Ilha Kéré, Bijagós, Guiné Bissau

A Pequena Bijagó que Acolheu um Grande Sonho


Enseada
Ocaso Calabaceiro
Garça-Azul
O Recanto dos Durris
“Estrela do Mar”
Paz entre Embondeiros
Sol cai sobre Caravela
Cabana entre Embondeiros
A Banda Sonora
Ilha Kéré
Rapaz Bijagó com a Pesca do Dia
Casa virada a Norte
Lições de Pesca
Carregadores Bijagós
Do Ar
Canto ao Sol
Luzes da Boa-Vida
Criado na Costa do Marfim, o francês Laurent encontrou, no arquipélago das Bijagós, o lugar que o arrebatou. A ilha que partilha com a esposa portuguesa Sónia, aceitou-os e ao afecto que sentiam pela Guiné Bissau. Há muito que Kéré e as Bijagós encantam quem os visita.

“Fotografem tudo, o mais bonito possível, mas não me fotografem a mim, por favor!” roga-nos F., um francês que não podemos identificar, por respeito ao seu pedido.

“É que nós combinámos entre nós, mas a minha mulher não sabe que eu vim para cá.”

Seguimos a bordo de uma lancha que nos leva de Quinhamel à ilha de Kéré. Nós, e um grupo de franceses loucos pela pesca. Em particular, pela pesca nas Bijagós.

Em redor, golfinhos exibem as suas acrobacias. De quando em quando, vemos o mar liso eclodir, pejado de cardumes acossados por barracudas famintas e afins.

A lancha progride a boa velocidade. Afasta-se do estuário do grande rio Geba, na direcção do oceano, por uma vastidão de água salgada que já nos parece o Atlântico, se bem que o arquipélago das Bijagós que se interpõe, se esconde para sudoeste.

Leigos no tema, perguntamos a um dos amigos de F., o que dota as Bijagós de uma pesca assim tão especial, se, por exemplo, os Açores não estão à altura. “Ah não, nem pensar. Nos Açores sopram os Alísios, não é como aqui.” Ficamos quase na mesma. F. intervém com a boa-disposição que, aos poucos, percebemos que o distingue.

“Vocês vejam lá. Não lhe perguntem nada que não tenha que ver com pesca. O cérebro dele só funciona para a pesca. Agora mesmo, está em modo sonar, a perscrutar em volta!”

Rimo-nos todos a bom rir. Logo, voltamos a contemplar o mar raso, atentos ao que mais nos revelaria.

Acompanhamos a costa ocidental da ilha de Maio. Decorrida quase uma hora de navegação, outras linhas de costa se definem à nossa frente.

Ilha Kéré à Vista

Duas, mais vastas.

Entre elas, delimita-se uma outra, por comparação, ínfima.

É Kéré.

Chegamos à ilha nosso destino com o ocaso a compor-se. Só quando a circundamos para oeste é que a vemos com luz de ver.

O areal alvo, os embondeiros ainda frondosos que dela despontam e, algo veladas pela vegetação, as cabanas do ecolodge residente.

Ancoramos.

Laurent, o anfitrião, aparece. Saúda e dá as boas-vindas aos visitantes.

Os pescadores franceses parecem-nos em êxtase por o reverem. F. não tem como resistir.

Prenda-nos com nova tirada que nos faz rir quase à lágrima. “Bom, cá estamos nós de novo! Ansiosos de nos entregarmos às vossas actividades, o pilates, ioga, até mesmo a olaria!”

Cumprimentamos Sónia meio à pressa.

O sol banha Kéré de um dourado precioso e Sónia está ocupada, além de que sabe ao que vamos.

Sem cerimónia, concede-nos soltura.

A maré baixa. Faz aumentar o areal inclinado.

Pela primeira vez, cirandamos por detrás da linha de vegetação.

Atentos às silhuetas graciosas geradas pelos embondeiros, pelas aves que os habitam e até pelas calabaceiras agridoces dependuradas das árvores da vida.

Anoitece.

Os clientes deliciam-se com refeições de peixe recém-pescado ao largo, barracuda, carpas, sereias.

Despertados pelo escurecer, uma comunidade de morcegos frugívoros que habitam árvores logo ao lado, banqueteia-se, com as bananas maduras, de um grande cacho exposto no limiar do restaurante.

Conversa para cá, conversa para lá, rendemo-nos ao cansaço do dia.

Recolhemos à cabana que nos calhara, a uns poucos passos do mar das Bijagós, sob a abóbada híper-estrelada do Universo.

Um Novo dia, na Natureza Exuberante das Bijagós

Acordamos com a aurora, ao som de uma sinfonia natural como há muito não ouvíamos.

Ao chirriar estridente dos grilos, juntava-se o arrulhar sincronizado da comunidade prolífica de rolas da ilha.

Outros pássaros sortidos, acrescentavam os seus piares característicos.

Uns poucos galos cantavam em jeito de solo. Toda aquela inesperada energia sonora, contagia-nos.

Inspira-nos a saltarmos das camas e a vivermos o esplendor africano que Kéré nos guardava.

Nos mesmos poucos passos, chegamos à orla sul da ilha.

Constatamos que o oceano ainda invadia o leito exposto, em volta. Seguiam-no sucessivos cardumes.

Tal como na tarde anterior, a espaços, os peixes sofrem ataques de predadores. Entram em pânico, projectam-se, contorcem-se.

Geram rajadas de estalidos que agitam a água veloz.

Ilha Kéré e as Bijagós. Um Éden Guineense que há muito Atrai Pescadores

Tal som e visão volta a inquietar os pescadores. A maior parte são veteranos. Uns poucos, estão a aprender.

Desembarcaram em Kéré acompanhados de guias de pesca. Sem excepção, todos anseiam por zarpar nas lanchas e lançarem os seus anzóis e íscos onde as Bijagós mais prometem.

O grupo de franceses não tarda a partir, na primeira de várias incursões. Laurent acompanha-os, numas poucas, imaginamos que com prazer renovado.

A pesca sempre alimentou a vida de Laurent. Vistas bem as coisas, foi a pesca que acabou por lhe conceder Kéré, numa história de vida que, bem contada, dava um filme.

A Incrível Vida Africana do Francês Laurent Durris

Laurent Durris cresceu, em Abidjan, na Costa do Marfim. Laurent não conseguia, na escola, o sucesso que os pais, professores, dele esperavam. Viu-se prendado com um barco. Ainda em Abidjan, começou a pescar.

Aperfeiçoou os seus dotes de pescador, ao ponto de, mais tarde, ambicionar barcos melhores e mares mais pejados de peixe.

A isso, juntava-se uma paixão inexplicável, visível no seu quarto de infância, decorado com inúmeras imagens de ilhas do Mundo.

Confrontado com a obrigação de ganhar a vida, Laurent optou por ser militar. Manteve-se militar francês durante onze anos, num período em que, diversas condicionantes ditaram que vivesse em França.

Por essa altura, o irmão de Laurent estava pela Guiné Bissau, já então, um lugar de pesca idolatrado por boa parte dos pescadores franceses. Laurent juntou-se-lhe num retiro de pesca e de exploração das Bijagós. Tudo correu de feição.

Mas, quando Laurent voltou a França, padecia de um caso grave de paludismo cerebral. Esteve às portas da morte, de tal maneira que os médicos pediram autorização à família para desligarem as máquinas que sustinham o coma em que se mantinha.

A família recusou. Ao contrário do vaticinado, passados dezasseis dias, Laurent despertou. Padecia de graves danos motores, mas não estava o vegetal que os médicos tinham dito que se tornaria. Uma fisioterapia intensa permitiu-lhe recuperar na íntegra.

De Volta à Vida e aos Braços das Bijagós

Em vez de rejeitar África e a Guiné Bissau, abraçou-as e ao seu sonho. Deixou França.

Voltou à companhia do irmão. Juntos, orientaram a vida a partir da ilha de Bubaque, a trabalhar como marinheiros e guias de pesca para os lodges das Bijagós.

Numa ocasião, foram contratados por uma equipa de cientistas.

Ao percorrerem o arquipélago, deram com Kéré. Laurent não apreciava por aí além a vida mais confusa de Bubaque.

Sentiu que, aquela, era a ilha dos seus sonhos.

Só que Kéré era sagrada.

Para a poder habitar, Laurent teve que visitar e pedir autorização dos irãs (espíritos), numa primeira fase, por intermédio de um balobeiro, uma espécie de guia espiritual guineense.

De início, a sua vontade provou-se curta. Tornou-se suficiente quando ajudou uma mulher, com as águas rebentadas, a dar à luz. A mulher era filha de um régulo de uma tabanca de Caravela.

Esse régulo, reconheceu a ajuda de Laurent. Afeiçoou-se, de tal forma, ao francês que o perfilhou.

À laia de recompensa, ajudou-o ainda a conseguir de Djamba, o balobeiro competente, a permissão dos irãs para se assentar em Kéré.

Seguiu-se a também necessária legalização em Bissau.

Por fim, Laurent pôde fixar-se na ilha com que sonhava.

E investir em infraestruturas e equipamento, com vista num lodge dedicado à pesca nas Bijagós.

Laurent, Sónia e a Vida Partilhada da Ilha Kéré

Por sua vez, Sónia trabalhava numa ONG de apoio à Guiné Bissau, havia já três anos. Desembarcou em Kéré e na vida de Laurent como mera cliente.

Lá se apaixonaram.

Laurent e Sónia resolveram louvar a oportunidade que as Bijagós lhes concederam.

Por respeito ao povo que os acolheu, submeteram-se a cerimónias preparativas. Casaram de acordo com a tradição Bijagó.

Experiente no desenvolvimento de projectos das ONGs, Sónia formou o duo perfeito com Laurent.

Kéré não tinha sequer água doce.

Ainda assim, aos poucos, enquanto criavam Gabriela, a filha de ambos, dotaram Kéré do ecolodge acolhedor que, nos períodos mais movimentados, emprega mais de quarenta guineenses, a maior parte, de etnia bijagó.

E que nos continuou a deslumbrar.

A Chegada da Grande Canoa Abastecedora

A meio da tarde, com a maré de novo a vazar, a “Estrela do Mar” uma piroga enorme e colorida, das muitas que sulcam as Bijagós, ancora diante de Kéré, a jeito de entregar à ilha alguns dos mantimentos de que carece.

Dois ou três jovens bijagós, com corpos de guerreiros espartanos, descarregam e fazem rolar, areal acima, bidãos e jerricans.

Deixam ainda uns poucos peixes pescados pelo caminho.

A “Estrela do Mar” afasta-se na direcção de Caravela.

Pouco depois, detém-se num ponto estratégico do canal, à espera que a maré enchente viabilizasse o que faltava do trajecto.

Seguimos na mesma direcção.

O Recanto da Ilha “de Laurent e de Sónia”, mas de Todos

Para o norte da ilha em que, entre embondeiros, Laurent e Sónia têm o seu lar.

Garças e corvos-de-barriga-branca denunciam-nos. Águias-pesqueiras descolam dos ninhos em missão de reconhecimento.

Chica passeia-se, descalça, sobre a laterite com visual de pedra-lava, que o mar se apressava a cobrir.

“Olá, tudo bom? Perdeste alguma coisa” perguntamos-lhe quando a vemos perscrutar as rochas e poças. “

Não, estou à procura de uns petiscos que se escondem por aqui”.

Kéré pouco mais mede que dois campos de futebol.

Ainda nos custa a acreditar que, à partida, sagrada e desconhecida, abriga, agora, toda aquela vida.

RESERVE AS SUAS FÉRIAS NA ILHA KÉRÉ EM:

http://bijagos-kere.fr ou pelo telm. e Whats App:+245 966993827

São Nicolau, Cabo Verde

Fotografia dess Nha Terra São Nicolau

A voz da saudosa Cesária Verde cristalizou o sentimento dos cabo-verdianos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau ou, vá lá que seja, admira imagens que a bem ilustrem, percebe porque os seus lhe chamam, para sempre e com orgulho, nha terra.
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda

Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.
São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade

Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.
Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Chã das Caldeiras a Mosteiros: descida pelos Confins do Fogo

Com o cimo de Cabo Verde conquistado, dormimos e recuperamos em Chã das Caldeiras, em comunhão com algumas das vidas à mercê do vulcão. Na manhã seguinte, iniciamos o regresso à capital São Filipe, 11 km de caminho para Mosteiros abaixo.
Brava, Cabo Verde

A Ilha Brava de Cabo Verde

Aquando da colonização, os portugueses deparam-se com uma ilha húmida e viçosa, coisa rara, em Cabo Verde. Brava, a menor das ilhas habitadas e uma das menos visitadas do arquipélago preserva uma genuinidade própria da sua natureza atlântica e vulcânica algo esquiva.
Santiago, Cabo Verde

Ilha de Santiago de Baixo a Cima

Aterrados na capital cabo-verdiana de Praia, exploramos a sua pioneira antecessora. Da Cidade Velha, percorremos a crista montanhosa e deslumbrante de Santiago, até ao topo desafogado de Tarrafal.
Santo Antão, Cabo Verde

Porto Novo a Ribeira Grande pelo Caminho do Mar

Desembarcados e instalados em Porto Novo de Santo Antão, depressa constatamos duas rotas para chegar à segunda maior povoação da ilha. Já rendidos ao sobe-e-desce monumental da Estrada da Corda, deslumbramo-nos com o dramatismo vulcânico e atlântico da alternativa costeira.
Ponta do Sol a Fontainhas, Santo Antão, Cabo Verde

Uma Viagem Vertiginosa a Partir da Ponta do Sol

Atingimos o limiar norte de Santo Antão e de Cabo Verde. Em nova tarde de luz radiosa, acompanhamos a azáfama atlântica dos pescadores e o dia-a-dia menos litoral da vila. Com o ocaso iminente, inauguramos uma demanda sombria e intimidante do povoado das Fontainhas.
Mindelo, São Vicente, Cabo Verde

O Milagre de São Vicente

São Vicente sempre foi árida e inóspita a condizer. A colonização desafiante da ilha submeteu os colonos a sucessivas agruras. Até que, por fim, a sua providencial baía de águas profundas viabilizou o Mindelo, a urbe mais cosmopolita e a capital cultural de Cabo Verde.
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Safari
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Visitantes nos Jameos del Água, Lanzarote, Canárias, Espanha
Arquitectura & Design
Lanzarote, Ilhas Canárias

A César Manrique o que é de César Manrique

Só por si, Lanzarote seria sempre uma Canária à parte mas é quase impossível explorá-la sem descobrir o génio irrequieto e activista de um dos seus filhos pródigos. César Manrique faleceu há quase trinta anos. A obra prolífica que legou resplandece sobre a lava da ilha vulcânica que o viu nascer.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
auto flagelacao, paixao de cristo, filipinas
Cerimónias e Festividades
Marinduque, Filipinas

A Paixão Filipina de Cristo

Nenhuma nação em redor é católica mas muitos filipinos não se deixam intimidar. Na Semana Santa, entregam-se à crença herdada dos colonos espanhóis.A auto-flagelação torna-se uma prova sangrenta de fé
Basseterre, São Cristóvão e Neves, St. Kitts, Berkeley Memorial
Cidades
Basseterre, São Cristóvão e Neves

Uma Capital ao Nível do Mar das Caraíbas

Instalada entre o sopé da montanha Olivees e o oceano, a diminuta Basseterre é a maior cidade de São Cristóvão e Neves. Com origem colonial francesa, há muito anglófona, mantém-se pitoresca. Desvirtuam-na, apenas, os gigantescos cruzeiros que a inundam de visitantes de toca-e-foge.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Kente Festival Agotime, Gana, ouro
Cultura
Kumasi a Kpetoe, Gana

Uma Viagem-Celebração da Moda Tradicional Ganesa

Após algum tempo na grande capital ganesa ashanti cruzamos o país até junto à fronteira com o Togo. Os motivos para esta longa travessia foram os do kente, um tecido de tal maneira reverenciado no Gana que diversos chefes tribais lhe dedicam todos os anos um faustoso festival.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Em Viagem
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Danças
Étnico
Okinawa, Japão

Danças de Ryukyu: têm séculos. Não têm grandes pressas.

O reino Ryukyu prosperou até ao século XIX como entreposto comercial da China e do Japão. Da estética cultural desenvolvida pela sua aristocracia cortesã contaram-se vários estilos de dança vagarosa.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Moradora de Dali, Yunnan, China
História
Dali, China

A China Surrealista de Dali

Encaixada num cenário lacustre mágico, a antiga capital do povo Bai manteve-se, até há algum tempo, um refúgio da comunidade mochileira de viajantes. As mudanças sociais e económicas da China fomentaram a invasão de chineses à descoberta do recanto sudoeste da nação.
Parque Terra Nostra, Furnas, São Miguel, Açores, Portugal
Ilhas
Vale das Furnas, São Miguel

O Calor Açoriano do Vale das Furnas

Surpreendemo-nos, na maior ilha dos Açores, com uma caldeira retalhada por minifúndios agrícolas, massiva e profunda ao ponto de abrigar dois vulcões, uma enorme lagoa e quase dois mil micaelenses. Poucos lugares do arquipélago são, ao mesmo tempo, tão grandiosos e acolhedores como o verdejante e fumegante Vale das Furnas.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
Sombra vs Luz
Literatura
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Ribeiro Frio, Madeira, Vereda dos Balcões,
Natureza
Parque Florestal Ribeiro Frio, Madeira

Ribeiro Frio Acima, na Senda dos Balcões

Há muito que esta região do interior elevado da Madeira tem a cargo a repopulação das trutas arco-íris da ilha. Entre os vários trilhos e levadas que confluem nos seus viveiros, o Parque Florestal Ribeiro Frio oculta panoramas grandiosos sobre o Pico Arieiro, o Pico Ruivo e o vale da Ribeira da Metade que se estende à costa norte.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Mini-snorkeling
Parques Naturais
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
Mahé Ilhas das Seychelles, amigos da praia
Património Mundial UNESCO
Mahé, Seychelles

A Ilha Grande das Pequenas Seychelles

Mahé é maior das ilhas do país mais diminuto de África. Alberga a capital da nação e quase todos os seichelenses. Mas não só. Na sua relativa pequenez, oculta um mundo tropical deslumbrante, feito de selva montanhosa que se funde com o Índico em enseadas de todos os tons de mar.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Avião em aterragem, Maho beach, Sint Maarten
Praias
Maho Beach, Sint Maarten

A Praia Caribenha Movida a Jacto

À primeira vista, o Princess Juliana International Airport parece ser apenas mais um nas vastas Caraíbas. Sucessivas aterragens a rasar a praia Maho que antecede a sua pista, as descolagens a jacto que distorcem as faces dos banhistas e os projectam para o mar, fazem dele um caso à parte.
Um contra todos, Mosteiro de Sera, Sagrado debate, Tibete
Religião
Lhasa, Tibete

Sera, o Mosteiro do Sagrado Debate

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre Carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Tombola, bingo de rua-Campeche, Mexico
Sociedade
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
saksun, Ilhas Faroé, Streymoy, aviso
Vida Quotidiana
Saksun, StreymoyIlhas Faroé

A Aldeia Faroesa que Não Quer ser a Disneylandia

Saksun é uma de várias pequenas povoações deslumbrantes das Ilhas Faroé, que cada vez mais forasteiros visitam. Diferencia-a a aversão aos turistas do seu principal proprietário rural, autor de repetidas antipatias e atentados contra os invasores da sua terra.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Vida Selvagem
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
PT EN ES FR DE IT