Lago Inle, Myanmar

A Deslumbrante Birmânia Lacustre


Sombras Azuis
Aung One Man Show,
Equilíbrio Intha
Moda chapéu de Palha
Remador Solitário
Estendal Providencial
Vendedoras Pa-O
Multifunções
Shwe Inn Dein
Pa-O Fumadora
Palafitas a Dobrar
Remadoras a Sério
Estupa de Ouro
A Ponte de Maing Thauk
A Caminho do Mosteiro
Moradas Lacustres
Sorrisos Budistas
Canoa Sobrelotada
Pesos sobre os Ombros
Crepúsculo Lacustre
Com uma área de 116km2, o Lago Inle é o segundo maior lago do Myanmar. É muito mais que isso. A diversidade étnica da sua população, a profusão de templos budistas e o exotismo da vida local, tornam-no um reduto incontornável do Sudeste Asiático.

Por essa altura, já o tínhamos bem presente.

A nova viagem em que nos metemos faz questão de o recordar. Partimos de Rangum sobre as três da tarde. A jornada para norte dura mais de 15 horas.

As primeiras seis, passadas num conforto aceitável. As restantes, a roçarem o infernal.

Às tantas, já bem depois de cruzarmos a capital birmanesa fantasma de Naypiydaw, o asfalto dá lugar a uma terra mal batida que enche o autocarro de poeira.

O desvio para as terras mais altas das Shan Hills submete-nos a um percurso sinuoso que o condutor enfrenta com fúria. À medida que a noite e a altitude se instalam, o primeiro frio que sentíamos no Myanmar alia-se à poeira. Arruinam-nos as gargantas em três tempos.

Por fim, em NyaungShwe, o Portal Urbano para o Lago Inle

Por volta das cinco da manhã, destroçados pela viagem de mais de quinze horas a partir de Rangum, damos entrada em NyaungShwe a povoação portal do vasto lago Inlé.

Procuramos por um tal de Remember Inn Hotel, pré-investigado no mais famoso guia para mochileiros. Apesar da hora madrugadora, a dona recordava-se de quando os autocarros chegavam do Sul, quase sempre com potenciais clientes a bordo. Pouco depois de nos instalarmos, serve-nos um pequeno-almoço providencial de panquecas com chá e café.

Dormimos até à uma da tarde. Recuperada parte das energias, saímos à descoberta de NyaungShwe.

Desprovida de um sério encanto arquitectónico, a povoação expandiu-se em função do grande lago, enquanto entreposto comercial que serve as aldeias e lugarejos em redor.

Com o advento do turismo, boa parte de NyaungShwe dedicou-se a acolher, a entreter e a apoiar os forasteiros no seu ensejo de explorarem Inle.

Ainda assim, com 190 mil habitantes em toda a área urbana, a vida local fervilha de eventos e acontecimentos que sustentam uma genuinidade recompensadora.

Shin Pyu, uma Cerimónia Budista de Iniciação

Ainda nos habituamos ao asfalto gasto das ruas quando nos surpreende um cortejo Shin Pyu, forma de iniciação dos jovens rapazes e raparigas à vida budista, celebração da sua entrada em mosteiros ou conventos, onde cabe aos monges e monjas raparem-lhe o cabelo.

Um rapaz e uma rapariga seguem sobre cavalos decorados. Trajam vestes coloridas e sedosas.

Têm as faces e, em especial, as maçãs do rosto e os lábios, maquilhados e rosados.

Uns poucos elementos do cortejo seguram sombrinhas douradas que mantêm acima das cabeças coroadas dos protagonistas.

Precede este âmago do cortejo um grupo de ciclistas em tricicletas carregadas com sacas volumosas de arroz, de 50kg, ou mais.

No extremo oposto, em jeito de carro-vassoura, um tractor equipado de enormes colunas difunde música e a locução de uma animadora que, a espaços, exibe danças graciosas.

O cortejo some-se.

Sem a música estridente, Niaungshwe recupera a tranquilidade vespertina. Aproveitamos o que a perseguição da cerimónia nos tinha feito percorrer.

Os Primeiros Templos e Pagodes Dourados, à Beira do Lago

Ainda no âmbito do Budismo, seguimos em busca do duo de templos Kyaung Daw e Yadana Man Aung Su, os mais importantes da cidade.

Templos Kyaung Daw e Yadana Man Aung Su, Nyaungshwe, MyanmarUm enorme pagode dourado destacado acima do casario, ajuda-nos a encontrá-los.

No interior de um dos templos, três jovens noviços cruzam um pátio polido com marmitas cromadas a reluzirem contra os hábitos grenás.

Prostrado aos pés de uma estátua de Buda, um monge ancião dá por encerrada as suas preces.

Abre um chapéu de chuva e prepara-se para enfrentar o sol tropical. Sabíamos que, apesar de centrais, aqueles eram meros dois templos budistas de uma profusão em redor.

Abreviamos, assim, o tempo que lhes dedicamos em função de preparamos as incursões ao lago Inle. Mas não só.

As Marionetas Tradicionais do One Man Show Aung

Pelas sete da noite, entregamo-nos de corpo e alma, ao One Man Show Aung, conduzido por um marionetista de quarta geração, licenciado naquela arte, pelo estado birmanês, desde 1985.

Aung, um irmão e um tio, criam bonecos e cenários de aguarela inspirados nos circundantes.

Pautados por uma música folclórica estridente, os movimentos dos bonecos e os enredos geram uma animação dependurada que nos deslumbra. Haveríamos de assistir a outras pelo Myanmar fora. Nenhuma preservava a autenticidade do espectáculo de Aung.

Jantamos ali por perto. O cansaço da viagem de Rangum ressuscita.

Regressamos à pousada Remember Inn com planos de ainda fazermos isto e aquilo. Sem aviso, um apagão deixa NyaungShwe às escuras. Era o que precisávamos para nos rendermos de vez ao sono.

Lago Inle: a Incursão Inaugural

Tínhamos combinado zarpar para o lago pelas 6h30 da manhã. De acordo, a dona da pousada prenda-nos um pequeno-almoço empacotado.

No caminho para o embarcadouro, cruzamo-nos com uma fila indiana de monges recém-iniciados. Recolhiam, para as suas marmitas, o arroz da manhã que lhes ofereciam mulheres budistas.

Subimos a bordo de um barco de madeira, a motor. Um canal conduz-nos à imensidão do lago.

Quando nele entramos, ainda paira uma névoa matinal densa.

O Exotismo Equilibrista dos Pescadores Intha

É contra essa névoa que detectamos as personagens de marca da região, os seus pescadores de etnia Intha.

Os Intha são habitantes de palafitas, famosos por pescarem sobre uma ponta dos seus barcos, de armações de bambu e rede presas entre uma mão e um pé.

A outra mão, a segurar uma vara para equilíbrio e, quando necessário, o pé sobrante usado para remar.

Por mais fotogénico que pareça, o modo de pescar intha tem uma razão lógica e secular de ser.

O lago Inle está pejado de peixe, ainda mais de vegetação aquática.

Ora, há muito que os Intha aprenderam que só percebiam onde os peixes se abrigavam se se locomovessem de pé, em vez de remarem sentados.

Num jeito simbiótico, outros moradores encontraram utilidade na recolha das algas que, com a generalização do uso dos fertilizantes com fosfato e à agricultura de jardins flutuantes, se tornaram excessivas.

Em Busca do Mercado do dia de Inle

Prosseguimos rumo à povoação do lago que acolhia o mercado do dia, um dos cinco realizados de 2ª a 6ª feira.

Sendo Sexta, o privilégio pertencia a Maing Thauk.

Pelo caminho, o barqueiro navega por canais que separam verdadeiros bairros de palafitas geminadas e elaboradas, algumas, com dois pisos e, como as víamos na ausência de vento, desafogadas a dobrar.

A superfície escura do lago reflectia-as na perfeição.

Chegamos a Maing Thauk.

Deambulamos entre os vegetais e frutas expostas sobre bancas e no chão.

Boa parte das vendedoras são de etnia Pa-O, uma das que partilham o lago com os predominantes Intha mas também com os Shan, os Taungyo, os Danu, os Kayah, os Danaw e os Bamar.

Identificamos as mulheres Pa-O com facilidade.

Quase todas se vestem de negro, com excepção para os lenços garridos em que envolvem os cabelos e que combinam com as máscaras solares faciais tanaka.

No mercado de Maing Thauk deixamo-nos também levar pelos sucessivos convites de comerciantes de prataria, de tecelagem e outros para apreciarmos o seu artesanato.

Cirandamos entre oficinas e teares.

Distrai-nos desse entretém a azáfama de uma venda de noz de areca, um vício mascável há muito disseminado por estas partes do Mundo.

De Maing Thauk, rumo ao Sul do Lago Inle

Do mercado, caminhamos para o interior, por uma ponte-passadiço de madeira, comparável à mundialmente famosa ponte de U-Bein, mas não muito.

Procuramos o mosteiro homónimo da aldeia, situado numa colina e com vista panorâmica sobre o norte do lago, Maing Thauk na sua margem e, na oposta, o mosteiro de Lin Kin.

Após o regresso à margem, navegamos rumo ao fundo sul do lago. Fazemos escala no pagode dourado e monumental de Phaung Daw O.

Continuamos para Nga Phe Chaung. Erguido em madeira, há mais de duzentos anos, Nga Phe Chaung é considerado o mosteiro mais antigo e o mais amplo em redor do lago.

É famoso, sobretudo, por abrigar uma estranha convivência de gatos com os monges residentes.

Por esta altura, tínhamos coberto uma parte considerável do lago.

Sabíamos, todavia, que outra, tão ou mais ampla, se mantinha inexplorada. Decidimos multiplicar a fórmula. Na manhã seguinte, passeamo-nos numa bicicleta predestinada a furar.

Uma Agradável Paragem Forçada

 

Até chegarmos a Maine Tauk, são dois que nos atormentam.

A meio do dia, fartamo-nos de tão pouco pedalar. Metemo-nos num barco destinado a Khaun Daing, na margem oposta.

Shwe Inn Dein e a sua Floresta Budista de Estupas

Daqui, completamos o percurso, por terra, até ao complexo budista de Shwe Inn Dein, um dos mais distantes de NyungShwe, merecedor do esforço de lá chegar.

Dois templos erguidos sobre promontórios destacam-se de uma planície arbustada.

Ascendemos a um deles. Do seu cimo, à distância, vislumbramos as estupas douradas do outro.

Entre ambos, numa inesperada amálgama budista despontavam centenas de estupas menores, erguidas ao longo do tempo pelos fiéis.

Umas, mais antigas e desgastadas, exibiam o tom ocre dos tijolos e barro de que eram feitas.

Outras, a pintura branca gasta pelo sol que os cobria.

Outras ainda, preservavam uma cobertura de folha de ouro que atestava a prosperidade dos crentes que as haviam encomendado.

Agrupadas e destacadas do verde predominante, formavam um cenário distinto de tudo o que até então tínhamos testemunhado no Myanmar.

Viríamos a encontrar algo comparável na planície de Bagan, às margens do rio Irrawadi.

Começa a anoitecer.

O guia conduz-nos a uma outra estupa, isolada num ponto elevado que nos afiançava ter das melhores vistas da região.

O ocaso desenrolava-se nas nossas costas.

Virados para oriente, apreciamos como o sumiço do Sol arroxeava o casario entre o sopé da vertente e a margem imediata. Como a cordilheira que se elevava a partir da oposta resistia azulada.

Como o lago Inle voltava a irradiar um misto de grandeza e beleza com o seu quê de sagrado.

Yangon, Myanmar

A Grande Capital da Birmânia (Delírios da Junta Militar à Parte)

Em 2005, o governo ditatorial do Myanmar inaugurou uma nova capital bizarra e quase deserta. A vida exótica e cosmopolita mantém-se intacta, em Yangon, a maior e mais fascinante cidade birmanesa.
Lago Inlé, Myanmar

Uma Agradável Paragem Forçada

No segundo dos furos que temos durante um passeio em redor do lago Inlé, esperamos que nos tragam a bicicleta com o pneu remendado. Na loja de estrada que nos acolhe e ajuda, o dia-a-dia não pára.
Ponte u-BeinMyanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein está no seu crepúsculo.
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
Monte Kyaiktiyo, Myanmar

A Rocha Dourada e em Equilíbrio de Buda

Andamos à descoberta de Rangum quando nos inteiramos do fenómeno da Rocha Dourada. Deslumbrados pelo seu equilíbrio dourado e sagrado, juntamo-nos à peregrinação já secular dos birmaneses ao Monte Kyaiktyo.
Bago, Myanmar

Viagem a Bago. E ao Reino Português de Pegu

Determinados e oportunistas, dois aventureiros portugueses tornaram-se reis do reino de Pegu. A sua dinastia só durou de 1600 a 1613. Ficou para a história.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Casario tradicional, Bergen, Noruega
Arquitectura & Design
Bergen, Noruega

O Grande Porto Hanseático da Noruega

Já povoada no início do século XI, Bergen chegou a capital, monopolizou o comércio do norte norueguês e, até 1830, manteve-se uma das maiores cidades da Escandinávia. Hoje, Oslo lidera a nação. Bergen continua a destacar-se pela sua exuberância arquitectónica, urbanística e histórica.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Parada e Pompa
Cerimónias e Festividades
São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré. Siga a Marinha

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.
Palácio de Cnossos, Creta, Grécia
Cidades
Iraklio, CretaGrécia

De Minos a Menos

Chegamos a Iraklio e, no que diz respeito a grandes cidades, a Grécia fica-se por ali. Já quanto à história e à mitologia, a capital de Creta ramifica sem fim. Minos, filho de Europa, lá teve tanto o seu palácio como o labirinto em que encerrou o minotauro. Passaram por Iraklio os árabes, os bizantinos, os venezianos e os otomanos. Os gregos que a habitam falham em lhe dar o devido valor.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Treasures, Las Vegas, Nevada, Cidade do Pecado e Perdao
Cultura
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
viagem de volta ao mundo, símbolo de sabedoria ilustrado numa janela do aeroporto de Inari, Lapónia Finlandesa
Em Viagem
Volta ao Mundo - Parte 1

Viajar Traz Sabedoria. Saiba como dar a Volta ao Mundo.

A Terra gira sobre si própria todos os dias. Nesta série de artigos, encontra esclarecimentos e conselhos indispensáveis a quem faz questão de a circundar pelo menos uma vez na vida.
Tambores e tatoos
Étnico
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Estante Sagrada
História
Tsfat (Safed), Israel

Quando a Cabala é Vítima de Si Mesma

Nos anos 50, Tsfat congregava a vida artística da jovem nação israelita e recuperava a sua mística secular. Mas convertidos famosos como Madonna vieram perturbar a mais elementar discrição cabalista.
Forte Galle, Sri Lanka, Ceilão Lendária Taprobana
Ilhas
Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana

Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.
Quebra-Gelo Sampo, Kemi, Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Moradora de Nzulezu, Gana
Natureza
Nzulezu, Gana

Uma Aldeia à Tona do Gana

Partimos da estância balnear de Busua, para o extremo ocidente da costa atlântica do Gana. Em Beyin, desviamos para norte, rumo ao lago Amansuri. Lá encontramos Nzulezu, uma das mais antigas e genuínas povoações lacustres da África Ocidental.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Serra Dourada, Cerrado, Goiás, Brasil
Parques Naturais
Serra Dourada, Goiás, Brasil

Onde o Cerrado Ondula Dourado

Um dos tipos de savana da América do Sul, o Cerrado estende-se por mais de um quinto do território brasileiro que abastece de boa parte da água doce. Situado no âmago do Planalto Central e do estado de Goiás, o do Parque Estadual Serra Dourada resplandece a dobrar.
San Juan, Cidade Velha, Porto Rico, Reggaeton, bandeira em Portão
Património Mundial UNESCO
San Juan, Porto Rico (Parte 2)

Ao Ritmo do Reggaeton

Os porto-riquenhos irrequietos e inventivos fizeram de San Juan a capital mundial do reggaeton. Ao ritmo preferido da nação, encheram a sua “Cidade Muralhada” de outras artes, de cor e de vida.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Aula de surf, Waikiki, Oahu, Havai
Praias
Waikiki, OahuHavai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbor e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.
Religião
Circuito Annapurna: 5º - Ngawal a BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Sobre Carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Máquinas Bebidas, Japão
Sociedade
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Rottnest Island, Wadjemup, Australia, Quokkas
Vida Selvagem
Wadjemup, Rottnest Island, Austrália

Entre Quokkas e outros Espíritos Aborígenes

No século XVII, um capitão holandês apelidou esta ilha envolta de um oceano Índico turquesa, de “Rottnest, um ninho de ratos”. Os quokkas que o iludiram sempre foram, todavia, marsupiais, considerados sagrados pelos aborígenes Whadjuk Noongar da Austrália Ocidental. Como a ilha edénica em que os colonos britânicos os martirizaram.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.