Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.


Ngawal, a aldeia
Sortido budista
Bandeiras de oração tremelicam ao vento e contra a luz.
Repasto animado
Natureza moribunda
Recenseamento eleitoral é obrigatório
Moldura nepalesa
Mandamentos
Geminação
Duo bovino
Moradora
Vida ao sol
Uma pausa ensolarada
Estupa & Tunel
Estupa vs Annapurna
Fé ao vento
Cor da luz e da fé
Amuleto dourado
Lar budista
Estupa já quase em Braga
Uma velha e elegante estupa, entre Munchi e Braga.
Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.

O banho: esse tema transcendental e quase bélico do Circuito do Annapurna.

Intriga os anfitriões nepaleses a urgência dos mochileiros de se banharem. Exasperam-nos as sucessivas exigências por água quente: ao fim de cada dia. Logo após o despertar.

A maior parte dos nativos cresceram a tomar banho de quinze em quinze dias. Os mais velhos, fazem-no, com sorte, de mês a mês. Escapa à sua razão o porquê de os hóspedes implorarem por duches fluídos com água cálida. E, no entanto, quando interrogados sobre se os seus hotéis garantem banhos quentes, seja ou não verdade, prometem-nos.

Assim nos tínhamos decidido instalar na Ngawal Mountain Home, à entrada da povoação em vez de no seu centro. Uma hora após o check-in, estávamos deitados. Cobertos pelos sacos-cama polares e por todos os cobertores que o quarto oferecia, a tentarmos recuperar de uma inesperada hipotermia.

“Os alemães tomaram há pouco. Parece que estava bom!” assim nos incentivou o nepalês de serviço na pousada. Metemo-nos no duche, pensávamos que em segurança. Decorridos três minutos, ainda ensaboados, sentimos a água a passar de morna a gélida.

Vemo-nos forçados a continuar o banho a uns cruéis 0º (ou lá perto) e a nos enregelarmos ainda mais no regresso ao quarto.

Quando lá reentramos, estamos a tiritar que nem varas verdes. Só após meia-hora de recobro acamado  recuperamos o normal controlo dos movimentos. Ainda a tempo do jantar.

À Descoberta de Ngawal

Derreados da subida anterior às alturas panorâmicas de Ghyaru, dormimos cedo. Acordamos mais tarde do que queríamos numa segunda-feira radiante. Saímos na direcção do casario de pedra e adobe que víamos à distância. Já em pleno reduto habitacional, encontramos uma das várias estupas da aldeia.

Na sua base, uma escadaria desenrolava-se encosta acima, a perder de vista, decorada por uma colónia multicolor de bandeirinhas budistas de oração que tremelicavam ao vento.

Havia ainda um letreiro que com três avisos em inglês de “notice” e o dobro dos pontos de exclamação alertava para a entrada do Nar-Phoo trekk, uma derivação do circuito Annapurna que ascendia aos 5300 metros de altitude do desfiladeiro de Kang-La.

Ngawal, circuito Anapurnna, Nepal

Panorama de Ngawal, com os montanhas Anapurnna em fundo.

Ficamo-nos pela escadaria. Pouco depois de meio, abandonamo-la para a encosta abrupta em que ziguezagueamos com cuidados redobrados para evitarmos rebolar por ali abaixo.

Mesmo antes de chegarmos a um ponto de observação que nos parece ideal, fazemos soltar uma grande pedra tão arredondada quanto instável.

O calhau ganha ímpeto. Rola na direcção das casas mais próximas e da estrada por que tínhamos entrado na aldeia e em que víamos cirandar alguns vultos.

Por momentos, fazemos fé em que se deteria na falda. A gravidade acelera-o de tal forma que o imaginamos a entrar por uma casa adentro e, a nós, a fugirmos de uma turba nepalesa em fúria.

Por sorte, a rocha acaba por se estatelar entre o mosteiro e uma outra estupa. Sem danos.

O alívio faz-nos apreciar o cenário abaixo e por diante com prazer redobrado.

De Volta ao Sopé de Ngawal

Ngawal estende-se numa área plana mas elevada do vale, sobranceira ao leito do rio Marsyangdi e à pista do aeródromo local que se aninha aos pés da cordilheira dos Annapurnas, ali, já da montanha Annapurna III, com a Gangapurna a sugerir-se a oeste.

Como a víamos daquele ponto panorâmico, era formada por um núcleo de telhados lisos de argila e palha, cada qual com o seu estandarte budista a esvoaçar ao vento.

Bandeiras de oração, Ngawal, circuito Anapurnna, Nepal

Bandeiras de oração tremelicam ao vento e contra a luz.

Regressamos à escadaria e descemos para às ruelas ainda semi-solarengas da povoação.

Como tínhamos feito nas aldeias para trás, lá admiramos o dia-a-dia arrastado dos poucos habitantes e os detalhes arquitectónicos dos lares e edifícios religiosos: as janelas coloridas com molduras recortadas, os alpendres e varandins que se abrem para a atmosfera pura dos Himalaias e garantem aos moradores uma supremacia sempre útil face às ruas contíguas.

Aproximamo-nos do maior hotel de Ngawal, bem destacado no seu âmago. Duas senhoras nepalesas de alerta para a chegada de turistas insistem em impingir-nos o pequeno-almoço que já trazíamos tomado.

Continuamos a deambulação por mais meia-hora até que decidimos resgatar as mochilas grandes da Ngawal Mountain Home e avançarmos até à povoação que tínhamos prevista para o novo fim de dia.

Nativa, Ngawal, circuito Annapurna, Nepal

Anciã de Ngawal no alpendre da sua casa.

Ngawal, a Caminho de Braga.

Mal passamos o portão da propriedade, esbarramos com Fevsi. Tínhamo-lo deixado, ao alemão Josh e ao casal ítalo-espanhol Edu e Sara em Ghyaru.

Nessa manhã, Josh retrocedera em busca do permit do circuito de que se esquecera em Chame. Edu e Sara já tinham passado para diante. Fevsi, caminhava sozinho no seu encalço. Saudamo-lo agradados por termos companhia.

Enquanto andamos, inteiramo-nos das novidades e entretemo-nos com sucessivos temas, dos relacionados com o circuito à vida de Fevsi na sua terra turca na iminência da Geórgia e até as incursões que fazia a Batumi e a outros litorais do Mar Negro e da antiga república soviética.

Descemos os três do cimo intermédio em que se espraiava Ngawal para o desfiladeiro do Marsyangdi abaixo. Caminhamos ao longo do prolongamento alpino do vale, com os picos bem nevados da cordilheira Annapurna a rasgarem o firmamento azulado. Ao contrário do que acontecera noutros, esse trecho mantêm-se movimentado.

Cruzamo-nos com um grupo de mulheres que trazem as suas crianças da escola. Não tarda, também com dois ou três motociclistas apontados a terras mais baixas.

Duas horas depois, contornamos o fundo raiado de uma zona de encosta que quase fechava o vale. O lado de lá revela-nos novo lugarejo e um enfiamento de pequenos restaurantes locais em que, malgrado a proximidade do destino final, optamos por almoçar.

Repasto numa casa de chá de Munchi, Circuito Annapurna, Nepal

Grupo de mulheres almoça e convive numa pequena tea-house de Munchi, a pouca distância de Braga.

O Descanso Merecido de Munchi

Sabe-nos bem pousar as mochilas pesadas como chumbo. Quase tão bem como a tagarelice e os sumos de bagas de espinheiro-mar que bebericamos na esplanada diminuta enquanto esperamos pelos petiscos.

Sentimo-nos reanimados. Mesmo assim, não tão animados como o grupo de nativas instaladas no interior que, na companhia dos proprietários, alternam entre uma conversa matraqueada e ataques desenfreados de riso.

Pequenos pelotões de caminhantes, alemães, israelitas, na sua maioria, dirigidos a Manang, passam por nós e pela estátua dourada de Buda que abençoa a povoação.

Conscientes de que pouco faltava para o nosso destino, deixamos arrastar o repasto tardio de sopas, iaque guisado e pão tibetano. Até que o sol cai para trás das montanhas e o calorzinho que nos afagava as faces dá lugar à brisa frígida que, por norma, anuncia a noite.

Pagamos o almoço. Recolocamos as mochilas às costas. Retomamos o serpentear da longa via Manang Sadak que continuava a emular o do Marsyangdi. Vencidas mais umas centenas de metros, damos com uma profusão de tabuletas de beira-de-estrada que indicavam o Ice Lake e uma tal de Milarepa Cave.

Por essa altura, não estávamos disso conscientes, mas, viriam a provar-se ambas caminhadas árduas, cruciais para a aclimatização que a conquista do Thorong-La Pass, feita a 5.416 metros de altitude, nos exigia.

O Derradeiro Esforço

Deixamos para trás essas placas e deparamo-nos com uma estupa antiga envolta de bandeiras de oração. No meandro seguinte, cruzamo-nos com quatro ou cinco iaques negros a caminho sabe-se lá de onde.

Por essa altura, o grupo de mulheres que encontrámos em convívio dentro do restaurante de Munchi já quase nos apanhava. Ao perceberem o interesse fotográfico que tínhamos pelos animais, bloqueiam-lhes a marcha até que nos aproximássemos. Mesmo se o proveito fora pouco por os bichos terem, de imediato, debandado, agradecemos-lhes o esforço e a gentileza.

Fevsi continuava a sua caminhada. Encurtamos o espaço que dele nos separava na companhia das mulheres, que falavam algum inglês e seguiam na mesma boa-disposição em que as tínhamos visto pela primeira vez.

As senhoras despedem-se e retomam um passo acelerado que as nossas mochilas nunca nos concederiam. No entretanto, alcançamos Fevsi que, ao invés, tinha reduzido o seu ritmo.

Juntamo-nos a ele sobre um novo meandro. Contornamo-lo, uma vez mais curiosos. Até que vislumbramos um mosteiro budista branco e vermelho encaixado a meio de um fim de encosta coroado por penhascos afiados.

Só podia ser Braga. Ou Braka, como era também conhecida.

Estupa, Braka, circuito Annapurna, Nepal

Uma velha e elegante estupa, entre Munchi e Braga.

Enfim, Braga

Descemos da vertente que fechava o anfiteatro natural em que se abrigava a povoação para o prado inclinado e semi-encharcado no entremeio.

O pasto que ali se exibia bem mais viçoso que na maior parte do Nepal, servia de cama e de alimento a alguns iaques pachorrentos.

Mas não só. Bandos de patos selvagens e outras aves chafurdavam e vasculhavam a relva enlameada em busca de alimento. De tempo a tempo, aterrava um novo bando que reforçava o contingente de visitantes asados.

Ainda estávamos a chegar mas Braga já nos conquistava. Voltamos à Manang Sadak de que nos tínhamos perdido. Percebemos que quase todos os hotéis da povoação surgiam alinhados à beira da estrada.

Esta nova escala do Circuito Annapurna podia até ser bem distinta de Ngawal. O tema premente na altura de escolher a estadia, esse, era o da noite anterior e o de sempre: o banho.

O New Yak Hotel – o primeiro que encontramos em Braga – prometia duches aquecidos a gás de botija. Estava ainda servido de uma padaria repleta de tarte de maça e outras pastelarias de fazer água na boca.

Os preços da estadia e da alimentação destoavam pouco do habitual pelo que concordámos num ápice em lá nos instalarmos. Em boa-hora. Os banhos a gás de botija eram raros ao longo do circuito. Ofereciam-nos apenas hotéis que, como o New Yak, tinham conseguido fama online e que, como tal, se mantinham cheios.

Mesmo sem o dramatismo térmico do fim de dia em Ngawal, o duche inaugural volta a desiludir-nos. Ao contrário da Braga do Nepal, que não mais deixaria de nos encantar.

Mais informações sobre caminhadas no Nepal no site oficial do Turismo do Nepal.

Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna - A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Safari
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Thorong Pedi a High Camp, circuito Annapurna, Nepal, caminhante solitário
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 12º: Thorong Phedi a High Camp

O Prelúdio da Travessia Suprema

Este trecho do Circuito Annapurna só dista 1km mas, em menos de duas horas, leva dos 4450m aos 4850m e à entrada do grande desfiladeiro. Dormir no High Camp é uma prova de resistência ao Mal de Montanha que nem todos passam.
hacienda mucuyche, Iucatão, México, canal
Arquitectura & Design
Iucatão, México

Entre Haciendas e Cenotes, pela História do Iucatão

Em redor da capital Mérida, para cada velha hacienda henequenera colonial há pelo menos um cenote. Com frequência, coexistem e, como aconteceu com a semi-recuperada Hacienda Mucuyché, em duo, resultam nalguns dos lugares mais sublimes do sudeste mexicano.

Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Desfile de nativos-mericanos, Pow Pow, Albuquerque, Novo México, Estados Unidos
Cerimónias e Festividades
Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o pow wow "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.
Rua de São Pedro Atacama, Chile
Cidades
San Pedro de Atacama, Chile

São Pedro de Atacama: a Vida em Adobe no Mais Árido dos Desertos

Os conquistadores espanhóis tinham partido e o comboio desviou as caravanas de gado e nitrato. San Pedro recuperava a paz mas uma horda de forasteiros à descoberta da América do Sul invadiu o pueblo.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Espectáculo Impressions Lijiang, Yangshuo, China, Entusiasmo Vermelho
Cultura
Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
formas de pagamento em viagem, fazer compras no estrangeiro
Em Viagem
Viajar Não Custa

Na próxima viagem, não deixe o seu dinheiro voar

Nem só a altura do ano e antecedência com que reservamos voos, estadias etc têm influência no custo de uma viagem. As formas de pagamento que usamo nos destinos pode representar uma grande diferença.
Dunas da ilha de Bazaruto, Moçambique
Étnico
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Forte Galle, Sri Lanka, Ceilão Lendária Taprobana
História
Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana

Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.
Christiansted, Saint Croix, Ilhas Virgens Americanas, Steeple Building
Ilhas
Christiansted, St. Croix, Ilhas Virgens Americanas

A Capital das Antilhas Afro-Dinamarquesas-Americanas

Em 1733, a Dinamarca comprou a ilha de Saint Croix à França, anexou-a às suas Índias Ocidentais em que, com base em Christiansted, lucrou com o trabalho de escravos trazidos da Costa do Ouro. A abolição da escravatura tornou as colónias inviáveis. E uma pechincha histórico-tropical que os Estados Unidos preservam.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Natureza
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Vista do John Ford Point, Monument Valley, Nacao Navajo, Estados Unidos
Parques Naturais
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Cataratas de Victoria, Zimbabwe, Zambia
Património Mundial UNESCO
Victoria Falls, Zimbabwe

O Presente Trovejante de Livingstone

O explorador procurava uma rota para o Índico quando nativos o conduziram a um salto do rio Zambeze. As cataratas que encontrou eram tão majestosas que decidiu baptizá-las em honra da sua rainha
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.
ilha Martinica, Antilhas Francesas, Caraíbas Monumento Cap 110
Praias
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Cortejo Ortodoxo
Religião
Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre Carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Tombola, bingo de rua-Campeche, Mexico
Sociedade
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Bando de flamingos, Laguna Oviedo, República Dominicana
Vida Selvagem
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
PT EN ES FR DE IT