Bergen, Noruega

O Grande Porto Hanseático da Noruega


O Trio de Gamle Bergen
Figurantes no cenário reconstituído do Museu de Gamle Bergen,
Um Deco-Triunfo
Veado dourado decora a fachadas de um dos edifícios de Bryggen.
Bryggen ao ar livre
A Esplanada de Bryggen repleta de convivas ansiosos pelo sol raro de Bergen.
Moldura de Bryggen
Perspectiva enquadrada do casario antigo de Bryggen.
Lobos-do-mar
Um dos lados do Monumento ao Marinheiro de Bergen.
Bênção da Igreja da Cruz
Casal caminha numa ruela com vista para a Igreja da Cruz de Bergen.
Arquitectura Norueguesa
Retalho da zona histórica de Bergen, erguida com os lucros do comércio do norte da Noruega com o resto da Europa.
Dama de Bergen
Figurante do Museu de Gamle Bergen contempla uma janela.
Vida Pintada
Um mural de uma mulher a segurar um grande bacalhau, destaca-se numa parede lateral de Bergen.
Um Anexo
Pormenor de um anexo de madeira destacado de um edifício de pedra de Bryggen.
A Arte da Grelha
O artista português Jorge Maciel grelha pesca e marisco no Mercado de Peixe de Bergen.
Bryggen
Panorâmica dos edifício de Bryggen, vistos do lado oposto do porto de Vagen.
Veias de Madeira
Ruela de madeira no âmago do bairro em tempos hanseático de Bryggen.
Lenhador-Construtor
A escultura de um construtor de madeira decora a fachada de um dos edifícios de Bryggen.
Lares de Bergen
Casario de Bergen a ocupar a base da encosta atrás do Museu do Peixe da cidade.
Pedaladas de História
Figurante do Museu de Gamle Bergen sobre uma bicicleta antiga de roda gigante.
Monumento ao Marinheiro
Transeuntes atravessa uma praça, em frente ao Monumento ao Marinheiro de Bergen.
Troll Ciclista
Grande mural de um troll norueguês na parede lateral de um prédio de Bergen.
Lares de Bergen
Casario de Bergen a ocupar a base da encosta atrás do Museu do Peixe da cidade.
Passeio a solo
Transeunte precavido para a chuva habitual de Bergen, numa ruela de Bryggen.
Já povoada no início do século XI, Bergen chegou a capital, monopolizou o comércio do norte norueguês e, até 1830, manteve-se uma das maiores cidades da Escandinávia. Hoje, Oslo lidera a nação. Bergen continua a destacar-se pela sua exuberância arquitectónica, urbanística e histórica.

Ditou a sequência da viagem que aportássemos em Bergen tal e qual o faziam os pescadores e mercadores que, ao longo de meio milénio, contribuíram para a sua riqueza e opulência.

Partimos da longínqua Balestrand às cinco da tarde. Durante quatro longas horas, navegamos pelo Sognefjord e por fiordes que dele derivavam para sul, até ao braço aberto do Mar do Norte em que se havia instalado a grande urbe de Vestland.

Por volta das nove de uma noite sub-árctica que estava longe de o ser, cercou-nos um casario costeiro mais denso e moderno que os de até então.

O ferry flectiu para sudeste. Momentos depois, o casario quase de lego de Bryggen insinuou-se e exibiu-se, destacado, na margem leste do porto de Vagen, o mais movimentado da Noruega.

Panoramica, Bryggen, Bergen, Noruega

Panorâmica dos edifício de Bryggen, vistos do lado oposto do porto de Vagen.

O Desembarque Pseudo-Nocturno em Bryggen

Nesse fim de dia, fizemos o mesmo que os pescadores e mercadores sempre fizeram após as suas viagens pelo Mar do Norte: procurámos o abrigo que merecíamos na cidade e recuperámos energias.

O raiar da aurora revelou um dia idêntico ao do tempo que viríamos a passar em Bergen: nebulado, acinzentado, frígido e húmido de um modo penetrante que, apesar dos agasalhos em que nos enfiávamos, parecia chegar-nos aos ossos.

Frescura à margem, situada à beira do Mar do Norte, Bergen é um dos lugares mais pluviosos da Europa, com chuva substancial numa média de 231 dias por ano. Até então, não nos podíamos queixar.

Dormimos a umas meras centenas de metros de Bryggen. Conscientes do encanto e peculiaridade daquele bairro secular, saímos para lá disparados.

À imagem de tantas outras paragens da Noruega, Bergen recebe cruzeiros atrás de cruzeiros, cerca de 300 por ano, que despejam um total de meio milhão de forasteiros.

Esplanada, Bryggen, Bergen, Noruega

A Esplanada de Bryggen repleta de convivas ansiosos pelo sol raro de Bergen.

Era suposto o esforço madrugador nos recompensar com evitarmos a inundação de visitantes do início da manhã. Não tardámos a perceber o quanto fora em vão.

Percorremos a rua marginal em suspenso na névoa e na formosura anacrónica dos cenários em redor. Quando nos vemos com a irmandade de edifícios coloridos e bicudos pela frente, metemo-nos por uma das ruelas entre eles encaixadas, ávidos por aprofundarmos a descoberta de Bryggen, ou Tyskebryggen, como é também chamada, traduzível do norueguês como a Doca Alemã.

O Velho Bairro Hanseático de Bryggen

Por ali nos entregamos a uma deambulação intrigada entre as traves, tábuas, travessas, degraus, telhas e demais, quase sempre pintados em tons base e mate: amarelos, vermelhos, laranjas, cinzentos, a formar ruas e ruelas de fábula que os séculos e as oscilações de temperatura e do terreno ribeirinho desnivelaram e entortaram.

Nos dias que correm, ocupam-nas negócios lucrativos. Lojas de roupa tradicional norueguesa, de recordações e bugigangas criativas e dispendiosas, também museus, galerias de arte e restaurantes com preços escandalosos até para os habituais padrões escandinavos.

A ligar os três ou quatro andares de cada edifício e conectá-los uns aos outros, cada ruela está dotada de uma ou duas escadarias interiores e uma escadaria-passadiço exterior que a cruza.

Transeuntes, Bryggen, Bergen, Noruega

Transeunte precavido para a chuva habitual de Bergen, numa ruela de Bryggen.

Na origem, os edifícios foram erguidos ainda pelos mercadores noruegueses mais abastados. Por essa altura, assente nos lucros e poderio dos seus comerciantes, uma série de cidades hoje alemãs, declararam-se livres e obtiveram validação do Imperador do Sacro Império Romano-Germânico a quem juraram fidelidade e aliança.

A Ascensão e Monopólio da Liga Hanseática em Bergen

Parte de uma corrente de assimilações, em Bergen, estas cidades apoderaram-se do negócio de compra e exportação do peixe salgado proveniente do norte da Noruega e dos cereais trazidos de distintas paragens da Europa.

Em 1350, o primeiro entreposto da Liga Hanseática (kontor) surgiu como sede da sua actividade avassaladora na Noruega.  Consequência da intensificação desse comércio, as docas foram aumentadas e melhoradas. Com elas, também os armazéns usados para guardar os produtos, os mesmos por que cirandávamos à descoberta.

Telhados, Bryggen, Bergen, Noruega

Perspectiva dos telhados e cimos do casario de Bryggen.

Damos com o Museu Hanseático e Schotstuene. Lá encontramos os aposentos e salões de assembleia em que, durante 400 anos, os comerciantes alemães viveram e conviveram a beber cerveja e em que se reuniram para todos os fins e propósitos, do simples passar do tempo à tomada de decisões cruciais.

A Inevitável Sina da Combustão de Bryggen

Tendo em conta a predominância da madeira em Bryggen e na Bergen em redor, seriam de esperar problemas com a fácil combustão. Os responsáveis estavam conscientes do risco. De tal maneira que o uso do fogo foi proibido em Bryggen, excepção feita para o edifício de Schotstuene onde toda a comida era confeccionada.

Ruela, BryggenBergen-Noruega

Ruela de madeira no âmago do bairro em tempos hanseático de Bryggen.

Mesmo assim, os incêndios ocorreram, repetiram-se e ficaram para a história da cidade. Narram os registos que, em 1702, um grande fogo se disseminou e destruiu armazéns, aposentos e escritórios. Hoje, só um quarto dos edifícios hanseáticos remonta a esse ano.

Os incêndios extinguiram-se e os edifícios foram ou demolidos ou reerguidos e ditou o contexto pós-calamidade que, volvido meio século, tenham passado todos para a posse de noruegueses. Nesse mesmo lapso, a presença da Liga Hanseática em Bergen tornou-se insípida. O Kontor local foi encerrado.

Vidro antigo, museu Liga Hanseática e Schotstuene, Bryggen, Bergen, Noruega

Um vidro antigo e raro no Museu da Liga Hanseática de Bergen.

A história de Bryggen resistiu ao fogo. Como a da cidade de Bergen que continuou a expandir-se pela planura em redor do braço de mar que acolheu Vagen e pelas encostas envolventes acima. Hoje, o seu casario forma um dos conjuntos habitacionais mais harmoniosos do norte da Europa.

Passamos para as traseiras de Bryggen da Rosenkrantzgaten.

Num trecho desta rua preenchido por um jardim, por entre as árvores, deliciamo-nos com a visão da comunidade de cimos bicudos e telhados que coroam o velho bairro.

Telhados, Bryggen, Bergen, Noruega

Perspectiva enquadrada do casario antigo de Bryggen.

A Vista Panorâmica mas Enregelante do Cimo de Floyen

Contemplá-lo projectado sobre o Mar do Norte e a flutuar nas suas águas gélidas é algo que nenhum forasteiro se atreve a perder. O ponto de partida para as alturas panorâmicas de Floyen ficava a uns poucos minutos a pé do limiar de Bryggen pelo que para lá nos dirigimos com passos apressados e entusiasmados que nos mantinham quentes.

Subimos a rua Vetrlidsallmenningen a partir do limiar do Mercado do Peixe até à entrada do teleférico Floibanen. A essa hora, já a multidão desembarcada dos cruzeiros marcava presença.

À boa maneira norueguesa, a fila flui de forma rápida e ordeira. Num ápice, damos connosco a atravessar o túnel na base da linha do teleférico e vemos a cidade desenrolar-se perante os nossos olhos, até às pontas do U estreito e profundo na extensão de Tyskebryggen, ponto de ancoragem de dois grandes cruzeiros de que procedia a maioria dos passageiros do teleférico.

Bergen no Mar do Norte, Noruega

Casario de Bergen organizado em redor do braço do Mar do Norte ocupado pelo porto de Vagen.

Saímos para uma espécie de anfiteatro amplo e expomo-nos a uma brisa marinha enregelante. Ajustamos os agasalhos e aproximamo-nos do varandim.

Dali, apreciamos o cenário esplendoroso por diante: Bergen, a segunda urbe da Noruega, lar de quase 300.000 habitantes, ainda assim, menos de metade dos da capital Oslo.

Fazemos as nossas fotos, contemplamos um pouco mais. Castigados pela inesperada frigidez, abreviamos o retorno à planura do centro histórico da cidade. Voltamos a percorrer a Vetrlidsallmenningen.

O Frenesim Comercial e Gastronómico dos Mercados de Peixe de Bergen

Quando a descemos, reparamos num mural que ocupa toda uma parede lateral de um prédio histórico abaixo. Retrata uma mulher, peixeira ou cliente, que segura um enorme peixe. A obra serviu-nos de preâmbulo artístico ao que se seguiria.

Mural num edifício, Bergen, Noruega

Um mural de uma mulher a segurar um grande bacalhau, destaca-se numa parede lateral de Bergen.

A Vetrlidsallmenningen entrega-nos ao fundo rectangular e apertado do porto de Vagen. Ocupam-no veleiros e outras pequenas embarcações.

No prolongamento deste fundo, reencontramos a extensão de tendas do Mercado de Peixe e Flores de Bergen, um pouco aquém do Mercado de Peixe oficial, o fechado, climatizado e bem mais requintado abaixo do quase tão vasto Turismo de Bergen.

Encontramo-lo num frenesim de ofertas de provas, de vendas e compras e de serviço de refeições fumegantes que deliciavam e reconfortavam convivas um pouco de todo o mundo.

Lá vemos exposto o melhor salmão norueguês, enormes lagostas, caranguejos-reais e ouriços, caviar, fatias longas e frescas de torsk, o bacalhau do Atlântico do Norte.

Espreitamos mais duas ou três tendas. Como esperado, detectamos o torsk também no modo de placa salgada de que Portugal se tornou o maior cliente da Noruega e cuja a importação fez a riqueza de inúmeros pescadores e distribuidores destas partes da Europa.

O Encontro Confortante com um Compatriota Atarefado

Mas não é tudo. Numa outra banca mais próxima do lado de lá de Vagen, chama-nos a atenção um cozinheiro atarefado com os grelhados de peixe e marisco servidos, doses atrás de doses a convivas ansiosos.

Reparamos nos seus longos e peculiares bigodes, bem combinados com a boina verde volumosa que usava. Já tínhamos constatado que quase todos os empregados naquele mercado eram estrangeiros, vários deles dedicados a acolher e satisfazer os magotes de clientes chegados dos seus países.

Jorge Maciel, Mercado do Peixe, Bergen, Noruega

O artista português Jorge Maciel grelha pesca e marisco no Mercado de Peixe de Bergen.

Apuramos que se tratava de um compatriota. Sem surpresa, estabelecemos e alimentamos uma conversa demasiado envolvente e extensa para o apuro culinário em que  – assim se chamava – se via. “Isto aqui não é mau” afiança-nos, “…se descontarem a falta do sol, do bom tempo a que estamos habituados, claro. Eu vivo cá com a minha mulher já há uns anos. Sou artista mas o que me tem dado dinheiro são este tipo de trabalhos.”

Um Périplo Náutico por Vagen, o Porto de Bergen

Já que por ali andávamos, subimos a bordo de um barco pitoresco que assegurava um itinerário por lugares-chave no prolongamento de Vagen: o Museu Norueguês das Pescas.

Figurantes de saída, Gamle Bergen, Noruega

Figurantes no cenário reconstituído do Museu de Gamle Bergen,

E, envolto de um jardim frondoso, o Museu da Velha Bergen, animado por um elenco de figurantes que, no cenário fidedigno de Gamle Bergen, re-encenavam aspectos da vida da cidade nos séculos XIX e XX, incluindo voltas aventureiras numa bicicleta antiga de roda gigante difícil de domar.

Figurante sobre bicicleta antiga, Gamle Bergen, Noruega

Figurante do Museu de Gamle Bergen sobre uma bicicleta antiga de roda gigante.

Confrontados com a hora de fecho e com a ansiedade dos figurantes em se livrarem dos fatos e papéis históricos, também nós regressamos à Bergen contemporânea, uma vez que tínhamos rejeitado a volta do barco ao seu ancoradouro, a bordo de um autocarro sofisticado.

A Derradeira Volta por Bergen

De novo a pé, vagueamos pelas ruelas seculares entre o fundo de Vagen e o bairro já interior de Vagsbunnen, em redor da igreja imponente de Korsk, leia-se da Cruz Sagrada.

Korskkirken, Bergen, Noruega

Casal caminha numa ruela com vista para a Igreja da Cruz de Bergen.

Prosseguimos para o sul da cidade até darmos com o desafogo da praça de Torgallmenningen, em que se destacava o Monumento de Bergen ao Marinheiro que servia de assento a transeuntes fatigados e a músicos imigrados do leste europeu.

Monumento ao Marinheiro, Bergen, Noruega

Um dos lados do Monumento ao Marinheiro de Bergen.

A pouca distância, entramos do domínio ervado e florestado do Byparken, lugar escolhido pela cidade para homenagear a personagem e obra eterna de Edvard Grieg, o mais conceituado pianista e compositor norueguês, conhecido à escala mundial – mesmo que de forma inconsciente – pela melodia contagiosa de “Na Gruta do Rei da Montanha”.

Bergen tinha ainda muito do seu rico e complexo reduto escandinavo por desvendar mas, por essa altura, esperava-nos já outro porto emblemático da Noruega: Stavanger.

Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Flam a Balestrand, Noruega

Onde as Montanhas Cedem aos Fiordes

A estação final do Flam Railway, marca o término da descida ferroviária vertiginosa das terras altas de Hallingskarvet às planas de Flam. Nesta povoação demasiado pequena para a sua fama, deixamos o comboio e navegamos pelo fiorde de Aurland abaixo rumo à prodigiosa Balestrand.
Magma Geopark, Noruega

Uma Noruega Algo Lunar

Se recuássemos aos confins geológicos do tempo, encontraríamos o sudoeste da Noruega repleto de enormes montanhas e de um magma incandescente que sucessivos glaciares viriam a moldar. Os cientistas apuraram que o mineral ali predominante é mais comum na Lua que na Terra. Vários dos cenários que exploramos no vasto Magma Geopark da região parecem tirados do nosso grande satélite natural.
Stavanger, Noruega

A Cidade Motora da Noruega

A abundância de petróleo e gás natural ao largo e a sediação das empresas encarregues de os explorarem promoveram Stavanger de capital da conserva a capital energética norueguesa. Nem assim esta cidade se conformou. Com um legado histórico prolífico, às portas de um fiorde majestoso, há muito que a cosmopolita Stavanger impele a Terra do Sol da Meia-Noite.
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
PN Thingvellir, Islândia

Nas Origens da Remota Democracia Viking

As fundações do governo popular que nos vêm à mente são as helénicas. Mas aquele que se crê ter sido o primeiro parlamento do mundo foi inaugurado em pleno século X, no interior enregelado da Islândia.
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Safari
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Thorong Pedi a High Camp, circuito Annapurna, Nepal, caminhante solitário
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 12º: Thorong Phedi a High Camp

O Prelúdio da Travessia Suprema

Este trecho do Circuito Annapurna só dista 1km mas, em menos de duas horas, leva dos 4450m aos 4850m e à entrada do grande desfiladeiro. Dormir no High Camp é uma prova de resistência ao Mal de Montanha que nem todos passam.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Arquitectura & Design
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Parada e Pompa
Cerimónias e Festividades
São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré. Siga a Marinha

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Cidades
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Cultura
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Em Viagem
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Tambores e tatoos
Étnico
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Peregrinos no cimo, Monte Sinai, Egipto
História
Monte Sinai, Egipto

Força nas Pernas e Fé em Deus

Moisés recebeu os Dez Mandamentos no cume do Monte Sinai e revelou-os ao povo de Israel. Hoje, centenas de peregrinos vencem, todas as noites, os 4000 degraus daquela dolorosa mas mística ascensão.
Vista da Casa Iguana, Corn islands, puro caribe, nicaragua
Ilhas
Corn Islands-Ilhas do Milho, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands ou Ilhas do Milho, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Na pista de Crime e Castigo, Sao Petersburgo, Russia, Vladimirskaya
Literatura
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
El Nido, Palawan a Ultima Fronteira Filipina
Natureza
El Nido, Filipinas

El Nido, Palawan: A Última Fronteira Filipina

Um dos cenários marítimos mais fascinantes do Mundo, a vastidão de ilhéus escarpados de Bacuit esconde recifes de coral garridos, pequenas praias e lagoas idílicas. Para a descobrir, basta uma bangka.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Geisers El Tatio, Atacama, Chile, Entre o gelo e o calor
Parques Naturais
El Tatio, Chile

Géiseres El Tatio – Entre o Gelo e o Calor do Atacama

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio, no Deserto de Atacama surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4200 m de altitude. Os seus géiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Património Mundial UNESCO
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Praias
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
San Cristobal de Las Casas, Chiapas, Zapatismo, México, Catedral San Nicolau
Sociedade
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Fazenda de São João, Pantanal, Miranda, Mato Grosso do Sul, ocaso
Vida Selvagem
Fazenda São João, Miranda, Brasil

Pantanal com o Paraguai à Vista

Quando a fazenda Passo do Lontra decidiu expandir o seu ecoturismo, recrutou a outra fazenda da família, a São João. Mais afastada do rio Miranda, esta outra propriedade revela um Pantanal remoto, na iminência do Paraguai. Do país e do rio homónimo.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
PT EN ES FR DE IT