Sesimbra, Portugal

Uma Vila Tocada por Midas


Ao Abrigo do Forte
Sesimbra do Alto
Arquitectura da Vila
O Altar do Forte
Acima de Tudo, o Castelo
Em Honra de Baúça
Em Época de Papoila
Acima de Tudo, o Castelo II
Sol Forte
Praia do Ouro @ Sesimbra
Manobras
Essência de Sesimbra
O Castelo apontado à Vila
Pescador António Lourenço
O “Leãozinho”
Em Busca de
Praia Ribeiro do Cavalo
Duo Pesqueiro
Lancha Apontada
O Casario Sesimbrense
Não são só a Praia da Califórnia e a do Ouro que a encerram a sul. Abrigada das fúrias do ocidente atlântico, prendada com outras enseadas imaculadas e dotada de fortificações seculares, Sesimbra é, hoje, um porto de abrigo piscatório e balnear precioso.

A meio da Primavera, nem todos os dias têm a meteorologia perfeita.

O vento sopra um pouco mais forte, a espaços, desviado de oeste, pelo que a Serra do Risco acima nem sempre o barra da fortaleza mandada erguer por D. João IV.

Concluído em 1648, o forte provou-se fulcral no movimento da Restauração da Independência.

Já no reinado seguinte, serviu de balneário aos vários filhos bastardos de D. João V, conhecidos como Meninos de Palhavã, até que lhe foi restituída a merecida dignidade, nomeado sede do Governo das Armas da Região que liderava as defesas mais próximas.

Junto de uma das guaridas que se destacam da estrutura, percebemos a actual função vital da Fortaleza de Santiago.

Hoje, mal-habituada ao aconchego estival da enseada, a comunidade internacional de banhistas ajusta-se a ela como pode, em fuga do desconforto intermitente.

Sol, Praia e o Melhor Peixe do Mundo

No dia seguinte, a bonança retorna à vila e uma multidão ansiosa salpica o areal desafogado.

A água tinha amornado um pouco. A garantia do sol quente no regresso às toalhas provava-se suficiente para incentivar banhos revigorantes, em tons de verde-esmeralda.

Uma hora depois, também os restaurantes logo acima do Ouro e da Califórnia ficam à pinha. Muitos dos visitantes de Sesimbra chegam pela beleza e pelo privilégio das suas praias.

Outros, pela simplicidade e excelência da gastronomia do mar, pelos grelhados de tudo um pouco, peixe foi coisa que nunca faltou, ao largo, com qualidade tal que Sesimbra o proclama, sem cerimónias ,“o melhor do Mundo”, tal como proferido por vários chefs de cozinha portugueses incontornáveis.

Mesmo se a frota pesqueira da vila diminuiu com os tempos, a que subsiste, continua a abastecer os restaurantes e a deliciar os convivas.

Em tempos, era dos areais longos de ambos os lados do Forte da Praia (como é também conhecida a fortaleza) que os pescadores zarpavam.

Praias para um Lado, Pesca para o Outro

A eles regressavam e lá se entregavam à arte xávega que resiste, em Sesimbra. Mais recentemente, a notoriedade turística da vila obrigou a um reordenamento.

Os areais dourados ficaram, em pleno, para turistas e banhistas.

Os pescadores, lota, polícia marítima, docas e afins foram agrupados no recanto oeste da enseada, com as embarcações e restantes estruturas protegidas a dobrar pelo grande pontão que as autoridades dotaram de um farol providencial.

Malgrado o muito por explorar no centro histórico da povoação, desviamos para a área do porto.

O Regresso das Traineiras, a uma Hora de Almoço Tardia

Por lá deambulamos, entre gaivotas oportunistas que bicam os restos das redes, acima de cardumes de grandes peixes que patrulham as águas translúcidas e vedadas.

Passamos por trabalhadores que recuperam embarcações, nem todas de pesca.

Por grupos de pescadores que partilham mesas e repastos, com turnos distintos dos embarcados, prestes a amararem por ali mesmo, carregados de polvo e peixe-espada.

O “Leãozinho”, todo pintado de verde, sem deixar espaço a dúvidas.

O “Nossa Fé”, verde-e-branco, de crença no destino e, assim diríamos, no mesmo êxito clubístico do “Leãozinho”.

Os pescadores de Sesimbra mantêm o seu sotaque pexito da região e ainda pescam em família.

Do nada, António Lourenço, ancião de 91 anos, muito bem conservado, aparece a empurrar um carrinho com caixas.

Os filhos tinham terminado de descarregar os polvos na doca oposta. Uma vez arrumadas as caixas vazias, podiam juntar-se, com um neto que já sai para o mar, à mesa da sua família.

Perguntamos-lhes, na brincadeira, se os polvos ainda caem naquele truque, se não deslindaram já as armadilhas. “Olhe, até ver, parece que não!”, afiançam-nos, bem-dispostos.

“Esperemos que não aprendam tão cedo. Os polvos vendem-se bem que se farta e são caros.”

A Pesca num Atlântico Inclemente, como Sempre

Aproveitamos o embalo. Indagamos ao Sr. Lourenço se a pesca continua tão dura como sempre. “É a mesma coisa!” confirma-nos sem apelo. “Já viram aquele mar lá pró Cabo Espichel?

Aquilo, quando somos apanhados de surpresa, é terrível.

E há barcos que vão daqui até Peniche e voltam. Há uns anos, foi um ao fundo com onze ou doze homens.”

Ficamos esclarecidos. Libertamo-lo para o almoço que já tardava.  Regressamos ao centro.

As gaivotas também por ali esvoaçam, atraídas pelos arranjos, pelos restos e aromas emanados pelos restaurantes.

Não obstante a inevitável gentrificação, muitos pescadores habitam as casas de infância do centro que, devemos sublinhá-lo, ainda se faz de costumes e tradições.

Murais de Homenagem e a Cultura Pexita de Sesimbra

Caminhamos Rua da Fortaleza e Av. 25 de Abril fora, aqui e ali, com incursões a ruas e ruelas interiores à marginal, atentos aos murais que louvam a vida dura dos pescadores e decoram a cidade.

O do Largo de Bombaldes, homenageia Serafim Painho, Mestre Baúça (1933-2019), pescador emblemático da vila e da arte xávega.

A pouca distância, encontramos o artista João da Kruz, compenetrado a decorar mais uma caixa de circuitos de Sesimbra com personagens e frases pexitas, saídas de uma qualquer conversa de rua: “Choques e lulas?? Safa já a giga!!! Squééiste !!!

A tradição pexita vem de há muito e está um pouco por todo o lado, na vila.

Subsiste por exemplo, ao balcão da padaria-pastelaria “A Camponesa”, conhecida como Joaquim do Moinho, que expõe um amontoado equilibrado de farinha torrada e um trunfo gastronómico histórico da região.

Farinha Torrada: Sobremesa e Refeição, de Geração em Geração

A determinada altura, a farinha torrada popularizou-se como o doce por excelência de Sesimbra. As famílias confecionavam-na com farinha, ovos, açúcar amarelo, chocolate, canela e raspas de limão.

Os ovos e o chocolate, dispendiosos, eram usados em pouca quantidade. Por essa razão, em pouco tempo, farinha torrada endurecia.

Por um lado, o seu consumo tornava-se desafiante. Por outro, as fatias resistiam a quase tudo.

Foi consumida com fins terapêuticos, em casos de constipações e de tosses, maleitas que se acreditava que eram curadas mais depressa se a farinha fosse acompanhada de cerveja preta.

Os pescadores, em particular, habituaram-se a levá-la para bordo dos barcos, a contar com o estímulo adocicado e alimado imediato e com o poder energético de cada barra.

Sesimbra e As Origens Remotas na Póvoa Ribeirinha

Logo abaixo, no fundo da escadaria calçada que serve o Largo Euzébio Leão, surge um chafariz de quatro bicas, em tempos partilhado pelos sesimbrenses.

Uns meros metros a sul, destaca-se de um outro largo o pelourinho da vila, uma réplica do original do sec. XVI, destruído já durante o séc. XX e reerguido em 1988.

Sesimbra é bem mais antiga que o seu pelourinho original.

A pesca na zona é anterior ao século XIII. Em 1201, D. Sancho proclamou, via Foral, que deveria ser pago um soldo por pescado, razão de sérios proveitos para a Coroa.

Desde os tempos romanos que os cardumes abundavam ao largo.

De tal maneira que, já com a Idade Média para trás, a Ordem de Santiago relatava ao rei D. Sancho II que até navios estrangeiros ali pescavam ao largo.

Na origem e até ao sec. XVI, a vila concentrava-se nos quase 300 metros de altitude, dentro do castelo que D. Afonso Henriques conquistou, mas perdeu para os Almoádas.

E que, sobre o virar para o século XII, D. Sancho I reconquistou de vez, após o que oficializou a povoação, mediante foral.

Com o tempo e a prioridade da pesca, da construção naval e de outras actividades marítimas fomentadas em redor da original Póvoa Ribeirinha, Sesimbra desceu em peso para a beira-mar.

O castelo continua a impor-lhe as suas torres de menagem e ameias seculares.

O Castelo Imponente de Sesimbra

Quando o apreciamos, a partir do miradouro do baloiço panorâmico Facho de Santana, entre moinhos algo quixotescos, maravilha-nos, como uma miragem amarelada a pairar entre a floresta de pinheiros mansos e as nuvens.

Sesimbra é pródiga neste tipo de visões apaixonantes. Momentos depois, de volta à beira-mar, vivemos outra.

Com o porto e o Forte do Cavalo para trás, uma estrada de brita conduz-nos serrania acima. Uma curva pronunciada aponta-a a Sentrão.

Por essa altura, deixamo-la para um trilho indefinido, ramificado na vegetação densa.

A Visão Atlântica Surreal da Praia do Ribeiro do Cavalo

Aos poucos, o trilho desce para um talvegue pronunciado, o do Ribeiro do Cavalo. Por ele, descemos para os fundos da vertente.

Duas figueiras cheirosas prenunciam um areal arredondado.

E esse areal, um mar imóvel, translúcido, num tom exuberante de turquesa que contrasta com as falésias de calcário e com a areia fina, quanto mais próxima do Atlântico, mais dourada.

Os dias sucediam-se. Sesimbra continuava a deslumbrar-nos.

Sem termos como lhe resistir, enfiamo-nos na água, chapinhamos, nadamos entre os penhascos felizardos, estimulados a dobrar pelo muito que ainda tínhamos por descobrir.

ONDE FICAR EM SESIMBRA:

Four Points By Sheraton Sesimbra

https://fourpointsbysheratonsesimbra.com-hotel.com/pt/

Tel.: +351 21 051 8370

Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Ilha Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Castro Laboreiro, Portugal  

Do Castro de Laboreiro à Raia da Serra Peneda - Gerês

Chegamos à (i) eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Montalegre, Portugal

Pelo Alto do Barroso, Cimo de Trás-os-Montes

Mudamo-nos das Terras de Bouro para as do Barroso. Com base em Montalegre, deambulamos à descoberta de Paredes do Rio, Tourém, Pitões das Júnias e o seu mosteiro, povoações deslumbrantes do cimo raiano de Portugal. Se é verdade que o Barroso já teve mais habitantes, visitantes não lhe deviam faltar.
Porto Santo, Portugal

Louvada Seja a Ilha do Porto Santo

Descoberta durante uma volta do mar tempestuosa, Porto Santo mantem-se um abrigo providencial. Inúmeros aviões que a meteorologia desvia da vizinha Madeira garantem lá o seu pouso. Como o fazem, todos os anos, milhares de veraneantes rendidos à suavidade e imensidão da praia dourada e à exuberância dos cenários vulcânicos.
Pico do Arieiro - Pico Ruivo, Madeira, Portugal

Pico Arieiro ao Pico Ruivo, Acima de um Mar de Nuvens

A jornada começa com uma aurora resplandecente aos 1818 m, bem acima do mar de nuvens que aconchega o Atlântico. Segue-se uma caminhada sinuosa e aos altos e baixos que termina sobre o ápice insular exuberante do Pico Ruivo, a 1861 metros.
Paul do Mar a Quebrada Nova, Madeira, Portugal

À Descoberta da Finisterra Madeirense

Curva atrás de curva, túnel atrás de túnel, chegamos ao sul solarengo e festivo de Paul do Mar. Arrepiamo-nos com a descida ao retiro vertiginoso da Quebrada Nova. Voltamos a ascender e deslumbramo-nos com o cabo derradeiro de Ponta do Pargo. Tudo isto, nos confins ocidentais da Madeira.
Vereda Terra Chã e Pico Branco, Porto Santo

Pico Branco, Terra Chã e Outros Caprichos da Ilha Dourada

No seu recanto nordeste, Porto Santo é outra coisa. De costas voltadas para o sul e para a sua grande praia, desvendamos um litoral montanhoso, escarpado e até arborizado, pejado de ilhéus que salpicam um Atlântico ainda mais azul.
Graciosa, Açores

Sua Graça a Graciosa

Por fim, desembarcarmos na Graciosa, a nossa nona ilha dos Açores. Mesmo se menos dramática e verdejante que as suas vizinhas, a Graciosa preserva um encanto atlântico que é só seu. Quem tem o privilégio de o viver, leva desta ilha do grupo central uma estima que fica para sempre.
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
Safari
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
planicie sagrada, Bagan, Myanmar
Arquitectura & Design
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Viagem na História de Santa Cruz de La Palma, Canárias, Varandas Avenida Marítima
Cidades
Santa Cruz de La Palma, Canárias

A Viagem na História de Santa Cruz de La Palma

Começou como mera Villa del Apurón. Chegado o séc. XVI, a povoação não só tinha ultrapassado as suas dificuldades como era já a terceira cidade portuária da Europa. Herdeira dessa abençoada prosperidade, Santa Cruz de La Palma tornou-se uma das capitais mais elegantes das Canárias.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Ilha do Norte, Nova Zelândia, Maori, Tempo de surf
Cultura
Ilha do Norte, Nova Zelândia

Viagem pelo Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
jet lag evitar voo, jetlag, turbulência
Em Viagem
Jet Lag (Parte 1)

Evite a Turbulência do Pós Voo

Quando voamos através de mais que 3 fusos horários, o relógio interno que regula o nosso organismo confunde-se. O máximo que podemos fazer é aliviar o mal-estar que sentimos até se voltar a acertar.
Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Étnico
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

real de Catorce, San Luís Potosi, México, sombras
História
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

De Filão da Nova Espanha a Pueblo Mágico Mexicano

No início do século XIX, era uma das povoações mineiras que mais prata garantia à Coroa Espanhola. Um século depois, a prata tinha-se desvalorizado de tal maneira que Real de Catorce se viu abandonada. A sua história e os cenários peculiares filmados por Hollywood, cotaram-na uma das aldeias preciosas do México.
Caldeirão da Ilha do Corvo, Açores,
Ilhas
Corvo, Açores

O Abrigo Atlântico Inverosímil da Ilha do Corvo

17 km2 de vulcão afundado numa caldeira verdejante. Uma povoação solitária assente numa fajã. Quatrocentas e trinta almas aconchegadas pela pequenez da sua terra e pelo vislumbre da vizinha Flores. Bem-vindo à mais destemida das ilhas açorianas.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Monteverde, Costa Rica, quakers, Reserva Biológica Bosque Nuboso, caminhantes
Natureza
Monteverde, Costa Rica

O Refúgio Ecológico que os Quakers Legaram ao Mundo

Desiludidos com a propensão militar dos E.U.A., um grupo de 44 Quakers migrou para a Costa Rica, nação que havia abolido o exército. Agricultores, criadores de gado, tornaram-se conservacionistas. Viabilizaram um dos redutos naturais mais reverenciados da América Central.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Monte Denali, McKinley, Tecto Sagrado Alasca, América do Norte, cume, Mal de Altitude, Mal de Montanha, Prevenir, Tratar
Parques Naturais
Monte Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.
Sigiriya capital fortaleza: de regresso a casa
Património Mundial UNESCO
Sigiriya, Sri Lanka

A Capital Fortaleza de um Rei Parricida

Kashyapa I chegou ao poder após emparedar o monarca seu pai. Receoso de um provável ataque do irmão herdeiro do trono, mudou a principal cidade do reino para o cimo de um pico de granito. Hoje, o seu excêntrico refúgio está mais acessível que nunca e permitiu-nos explorar o enredo maquiavélico deste drama cingalês.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Tarrafal, Santiago, Cabo Verde, Baía do Tarrafal
Praias
Tarrafal, Santiago, Cabo Verde

O Tarrafal da Liberdade e da Vida Lenta

A vila de Tarrafal delimita um recanto privilegiado da ilha de Santiago, com as suas poucas praias de areia branca. Quem por lá se encanta tem ainda mais dificuldade em entender a atrocidade colonial do vizinho campo prisional.
Cabo Espichel, Santuário da Senhora do Cabo, Sesimbra,
Religião
Lagoa de Albufeira ao Cabo Espichel, Sesimbra, Portugal

Romagem a um Cabo de Culto

Do cimo dos seus 134 metros de altura, o Cabo Espichel revela uma costa atlântica tão dramática como deslumbrante. Com partida na Lagoa de Albufeira a norte, litoral dourado abaixo, aventuramo-nos pelos mais de 600 anos de mistério, misticismo e veneração da sua aparecida Nossa Senhora do Cabo.
Chepe Express, Ferrovia Chihuahua Al Pacifico
Sobre Carris
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sociedade
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Glaciar Meares
Vida Selvagem
Prince William Sound, Alasca

Viagem por um Alasca Glacial

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do Alasca. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
EN FR PT ES