se o mais possível e, acima de tudo, divirtam-se”.

O Parque Nacional Huerquehue Deserto

Dois dias antes, tínhamos subido aos 2860m do cume sulfuroso do vulcão Villarrica, um dos mais activos do Chile, na iminência da cidade de Pucón. Ainda sentíamos as pernas a recuperar do castigo. Em pleno périplo pela América do Sul, não lhes podíamos dar tréguas.

Estávamos a entrar em Abril. A época alta de Pucón terminara em Fevereiro, o derradeiro mês do estivo chileno. Apesar de o dia ter amanhecido uma vez mais glorioso, não víamos vivalma. A inesperada solidão, só agigantou os cenários de visual alpino a que entretanto nos entregámos.

Lago Tinquilco no PN Huerquehue, La Araucania, Chile

Panorama do lago Tinquilco, em pleno PN Huerquehue.

Pouco depois de o tomarmos, o trilho dos Tres Lagos enfia-se num bosque inclinado e denso de bambu que atravessamos com a ajuda de mini-pontes feitas de tábuas cobertas de terra. Para cima, esse bosque dá lugar à floresta andina da Patagónia mais característica destas partes.

Passamos a caminhar entre troncos de araucárias musgosos, com dezenas de metros, copas altivas e sub-copas ramificadas com tal simetria ou excentricidade que nos habituamos a apreciá-las como obras de arte vegetais.

Reflexo de vegetação outonal, no PN Huerquehue, Pucón, La Araucania, Chile

As primeiras folhas de Outono surgem por volta de Março, Abril no PN Huerquehue nas imediações de Pucón.

Pela Beira do Lago Tinquilco

A profusão destas araucárias e de outros tipos de coníferas e de pinheiros compunham vastas áreas mais que sombrias, lúgubres, em que ziguezagueávamos como insectos ávidos de luz. Isto, até que o trilho se farta da soturnidade e nos conduz para a beira do leito em forma de garrafa do lago Tinquilco.

Barrado pela multidão de araucárias em redor, não corre sequer uma aragem. De acordo, mais que um lago, o Tinquilco (“águas quietas”) revela-se um espelho rigoroso que duplica as formas arbóreas e os tons já semi-outonais envolventes. Alguns dos seus recantos surgem repletos de um capim alto que, contraluz, marcam uma presença quase espiritual.

Às tantas, um par de cantarilhos sai de dentro desse capim. Gera sulcos aquáticos pioneiros no caudal que, durante uma boa centena de metros, se desfazem à nossa frente.

Continuamos a subir o trilho Tres lagos. À laia de recompensa pelo esforço, somos recompensados pela vista majestosa do cone quase-perfeito do vulcão Villarrica, malhado de negro e branco-neve, bem acima das copas supremas das araucárias.

Vulcão Villarrica, La Araucania,

O ocaso doura o cone quase perfeito do vulcão activo Villarrica, um dos vários da região de La Araucania.

No dialecto mapuche – a etnia indígena predominante da região – Huerquehue significa “lugar de mensageiros”. Como que ilustrá-lo, o Villarrica lança sinais de fumo para o céu azulão, completamente desprovido de nuvens.

São mensagens inequívocas do poder destrutivo do vulcão. De como, no seu sopé e à sua sombra, Pucón nunca poderá dormir descansada. De qualquer maneira, o passado da agora idílica região sempre se provou tudo menos tranquilo.

Mapuches: os Mensageiros Indígenas de La Araucania

Os mapuches são um grupo de etnias indígenas que partilham uma mesma base social, religiosa e até económica. Contam-se em redor de um milhão e setecentos mil, quase 10% dos mais de dezoito milhões de habitantes do Chile. 80% de todos os indígenas desta nação sul-americana. Mas, já só cerca de 200.000 falam fluentemente os seus dialectos originais mapudungun ou huilliche.

Ao longo da história, os mapuches chegaram a influenciar e/ou dominar a quase totalidade da Patagónia hoje chilena e argentina. Submeteram os poderosos tehuelches e outros indígenas da vasta pampa albiceleste,  uma aculturação que ficou conhecida pela Araucanização da Patagónia.

Escultura índio mapuche, Pucón, La Araucania, Chile

Escultura de índio mapuche, em Pucón

A partir de 1540, os recém-chegados conquistadores e colonos espanhóis terminaram com esta supremacia mapuche. E introduziram o termo arauco, a adaptação hispânica de um lugar mapuche rag ko traduzido como água barrenta. O próprio termo araucária deriva de tal adaptação.

Nessa manhã, durante boa parte da tarde, alternamos entre a floresta de coníferas e os lagos, mais dois ou três ao longo do percurso: o El Toro, o Chico e o Verde, um trio de vizinhos ligados por fluxos de água estreitos.

De Volta ao Abrigo Ribeirinho de Pucón

Regressamos a Pucón de autocarro, com a cabeça a tombar-nos para a frente, tal era o cansaço acumulado.

A noite insinua-se. Antecipamo-la em La Poza, uma amostra de baía do grande lago da cidade, chamado Villarrica, como o vulcão que dele se destaca a sul.

Passamos pelo Vapor-Chucao, um navio construído em 1905 e mais tarde trazido para o lago para assegurar trajectos de ida e volta entre Pucón e a povoação de Villarrica.

Quase 100 anos depois, esse Vapor permanece atracado em frente ao velho hotel Gudenschwager, o mais antigo de Pucón, erguido em 1923, por um colono alemão, Don Otto Gudenschwager Becker. A imobilidade do navio contribuía, uma vez mais, para a do lago. Sob as altas pressões que se haviam instalado na zona, à imagem dos lagos do PN Huerquehue, também o Villarica parecia ter-se solidificado.

A Omnipresença Vulcânica do Villarrica

Barco no lago Villarrica, Pucón, La Araucania, Chile

Barco cruza o lago Villarrica, junto a Pucón

Sentamo-nos a ver o sol esparramar-se para ocidente, sobre a margem oposta à que estávamos. Durante esse popular processo astral, um barqueiro aparece do nada. Cruza a baía de lado a lado. As suas remadas vigorosas agitam o caudal. Num instante, aquele mar de água-doce-azul-petróleo ganha um surpreendente encanto listado.

Ao mesmo tempo, o azular crepuscular da atmosfera faz destacar as manchas brancas do cone do vulcão. E assim se desenrola a noite. Até que o breu absoluto que se apoderou de La Araucanía e de Pucón nos convenceu a darmos o dia por fechado.

Sem espanto, sem cedências. Foi sobretudo com um já inexplicável entusiasmo que dedicámos o dia seguinte a explorarmos mais da região, segundo um itinerário rodoviário e caminhante entre quedas d’água e outros fenómenos naturais.

Salto atrás de Salto, em Redor de Pucón

Continuou a deslumbrar-nos a elegância e bom gosto que a Natureza por ali assumia: os padrões belíssimos de musgo, líquenes e rocha terrosa que forravam o paredão do grande Salto de la China, um mergulho fluvial com uns impressionantes 70 metros.

Salto La China, Pucón, La Araucania, Chile

Os 70 metros verticais do Salto La China.

Também o Salto El Léon que se seguia, com 20 metros adicionais e bem mais volumoso, de tal maneira aspersor que irrigava um exuberante arco-íris residente. E o fulgor outonal da manhã que penetrava a floresta de soslaio e iluminava folhagens pendentes; fetos e arbustos rasteiros.

Encantaram-nos ainda os passadiços cobertos de húmus encharcado, pingado pelas ramagens de bambu. Mas, no que diz respeito a Natureza, é melhor ficarmo-nos por aí. Regressemos às gentes de Pucón.

Em prospecção pelo mercado da cidade, reparamos na quantidade de pinhões à venda. Não só na quantidade. Na quantidade e na diversidade e tamanho hiperbólico de boa parte deles. Outra coisa que constatamos são os traços distintos dos vendedores.

Pinhões de araucárias, Pucón, La Araucania, Chile

Os pinhões hiperbólicos gerados pelas grandes araucárias que os chilenos chamam de piñoneros.

Estávamos no coração de La Araucanía. A abundância de piñoneros – assim chamam os chilenos às araucárias – explicava a profusão das suculentas sementes. Mas, como já vimos, La Araucanía também se preserva o cerne territorial dos mapuches.

A Longa Resistência Mapuche

Foi algo que, pouco depois de entrarem pela costa chilena revelada por Fernão de Magalhães, os conquistadores espanhóis tudo fizeram para mudar.

Ditou o destino que, no fim da primeira metade do século XVI, uma investida levada a cabo por Juan Bautista Pastene, um súbdito do mentor  da conquista do Chile Pedro de Valdívia, tivesse originado a longa Guerra de Arauco. Foi travada durante quase três séculos – 1544 até à independência do Chile, em 1818 – contra os resilientes mapuches.

Nesse período, os mapuches resistiram e causaram destruição generalizada nas cidades e posses coloniais. Por volta de 1600, conseguiram até a demarcação de uma fronteira clara, assente na expulsão dos espanhóis para zonas mais a norte do esguio Chile.

Funcionária do bar El Bosque, em Pucón, La Araucania, Chile

Funcionária do bar El Bosque, em Pucón

No século XIX, o conflito tornou-se ainda mais complexo já que as forças fieis à Coroa Espanhola passaram a confrontar-se com as recém-formadas independentistas. Os chefes mapuches aliaram-se às primeiras mas os independentistas triunfaram.

De 1860 em diante, o exército do Chile independente concentrou-se, por fim, em dominar os mapuches. Malgrado a resistência feroz, os indígenas capitularam. Os que insistiram em permanecer nas terras – muitas delas entregues aos colonos – foram colocados em reduções. Decorridos 150 anos, é numa dela que os encontramos.

O Refúgio Mapuche de Quelhue

Seguimos na direcção do rio Pucón O Minetue. Acompanhamos a sua correnteza repleta de rápidos que só deixamos quando se entrega ao lago Villarrica. Cruzamos um outro, o Quilque. Daí em diante, avançamos por uma estrada de rípio até às imediações de Quelhue. Demoramos um bom tempo a achar o lugar que não víamos indicado e, pelo menos como por ele perguntávamos, ninguém parecia conhecer.

Por fim, lá encontramos Gabrielle, uma adolescente que nos explica o caminho. Logo, uma casa comunal e um dos tradicionais grandes grupos familiares, em pleno convívio regado por Pisco e refrigerantes, em redor de uma mesa. Tal como Gabrielle nos havia alertado, os mapuches abominam a inundação turística da sua região que acontece, ano após ano, de Dezembro a Fevereiro.

Jovem mapuche, Quelhue, Pucón, Chile

Rapariga mapuche, à entrada da redução de Quelhue, arredores de Pucón.

Rejeitam tudo o que são tratamentos da sua comunidade como atracções. Com o máximo de sensibilidade possível, explicamos que não éramos propriamente turistas, que ali tínhamos chegado sós, sem nada de mais planeado e que gostávamos apenas de os conhecer, de saber como viviam agora.

Acabaram por nos convidar para a mesa. Conversamos sobre tudo um pouco mas pouco ou nada da espécie de apartheid sul-americano em que os mapuches há muito vivem. Bebemos pisco-sour. Comemos empanadas.  Insistimos um pouco mais. Por fim, os anfitriões autorizaram que os fotografássemos. Deixámos Pucón com a recordação do convívio, do humor, da sua abertura de espírito. E dos seus rostos e sorrisos generosos.

Bem mais do estávamos a contar.

Vulcão Villarrica, Chile

Ascensão à Cratera do Vulcão Villarrica, Sempre em Actividade

Pucón abusa da confiança da natureza e prospera no sopé da montanha Villarrica.Seguimos este mau exemplo por trilhos gelados e conquistamos a cratera de um dos vulcões mais activos da América do Sul.
Puerto Natales-Puerto Montt, Chile

Cruzeiro num Cargueiro

Após longa pedinchice de mochileiros, a companhia chilena NAVIMAG decidiu admiti-los a bordo. Desde então, muitos viajantes exploraram os canais da Patagónia, lado a lado com contentores e gado.
Ilha Robinson Crusoe, Chile

Alexander Selkirk: na Pele do Verdadeiro Robinson Crusoe

A principal ilha do arquipélago Juan Fernández foi abrigo de piratas e tesouros. A sua história fez-se de aventuras como a de Alexander Selkirk, o marinheiro abandonado que inspirou o romance de Dafoe
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
PN Torres del Paine, Chile

A Mais Dramática das Patagónias

Em nenhuma outra parte os confins austrais da América do Sul se revelam tão arrebatadores como na cordilheira de Paine. Ali, um castro natural de colossos de granito envolto de lagos e glaciares projecta-se da pampa e submete-se aos caprichos da meteorologia e da luz.
Rapa Nui - Ilha da Páscoa, Chile

Sob o Olhar dos Moais

Rapa Nui foi descoberta pelos europeus no dia de Páscoa de 1722. Mas, se o nome cristão ilha da Páscoa faz todo o sentido, a civilização que a colonizou de moais observadores permanece envolta em mistério.
El Tatio, Chile

Géiseres El Tatio - Entre o Gelo e o Calor do Atacama

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio, no Deserto de Atacama surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4200 m de altitude. Os seus géiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes.
Deserto de Atacama, Chile

A Vida nos Limites do Deserto de Atacama

Quando menos se espera, o lugar mais seco do mundo revela novos cenários extraterrestres numa fronteira entre o inóspito e o acolhedor, o estéril e o fértil que os nativos se habituaram a atravessar.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design
Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Ilha de Miyajima, Xintoismo e Budismo, Japão, Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
Acolhedora Vegas
Cidades
Las Vegas, E.U.A.

Capital Mundial dos Casamentos vs Cidade do Pecado

A ganância do jogo, a luxúria da prostituição e a ostentação generalizada fazem parte de Las Vegas. Como as capelas que não têm olhos nem ouvidos e promovem matrimónios excêntricos, rápidos e baratos.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Efate, Vanuatu, transbordo para o "Congoola/Lady of the Seas"
Cultura
Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Vista do John Ford Point, Monument Valley, Nacao Navajo, Estados Unidos
Em Viagem
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Espectáculo Impressions Lijiang, Yangshuo, China, Entusiasmo Vermelho
Étnico
Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Totem, Sitka, Viagem Alasca que já foi da Rússia
História
Sitka, Alasca

Sitka: Viagem por um Alasca que Já foi Russo

Em 1867, o czar Alexandre II teve que vender o Alasca russo aos Estados Unidos. Na pequena cidade de Sitka, encontramos o legado russo mas também os nativos Tlingit que os combateram.
Mural de Key West, Flórida Keys, Estados Unidos
Ilhas
Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
savuti, botswana, leões comedores de elefantes
Natureza
Savuti, Botswana

Os Leões Comedores de Elefantes de Savuti

Um retalho do deserto do Kalahari seca ou é irrigado consoante caprichos tectónicos da região. No Savuti, os leões habituaram-se a depender deles próprios e predam os maiores animais da savana.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Património Mundial UNESCO
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Personagens
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Vista aérea de Moorea
Praias
Moorea, Polinésia Francesa

A Irmã Polinésia que Qualquer Ilha Gostaria de Ter

A meros 17km de Taiti, Moorea não conta com uma única cidade e abriga um décimo dos habitantes. Há muito que os taitianos veem o sol pôr-se e transformar a ilha ao lado numa silhueta enevoada para, horas depois, lhe devolver as cores e formas exuberantes. Para quem visita estas paragens longínquas do Pacífico, conhecer também Moorea é um privilégio a dobrar.
Hinduismo Balinês, Lombok, Indonésia, templo Batu Bolong, vulcão Agung em fundo
Religião
Lombok, Indonésia

Lombok: Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito
A Toy Train story
Sobre Carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Nissan, Moda, Toquio, Japao
Sociedade
Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.
Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Maria Jacarés, Pantanal Brasil
Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
EN FR PT ES