Braga - Ice Lake, Nepal

A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake


Bandeiras-budistas-expostas-no-chao-do-Ice-lake-Annapurnas-Nepal
Varandim de Buda
A geologia caprichosa dos Annapurnas. Uma vertente "riscada" pela erosão faz de escala aos picos mais altos da cordilheira.
O Longo Vale Marsyangdi
Mais bandeirolas budistas ramificam na direcção do trilho para o Ice Lake, com o vale longo do Marsyangdi em vista.
Cavalo do proprietário do Ice Lake aguarda pelo regresso a casa.
Vertentes diferentes
A geologia caprichosa dos Annapurnas. Uma vertente "riscada" pela erosão faz de escala aos picos mais altos da cordilheira.
Derradeiras arrumações
Casal prestes a deixar o Ice Lake, de regresso a Braga (Brakka) ou a Manang.
Regresso a Braga
Caminhantes no início do trilho de volta a Braga (Brakka).
Budismo iluminado
Estupa budista numa margem do Ice Lake.
Ice Lake Tea House
Letreiro sinaliza aos caminhantes a chegada reconfortante à "tea house" do Ice Lake.
sara-wong-na-descida-do-regresso-do-ice-lake-para-Braga(Brakka)-Annapurnas-Nepal
Seta-apontar-para-o-ice-lake-Annapurnas-Nepal
Indicação envelhecida do Ice Lake, um lago em boa parte do ano gelado, a 4600 metros de altitude.
Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.

Já faz parte do senso comum do circuito Annapurna.

Ficar alguns dias em Braga ou Manang era essencial para percebermos se estávamos mesmo em condições físicas. Ideal mesmo seria testá-lo num dos percursos que partem das margens do Marsyangdi para lugares bem acima nas encostas de um ou outro lado do vale.

O Ice Lake era um dos mais aconselhados. O trilho partia logo ali da frente do casario de Braga. Por mais que calculássemos o que nos custaria, não tínhamos como nos esquivarmos.

Tínhamos pedido o pequeno-almoço para as 7h30. Já despertámos vinte minutos depois disso. A tempo de vermos o sempre madrugador grupo teutónico deixar a frente do New Yak Hotel, apontados ao caminho que tomaríamos.

Despachamos o pequeno-almoço em três tempos. Voltamos ao quarto e reempacotamos  as mochilas com mais isto e mais aquilo. São quase nove quando saímos, com aquela impressão tão portuguesa de estarmos atrasados, mesmo se ninguém estabeleceu horários.

Passamos pela base do mosteiro de Braga, seguimos os contornos da povoação e entramos pelo seu casario adentro, como o tínhamos feito no dia anterior. Numa das ruelas sombrias, encontrarmos uma primeira tabuleta a indicar o destino final. Tomamos essa direcção até que o caminho nos faz deixar para trás o casario, encosta acima.

Vista a partir do trilho para o Ice Lake, acima de Braga.

A geologia caprichosa dos Annapurnas. Uma vertente “riscada” pela erosão faz de escala aos picos mais altos da cordilheira.

De Braga (Brakka), Pela Montanha Acima

Pouco depois, damos com o trilho principal que retrocedia na direcção do Mosteiro de Karma Samtem Ling e na de Ngawal, a aldeia de que tínhamos chegado a Braga.

Quanto mais o percorremos, mais panorâmica se torna a vista de Braga e da espécie de ranhura geológica que a acolhera e do vale principal do Marsyangdi. Víamo-lo serpentear desde Manang e ainda mais para montante.

Pouco ou nada recuamos. Uma indicação pintada numa rocha alerta-nos de que estava na hora de ascender a sério. Cortamos para a encosta e iniciamos um ziguezaguear inclinado por ela acima.

Duzentos metros depois, o nosso custoso avanço é travado por uma grande fila de caminhantes com mais idade que ocupava todo o estreito trilho. Passamo-los agitados por uma discussão sem fôlego de se o devíamos fazer à pressa ou aguardarmos retidos ao ritmo deles não sabíamos por quanto tempo.

Acabou por vencer a lei do que ia à frente. Ultrapassamo-los em óbvio sobreaquecimento. Recuperamos a respiração o mais que podemos e tranquilizamo-nos.  Regressamos à nossa passada normal, durante todo o resto do percurso sem mais trânsito digno de registo.

A determinada altura, o trilho ajusta-se a uma aresta sobressaída da vertente. A posição desta aresta revela um cenário mais aberto que nunca, tanto para o lado de Manang como para o oposto.

A Primeira Escala Panorâmica do Trilho

Sensíveis à sua bênção contemplativa e a de que seria lugar perfeito para um primeiro descanso mais longo, os nativos instalaram lá uma um longo estendal multicolor esvoaçante de bandeirolas budistas.

Estandartes budistas, trilho para o Ice Lake, circuito Annapurna, Nepal

Sequência de estandartes budistas marcam um ponto de contemplação do vale do rio Marsyangdi, com vista para Manang e mais além.

Sentamo-nos em rochas mais lisas, devoramos as primeiras barritas energéticas e ficamos a louvar o privilégio algo esotérico de podermos apreciar tais paisagens. De Braga, que ficava logo abaixo, já só vislumbrávamos uma ponta mais próxima do Marsyangdi.

Em jeito de compensação, todo o vale para leste surgia exposto. O casario mais moderno de Manang sobre a sua excêntrica meseta aluvial, o lago Gangapurna um pouco abaixo num contacto íntimo com o Marsyangdi.

No dia seguinte, haveríamos de caminhar paralelos ao rio, até nos instalarmos em Manang. Mas, para diante, tal como o víamos, o vale do rio bifurcava. Queríamos perceber ao certo qual dos desfiladeiros seguintes a Manang nos levaria ao ansiado Thorong La Pass. A olho nu, ainda era demasiado complicado percebê-lo. Como tal, suspendemos o estudo do vale. Já com as coxas arrefecidas, tiramos umas derradeiras fotos e regressamos à subida.

Vale do rio Marsyangdi, circuito Annapurna,

Mais bandeirolas budistas ramificam na direcção do trilho para o Ice Lake, com o vale profundo do Marsyangdi em vista.

Nova Paragem. Os Sintomas Bem Audíveis do Mal da Montanha

Um quarto de hora depois, voltamos a deter-nos num ponto similar mais acima. Com vista para o vale, mas também para o miradouro das bandeiras budistas anteriores. Nesse preciso momento, a fila de caminhantes que tínhamos ultrapassado chega ao ponto de descanso.

O vento sopra na nossa direcção. Ouvimos dois ou três deles tossirem desalmadamente. Sabíamos que era um péssimo prenúncio e sentíamo-nos seguros por não nos ter ainda acontecido o mesmo. Auguramos que os seus guias não permitiriam que aqueles seus três clientes prosseguissem.

O sucedido extravasou ou que esperávamos que acontecesse. Os guias até eram dois e, segundo nos parecia, um deles poderia descer com o trio com sintomas de mal da montanha. O outro, assim pensávamos, tinha condições para prosseguir com o resto do grupo. Ainda hoje continuamos sem perceber porquê. Em vez, desceram os dois guias e os dez ou doze caminhantes por eles guiados.

Nós, continuávamos sem nenhum contratempo. Encosta acima.

Às tantas, somos prendados com a visão súbita do cume nevado  e supremo da Annapurna, recortado por uma aresta acima do nosso plano.

Um bando de veados selvagens que pastava sobre essa aresta servia-nos de escala para a montanha avassaladora que ali se insinuava. Entusiasmamo-nos de tal maneira a majestosidade do seu cume que quase nos esquecemos do que as pernas sofriam.

Retomamos os passos. Os meus, mais de rebenta e recupera, os da Sara, quase sempre uniformes e bem medidos.

Ice Lake Restaurant na subida para o Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal

Letreiro sinaliza aos caminhantes a chegada reconfortante à “tea house” do Ice Lake.

A Visão Reconfortante da Tea House do Ice Lake

Vencemos mais umas centenas de metros. A meio de nova rampa, o trilho revela-nos uma casa. Por fim, tínhamos chegado ao “Ice Lake Restaurant, Tea & Coffee Shop”, assim indicava uma placa branca e azul colocada a um canto, junto ao telhado de zinco. Oposta ao cavalo que o proprietário montava todos os dias para de descolar entre o seu lar no já distante vale e o estabelecimento em que ganhava a vida.

Sopra um vento gélido pelo que nos sentamos no interior. O dono dá-nos as boas-vindas e instala-nos. Pedimos chás de gengibre, limão e mel acompanhados de chapatas com queijo de iaque. Saboreamo-los com o prazer redobrado do esforço e metemos conversa com o nativo que, tem que fazer na cozinha e não está para aí virado.

Por muito que nos apetecesse arrastar a recompensa, não nos retivemos mais que vinte minutos. Com a desistência do grande grupo mais abaixo, tínhamos a sensação que ninguém nos seguia. A placa no exterior do edifício também anunciava que estávamos a 1h30 do Ice Lake. Sermos os últimos a descer era sempre de evitar. De acordo, pusemo-nos uma vez mais mexer.

Cavalo do dono do Ice Lake Restaurant, a caminho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal

Cavalo do proprietário do Ice Lake Restaurant aguarda pelo regresso a casa.

Nós a Chegarmos, Quase todos a Iniciarem o Regresso.

Nessa hora e pouco (não chegou a 1h30) que demoraríamos até ao topo, cruzámo-nos com os restantes do dia. Todos os grupos tinham saído bem mais cedo que nós. Cada qual descia do lago à sua maneira e na forma que a saúde e forma física lhes permitia.

Sara Peréz e Edo, o casal hispano-italiano com quem já tínhamos convivido antes, desciam a grande velocidade, sem qualquer problema. Também encontrámos os alemães. Um deles estava com mal de montanha, zonzo, com dor de cabeça e dificuldade para descer. Acompanhavam-no dois deles. Outros dois tinham-se demorado mais acima.

Num esticão adicional, entramos numa secção em que o trilho se mostrava enlameado pelo descongelar diurno da neve. A lama escura, obrigou-nos a refrear os passos. Não impediu que, mais pausa menos pausa, mais fotografia menos fotografia, chegássemos ao destino final.

Sinalização do Ice Lake, à entrada do lago, Circuito Annapurna, Nepal

Indicação envelhecida do Ice Lake, um lago em boa parte do ano gelado, a 4600 metros de altitude.

Por fim, o Gelado e Ansiado Ice Lake

Quase cinco horas após a partida de Braga, tínhamos conquistado os 4.600 do Ice Lake. Assim provava uma estupa branca e dourada, decorada com bandeirolas budistas.

Estupa junto ao Ice Lake, acima de Braga (Brakka), Nepal

Estupa budista numa margem do Ice Lake.

Bem mais que o lago em si. Tal como o nome deixava antever e, em Março, o lago pouco passava de uma superfície nevada com limites difusos. Já só lá encontramos um casal a tirar as suas derradeiras fotos, apressados para iniciarem o caminho de volta.

Percebemos então que éramos os últimos. Conscientes de que muitas das tempestades do circuito chegam, fulminantes, mais para o fim dia. Sem vontade de sermos apanhados por uma delas, sozinhos, àquela altitude, num trilho exíguo com precipícios de quilómetros de altura à direita, apreciámos os cenários em redor.

Caminhantes junto ao Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal

Casal prestes a deixar o Ice Lake, de regresso a Braga (Brakka) ou a Manang.

Respiramos bem fundo. Fazemos as derradeiras imagens, as nossas e as do casal, a afastar-se sobre o solo branco, ínfimo, contra o fundo avassalador das Annapurnas. Findo esse ritual do habitual, inauguramos a descida. Agraciados com a misericórdia da gravidade, aceleramos a bom acelerar.

A Descida Apressada de Volta a Braga

Temos as coxas, os gémeos e todos os músculos fortes das anteriores caminhadas e da subida o que nos permite travar em pouco tempo. Vemos nuvens escuras aproximarem-se dos lados de Chame, apontadas aos lados de Manang e o seu tom desagrada-nos. A vista já a tínhamos apreciado na subida.

Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal

Caminhantes no início do trilho de volta a Braga (Brakka).

Optamos por descer em modo de quase corrida, pelo menos até que os joelhos reagem à sobrecarga e nos começam a doer. Passamos pelo casal que saíra antes de nós.

E por outro pequeno grupo. Tinham sido cinco horas a subir. Foram só duas a descer. De volta a Brakka, recebemos o merecido galardão.

Tínhamos subido e descido sem quaisquer sintomas do mal da montanha. Estávamos bem mais aclimatizados que antes para a travessia dos 5.416m do Thorong La Pass. Celebrámos, de imediato, a reconfortarmo-nos com  chás de gengibre com mel e limão e um par de pães tibetanos.

Circuito Anapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com agrado.
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-Braga, Nepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Circuito Annapurna: 1º Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Cocquete
Arquitectura & Design

Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos thirties. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.

Aventura
De Barco

Desafios Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque de corpo e alma nestas viagens e deixe-se levar pela adrenalina ou pela imponência de cenários tão dispares como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Moa numa praia de Rapa Nui/Ilha da Páscoa
Cerimónias e Festividades
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
T4 à moda do Namibe
Cidades

Kolmanskop, Namíbia

Gerada pelos Diamantes do Namibe, Abandonada às suas Areias

Foi a descoberta de um campo diamantífero farto, em 1908, que originou a fundação e a opulência surreal de Kolmanskop. Menos de 50 anos depois, as pedras preciosas esgotaram-se. Os habitantes deixaram a povoação ao deserto.

Orgulho
Comida

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Cultura
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Desporto
Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.
viagem de volta ao mundo, símbolo de sabedoria ilustrado numa janela do aeroporto de Inari, Lapónia Finlandesa
Em Viagem
Volta ao Mundo - Parte 1

Viajar Traz Sabedoria. Saiba como dar a Volta ao Mundo.

A Terra gira sobre si própria todos os dias. Nesta série de artigos, encontra esclarecimentos e conselhos indispensáveis a quem faz questão de a circundar pelo menos uma vez na vida.
As forças ocupantes
Étnico

Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete. 

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Teleférico de Sanahin, Arménia
História
Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.
Passerelle secular
Ilhas

Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana

Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.

Tempo de aurora
Inverno Branco

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Natureza
Quedas d'água

Admiráveis Caudais Verticais

Dos quase 1000 metros de altura do Salto dançante de Angel à potência fulminante de Iguaçu ou Victoria após chuvas torrenciais, abatem-se sobre a Terra catadupas de todos os tipos.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Parques Naturais

Glaciares

Planeta Azul-Gelado

Formam-se nas grandes latitudes e/ou altitudes. No Alasca ou na Nova Zelândia, na Argentina ou no Chile, os rios de gelo são sempre visões impressionantes de uma Terra tão frígida quanto inóspita.

Água grande
Património Mundial UNESCO

Cataratas Iguaçu, Brasil/Argentina

O Grande Splash

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.

Lenha
Personagens

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Aulas de surf
Praias

Waikiki, Havai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbour e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.

A Crucificação em Helsínquia
Religião

Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.

White Pass & Yukon Train
Sobre carris

Skagway, Alasca

Uma Variante da Corrida ao Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.

Sociedade
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Detectamo-los por todo o lado, mesmo em tempos de paz. A maior parte dos que encontramos a postos, nas cidades, cumpre apenas missões rotineiras que requerem, acima de tudo, rigor e paciência.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Devils Marbles
Vida Selvagem

Alice Springs a Darwin, Austrália

A Caminho do Top End

Do Red Centre ao Top End tropical, a Stuart Hwy percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, a grande ilha muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.