Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo


Silhuetas Islâmicas

Sombra de cúpulas e minaretes da mesquita de Solimão destacam-se do crepúsculo.

Basílica, mesquita, de novo basílica

Estrutura grandiosa e peculiar da basílica Hagia Sophia com um dos minaretes acrescentados pelos Otomanos após a conquista de Constantinopla.

Grande Bazar,

Vendedores e clientes cruzam-se no Grande Bazar de Istambul, um dos maiores mercados cobertos do mundo.

Amigos da pesca

Dois de muitos pescadores tentam a sua sorte nas águas do Corno de Ouro, a partir da ponte Galata.

Redemoínhos humanos

Dançarinos dervishes rodopiam sob o olhar orientador da figura de Kemal Ataturk, o fundador da pátria turca.

Direito ao lenço

Jovens mulheres turcas de chador admiram uma exposição numa galeria da cisterna de Yerebatan.

Hagia Sophia

A grande basílica de Santa Sophia, erguida pelo imperador Justiniano com o intuito de ser o maior monumento do Mundo, mais tarde adaptada pelos Otomanos como mesquita.

Tapetes & Cia

Vendedores de tapetes envoltos pelo principal produto da sua loja, no Grande Bazar de Istambul.

Snack do Bósforo

Vendedor de peixe grelhado aguarda mais clientes com a torre Galata em fundo.

Grande Mesquita

Uma perspectiva incomum da mesquita de Solimão, uma das maiores das quase 3000 de Istambul.

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

O frio é tanto em redor do estreito do Bósforo que não nos espantaria que ainda fossemos prendados com uma Istambul completamente nevada como só tínhamos apreciado em posters e postais.

Indiferentes ao vento gélido, dezenas de pescadores convivem recostados sobre a ponte Galata e atentos às linhas mergulhadas no Corno de Ouro.

Sem que o esperássemos, incontáveis muezins activam as suas vozes sagradas e criam um chamamento difuso a nova oração que está longe de agradar a todos os istambulitas, sejam ou não muçulmanos. A imprensa internacional mais atenta chegou a divulgar que a dissonância de alguns dos religiosos cantadores era tal que certos moradores se habituaram a recorrer a tampões para os ouvidos e apresentaram queixas às autoridades religiosas competentes. Estas, lançaram um programa especial de afinação dos responsáveis que atenuou o problema.

Como a Turquia, e graças à força ideológica das reformas do fundador Kemal Atatürk, Istambul ainda é oficialmente secular. Mesmo se na esmagadora maioria muçulmana, a sua enorme população urbana – rivaliza com Londres no título da maior da Europa – conta com muitos crentes de outras fés, bem como ateus e agnósticos. No espectro político, divide-se principalmente entre kemalistas – os seguidores das reformas de Atatürk – e Islamitas. 

A uma boa parte dos primeiros não traria nada de mal a abolição dos chamamentos que ouvimos ecoar cinco vezes por dia,  dos incontáveis minaretes da cidade.

Mas, Tayyip Erdogan, o antigo edil de Istambul, agora muito contestado mas ainda todo-poderoso presidente da Turquia é um assumido sunita e defensor do papel orientador do Islão na vida da nação, algo a que se tem vindo a opor também o exército.

Entre outras infracções, Erdogan foi acusado de anti-semitismo, corrupção, manipulação de eleições, despotismo e censura dos media. De várias tentativas de sufoco da liberdade de comunicação e imprensa, destacou-se o caso recente da rede social Twitter, que prevaleceu porque a Google ofereceu aos turcos um servidor DNS gratuito, cujo código 8.8.8.8 foi grafitado nas paredes da cidade por moradores furiosos com a prepotência do presidente.

Já do outro lado da ponte e do estreito, ouvimos um guia local louvar os méritos de Istambul a um grupo espanhol: “Meus amigos, perdoem-me o atrevimento, sei bem que a Ibéria tem uma civilização inacreditável e cidades incríveis mas não me levem a mal se vos confessar que não existe nenhuma cidade na Europa tão grandiosa como esta”. Na sua etiqueta de visitantes, os espanhóis calam, consentem e seguem caminho para a península repleta de monumentos e história de que nós vínhamos.

Anoitece em três tempos. A conselho de Ari, um colega tão ou mais orgulhoso que nos apoiava nas nossas deambulações, apontamos para o bairro de Galata. Subimos ruas e escadarias íngremes e damos entrada na torre homónima, onde nos afiançara que teríamos um repasto divinal, animado por um espectáculo de variedades tradicionais da Turquia.

Inauguram-no tocadores de tambores energéticos mas a plateia só vai ao rubro quando entra em acção uma dançarina do ventre bem mais despida, sedutora e contagiante que a maior parte das jovens islamitas que, como o Presidente Erdogan, continuam a tentar contornar a proscrição constitucional turca do uso do chador. Coerente com as suas posições conservadoras, Erdogan fez questão de declarar recentemente numa conferência feminista em Istambul que as mulheres nunca poderão ser tratadas como os homens. E acusou a maior parte da audiência de rejeitar a maternidade. 

A estrutura mais elevada da cidade aquando da sua construção pelos Genoveses, em 1348, a torre Galata começou a ser usada pelos Otomanos, a partir do meio do século XVIII, para detectar incêndios entre o casario abaixo. Como todos os que acedem ao topo cónico, não o deixamos sem dali apreciar as luzes que salpicam Istambul e o seu reflexo nas águas escurecidas do Corno de Ouro e do Bósforo.

O dia seguinte amanhece com meteorologia mais agradável. Aproveitamos para explorar a área entre os bairros de Topkapi, Unkapani e Yenikapi que concentra o  património histórico e cultural mais sumptuoso da cidade. 

Em pleno hipódromo, esforçamo-nos para decifrar algo dos hieróglifos esculpidos no Obelisco de Teodósio que, em tempos, ornou o templo egípcio de Karnak. Convertemo-nos à imponência acinzentada da mesquita e também à de outro sultão, Ahmed.

Do cimo desta mesquita azul, delicia-nos a vista sobre a basílica de Santa Sofia que o imperador bizantino Justiniano aspirou que fosse o monumento mais marcante do mundo, que deveria superar o templo de Salomão, em Jerusalém. 

Com entrada ali ao lado, deixamo-nos perder entre as colunas coríntias da cisterna subterrânea de Yerebatan e olhamos nos olhos das cabeças de medusa que suportam duas delas, sem que, como alega o mito, nos transformem em pedra. 

Já no palácio de Topkapi, percorremos grande parte da história da dinastia dos Otomanos, dominadores de vastos territórios em três continentes distintos, durante 600 anos.

Não nos furtamos a outro dos costumes de quem anda à descoberta de Istambul: a visita da fortaleza bizantina de Rumeli, seguida da travessia rodoviária da ponte de Mehmet que liga a Europa à Ásia. 

Pelo caminho, a bordo de um mini-bus cheio de passageiros de várias nacionalidades, ninguém se safa de exibir uma cantoria tradicional do seu país. Com o Velho Mundo já para trás e algum tempo de sossego, assalta-nos a analogia de que Erdogan e, concordando ou não, os turcos em geral, também abandonaram o ensejo de se unirem à família da União Europeia, em função das políticas e ideologias rígidas do actual líder.

Em 2010, as autoridades turcas fecharam os seus portos a embarcações cipriotas. Têm vindo a desrespeitar os direitos cívicos básicos como a liberdade nas mais distintas formas. Tardam em actuar sobre a discriminação contra os homossexuais, a tortura nas prisões, os casamentos forçados e a violência contra as mulheres, entre outros temas em que nem os eurocratas com as mentes mais abertas alguma vez cederiam para acolher a que, avassaladoramente muçulmana, passaria ser a terceira maior população da União.

Regressados à Istambul europeia e agora na companhia de Ari, este continua apostado em surpreender-nos com a riqueza da cultura turca. Metemo-nos no metro e, após regressarmos a superfície, caminhamos alguns minutos até um edifício histórico recatado. “Ora, vamos lá ver o que acham disto”.

Entramos e damos com um salão de dança tomado por uma trupe esotérica em trajes místicos brancos. “Já tinham ouvido falar dos dervishes, ou não?” pergunta-nos ainda Ari, deliciado por nos proporcionar a experiência.

As luzes diminuem de intensidade. Logo após, uma banda sonora oriental que combina percussão simples, cordas, instrumentos de sopro e vozes cerimoniais apodera-se do salão. Dá o mote para que, num transe crescente, os dançarinos sufis desenvolvam as suas incontáveis rotações meditativas.

Como os restantes espectadores, deixamo-nos hipnotizar pela beleza subtil daqueles redemoinhos brancos. Até que a tempestade espiritual chega ao fim e somos devolvidos ao gelo nocturno da multifacetada  Istambul.

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem o caminho de Cristo para a cruz, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.

Jerusalém, Israel

Em Festa no Muro das Lamentações

Nem só a preces e orações atende o lugar mais sagrado do judaísmo. As suas pedras milenares testemunham, há décadas, o juramento dos novos recrutas das IDF e ecoam os gritos eufóricos que se seguem.

Monte Sinai, Egipto

Força nas Pernas e Fé em Deus

Moisés recebeu os Dez Mandamentos no cume do Monte Sinai e revelou-os ao povo israelita. Hoje, centenas de peregrinos vencem, todas as noites, os 4000 degraus daquela dolorosa mas mística ascensão.

Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Moa numa praia de Rapa Nui/Ilha da Páscoa
Cerimónias e Festividades
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
Verão Escarlate
Cidades

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Basmati Bismi
Comida

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Cultura
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Moldura
Étnico

Lençois da Bahia, Brasil

Uma Liberdade Pantanosa

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Àgua doce
História

Maurícias

Uma Míni-Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.    

Tambores e tatoos
Ilhas

Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.

Cavalos sob nevão, Islândia
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Litoral de Upolu
Literatura

Upolu, Samoa Ocidental

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado.Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração

Estancia Harberton, Tierra del Fuego, Argentina
Natureza
Ushuaia, Argentina

Uma Fazenda no Fim do Mundo

Em, 1886, Thomas Bridges, um órfão inglês levado pela família missionária adoptiva para os confins do hemisfério sul fundou a herdade anciã da Terra do Fogo. Bridges e os descendentes entregaram-se ao fim do mundo. Hoje, a sua Estancia Harberton é um deslumbrante monumento argentino à determinação e à resiliência humana.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Mokoros
Parques Naturais

Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.

Aloés excelsa junto ao muro do Grande Cercado, Great Zimbabwe
Património Mundial UNESCO
Grande Zimbabwe

Grande Zimbabué, Mistério sem Fim

Entre os séculos XI e XIV, povos Bantu ergueram aquela que se tornou a maior cidade medieval da África sub-saariana. De 1500 em diante, à passagem dos primeiros exploradores portugueses chegados de Moçambique, a cidade estava já em declínio. As suas ruínas que inspiraram o nome da actual nação zimbabweana encerram inúmeras questões por responder.  
Verificação da correspondência
Personagens

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Praias
Gizo, Ilhas Salomão

Gala dos Pequenos Cantores de Saeraghi

Em Gizo, ainda são bem visíveis os estragos provocados pelo tsunami que assolou as ilhas Salomão. No litoral de Saeraghi, a felicidade balnear das crianças contrasta com a sua herança de desolação.
Paz de "cenote"
Religião

Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Apocalipse teimou em não chegar. Na Mesoamérica, os maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.

Tren del Fin del Mundo, Ushuaia, Argentina
Sobre carris
Ushuaia, Argentina

O Derradeiro Comboio Austral

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Orgulho
Sociedade

Vale de Fergana, Usbequistão

A Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Usbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.

Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Manada de búfalos asiáticos, Maguri Beel, Assam, Índia
Vida Selvagem
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Aterragem sobre o gelo
Voos Panorâmicos

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.