Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas


Combate
Árbitro deixa cair dois galos adversários e dá início a mais um combate.
Detrás das grades
Público apostador contido pelas grades.
Lâmina
Especialista coloca uma lâmina na pata de mais um galo.
Apostas
Apostadores incitam outros a apostar e aceitam ou rejeitam apostas com gritos de "meron" e "wala".
O Dono das Lâminas
Colocador de lâminas segura a pasta em que guarda os seus valiosos instrumentos de trabalho.
Gabinetes
Peritos do ofício colocam lâminas nos galos combatentes.
Primeiro confronto
Donos de galos atiçam-nos para propiciar o combate.
Golpe mortal
Cadáver de galo ferido de morte depois de depenado.
Boss
Rocky Balboa, o organizador de combates nas Filipinas, expulso do Canadá por o ter feito neste país.
Galo & dono
Proprietário de galo num dos gabinetes de colocação de lâminas.
Depenador de serviço
O encarregado de processar os galos mortos nos combates, já depenados e pendurados com grandes golpes fatais.
Arma Fatal
Especialista coloca uma lâmina afiada na pata de um galo.
Quadro de apostas
Homem preenche o quadro de participantes e apostas numa arena filipina.
Pequena Cirurgia Salvadora
Veterinário corta e cose um galo golpeado por outro durante um combate para evitar que o proprietário o perca.
O Fim dos Combates
Participantes e espectadores preparam-se para deixar a arena de luta de galos de Mogpog, na ilha de Marinduque
Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.

Entramos no quarto do pequeno hotel de Manila cansados de uma recente aventura na Indonésia.

Para descontrair, ligamos a TV. Entregamo-nos, por momentos, a um zapping descomprometido e curioso. Desprezados inúmeros programas banais, deparamo-nos com um plano apertado de duas aves hesitantes numa pequena arena. O insólito capta-nos a atenção.

No vizinho Japão, seria o exotismo pesado do sumo que nos atrairia, nos Estados Unidos, o desafio masoquista de tentar perceber o encanto do basebol. Na Tailândia, talvez o muai thai (boxe tailandês). Acabámos de chegar às Filipinas. O desporto nacional são as lutas de galos (sabong).

A prová-lo, há um canal dedicado que as transmite horas a fio enriquecido por análises e comentários entusiásticos em tagalog, o dialecto nacional.

Desenvolvemos um inesperado interesse pela excentricidade cruel desta tradição introduzida há séculos pelos colonos espanhóis.  Aproveitamos a descoberta das Filipinas e resolvemos  investigar e fotografar alguns torneios realizados em galleras de distintas ilhas.

participantes e espectadores, luta de galos, filipinas

Participantes e espectadores preparam-se para deixar a arena de luta de galos de Mogpog, na ilha de Marinduque

Lutas de Galos de uma Ponta à Outra das Filipinas

Esse périplo das lutas galos começou em Bohol, passou pela improvável Marinduque. Teve fim em Camiguin, já quase nos fundos das Filipinas.

É num dia escaldante que entramos no recinto de Dauis, em Bohol. Infernizam-no a cantoria de centenas de galos de crista levantada.

colocar laminas, luta de galos, filipinas

Peritos do ofício colocam lâminas nos galos combatentes.

Lá dentro, os combates já decorrem mas, no exterior, em cabines construídas para o efeito, especialistas bem pagos atam tares (lâminas em forma de espora) nas patas das aves lutadoras com recurso a pequenas malas onde as mantêm arrumadas.

Malgrado a sua abundância e diversidade, um aviso afixado num contraplacado alerta: “Não são permitidas lâminas duplas”.

lamina fatal, luta de galos, filipinas

Especialista coloca uma lâmina na pata de mais um galo.

Logo ao lado, criadores/treinadores atiçam os seus competidores uns contra os outros para os excitar e exercitar. Um veterinário de serviço limpa e cose feridas de galos já atingidos, incumbido de os recuperar para combates futuros.

cirurgia a galo, luta de galos, filipinas

Veterinário corta e cose um galo golpeado por outro durante um combate para evitar que o proprietário o perca.

Alguns metros para diante, os concorrentes que se seguiam do dérbi são pesados, numa balança diminuta que estabelece as suas categorias.

Apesar do frenesim e da intensidade do evento, a inesperada presença dos fotógrafos estrangeiros atrai as atenções. Suscita uma série de reacções extemporâneas.

Chamam-nos à proximidade de um homem forte que traja uma camisola de alças largueirona e informam-nos com entusiasmo e reverência: “Ele é que é um dos grandes campeões! Já repararam no braço? Só quem tem muitas vitórias pode fazer uma assim!”

Por esta altura, o herói visado já se revê nos elogios. Vira o seu bíceps direito e expõe o galo lutador que tatuou com tinta negra.

Continuamos a percorrer o exterior da gallera. A missão revela-se cada vez mais complicada devido à aglomeração de gente junto à zona das bilheteiras. Quando, por fim entramos, no sabungan (arena), a atmosfera é densa.

O zoar já audível lá fora torna-se ensurdecedor.

O Interior Tresloucado das Galleras

Os termos meron e wala gritados vezes sem conta, anunciam um novo combate. A multidão exclusivamente masculina combina-os com gestos similares aos da bolsa. Define-se, dessa forma, quem quer apostar uma quantia alta (milhares de pesos) ou baixa (centenas de pesos).

apostas, luta de galos, filipinas

Apostadores incitam outros a apostar e aceitam ou rejeitam apostas com gritos de “meron” e “wala”.

Assim que o confronto tem início, os gritos histéricos passam a incentivar os galos competidores.

Em Coron, no sul do vasto arquipélago filipino, apresentam-nos o duvidoso Ricky Balboa, um promotor de derbies que confessa, com orgulho mal disfarçado de gangster, ter sido expulso do Canadá por lá organizar combates.

organizador de combate, luta de galos, filipinas

Rocky Balboa, o organizador de combates nas Filipinas, expulso do Canadá por o ter feito neste país.

Ora as lutas de galos são ilegais, no Canadá, como é em quase todo o mundo dito civilizado.

Enquanto conta as notas de pesos que recebeu dos apostadores, Ricky descreve outras das suas peripécias marginais. Seduzido por uma manobra de marketing, deixa-nos passar o interior do cockpit e para junto de si. Os espectadores mais próximos afiançam-nos que se tratava de um privilégio de poucos.

O Acesso Inesperado ao Fosso da Arena de Coron

Aproveitamos a gentileza e vemo-nos numa situação surreal, cercados por grades e por uma multidão em êxtase.

publico atras de grades, luta de galos, filipinas

Público apostador contido pelas grades.

Um filipino mais atrevido tenta a sua sorte com os estrangeiros. Mesmo sem intenção, incita outros a desafiar-nos, o que nos vemos obrigados a recusar com o humor possível fosse por uma questão de princípio ou por não sabermos avaliar a diferença entre o llamado (o favorito) e o dejado (o aspirante).

Assim são diferenciados os galos lutadores na terminologia local.

dono de galo, luta de galos, filipinas

Proprietário de galo num dos gabinetes de colocação de lâminas.

A competição é retomada. Ao soltarem os seus galos, os treinadores desencadeiam agressões imediatas e violentas que fazem voar penas e nos obrigam a correr em redor da arena.

Por norma, os ataques dos galos começam enérgicos, com grandes saltos de patas em riste. À medida que sofrem danos, as aves perdem fulgor.

confronto de galos, luta de galos, filipinas

Donos de galos atiçam-nos para propiciar o combate.

Golpe após golpe, torna-se necessária a intervenção do árbitro que as reaviva. A luta só termina quando um ou ambos os galos se imobilizam de vez.

arbitro de combate, luta de galos, filipinas

Árbitro deixa cair dois galos adversários e dá início a mais um combate.

A Decisão Sagrada do Sentensyador das Lutas de Galos

Nessa altura, o veredicto do sentensyador (juiz) é inapelável.

Para que não restem dúvidas, o seu poder determinativo surge bem explicado a vermelho, em inglês, num painel com quatro faces que coroa a arena: “Judge decision is final.”

Concluído aquele combate, há um intervalo de vinte minutos. Logo, as apostas são retomadas. Prolongam um ciclo que dura toda a tarde e adensa uma atmosfera cada vez mais fumarenta.

Empregados de Ricky levam os galos perdedores abatidos ou demasiado feridos para o exterior. Lá fora, são de imediato depenados e cozidos. A nudez das aves revela golpes atrozes. Ao mesmo tempo, os criadores derrotados enfrentam as feridas da sua desilusão.

galo morto, luta de galos, filipinas

Cadáver de galo ferido de morte depois de depenado.

Os criadores felizardos, pelo seu lado, são facilmente identificáveis em redor da gallera. Passeiam os seus galos com cuidado extra, trocam piadas fáceis com outros apostadores satisfeitos. E exibem as patas que cortaram, como troféus, às aves a que as suas tiraram a vida.

A Faceta Financeira das Lutas de Galos Filipinas

Sempre que passam de eliminatória, os galos triunfadores enriquecem os seus donos. Estes, recuperam e multiplicam o dinheiro neles gasto, investido em rações especiais, em medicamentos, noutros tratamentos e na dispendiosa inscrição no torneio.

Nas pequenas povoações, cada registo ronda os 100 euros. Pode custar infinitamente mais nos grandes torneios transmitidos pela TV, competições em que se envolvem tanto a classe média filipina como os VIP’s abastados do país, incluindo actores e políticos influentes.

A derradeira felicidade cabe aos vencedores supremos de cada dérbi. Entre todos os eventos a que assistimos, os criadores triunfantes arrecadavam um mínimo de quase 2000 euros (120.000 pesos).

É muito dinheiro para o nível de vida sofrível das Filipinas. Ainda assim, uma ínfima fracção do que está em jogo nas competições de nível nacional e internacional.

quadro de apostas, luta de galos, filipinas

Homem preenche o quadro de participantes e apostas numa arena filipina.

As lutas de galos não são originárias ou exclusivas das Filipinas, longe disso. Várias outras nações da Ásia, do Pacífico, das Caraíbas, da América Central e do Sul e até o arquipélago espanhol das Canárias (onde, por contraste, é proibida a tourada) partilham o fervor pelo desporto.

Nas Filipinas, todavia, o fenómeno atinge proporções únicas. O gigantesco Araneta Coliseum de Quezon (cidade próxima de Manila) acolhe duas vezes por ano o World Slasher Derby.

Nesta competição multimilionária que goza de apoios governamentais directos e indirectos, enfrentam-se, os melhores galos lutadores do mundo.

E os filipinos vibram com as suas lutas de galos mais que nunca.

Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Camiguin, Filipinas

Uma Ilha de Fogo Rendida à Água

Com mais de vinte cones acima dos 100 metros, a abrupta e luxuriante, Camiguin tem a maior concentração de vulcões que qualquer outra das 7641 ilhas filipinas ou do planeta. Mas, nos últimos tempos, nem o facto de um destes vulcões estar activo tem perturbado a paz da sua vida rural, piscatória e, para gáudio dos forasteiros, fortemente balnear.
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
El Nido, Filipinas

El Nido, Palawan: A Última Fronteira Filipina

Um dos cenários marítimos mais fascinantes do Mundo, a vastidão de ilhéus escarpados de Bacuit esconde recifes de coral garridos, pequenas praias e lagoas idílicas. Para a descobrir, basta uma bangka.
Hungduan, Filipinas

Filipinas em Estilo Country

Os GI's partiram com o fim da 2ª Guerra Mundial mas a música do interior dos EUA que ouviam ainda anima a Cordillera de Luzon. É de tricycle e ao seu ritmo que visitamos os terraços de arroz de Hungduan.
Filipinas

Os Donos da Estrada Filipina

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas.
Tóquio, Japão

Pachinko: o Vídeo - Vício Que Deprime o Japão

Começou como um brinquedo mas a apetência nipónica pelo lucro depressa transformou o pachinko numa obsessão nacional. Hoje, são 30 milhões os japoneses rendidos a estas máquinas de jogo alienantes.
Bohol, Filipinas

Umas Filipinas do Outro Mundo

O arquipélago filipino estende-se por 300.000 km² de oceano Pacífico. Parte do sub-arquipélago Visayas, Bohol abriga pequenos primatas com aspecto alienígena e as colinas extraterrenas de Chocolate Hills.
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Bertie em calhambeque, Napier, Nova Zelândia
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Dia da Austrália, Perth, bandeira australiana
Cerimónias e Festividades
Perth, Austrália

Dia da Austrália: em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.
Vittoriosa, Birgu, Malta, Waterfront, Marina
Cidades
Birgu, Malta

À Conquista da Cidade Vittoriosa

Vittoriosa é a mais antiga das Três Cidades de Malta, quartel-general dos Cavaleiros Hospitalários e, de 1530 a 1571, a sua capital. A resistência que ofereceu aos Otomanos no Grande Cerco de Malta manteve a ilha cristã. Mesmo se, mais tarde, Valletta lhe tomou o protagonismo administrativo e político, a velha Birgu resplandece de glória histórica.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Jardin Escultórico, Edward James, Xilitla, Huasteca Potosina, San Luis Potosi, México, Cobra dos Pecados
Cultura
Xilitla, San Luís Potosi, México

O Delírio Mexicano de Edward James

Na floresta tropical de Xilitla, a mente inquieta do poeta Edward James fez geminar um jardim-lar excêntrico. Hoje, Xilitla é louvada como um Éden do surreal.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Promessa?
Étnico
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Porfólio Got2Globe

O Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

USS Arizona, Pearl Harbour, Havai
História
Pearl Harbor, Havai

O Dia em que o Japão foi Longe Demais

Em 7 de Dezembro de 1941, o Japão atacou a base militar de Pearl Harbor. Hoje, partes do Havai parecem colónias nipónicas mas os EUA nunca esquecerão a afronta.
Vai-e-vem fluvial
Ilhas
Iriomote, Japão

Iriomote, uma Pequena Amazónia do Japão Tropical

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Fazenda de São João, Pantanal, Miranda, Mato Grosso do Sul, ocaso
Natureza
Fazenda São João, Miranda, Brasil

Pantanal com o Paraguai à Vista

Quando a fazenda Passo do Lontra decidiu expandir o seu ecoturismo, recrutou a outra fazenda da família, a São João. Mais afastada do rio Miranda, esta outra propriedade revela um Pantanal remoto, na iminência do Paraguai. Do país e do rio homónimo.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Mergulhão contra pôr-do-sol, Rio Miranda, Pantanal, Brasil
Parques Naturais
Passo do Lontra, Miranda, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Ruínas, Port Arthur, Tasmania, Australia
Património Mundial UNESCO
À Descoberta de Tassie,  Parte 2 - Hobart a Port Arthur, Austrália

Uma Ilha Condenada ao Crime

O complexo prisional de Port Arthur sempre atemorizou os desterrados britânicos. 90 anos após o seu fecho, um crime hediondo ali cometido forçou a Tasmânia a regressar aos seus tempos mais lúgubres.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Cargueiro Cabo Santa Maria, Ilha da Boa Vista, Cabo Verde, Sal, a Evocar o Sara
Praias
Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boa Vista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Religião
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Sobre Carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Mini-snorkeling
Sociedade
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Pesca, Caño Negro, Costa Rica
Vida Selvagem
Caño Negro, Costa Rica

Uma Vida à Pesca entre a Vida Selvagem

Uma das zonas húmidas mais importantes da Costa Rica e do Mundo, Caño Negro deslumbra pelo seu ecossistema exuberante. Não só. Remota, isolada por rios, pântanos e estradas sofríveis, os seus habitantes encontraram na pesca um meio embarcado de fortalecerem os laços da sua comunidade.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
PT EN ES FR DE IT