Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas


Combate
Árbitro deixa cair dois galos adversários e dá início a mais um combate.
Detrás das grades
Público apostador contido pelas grades.
Lâmina
Especialista coloca uma lâmina na pata de mais um galo.
Apostas
Apostadores incitam outros a apostar e aceitam ou rejeitam apostas com gritos de "meron" e "wala".
O Dono das Lâminas
Colocador de lâminas segura a pasta em que guarda os seus valiosos instrumentos de trabalho.
Gabinetes
Peritos do ofício colocam lâminas nos galos combatentes.
Primeiro confronto
Donos de galos atiçam-nos para propiciar o combate.
Golpe mortal
Cadáver de galo ferido de morte depois de depenado.
Boss
Rocky Balboa, o organizador de combates nas Filipinas, expulso do Canadá por o ter feito neste país.
Galo & dono
Proprietário de galo num dos gabinetes de colocação de lâminas.
Depenador de serviço
O encarregado de processar os galos mortos nos combates, já depenados e pendurados com grandes golpes fatais.
Arma Fatal
Especialista coloca uma lâmina afiada na pata de um galo.
Quadro de apostas
Homem preenche o quadro de participantes e apostas numa arena filipina.
Pequena Cirurgia Salvadora
Veterinário corta e cose um galo golpeado por outro durante um combate para evitar que o proprietário o perca.
O Fim dos Combates
Participantes e espectadores preparam-se para deixar a arena de luta de galos de Mogpog, na ilha de Marinduque
Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.

Entramos no quarto do pequeno hotel de Manila cansados de uma recente aventura na Indonésia.

Para descontrair, ligamos a TV. Entregamo-nos, por momentos, a um zapping descomprometido e curioso. Desprezados inúmeros programas banais, deparamo-nos com um plano apertado de duas aves hesitantes numa pequena arena. O insólito capta-nos a atenção.

No vizinho Japão, seria o exotismo pesado do sumo que nos atrairia, nos Estados Unidos, o desafio masoquista de tentar perceber o encanto do basebol. Na Tailândia, talvez o muai thai (boxe tailandês). Acabámos de chegar às Filipinas. O desporto nacional são as lutas de galos (sabong).

A prová-lo, há um canal dedicado que as transmite horas a fio enriquecido por análises e comentários entusiásticos em tagalog, o dialecto nacional.

Desenvolvemos um inesperado interesse pela excentricidade cruel desta tradição introduzida há séculos pelos colonos espanhóis.  Aproveitamos a descoberta das Filipinas e resolvemos  investigar e fotografar alguns torneios realizados em galleras de distintas ilhas.

participantes e espectadores, luta de galos, filipinas

Participantes e espectadores preparam-se para deixar a arena de luta de galos de Mogpog, na ilha de Marinduque

Lutas de Galos de uma Ponta à Outra das Filipinas

Esse périplo das lutas galos começou em Bohol, passou pela improvável Marinduque. Teve fim em Camiguin, já quase nos fundos das Filipinas.

É num dia escaldante que entramos no recinto de Dauis, em Bohol. Infernizam-no a cantoria de centenas de galos de crista levantada.

colocar laminas, luta de galos, filipinas

Peritos do ofício colocam lâminas nos galos combatentes.

Lá dentro, os combates já decorrem mas, no exterior, em cabines construídas para o efeito, especialistas bem pagos atam tares (lâminas em forma de espora) nas patas das aves lutadoras com recurso a pequenas malas onde as mantêm arrumadas.

Malgrado a sua abundância e diversidade, um aviso afixado num contraplacado alerta: “Não são permitidas lâminas duplas”.

lamina fatal, luta de galos, filipinas

Especialista coloca uma lâmina na pata de mais um galo.

Logo ao lado, criadores/treinadores atiçam os seus competidores uns contra os outros para os excitar e exercitar. Um veterinário de serviço limpa e cose feridas de galos já atingidos, incumbido de os recuperar para combates futuros.

cirurgia a galo, luta de galos, filipinas

Veterinário corta e cose um galo golpeado por outro durante um combate para evitar que o proprietário o perca.

Alguns metros para diante, os concorrentes que se seguiam do dérbi são pesados, numa balança diminuta que estabelece as suas categorias.

Apesar do frenesim e da intensidade do evento, a inesperada presença dos fotógrafos estrangeiros atrai as atenções. Suscita uma série de reacções extemporâneas.

Chamam-nos à proximidade de um homem forte que traja uma camisola de alças largueirona e informam-nos com entusiasmo e reverência: “Ele é que é um dos grandes campeões! Já repararam no braço? Só quem tem muitas vitórias pode fazer uma assim!”

Por esta altura, o herói visado já se revê nos elogios. Vira o seu bíceps direito e expõe o galo lutador que tatuou com tinta negra.

Continuamos a percorrer o exterior da gallera. A missão revela-se cada vez mais complicada devido à aglomeração de gente junto à zona das bilheteiras. Quando, por fim entramos, no sabungan (arena), a atmosfera é densa.

O zoar já audível lá fora torna-se ensurdecedor.

O Interior Tresloucado das Galleras

Os termos meron e wala gritados vezes sem conta, anunciam um novo combate. A multidão exclusivamente masculina combina-os com gestos similares aos da bolsa. Define-se, dessa forma, quem quer apostar uma quantia alta (milhares de pesos) ou baixa (centenas de pesos).

apostas, luta de galos, filipinas

Apostadores incitam outros a apostar e aceitam ou rejeitam apostas com gritos de “meron” e “wala”.

Assim que o confronto tem início, os gritos histéricos passam a incentivar os galos competidores.

Em Coron, no sul do vasto arquipélago filipino, apresentam-nos o duvidoso Ricky Balboa, um promotor de derbies que confessa, com orgulho mal disfarçado de gangster, ter sido expulso do Canadá por lá organizar combates.

organizador de combate, luta de galos, filipinas

Rocky Balboa, o organizador de combates nas Filipinas, expulso do Canadá por o ter feito neste país.

Ora as lutas de galos são ilegais, no Canadá, como é em quase todo o mundo dito civilizado.

Enquanto conta as notas de pesos que recebeu dos apostadores, Ricky descreve outras das suas peripécias marginais. Seduzido por uma manobra de marketing, deixa-nos passar o interior do cockpit e para junto de si. Os espectadores mais próximos afiançam-nos que se tratava de um privilégio de poucos.

O Acesso Inesperado ao Fosso da Arena de Coron

Aproveitamos a gentileza e vemo-nos numa situação surreal, cercados por grades e por uma multidão em êxtase.

publico atras de grades, luta de galos, filipinas

Público apostador contido pelas grades.

Um filipino mais atrevido tenta a sua sorte com os estrangeiros. Mesmo sem intenção, incita outros a desafiar-nos, o que nos vemos obrigados a recusar com o humor possível fosse por uma questão de princípio ou por não sabermos avaliar a diferença entre o llamado (o favorito) e o dejado (o aspirante).

Assim são diferenciados os galos lutadores na terminologia local.

dono de galo, luta de galos, filipinas

Proprietário de galo num dos gabinetes de colocação de lâminas.

A competição é retomada. Ao soltarem os seus galos, os treinadores desencadeiam agressões imediatas e violentas que fazem voar penas e nos obrigam a correr em redor da arena.

Por norma, os ataques dos galos começam enérgicos, com grandes saltos de patas em riste. À medida que sofrem danos, as aves perdem fulgor.

confronto de galos, luta de galos, filipinas

Donos de galos atiçam-nos para propiciar o combate.

Golpe após golpe, torna-se necessária a intervenção do árbitro que as reaviva. A luta só termina quando um ou ambos os galos se imobilizam de vez.

arbitro de combate, luta de galos, filipinas

Árbitro deixa cair dois galos adversários e dá início a mais um combate.

A Decisão Sagrada do Sentensyador das Lutas de Galos

Nessa altura, o veredicto do sentensyador (juiz) é inapelável.

Para que não restem dúvidas, o seu poder determinativo surge bem explicado a vermelho, em inglês, num painel com quatro faces que coroa a arena: “Judge decision is final.”

Concluído aquele combate, há um intervalo de vinte minutos. Logo, as apostas são retomadas. Prolongam um ciclo que dura toda a tarde e adensa uma atmosfera cada vez mais fumarenta.

Empregados de Ricky levam os galos perdedores abatidos ou demasiado feridos para o exterior. Lá fora, são de imediato depenados e cozidos. A nudez das aves revela golpes atrozes. Ao mesmo tempo, os criadores derrotados enfrentam as feridas da sua desilusão.

galo morto, luta de galos, filipinas

Cadáver de galo ferido de morte depois de depenado.

Os criadores felizardos, pelo seu lado, são facilmente identificáveis em redor da gallera. Passeiam os seus galos com cuidado extra, trocam piadas fáceis com outros apostadores satisfeitos. E exibem as patas que cortaram, como troféus, às aves a que as suas tiraram a vida.

A Faceta Financeira das Lutas de Galos Filipinas

Sempre que passam de eliminatória, os galos triunfadores enriquecem os seus donos. Estes, recuperam e multiplicam o dinheiro neles gasto, investido em rações especiais, em medicamentos, noutros tratamentos e na dispendiosa inscrição no torneio.

Nas pequenas povoações, cada registo ronda os 100 euros. Pode custar infinitamente mais nos grandes torneios transmitidos pela TV, competições em que se envolvem tanto a classe média filipina como os VIP’s abastados do país, incluindo actores e políticos influentes.

A derradeira felicidade cabe aos vencedores supremos de cada dérbi. Entre todos os eventos a que assistimos, os criadores triunfantes arrecadavam um mínimo de quase 2000 euros (120.000 pesos).

É muito dinheiro para o nível de vida sofrível das Filipinas. Ainda assim, uma ínfima fracção do que está em jogo nas competições de nível nacional e internacional.

quadro de apostas, luta de galos, filipinas

Homem preenche o quadro de participantes e apostas numa arena filipina.

As lutas de galos não são originárias ou exclusivas das Filipinas, longe disso. Várias outras nações da Ásia, do Pacífico, das Caraíbas, da América Central e do Sul e até o arquipélago espanhol das Canárias (onde, por contraste, é proibida a tourada) partilham o fervor pelo desporto.

Nas Filipinas, todavia, o fenómeno atinge proporções únicas. O gigantesco Araneta Coliseum de Quezon (cidade próxima de Manila) acolhe duas vezes por ano o World Slasher Derby.

Nesta competição multimilionária que goza de apoios governamentais directos e indirectos, enfrentam-se, os melhores galos lutadores do mundo.

E os filipinos vibram com as suas lutas de galos mais que nunca.

Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.

Camiguin, Filipinas

Uma Ilha de Fogo Rendida à Água

Com mais de vinte cones acima dos 100 metros, a abrupta e luxuriante, Camiguin tem a maior concentração de vulcões que qualquer outra das 7641 ilhas filipinas ou do planeta. Mas, nos últimos tempos, nem o facto de um destes vulcões estar activo tem perturbado a paz da sua vida rural, piscatória e, para gáudio dos forasteiros, fortemente balnear.

Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
El Nido, Filipinas

El Nido, Palawan: A Última Fronteira Filipina

Um dos cenários marítimos mais fascinantes do Mundo, a vastidão de ilhéus escarpados de Bacuit esconde recifes de coral garridos, pequenas praias e lagoas idílicas. Para a descobrir, basta uma bangka.
Hungduan, Filipinas

Filipinas em Estilo Country

Os GI's partiram com o fim da 2ª Guerra Mundial mas a música do interior dos EUA que ouviam ainda anima a Cordillera de Luzon. É de tricycle e ao seu ritmo que visitamos os terraços de arroz de Hungduan.
Filipinas

Os Donos da Estrada Filipina

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas.
Tóquio, Japão

Pachinko: o Vídeo - Vício Que Deprime o Japão

Começou como um brinquedo mas a apetência nipónica pelo lucro depressa transformou o pachinko numa obsessão nacional. Hoje, são 30 milhões os japoneses rendidos a estas máquinas de jogo alienantes.
Bohol, Filipinas

Umas Filipinas do Outro Mundo

O arquipélago filipino estende-se por 300.000 km² de oceano Pacífico. Parte do sub-arquipélago Visayas, Bohol abriga pequenos primatas com aspecto alienígena e as colinas extraterrenas de Chocolate Hills.
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
festa no barco, ilha margarita, PN mochima, venezuela
Parques nacionais
Ilha Margarita ao PN Mochima, Venezuela

Ilha Margarita ao Parque Nacional Mochima: um Caribe bem Caribenho

A exploração do litoral venezuelano justifica uma festa náutica de arromba. Mas, estas paragens também nos revelam a vida em florestas de cactos e águas tão verdes como a selva tropical de Mochima.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Wall like an Egyptian
Arquitectura & Design
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Cerimónias e Festividades
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
city hall, capital, oslo, noruega
Cidades
Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Garranos galopam pelo planalto acima de Castro Laboreiro, PN Peneda-Gerês, Portugal
Cultura
Castro Laboreiro, Portugal  

Do Castro de Laboreiro à Raia da Serra Peneda – Gerês

Chegamos à (i) eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Caiaquer no lago Sinclair, Cradle Mountain - Lake Sinclair National Park, Tasmania, Austrália
Em Viagem
À Descoberta de Tassie, Parte 4 -  Devonport a Strahan, Austrália

Pelo Oeste Selvagem da Ilha da Tasmânia

Se a quase antípoda Tazzie já é um mundo australiano à parte, o que dizer então da sua inóspita região ocidental. Florestas densas, rios esquivos e um litoral rude batido por um oceano Índico quase Antártico geram enigma e respeito a norte do Estreito de Bass. À descoberta da região mais acessível entre Devonport e Strahan, ficamos com uma leve ideia da sua excentricidade meridional.
Tambores e tatoos
Étnico
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
História
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Vista Miradouro, Alexander Selkirk, na Pele Robinson Crusoe, Chile
Ilhas
Ilha Robinson Crusoe, Chile

Alexander Selkirk: na Pele do Verdadeiro Robinson Crusoe

A principal ilha do arquipélago Juan Fernández foi abrigo de piratas e tesouros. A sua história fez-se de aventuras como a de Alexander Selkirk, o marinheiro abandonado que inspirou o romance de Dafoe
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Cavalgada em tons de Dourado
Natureza

El Calafate, Argentina

Os Novos Gaúchos da Patagónia

Em redor de El Calafate, em vez dos habituais pastores a cavalo, cruzamo-nos com gaúchos criadores equestres e com outros que exibem para gáudio dos visitantes, a vida tradicional das pampas douradas.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Penhascos acima do Valley of Desolation, junto a Graaf Reinet, África do Sul
Parques Naturais
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Uma Busca solitária
Património Mundial UNESCO

Cabo da Boa Esperança, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.

Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Vista da Casa Iguana, Corn islands, puro caribe, nicaragua
Praias
Corn Islands-Ilhas do Milho, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands ou Ilhas do Milho, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.
Religião
Helsínquia, Finlândia

A Páscoa Pagã de Seurasaari

Em Helsínquia, o sábado santo também se celebra de uma forma gentia. Centenas de famílias reúnem-se numa ilha ao largo, em redor de fogueiras acesas para afugentar espíritos maléficos, bruxas e trolls
Sobre carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Sociedade
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Devils Marbles, Alice Springs a Darwin, Stuart hwy, Caminho do Top End
Vida Selvagem
Alice Springs a Darwin, Austrália

Estrada Stuart, a Caminho do Top End da Austrália

Do Red Centre ao Top End tropical, a estrada Stuart Highway percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, o Território do Norte muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.