Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas


Volta ao coral grande
Lancha contorna um banco de coral nas imediações da Plantation Island.
Mandovi shopping center
Donas indo-fijianas de uma loja de beira de estrada no norte de Viti Levu.
Recreio balnear
Hóspedes da Plantation Island divertem-se num banco de areia concedido pela maré baixa.
O típico rosto fijiano
Teresia, uma das muitas trabalhadoras melanésias dos resorts da ilha.
Fiji animal vegetal
Vaca cebu junto a uma plantação de cana-de-açúcar de Viti Levu.
Mesmo à beira-mar
Pequeno armazém de equipamento aquático do resort.
Para Mataso, a voar
Autocarro percorre um trecho da velha Kings Road.
A esticar a corda
Trabalhador da Plantation Island segura a corda de âncora de uma lancha enquanto um dos herdeiros da ilha faz kitesurf.
Em fogo
Nativo fijiano exibe piro-acrobacias à beira da piscina de um hotel de Nadi.
Rumo a terra
Barco aproxima-se da Plantation Island sobre o pôr-do-sol.
Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.

O baptismo das povoações por que íamos passando nunca nos ajudaria a concluir qual a principal génese étnica de Fiji.

Os quilómetros de curvas e mais curvas sucediam-se na costa leste montanhosa e verdejante.

À medida que os percorríamos, confrontávamo-nos com um elenco inacreditável de aldeolas e lugarejos com sílabas repetidas: Rakiraki, Lomolomo, Kulukulu, Sanasana, Malolo, Malololailai, Namuamua, Tabutautau, Navala e por aí fora.

Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, bus

Autocarro percorre um trecho da velha Kings Road.

Quanto mais conduzíssemos para norte, mais exemplos poderíamos listar, encaixados entre a Kings Road e o Mar de Koro ou entre aquela estrada real semi-circular da ilha e as cordilheiras florestadas ou de um forro vegetal verde-amarelado que se impunham a ocidente.

Fosse como fosse, a conclusão nunca se provaria nem fácil, nem inequívoca.

As Peculiaridades Étnicas e Políticas do Arquipélago Melanésio de Fiji

Perdido para oeste do Pacífico do Sul, o arquipélago fijiano foi moldado ao longo de 3500 anos por diversas culturas polinésias, melanésias e micronésias desde que o povo Lapita ali chegou proveniente dos arquipélagos vizinhos das ilhas Salomão e de Vanuatu, se dedicou à agricultura e se multiplicou desmesuradamente o que deu azo a confrontações tribais recorrentes.

Hoje, os conflitos mais frequentes têm lugar, acima de tudo, entre os generais das forças armadas e os políticos que disputam o poder no arquipélago com recurso a frequentes golpes de estado e até a sequestros.

Já a agricultura, mantém-se pujante estimulada pela comunidade indo-fijiana que os colonos britânicos levaram da Índia para o arquipélago de 1879 a 1916 e que ali se estabeleceu para todo o sempre.

Entre os povoados de beira de estrada, confirmámos que a cana-de-açúcar a que os britânicos condenaram os seus novos trabalhadores ainda é soberana.

Preenche a maior parte de Viti Levu que os nativos e colonos conseguiram roubar à selva, original na época em que as grandes plantations garantiam fortunas ainda maiores.

Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, vaca, cana de açucar

Vaca cebu junto a uma plantação de cana-de-açúcar de Viti Levu.

A cana-de-açúcar nunca se tornou, todavia, monopolista. Ao largo da costa norte, proprietários de ilhas demasiado pequenas para acolherem a planta protegida da brisa salina do mar, optaram por uma alternativa óbvia. À chegada, muitas dessas ilhas já estavam rodeadas de coqueiros.

O coco sempre teve o seu próprio valor, tanto o da casca, usado para uma série de fibras, tecidos e materiais, como o da polpa, quando não conservada para alimentação directa, entregue à indústria da copra (do dialecto Tamil malayalam: koppara) que dela produz o apreciado óleo de coco.

Já explorávamos Viti Levu havia algum tempo. De repente, assalta-nos a ideia de espreitarmos algumas das ilhas secundárias ao largo até porque nos aproximávamos de Lautoka e Nadi, de onde partiam ligações de ferry para várias delas.

Paramos em Lautoka com o fim de recuperarmos energias. Aproveitámos para fazer algumas chamadas a partir de uma cabine telefónica local, perdida numa praça com lojas de um lado muçulmanas, do outro hindus.

Dessas chamadas, resultou um convite para passarmos uns dias numa tal de Plantation Island. A precisarmos de algum descanso balnear, aceitámo-lo com agrado e, apressámo-nos a entregar o carro alugado e para lá nos mudarmos.

Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, Plantation Island

Pequeno armazém de equipamento aquático do resort.

A Plantation Island que Colhe Lucros do Turismo

Recebem-nos Hannah e Brian Kirsch, um jovem casal australiano que cuidava dos resorts da ilha.

Hannah tratou de que nos instalassem e mimassem o melhor possível. “Tenho a certeza que vão adorar!” assegurou-nos. ”Eu só saio de cá para viagens longas. Não gosto nada de Nadi e dá-me demasiado trabalho chegar à Viti Levu profunda.”

Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, Mandovi shopping center

Donas indo-fijianas de uma loja de beira de estrada no norte de Viti Levu.

Fizemos o possível para mostrar agrado da sua reclusão da verdadeira Fiji, aparentemente com sucesso.

Hannah pareceu satisfeita por desabafar com visitantes que considerou mais ou menos do seu tipo: “Vou muito mais vezes à Austrália do que a Viti Levu. Sabem que eu tinha família em Port Arthur, na Tasmânia.

Mas houve aquele problema do serial killer, não sei se ouviram falar. A minha tia safou-se do rol de vítimas. Ainda assim, viu-se forçada a vender o hotel e tudo o resto por causa da fama negativa do massacre.”

O mundo não é propriamente pequeno mas, por coincidência, estávamos a par do que nos narrava a anfitriã. Alguns meses antes, tínhamos passado pelo lugar do crime.

Ficámos a par da matança perpetrada por Martin Bryant, em 1996, na colónia-penal museu local, a mais mortífera de sempre provocada por tiros de uma só pessoa até ao norueguês Anders Breivik, renovar o recorde há quatro anos atrás, na ilha de Utoya.

Não tardámos a perceber que, enquanto a tia vendera o seu hotel tasmaniano, Hannah e os três irmãos que pareciam já viver num óbvio desafogo financeiro, tinham acabado de herdar toda aquela inacreditável ilha do recém-falecido pai, Reginald Raffe.

Reginal tornou-se respeitado em Fiji pelo contributo pioneiro que deu para o desenvolvimento das Mamanucas, um arquipélago repleto de praias de areia de giz, mares cristalinos.

Por vezes turquesa, outras vezes esmeralda com bancos de areia e recifes de coral fotogénicos e submersos aos capricho das marés.

Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, recife coral

Lancha contorna um banco de coral nas imediações da Plantation Island.

A Plantation Island – também conhecida por Malolo Lailai – era a segunda maior e a ilha com mais infraestruturas desse arquipélago. Até 1966, fora detida por uma tal de família chinesa Wong Ket que retirava um lucro irregular dos milhares de coqueiros plantados.

Os endinheirados australianos Raffe e outros sócios compraram-na e construíram a pista de aterragem actual. Aos poucos, dotaram-na também de bures (cabanas fijianas) requintadas e prepararam-na para acolher a vaga de visitantes aussies e kiwis (depois, asiáticos) que começava a dar às costas de Fiji e que fez desta nação insular a mais turística do Pacífico do Sul.

Plantation Island ou Malolo Lailai:  de Coqueiral a Ilha-Resort Providencial de Fiji

Centenas de nativos viram-se prendados com os empregos criados pelos investidores. Na Plantation Island, eram sobretudo mulheres e mahus (assim é chamado terceiro género da Polinésia) os responsáveis pelo atendimento e tratamento dos clientes.

Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, mulher melanésia

Teresia, uma das muitas trabalhadoras melanésias dos resorts da ilha.

“Que tal estão a achar até agora da ilha?” questionavam-nos com demasiada frequência funcionários como Teresia e Api – este último com fortíssimos trejeitos efeminados – mais que fiéis à função que exerciam e à tradição de acolhimento da sua terra: “Já foram espreitar a vista do Uluisolo, o ponto mais alto da ilha?

De lá conseguem-se ver até as Yasawas. Vão entretanto, que apanham o pôr-do-sol! “

Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, kite surf, 2

Barco aproxima-se da Plantation Island sobre o pôr-do-sol.

Ainda para lá caminhámos mas não chegamos a tempo.

Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, encantador fogo

Nativo fijiano exibe piro-acrobacias à beira da piscina de um hotel de Nadi.

Incursão ao Banco de Areia Divinal de Malolo

Para compensar, no dia seguinte, bem cedo, saímos directos num itinerário de lancha e snorkeling pela barreira de recife de Malolo com uma derradeira paragem balnear nos bancos de areia em frente à ilha.

O timoneiro e o auxiliar a bordo tinham a evolução da maré controlada quase ao segundo e fizeram desembarcar os passageiros no preciso momento em que a água começava a descobrir os baixios.

Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, língua de areia, Plantation Island

Hóspedes da Plantation Island divertem-se num banco de areia concedido pela maré baixa.

Num ápice, ficaram descobertas pequenas praias quase privadas de que todos os hóspedes desfrutaram sem cerimónias, alguns simplesmente deleitados em banhos simultâneos de mar e de sol, outros, num corrupio de actividades bastante mais físicas.

Estava a comitiva da lancha neste recreio sortido quando, vindo do nada, qual super-herói dependurado das nuvens, apareceu a toda a velocidade um jovem kitesurfer que se entreteve a exibir a sua mestria sobre a prancha. Um dos tripulantes do barco não resistiu ao mexerico:

Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, kite surf

Trabalhador da Plantation Island segura a corda de âncora de uma lancha enquanto um dos herdeiros da ilha faz kitesurf.

“É o Jason Raffe, um dos irmãos da Hannah. Quando cá está, passa os dias ou a fazer mergulho ou naquilo. Há vidas assim!”

Viti Levu, Fiji

Canibalismo e Cabelo, Velhos Passatempos de Viti Levu, ilhas Fiji

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.
Viti Levu, Fiji

A Partilha Improvável da ilha Viti Levu

Em pleno Pacífico Sul, uma comunidade numerosa de descendentes de indianos recrutados pelos ex-colonos britânicos e a população indígena melanésia repartem há muito a ilha chefe de Fiji.
Navala, Fiji

O Urbanismo Tribal de Fiji

Fiji adaptou-se à invasão dos viajantes com hotéis e resorts ocidentalizados. Mas, nas terras altas de Viti Levu, Navala conserva as suas palhotas criteriosamente alinhadas.
Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a "Survivor"

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.
Upolu, Samoa  

No Coração Partido da Polinésia

O imaginário do Pacífico do Sul paradisíaco é inquestionável em Samoa mas a sua formosura tropical não paga as contas nem da nação nem dos habitantes. Quem visita este arquipélago encontra um povo dividido entre sujeitar-se à tradição e ao marasmo financeiro ou desenraizar-se em países com horizontes mais vastos.
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Samoa  

Em Busca do Tempo Perdido

Durante 121 anos, foi a última nação na Terra a mudar de dia. Mas, Samoa percebeu que as suas finanças ficavam para trás e, no fim de 2012, decidiu voltar para oeste da LID - Linha Internacional de Data.
Tongatapu, Tonga

A Última Monarquia da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma outra monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Safari
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Muktinath a Kagbeni, Circuito Annapurna, Nepal, Kagbeni
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 14º - Muktinath a Kagbeni, Nepal

Do Lado de Lá do Desfiladeiro

Após a travessia exigente de Thorong La, recuperamos na aldeia acolhedora de Muktinath. Na manhã seguinte, voltamos a descer. A caminho do antigo reino do Alto Mustang e da aldeia de Kagbeni que lhe serve de entrada.
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Hinduismo Balinês, Lombok, Indonésia, templo Batu Bolong, vulcão Agung em fundo
Cerimónias e Festividades
Lombok, Indonésia

Lombok: Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito
Hiroxima, cidade rendida à paz, Japão
Cidades
Hiroxima, Japão

Hiroxima: uma Cidade Rendida à Paz

Em 6 de Agosto de 1945, Hiroxima sucumbiu à explosão da primeira bomba atómica usada em guerra. Volvidos 70 anos, a cidade luta pela memória da tragédia e para que as armas nucleares sejam erradicadas até 2020.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cultura
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
DMZ, Coreia do Sul, Linha sem retorno
Em Viagem
DMZ, Dora - Coreia do Sul

A Linha Sem Retorno

Uma nação e milhares de famílias foram divididas pelo armistício na Guerra da Coreia. Hoje, enquanto turistas curiosos visitam a DMZ, várias das fugas dos oprimidos norte-coreanos terminam em tragédia
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Étnico
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Santa Marta, Tayrona, Simón Bolivar, Ecohabs do Parque Nacional Tayrona
História
Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.
El Nido, Palawan a Ultima Fronteira Filipina
Ilhas
El Nido, Filipinas

El Nido, Palawan: A Última Fronteira Filipina

Um dos cenários marítimos mais fascinantes do Mundo, a vastidão de ilhéus escarpados de Bacuit esconde recifes de coral garridos, pequenas praias e lagoas idílicas. Para a descobrir, basta uma bangka.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Natureza
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
viajantes contemplam, monte fitz roy, argentina
Parques Naturais
El Chalten, Argentina

O Apelo de Granito da Patagónia

Duas montanhas de pedra geraram uma disputa fronteiriça entre a Argentina e o Chile.Mas estes países não são os únicos pretendentes.Há muito que os cerros Fitz Roy e Torre atraem alpinistas obstinados
Celebração newar, Bhaktapur, Nepal
Património Mundial UNESCO
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Personagens
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Praias
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Religião
Lhasa, Tibete

Quando o Budismo se Cansa da Meditação

Nem só com silêncio e retiro espiritual se procura o Nirvana. No Mosteiro de Sera, os jovens monges aperfeiçoam o seu saber budista com acesos confrontos dialécticos e bateres de palmas crepitantes.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre Carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Casamentos em Jaffa, Israel,
Sociedade
Jaffa, Israel

Onde Assenta a Telavive Sempre em Festa

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Vida Selvagem
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
PT EN ES FR DE IT