Ilha Kéré, Bijagós, Guiné Bissau

A Pequena Bijagó que Acolheu um Grande Sonho


Enseada
Ocaso Calabaceiro
Garça-Azul
O Recanto dos Durris
“Estrela do Mar”
Paz entre Embondeiros
Sol cai sobre Caravela
Cabana entre Embondeiros
A Banda Sonora
Ilha Kéré
Rapaz Bijagó com a Pesca do Dia
Casa virada a Norte
Lições de Pesca
Carregadores Bijagós
Do Ar
Canto ao Sol
Luzes da Boa-Vida
Criado na Costa do Marfim, o francês Laurent encontrou, no arquipélago das Bijagós, o lugar que o arrebatou. A ilha que partilha com a esposa portuguesa Sónia, aceitou-os e ao afecto que sentiam pela Guiné Bissau. Há muito que Kéré e as Bijagós encantam quem os visita.

“Fotografem tudo, o mais bonito possível, mas não me fotografem a mim, por favor!” roga-nos F., um francês que não podemos identificar, por respeito ao seu pedido.

“É que nós combinámos entre nós, mas a minha mulher não sabe que eu vim para cá.”

Seguimos a bordo de uma lancha que nos leva de Quinhamel à ilha de Kéré. Nós, e um grupo de franceses loucos pela pesca. Em particular, pela pesca nas Bijagós.

Em redor, golfinhos exibem as suas acrobacias. De quando em quando, vemos o mar liso eclodir, pejado de cardumes acossados por barracudas famintas e afins.

A lancha progride a boa velocidade. Afasta-se do estuário do grande rio Geba, na direcção do oceano, por uma vastidão de água salgada que já nos parece o Atlântico, se bem que o arquipélago das Bijagós que se interpõe, se esconde para sudoeste.

Leigos no tema, perguntamos a um dos amigos de F., o que dota as Bijagós de uma pesca assim tão especial, se, por exemplo, os Açores não estão à altura. “Ah não, nem pensar. Nos Açores sopram os Alísios, não é como aqui.” Ficamos quase na mesma. F. intervém com a boa-disposição que, aos poucos, percebemos que o distingue.

“Vocês vejam lá. Não lhe perguntem nada que não tenha que ver com pesca. O cérebro dele só funciona para a pesca. Agora mesmo, está em modo sonar, a perscrutar em volta!”

Rimo-nos todos a bom rir. Logo, voltamos a contemplar o mar raso, atentos ao que mais nos revelaria.

Acompanhamos a costa ocidental da ilha de Maio. Decorrida quase uma hora de navegação, outras linhas de costa se definem à nossa frente.

Ilha Kéré à Vista

Duas, mais vastas.

Entre elas, delimita-se uma outra, por comparação, ínfima.

É Kéré.

Chegamos à ilha nosso destino com o ocaso a compor-se. Só quando a circundamos para oeste é que a vemos com luz de ver.

O areal alvo, os embondeiros ainda frondosos que dela despontam e, algo veladas pela vegetação, as cabanas do ecolodge residente.

Ancoramos.

Laurent, o anfitrião, aparece. Saúda e dá as boas-vindas aos visitantes.

Os pescadores franceses parecem-nos em êxtase por o reverem. F. não tem como resistir.

Prenda-nos com nova tirada que nos faz rir quase à lágrima. “Bom, cá estamos nós de novo! Ansiosos de nos entregarmos às vossas actividades, o pilates, ioga, até mesmo a olaria!”

Cumprimentamos Sónia meio à pressa.

O sol banha Kéré de um dourado precioso e Sónia está ocupada, além de que sabe ao que vamos.

Sem cerimónia, concede-nos soltura.

A maré baixa. Faz aumentar o areal inclinado.

Pela primeira vez, cirandamos por detrás da linha de vegetação.

Atentos às silhuetas graciosas geradas pelos embondeiros, pelas aves que os habitam e até pelas calabaceiras agridoces dependuradas das árvores da vida.

Anoitece.

Os clientes deliciam-se com refeições de peixe recém-pescado ao largo, barracuda, carpas, sereias.

Uma comunidade de morcegos frugívoros habitam árvores logo ao lado.

Despertados pelo escurecer, banqueteiam-se, com as bananas maduras de um grande cacho exposto no limiar do restaurante.

Conversa para cá, conversa para lá, rendemo-nos ao cansaço do dia.

Recolhemos à cabana que nos calhara, a uns poucos passos do mar das Bijagós, sob a abóbada híper-estrelada do Universo.

Um Novo dia, na Natureza Exuberante das Bijagós

Acordamos com a aurora, ao som de uma sinfonia natural como há muito não ouvíamos.

Ao chirriar estridente dos grilos, juntava-se o arrulhar sincronizado da comunidade prolífica de rolas da ilha.

Outros pássaros sortidos, acrescentavam os seus piares característicos.

Uns poucos galos cantavam em jeito de solo. Toda aquela inesperada energia sonora, contagia-nos.

Inspira-nos a saltarmos das camas e a vivermos o esplendor africano que Kéré nos guardava.

Nos mesmos poucos passos, chegamos à orla sul da ilha.

Constatamos que o oceano ainda invadia o leito exposto, em volta. Seguiam-no sucessivos cardumes.

Tal como na tarde anterior, a espaços, os peixes sofrem ataques de predadores. Entram em pânico, projectam-se, contorcem-se.

Geram rajadas de estalidos que agitam a água veloz.

Um Éden Guineense que há muito Atrai Pescadores

Tal som e visão volta a inquietar os pescadores. A maior parte são veteranos. Uns poucos, estão a aprender.

Desembarcaram em Kéré acompanhados de guias de pesca. Sem excepção, todos anseiam por zarpar nas lanchas e lançarem os seus anzóis e íscos onde as Bijagós mais prometem.

O grupo de franceses não tarda a partir, na primeira de várias incursões. Laurent acompanha-os, numas poucas, imaginamos que com prazer renovado.

A pesca sempre alimentou a vida de Laurent. Vistas bem as coisas, foi a pesca que acabou por lhe conceder Kéré, numa história de vida que, bem contada, dava um filme.

A Incrível Vida Africana do Francês Laurent Durris

Laurent Durris cresceu, em Abidjan, na Costa do Marfim. Laurent não conseguia, na escola, o sucesso que os pais, professores, dele esperavam.

Viu-se prendado com um barco. Ainda em Abidjan, começou a pescar.

Aperfeiçoou os seus dotes de pescador, ao ponto de, mais tarde, ambicionar barcos melhores e mares mais pejados de peixe.

A isso, juntava-se uma paixão inexplicável, visível no seu quarto de infância, decorado com inúmeras imagens de ilhas do Mundo.

Confrontado com a obrigação de ganhar a vida, Laurent optou por ser militar. Manteve-se militar francês durante onze anos, num período em que, diversas condicionantes ditaram que vivesse em França.

Por essa altura, o irmão de Laurent estava pela Guiné Bissau, já então, um lugar de pesca idolatrado por boa parte dos pescadores franceses. Laurent juntou-se-lhe num retiro de pesca e de exploração das Bijagós. Tudo correu de feição.

Mas, quando Laurent voltou a França, padecia de um caso grave de paludismo cerebral. Esteve às portas da morte, de tal maneira que os médicos pediram autorização à família para desligarem as máquinas que sustinham o coma em que se mantinha.

A família recusou. Ao contrário do vaticinado, passados dezasseis dias, Laurent despertou. Padecia de graves danos motores, mas não estava o vegetal que os médicos tinham dito que se tornaria. Uma fisioterapia intensa permitiu-lhe recuperar na íntegra.

De Volta à Vida e aos Braços das Bijagós

Em vez de rejeitar África e a Guiné Bissau, abraçou-as e ao seu sonho. Deixou França.

Voltou à companhia do irmão. Juntos, orientaram a vida a partir da ilha de Bubaque, a trabalhar como marinheiros e guias de pesca para os lodges das Bijagós.

Numa ocasião, foram contratados por uma equipa de cientistas.

Ao percorrerem o arquipélago, deram com Kéré. Laurent não apreciava por aí além a vida mais confusa de Bubaque.

Sentiu que, aquela, era a ilha dos seus sonhos.

Só que Kéré era sagrada.

Para a poder habitar, Laurent teve que visitar e pedir autorização dos irãs (espíritos), numa primeira fase, por intermédio de um balobeiro, uma espécie de guia espiritual guineense.

De início, a sua vontade provou-se curta. Tornou-se suficiente quando ajudou uma mulher, com as águas rebentadas, a dar à luz. A mulher era filha de um régulo de uma tabanca de Caravela.

Esse régulo, reconheceu a ajuda de Laurent. Afeiçoou-se, de tal forma, ao francês que o perfilhou.

À laia de recompensa, ajudou-o ainda a conseguir de Djamba, o balobeiro competente, a permissão dos irãs para se assentar em Kéré.

Seguiu-se a também necessária legalização em Bissau.

Por fim, Laurent pôde fixar-se na ilha com que sonhava.

E investir em infraestruturas e equipamento, com vista num lodge dedicado à pesca nas Bijagós.

Laurent, Sónia e a Vida Partilhada da Ilha Kéré

Por sua vez, Sónia trabalhava numa ONG de apoio à Guiné Bissau, havia já três anos. Desembarcou em Kéré e na vida de Laurent como mera cliente.

Lá se apaixonaram.

Laurent e Sónia resolveram louvar a oportunidade que as Bijagós lhes concederam.

Por respeito ao povo que os acolheu, submeteram-se a cerimónias preparativas. Casaram de acordo com a tradição Bijagó.

Experiente no desenvolvimento de projectos das ONGs, Sónia formou o duo perfeito com Laurent.

Kéré não tinha sequer água doce.

Ainda assim, aos poucos, enquanto criavam Gabriela, a filha de ambos, dotaram Kéré do ecolodge acolhedor que, nos períodos mais movimentados, emprega mais de quarenta guineenses, a maior parte, de etnia bijagó.

E que nos continuou a deslumbrar.

A Chegada da Grande Canoa Abastecedora

A meio da tarde, com a maré de novo a vazar, a “Estrela do Mar” uma piroga enorme e colorida, das muitas que sulcam as Bijagós, ancora diante de Kéré, a jeito de entregar à ilha alguns dos mantimentos de que carece.

Dois ou três jovens bijagós, com corpos de guerreiros espartanos, descarregam e fazem rolar, areal acima, bidãos e jerricans.

Deixam ainda uns poucos peixes pescados pelo caminho.

A “Estrela do Mar” afasta-se na direcção de Caravela.

Pouco depois, detém-se num ponto estratégico do canal, à espera que a maré enchente viabilizasse o que faltava do trajecto.

Seguimos na mesma direcção.

O Recanto da Ilha “de Laurent e de Sónia”, mas de Todos

Para o norte da ilha em que, entre embondeiros, Laurent e Sónia têm o seu lar.

Garças e corvos-de-barriga-branca denunciam-nos.

Águias-pesqueiras descolam dos ninhos em missão de reconhecimento de Kéré.

Chica passeia-se, descalça, sobre a laterite com visual de pedra-lava, que o mar se apressava a cobrir.

“Olá, tudo bom? Perdeste alguma coisa” perguntamos-lhe quando a vemos perscrutar as rochas e poças. “

Não, estou à procura de uns petiscos que se escondem por aqui”.

Kéré pouco mais mede que dois campos de futebol.

Ainda nos custa a acreditar que, à partida, sagrada e desconhecida, abriga, agora, toda aquela vida.

COMO IR: 

Voe com a Euroatlantic , Lisboa-Bissau e Bissau-Lisboa, às sextas-feiras.

RESERVE AS SUAS FÉRIAS NA ILHA KÉRÉ EM:

http://bijagos-kere.fr ou pelo telm. e Whats App:+245 966993827

Cruzeiro Africa Princess, 2º Orangozinho, Bijagós, Guiné Bissau

Orangozinho e os Confins do PN Orango

Após uma primeira incursão à ilha Roxa, zarpamos de Canhambaque para um fim de dia à descoberta do litoral no fundo vasto e inabitado de Orangozinho. Na manhã seguinte, navegamos rio Canecapane acima, em busca da grande tabanca da ilha, Uite.
Ilha Kéré a Orango, Bijagós, Guiné Bissau

Em Busca dos Hipopótamos Lacustres-Marinhos e Sagrados das Bijagós

São os mamíferos mais letais de África e, no arquipélago das Bijagós, preservados e venerados. Em virtude da nossa admiração particular, juntamo-nos a uma expedição na sua demanda. Com partida na ilha de Kéré e fortuna no interior da de Orango.
Cruzeiro Africa Princess, 1º Bijagós, Guiné Bissau

Rumo a Canhambaque, pela História da Guiné Bissau

O Africa Princess zarpa do porto de Bissau, estuário do rio Geba abaixo. Cumprimos uma primeira escala na ilha de Bolama. Da antiga capital, prosseguimos para o âmago do arquipélago das Bijagós.
Bubaque, Bijagós, Guiné Bissau

O Portal das Bijagós

No plano político, Bolama subsiste capital. No âmago do arquipélago e no dia-a-dia, Bubaque ocupa esse lugar. Esta cidade da ilha homónima acolhe a maior parte dos forasteiros. Em Bubaque se encantam. A partir de Bubaque, muitos se aventuram rumo a outras Bijagós.
Tabatô, Guiné Bissau

Tabatô: ao Ritmo do Balafom

Durante a nossa visita à tabanca, num ápice, os djidius (músicos poetas)  mandingas organizam-se. Dois dos balafonistas prodigiosos da aldeia assumem a frente, ladeados de crianças que os imitam. Cantoras de megafone em riste, cantam, dançam e tocam ferrinhos. Há um tocador de corá e vários de djambés e tambores. A sua exibição gera-nos sucessivos arrepios.
Tabatô, Guiné Bissau

A Tabanca dos Músicos Poetas Mandingas

Em 1870, uma comunidade de músicos mandingas em itinerância, instalou-se junto à actual cidade de Bafatá. A partir da Tabatô que fundaram, a sua cultura e, em particular, os seus balafonistas prodigiosos, deslumbram o Mundo.
São Nicolau, Cabo Verde

Fotografia dess Nha Terra São Nicolau

A voz da saudosa Cesária Verde cristalizou o sentimento dos cabo-verdianos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau ou, vá lá que seja, admira imagens que a bem ilustrem, percebe porque os seus lhe chamam, para sempre e com orgulho, nha terra.
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda

Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.
São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade

Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.
Varela, Guiné Bissau

Praia, derradeiro Litoral, até à Fronteira com o Senegal

Algo remota, de acesso desafiante, a aldeia pacata e piscatória de Varela compensa quem a alcança com a afabilidade da sua gente e com um dos litorais deslumbrantes, mas em risco, da Guiné Bissau.
Elalab, Guiné Bissau

Uma Tabanca na Guiné dos Meandros sem Fim

São incontáveis os afluentes e canais que, a norte do grande rio Cacheu, serpenteiam entre manguezais e encharcam terras firmes. Contra todas as dificuldades, gentes felupes lá se instalaram e mantêm povoações prolíficas que envolveram de arrozais. Elalab, uma delas, tornou-se uma das tabancas mais naturais e exuberantes da Guiné Bissau.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Safari
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
Cansaço em tons de verde
Cerimónias e Festividades
Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival.
Coração Budista do Myanmar
Cidades
Yangon, Myanmar

A Grande Capital da Birmânia (Delírios da Junta Militar à Parte)

Em 2005, o governo ditatorial do Myanmar inaugurou uma nova capital bizarra e quase deserta. A vida exótica e cosmopolita mantém-se intacta, em Yangon, a maior e mais fascinante cidade birmanesa.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Cabine Saphire, Purikura, Tóquio, Japão
Cultura
Tóquio, Japão

Fotografia Tipo-Passe à Japonesa

No fim da década de 80, duas multinacionais nipónicas já viam as fotocabines convencionais como peças de museu. Transformaram-nas em máquinas revolucionárias e o Japão rendeu-se ao fenómeno Purikura.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Chiang Khong a Luang prabang, Laos, Pelo Mekong Abaixo
Em Viagem
Chiang Khong - Luang Prabang, Laos

Barco Lento, Rio Mekong Abaixo

A beleza do Laos e o custo mais baixo são boa razões para navegar entre Chiang Khong e Luang Prabang. Mas esta longa descida do rio Mekong pode ser tão desgastante quanto pitoresca.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Étnico
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Mural de Key West, Flórida Keys, Estados Unidos
História
Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Ilha de São Miguel, Acores Deslumbrantes por Natureza
Ilhas
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Quebra-Gelo Sampo, Kemi, Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Preikestolen, Rocha do Púlpito, trono arriscado
Natureza
Preikestolen - Rocha do Púlpito, Noruega

Peregrinação ao Púlpito de Rocha da Noruega

Não faltam cenários grandiosos à Noruega dos fiordes sem fim. Em pleno fiorde de Lyse, o cimo destacado, alisado e quase quadrado de uma falésia com mais de 600 metros forma um inesperado púlpito rochoso. Subir às suas alturas, espreitar os precipícios e apreciar os panoramas em redor tem muito de revelação.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
ilha de Alcatraz, Califórnia, Estados Unidos
Parques Naturais
Alcatraz, São Francisco, E.U.A.

De Volta ao Rochedo

Quarenta anos passados sobre o fim da sua pena, a ex-prisão de Alcatraz recebe mais visitas que nunca. Alguns minutos da sua reclusão explicam porque o imaginário do The Rock arrepiava os piores criminosos.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Património Mundial UNESCO
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Sesimbra, Vila, Portugal, Vista do alto
Praias
Sesimbra, Portugal

Uma Vila Tocada por Midas

Não são só a Praia da Califórnia e a do Ouro que a encerram a sul. Abrigada das fúrias do ocidente atlântico, prendada com outras enseadas imaculadas e dotada de fortificações seculares, Sesimbra é, hoje, um porto de abrigo piscatório e balnear precioso.
Motociclista no desfiladeiro de Sela, Arunachal Pradesh, Índia
Religião
Guwahati a Sela Pass, Índia

Viagem Mundana ao Desfiladeiro Sagrado de Sela

Durante 25 horas, percorremos a NH13, uma das mais elevadas e perigosas estradas indianas. Viajamos da bacia do rio Bramaputra aos Himalaias disputados da província de Arunachal Pradesh. Neste artigo, descrevemos-lhe o trecho até aos 4170 m de altitude do Sela Pass que nos apontou à cidade budista-tibetana de Tawang.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sociedade
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Manada de búfalos asiáticos, Maguri Beel, Assam, Índia
Vida Selvagem
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.