Preikestolen - Rocha do Púlpito, Noruega

Peregrinação ao Púlpito de Rocha da Noruega


Navegação
Ilha equipada de um pequeno farol em pleno Fiorde de Lyse.
A Gruta dos Vagabundos
Passageiros do ferry admiram a Gruta dos Vagabundos do Lysefjord.
Margem do Lyse Fiorde
Cenário característico do Lyse Fjord, muitos quilómetros para leste de Stavanger.
Vista do Sopé
A Rocha do Púlpito bem destacada do paredão de rocha do Lyse Fjord.
A Floresta do Fiorde
Cenário verdejante acima do fiorde Lyse.
As Cabras Vedetas
Cabras aproximam-se do ferry que percorre o Lysefiorde.
Cascata Hengjane II
Uma cascata permanente na base do fiorde de Lyse.
Um Repouso Sólido
Caminhante repousa sobre uma grande rocha no caminho para a Rocha do Púlpito.
Cascata Hengjane
O fundo da cascata Hengjane, a caminho do acesso para a Rocha do Púlpito.
Passadiço
Caminhantes percorrem um passadiço acima de um trecho de solo ensopado.
Às Margens do Lago Revsvatnet
Caminhantes passam pelo lago Revsvatnet, a caminho da Rocha do Púlpito.
Espanto Inclinado
Passageiros fotografam o cume da Rocha do Púlpito, mais de 600 metros acima.
A Plataforma
Perspectiva mais reveladora da forma caprichosa da Rocha do Púlpito.
A Fila da Foto
Visitantes da Rocha do Púlpito fazem fila para se fotografarem o mais próximo possível da extremidade.
O Aviso
Aviso proibitivo, à chegada da Rocha do Púlpito.
Matrimónio Abismal
Noivos posam para a fotografia no cimo da Rocha do Púlpito.
Um Risco Arriscado
Caminhante aventureiro senta-se no extremo vertiginoso da Rocha do Púlpito, a mais de 600 metros de altura.
Não faltam cenários grandiosos à Noruega dos fiordes sem fim. Em pleno fiorde de Lyse, o cimo destacado, alisado e quase quadrado de uma falésia com mais de 600 metros forma um inesperado púlpito rochoso. Subir às suas alturas, espreitar os precipícios e apreciar os panoramas em redor tem muito de revelação.

Por alguma razão se tornou a cidade motora da Noruega, a capital do petróleo e do gás natural, uma das urbes que mais energia empresarial transmitem à nação norueguesa.

Organização e funcionalidade não faltam a Stavanger. A começar pela incrível localização e conveniência do porto Vagen da cidade. Caminhamos uns dois ou três minutos ao longo do Byparken.

Passada a estátua do escritor e edil Alexander Kielland, damos entrada na rua marginal de Strandkaien. Uns metros abaixo, encontramos o “M/S Rygertroll”, o catamarã em que íamos embarcar.

Só por si, subir ao convés superior do navio e contemplar o velho Vagen em redor era já uma experiência histórica recompensadora. O baptismo do catamarã só a enriquecia.

Evocava um um demónio sobrenatural, um troll da tribo Ryger, uma das que dominaram estas paragens ocidentais da Noruega séculos a fio, em disputa com a rival Horder.

Em jeito de homenagem à estas suas origens étnicas, a província de que Stavanger é capital denomina-se Rogaland, nome também ele derivado da tribo Ryger.

O “M/S Rygertroll” estava prestes a conceder-nos uma incursão deslumbrante às profundezas do seu território.

Preikestolen, Rocha do Púlpito, margem do Fiorde

Rumo ao Longo e Profundo Fiorde Lyse

Zarpamos. O catamarã contorna a península por que se espraia Stavanger. Navegamos ao largo do famoso museu do Petróleo e avançamos para leste.

Um dos primeiros salpicos de terra que encontramos volta a remeter-nos para a era medieval de Rogaland.

Diz-se que Tingholmen foi a ilha em que Olav Tryggvason, Olavo I (995-1000), o primeiro rei cristão da Noruega e agente incansável de conversões à força dos noruegueses, realizou a primeira assembleia nacional, em 998.

Olav terá tido as suas razões para o lugar mas, quando contemplamos a ilha, diminuta, em boa parte rochosa, hoje urbanizada apenas e só por um farolim branco, a escolha intriga-nos.

Preikestolen, Rocha do Púlpito, navegaçãoPouco tempo depois, passamos sob a ponte pênsil Bybru, para o lado de lá do estreito Straumstein e para uma vastidão interior do Mar do Norte ainda pejada de ilhas e ilhéus.

Oanes surge na ponta de uma outra península em forma de subcontinente indiano. Por essa altura, o “M/S Rygertroll” flecte para norte. Com Oanes à esquerda e Forsand à direita, cruzamos a lysefjordsenteret, a entrada oficial para os longos 42km de extensão do Lysefyord.

Lyse significa luz, ou brilho. Terá sido o granito claro e reflector do desfiladeiro que suscitou que os noruegueses assim o tratassem.

Em Junho, o mês em que estávamos, a meteorologia de Rogaland fazia o que podia. Longe de invernoso, desde a partida de Stavanger que o dia se mantinha nublado e fresco. Naquelas condições, seria difícil ao fiorde de Lyse resplandecer à altura.

Escala em Fatahla, a Gruta dos Vagabundos, e num Pasto Íngreme de Cabras

O “M/S Rygertroll” progride fiorde acima, agora mais próximo das falésias a bombordo, algumas com mais de seiscentos metros de altura.

Fiel à sua rota, o comandante detém o catamarã em frente a Fantahla, a Gruta dos Vagabundos.

Na prática, um desfiladeiro apertado, perpendicular aos penhascos do fiorde de Lyse, repleto de fragmentos de rocha produzidos pela erosão glacial e por árvores jovens que parecem brotar literalmente do granito.

Preikestolen, Rocha do Púlpito, FantahlaMenos de dez minutos depois, atingimos um recorte na falésia distinto.

Em vez de vertical ou côncavo como até então, o Lysefiorde concedeu um pequeno parapeito ervado e inclinado que serve de pasto a cabras.

Longe de selvagens mas qualificadas a sobreviver no curral natural dos penhascos, as cabras são alegadamente ali soltas pelos donos durante os meses de Verão, de maneira a engordarem com a erva viçosa que se renova de hora para hora, com a humidade, a chuva e a irrigação adicional que cai do topo da falésia.

Fazem companhia à outra espécie que prolifera no fiorde, as focas (phoca vitulina), em redor de duzentas, segundo as últimas contagens.

Com o tempo, as ofertas de petiscos feitas pela tripulação e passageiros dos barcos tornaram as cabras uma atracção faunística inusitada.

Preikestolen, Rocha do Púlpito, cabras

A Vista Inaugural e Muito Picada da Rocha do Púlpito

Prosseguimos quase colados à base dos penhascos.

Às tantas, detectamos uma plataforma rochosa destacada do cimo do fiorde, uma espécie de fatia de granito, talhada de forma caprichosa da meseta pelas forças tectónicas e pelos milénios de erosão.

A locução informa-nos que era aquela a Preikestolen, a Famosa Rocha do Púlpito.

Preikestolen, Rocha do Púlpito, contemplação

A confirmação gera um frenesim fotográfico que quase suplanta o suscitado pelas cabras.

Umas centenas de metros adiante, o fiorde de Lyse revela-nos as suas cascatas de Hengjane.

Precipitam-se num fluxo quase vertical de quatrocentos metros do rio Hengjanda, a encerrar o seu fluxo entre o lago Skogavatnet acima e o fiorde que navegávamos.

Preikestolen, Rocha do Púlpito, Cascata Hengjane

Ali mesmo, o “M/S Rygertroll” inverte rumo, de volta à entrada do fiorde e a Forsand, na margem oposta da ponta de Oanes. Em Foresand apanhamos o autocarro que nos leva estrada 13 acima.

Depois, pelo caminho de Preikestolen, às curvas, acima e abaixo até atingirmos o campo base da Rocha do Púlpito, às margens do lago Revsvatnet.

Sem razões para ali desperdiçarmos tempo, ansiosos por desvendarmos o que nos reservava o púlpito, pomo-nos de imediato em marcha.

Caminhada para as Alturas do Fiorde Lyse, em Busca da Rocha do Púlpito

Separavam-nos quase 4km do cimo do fiorde.

Cumprimos os primeiros por uma encosta preenchida por um pinhal de troncos e raízes vigorosas, intercalado por clareiras semi-alagadas, transitáveis por um passadiço de tábuas imposto à vegetação.

Preikestolen, Rocha do Púlpito, passadiço

Os últimos quilómetros, vencemo-los por um trilho reclamado a uma colónia caótica de calhaus de granito, por uma via natural da mesma rocha, elevada face a um lago negro.

Esta via legada pela erosão, conduz-nos às traseiras do ponto limiar e mais elevado do fiorde.

Quando a contornamos, ainda em ascensão, identificamos de imediato a vastidão do fiorde de Lyse.

Víamo-lo estendido para nordeste e para sudoeste. Sulcado por rio desafogado e liso, encaixado entre vertentes forradas de vegetação.

Preikestolen, Rocha do Púlpito, floresta do FiordeDe pequenas árvores e arbustos de um verde intenso que não chegava a quebrar o azulado predominante das montanhas de Ryfylke.

Várias delas tinham cumes acima dos oitocentos metros. Naquela altura veraneante do ano, os cumes não revelavam sinal de neve.

Chegada à Rocha do Púlpito de Preikestolen

Por fim, a recortar a vastidão norueguesa e as nuvens acima, lá estava o paredão massivo da Rocha do Púlpito.

Em época alta, concorrida e idolatrada como se de um culto se tratasse, a Rocha do Púlpito tem já ao seu longo uma fila de crentes que esperam a sua vez para se fotografarem na extremidade vertiginosa, a desafiarem o bom-senso e a brincarem com a sorte.

Preikestolen, Rocha do Púlpito, Fila da Foto

Alguns dos seus fiéis, perdem a noção do que é justo. Demoram-se uma eternidade em fotos e mais fotos e levam ao desespero os pretendentes atrás.

Outros ainda, entregam-se aos atrevimentos fotográficos mais extremos. Em vez de se fotografarem a uns metros da queda, passam as pernas para lá do limiar.

Sentam-se entregues aos desígnios divinos naquele assento granítico de 25 por 25 metros, com uma altura de seiscentos e quatro metros, mais que severa, que não tolera a mínima displicência.

À boa maneira norueguesa, escandinava e nórdica, as autoridades deram primazia à preservação do visual natural do lugar, em detrimento da segurança dos cerca de 200.000 visitantes que ali peregrinam ano após ano.

Excepção feita a um ou dois diminutos avisos.

Preikestolen, Rocha do Púlpito, Aviso

A Política de “Seja o que Deus Quiser” Seguida pelos Noruegueses

Os noruegueses, em particular seguem uma política de respeito pelo meio-ambiente e responsabilização individual que se tornou notória, segundo um responsável do governo resumiu: “nós não podemos colocar vedações em toda a Natureza deste país.”

Como tal, não existem vedações. Contemplar o abismo do fiorde de Lyse por diante revelava-se já de si, confrangedor.

A espaços, acompanhar as fotos, selfies e diabruras afins na extremidade da rocha e recear que uma delas descambasse num mergulho de mais de dez segundos torna-se pungente.

Para mais, não são só os fotografados que arriscam. Aquele que é considerado um ponto ideal para conseguir a imagem das pessoas ínfimas, sobre a ponta da rocha, destacada contra o céu consegue-se na perfeição de uma laje de pedra destacada uns 40 ou 50 cm da face do penhasco.

Quando as loucuras se sintonizam a condizer, tanto quem fotografa como os modelos arrisca.

A Rocha do Púlpito – nem se esperaria outra coisa – já fez por várias vezes de fúnebre. A confiar nas autoridades, ainda estão por acontecer acidentes. O problema tem-se revelado sobretudo os suicídios. Já ali se deram alguns. Esperamos a nossa vez. Na fila das fotos, claro está, a distância segura do precipício.

Enquanto aguardamos, assistimos aos novos exercícios ora masoquistas ora exibicionistas dos visitantes.

Preikestolen, Rocha do Púlpito, trono arriscado

Por fim, lá fazemos as nossas fotos sob a pressão dupla do lugar destacado do púlpito: a pressão do quanto nos conseguiríamos aproximar do abismo. E a das dezenas de candidatos ainda alinhados, a contemplarem-nos como se só nós existíssemos.

Despachamo-nos. Não corre mal. O suficiente para voltarmos à nossa vida.

Mudança Providencial para o Plano Acima, mais Panorâmico, na Encosta

No hiato que tínhamos passado em contemplação e à espera, reparámos em vultos que percorriam a montanha acima do púlpito e noutros que apreciavam os acontecimentos sobre a rocha a partir de nichos panorâmicos.

Ainda com tempo para estendermos a exploração a que nos dedicávamos, procuramos o trilho que lá conduzia. Aos poucos, examinamos distintas perspectivas do púlpito que os altos e baixos, níveis e desníveis da encosta nos revelavam. Percebemos que tínhamos subido demais.

Voltamos a descer.

Até que damos com a crista da falésia diagonal sobranceira ao púlpito, o bloco mais vasto de granito de que se destacava a famosa formação.

 

Dali, contemplamos o encaixe ideal da superfície quadrada no caudal do fiorde, prolongado até perder de vista. Não fossem as nuvens, quem sabe se não lhe veríamos até o término.

Instalamo-nos, respiramos fundo. Apreciamos a estranheza religiosa da vida sobre o bloco de granito que todos aqueles crentes continuavam a louvar.

Sessão Fotográfica sobre um Púlpito Abismal

Surgem uns noivos, de vestido branco e fato da cerimónia, mas em modo de sessão fotográfica.

Pouco depois de chegar a sua vez na fila e de se posicionarem, o sol afasta as nuvens, à laia de bênção divina e, como um foco sobrenatural, incide quase só do púlpito para cá e nos noivos que sobre o rochedo se destacavam.

Preikestolen, Rocha do Púlpito, Noivos

Voltamos a fotografar tudo o que dali tínhamos já fotografado, entusiasmados e agraciados pela dádiva de luz com que já não contávamos.

O milagre durou o que durou.

Mal as nuvens recuperaram a sua sombra, inaugurámos o longo regresso pedestre, rodoviário e hidroviário a Stavanger.

Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Magma Geopark, Noruega

Uma Noruega Algo Lunar

Se recuássemos aos confins geológicos do tempo, encontraríamos o sudoeste da Noruega repleto de enormes montanhas e de um magma incandescente que sucessivos glaciares viriam a moldar. Os cientistas apuraram que o mineral ali predominante é mais comum na Lua que na Terra. Vários dos cenários que exploramos no vasto Magma Geopark da região parecem tirados do nosso grande satélite natural.
Flam a Balestrand, Noruega

Onde as Montanhas Cedem aos Fiordes

A estação final do Flam Railway, marca o término da descida ferroviária vertiginosa das terras altas de Hallingskarvet às planas de Flam. Nesta povoação demasiado pequena para a sua fama, deixamos o comboio e navegamos pelo fiorde de Aurland abaixo rumo à prodigiosa Balestrand.
Stavanger, Noruega

A Cidade Motora da Noruega

A abundância de petróleo e gás natural ao largo e a sediação das empresas encarregues de os explorarem promoveram Stavanger de capital da conserva a capital energética norueguesa. Nem assim esta cidade se conformou. Com um legado histórico prolífico, às portas de um fiorde majestoso, há muito que a cosmopolita Stavanger impele a Terra do Sol da Meia-Noite.
Bergen, Noruega

O Grande Porto Hanseático da Noruega

Já povoada no início do século XI, Bergen chegou a capital, monopolizou o comércio do norte norueguês e, até 1830, manteve-se uma das maiores cidades da Escandinávia. Hoje, Oslo lidera a nação. Bergen continua a destacar-se pela sua exuberância arquitectónica, urbanística e histórica.
Balestrand, Noruega

Balestrand: uma Vida Entre Fiordes

São comuns as povoações nas encostas dos desfiladeiros da Noruega. Balestrand está à entrada de três. Os seus cenários destacam-se de tal forma dos demais que atraíram pintores famosos e continuam a seduzir viajantes intrigados.
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Sigiriya, Sri Lanka

A Capital Fortaleza de um Rei Parricida

Kashyapa I chegou ao poder após emparedar o monarca seu pai. Receoso de um provável ataque do irmão herdeiro do trono, mudou a principal cidade do reino para o cimo de um pico de granito. Hoje, o seu excêntrico refúgio está mais acessível que nunca e permitiu-nos explorar o enredo maquiavélico deste drama cingalês.
Alcatraz, São Francisco, E.U.A.

De Volta ao Rochedo

Quarenta anos passados sobre o fim da sua pena, a ex-prisão de Alcatraz recebe mais visitas que nunca. Alguns minutos da sua reclusão explicam porque o imaginário do The Rock arrepiava os piores criminosos.
Monte Kyaiktiyo, Myanmar

A Rocha Dourada e em Equilíbrio de Buda

Andamos à descoberta de Rangum quando nos inteiramos do fenómeno da Rocha Dourada. Deslumbrados pelo seu equilíbrio dourado e sagrado, juntamo-nos à peregrinação já secular dos birmaneses ao Monte Kyaiktyo.
Vereda Terra Chã e Pico Branco, Porto Santo

Pico Branco, Terra Chã e Outros Caprichos da Ilha Dourada

No seu recanto nordeste, Porto Santo é outra coisa. De costas voltadas para o sul e para a sua grande praia, desvendamos um litoral montanhoso, escarpado e até arborizado, pejado de ilhéus que salpicam um Atlântico ainda mais azul.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Luderitz, Namibia
Arquitectura & Design
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Cerimónias e Festividades
Pentecostes, Vanuatu

Naghol: O Bungee Jumping sem Modernices

Em Pentecostes, no fim da adolescência, os jovens lançam-se de uma torre apenas com lianas atadas aos tornozelos. Cordas elásticas e arneses são pieguices impróprias de uma iniciação à idade adulta.
MAL(E)divas
Cidades
Malé, Maldivas

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, Malé, a capital das Maldivas, pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano  genuíno que as brochuras turísticas omitem.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Um contra todos, Mosteiro de Sera, Sagrado debate, Tibete
Cultura
Lhasa, Tibete

Sera, o Mosteiro do Sagrado Debate

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
voos baratos, comprar voos baratos, bilhetes de avião baratos,
Em Viagem
Viajar Não Custa

Compre Voos Antes de os Preços Descolarem

Conseguir voos baratos tornou-se quase uma ciência. Fique a par dos princípios porque se rege o mercado das tarifas aéreas e evite o desconforto financeiro de comprar em má hora.
Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Étnico
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
Portfólio Fotográfico Got2Globe

A Vida Lá Fora

bangka, lago kayangan, coron, busuanga, filipinas
História
Coron, Busuanga, Filipinas

A Armada Japonesa Secreta mas Pouco

Na 2ª Guerra Mundial, uma frota nipónica falhou em ocultar-se ao largo de Busuanga e foi afundada pelos aviões norte-americanos. Hoje, os seus destroços subaquáticos atraem milhares de mergulhadores.
Moa numa praia de Rapa Nui/Ilha da Páscoa
Ilhas
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Sombra vs Luz
Literatura
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
viagem austrália ocidental, Surfspotting
Natureza
Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Vulcão ijen, Escravos do Enxofre, Java, Indonesia
Parques Naturais
Vulcão Ijen, Indonésia

Os Escravos do Enxofre do Vulcão Ijen

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.
Playa Nogales, La Palma, Canárias
Património Mundial UNESCO
La Palma, Canárias

A Isla Bonita das Canárias

Em 1986, Madonna Louise Ciccone lançou um êxito que popularizou a atracção exercida por uma isla imaginária. Ambergris Caye, no Belize, colheu proveitos. Do lado de cá do Atlântico, há muito que os palmeros assim veem a sua real e deslumbrante Canária.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.
Cahuita, Costa Rica, Caribe, praia
Praias
Cahuita, Costa Rica

Um Regresso Adulto a Cahuita

Durante um périplo mochileiro pela Costa Rica, de 2003, deliciamo-nos com o aconchego caribenho de Cahuita. Em 2021, decorridos 18 anos, voltamos. Além de uma esperada, mas comedida modernização e hispanização do pueblo, pouco mais tinha mudado.
Ulugh Beg, Astrónomo, Samarcanda, Uzbequistão, Um matrimónio espacial
Religião
Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua.
Sobre carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Walter Peak, Queenstown, Nova Zelandia
Sociedade
Nova Zelândia  

Quando Contar Ovelhas Tira o Sono

Há 20 anos, a Nova Zelândia tinha 18 ovinos por cada habitante. Por questões políticas e económicas, a média baixou para metade. Nos antípodas, muitos criadores estão preocupados com o seu futuro.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
EN FR PT ES