Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente


A Ver o Bramaputra Passar
Passageiros durante a travessia do rio Bramaputra que conduz à ilha de Majuli.
Garuda em oração
Estátua de Garuda na Garamur Satra.
Um ilhéu conveniente
Camponesa recolhe caracóis e jacintos sobre um ilhéu de vegetação.
Máscara humana de Samaguri
Sacerdote exibe uma das muitas máscaras produzidas pela Samaguri Satra.
Nos passos do gado
Camponesa conduz vacas por um trilho escorregadio de Majuli.
A linha Margem-Rio
Dono de barco à beira do rio Bramaputra.
De Sacerdote para discípulos
Sacerdote da Kamelabari satra conversa com dois jovens aprendizes.
Ponte dupla
Pedestre cruza uma ponte de madeira sobre um dos inúmeros braços de rio de Majuli.
Ioguinha
Crianças aprendem ioga na Kamelabari satra.
Canoa para 3
Nativos de Majuli navegam pelo caudal algo indefinido do rio Luhit.
Lugares sentados
Lotação esgotada a bordo do ferry.
Um equilíbrio vegetal
Pescador em equilíbrio numa canoa estreita, sobre a vegetação ribeirinha da ilha.
Desembarque ordeiro
Passageiros prestes a desembarcar de um dos ferris que liga Majuli ao resto da Índia.
Um Trio apressado
Mulheres cruzam uma das pontes sobre o rio Luhit.
Terminal de Kalamabari
Passageiros aguardam pela chegada de um dos ferries que servem a ilha de Majuli.
Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.

Desde Guwahati, a capital de Assam, que seguíamos o caudal massivo e os meandros amplos do Bramaputra. Não que a data seja relevante nas paragens por que andávamos mas, com Dezembro a aproximar-se ao Natal, embrenhávamo-nos mais e mais no Inverno nevoento do Nordeste Indiano.

O PN Kaziranga, os seus rinocerontes de corno único, os elefantes, tigres e restantes criaturas da selva alagada, tinham ficado para trás. Quando a misteriosa Majuli nos chegou aos ouvidos, provou-se demasiado irresistível. Não tardámos a procurá-la.

Por volta da uma da tarde, chegamos a um ancoradouro mal-amanhado. Ahmed, motorista que há vários dias nos conduzia por Assam, cede lugar a um colega, mete-se num autocarro e regressa a casa.

Nós – carro incluído – descemos uma rampa lamacenta escavada na margem do Bramaputra e embarcamos num dos ferries quase de museu que navegam para a ilha.

Passageiros de ferry, Majuli, Assam, Índia

Passageiros sobre o convés do ferry que assegura a ligação de Majuli ao resto da Índia.

O comandante apita para a partida. Em três tempos, o pequeno ferry destaca-se da margem e desliza ao longo de um dos muitos bancos de areia que salpicam o rio naquela altura do ano.

Estamos em plena época seca. Apesar de vasto, o Bramaputra mantém-se uma amostra do colosso fluvial em que se transforma com o degelo dos Himalaias a norte e a intensificação das inevitáveis monções.

De Maio em diante, este e quase todos os bancos e ilhas de areia porque passamos são engolidos pelo rio. O mesmo efeito agravado e arrastado ao longo do tempo faz com que a Majuli do nosso destino – de longe a maior ilha do Bramaputra – desapareça aos poucos.

Nativos em canoa, rio Luhit, Majuli, Assam, India

Nativos de Majuli navegam pelo caudal algo indefinido do rio Luhit.

Em 1901, Majuli contava com 1255 km2. Em 1917, com apenas 751km2 que diminuíram para 453km2 em 1966 e 421km2 em 2001.

Do virar para o século XXI para cá a erosão provocada pelo fluir brutal do Bramaputra continuou, mais intensa que nunca: a um ritmo de 6.4km2 por ano, bem mais que os 1.77km2 / ano que se registaram entre 1917 e 1972.

Por consequência, muitas famílias tiveram que se mudar para outras zonas não ameaçadas da ilha. Ou abandoná-la de vez.

Como agravante, os habitantes de Majuli sempre foram considerados especiais na imensidão mais ou menos homogénea de hindus e muçulmanos do subcontinente. Majuli abriga uma população de cerca de 150.000 almas, distribuídas por duzentas e cinquenta aldeias e complicada de definir em termos sociais e culturais.

Lá coexistem, há séculos, comunidades tribais como os Mising, os Deori e os Sonowal Kachari. Outras, não tribais: os Koch, os Kalitas, os Ahoms, os Chutiyas, os Keot, os Yogi etc., etc.

Depois, como seria de esperar na Índia, existem ainda as castas: os Jalia Kaivartas (aborígenes pescadores), os Brittial Banias (mercadores, em particular joalheiros, ourives e fabricantes de utensílios) entre tantas outras. De entre as várias tribos, a Mising, com mais de 60.000 membros é a predominante.

Os Mising entregaram-se a Majuli por volta do século 8 d.C.. Crê-se que habitavam o sul da China e o Tibete e que terão migrado das margens do lago Manasarovar, o lago de água doce mais elevado do mundo, formado junto à nascente do rio Bramaputra, o glaciar tibetano de Bhagirath.

Dessas terras do tecto asiático, os Mising mudaram-se para as regiões indianas de Arunachal Pradesh e de Assam. Apegados à sua raiz de beira-de-água, milhares deles decidiram instalar-se em Majuli. Muitos, em especial no norte da ilha, tornar-se-iam cristãos.

Passageiros aguardam ferry, Majuli, Assam, Índia

Passageiros aguardam pela chegada de um dos ferries que servem a ilha de Majuli.

O barco faz-se ao Kalamabari Ferry Terminal, na prática, uma mera grelha de madeira a envolver sacos de contenção e dotada de longas tábuas que permite desembarcar os passageiros e os veículos sem o risco de desabamento da faixa de areia que os recebe.

Espera-nos uma pequena multidão de nativos que poderia perfeitamente incluir membros das tribos, não tribos e castas mencionadas. Então, como agora, nunca os saberíamos distinguir.

Aquela comitiva ribeirinha era formada por moradores que vinham buscar familiares chegados do estado de Assam em redor. Outros, eram habitantes prestes a viajar no sentido contrário.

A servir os passageiros em geral, havia ainda um “clã” de trabalhadores providenciais que, contra pequenos baksheeshes (donativos), colocavam uma espécie de capim seco sobre zonas mais arenosas e formavam, assim, pistas voláteis com vários quilómetros que os condutores deviam percorrer com cuidado redobrado.

Graças a uma dessas pistas, conseguimos atingir zonas internas e mais sólidas de Majuli e chegar ao hotel estatal da ilha, um complexo com vários chalets erguidos sobre pilares de cimento ligados por escadas e passadiços, bem acima do nível de então do rio.

Pela estranheza e desconforto com que nos recebem, ficamos com a sensação de que há muito ali não viam hóspedes, muito menos europeus.

Fosse como fosse, com o dia prestes a terminar, engripados e exaustos da já longa jornada, limitamo-nos a jantar e a deixar o dia seguinte o mais alinhavado possível.

A aurora raiou enevoada, nem poderia ser de outra maneira, durante o Inverno e numa ilha perdida numa imensidão fluvial.

Aos poucos, com o sol a forçar o seu poder térmico, a névoa lá abriu. Desvendou-nos os cenários místicos de Majuli e as primeiras manifestações da sua vida há muito desfasada no tempo.

Mulheres sobre ponte do rio Luhit, Majuli, Assam, India

Mulheres cruzam uma das pontes sobre o rio Luhit.

Atravessamos uma ponte sobre o Luhit, um rio, tal como o Bramaputra nascido no Tibete e que ao Bramaputra se entrega. Pedimos a Ranjkar para nos deixar sair.

Enquanto cruzamos a ponte, uma pequena manada de vacas fá-lo no sentido contrário. Logo, um trio apressado de mulheres em saris e xailes garridos, passa por nós e ri-se do quanto nos esforçamos para fotografar as vacas.

Espreitamos de ambas as beiras da ponte para diante, De um dos lados, pouco abaixo, um grupo de aldeãos munido de um barco e de grandes cestos investe a manhã entre uma península e um ilhéu de jacintos.

Duas mulheres em trajes bem menores que os habituais saris e em modo anfíbio, estendem uma rede de pesca no curto canal formado pela vegetação. Logo ao lado, várias outras colhem caracóis e jacintos para cestos depositados sobre a plataforma vegetal que as sustem.

Desde 2015 que a agricultura hidropónica se populariza em Majuli. Fartos de ver os seus cultivos arrastados ou submersos pelo Bramaputra e afluentes, os camponeses locais aderiram à prática de cultivar a própria água, com recurso a tabuleiros artesanais de jacintos apodrecidos que asseguram nutrientes às plantas semeadas durante, pelo menos, a época das monções e das inundações.

Camponesa, Majuli, Assam, India

Camponesa recolhe caracóis e jacintos sobre um ilhéu de vegetação.

Com o fim do ano iminente, ainda estávamos a cinco meses do dilúvio incontornável de Assam. Tínhamos tempo para desvendar mais da ilha.

Além da sua composição étnica e social única, Majuli também se revela um caso à parte no que diz respeito à fé.

Desde o século XVI que a ilha se manteve como uma capital cultural e religiosa ancestral de Assam. Por essa altura, Srimanta Sankardeva, um polímata, poeta, escolástico, profeta e reformista social e religioso visitou Majuli.

Sankardeva também foi um pioneiro do movimento neo-Vixnuíta, uma forma de hinduísmo que derivou de forma radical do convencional nem que seja por professar um hinduísmo monoteísta em que Vixnu surge como Deus supremo e é reverenciado em distintos avatares.

Sankardeva encantou-se com a ilha. Lá fundou vários mosteiros e eremitérios hoje conhecidos como satras. Em tempos, contavam-se para cima de sessenta. O Bramaputra reclamou o encerramento de mais de metade.

Em pouco mais de dez minutos, viajamos pela realidade – não fossem os veículos motorizados – quase medieval de Majuli, entre arrozais ensopados, lugarejos palafíticos partilhados pelas gentes simples da ilha, por porcos, patos, cabras, vacas e sabe-se lá que outros animais.

Atravessamos um pórtico cinzento sob o olhar de um bando de marabus-pequenos instalados na copa de uma árvore. Cruzado o portal, damos entrada na Garamur Satra, uma das quatro principais da ilha, abençoada por uma estátua de bronze de Garuda, o veículo sagrado de Vixnu.

Estátua de Garuda-Garamur Satra, Majuli, Assam, India

Estátua de Garuda na Garamur Satra.

Dois dos seus sacerdotes cirandam pelo santuário. Um deles esforça-se por nos explicar a importância única daquele lugar. Só que o inglês a que recorre é deveras limitado. Reduz a informação a um mero nada.

Não tarda, passamos para a satra que se seguia, a Kamelabari. Encontramo-la em modo escolar. Num pavilhão inicial, um guru ancião dá uma aula de ioga a um grande grupo de crianças.

Aula de ioga, Kamelabari satra, Majuli, Assam, India

Crianças aprendem ioga na Kamelabari satra.

Quando entramos no espaço mais antigo e nuclear da satra, damos com dois edifícios, térreos, longilíneos, alpendrados e cobertos por um telhado comum feito de chapas de zinco, umas mais enferrujadas que outras.

Ali, distintos sacerdotes ocupam as suas próprias frações habitacionais. Encontramos dois com mais idade embrulhados em túnicas brancas de linho. Voltam a não falar palavra de inglês.

Uns poucos metros depois, damos de cara com outro bem mais novo, acompanhado por dois aprendizes juvenis. Todos eles falam inglês pelo que, à conversa, recuperamos boa parte da informação perdida.

Perguntamos a razão de a satra estar tão dotada de arroz seco. Explicam-nos que o cereal armazenado resulta da contribuição dos fiéis de Majuli, há muito predispostos a contribuir para o sustento dos seus líderes religiosos. Os dois jovens estavam em regime de aprendizagem, ao cuidado do sacerdote adulto.

Sacerdote e aprendizes, Kamelabari satra, Majuli, Assam, India

Sacerdote da Kamelabari satra conversa com dois jovens aprendizes.

Este, apesar de ocupado a ler um qualquer documento, nunca se furtou a responder as questões que lhe colocávamos, sempre de sorriso nos lábios.

Seguiu-se a Samaguri Satra, menor, ainda assim, uma das mais concorridas da ilha, não tardaríamos a comprovar porquê. Esta satra foi fundada em 1663. Desde então que é conhecida sobretudo por criar máscaras tradicionais de dança a partir de bambu, argila, tecidos, fezes de vaca e tinta.

Ao entrarmos, Hem Chandra Goswami, o satradhikari (líder da satra) e guru artístico de Samaguri está a ser entrevistado para um qualquer meio indiano. Quando se vê livre da sessão, dá-nos as boas-vindas e disserta de forma tutorial sobre arte da satra.

Ao despedir-se, deixa-nos ao cuidado de um religioso mais novo. Este, encarrega-se de completar a introdução de Hem Chandra Goswami.

Dá vida à máscara de uma jovem mulher e a uma outra de um monstro com dentes aguçados. Ao fazê-lo, mesmo que por apenas breves momentos, recupera a tradição das danças e teatros mascarados de Majuli, tão antiga quanto o vixnuísmo da ilha.

Sacerdote com máscara, Samaguri Satra. Majuli, Assam, India

Sacerdote exibe uma das muitas máscaras produzidas pela Samaguri Satra.

Foi o próprio Sankardeva que, apostado em desencadear uma mudança social, recorreu às suas aptidões artísticas para fazer passar a mensagem do vixnuísmo aos homens iletrados e “comuns” da Índia. De acordo, Sankardeva escreveu pequenas peças sobre a vida de Lorde Vixnu nas suas várias encarnações.

Durante séculos, esses teatrinhos, chamados bhaonas, visitavam as aldeias e encantavam os moradores mas, com o passar do tempo e a predominância do hinduísmo convencional, tornaram-se cada vez mais raros.

Hoje, em perigo de extinção, são motivo de orgulho nacional, ao ponto de Hem Chandra Goswami ter recentemente sido convidado para exibir as suas criações em Deli, na parada do Dia da República.

Visto da perspectiva oposta, Deli pouco poderá fazer para interferir no futuro de Majuli, seja o das máscaras bhaona ou o da vida real da ilha. Tal como até aqui, caberá ao todo-poderoso Bramaputra, filho da encarnação criativa e destrutiva de Vixnu, decidir o seu destino.

Os autores agradecem o apoio na realização deste artigo às seguintes entidades:  Embaixada da Índia em Lisboa; Ministry of Tourism, Government of India; Assam Development Corporation.

Guwahati, India

A Cidade que Venera Kamakhya e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Tawang, Índia

O Vale Místico da Profunda Discórdia

No limiar norte da província indiana de Arunachal Pradesh, Tawang abriga cenários dramáticos de montanha, aldeias de etnia Mompa e mosteiros budistas majestosos. Mesmo se desde 1962 os rivais chineses não o trespassam, Pequim olha para este domínio como parte do seu Tibete. De acordo, há muito que a religiosidade e o espiritualismo ali comungam com um forte militarismo.
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Dooars, Índia

Às Portas dos Himalaias

Chegamos ao limiar norte de Bengala Ocidental. O subcontinente entrega-se a uma vasta planície aluvial preenchida por plantações de chá, selva, rios que a monção faz transbordar sobre arrozais sem fim e povoações a rebentar pelas costuras. Na iminência da maior das cordilheiras e do reino montanhoso do Butão, por óbvia influência colonial britânica, a Índia trata esta região deslumbrante por Dooars.
Gangtok, Índia

Uma Vida a Meia-Encosta

Gangtok é a capital de Sikkim, um antigo reino da secção dos Himalaias da Rota da Seda tornado província indiana em 1975. A cidade surge equilibrada numa vertente, de frente para a Kanchenjunga, a terceira maior elevação do mundo que muitos nativos crêem abrigar um Vale paradisíaco da Imortalidade. A sua íngreme e esforçada existência budista visa, ali, ou noutra parte, o alcançarem.
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Guwahati a Sela Pass, Índia

Viagem Mundana ao Desfiladeiro Sagrado de Sela

Durante 25 horas, percorremos a NH13, uma das mais elevadas e perigosas estradas indianas. Viajamos da bacia do rio Bramaputra aos Himalaias disputados da província de Arunachal Pradesh. Neste artigo, descrevemos-lhe o trecho até aos 4170 m de altitude do Sela Pass que nos apontou à cidade budista-tibetana de Tawang.
Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem uma das maiores manadas do mundo e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Parques nacionais
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Aventura
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Cerimónias e Festividades
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Goiás Velho, Legado da Febre do ouro, Brasil
Cidades
Goiás Velho, Brasil

Um Legado da Febre do Ouro

Dois séculos após o apogeu da prospecção, perdida no tempo e na vastidão do Planalto Central, Goiás estima a sua admirável arquitectura colonial, a riqueza supreendente que ali continua por descobrir.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Cultura
Lhasa, Tibete

Quando o Budismo se Cansa da Meditação

Nem só com silêncio e retiro espiritual se procura o Nirvana. No Mosteiro de Sera, os jovens monges aperfeiçoam o seu saber budista com acesos confrontos dialécticos e bateres de palmas crepitantes.
Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Em Viagem
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Moa numa praia de Rapa Nui/Ilha da Páscoa
Étnico
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Moai, Rano Raraku, Ilha Pascoa, Rapa Nui, Chile
História
Rapa Nui - Ilha da Páscoa, Chile

Sob o Olhar dos Moais

Rapa Nui foi descoberta pelos europeus no dia de Páscoa de 1722. Mas, se o nome cristão ilha da Páscoa faz todo o sentido, a civilização que a colonizou de moais observadores permanece envolta em mistério.
Vulto na Praia do Curral, Ilhabela, Brasil
Ilhas
Ilhabela, Brasil

Ilhabela: Depois do Horror, a Beleza Atlântica

Nocenta por cento de Mata Atlântica preservada, cachoeiras idílicas e praias gentis e selvagens fazem-lhe jus ao nome. Mas, se recuarmos no tempo, também desvendamos a faceta histórica horrífica de Ilhabela.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
De visita
Literatura

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Iguana em Tulum, Quintana Roo, México
Natureza
Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Teleférico que liga Puerto Plata ao cimo do PN Isabel de Torres
Parques Naturais
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Barco no rio Amarelo, Gansu, China
Património Mundial UNESCO
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Hotel à moda Tayrona
Praias

Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.  

Wall like an Egyptian
Religião
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Fiéis cristãos à saida de uma igreja, Upolu, Samoa Ocidental
Sociedade
Upolu, Samoa  

No Coração Partido da Polinésia

O imaginário do Pacífico do Sul paradisíaco é inquestionável em Samoa mas a sua formosura tropical não paga as contas nem da nação nem dos habitantes. Quem visita este arquipélago encontra um povo dividido entre sujeitar-se à tradição e ao marasmo financeiro ou desenraizar-se em países com horizontes mais vastos.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Vida Selvagem
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.