The Haight, São Francisco, E.U.A.

Órfãos do Verão do Amor


Creepy-Graffiti II
Mais uma pintura excêntrica ilustra a sempre criativa e insatisfeita avenida Haight.
Pernas de fora
Transeuntes percorrem o passeio ao longo da famosa avenida Haight, em São Francisco
Tattoo & skate
Skater deixa um estúdio de tatuagens.
Caminhada Enigmática
Transeunte percorre uma rua decorada com pinturas esotéricas.
Dupla bem Protegida
Casal prestes a deixar a rua Haight de moto.
Verão de 67
Montra psicadélica celebra o passado hippie das ruas Haight-Ashbury.
Vendedora de chapéus
Empregada de loja de chapéus Frankie Zmetra.
Creepy-Graffiti
Graffiti numa rua do bairro de Haight-Ashbury.
Neo-punks
Neo-punks percorrem um passeio de Haight-Ashbury.
Shiva à moda de Haight
Decoração de Haight inspirada num deus Shiva psicadélico.
Passadeira Movimentada
Transeuntes num cruzamento amarelado de Haight-Ashbury.
Evasão chique
Fachada da boutique Piedmont.
Wasteland 1660
Transeunte deixa uma loja de moda e design da rua Haight.
Sinal Bigode
Sinalização original do cruzamento da rua Haight com a Ashbury.
O inconformismo e a criatividade ainda estão presentes no antigo bairro Flower Power. Mas, quase 50 anos depois, a geração hippie deu lugar a uma juventude sem-abrigo, descontrolada e até agressiva.

Caminhamos pela Ashbury Street e estamos prestes a entrar numa das suas muitas lojas alternativas quando uma rapariga sai disparada porta fora e se estatela no chão.

Soam gritos tanto masculinos como femininos e, logo após, surge um homem cinquentão que a agarra pelos longos cabelos louros e expulsa para o passeio, apesar da acção detentora de um outro cliente que depressa percebemos ser o seu companheiro e cúmplice.

“Não roubaste nada pois não?” Interroga visivelmente nervoso o dono da boutique enquanto lhe retira objectos dos bolsos do casaco e da mala. “Tens que me explicar de onde veio tudo isto! Por coincidência, são só produtos que vendo aqui na loja”. Já não vos podemos ver à frente! Cambada de inúteis sem princípios! Desapareçam de vez!”.

Se não é por um motivo é pelo outro. O conflito instalou-se à entrada dos anos 70, quando o Haight se tornou numa espécie de Shangri-La californiana para sonhadores, vagabundos e excluídos da sociedade em geral. Desde então, só se agravou.

Sinal, bigode, Haight Ashbury, Sao Francisco, EUA, Estados Unidos America

Sinalização original do cruzamento da rua Haight com a Ashbury.

O Passado Beat dos bairros de Haight e Ashbury

Na década de cinquenta, os membros e adeptos da Geração Beat inundaram North Beach, iluminados pelos espíritos inquietos e nómadas de Allen Ginsberg, William S. Burroughs e Jack Kerouac.

A determinada altura, deixaram de existir vagas nas casas desse bairro e muitos aproveitaram o facto de Haight-Ashbury ter entrado em declínio – com inúmeras casas abandonadas após a 2ª Guerra Mundial – e se revelar uma opção bastante acessível da cidade.

A Geração Beat deu o mote para a libertação da falsa moral porque se regia a nação e, a meio dos anos 60, Haight-Ashbury estava prestes a tornar-se na sede do Conselho do Verão do Amor.

Verao de 67, montra, Haight Ashbury, Sao Francisco, EUA, Estados Unidos America

Montra psicadélica celebra o passado hippie das ruas Haight-Ashbury.

Foi para as suas ruas que John Phillips, dos Mamas & the Papas convocou os hippies e não hippies do país a convergirem com flores no cabelo. Janes Joplin, os membros dos Jefferson Airplane e dos Grateful Dead viviam todos a pouca distância.

Conheciam a comunidade local e acolheram os recém-chegados com o seu rock psicadélico e reivindicador, e o mesmo fizeram os Diggers, uma comunidade anarquista local famosa devido ao seu teatro de rua e que oferecia refeições aos residentes necessitados.

O Desenquadramento das Flower Children em São Francisco

Os tempos mudaram, como São Francisco e o Haight. Frisco confirmou-se uma das cidades mais livres e criativas do país. E o bairro tudo isso e também uma das suas áreas históricas realmente valiosas em termos imobiliários, onde uma mera casa vitoriana pode custar mais de dois milhões de euros.

Pernas, chique, Haight Ashbury, Sao Francisco, EUA, Estados Unidos America

Fachada da boutique Piedmont.

Mas o dinheiro só é fácil para parte da população dos Estados Unidos. A prosperidade crescente conseguida através do capitalismo desenfreado deu origem a uma mais que óbvia disparidade sócio-económica.

Se, nos anos 60, era fácil às Flower Children sobreviver quase sem rendimentos dividindo rendas de algumas dezenas de dólares, às vezes, por outras dezenas de inquilinos solidários, hoje, enquanto percorremos os seus passeios, somos obrigados a serpentear para evitar a multidão de jovens marginalizados e sem-abrigo que ali acampam.

Dizem-nos que são conhecidos como gutter punks (punks da sarjeta). Usam rastas sujas e anéis nos narizes ou mohawks coloridos e exuberantes e faces pintadas a spray. Numas centenas de metros, vários clãs interpelam-nos para pedir dinheiro com abordagens mais ou menos criativas mas sempre determinadas.

Neo punk, jovem, cao, Haight Ashbury, Sao Francisco, EUA, Estados Unidos America

Neo-punks percorrem um passeio de Haight-Ashbury.

Lemos nos seus pequenos cartazes de cartão “Por favor, ajudem-nos a ficarmos assóbrios (un-sober)” ou “Também aceitamos cerveja e erva”.

Estes americanos de segunda tornam-se frequentemente agressivos para os transeuntes. Bloqueiam a passagem enquanto tocam as suas guitarras e jambés, como manda o relógio do cruzamento da Haight St com a Ashbury St que marca sempre 4:20, o International Bong Hit Time.

E intimidam quem se atreve a tentar furar ou simplesmente insultam quem não tem intenção de satisfazer os seus pedidos. ”Morre yuppie!” e “Onde foi parar o espírito do Verão do Amor” são ofensas e reclamações frequentes.

Se, aos novos rebeldes, o passado que nunca viveram continua a servir de justificação, muitos dos verdadeiros protagonistas da era Flower Power já não têm paciência para sentir compaixão.

Wasteland 1660, jovem atravessa rua, Haight Ashbury, Sao Francisco, EUA, Estados Unidos America

Transeunte deixa uma loja de moda e design da rua Haight.

Flower Children vs. Flower Children. O Conflito Crescente em Haight-Ashbury

É algo que se lhes deve ser perdoado nem que seja porque, entre tantas outras tropelias, parte da vasta comunidade desenquadrada de Haight usa os canteiros de flores das suas moradias como casa de banho e atira seringas hipodérmicas usadas para um pequeno lago das redondezas a que chamam agora lago Hep-C.

“Muitos de nós que aqui continuamos a morar fomos Flower Children…” queixa-se à imprensa Robert Shadoian, um terapeuta familiar reformado com 58 anos. “… depois crescemos. É isso que eles deviam fazer. A determinada altura, há responsabilidades que devem ser assumidas. Não se pode estar drogado 24 horas por dia e esperar que o mundo tome conta de nós.”

Passadeira, peoes, Haight Ashbury, Sao Francisco, EUA, Estados Unidos America

Transeuntes num cruzamento amarelado de Haight-Ashbury.

O Poder de Denegrir dos Rebeldes sem Causa de Haight-Ashbury

A presença e as atitudes extremadas da comunidade misfit provocam outros danos menos visíveis. Moradores e empresários investiram dinheiro a sério em negócios a que entregam imensa energia mas parte da potencial clientela é afastada pela sensação de incómodo associada ao bairro.

Em 1977, a Dra. Sami Sunchild, uma artista e activista ambiental e social adquiriu um velho hotel com arquitectura vitoriana e rebaptizou-o “Red Victorian”. Tinha como objectivo que o lugar congregasse os principais ideais e movimentos históricos daquela área.

Hoje, o Peace Café do hotel acolhe as World Conversations realizadas aos Domingos. Logo ao lado, ao mesmo tempo, é comum grupos de skaters irreverentes percorrerem as estradas em redor atrasando e provocando condutores condescendentes.

Tatoo skate, Haight Ashbury, Sao Francisco, EUA, Estados Unidos America

Skater deixa um estúdio de tatuagens.

Proprietários decoram e fornecem boutiques, lojas e cafés de forma a revolucionar a moda e a gerar atmosferas criativas e acolhedoras. Mas basta um dos clãs marginais eleger para seu poiso a entrada de um destes lugares para a sua viabilidade financeira ficar ameaçada.

Numa das cidade mais libertinas dos E.U.A., as autoridades têm dificuldades em lidar com essa situação. É só uma entre tantas outras. Os vários clubes locais de marijuana médica, por exemplo, requerem uma prescrição médica e um período de espera de 30 dias.

Ainda assim, continuam a oferecer sorrisos a muitos falsos pacientes.

A Resistência Construtiva e a Esperança de Alguns

Apesar das suas comoções e desilusões, o Haight inspira os mais persistentes. Mais adiante, entramos numa curiosa loja de chapéus em que conhecemos Frankie Zmetra, a empregada com ar angelical que atende os clientes.

Acabamos por fotografá-la e, em seguida, durante uma longa conversa com várias interrupções, ouvimos a sua visão do problema. “Eles podem ser marginais maltrapilhos mas têm direito a existir e à sua revolta.” Eu, pela minha parte, não os uso como desculpa.

Loja chapeus, vendedora, Haight Ashbury, Sao Francisco, EUA, Estados Unidos America

Empregada de loja de chapéus Frankie Zmetra.

Adoro este bairro e aposto o que puder nele” Agora trabalho aqui na loja mas, ao mesmo tempo, estou a lançar a minha própria linha de roupa. Também faço de modelo e vou ter tudo à venda através de um blog que estou a desenvolver.”

À primeira vista, nenhum dos gutter punks parece ter condições para perseguir sonhos do género.

Na mesma peça em que testemunha o ex-Flower Child Robert Shadoian, um pedinte de nome Jonah Lawrence reclama que deviam ser os residentes a civilizar-se. “Dizem-me sempre para arranjar um trabalho. E eu respondo: “por acaso tem roupas que me arranje ou um sítio onde tomar banho de maneira a que possa procurar um emprego ?”

É comum encontrarem-se adolescentes que não se adaptam ao mundo de colarinho branco em que vivem as famílias, que fogem  de abusos sexuais e de pais com problemas com drogas e álcool.

Graffiti, creepy, deusa, mural, Haight Ashbury, Sao Francisco, EUA, Estados Unidos America

Mais uma pintura excêntrica ilustra a sempre criativa e insatisfeita avenida Haight.

Tão comum como o facto de muitos não conseguirem escapar a destinos semelhantes. Alguns chegam de outros estados dos E.U.A. esperançados em encontrar a famosa solidariedade dos anos 60.

Mas depressa percebem que, salvo uma ou outra excepção, no Haight, as pessoas que se preocupam com eles são os restantes sem-abrigo.

Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
São Francisco, E.U.A.

Com a Cabeça na Lua

Chega a Setembro e os chineses de todo o mundo celebram as colheitas, a abundância e a união. A enorme sino-comunidade de São Francisco entrega-se de corpo e alma ao maior Festival da Lua californiano.
Alcatraz, São Francisco, E.U.A.

De Volta ao Rochedo

Quarenta anos passados sobre o fim da sua pena, a ex-prisão de Alcatraz recebe mais visitas que nunca. Alguns minutos da sua reclusão explicam porque o imaginário do The Rock arrepiava os piores criminosos.
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
Crocodilos, Queensland Tropical Australia Selvagem
Parques nacionais
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Bertie em calhambeque, Napier, Nova Zelândia
Cerimónias e Festividades
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos Trinta

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
Celebração Nahuatl
Cidades

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Basmati Bismi
Comida

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Cultura
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia: Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Espera sem fim
Em Viagem
Jet Lag (Parte 1)

Evite a Turbulência do Pós-voo

Quando voamos através de mais que 3 fusos horários, o relógio interno que regula o nosso organismo confunde-se. O máximo que podemos fazer é aliviar o mal-estar que sentimos até se voltar a acertar.
Vegetais, Little India, Singapura de Sari, Singapura
Étnico
Little India, Singapura

Little Índia. A Singapura de Sari

São uns milhares de habitantes em vez dos 1.3 mil milhões da pátria-mãe mas não falta alma à Little India, um bairro da ínfima Singapura. Nem alma, nem cheiro a caril e música de Bollywood.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
História
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Ilhas
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Natureza
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Mokoros
Parques Naturais

Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.

Casario de Gangtok, Sikkim, Índia
Património Mundial UNESCO
Gangtok, Índia

Uma Vida a Meia-Encosta

Gangtok é a capital de Sikkim, um antigo reino da secção dos Himalaias da Rota da Seda tornado província indiana em 1975. A cidade surge equilibrada numa vertente, de frente para a Kanchenjunga, a terceira maior elevação do mundo que muitos nativos crêem abrigar um Vale paradisíaco da Imortalidade. A sua íngreme e esforçada existência budista visa, ali, ou noutra parte, o alcançarem.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Vista aérea de Moorea
Praias
Moorea, Polinésia Francesa

A Irmã Polinésia que Qualquer Ilha Gostaria de Ter

A meros 17km de Taiti, Moorea não conta com uma única cidade e abriga um décimo dos habitantes. Há muito que os taitianos veem o sol pôr-se e transformar a ilha ao lado numa silhueta enevoada para, horas depois, lhe devolver as cores e formas exuberantes. Para quem visita estas paragens longínquas do Pacífico, conhecer também Moorea é um privilégio a dobrar.
Um contra todos, Mosteiro de Sera, Sagrado debate, Tibete
Religião
Lhasa, Tibete

Sera, o Mosteiro do Sagrado Debate

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.
Sobre carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Mahu, Terceiro Sexo da Polinesia, Papeete, Taiti
Sociedade
Papeete, Polinésia Francesa

O Terceiro Sexo do Taiti

Herdeiros da cultura ancestral da Polinésia, os mahu preservam um papel incomum na sociedade. Perdidos algures entre os dois géneros, estes homens-mulher continuam a lutar pelo sentido das suas vidas.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Vida Selvagem
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.