Bergen, Noruega

O Grande Porto Hanseático da Noruega


O Trio de Gamle Bergen
Figurantes no cenário reconstituído do Museu de Gamle Bergen,
Um Deco-Triunfo
Veado dourado decora a fachadas de um dos edifícios de Bryggen.
Bryggen ao ar livre
A Esplanada de Bryggen repleta de convivas ansiosos pelo sol raro de Bergen.
Moldura de Bryggen
Perspectiva enquadrada do casario antigo de Bryggen.
Lobos-do-mar
Um dos lados do Monumento ao Marinheiro de Bergen.
Bênção da Igreja da Cruz
Casal caminha numa ruela com vista para a Igreja da Cruz de Bergen.
Arquitectura Norueguesa
Retalho da zona histórica de Bergen, erguida com os lucros do comércio do norte da Noruega com o resto da Europa.
Dama de Bergen
Figurante do Museu de Gamle Bergen contempla uma janela.
Vida Pintada
Um mural de uma mulher a segurar um grande bacalhau, destaca-se numa parede lateral de Bergen.
Um Anexo
Pormenor de um anexo de madeira destacado de um edifício de pedra de Bryggen.
A Arte da Grelha
O artista português Jorge Maciel grelha pesca e marisco no Mercado de Peixe de Bergen.
Bryggen
Panorâmica dos edifício de Bryggen, vistos do lado oposto do porto de Vagen.
Veias de Madeira
Ruela de madeira no âmago do bairro em tempos hanseático de Bryggen.
Lenhador-Construtor
A escultura de um construtor de madeira decora a fachada de um dos edifícios de Bryggen.
Lares de Bergen
Casario de Bergen a ocupar a base da encosta atrás do Museu do Peixe da cidade.
Pedaladas de História
Figurante do Museu de Gamle Bergen sobre uma bicicleta antiga de roda gigante.
Monumento ao Marinheiro
Transeuntes atravessa uma praça, em frente ao Monumento ao Marinheiro de Bergen.
Troll Ciclista
Grande mural de um troll norueguês na parede lateral de um prédio de Bergen.
Lares de Bergen
Casario de Bergen a ocupar a base da encosta atrás do Museu do Peixe da cidade.
Passeio a solo
Transeunte precavido para a chuva habitual de Bergen, numa ruela de Bryggen.
Já povoada no início do século XI, Bergen chegou a capital, monopolizou o comércio do norte norueguês e, até 1830, manteve-se uma das maiores cidades da Escandinávia. Hoje, Oslo lidera a nação. Bergen continua a destacar-se pela sua exuberância arquitectónica, urbanística e histórica.

Ditou a sequência da viagem que aportássemos em Bergen tal e qual o faziam os pescadores e mercadores que, ao longo de meio milénio, contribuíram para a sua riqueza e opulência.

Partimos da longínqua Balestrand às cinco da tarde. Durante quatro longas horas, navegamos pelo Sognefjord e por fiordes que dele derivavam para sul, até ao braço aberto do Mar do Norte em que se havia instalado a grande urbe de Vestland.

Por volta das nove de uma noite sub-árctica que estava longe de o ser, cercou-nos um casario costeiro mais denso e moderno que os de até então.

O ferry flectiu para sudeste. Momentos depois, o casario quase de lego de Bryggen insinuou-se e exibiu-se, destacado, na margem leste do porto de Vagen, o mais movimentado da Noruega.

Panoramica, Bryggen, Bergen, Noruega

Panorâmica dos edifício de Bryggen, vistos do lado oposto do porto de Vagen.

O Desembarque Pseudo-Nocturno em Bryggen

Nesse fim de dia, fizemos o mesmo que os pescadores e mercadores sempre fizeram após as suas viagens pelo Mar do Norte: procurámos o abrigo que merecíamos na cidade e recuperámos energias.

O raiar da aurora revelou um dia idêntico ao do tempo que viríamos a passar em Bergen: nebulado, acinzentado, frígido e húmido de um modo penetrante que, apesar dos agasalhos em que nos enfiávamos, parecia chegar-nos aos ossos.

Frescura à margem, situada à beira do Mar do Norte, Bergen é um dos lugares mais pluviosos da Europa, com chuva substancial numa média de 231 dias por ano. Até então, não nos podíamos queixar.

Dormimos a umas meras centenas de metros de Bryggen. Conscientes do encanto e peculiaridade daquele bairro secular, saímos para lá disparados.

À imagem de tantas outras paragens da Noruega, Bergen recebe cruzeiros atrás de cruzeiros, cerca de 300 por ano, que despejam um total de meio milhão de forasteiros.

Esplanada, Bryggen, Bergen, Noruega

A Esplanada de Bryggen repleta de convivas ansiosos pelo sol raro de Bergen.

Era suposto o esforço madrugador nos recompensar com evitarmos a inundação de visitantes do início da manhã. Não tardámos a perceber o quanto fora em vão.

Percorremos a rua marginal em suspenso na névoa e na formosura anacrónica dos cenários em redor. Quando nos vemos com a irmandade de edifícios coloridos e bicudos pela frente, metemo-nos por uma das ruelas entre eles encaixadas, ávidos por aprofundarmos a descoberta de Bryggen, ou Tyskebryggen, como é também chamada, traduzível do norueguês como a Doca Alemã.

O Velho Bairro Hanseático de Bryggen

Por ali nos entregamos a uma deambulação intrigada entre as traves, tábuas, travessas, degraus, telhas e demais, quase sempre pintados em tons base e mate: amarelos, vermelhos, laranjas, cinzentos, a formar ruas e ruelas de fábula que os séculos e as oscilações de temperatura e do terreno ribeirinho desnivelaram e entortaram.

Nos dias que correm, ocupam-nas negócios lucrativos. Lojas de roupa tradicional norueguesa, de recordações e bugigangas criativas e dispendiosas, também museus, galerias de arte e restaurantes com preços escandalosos até para os habituais padrões escandinavos.

A ligar os três ou quatro andares de cada edifício e conectá-los uns aos outros, cada ruela está dotada de uma ou duas escadarias interiores e uma escadaria-passadiço exterior que a cruza.

Transeuntes, Bryggen, Bergen, Noruega

Transeunte precavido para a chuva habitual de Bergen, numa ruela de Bryggen.

Na origem, os edifícios foram erguidos ainda pelos mercadores noruegueses mais abastados. Por essa altura, assente nos lucros e poderio dos seus comerciantes, uma série de cidades hoje alemãs, declararam-se livres e obtiveram validação do Imperador do Sacro Império Romano-Germânico a quem juraram fidelidade e aliança.

A Ascensão e Monopólio da Liga Hanseática em Bergen

Parte de uma corrente de assimilações, em Bergen, estas cidades apoderaram-se do negócio de compra e exportação do peixe salgado proveniente do norte da Noruega e dos cereais trazidos de distintas paragens da Europa.

Em 1350, o primeiro entreposto da Liga Hanseática (kontor) surgiu como sede da sua actividade avassaladora na Noruega.  Consequência da intensificação desse comércio, as docas foram aumentadas e melhoradas. Com elas, também os armazéns usados para guardar os produtos, os mesmos por que cirandávamos à descoberta.

Telhados, Bryggen, Bergen, Noruega

Perspectiva dos telhados e cimos do casario de Bryggen.

Damos com o Museu Hanseático e Schotstuene. Lá encontramos os aposentos e salões de assembleia em que, durante 400 anos, os comerciantes alemães viveram e conviveram a beber cerveja e em que se reuniram para todos os fins e propósitos, do simples passar do tempo à tomada de decisões cruciais.

A Inevitável Sina da Combustão de Bryggen

Tendo em conta a predominância da madeira em Bryggen e na Bergen em redor, seriam de esperar problemas com a fácil combustão. Os responsáveis estavam conscientes do risco. De tal maneira que o uso do fogo foi proibido em Bryggen, excepção feita para o edifício de Schotstuene onde toda a comida era confeccionada.

Ruela, BryggenBergen-Noruega

Ruela de madeira no âmago do bairro em tempos hanseático de Bryggen.

Mesmo assim, os incêndios ocorreram, repetiram-se e ficaram para a história da cidade. Narram os registos que, em 1702, um grande fogo se disseminou e destruiu armazéns, aposentos e escritórios. Hoje, só um quarto dos edifícios hanseáticos remonta a esse ano.

Os incêndios extinguiram-se e os edifícios foram ou demolidos ou reerguidos e ditou o contexto pós-calamidade que, volvido meio século, tenham passado todos para a posse de noruegueses. Nesse mesmo lapso, a presença da Liga Hanseática em Bergen tornou-se insípida. O Kontor local foi encerrado.

Vidro antigo, museu Liga Hanseática e Schotstuene, Bryggen, Bergen, Noruega

Um vidro antigo e raro no Museu da Liga Hanseática de Bergen.

A história de Bryggen resistiu ao fogo. Como a da cidade de Bergen que continuou a expandir-se pela planura em redor do braço de mar que acolheu Vagen e pelas encostas envolventes acima. Hoje, o seu casario forma um dos conjuntos habitacionais mais harmoniosos do norte da Europa.

Passamos para as traseiras de Bryggen da Rosenkrantzgaten.

Num trecho desta rua preenchido por um jardim, por entre as árvores, deliciamo-nos com a visão da comunidade de cimos bicudos e telhados que coroam o velho bairro.

Telhados, Bryggen, Bergen, Noruega

Perspectiva enquadrada do casario antigo de Bryggen.

A Vista Panorâmica mas Enregelante do Cimo de Floyen

Contemplá-lo projectado sobre o Mar do Norte e a flutuar nas suas águas gélidas é algo que nenhum forasteiro se atreve a perder. O ponto de partida para as alturas panorâmicas de Floyen ficava a uns poucos minutos a pé do limiar de Bryggen pelo que para lá nos dirigimos com passos apressados e entusiasmados que nos mantinham quentes.

Subimos a rua Vetrlidsallmenningen a partir do limiar do Mercado do Peixe até à entrada do teleférico Floibanen. A essa hora, já a multidão desembarcada dos cruzeiros marcava presença.

À boa maneira norueguesa, a fila flui de forma rápida e ordeira. Num ápice, damos connosco a atravessar o túnel na base da linha do teleférico e vemos a cidade desenrolar-se perante os nossos olhos, até às pontas do U estreito e profundo na extensão de Tyskebryggen, ponto de ancoragem de dois grandes cruzeiros de que procedia a maioria dos passageiros do teleférico.

Bergen no Mar do Norte, Noruega

Casario de Bergen organizado em redor do braço do Mar do Norte ocupado pelo porto de Vagen.

Saímos para uma espécie de anfiteatro amplo e expomo-nos a uma brisa marinha enregelante. Ajustamos os agasalhos e aproximamo-nos do varandim.

Dali, apreciamos o cenário esplendoroso por diante: Bergen, a segunda urbe da Noruega, lar de quase 300.000 habitantes, ainda assim, menos de metade dos da capital Oslo.

Fazemos as nossas fotos, contemplamos um pouco mais. Castigados pela inesperada frigidez, abreviamos o retorno à planura do centro histórico da cidade. Voltamos a percorrer a Vetrlidsallmenningen.

O Frenesim Comercial e Gastronómico dos Mercados de Peixe de Bergen

Quando a descemos, reparamos num mural que ocupa toda uma parede lateral de um prédio histórico abaixo. Retrata uma mulher, peixeira ou cliente, que segura um enorme peixe. A obra serviu-nos de preâmbulo artístico ao que se seguiria.

Mural num edifício, Bergen, Noruega

Um mural de uma mulher a segurar um grande bacalhau, destaca-se numa parede lateral de Bergen.

A Vetrlidsallmenningen entrega-nos ao fundo rectangular e apertado do porto de Vagen. Ocupam-no veleiros e outras pequenas embarcações.

No prolongamento deste fundo, reencontramos a extensão de tendas do Mercado de Peixe e Flores de Bergen, um pouco aquém do Mercado de Peixe oficial, o fechado, climatizado e bem mais requintado abaixo do quase tão vasto Turismo de Bergen.

Encontramo-lo num frenesim de ofertas de provas, de vendas e compras e de serviço de refeições fumegantes que deliciavam e reconfortavam convivas um pouco de todo o mundo.

Lá vemos exposto o melhor salmão norueguês, enormes lagostas, caranguejos-reais e ouriços, caviar, fatias longas e frescas de torsk, o bacalhau do Atlântico do Norte.

Espreitamos mais duas ou três tendas. Como esperado, detectamos o torsk também no modo de placa salgada de que Portugal se tornou o maior cliente da Noruega e cuja a importação fez a riqueza de inúmeros pescadores e distribuidores destas partes da Europa.

O Encontro Confortante com um Compatriota Atarefado

Mas não é tudo. Numa outra banca mais próxima do lado de lá de Vagen, chama-nos a atenção um cozinheiro atarefado com os grelhados de peixe e marisco servidos, doses atrás de doses a convivas ansiosos.

Reparamos nos seus longos e peculiares bigodes, bem combinados com a boina verde volumosa que usava. Já tínhamos constatado que quase todos os empregados naquele mercado eram estrangeiros, vários deles dedicados a acolher e satisfazer os magotes de clientes chegados dos seus países.

Jorge Maciel, Mercado do Peixe, Bergen, Noruega

O artista português Jorge Maciel grelha pesca e marisco no Mercado de Peixe de Bergen.

Apuramos que se tratava de um compatriota. Sem surpresa, estabelecemos e alimentamos uma conversa demasiado envolvente e extensa para o apuro culinário em que  – assim se chamava – se via. “Isto aqui não é mau” afiança-nos, “…se descontarem a falta do sol, do bom tempo a que estamos habituados, claro. Eu vivo cá com a minha mulher já há uns anos. Sou artista mas o que me tem dado dinheiro são este tipo de trabalhos.”

Um Périplo Náutico por Vagen, o Porto de Bergen

Já que por ali andávamos, subimos a bordo de um barco pitoresco que assegurava um itinerário por lugares-chave no prolongamento de Vagen: o Museu Norueguês das Pescas.

Figurantes de saída, Gamle Bergen, Noruega

Figurantes no cenário reconstituído do Museu de Gamle Bergen,

E, envolto de um jardim frondoso, o Museu da Velha Bergen, animado por um elenco de figurantes que, no cenário fidedigno de Gamle Bergen, re-encenavam aspectos da vida da cidade nos séculos XIX e XX, incluindo voltas aventureiras numa bicicleta antiga de roda gigante difícil de domar.

Figurante sobre bicicleta antiga, Gamle Bergen, Noruega

Figurante do Museu de Gamle Bergen sobre uma bicicleta antiga de roda gigante.

Confrontados com a hora de fecho e com a ansiedade dos figurantes em se livrarem dos fatos e papéis históricos, também nós regressamos à Bergen contemporânea, uma vez que tínhamos rejeitado a volta do barco ao seu ancoradouro, a bordo de um autocarro sofisticado.

A Derradeira Volta por Bergen

De novo a pé, vagueamos pelas ruelas seculares entre o fundo de Vagen e o bairro já interior de Vagsbunnen, em redor da igreja imponente de Korsk, leia-se da Cruz Sagrada.

Korskkirken, Bergen, Noruega

Casal caminha numa ruela com vista para a Igreja da Cruz de Bergen.

Prosseguimos para o sul da cidade até darmos com o desafogo da praça de Torgallmenningen, em que se destacava o Monumento de Bergen ao Marinheiro que servia de assento a transeuntes fatigados e a músicos imigrados do leste europeu.

Monumento ao Marinheiro, Bergen, Noruega

Um dos lados do Monumento ao Marinheiro de Bergen.

A pouca distância, entramos do domínio ervado e florestado do Byparken, lugar escolhido pela cidade para homenagear a personagem e obra eterna de Edvard Grieg, o mais conceituado pianista e compositor norueguês, conhecido à escala mundial – mesmo que de forma inconsciente – pela melodia contagiosa de “Na Gruta do Rei da Montanha”.

Bergen tinha ainda muito do seu rico e complexo reduto escandinavo por desvendar mas, por essa altura, esperava-nos já outro porto emblemático da Noruega: Stavanger.

Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Flam a Balestrand, Noruega

Onde as Montanhas Cedem aos Fiordes

A estação final do Flam Railway, marca o término da descida ferroviária vertiginosa das terras altas de Hallingskarvet às planas de Flam. Nesta povoação demasiado pequena para a sua fama, deixamos o comboio e navegamos pelo fiorde de Aurland abaixo rumo à prodigiosa Balestrand.
Magma Geopark, Noruega

Uma Noruega Algo Lunar

Se recuássemos aos confins geológicos do tempo, encontraríamos o sudoeste da Noruega repleto de enormes montanhas e de um magma incandescente que sucessivos glaciares viriam a moldar. Os cientistas apuraram que o mineral ali predominante é mais comum na Lua que na Terra. Vários dos cenários que exploramos no vasto Magma Geopark da região parecem tirados do nosso grande satélite natural.
Stavanger, Noruega

A Cidade Motora da Noruega

A abundância de petróleo e gás natural ao largo e a sediação das empresas encarregues de os explorarem promoveram Stavanger de capital da conserva a capital energética norueguesa. Nem assim esta cidade se conformou. Com um legado histórico prolífico, às portas de um fiorde majestoso, há muito que a cosmopolita Stavanger impele a Terra do Sol da Meia-Noite.
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
PN Thingvellir, Islândia

Nas Origens da Remota Democracia Viking

As fundações do governo popular que nos vêm à mente são as helénicas. Mas aquele que se crê ter sido o primeiro parlamento do mundo foi inaugurado em pleno século X, no interior enregelado da Islândia.
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
savuti, botswana, leões comedores de elefantes
Safari
Savuti, Botswana

Os Leões Comedores de Elefantes de Savuti

Um retalho do deserto do Kalahari seca ou é irrigado consoante caprichos tectónicos da região. No Savuti, os leões habituaram-se a depender deles próprios e predam os maiores animais da savana.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Arquitectura & Design
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Cerimónias e Festividades
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, Desembarque
Cidades
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Intersecção
Cultura
Hungduan, Filipinas

Filipinas em Estilo Country

Os GI's partiram com o fim da 2ª Guerra Mundial mas a música do interior dos EUA que ouviam ainda anima a Cordillera de Luzon. É de tricycle e ao seu ritmo que visitamos os terraços de arroz de Hungduan.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Chiang Khong a Luang prabang, Laos, Pelo Mekong Abaixo
Em Viagem
Chiang Khong - Luang Prabang, Laos

Barco Lento, Rio Mekong Abaixo

A beleza do Laos e o custo mais baixo são boa razões para navegar entre Chiang Khong e Luang Prabang. Mas esta longa descida do rio Mekong pode ser tão desgastante quanto pitoresca.
Cobá, viagem às Ruínas Maias, Pac Chen, Maias de agora
Étnico
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Centro Cultural Jean Marie Tjibaou, Nova Caledonia, Grande Calhau, Pacifico do Sul
História
Grande Terre, Nova Caledónia

O Grande Calhau do Pacífico do Sul

James Cook baptizou assim a longínqua Nova Caledónia porque o fez lembrar a Escócia do seu pai, já os colonos franceses foram menos românticos. Prendados com uma das maiores reservas de níquel do mundo, chamaram Le Caillou à ilha-mãe do arquipélago. Nem a sua mineração obsta a que seja um dos mais deslumbrantes retalhos de Terra da Oceânia.
Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, recife coral
Ilhas
Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Natureza
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Parques Naturais
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Vulcão Teide, Tenerife, Canárias, Espanha
Património Mundial UNESCO
Tenerife, Canárias

O Vulcão que Assombra o Atlântico

Com 3718m, El Teide é o tecto das Canárias e de Espanha. Não só. Se medido a partir do fundo do oceano (7500 m), só duas montanhas são mais pronunciadas. Os nativos guanches consideravam-no a morada de Guayota, o seu diabo. Quem viaja a Tenerife, sabe que o velho Teide está em todo o lado.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Teleférico que liga Puerto Plata ao cimo do PN Isabel de Torres
Praias
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Solovestsky Outonal
Religião
Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
Sobre Carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Ponte u bein, Amarapura, Myanmar
Sociedade
Ponte u-BeinMyanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein está no seu crepúsculo.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Vida Selvagem
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
EN FR PT ES