Pico do Arieiro - Pico Ruivo, Madeira, Portugal

Pico Arieiro ao Pico Ruivo, Acima de um Mar de Nuvens


Ninho da Manta
Caminhante admira o cenário por diante a partir da varanda do miradouro do Ninho da Manta.
Glorioso novo dia
Admiradores da aurora contra o alaranjado de mais um nascer do dia.
O Orgulho-da-Madeira
Massarocos ou orgulhos-da-madeira destacam-se da restante vegetação das alturas da Madeira.
Luz ao Fundo
Caminhante prestes a deixar um dos vários túneis que possibilitam o trilho entre o Pico do Arieiro e o Pico Ruivo.
Radar Escondido
Radar da força aérea semi-abrigado atrás de rochedos do Pico do Arieiro.
Nas nuvens
Pausa para recuperar o fôlego acima do mar de nuvens que banha o norte da Madeira.
Caminho Vegetal
Duo sobe um trilho envolto de um sortido de vegetação madeirense.
O trilho roubado aos penhascos
Caminhante percorre um trecho escavado na rocha do trilho entre o Pico do Arieiro e o Pico Ruivo
Pequeno Túnel
Um dos vários túneis que perfuram a montanha entre o Pico do Arieiro e o Pico Ruivo.
Tentáculos vegetais
Árvore ressequida estende-se em direcção à humidade que paira contra a costa norte.
Glorioso novo dia II
Caminhantes acompanham o nascer do dia sobre o Pico do Areeiro.
Trilho Emoldurado
Um túnel amplo arredonda o cenário abaixo do miradouro do Ninho da Manta.
Cor e sombra
Cristas das montanhas entre o Pico do Arieiro e o Pico Ruivo.
O cimo do Pico Ruivo
Trilho serpenteia pelo tecto avermelhado do Pico Ruivo, o tecto da ilha da Madeira.
Direcções
Placas indicam as direcções opostas do Pico do Arieiro e do Pico Ruivo.
Passagem pelo escuro
Silhueta de caminhante num dos túneis com o Pico das Torres em fundo.
A jornada começa com uma aurora resplandecente aos 1818 m, bem acima do mar de nuvens que aconchega o Atlântico. Segue-se uma caminhada sinuosa e aos altos e baixos que termina sobre o ápice insular exuberante do Pico Ruivo, a 1861 metros.

São seis da manhã. Hugo Rodrigues faz o jipe galgar uma longa sucessão de ladeiras vertiginosas que ligam a via rápida do Funchal VR1.

Primeiro a Poiso, o lugarejo e abrigo aninhado a 1400 metros, na floresta da vertente sul da ilha, povoação com passagem obrigatória a quem queira chegar ao Pico do Arieiro por estrada.

Já acima da floresta, com o alvor a insinuar-se ao breu, serpenteamos pelas terras altas do Maciço Central. Surpreendemos vacas deliciadas com o pasto húmido, algumas, num misterioso entendimento com a gravidade.

A claridade aumenta a olhos vistos. O Pico do Arieiro não tarda. Atingimo-lo a tempo de estacionar, de contornar um seu recorte e de conseguirmos, enfim, uma visão desobstruída para oriente. E que visão! Devemos exclamá-la com o máximo de admiração possível.

Uma Exuberante Aurora Celestial

Para leste, um atapetado celestial de nuvens estendia-se até se fundir com a infinitude desnublada que assentava no horizonte.

Como ansiado por uma multidão dispersa de adoradores dos eventos solenes do sistema solar, o grande astro emerge, por fim, do mar de nuvens.

Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Admiradores da aurora contra o alaranjado de mais um nascer do dia.

Primeiro, num espreitar subreptício, a coberto de uma faixa de tons quentes, uma espécie de friso atmosférico. Logo, numa saudação tímida. Por fim, todo o seu rosto arredondado e incandescente, a afirmar-se como se o dia não tivesse outra escolha que não acolhê-lo.

O sol ascende. Continua a tingir o manto nebuloso que o ocultava. Quando a sua bola resplandecente se destaca no azulão, doura a nebulosidade por completo. Suscita exultações e celebrações da vida entre os terráqueos conscientes da benesse astronómica incrível associada a toda e qualquer alvorada.

Passa-nos pela mente o desejo de avançar, de passar para cima das nuvens e de o tentar alcançar. Apressado numa rápida e aparente intersecção da Terra, o astro eleva-se e distancia-se do horizonte rumo ao seu zénite.

Viramo-nos para Ocidente. O raiar dourava os recortes caprichosos das montanhas que fazem de tecto da Madeira.

Espectadores do alvor em retirada, andavam na direcção do grande radar da Força Aérea, essa, uma esfera alva e sem vida, útil desde 2013 mas na sombra do estrelato e protagonismo solar desde que se viu inaugurada.

Radar da Força Aérea, Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Radar da força aérea semi-abrigado atrás de rochedos do Pico do Arieiro.

Sol a Subir, Hora de Deixar o Pico do Arieiro

Observamo-la por instantes, semi-oculta, como estava, detrás de uma pequena cordilheira com cimo dentado. Até que os tons quentes do Maciço Central para norte da Madeira nos reclamam a atenção e a travessia dos seus domínios.

Já na companhia de Gonçalo Vieira, um guia funchalense, fazemo-nos ao trilho-escadaria que descia por uma aresta delgada da vertente, tão estreita que contava com a segurança reforçada de vedações laterais, providenciais em dias de tempestade ou tão só ventania, em que sem o seu apoio, os caminhantes ficariam à mercê da meteorologia.

Prosseguimos. Por pouco tempo. Detém-nos o vislumbre de um casario disperso em vales longínquos da serrania, tudo parecia indicar inacessível. Conscientes da realidade improvável duma povoação chamada Curral das Freiras e da sua proliferação nas profundezas remotas da Madeira, perguntamos a Gonçalo se não seria, por acaso, algumas das suas casas.

Gonçalo confirma-o, com uma ressalva: “…mas não fazem parte do núcleo central. Devem estar na extensão norte da povoação.” Esclarecidos, seguimos-lhe os passos firmes, conhecedores daqueles degraus de montanha-russa que nos exigiam uma inesperada concentração.

Um Desvio Recompensador ao Miradouro do Ninho da Manta

Desviamos do caminho principal, de maneira a passarmos pelo varandim incontornável do Ninho da Manta, baptizado em homenagem a uma águia-de-asa-redonda (manta) que, em tempos, lá nidificava.

Ali, um miradouro imposto ao relevo revelava cenários mais exuberantes que nunca. A oeste, as vertentes mais elevadas e próximas exibiam-se no tom ocre da sua rocha, demasiado polida ou árida para conceder florescimentos.

Ninho da Manta, Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Caminhante admira o cenário por diante a partir da varanda do miradouro do Ninho da Manta.

Na direcção do Pico das Torres (1853 m), o segundo mais alto da ilha da Madeira, os cimos serrados das falésias admitiam um verde-raso que se agarrava às secções menos hirtas e polidas, num aperto resistente às rajadas de vento furiosas.

Do varandim para baixo, contra o sol ainda nascente, desdobrava-se uma imensidão de picos verdejantes, subsumidos na frente avançada do mar de nuvens.

Em dias limpos, avista-se dali, com facilidade, a ilha e até ilhéus vizinhos do Porto Santo. Não sendo o caso, satisfazia-nos deslumbrarmo-nos com o Vale da Fajã da Nogueira, com o seu fundo fluvial da Ribeira da Metade como linha condutora do sopé de sucessivas falésias luxuriantes.

São de tal maneira abruptas e de difícil acesso que lá faz ninho o bobo-pequeno, uma ave marinha, tratada na Madeira por patagarro, e estima-se que uma outra, ainda mais rara e protegida, a freira-da-madeira.

Na base do varandim do miradouro, uma colónia de massarocos exibe-nos o seu arranjo apontado aos céus de espigas roxas, endémicas e resplandecentes, como que a justificar o seu cognome de orgulho-da-Madeira e a querer rivalizar com o portento geológico em redor.

Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Massarocos ou orgulhos-da-madeira destacam-se da restante vegetação das alturas da Madeira.

Os Recortes Geológicos Exuberantes da Ilha da Madeira

Se tudo – ou quase tudo – nos 740 km2 da ilha da Madeira se reveste de um dramatismo que chega a intimidar, que dizer do zénite que nos dedicávamos a percorrer.

Estima-se que a Madeira se formou a partir de há mais de cinco milhões até há setecentos mil anos atrás, num longo processo tectónico e vulcânico em que acabou por coroar um vulcão em escudo massivo submerso que se eleva 6km a partir do leito do oceano Atlântico.

Seguiu-se uma erosão intensa, responsável pela orografia da ilha, quase sempre intrincada e deslumbrante como a que nos cercava. Retomamos-lhe o percurso.

Cristas de cor, Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Cristas das montanhas entre o Pico do Arieiro e o Pico Ruivo.

Do Ninho da Manta, voltamos ao trilho principal. Ascendemos para uma crista exposta que nos permitiu admirar o miradouro, de novo, com as nuvens em fundo mas num inesperado conforto.

Ali, os alísios furibundos característicos do Verão, esforçavam-se tanto quanto podiam para nos varrerem daquele seu feudo.

Descida Abrupta para o Âmago do Maciço Central da Madeira

Resistimos. Logo, descemos por nova escadaria para um sector mais profundo do Maciço Central, que nos revelou um novo vale virado a ocidente, ao contrário do anterior em que vislumbrámos o casario do Curral das Freiras, sem sinal de presença humana.

Na descida, cruzamo-nos com uma família de perdizes não tão esquivas como seria de esperar ou – talvez fosse antes isso – encurraladas entre nós e o precipício por detrás do trilho. Continuamos a descer.

Pequeno túnel, Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Um dos vários túneis que perfuram a montanha entre o Pico do Arieiro e o Pico Ruivo.

Cruzamos os primeiros túneis que viabilizam o percurso: um amplo, a emoldurar o próprio trilho por diante, uma secção do vale a que se faz e uma frente arrojada de nuvens, bem mais internadas na montanha que as que havíamos contemplado do Ninho da Manta. Logo, o túnel do Pico do Gato, apertado e sombrio a condizer.

A luz no seu fundo desvenda-nos um trecho distinto de tudo até então, um corte curvo numa encosta abaixo de cumes aguçados, numa falda forrada de verde de urze, de amarelo vivo de margaridas ou afins.

E de dourado de feno silvestre, com certos núcleos isolados de massarocos a emprestarem azul e roxo àquela incrível composição floral.

Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Caminhantes sobem um trilho envolto de um sortido de vegetação madeirense.

À Volta do Imponente Pico das Torres

Da sombra e da cor, por um novo túnel, Gonçalo conduz-nos a de volta à sombra, contra a vista resplandecente dos contornos do Pico das Torres, a segunda elevação da Madeira, com 1853 m.

Perseguimo-lo por uma espécie de levada humana, escavada na base de grandes paredões avermelhados, em certos pontos, côncavos, de início, sobranceiros a um castro de farpas rochosas, afiadas e destacadas de uma outra meia-encosta em jeito de instalação geológica natural.

Trilho sombrio, Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Caminhante percorre um trecho escavado na rocha do trilho entre o Pico do Arieiro e o Pico Ruivo

Num ponto em que a passagem surge dotada de uma escapatória, Gonçalo determina uma paragem para recuperarmos energias. Enquanto devoramos um lanchinho improvisado, confirma-nos o seu desejo e plano de viajar ao Nepal e de lá percorrer o longo Circuito dos Annapurnas.

Foi um desafio que cumprimos em Março de 2018. De acordo, bombardeamo-lo com tantas dicas, peripécias e curiosidades que o guia mal as consegue processar.

Fechado o repasto, retomamos a caminhada e percebemos num ápice a conveniência de ali termos reposto energias.

Com o Pico das Torres pela frente, o trilho prossegue por uma longa escadaria com degraus espaçados que nos forçaram a um esforço redobrado.

Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Caminhante prestes a deixar um dos vários túneis que possibilitam o trilho entre o Pico do Arieiro e o Pico Ruivo.

Vencemo-lo com as pernas em fogo. No cimo, recuperamos a visão longínqua do mar de nuvens.

Serpenteamos entre uma floresta fantasmagórica de árvores que parecem ter perecido a suplicar pela humidade marinha do norte.

Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Árvore ressequida estende-se em direcção à humidade que paira contra a costa norte.

Derradeiro Ataque ao Pico Ruivo, Tecto da Ilha

Entre fetos e urze da Madeira, num mar de verde que rivalizava com o das nuvens, o trilho sobe de forma gradual. Até que fica às portas da Casa de Abrigo de Pico Ruivo.

Aproveitamos a sombra da área de churrascos local para descansarmos e voltarmos a repor energias.

Por essa altura, já tínhamos os músculos castigados e preparados para os massacres que se seguissem. Em boa hora. Desde a partida dos 1818 metros, acima e abaixo, tínhamos já andado pelos 1542 metros do ponto mais baixo do percurso.

Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Placas indicam as direcções opostas do Pico do Arieiro e do Pico Ruivo.

Seguia-se a derradeira ascensão aos 1861 metros do tecto da Madeira, quase 500 metros abaixo do Pico da ilha açoriana do Pico, mais suave do que estávamos a contar.

No cimo, a 360º em redor do marco geodésico que assinala o fulcro do tecto da Madeira, contemplamos a ilha em toda a sua diversidade e esplendor: a frente de nuvens do norte, mais tangível que nunca.

Vista Descomunal sobre a Descomunal Madeira

Os Picos das Torres e do Arieiro, tão próximos que nos custava a acreditar que, por eles, caminhávamos há cinco horas, duas mais que o normal, algo justificado tendo em conta as inúmeras paragens, retrocessos e ensaios fotográficos com que fomos ilustrando o percurso.

Em vez de um pico convencional, íngreme e agudo, o cimo do Pico Ruivo foi espalmado numas dezenas panorâmicas de metros. Em redor do marco geodésico, ao longo da sua crista, uma calçada oportuna quebra o tom ocre, ruivo como o baptismo do monte, predominante no topo.

Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Trilho percorre o tecto avermelhado do Pico Ruivo, o tecto da ilha da Madeira.

Alguns outros caminhantes chegavam-se ao limiar seguro e vedado do cimo, entregavam-se a poses gloriosas de “Joões e o Pé de Feijão”, ali sim, visivelmente sustidos pelo mar de nuvens.

Nós e Gonçalo encenámos as nossas próprias poses, refrescados pela aragem marinha com que o Atlântico a norte nos prendava.

Pico do Arieiro ao Pico Ruivo, Ilha da Madeira, Portugal

Caminhante acima do mar de nuvens que banha o norte da Madeira.

Meia-hora depois, descemos rumo à Achada da Teixeira onde encerramos a jornada. Tínhamos passado metade do dia no auge.

Seguiram-se quinze dias de puro deslumbre madeirense.

Porto Santo, Portugal

Louvada Seja a Ilha do Porto Santo

Descoberta durante uma volta do mar tempestuosa, Porto Santo mantem-se um abrigo providencial. Inúmeros aviões que a meteorologia desvia da vizinha Madeira garantem lá o seu pouso. Como o fazem, todos os anos, milhares de veraneantes rendidos à suavidade e imensidão da praia dourada e à exuberância dos cenários vulcânicos.
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Ilha Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico

A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.
Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos

De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.
Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
La Palma, CanáriasEspanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.
Lanzarote, Ilhas Canárias

A César Manrique o que é de César Manrique

Só por si, Lanzarote seria sempre uma Canária à parte mas é quase impossível explorá-la sem descobrir o génio irrequieto e activista de um dos seus filhos pródigos. César Manrique faleceu há quase trinta anos. A obra prolífica que legou resplandece sobre a lava da ilha vulcânica que o viu nascer.
savuti, botswana, leões comedores de elefantes
Safari
Savuti, Botswana

Os Leões Comedores de Elefantes de Savuti

Um retalho do deserto do Kalahari seca ou é irrigado consoante caprichos tectónicos da região. No Savuti, os leões habituaram-se a depender deles próprios e predam os maiores animais da savana.
Thorong La, Circuito Annapurna, Nepal, foto para a posteridade
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 13º: High Camp - Thorong La - Muktinath, Nepal

No Auge do Circuito dos Annapurnas

Aos 5416m de altitude, o desfiladeiro de Thorong La é o grande desafio e o principal causador de ansiedade do itinerário. Depois de, em Outubro de 2014, ter vitimado 29 montanhistas, cruzá-lo em segurança gera um alívio digno de dupla celebração.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Arquitectura & Design
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Ilha de Miyajima, Xintoismo e Budismo, Japão, Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Cidades
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Pitões das Júnias, Montalegre, Portugal
Cultura
Montalegre, Portugal

Pelo Alto do Barroso, Cimo de Trás-os-Montes

Mudamo-nos das Terras de Bouro para as do Barroso. Com base em Montalegre, deambulamos à descoberta de Paredes do Rio, Tourém, Pitões das Júnias e o seu mosteiro, povoações deslumbrantes do cimo raiano de Portugal. Se é verdade que o Barroso já teve mais habitantes, visitantes não lhe deviam faltar.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Chiang Khong a Luang prabang, Laos, Pelo Mekong Abaixo
Em Viagem
Chiang Khong - Luang Prabang, Laos

Barco Lento, Rio Mekong Abaixo

A beleza do Laos e o custo mais baixo são boa razões para navegar entre Chiang Khong e Luang Prabang. Mas esta longa descida do rio Mekong pode ser tão desgastante quanto pitoresca.
Étnico
Viti Levu, Fiji

A Partilha Improvável da ilha Viti Levu

Em pleno Pacífico Sul, uma comunidade numerosa de descendentes de indianos recrutados pelos ex-colonos britânicos e a população indígena melanésia repartem há muito a ilha chefe de Fiji.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Porfólio Got2Globe

O Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
História
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Ilhas
Tongatapu, Tonga

A Última Monarquia da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma outra monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.
Verificação da correspondência
Inverno Branco
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Fim do dia no lago da barragem do rio Teesta, em Gajoldoba, Índia
Natureza
Dooars, Índia

Às Portas dos Himalaias

Chegamos ao limiar norte de Bengala Ocidental. O subcontinente entrega-se a uma vasta planície aluvial preenchida por plantações de chá, selva, rios que a monção faz transbordar sobre arrozais sem fim e povoações a rebentar pelas costuras. Na iminência da maior das cordilheiras e do reino montanhoso do Butão, por óbvia influência colonial britânica, a Índia trata esta região deslumbrante por Dooars.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Rio Matukituki, Nova Zelândia
Parques Naturais
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.
Jingkieng Wahsurah, ponte de raízes da aldeia de Nongblai, Meghalaya, Índia
Património Mundial UNESCO
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Praias
Gizo, Ilhas Salomão

Gala dos Pequenos Cantores de Saeraghi

Em Gizo, ainda são bem visíveis os estragos provocados pelo tsunami que assolou as ilhas Salomão. No litoral de Saeraghi, a felicidade balnear das crianças contrasta com a sua herança de desolação.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
city hall, capital, oslo, noruega
Sociedade
Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Macaco-uivador, PN Tortuguero, Costa Rica
Vida Selvagem
PN Tortuguero, Costa Rica

Tortuguero: da Selva Inundada ao Mar das Caraíbas

Após dois dias de impasse devido a chuva torrencial, saímos à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. Canal após canal, deslumbramo-nos com a riqueza natural e exuberância deste ecossistema flúviomarinho da Costa Rica.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
PT EN ES FR DE IT