Sesimbra, Portugal

Uma Vila Tocada por Midas


Ao Abrigo do Forte
Sesimbra do Alto
Arquitectura da Vila
O Altar do Forte
Acima de Tudo, o Castelo
Em Honra de Baúça
Em Época de Papoila
Acima de Tudo, o Castelo II
Sol Forte
Praia do Ouro @ Sesimbra
Manobras
Essência de Sesimbra
O Castelo apontado à Vila
Pescador António Lourenço
O “Leãozinho”
Em Busca de
Praia Ribeiro do Cavalo
Duo Pesqueiro
Lancha Apontada
O Casario Sesimbrense
Não são só a Praia da Califórnia e a do Ouro que a encerram a sul. Abrigada das fúrias do ocidente atlântico, prendada com outras enseadas imaculadas e dotada de fortificações seculares, Sesimbra é, hoje, um porto de abrigo piscatório e balnear precioso.

A meio da Primavera, nem todos os dias têm a meteorologia perfeita.

O vento sopra um pouco mais forte, a espaços, desviado de oeste, pelo que a Serra do Risco acima nem sempre o barra da fortaleza mandada erguer por D. João IV.

Concluído em 1648, o forte provou-se fulcral no movimento da Restauração da Independência.

Já no reinado seguinte, serviu de balneário aos vários filhos bastardos de D. João V, conhecidos como Meninos de Palhavã, até que lhe foi restituída a merecida dignidade, nomeado sede do Governo das Armas da Região que liderava as defesas mais próximas.

Junto de uma das guaridas que se destacam da estrutura, percebemos a actual função vital da Fortaleza de Santiago.

Hoje, mal-habituada ao aconchego estival da enseada, a comunidade internacional de banhistas ajusta-se a ela como pode, em fuga do desconforto intermitente.

Sol, Praia e o Melhor Peixe do Mundo

No dia seguinte, a bonança retorna à vila e uma multidão ansiosa salpica o areal desafogado.

A água tinha amornado um pouco. A garantia do sol quente no regresso às toalhas provava-se suficiente para incentivar banhos revigorantes, em tons de verde-esmeralda.

Uma hora depois, também os restaurantes logo acima do Ouro e da Califórnia ficam à pinha. Muitos dos visitantes de Sesimbra chegam pela beleza e pelo privilégio das suas praias.

Outros, pela simplicidade e excelência da gastronomia do mar, pelos grelhados de tudo um pouco, peixe foi coisa que nunca faltou, ao largo, com qualidade tal que Sesimbra o proclama, sem cerimónias ,“o melhor do Mundo”, tal como proferido por vários chefs de cozinha portugueses incontornáveis.

Mesmo se a frota pesqueira da vila diminuiu com os tempos, a que subsiste, continua a abastecer os restaurantes e a deliciar os convivas.

Em tempos, era dos areais longos de ambos os lados do Forte da Praia (como é também conhecida a fortaleza) que os pescadores zarpavam.

Praias para um Lado, Pesca para o Outro

A eles regressavam e lá se entregavam à arte xávega que resiste, em Sesimbra. Mais recentemente, a notoriedade turística da vila obrigou a um reordenamento.

Os areais dourados ficaram, em pleno, para turistas e banhistas.

Os pescadores, lota, polícia marítima, docas e afins foram agrupados no recanto oeste da enseada, com as embarcações e restantes estruturas protegidas a dobrar pelo grande pontão que as autoridades dotaram de um farol providencial.

Malgrado o muito por explorar no centro histórico da povoação, desviamos para a área do porto.

O Regresso das Traineiras, a uma Hora de Almoço Tardia

Por lá deambulamos, entre gaivotas oportunistas que bicam os restos das redes, acima de cardumes de grandes peixes que patrulham as águas translúcidas e vedadas.

Passamos por trabalhadores que recuperam embarcações, nem todas de pesca.

Por grupos de pescadores que partilham mesas e repastos, com turnos distintos dos embarcados, prestes a amararem por ali mesmo, carregados de polvo e peixe-espada.

O “Leãozinho”, todo pintado de verde, sem deixar espaço a dúvidas.

O “Nossa Fé”, verde-e-branco, de crença no destino e, assim diríamos, no mesmo êxito clubístico do “Leãozinho”.

Os pescadores de Sesimbra mantêm o seu sotaque pexito da região e ainda pescam em família.

Do nada, António Lourenço, ancião de 91 anos, muito bem conservado, aparece a empurrar um carrinho com caixas.

Os filhos tinham terminado de descarregar os polvos na doca oposta. Uma vez arrumadas as caixas vazias, podiam juntar-se, com um neto que já sai para o mar, à mesa da sua família.

Perguntamos-lhes, na brincadeira, se os polvos ainda caem naquele truque, se não deslindaram já as armadilhas. “Olhe, até ver, parece que não!”, afiançam-nos, bem-dispostos.

“Esperemos que não aprendam tão cedo. Os polvos vendem-se bem que se farta e são caros.”

A Pesca num Atlântico Inclemente, como Sempre

Aproveitamos o embalo. Indagamos ao Sr. Lourenço se a pesca continua tão dura como sempre. “É a mesma coisa!” confirma-nos sem apelo. “Já viram aquele mar lá pró Cabo Espichel?

Aquilo, quando somos apanhados de surpresa, é terrível.

E há barcos que vão daqui até Peniche e voltam. Há uns anos, foi um ao fundo com onze ou doze homens.”

Ficamos esclarecidos. Libertamo-lo para o almoço que já tardava.  Regressamos ao centro.

As gaivotas também por ali esvoaçam, atraídas pelos arranjos, pelos restos e aromas emanados pelos restaurantes.

Não obstante a inevitável gentrificação, muitos pescadores habitam as casas de infância do centro que, devemos sublinhá-lo, ainda se faz de costumes e tradições.

Murais de Homenagem e a Cultura Pexita de Sesimbra

Caminhamos Rua da Fortaleza e Av. 25 de Abril fora, aqui e ali, com incursões a ruas e ruelas interiores à marginal, atentos aos murais que louvam a vida dura dos pescadores e decoram a cidade.

O do Largo de Bombaldes, homenageia Serafim Painho, Mestre Baúça (1933-2019), pescador emblemático da vila e da arte xávega.

A pouca distância, encontramos o artista João da Kruz, compenetrado a decorar mais uma caixa de circuitos de Sesimbra com personagens e frases pexitas, saídas de uma qualquer conversa de rua: “Choques e lulas?? Safa já a giga!!! Squééiste !!!

A tradição pexita vem de há muito e está um pouco por todo o lado, na vila.

Subsiste por exemplo, ao balcão da padaria-pastelaria “A Camponesa”, conhecida como Joaquim do Moinho, que expõe um amontoado equilibrado de farinha torrada e um trunfo gastronómico histórico da região.

Farinha Torrada: Sobremesa e Refeição, de Geração em Geração

A determinada altura, a farinha torrada popularizou-se como o doce por excelência de Sesimbra. As famílias confecionavam-na com farinha, ovos, açúcar amarelo, chocolate, canela e raspas de limão.

Os ovos e o chocolate, dispendiosos, eram usados em pouca quantidade. Por essa razão, em pouco tempo, farinha torrada endurecia.

Por um lado, o seu consumo tornava-se desafiante. Por outro, as fatias resistiam a quase tudo.

Foi consumida com fins terapêuticos, em casos de constipações e de tosses, maleitas que se acreditava que eram curadas mais depressa se a farinha fosse acompanhada de cerveja preta.

Os pescadores, em particular, habituaram-se a levá-la para bordo dos barcos, a contar com o estímulo adocicado e alimado imediato e com o poder energético de cada barra.

Sesimbra e As Origens Remotas na Póvoa Ribeirinha

Logo abaixo, no fundo da escadaria calçada que serve o Largo Euzébio Leão, surge um chafariz de quatro bicas, em tempos partilhado pelos sesimbrenses.

Uns meros metros a sul, destaca-se de um outro largo o pelourinho da vila, uma réplica do original do sec. XVI, destruído já durante o séc. XX e reerguido em 1988.

Sesimbra é bem mais antiga que o seu pelourinho original.

A pesca na zona é anterior ao século XIII. Em 1201, D. Sancho proclamou, via Foral, que deveria ser pago um soldo por pescado, razão de sérios proveitos para a Coroa.

Desde os tempos romanos que os cardumes abundavam ao largo.

De tal maneira que, já com a Idade Média para trás, a Ordem de Santiago relatava ao rei D. Sancho II que até navios estrangeiros ali pescavam ao largo.

Na origem e até ao sec. XVI, a vila concentrava-se nos quase 300 metros de altitude, dentro do castelo que D. Afonso Henriques conquistou, mas perdeu para os Almoádas.

E que, sobre o virar para o século XII, D. Sancho I reconquistou de vez, após o que oficializou a povoação, mediante foral.

Com o tempo e a prioridade da pesca, da construção naval e de outras actividades marítimas fomentadas em redor da original Póvoa Ribeirinha, Sesimbra desceu em peso para a beira-mar.

O castelo continua a impor-lhe as suas torres de menagem e ameias seculares.

O Castelo Imponente de Sesimbra

Quando o apreciamos, a partir do miradouro do baloiço panorâmico Facho de Santana, entre moinhos algo quixotescos, maravilha-nos, como uma miragem amarelada a pairar entre a floresta de pinheiros mansos e as nuvens.

Sesimbra é pródiga neste tipo de visões apaixonantes. Momentos depois, de volta à beira-mar, vivemos outra.

Com o porto e o Forte do Cavalo para trás, uma estrada de brita conduz-nos serrania acima. Uma curva pronunciada aponta-a a Sentrão.

Por essa altura, deixamo-la para um trilho indefinido, ramificado na vegetação densa.

A Visão Atlântica Surreal da Praia do Ribeiro do Cavalo

Aos poucos, o trilho desce para um talvegue pronunciado, o do Ribeiro do Cavalo. Por ele, descemos para os fundos da vertente.

Duas figueiras cheirosas prenunciam um areal arredondado.

E esse areal, um mar imóvel, translúcido, num tom exuberante de turquesa que contrasta com as falésias de calcário e com a areia fina, quanto mais próxima do Atlântico, mais dourada.

Os dias sucediam-se. Sesimbra continuava a deslumbrar-nos.

Sem termos como lhe resistir, enfiamo-nos na água, chapinhamos, nadamos entre os penhascos felizardos, estimulados a dobrar pelo muito que ainda tínhamos por descobrir.

ONDE FICAR EM SESIMBRA:

Four Points By Sheraton Sesimbra

https://fourpointsbysheratonsesimbra.com-hotel.com/pt/

Tel.: +351 21 051 8370

Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Ilha Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Castro Laboreiro, Portugal  

Do Castro de Laboreiro à Raia da Serra Peneda - Gerês

Chegamos à (i) eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Montalegre, Portugal

Pelo Alto do Barroso, Cimo de Trás-os-Montes

Mudamo-nos das Terras de Bouro para as do Barroso. Com base em Montalegre, deambulamos à descoberta de Paredes do Rio, Tourém, Pitões das Júnias e o seu mosteiro, povoações deslumbrantes do cimo raiano de Portugal. Se é verdade que o Barroso já teve mais habitantes, visitantes não lhe deviam faltar.
Porto Santo, Portugal

Louvada Seja a Ilha do Porto Santo

Descoberta durante uma volta do mar tempestuosa, Porto Santo mantem-se um abrigo providencial. Inúmeros aviões que a meteorologia desvia da vizinha Madeira garantem lá o seu pouso. Como o fazem, todos os anos, milhares de veraneantes rendidos à suavidade e imensidão da praia dourada e à exuberância dos cenários vulcânicos.
Pico do Arieiro - Pico Ruivo, Madeira, Portugal

Pico Arieiro ao Pico Ruivo, Acima de um Mar de Nuvens

A jornada começa com uma aurora resplandecente aos 1818 m, bem acima do mar de nuvens que aconchega o Atlântico. Segue-se uma caminhada sinuosa e aos altos e baixos que termina sobre o ápice insular exuberante do Pico Ruivo, a 1861 metros.
Paul do Mar a Ponta do Pargo a Achadas da Cruz, Madeira, Portugal

À Descoberta da Finisterra Madeirense

Curva atrás de curva, túnel atrás de túnel, chegamos ao sul solarengo e festivo de Paul do Mar. Arrepiamo-nos com a descida ao retiro vertiginoso das Achadas da Cruz. Voltamos a ascender e deslumbramo-nos com o cabo derradeiro de Ponta do Pargo. Tudo isto, nos confins ocidentais da Madeira.
Vereda Terra Chã e Pico Branco, Porto Santo

Pico Branco, Terra Chã e Outros Caprichos da Ilha Dourada

No seu recanto nordeste, Porto Santo é outra coisa. De costas voltadas para o sul e para a sua grande praia, desvendamos um litoral montanhoso, escarpado e até arborizado, pejado de ilhéus que salpicam um Atlântico ainda mais azul.
Graciosa, Açores

Sua Graça a Graciosa

Por fim, desembarcarmos na Graciosa, a nossa nona ilha dos Açores. Mesmo se menos dramática e verdejante que as suas vizinhas, a Graciosa preserva um encanto atlântico que é só seu. Quem tem o privilégio de o viver, leva desta ilha do grupo central uma estima que fica para sempre.
Sistelo, Peneda-Gerês, Portugal

Do "Pequeno Tibete Português" às Fortalezas do Milho

Deixamos as fragas da Srª da Peneda, rumo a Arcos de ValdeVez e às povoações que um imaginário erróneo apelidou de Pequeno Tibete Português. Dessas aldeias socalcadas, passamos por outras famosas por guardarem, como tesouros dourados e sagrados, as espigas que colhem. Caprichoso, o percurso revela-nos a natureza resplandecente e a fertilidade verdejante destas terras da Peneda-Gerês.
Campos de Gerês -Terras de Bouro, Portugal

Pelos Campos do Gerês e as Terras de Bouro

Prosseguimos num périplo longo e ziguezagueante pelos domínios da Peneda-Gerês e de Bouro, dentro e fora do nosso único Parque Nacional. Nesta que é uma das zonas mais idolatradas do norte português.
Corvo, Açores

O Abrigo Atlântico Inverosímil da Ilha do Corvo

17 km2 de vulcão afundado numa caldeira verdejante. Uma povoação solitária assente numa fajã. Quatrocentas e trinta almas aconchegadas pela pequenez da sua terra e pelo vislumbre da vizinha Flores. Bem-vindo à mais destemida das ilhas açorianas.
São Jorge, Açores

De Fajã em Fajã

Abundam, nos Açores, faixas de terra habitável no sopé de grandes falésias. Nenhuma outra ilha tem tantas fajãs como as mais de 70 da esguia e elevada São Jorge. Foi nelas que os jorgenses se instalaram. Nelas assentam as suas atarefadas vidas atlânticas.
Funchal, Madeira

Portal para um Portugal Quase Tropical

A Madeira está situada a menos de 1000km a norte do Trópico de Câncer. E a exuberância luxuriante que lhe granjeou o cognome de ilha jardim do Atlântico desponta em cada recanto da sua íngreme capital.
Ponta de São Lourenço, Madeira, Portugal

A Ponta Leste, algo Extraterrestre da Madeira

Inóspita, de tons ocres e de terra crua, a Ponta de São Lourenço surge, com frequência, como a primeira vista da Madeira. Quando a percorremos, deslumbramo-nos, sobretudo, com o que a mais tropical das ilhas portuguesas não é.
Vale das Furnas, São Miguel

O Calor Açoriano do Vale das Furnas

Surpreendemo-nos, na maior ilha dos Açores, com uma caldeira retalhada por minifúndios agrícolas, massiva e profunda ao ponto de abrigar dois vulcões, uma enorme lagoa e quase dois mil micaelenses. Poucos lugares do arquipélago são, ao mesmo tempo, tão grandiosos e acolhedores como o verdejante e fumegante Vale das Furnas.
Ilhéu de Cima, Porto Santo, Portugal

A Primeira Luz de Quem Navega de Cima

Integra o grupo dos seis ilhéus em redor da Ilha de Porto Santo mas está longe de ser apenas mais um. Mesmo sendo o ponto limiar oriental do arquipélago da Madeira, é o ilhéu mais próximo dos portosantenses. À noite, também faz do fanal que confirma às embarcações vindas da Europa o bom rumo.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Uma Cidade Perdida e Achada
Arquitectura & Design
Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Cerimónias e Festividades
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia – Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Viagem na História de Santa Cruz de La Palma, Canárias, Varandas Avenida Marítima
Cidades
Santa Cruz de La Palma, Canárias

A Viagem na História de Santa Cruz de La Palma

Começou como mera Villa del Apurón. Chegado o séc. XVI, a povoação não só tinha ultrapassado as suas dificuldades como era já a terceira cidade portuária da Europa. Herdeira dessa abençoada prosperidade, Santa Cruz de La Palma tornou-se uma das capitais mais elegantes das Canárias.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Mar-de-Parra
Cultura
Mendoza, Argentina

Viagem por Mendoza, a Grande Província Enóloga Argentina

Os missionários espanhóis perceberam, no século XVI, que a zona estava talhada para a produção do “sangue de Cristo”. Hoje, a província de Mendoza está no centro da maior região enóloga da América Latina.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Em Viagem
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Étnico
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Santo Sepulcro, Jerusalém, igrejas cristãs, sacerdote com insensário
História
Basílica Santo Sepúlcro, Jerusalém, Israel

O Templo Supremo das Velhas Igrejas Cristãs

Foi mandada construir pelo imperador Constantino, no lugar da Crucificação e Ressurreição de Jesus e de um antigo templo de Vénus. Na génese, uma obra Bizantina, a Basílica do Santo Sepúlcro é, hoje, partilhada e disputada por várias denominações cristãs como o grande edifício unificador do Cristianismo.
Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Ilhas
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Inverno Branco
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Literatura
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Preikestolen, Rocha do Púlpito, trono arriscado
Natureza
Preikestolen - Rocha do Púlpito, Noruega

Peregrinação ao Púlpito de Rocha da Noruega

Não faltam cenários grandiosos à Noruega dos fiordes sem fim. Em pleno fiorde de Lyse, o cimo destacado, alisado e quase quadrado de uma falésia com mais de 600 metros forma um inesperado púlpito rochoso. Subir às suas alturas, espreitar os precipícios e apreciar os panoramas em redor tem muito de revelação.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Vista do John Ford Point, Monument Valley, Nacao Navajo, Estados Unidos
Parques Naturais
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Mahé Ilhas das Seychelles, amigos da praia
Património Mundial UNESCO
Mahé, Seychelles

A Ilha Grande das Pequenas Seychelles

Mahé é maior das ilhas do país mais diminuto de África. Alberga a capital da nação e quase todos os seichelenses. Mas não só. Na sua relativa pequenez, oculta um mundo tropical deslumbrante, feito de selva montanhosa que se funde com o Índico em enseadas de todos os tons de mar.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.
Lifou, Ilhas Lealdade, Nova Caledónia, Mme Moline popinée
Praias
Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.
Estante Sagrada
Religião
Tsfat (Safed), Israel

Quando a Cabala é Vítima de Si Mesma

Nos anos 50, Tsfat congregava a vida artística da jovem nação israelita e recuperava a sua mística secular. Mas convertidos famosos como Madonna vieram perturbar a mais elementar discrição cabalista.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre Carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Sociedade
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Mesmo em tempos de paz, detectamos militares por todo o lado. A postos, nas cidades, cumprem missões rotineiras que requerem rigor e paciência.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Vai-e-vem fluvial
Vida Selvagem
Iriomote, Japão

Iriomote, uma Pequena Amazónia do Japão Tropical

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.