Bergen, Noruega

O Grande Porto Hanseático da Noruega


O Trio de Gamle Bergen
Figurantes no cenário reconstituído do Museu de Gamle Bergen,
Um Deco-Triunfo
Veado dourado decora a fachadas de um dos edifícios de Bryggen.
Bryggen ao ar livre
A Esplanada de Bryggen repleta de convivas ansiosos pelo sol raro de Bergen.
Moldura de Bryggen
Perspectiva enquadrada do casario antigo de Bryggen.
Lobos-do-mar
Um dos lados do Monumento ao Marinheiro de Bergen.
Bênção da Igreja da Cruz
Casal caminha numa ruela com vista para a Igreja da Cruz de Bergen.
Arquitectura Norueguesa
Retalho da zona histórica de Bergen, erguida com os lucros do comércio do norte da Noruega com o resto da Europa.
Dama de Bergen
Figurante do Museu de Gamle Bergen contempla uma janela.
Vida Pintada
Um mural de uma mulher a segurar um grande bacalhau, destaca-se numa parede lateral de Bergen.
Um Anexo
Pormenor de um anexo de madeira destacado de um edifício de pedra de Bryggen.
A Arte da Grelha
O artista português Jorge Maciel grelha pesca e marisco no Mercado de Peixe de Bergen.
Bryggen
Panorâmica dos edifício de Bryggen, vistos do lado oposto do porto de Vagen.
Veias de Madeira
Ruela de madeira no âmago do bairro em tempos hanseático de Bryggen.
Lenhador-Construtor
A escultura de um construtor de madeira decora a fachada de um dos edifícios de Bryggen.
Lares de Bergen
Casario de Bergen a ocupar a base da encosta atrás do Museu do Peixe da cidade.
Pedaladas de História
Figurante do Museu de Gamle Bergen sobre uma bicicleta antiga de roda gigante.
Monumento ao Marinheiro
Transeuntes atravessa uma praça, em frente ao Monumento ao Marinheiro de Bergen.
Troll Ciclista
Grande mural de um troll norueguês na parede lateral de um prédio de Bergen.
Lares de Bergen
Casario de Bergen a ocupar a base da encosta atrás do Museu do Peixe da cidade.
Passeio a solo
Transeunte precavido para a chuva habitual de Bergen, numa ruela de Bryggen.
Já povoada no início do século XI, Bergen chegou a capital, monopolizou o comércio do norte norueguês e, até 1830, manteve-se uma das maiores cidades da Escandinávia. Hoje, Oslo lidera a nação. Bergen continua a destacar-se pela sua exuberância arquitectónica, urbanística e histórica.

Ditou a sequência da viagem que aportássemos em Bergen tal e qual o faziam os pescadores e mercadores que, ao longo de meio milénio, contribuíram para a sua riqueza e opulência.

Partimos da longínqua Balestrand às cinco da tarde. Durante quatro longas horas, navegamos pelo Sognefjord e por fiordes que dele derivavam para sul, até ao braço aberto do Mar do Norte em que se havia instalado a grande urbe de Vestland.

Por volta das nove de uma noite sub-árctica que estava longe de o ser, cercou-nos um casario costeiro mais denso e moderno que os de até então.

O ferry flectiu para sudeste. Momentos depois, o casario quase de lego de Bryggen insinuou-se e exibiu-se, destacado, na margem leste do porto de Vagen, o mais movimentado da Noruega.

Panoramica, Bryggen, Bergen, Noruega

Panorâmica dos edifício de Bryggen, vistos do lado oposto do porto de Vagen.

O Desembarque Pseudo-Nocturno em Bryggen

Nesse fim de dia, fizemos o mesmo que os pescadores e mercadores sempre fizeram após as suas viagens pelo Mar do Norte: procurámos o abrigo que merecíamos na cidade e recuperámos energias.

O raiar da aurora revelou um dia idêntico ao do tempo que viríamos a passar em Bergen: nebulado, acinzentado, frígido e húmido de um modo penetrante que, apesar dos agasalhos em que nos enfiávamos, parecia chegar-nos aos ossos.

Frescura à margem, situada à beira do Mar do Norte, Bergen é um dos lugares mais pluviosos da Europa, com chuva substancial numa média de 231 dias por ano. Até então, não nos podíamos queixar.

Dormimos a umas meras centenas de metros de Bryggen. Conscientes do encanto e peculiaridade daquele bairro secular, saímos para lá disparados.

À imagem de tantas outras paragens da Noruega, Bergen recebe cruzeiros atrás de cruzeiros, cerca de 300 por ano, que despejam um total de meio milhão de forasteiros.

Esplanada, Bryggen, Bergen, Noruega

A Esplanada de Bryggen repleta de convivas ansiosos pelo sol raro de Bergen.

Era suposto o esforço madrugador nos recompensar com evitarmos a inundação de visitantes do início da manhã. Não tardámos a perceber o quanto fora em vão.

Percorremos a rua marginal em suspenso na névoa e na formosura anacrónica dos cenários em redor. Quando nos vemos com a irmandade de edifícios coloridos e bicudos pela frente, metemo-nos por uma das ruelas entre eles encaixadas, ávidos por aprofundarmos a descoberta de Bryggen, ou Tyskebryggen, como é também chamada, traduzível do norueguês como a Doca Alemã.

O Velho Bairro Hanseático de Bryggen

Por ali nos entregamos a uma deambulação intrigada entre as traves, tábuas, travessas, degraus, telhas e demais, quase sempre pintados em tons base e mate: amarelos, vermelhos, laranjas, cinzentos, a formar ruas e ruelas de fábula que os séculos e as oscilações de temperatura e do terreno ribeirinho desnivelaram e entortaram.

Nos dias que correm, ocupam-nas negócios lucrativos. Lojas de roupa tradicional norueguesa, de recordações e bugigangas criativas e dispendiosas, também museus, galerias de arte e restaurantes com preços escandalosos até para os habituais padrões escandinavos.

A ligar os três ou quatro andares de cada edifício e conectá-los uns aos outros, cada ruela está dotada de uma ou duas escadarias interiores e uma escadaria-passadiço exterior que a cruza.

Transeuntes, Bryggen, Bergen, Noruega

Transeunte precavido para a chuva habitual de Bergen, numa ruela de Bryggen.

Na origem, os edifícios foram erguidos ainda pelos mercadores noruegueses mais abastados. Por essa altura, assente nos lucros e poderio dos seus comerciantes, uma série de cidades hoje alemãs, declararam-se livres e obtiveram validação do Imperador do Sacro Império Romano-Germânico a quem juraram fidelidade e aliança.

A Ascensão e Monopólio da Liga Hanseática em Bergen

Parte de uma corrente de assimilações, em Bergen, estas cidades apoderaram-se do negócio de compra e exportação do peixe salgado proveniente do norte da Noruega e dos cereais trazidos de distintas paragens da Europa.

Em 1350, o primeiro entreposto da Liga Hanseática (kontor) surgiu como sede da sua actividade avassaladora na Noruega.  Consequência da intensificação desse comércio, as docas foram aumentadas e melhoradas. Com elas, também os armazéns usados para guardar os produtos, os mesmos por que cirandávamos à descoberta.

Telhados, Bryggen, Bergen, Noruega

Perspectiva dos telhados e cimos do casario de Bryggen.

Damos com o Museu Hanseático e Schotstuene. Lá encontramos os aposentos e salões de assembleia em que, durante 400 anos, os comerciantes alemães viveram e conviveram a beber cerveja e em que se reuniram para todos os fins e propósitos, do simples passar do tempo à tomada de decisões cruciais.

A Inevitável Sina da Combustão de Bryggen

Tendo em conta a predominância da madeira em Bryggen e na Bergen em redor, seriam de esperar problemas com a fácil combustão. Os responsáveis estavam conscientes do risco. De tal maneira que o uso do fogo foi proibido em Bryggen, excepção feita para o edifício de Schotstuene onde toda a comida era confeccionada.

Ruela, BryggenBergen-Noruega

Ruela de madeira no âmago do bairro em tempos hanseático de Bryggen.

Mesmo assim, os incêndios ocorreram, repetiram-se e ficaram para a história da cidade. Narram os registos que, em 1702, um grande fogo se disseminou e destruiu armazéns, aposentos e escritórios. Hoje, só um quarto dos edifícios hanseáticos remonta a esse ano.

Os incêndios extinguiram-se e os edifícios foram ou demolidos ou reerguidos e ditou o contexto pós-calamidade que, volvido meio século, tenham passado todos para a posse de noruegueses. Nesse mesmo lapso, a presença da Liga Hanseática em Bergen tornou-se insípida. O Kontor local foi encerrado.

Vidro antigo, museu Liga Hanseática e Schotstuene, Bryggen, Bergen, Noruega

Um vidro antigo e raro no Museu da Liga Hanseática de Bergen.

A história de Bryggen resistiu ao fogo. Como a da cidade de Bergen que continuou a expandir-se pela planura em redor do braço de mar que acolheu Vagen e pelas encostas envolventes acima. Hoje, o seu casario forma um dos conjuntos habitacionais mais harmoniosos do norte da Europa.

Passamos para as traseiras de Bryggen da Rosenkrantzgaten.

Num trecho desta rua preenchido por um jardim, por entre as árvores, deliciamo-nos com a visão da comunidade de cimos bicudos e telhados que coroam o velho bairro.

Telhados, Bryggen, Bergen, Noruega

Perspectiva enquadrada do casario antigo de Bryggen.

A Vista Panorâmica mas Enregelante do Cimo de Floyen

Contemplá-lo projectado sobre o Mar do Norte e a flutuar nas suas águas gélidas é algo que nenhum forasteiro se atreve a perder. O ponto de partida para as alturas panorâmicas de Floyen ficava a uns poucos minutos a pé do limiar de Bryggen pelo que para lá nos dirigimos com passos apressados e entusiasmados que nos mantinham quentes.

Subimos a rua Vetrlidsallmenningen a partir do limiar do Mercado do Peixe até à entrada do teleférico Floibanen. A essa hora, já a multidão desembarcada dos cruzeiros marcava presença.

À boa maneira norueguesa, a fila flui de forma rápida e ordeira. Num ápice, damos connosco a atravessar o túnel na base da linha do teleférico e vemos a cidade desenrolar-se perante os nossos olhos, até às pontas do U estreito e profundo na extensão de Tyskebryggen, ponto de ancoragem de dois grandes cruzeiros de que procedia a maioria dos passageiros do teleférico.

Bergen no Mar do Norte, Noruega

Casario de Bergen organizado em redor do braço do Mar do Norte ocupado pelo porto de Vagen.

Saímos para uma espécie de anfiteatro amplo e expomo-nos a uma brisa marinha enregelante. Ajustamos os agasalhos e aproximamo-nos do varandim. Dali, apreciamos o cenário esplendoroso por diante: Bergen, a segunda urbe da Noruega, lar de quase 300.000 habitantes, ainda assim, menos de metade dos da capital Oslo.

Fazemos as nossas fotos, contemplamos um pouco mais. Castigados pela inesperada frigidez, abreviamos o retorno à planura do centro histórico da cidade. Voltamos a percorrer a Vetrlidsallmenningen.

O Frenesim Comercial e Gastronómico dos Mercados de Peixe de Bergen

Quando a descemos, reparamos num mural que ocupa toda uma parede lateral de um prédio histórico abaixo. Retrata uma mulher, peixeira ou cliente, que segura um enorme peixe. A obra serviu-nos de preâmbulo artístico ao que se seguiria.

Mural num edifício, Bergen, Noruega

Um mural de uma mulher a segurar um grande bacalhau, destaca-se numa parede lateral de Bergen.

A Vetrlidsallmenningen entrega-nos ao fundo rectangular e apertado do porto de Vagen. Ocupam-no veleiros e outras pequenas embarcações.

No prolongamento deste fundo, reencontramos a extensão de tendas do Mercado de Peixe e Flores de Bergen, um pouco aquém do Mercado de Peixe oficial, o fechado, climatizado e bem mais requintado abaixo do quase tão vasto Turismo de Bergen.

Encontramo-lo num frenesim de ofertas de provas, de vendas e compras e de serviço de refeições fumegantes que deliciavam e reconfortavam convivas um pouco de todo o mundo.

Lá vemos exposto o melhor salmão norueguês, enormes lagostas, caranguejos-reais e ouriços, caviar, fatias longas e frescas de torsk, o bacalhau do Atlântico do Norte.

Espreitamos mais duas ou três tendas. Como esperado, detectamos o torsk também no modo de placa salgada de que Portugal se tornou o maior cliente da Noruega e cuja a importação fez a riqueza de inúmeros pescadores e distribuidores destas partes da Europa.

O Encontro Confortante com um Compatriota Atarefado

Mas não é tudo. Numa outra banca mais próxima do lado de lá de Vagen, chama-nos a atenção um cozinheiro atarefado com os grelhados de peixe e marisco servidos, doses atrás de doses a convivas ansiosos.

Reparamos nos seus longos e peculiares bigodes, bem combinados com a boina verde volumosa que usava. Já tínhamos constatado que quase todos os empregados naquele mercado eram estrangeiros, vários deles dedicados a acolher e satisfazer os magotes de clientes chegados dos seus países.

Jorge Maciel, Mercado do Peixe, Bergen, Noruega

O artista português Jorge Maciel grelha pesca e marisco no Mercado de Peixe de Bergen.

Apuramos que se tratava de um compatriota. Sem surpresa, estabelecemos e alimentamos uma conversa demasiado envolvente e extensa para o apuro culinário em que  – assim se chamava – se via. “Isto aqui não é mau” afiança-nos, “…se descontarem a falta do sol, do bom tempo a que estamos habituados, claro. Eu vivo cá com a minha mulher já há uns anos. Sou artista mas o que me tem dado dinheiro são este tipo de trabalhos.”

Um Périplo Náutico por Vagen, o Porto de Bergen

Já que por ali andávamos, subimos a bordo de um barco pitoresco que assegurava um itinerário por lugares-chave no prolongamento de Vagen: o Museu Norueguês das Pescas.

Figurantes de saída, Gamle Bergen, Noruega

Figurantes no cenário reconstituído do Museu de Gamle Bergen,

E, envolto de um jardim frondoso, o Museu da Velha Bergen, animado por um elenco de figurantes que, no cenário fidedigno de Gamle Bergen, re-encenavam aspectos da vida da cidade nos séculos XIX e XX, incluindo voltas aventureiras numa bicicleta antiga de roda gigante difícil de domar.

Figurante sobre bicicleta antiga, Gamle Bergen, Noruega

Figurante do Museu de Gamle Bergen sobre uma bicicleta antiga de roda gigante.

Confrontados com a hora de fecho e com a ansiedade dos figurantes em se livrarem dos fatos e papéis históricos, também nós regressamos à Bergen contemporânea, uma vez que tínhamos rejeitado a volta do barco ao seu ancoradouro, a bordo de um autocarro sofisticado.

A Derradeira Volta por Bergen

De novo a pé, vagueamos pelas ruelas seculares entre o fundo de Vagen e o bairro já interior de Vagsbunnen, em redor da igreja imponente de Korsk, leia-se da Cruz Sagrada.

Korskkirken, Bergen, Noruega

Casal caminha numa ruela com vista para a Igreja da Cruz de Bergen.

Prosseguimos para o sul da cidade até darmos com o desafogo da praça de Torgallmenningen, em que se destacava o Monumento de Bergen ao Marinheiro que servia de assento a transeuntes fatigados e a músicos imigrados do leste europeu.

Monumento ao Marinheiro, Bergen, Noruega

Um dos lados do Monumento ao Marinheiro de Bergen.

A pouca distância, entramos do domínio ervado e florestado do Byparken, lugar escolhido pela cidade para homenagear a personagem e obra eterna de Edvard Grieg, o mais conceituado pianista e compositor norueguês, conhecido à escala mundial – mesmo que de forma inconsciente – pela melodia contagiosa de “Na Gruta do Rei da Montanha”.

Bergen tinha ainda muito do seu rico e complexo reduto escandinavo por desvendar mas, por essa altura, esperava-nos já outro porto emblemático da Noruega: Stavanger.

Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Flam a Balestrand, Noruega

Onde as Montanhas Cedem aos Fiordes

A estação final do Flam Railway, marca o término da descida ferroviária vertiginosa das terras altas de Hallingskarvet às planas de Flam. Nesta povoação demasiado pequena para a sua fama, deixamos o comboio e navegamos pelo fiorde de Aurland abaixo rumo à prodigiosa Balestrand.
Magma Geopark, Noruega

Uma Noruega Algo Lunar

Se recuássemos aos confins geológicos do tempo, encontraríamos o sudoeste da Noruega repleto de enormes montanhas e de um magma incandescente que sucessivos glaciares viriam a moldar. Os cientistas apuraram que o mineral ali predominante é mais comum na Lua que na Terra. Vários dos cenários que exploramos no vasto Magma Geopark da região parecem tirados do nosso grande satélite natural.
Stavanger, Noruega

A Cidade Motora da Noruega

A abundância de petróleo e gás natural ao largo e a sediação das empresas encarregues de os explorarem promoveram Stavanger de capital da conserva a capital energética norueguesa. Nem assim esta cidade se conformou. Com um legado histórico prolífico, às portas de um fiorde majestoso, há muito que a cosmopolita Stavanger impele a Terra do Sol da Meia-Noite.
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.

PN Thingvelir, Islândia

Nas Origens da Remota Democracia Viking

As fundações do governo popular que nos vêm à mente são as helénicas. Mas aquele que se crê ter sido o primeiro parlamento do mundo foi inaugurado em pleno século X, no interior enregelado da Islândia.

Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
PN Tortuguero, Costa Rica, barco público
Parque Nacional
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
Cena de rua, Guadalupe, Caribe, Efeito Borboleta, Antilhas Francesas
Parques nacionais
Guadalupe, Antilhas Francesas

Guadalupe: Um Caribe Delicioso, em Contra-Efeito Borboleta

Guadalupe tem a forma de uma mariposa. Basta uma volta por esta Antilha para perceber porque a população se rege pelo mote Pas Ni Problem e levanta o mínimo de ondas, apesar das muitas contrariedades.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Sombra vs Luz
Arquitectura & Design

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Kente Festival Agotime, Gana, ouro
Cerimónias e Festividades
Kumasi a Kpetoe, Gana

Uma Viagem-Celebração da Moda Tradicional Ganesa

Após algum tempo na grande capital ganesa ashanti cruzamos o país até junto à fronteira com o Togo. Os motivos para esta longa travessia foram os do kente, um tecido de tal maneira reverenciado no Gana que diversos chefes tribais lhe dedicam todos os anos um faustoso festival.
Penhascos acima do Valley of Desolation, junto a Graaf Reinet, África do Sul
Cidades
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Indígena Coroado
Cultura
Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes da Venezuela em Fiesta

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.
Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

viagem de volta ao mundo, símbolo de sabedoria ilustrado numa janela do aeroporto de Inari, Lapónia Finlandesa
Em Viagem
Volta ao Mundo - Parte 1

Viajar Traz Sabedoria. Saiba como dar a Volta ao Mundo.

A Terra gira sobre si própria todos os dias. Nesta série de artigos, encontra esclarecimentos e conselhos indispensáveis a quem faz questão de a circundar pelo menos uma vez na vida.
Do lado de cá do Atlântico
Étnico

Ilha de Goreia, Senegal

Uma Ilha Escrava da Escravatura

Foram vários milhões ou apenas milhares os escravos a passar por Goreia a caminho das Américas? Seja qual for a verdade, esta pequena ilha senegalesa nunca se libertará do jugo do seu simbolismo.​

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Pastéis nos ares
História
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Àgua doce
Ilhas

Maurícias

Uma Míni-Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.    

Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Visitante, Michaelmas Cay, Grande Barreira de Recife, Australia
Natureza
Michaelmas Cay, Austrália

A Milhas do Natal (parte I)

Na Austrália, vivemos o mais incaracterístico dos 24os de Dezembro. Zarpamos para o Mar de Coral e desembarcamos num ilhéu idílico que partilhamos com gaivinas-de-bico-laranja e outras aves.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Praia de El Cofete do cimo de El Islote, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha
Parques Naturais
Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
Um dos prédios mais altos de Valletta, Malta
Património Mundial UNESCO
Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.
Verificação da correspondência
Personagens
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Lançamento de rede, ilha de Ouvéa-Ilhas Lealdade, Nova Caledónia
Praias
Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Na ilha de Ouvéa, arquipélago das Lealdade, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.
Barco no rio Amarelo, Gansu, China
Religião
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Graffiti deusa creepy, Haight Ashbury, Sao Francisco, EUA, Estados Unidos America
Sociedade
The Haight, São Francisco, E.U.A.

Órfãos do Verão do Amor

O inconformismo e a criatividade ainda estão presentes no antigo bairro Flower Power. Mas, quase 50 anos depois, a geração hippie deu lugar a uma juventude sem-abrigo, descontrolada e até agressiva.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Vida Selvagem
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.