Circuito Annapurna: 13º - High Camp a Thorong La a Muktinath, Nepal

No Auge do Circuito dos Annapurnas


Amanhecer sobre o High Camp
Don, o Carregador
Trilho acima
Sol sobre a Crista
Caravana a Caminho
Trilho Nevado
Tabuleiro Dal Baht
Conquista para a Posteridade
Bênção da Estupa
Em Fila
Pequeno Glaciar
Mais uma Ladeira Nevada
Nepal Communist Party
Benção de Bandeira Lungta
Povoado Nepalês
Quase em Muktinath
Muktinath
O Bob Marley Hotel
Aos 5416m de altitude, o desfiladeiro de Thorong La é o grande desafio e o principal causador de ansiedade do itinerário. Depois de, em Outubro de 2014, ter vitimado 29 montanhistas, cruzá-lo em segurança gera um alívio digno de dupla celebração.

O cansaço era já tal que, nem o vendaval sibilante da noite nem o conforto espartano do quarto, nos levou o sono.

Das 22h às 4h, mesmo com o oxigénio da atmosfera reduzido, renovamos energias para o percurso extremo que nos esperava.

Despertamos algo titubeantes. Recompomos as mochilas e certificamo-nos que o carregador, Don, acordava e se preparava.

Nestes preparos, chegamos às cinco da manhã.

Com recurso à luz dos frontais, mudamo-nos da ala dos quartos para o edifício principal do High Camp, lugar da cozinha e dos sempre ansiados pequenos-almoços.

Quando entramos, damos de caras com Josh, o parceiro de caminhada que tinha ficado para trás em Yak Karka, a tentar perceber se os restantes membros do grupo estariam ou não em condições de prosseguir. Nem todos estiveram.

Rejubilamos por o voltarmos a ver. Era dos parceiros de circuito com quem melhor nos dávamos, ao ponto de juntos, nos termos metido em caminhadas de aclimatização e em apuros mas deles termos saído rejuvenescidos e ainda mais unidos.

Também Josh nos pareceu feliz pelo reencontro.

Não conhecia mais ninguém naquela levada de caminhantes. Sentia algumas dores de cabeça típicas do Mal de Montanha. Poder fazer-se ao temido Thorong La, na companhia de amigos, sempre suavizava o repto.

Momentos depois, Sara e Manel, juntam-se a nós. Sara “receita” um Diamox a Josh.

Conscientes da sua debilidade e de que, para o habitual, Don só teria que transportar um quinto do peso a que os carregadores nativos estão habituados, passamos-lhe alguns itens.

Era um peso adicional que não lhe faria diferença, mas que poderia salvar a travessia de Josh.

Com o sol a aparecer acima do horizonte, o vento deu de si. Não deixou nem vestígio da nebulosidade que, na noite anterior, tinha gerado um súbito nevão.

Ascensão do High Camp ao Desfiladeiro de Thorong La

Partimos do High Camp pouco antes das seis da manhã. Sob uma meteorologia abençoada e desejada que contribuiu e muito para nos tranquilizar.

O peso da atmosfera dos 4880 metros do High Camp para cima, depressa nos começou a desgastar. Quase todo o caminho rumo ao zénite de Thorong La se provou a subir, nalgumas partes, com inclinação acentuada.

Dávamos cada novo passo, em câmara lenta de homem na Lua.

Todos, sem excepção, nos requeriam respirações profundas, com os pulmões na senda do oxigénio rarefeito em volta, precioso no sangue que nos mantinha quentes e em movimento.

Aos poucos, ascendemos.

Ao contrário de até então, sulcamos uma paisagem toda ela nevada. Subimos por um trilho estreito, com frequência coberto de neve endurecida.

Boa parte do trilho, cortava pelo quase cimo de encostas por que, ao mínimo descuido, rolaríamos sem sabermos onde iríamos parar, ou onde acabaríamos por nos despenhar.

Por essa altura, damos graças pelos crampons ajustáveis às botas que, à última hora, apostámos em comprar.

Conquistamos um primeiro alto panorâmico em que recuperamos o fôlego por mais tempo.

Nesse cimo, ao nos virarmos para trás, percebemos que tínhamos sido dos primeiros a deixarmos o High Camp.

Atrás de nós, com o sol a impor-se às montanhas nas suas costas, os vultos alinhados ao longo do trilho aumentavam.

Junto ao alto em que apreciávamos a sua evolução, surgiam já em fila indiana, caminhantes atrás, retidos pela lentidão dos que seguiam na dianteira, impedidos de os contornarem por fora do trilho, pela aceleração requerida, por a neve poder esconder buracos e, nem que fosse só esse o motivo, pelo precioso bom-senso da montanha.

Na caravana que se adensava, seguiam uns poucos cavalos.

Alguns, carregavam os primeiros desistentes do dia, os que o cansaço e o mal de montanha já tinham derrotado e a quem, de bom grado, os proprietários dos animais cobravam 100 dólares, ou mais, para os carregar até ao lado de lá do desfiladeiro.

Outros donos de equídeos, tal qual rapinas dos Annapurnas, seguiam junto dos caminhantes que lhes pareciam mais exauridos a tentarem convencê-los a recorrerem aos seus serviços.

Desde os primeiros passos que o Circuito Annapurna nos corria de feição. Também não seria ali que soçobraríamos.

Claro está que nos sentíamos ofegantes. Com o coração a querer sair pela boca, as coxas a arderem, cegos pela intensidade da luz directa em altitude e pela sua reflexão ofuscante na neve que nem os óculos de sol pareciam resolver.

Não voltámos a sentir as dores de cabeça e indisposição que demasiada papa de aveia tinha gerado no trecho entre Yak Kharka e Thorong Phedi.

Devagar, devagarinho, derreados, mas a recuperarmos bem sempre que nos detínhamos, atingimos as terras planas do desfiladeiro de Thorong.

Conquista do Thorong La (5416 m) e Celebração a Condizer

A determinado ponto do seu vale, uma profusão enrodilhada de bandeiras budistas de oração lungta quebrava a alvura do cenário.

Parte delas estavam atadas a uma estupa.

Outras, esticadas de uma placa comemorativa do lugar e da conquista respectiva.

Letras douradas sobre um fundo negro versavam: “Thorang La Pass – 5416 mtr. Congratulation for the Success! Hope you enjoy the trekk in Manang. Hope to see you again.

A mensagem tinha erros que, desde então, foram corrigidos.

Quando todos ali nos reunimos, com o céu ainda limpo e o dia soleado, celebramos e fotografamo-nos por conta de cada um, em casal e em grupo.

Até o guia de Sara e Manel que, pelos vistos, também era estreante no circuito e no desfiladeiro, revelou um êxtase que nos divertiu.

Abraçamo-nos, gritamos. Voltamos a fotografar-nos e abraçar-nos, numa celebração que só a visão da casa de chá local a servir bebidas quentes, teve o poder de abreviar.

Mudamo-nos para junto da tea house. Conscientes de que tínhamos conquistado o Thorong La no tempo previsto, sentamo-nos à conversa, a bebermos chá, devorarmos barritas e chocolates.

Brindamos. Voltamos a comemorar.

A quem agora o lê, pode parecer festa em excesso. Tendo em conta a história recente daquele mesmo desfiladeiro, talvez devêssemos ter celebrado a dobrar.

A Tragédia de Outubro de 2014

Recuemos até 14 de Outubro de 2014. Nesse dia, tal como nós havíamos feito, dezenas de caminhantes tinham deixado Thorong Pedi e o High Camp, apostados em cruzar o desfiladeiro de Thorong La.

A época do ano era uma das melhores para a travessia. No entanto, a acção do ciclone Hudhud, que se intensificou Baía de Bengala acima e evoluiu para o coração da Índia, gerou tempestades inesperadas e avassaladoras nas montanhas do Nepal.

Nessa manhã, as temperaturas desceram a pique. Nevões intensos e vendavais apanharam caminhantes no trilho exíguo e instável que vai do High Camp a Thorong Pedi.

Muitos conseguiram refugiar-se naquela mesma tea house em que comprámos os chás.

A determinada altura, o edifício diminuto ficou à pinha.

Mesmo aí, o frio, a iminente hipotermia e o pânico tornaram-se tais que se propagou a noção de que, se ali ficassem, todos os caminhantes pereceriam.

Nesta aflição, muitos apostaram em chegar à segurança do povoado de Muktinath, no fundo das montanhas a norte do desfiladeiro.

Os sobreviventes relataram que o dono da Tea House cobrou dinheiro para guiar o grupo decidido em deixar o abrigo. E, que, logo depois, desapareceu.

Os que optaram por ficar, aninharam-se o melhor que conseguiram e sofreram nas mais de 20 horas em que a tempestade fustigou o desfiladeiro.

Às oito da manhã do dia seguinte, a tempestade amainou.

Quando os caminhantes abrigados decidiram buscar socorro, perceberam que o trilho tinha desaparecido.

Pouco depois, começaram a encontrar dezenas de corpos semienterrados e congelados de outros caminhantes e guias.

Nesses dois dias, a tempestade fez 43 vítimas mortais na região e muitos mais com queimaduras por frio graves.

Boa parte dos mortos e feridos foram encontrados entre o High Camp e Muktinath, o trecho em que já rejubilávamos, apesar de ainda só estarmos a meio, ou nem isso.

Thorong La a Muktinath: de Volta ao Caminho

O que faltava, era a longa descida para Muktinath.

Íngreme, a começar pouco abaixo de glaciares diminutos.

Com mais secções em que o trilho se sumia na neve, no cimo ou a meio de encostas em que, não fossem os crampons, voltávamos a arriscar quedas para fundos indefinidos.

Deixamos para trás a zona em que a neve perdurava. Sobre uma ilha de branco, um grande calhau rosado servia os propósitos propagandísticos de outro dos resistentes do Nepal e dos Annapurnas, entre Manang e Muktinath:

Long Live C.P.N. (Maoist)” versava a inscrição, a vermelho, as cores do Communist Party of Nepal.

Daí, para baixo, o caminho serpenteou sobre um solo cada vez mais pedregoso, danoso para os joelhos.

Foi com enorme alívio que avistámos as primeiras casas de chá e restaurantes, ainda bem acima dos 3800 metros a que se situa Muktinath, a uma hora da aldeia.

O dia continuava luminoso e sem vento. Fazia um calor quase veraneante que há muito não sentíamos.

Sentamo-nos numa mesa cá fora.

Pedimos sumos de frutas, pão tibetano e arroz com vegetais. Livramo-nos do vestuário sintético opressor necessário à passagem por Thorong La.

De troncos nus ou quase nus, deixamo-nos afagar pela aragem, pelos raios solares e pela aura de conquista.

Por volta das 15 horas, nove decorridas desde a partida do High Camp, damos entrada no Bob Marley Hotel de Muktinath. Instantes depois, voltamos a sentir água quente a correr-nos sobre o corpo.

Tínhamos passado pelo apogeu do Circuito Annapurna. A partir daí foi (quase) sempre a descer.

Circuito Annapurna: 12º - Thorong Phedi a High Camp

O Prelúdio da Travessia Suprema

Este trecho do Circuito Annapurna só dista 1km mas, em menos de duas horas, leva dos 4450m aos 4850m e à entrada do grande desfiladeiro. Dormir no High Camp é uma prova de resistência ao Mal de Montanha que nem todos passam.
Circuito Annapurna 11º: Yak Karkha a Thorong Phedi, Nepal

A Chegada ao Sopé do Desfiladeiro

Num pouco mais de 6km, subimos dos 4018m aos 4450m, na base do desfiladeiro de Thorong La. Pelo caminho, questionamos se o que sentíamos seriam os primeiros problemas de Mal de Altitude. Nunca passou de falso alarme.
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Circuito Annapurna: 5º - Ngawal a BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a ChameNepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna - A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Circuito Annapurna 14º - Muktinath a Kagbeni, Nepal

Do Lado de Lá do Desfiladeiro

Após a travessia exigente de Thorong La, recuperamos na aldeia acolhedora de Muktinath. Na manhã seguinte, voltamos a descer. A caminho do antigo reino do Alto Mustang e da aldeia de Kagbeni que lhe serve de entrada.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Safari
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Arquitectura & Design
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
A Crucificação em Helsínquia
Cerimónias e Festividades
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
mao tse tung, coracao dragao, praca tianamen, Pequim, China
Cidades
Pequim, China

O Coração do Grande Dragão

É o centro histórico incoerente da ideologia maoista-comunista e quase todos os chineses aspiram a visitá-la mas a Praça Tianamen será sempre recordada como um epitáfio macabro das aspirações da nação
fogon de Lola, comida rica, Costa Rica, Guapiles
Comida
Fogón de Lola, Costa Rica

O Sabor a Costa Rica de El Fogón de Lola

Como o nome deixa perceber, o Fogón de Lola de Guapiles serve pratos confeccionados ao fogão e ao forno, segundo tradição familiar costarricense. Em particular, a família da Tia Lola.
Djerbahood, Erriadh, Djerba, Espelho
Cultura
Erriadh, Djerba, Tunísia

Uma Aldeia Feita Galeria de Arte Fugaz

Em 2014, uma povoação djerbiana milenar acolheu 250 pinturas murais realizadas por 150 artistas de 34 países. As paredes de cal, o sol intenso e os ventos carregados de areia do Saara erodem as obras de arte. A metamorfose de Erriadh em Djerbahood renova-se e continua a deslumbrar.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Casario sofisticado de Tóquio, onde o Couchsurfing e os seus anfitriões abundam.
Em Viagem
Couchsurfing (Parte 1)

Mi Casa, Su Casa

Em 2003, uma nova comunidade online globalizou um antigo cenário de hospitalidade, convívio e de interesses. Hoje, o Couchsurfing acolhe milhões de viajantes, mas não deve ser praticado de ânimo leve.
Assuão, Egipto, rio Nilo encontra a África negra, ilha Elefantina
Étnico
Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Forte de São Filipe, Cidade Velha, ilha de Santiago, Cabo Verde
História
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Ilhas
Viti Levu, Fiji

A Partilha Improvável da ilha Viti Levu

Em pleno Pacífico Sul, uma comunidade numerosa de descendentes de indianos recrutados pelos ex-colonos britânicos e a população indígena melanésia repartem há muito a ilha chefe de Fiji.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Inverno Branco
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Almada Negreiros, Roça Saudade, São Tomé
Literatura
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
Fazenda de São João, Pantanal, Miranda, Mato Grosso do Sul, ocaso
Natureza
Fazenda São João, Miranda, Brasil

Pantanal com o Paraguai à Vista

Quando a fazenda Passo do Lontra decidiu expandir o seu ecoturismo, recrutou a outra fazenda da família, a São João. Mais afastada do rio Miranda, esta outra propriedade revela um Pantanal remoto, na iminência do Paraguai. Do país e do rio homónimo.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Mulher atacamenha, Vida nos limites, Deserto Atacama, Chile
Parques Naturais
Deserto de Atacama, Chile

A Vida nos Limites do Deserto de Atacama

Quando menos se espera, o lugar mais seco do mundo revela novos cenários extraterrestres numa fronteira entre o inóspito e o acolhedor, o estéril e o fértil que os nativos se habituaram a atravessar.
Ilha de Miyajima, Xintoismo e Budismo, Japão, Portal para uma ilha sagrada
Património Mundial UNESCO
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
Verificação da correspondência
Personagens
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Praias
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Queima de preces, Festival de Ohitaki, templo de fushimi, quioto, japao
Religião
Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre Carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Teleférico de Mérida, Renovação, Venezuela, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Sociedade
Mérida, Venezuela

A Renovação Vertiginosa do Teleférico mais Alto do Mundo

Em execução a partir de 2010, a reconstrução do teleférico de Mérida foi levada a cabo na Sierra Nevada por operários intrépidos que sofreram na pele a grandeza da obra.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Pesca, Caño Negro, Costa Rica
Vida Selvagem
Caño Negro, Costa Rica

Uma Vida à Pesca entre a Vida Selvagem

Uma das zonas húmidas mais importantes da Costa Rica e do Mundo, Caño Negro deslumbra pelo seu ecossistema exuberante. Não só. Remota, isolada por rios, pântanos e estradas sofríveis, os seus habitantes encontraram na pesca um meio embarcado de fortalecerem os laços da sua comunidade.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.