Ilha Kéré, Bijagós, Guiné Bissau

A Pequena Bijagó que Acolheu um Grande Sonho


Enseada
Ocaso Calabaceiro
Garça-Azul
O Recanto dos Durris
“Estrela do Mar”
Paz entre Embondeiros
Sol cai sobre Caravela
Cabana entre Embondeiros
A Banda Sonora
Ilha Kéré
Rapaz Bijagó com a Pesca do Dia
Casa virada a Norte
Lições de Pesca
Carregadores Bijagós
Do Ar
Canto ao Sol
Luzes da Boa-Vida
Criado na Costa do Marfim, o francês Laurent encontrou, no arquipélago das Bijagós, o lugar que o arrebatou. A ilha que partilha com a esposa portuguesa Sónia, aceitou-os e ao afecto que sentiam pela Guiné Bissau. Há muito que Kéré e as Bijagós encantam quem os visita.

“Fotografem tudo, o mais bonito possível, mas não me fotografem a mim, por favor!” roga-nos F., um francês que não podemos identificar, por respeito ao seu pedido.

“É que nós combinámos entre nós, mas a minha mulher não sabe que eu vim para cá.”

Seguimos a bordo de uma lancha que nos leva de Quinhamel à ilha de Kéré. Nós, e um grupo de franceses loucos pela pesca. Em particular, pela pesca nas Bijagós.

Em redor, golfinhos exibem as suas acrobacias. De quando em quando, vemos o mar liso eclodir, pejado de cardumes acossados por barracudas famintas e afins.

A lancha progride a boa velocidade. Afasta-se do estuário do grande rio Geba, na direcção do oceano, por uma vastidão de água salgada que já nos parece o Atlântico, se bem que o arquipélago das Bijagós que se interpõe, se esconde para sudoeste.

Leigos no tema, perguntamos a um dos amigos de F., o que dota as Bijagós de uma pesca assim tão especial, se, por exemplo, os Açores não estão à altura. “Ah não, nem pensar. Nos Açores sopram os Alísios, não é como aqui.” Ficamos quase na mesma. F. intervém com a boa-disposição que, aos poucos, percebemos que o distingue.

“Vocês vejam lá. Não lhe perguntem nada que não tenha que ver com pesca. O cérebro dele só funciona para a pesca. Agora mesmo, está em modo sonar, a perscrutar em volta!”

Rimo-nos todos a bom rir. Logo, voltamos a contemplar o mar raso, atentos ao que mais nos revelaria.

Acompanhamos a costa ocidental da ilha de Maio. Decorrida quase uma hora de navegação, outras linhas de costa se definem à nossa frente.

Ilha Kéré à Vista

Duas, mais vastas.

Entre elas, delimita-se uma outra, por comparação, ínfima.

É Kéré.

Chegamos à ilha nosso destino com o ocaso a compor-se. Só quando a circundamos para oeste é que a vemos com luz de ver.

O areal alvo, os embondeiros ainda frondosos que dela despontam e, algo veladas pela vegetação, as cabanas do ecolodge residente.

Ancoramos.

Laurent, o anfitrião, aparece. Saúda e dá as boas-vindas aos visitantes.

Os pescadores franceses parecem-nos em êxtase por o reverem. F. não tem como resistir.

Prenda-nos com nova tirada que nos faz rir quase à lágrima. “Bom, cá estamos nós de novo! Ansiosos de nos entregarmos às vossas actividades, o pilates, ioga, até mesmo a olaria!”

Cumprimentamos Sónia meio à pressa.

O sol banha Kéré de um dourado precioso e Sónia está ocupada, além de que sabe ao que vamos.

Sem cerimónia, concede-nos soltura.

A maré baixa. Faz aumentar o areal inclinado.

Pela primeira vez, cirandamos por detrás da linha de vegetação.

Atentos às silhuetas graciosas geradas pelos embondeiros, pelas aves que os habitam e até pelas calabaceiras agridoces dependuradas das árvores da vida.

Anoitece.

Os clientes deliciam-se com refeições de peixe recém-pescado ao largo, barracuda, carpas, sereias.

Uma comunidade de morcegos frugívoros habitam árvores logo ao lado.

Despertados pelo escurecer, banqueteiam-se, com as bananas maduras de um grande cacho exposto no limiar do restaurante.

Conversa para cá, conversa para lá, rendemo-nos ao cansaço do dia.

Recolhemos à cabana que nos calhara, a uns poucos passos do mar das Bijagós, sob a abóbada híper-estrelada do Universo.

Um Novo dia, na Natureza Exuberante das Bijagós

Acordamos com a aurora, ao som de uma sinfonia natural como há muito não ouvíamos.

Ao chirriar estridente dos grilos, juntava-se o arrulhar sincronizado da comunidade prolífica de rolas da ilha.

Outros pássaros sortidos, acrescentavam os seus piares característicos.

Uns poucos galos cantavam em jeito de solo. Toda aquela inesperada energia sonora, contagia-nos.

Inspira-nos a saltarmos das camas e a vivermos o esplendor africano que Kéré nos guardava.

Nos mesmos poucos passos, chegamos à orla sul da ilha.

Constatamos que o oceano ainda invadia o leito exposto, em volta. Seguiam-no sucessivos cardumes.

Tal como na tarde anterior, a espaços, os peixes sofrem ataques de predadores. Entram em pânico, projectam-se, contorcem-se.

Geram rajadas de estalidos que agitam a água veloz.

Um Éden Guineense que há muito Atrai Pescadores

Tal som e visão volta a inquietar os pescadores. A maior parte são veteranos. Uns poucos, estão a aprender.

Desembarcaram em Kéré acompanhados de guias de pesca. Sem excepção, todos anseiam por zarpar nas lanchas e lançarem os seus anzóis e íscos onde as Bijagós mais prometem.

O grupo de franceses não tarda a partir, na primeira de várias incursões. Laurent acompanha-os, numas poucas, imaginamos que com prazer renovado.

A pesca sempre alimentou a vida de Laurent. Vistas bem as coisas, foi a pesca que acabou por lhe conceder Kéré, numa história de vida que, bem contada, dava um filme.

A Incrível Vida Africana do Francês Laurent Durris

Laurent Durris cresceu, em Abidjan, na Costa do Marfim. Laurent não conseguia, na escola, o sucesso que os pais, professores, dele esperavam.

Viu-se prendado com um barco. Ainda em Abidjan, começou a pescar.

Aperfeiçoou os seus dotes de pescador, ao ponto de, mais tarde, ambicionar barcos melhores e mares mais pejados de peixe.

A isso, juntava-se uma paixão inexplicável, visível no seu quarto de infância, decorado com inúmeras imagens de ilhas do Mundo.

Confrontado com a obrigação de ganhar a vida, Laurent optou por ser militar. Manteve-se militar francês durante onze anos, num período em que, diversas condicionantes ditaram que vivesse em França.

Por essa altura, o irmão de Laurent estava pela Guiné Bissau, já então, um lugar de pesca idolatrado por boa parte dos pescadores franceses. Laurent juntou-se-lhe num retiro de pesca e de exploração das Bijagós. Tudo correu de feição.

Mas, quando Laurent voltou a França, padecia de um caso grave de paludismo cerebral. Esteve às portas da morte, de tal maneira que os médicos pediram autorização à família para desligarem as máquinas que sustinham o coma em que se mantinha.

A família recusou. Ao contrário do vaticinado, passados dezasseis dias, Laurent despertou. Padecia de graves danos motores, mas não estava o vegetal que os médicos tinham dito que se tornaria. Uma fisioterapia intensa permitiu-lhe recuperar na íntegra.

De Volta à Vida e aos Braços das Bijagós

Em vez de rejeitar África e a Guiné Bissau, abraçou-as e ao seu sonho. Deixou França.

Voltou à companhia do irmão. Juntos, orientaram a vida a partir da ilha de Bubaque, a trabalhar como marinheiros e guias de pesca para os lodges das Bijagós.

Numa ocasião, foram contratados por uma equipa de cientistas.

Ao percorrerem o arquipélago, deram com Kéré. Laurent não apreciava por aí além a vida mais confusa de Bubaque.

Sentiu que, aquela, era a ilha dos seus sonhos.

Só que Kéré era sagrada.

Para a poder habitar, Laurent teve que visitar e pedir autorização dos irãs (espíritos), numa primeira fase, por intermédio de um balobeiro, uma espécie de guia espiritual guineense.

De início, a sua vontade provou-se curta. Tornou-se suficiente quando ajudou uma mulher, com as águas rebentadas, a dar à luz. A mulher era filha de um régulo de uma tabanca de Caravela.

Esse régulo, reconheceu a ajuda de Laurent. Afeiçoou-se, de tal forma, ao francês que o perfilhou.

À laia de recompensa, ajudou-o ainda a conseguir de Djamba, o balobeiro competente, a permissão dos irãs para se assentar em Kéré.

Seguiu-se a também necessária legalização em Bissau.

Por fim, Laurent pôde fixar-se na ilha com que sonhava.

E investir em infraestruturas e equipamento, com vista num lodge dedicado à pesca nas Bijagós.

Laurent, Sónia e a Vida Partilhada da Ilha Kéré

Por sua vez, Sónia trabalhava numa ONG de apoio à Guiné Bissau, havia já três anos. Desembarcou em Kéré e na vida de Laurent como mera cliente.

Lá se apaixonaram.

Laurent e Sónia resolveram louvar a oportunidade que as Bijagós lhes concederam.

Por respeito ao povo que os acolheu, submeteram-se a cerimónias preparativas. Casaram de acordo com a tradição Bijagó.

Experiente no desenvolvimento de projectos das ONGs, Sónia formou o duo perfeito com Laurent.

Kéré não tinha sequer água doce.

Ainda assim, aos poucos, enquanto criavam Gabriela, a filha de ambos, dotaram Kéré do ecolodge acolhedor que, nos períodos mais movimentados, emprega mais de quarenta guineenses, a maior parte, de etnia bijagó.

E que nos continuou a deslumbrar.

A Chegada da Grande Canoa Abastecedora

A meio da tarde, com a maré de novo a vazar, a “Estrela do Mar” uma piroga enorme e colorida, das muitas que sulcam as Bijagós, ancora diante de Kéré, a jeito de entregar à ilha alguns dos mantimentos de que carece.

Dois ou três jovens bijagós, com corpos de guerreiros espartanos, descarregam e fazem rolar, areal acima, bidãos e jerricans.

Deixam ainda uns poucos peixes pescados pelo caminho.

A “Estrela do Mar” afasta-se na direcção de Caravela.

Pouco depois, detém-se num ponto estratégico do canal, à espera que a maré enchente viabilizasse o que faltava do trajecto.

Seguimos na mesma direcção.

O Recanto da Ilha “de Laurent e de Sónia”, mas de Todos

Para o norte da ilha em que, entre embondeiros, Laurent e Sónia têm o seu lar.

Garças e corvos-de-barriga-branca denunciam-nos.

Águias-pesqueiras descolam dos ninhos em missão de reconhecimento de Kéré.

Chica passeia-se, descalça, sobre a laterite com visual de pedra-lava, que o mar se apressava a cobrir.

“Olá, tudo bom? Perdeste alguma coisa” perguntamos-lhe quando a vemos perscrutar as rochas e poças. “

Não, estou à procura de uns petiscos que se escondem por aqui”.

Kéré pouco mais mede que dois campos de futebol.

Ainda nos custa a acreditar que, à partida, sagrada e desconhecida, abriga, agora, toda aquela vida.

COMO IR: 

Voe com a Euroatlantic , Lisboa-Bissau e Bissau-Lisboa, às sextas-feiras.

RESERVE AS SUAS FÉRIAS NA ILHA KÉRÉ EM:

http://bijagos-kere.fr ou pelo telm. e Whats App:+245 966993827

Cruzeiro Africa Princess, 2º Orangozinho, Bijagós, Guiné Bissau

Orangozinho e os Confins do PN Orango

Após uma primeira incursão à ilha Roxa, zarpamos de Canhambaque para um fim de dia à descoberta do litoral no fundo vasto e inabitado de Orangozinho. Na manhã seguinte, navegamos rio Canecapane acima, em busca da grande tabanca da ilha, Uite.
Ilha Kéré a Orango, Bijagós, Guiné Bissau

Em Busca dos Hipopótamos Lacustres-Marinhos e Sagrados das Bijagós

São os mamíferos mais letais de África e, no arquipélago das Bijagós, preservados e venerados. Em virtude da nossa admiração particular, juntamo-nos a uma expedição na sua demanda. Com partida na ilha de Kéré e fortuna no interior da de Orango.
Cruzeiro Africa Princess, 1º Bijagós, Guiné Bissau

Rumo a Canhambaque, pela História da Guiné Bissau

O Africa Princess zarpa do porto de Bissau, estuário do rio Geba abaixo. Cumprimos uma primeira escala na ilha de Bolama. Da antiga capital, prosseguimos para o âmago do arquipélago das Bijagós.
Bubaque, Bijagós, Guiné Bissau

O Portal das Bijagós

No plano político, Bolama subsiste capital. No âmago do arquipélago e no dia-a-dia, Bubaque ocupa esse lugar. Esta cidade da ilha homónima acolhe a maior parte dos forasteiros. Em Bubaque se encantam. A partir de Bubaque, muitos se aventuram rumo a outras Bijagós.
Tabatô, Guiné Bissau

Tabatô: ao Ritmo do Balafom

Durante a nossa visita à tabanca, num ápice, os djidius (músicos poetas)  mandingas organizam-se. Dois dos balafonistas prodigiosos da aldeia assumem a frente, ladeados de crianças que os imitam. Cantoras de megafone em riste, cantam, dançam e tocam ferrinhos. Há um tocador de corá e vários de djambés e tambores. A sua exibição gera-nos sucessivos arrepios.
Tabatô, Guiné Bissau

A Tabanca dos Músicos Poetas Mandingas

Em 1870, uma comunidade de músicos mandingas em itinerância, instalou-se junto à actual cidade de Bafatá. A partir da Tabatô que fundaram, a sua cultura e, em particular, os seus balafonistas prodigiosos, deslumbram o Mundo.
São Nicolau, Cabo Verde

Fotografia dess Nha Terra São Nicolau

A voz da saudosa Cesária Verde cristalizou o sentimento dos cabo-verdianos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau ou, vá lá que seja, admira imagens que a bem ilustrem, percebe porque os seus lhe chamam, para sempre e com orgulho, nha terra.
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda

Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.
São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade

Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.
Varela, Guiné Bissau

Praia, derradeiro Litoral, até à Fronteira com o Senegal

Algo remota, de acesso desafiante, a aldeia pacata e piscatória de Varela compensa quem a alcança com a afabilidade da sua gente e com um dos litorais deslumbrantes, mas em risco, da Guiné Bissau.
Elalab, Guiné Bissau

Uma Tabanca na Guiné dos Meandros sem Fim

São incontáveis os afluentes e canais que, a norte do grande rio Cacheu, serpenteiam entre manguezais e encharcam terras firmes. Contra todas as dificuldades, gentes felupes lá se instalaram e mantêm povoações prolíficas que envolveram de arrozais. Elalab, uma delas, tornou-se uma das tabancas mais naturais e exuberantes da Guiné Bissau.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Escadaria Palácio Itamaraty, Brasilia, Utopia, Brasil
Arquitectura & Design
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Queima de preces, Festival de Ohitaki, templo de fushimi, quioto, japao
Cerimónias e Festividades
Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se.
Palácio Gyeongbokgung, Seul, Viagem Coreia, Manobras a cores
Cidades
Seul, Coreia do Sul

Um Vislumbre da Coreia Medieval

O Palácio de Gyeongbokgung resiste protegido por guardiães em trajes sedosos. Em conjunto, formam um símbolo da identidade sul-coreana. Sem o esperarmos, acabamos por nos ver na era imperial destas paragens asiáticas.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Capacete capilar
Cultura
Viti Levu, Fiji

Canibalismo e Cabelo, Velhos Passatempos de Viti Levu, ilhas Fiji

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Verão Escarlate
Em Viagem

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Étnico
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Sesimbra, Vila, Portugal, Vista do alto
História
Sesimbra, Portugal

Uma Vila Tocada por Midas

Não são só a Praia da Califórnia e a do Ouro que a encerram a sul. Abrigada das fúrias do ocidente atlântico, prendada com outras enseadas imaculadas e dotada de fortificações seculares, Sesimbra é, hoje, um porto de abrigo piscatório e balnear precioso.
PN Timanfaya, Montanhas de Fogo, Lanzarote, Caldera del Corazoncillo
Ilhas
PN Timanfaya, Lanzarote, Canárias

PN Timanfaya e as Montanhas de Fogo de Lanzarote

Entre 1730 e 1736, do nada, dezenas de vulcões de Lanzarote entraram em sucessivas erupções. A quantidade massiva de lava que libertaram soterrou várias povoações e forçou quase metade dos habitantes a emigrar. O legado deste cataclismo é o cenário marciano actual do exuberante PN Timanfaya.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Parque Nacional Cahuita, Costa Rica, Caribe, Punta Cahuita vista aérea
Natureza
Cahuita, Costa Rica

Uma Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral da Costa Rica tão afro quanto das Caraíbas. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Rede em Palmeiras, Praia de Uricao-Mar das caraibas, Venezuela
Parques Naturais
PN Henri Pittier, Venezuela

PN Henri Pittier: entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou
Porto Rico, San Juan, Cidade muralhada, panoramica
Património Mundial UNESCO
San Juan, Porto Rico

O Porto Rico e Muralhado de San Juan Bautista

San Juan é a segunda cidade colonial mais antiga das Américas, a seguir à vizinha dominicana de Santo Domingo. Entreposto pioneiro da rota que levava o ouro e a prata do Novo Mundo para Espanha, foi atacada vezes sem conta. As suas fortificações incríveis ainda protegem uma das capitais mais vivas e prodigiosas das Caraíbas.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.
Fila Vietnamita
Praias

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

Mtshketa, Cidade Santa da Geórgia, Cáucaso, Catedral de Svetitskhoveli
Religião
Mtskheta, Geórgia

A Cidade Santa da Geórgia

Se Tbilissi é a capital contemporânea, Mtskheta foi a cidade que oficializou o Cristianismo no reino da Ibéria predecessor da Geórgia, e uma das que difundiu a religião pelo Cáucaso. Quem a visita, constata como, decorridos quase dois milénios, é o Cristianismo que lá rege a vida.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre Carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Cabine Saphire, Purikura, Tóquio, Japão
Sociedade
Tóquio, Japão

Fotografia Tipo-Passe à Japonesa

No fim da década de 80, duas multinacionais nipónicas já viam as fotocabines convencionais como peças de museu. Transformaram-nas em máquinas revolucionárias e o Japão rendeu-se ao fenómeno Purikura.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Vida Selvagem
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.