Pico do Arieiro - Pico Ruivo, Madeira, Portugal

Pico Arieiro ao Pico Ruivo, Acima de um Mar de Nuvens


Ninho da Manta
Caminhante admira o cenário por diante a partir da varanda do miradouro do Ninho da Manta.
Glorioso novo dia
Admiradores da aurora contra o alaranjado de mais um nascer do dia.
O Orgulho-da-Madeira
Massarocos ou orgulhos-da-madeira destacam-se da restante vegetação das alturas da Madeira.
Luz ao Fundo
Caminhante prestes a deixar um dos vários túneis que possibilitam o trilho entre o Pico do Arieiro e o Pico Ruivo.
Radar Escondido
Radar da força aérea semi-abrigado atrás de rochedos do Pico do Arieiro.
Nas nuvens
Pausa para recuperar o fôlego acima do mar de nuvens que banha o norte da Madeira.
Caminho Vegetal
Duo sobe um trilho envolto de um sortido de vegetação madeirense.
O trilho roubado aos penhascos
Caminhante percorre um trecho escavado na rocha do trilho entre o Pico do Arieiro e o Pico Ruivo
Pequeno Túnel
Um dos vários túneis que perfuram a montanha entre o Pico do Arieiro e o Pico Ruivo.
Tentáculos vegetais
Árvore ressequida estende-se em direcção à humidade que paira contra a costa norte.
Glorioso novo dia II
Caminhantes acompanham o nascer do dia sobre o Pico do Areeiro.
Trilho Emoldurado
Um túnel amplo arredonda o cenário abaixo do miradouro do Ninho da Manta.
Cor e sombra
Cristas das montanhas entre o Pico do Arieiro e o Pico Ruivo.
O cimo do Pico Ruivo
Trilho serpenteia pelo tecto avermelhado do Pico Ruivo, o tecto da ilha da Madeira.
Direcções
Placas indicam as direcções opostas do Pico do Arieiro e do Pico Ruivo.
Passagem pelo escuro
Silhueta de caminhante num dos túneis com o Pico das Torres em fundo.
A jornada começa com uma aurora resplandecente aos 1818 m, bem acima do mar de nuvens que aconchega o Atlântico. Segue-se uma caminhada sinuosa e aos altos e baixos que termina sobre o ápice insular exuberante do Pico Ruivo, a 1861 metros.

São seis da manhã. Hugo Rodrigues faz o jipe galgar uma longa sucessão de ladeiras vertiginosas que ligam a via rápida do Funchal VR1.

Primeiro a Poiso, o lugarejo e abrigo aninhado a 1400 metros, na floresta da vertente sul da ilha, povoação com passagem obrigatória a quem queira chegar ao Pico do Arieiro por estrada.

Já acima da floresta, com o alvor a insinuar-se ao breu, serpenteamos pelas terras altas do Maciço Central. Surpreendemos vacas deliciadas com o pasto húmido, algumas, num misterioso entendimento com a gravidade.

A claridade aumenta a olhos vistos. O Pico do Arieiro não tarda. Atingimo-lo a tempo de estacionar, de contornar um seu recorte e de conseguirmos, enfim, uma visão desobstruída para oriente. E que visão! Devemos exclamá-la com o máximo de admiração possível.

Uma Exuberante Aurora Celestial

Para leste, um atapetado celestial de nuvens estendia-se até se fundir com a infinitude desnublada que assentava no horizonte.

Como ansiado por uma multidão dispersa de adoradores dos eventos solenes do sistema solar, o grande astro emerge, por fim, do mar de nuvens.

Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Admiradores da aurora contra o alaranjado de mais um nascer do dia.

Primeiro, num espreitar subreptício, a coberto de uma faixa de tons quentes, uma espécie de friso atmosférico. Logo, numa saudação tímida. Por fim, todo o seu rosto arredondado e incandescente, a afirmar-se como se o dia não tivesse outra escolha que não acolhê-lo.

O sol ascende. Continua a tingir o manto nebuloso que o ocultava. Quando a sua bola resplandecente se destaca no azulão, doura a nebulosidade por completo. Suscita exultações e celebrações da vida entre os terráqueos conscientes da benesse astronómica incrível associada a toda e qualquer alvorada.

Passa-nos pela mente o desejo de avançar, de passar para cima das nuvens e de o tentar alcançar. Apressado numa rápida e aparente intersecção da Terra, o astro eleva-se e distancia-se do horizonte rumo ao seu zénite.

Viramo-nos para Ocidente. O raiar dourava os recortes caprichosos das montanhas que fazem de tecto da Madeira.

Espectadores do alvor em retirada, andavam na direcção do grande radar da Força Aérea, essa, uma esfera alva e sem vida, útil desde 2013 mas na sombra do estrelato e protagonismo solar desde que se viu inaugurada.

Radar da Força Aérea, Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Radar da força aérea semi-abrigado atrás de rochedos do Pico do Arieiro.

Sol a Subir, Hora de Deixar o Pico do Arieiro

Observamo-la por instantes, semi-oculta, como estava, detrás de uma pequena cordilheira com cimo dentado. Até que os tons quentes do Maciço Central para norte da Madeira nos reclamam a atenção e a travessia dos seus domínios.

Já na companhia de Gonçalo Vieira, um guia funchalense, fazemo-nos ao trilho-escadaria que descia por uma aresta delgada da vertente, tão estreita que contava com a segurança reforçada de vedações laterais, providenciais em dias de tempestade ou tão só ventania, em que sem o seu apoio, os caminhantes ficariam à mercê da meteorologia.

Prosseguimos. Por pouco tempo. Detém-nos o vislumbre de um casario disperso em vales longínquos da serrania, tudo parecia indicar inacessível. Conscientes da realidade improvável duma povoação chamada Curral das Freiras e da sua proliferação nas profundezas remotas da Madeira, perguntamos a Gonçalo se não seria, por acaso, algumas das suas casas.

Gonçalo confirma-o, com uma ressalva: “…mas não fazem parte do núcleo central. Devem estar na extensão norte da povoação.” Esclarecidos, seguimos-lhe os passos firmes, conhecedores daqueles degraus de montanha-russa que nos exigiam uma inesperada concentração.

Um Desvio Recompensador ao Miradouro do Ninho da Manta

Desviamos do caminho principal, de maneira a passarmos pelo varandim incontornável do Ninho da Manta, baptizado em homenagem a uma águia-de-asa-redonda (manta) que, em tempos, lá nidificava.

Ali, um miradouro imposto ao relevo revelava cenários mais exuberantes que nunca. A oeste, as vertentes mais elevadas e próximas exibiam-se no tom ocre da sua rocha, demasiado polida ou árida para conceder florescimentos.

Ninho da Manta, Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Caminhante admira o cenário por diante a partir da varanda do miradouro do Ninho da Manta.

Na direcção do Pico das Torres (1853 m), o segundo mais alto da ilha da Madeira, os cimos serrados das falésias admitiam um verde-raso que se agarrava às secções menos hirtas e polidas, num aperto resistente às rajadas de vento furiosas.

Do varandim para baixo, contra o sol ainda nascente, desdobrava-se uma imensidão de picos verdejantes, subsumidos na frente avançada do mar de nuvens.

Em dias limpos, avista-se dali, com facilidade, a ilha e até ilhéus vizinhos do Porto Santo. Não sendo o caso, satisfazia-nos deslumbrarmo-nos com o Vale da Fajã da Nogueira, com o seu fundo fluvial da Ribeira da Metade como linha condutora do sopé de sucessivas falésias luxuriantes.

São de tal maneira abruptas e de difícil acesso que lá faz ninho o bobo-pequeno, uma ave marinha, tratada na Madeira por patagarro, e estima-se que uma outra, ainda mais rara e protegida, a freira-da-madeira.

Na base do varandim do miradouro, uma colónia de massarocos exibe-nos o seu arranjo apontado aos céus de espigas roxas, endémicas e resplandecentes, como que a justificar o seu cognome de orgulho-da-Madeira e a querer rivalizar com o portento geológico em redor.

Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Massarocos ou orgulhos-da-madeira destacam-se da restante vegetação das alturas da Madeira.

Os Recortes Geológicos Exuberantes da Ilha da Madeira

Se tudo – ou quase tudo – nos 740 km2 da ilha da Madeira se reveste de um dramatismo que chega a intimidar, que dizer do zénite que nos dedicávamos a percorrer.

Estima-se que a Madeira se formou a partir de há mais de cinco milhões até há setecentos mil anos atrás, num longo processo tectónico e vulcânico em que acabou por coroar um vulcão em escudo massivo submerso que se eleva 6km a partir do leito do oceano Atlântico.

Seguiu-se uma erosão intensa, responsável pela orografia da ilha, quase sempre intrincada e deslumbrante como a que nos cercava. Retomamos-lhe o percurso.

Cristas de cor, Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Cristas das montanhas entre o Pico do Arieiro e o Pico Ruivo.

Do Ninho da Manta, voltamos ao trilho principal. Ascendemos para uma crista exposta que nos permitiu admirar o miradouro, de novo, com as nuvens em fundo mas num inesperado conforto.

Ali, os alísios furibundos característicos do Verão, esforçavam-se tanto quanto podiam para nos varrerem daquele seu feudo.

Descida Abrupta para o Âmago do Maciço Central da Madeira

Resistimos. Logo, descemos por nova escadaria para um sector mais profundo do Maciço Central, que nos revelou um novo vale virado a ocidente, ao contrário do anterior em que vislumbrámos o casario do Curral das Freiras, sem sinal de presença humana.

Na descida, cruzamo-nos com uma família de perdizes não tão esquivas como seria de esperar ou – talvez fosse antes isso – encurraladas entre nós e o precipício por detrás do trilho. Continuamos a descer.

Pequeno túnel, Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Um dos vários túneis que perfuram a montanha entre o Pico do Arieiro e o Pico Ruivo.

Cruzamos os primeiros túneis que viabilizam o percurso: um amplo, a emoldurar o próprio trilho por diante, uma secção do vale a que se faz e uma frente arrojada de nuvens, bem mais internadas na montanha que as que havíamos contemplado do Ninho da Manta. Logo, o túnel do Pico do Gato, apertado e sombrio a condizer.

A luz no seu fundo desvenda-nos um trecho distinto de tudo até então, um corte curvo numa encosta abaixo de cumes aguçados, numa falda forrada de verde de urze, de amarelo vivo de margaridas ou afins.

E de dourado de feno silvestre, com certos núcleos isolados de massarocos a emprestarem azul e roxo àquela incrível composição floral.

Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Caminhantes sobem um trilho envolto de um sortido de vegetação madeirense.

À Volta do Imponente Pico das Torres

Da sombra e da cor, por um novo túnel, Gonçalo conduz-nos a de volta à sombra, contra a vista resplandecente dos contornos do Pico das Torres, a segunda elevação da Madeira, com 1853 m.

Perseguimo-lo por uma espécie de levada humana, escavada na base de grandes paredões avermelhados, em certos pontos, côncavos, de início, sobranceiros a um castro de farpas rochosas, afiadas e destacadas de uma outra meia-encosta em jeito de instalação geológica natural.

Trilho sombrio, Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Caminhante percorre um trecho escavado na rocha do trilho entre o Pico do Arieiro e o Pico Ruivo

Num ponto em que a passagem surge dotada de uma escapatória, Gonçalo determina uma paragem para recuperarmos energias. Enquanto devoramos um lanchinho improvisado, confirma-nos o seu desejo e plano de viajar ao Nepal e de lá percorrer o longo Circuito dos Annapurnas.

Foi um desafio que cumprimos em Março de 2018. De acordo, bombardeamo-lo com tantas dicas, peripécias e curiosidades que o guia mal as consegue processar.

Fechado o repasto, retomamos a caminhada e percebemos num ápice a conveniência de ali termos reposto energias.

Com o Pico das Torres pela frente, o trilho prossegue por uma longa escadaria com degraus espaçados que nos forçaram a um esforço redobrado.

Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Caminhante prestes a deixar um dos vários túneis que possibilitam o trilho entre o Pico do Arieiro e o Pico Ruivo.

Vencemo-lo com as pernas em fogo. No cimo, recuperamos a visão longínqua do mar de nuvens.

Serpenteamos entre uma floresta fantasmagórica de árvores que parecem ter perecido a suplicar pela humidade marinha do norte.

Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Árvore ressequida estende-se em direcção à humidade que paira contra a costa norte.

Derradeiro Ataque ao Pico Ruivo, Tecto da Ilha

Entre fetos e urze da Madeira, num mar de verde que rivalizava com o das nuvens, o trilho sobe de forma gradual. Até que fica às portas da Casa de Abrigo de Pico Ruivo.

Aproveitamos a sombra da área de churrascos local para descansarmos e voltarmos a repor energias.

Por essa altura, já tínhamos os músculos castigados e preparados para os massacres que se seguissem. Em boa hora. Desde a partida dos 1818 metros, acima e abaixo, tínhamos já andado pelos 1542 metros do ponto mais baixo do percurso.

Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Placas indicam as direcções opostas do Pico do Arieiro e do Pico Ruivo.

Seguia-se a derradeira ascensão aos 1861 metros do tecto da Madeira, quase 500 metros abaixo do Pico da ilha açoriana do Pico, mais suave do que estávamos a contar.

No cimo, a 360º em redor do marco geodésico que assinala o fulcro do tecto da Madeira, contemplamos a ilha em toda a sua diversidade e esplendor: a frente de nuvens do norte, mais tangível que nunca.

Vista Descomunal sobre a Descomunal Madeira

Os Picos das Torres e do Arieiro, tão próximos que nos custava a acreditar que, por eles, caminhávamos há cinco horas, duas mais que o normal, algo justificado tendo em conta as inúmeras paragens, retrocessos e ensaios fotográficos com que fomos ilustrando o percurso.

Em vez de um pico convencional, íngreme e agudo, o cimo do Pico Ruivo foi espalmado numas dezenas panorâmicas de metros. Em redor do marco geodésico, ao longo da sua crista, uma calçada oportuna quebra o tom ocre, ruivo como o baptismo do monte, predominante no topo.

Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Trilho percorre o tecto avermelhado do Pico Ruivo, o tecto da ilha da Madeira.

Alguns outros caminhantes chegavam-se ao limiar seguro e vedado do cimo, entregavam-se a poses gloriosas de “Joões e o Pé de Feijão”, ali sim, visivelmente sustidos pelo mar de nuvens.

Nós e Gonçalo encenámos as nossas próprias poses, refrescados pela aragem marinha com que o Atlântico a norte nos prendava.

Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Caminhante acima do mar de nuvens que banha o norte da Madeira.

Meia-hora depois, descemos rumo à Achada da Teixeira onde encerramos a jornada. Tínhamos passado metade do dia no auge.

Seguiram-se quinze dias de puro deslumbre madeirense.

Porto Santo, Portugal

Louvada Seja a Ilha do Porto Santo

Descoberta durante uma volta do mar tempestuosa, Porto Santo mantem-se um abrigo providencial. Inúmeros aviões que a meteorologia desvia da vizinha Madeira garantem lá o seu pouso. Como o fazem, todos os anos, milhares de veraneantes rendidos à suavidade e imensidão da praia dourada e à exuberância dos cenários vulcânicos.
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Ilha Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico

A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.
Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos

De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.
Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
La Palma, CanáriasEspanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.
Lanzarote, Ilhas Canárias

A César Manrique o que é de César Manrique

Só por si, Lanzarote seria sempre uma Canária à parte mas é quase impossível explorá-la sem descobrir o génio irrequieto e activista de um dos seus filhos pródigos. César Manrique faleceu há quase trinta anos. A obra prolífica que legou resplandece sobre a lava da ilha vulcânica que o viu nascer.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Thorong La, Circuito Annapurna, Nepal, foto para a posteridade
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 13º: High Camp - Thorong La - Muktinath, Nepal

No Auge do Circuito dos Annapurnas

Aos 5416m de altitude, o desfiladeiro de Thorong La é o grande desafio e o principal causador de ansiedade do itinerário. Depois de, em Outubro de 2014, ter vitimado 29 montanhistas, cruzá-lo em segurança gera um alívio digno de dupla celebração.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Ribeira Grande, Santo Antão
Cidades
Ribeira Grande, Santo AntãoCabo Verde

Santo Antão, Ribeira Grande Acima

Na origem, uma Povoação diminuta, a Ribeira Grande seguiu o curso da sua história. Passou a vila, mais tarde, a cidade. Tornou-se um entroncamento excêntrico e incontornável da  ilha de Santo Antão.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Danças
Cultura
Okinawa, Japão

Danças de Ryukyu: têm séculos. Não têm grandes pressas.

O reino Ryukyu prosperou até ao século XIX como entreposto comercial da China e do Japão. Da estética cultural desenvolvida pela sua aristocracia cortesã contaram-se vários estilos de dança vagarosa.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Erika Mae
Em Viagem
Filipinas

Os Donos da Estrada Filipina

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas.
vale profundo, socalcos arroz, batad, filipinas
Étnico
Batad, Filipinas

Os Socalcos que Sustentam as Filipinas

Há mais de 2000 anos, inspirado pelo seu deus do arroz, o povo Ifugao esquartejou as encostas de Luzon. O cereal que os indígenas ali cultivam ainda nutre parte significativa do país.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Dias Como Tantos Outros

História
Fortalezas

O Mundo à Defesa – Castelos e Fortalezas que Resistem

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Ilha Maurícia, viagem Índico, queda de água de Chamarel
Ilhas
Maurícias

Uma Míni Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Nuvem lenticular, Mount Cook, Nova Zelândia
Natureza
Mount Cook, Nova Zelândia

O Monte Fura Nuvens

O Aoraki/Monte Cook até pode ficar muito aquém do tecto do Mundo mas é a montanha mais imponente e elevada da Nova Zelândia.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Monte Denali, McKinley, Tecto Sagrado Alasca, América do Norte, cume, Mal de Altitude, Mal de Montanha, Prevenir, Tratar
Parques Naturais
Monte Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.
Angra do Heroísmo, Terceira, Açores, de capital histórica a Património Mundial, arte urbana
Património Mundial UNESCO
Angra do Heroísmo, Terceira, Açores

Heroína do Mar, de Nobre Povo, Cidade Valente e Imortal

Angra do Heroísmo é bem mais que a capital histórica dos Açores, da ilha Terceira e, em duas ocasiões, de Portugal. A 1500km do continente, conquistou um protagonismo na nacionalidade e independência portuguesa de que poucas outras cidades se podem vangloriar.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Espantoso
Praias

Ambergris Caye, Belize

O Recreio do Belize

Madonna cantou-a como La Isla Bonita e reforçou o mote. Hoje, nem os furacões nem as disputas políticas desencorajam os veraneantes VIPs e endinheirados de se divertirem neste refúgio tropical.

Cena natalícia, Shillong, Meghalaya, Índia
Religião
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre Carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Sociedade
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Vida Selvagem
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT