Cruzeiro Africa Princess, 2º Orangozinho, Bijagós, Guiné Bissau

Orangozinho e os Confins do PN Orango


Africa Princess
Casal pesqueiro
Amigas da moda
À Beira da Maré
Gralhas
O Farol Colonial
Fut de Tampinhas
O Guarda-Rios
Gerações Muçulmanas
Olhar
Orangozinho em Fogo
Palmeira Estrangulada
Air Uite
Ponta de Orangozinho
Rio Canecapane acima
Jovem Uitense
Comunidade da Sombra
Uitense Muçulmana
Donas do Tempo
Instrospecção
Após uma primeira incursão à ilha Roxa, zarpamos de Canhambaque para um fim de dia à descoberta do litoral no fundo vasto e inabitado de Orangozinho. Na manhã seguinte, navegamos rio Canecapane acima, em busca da grande tabanca da ilha, Uite.

Com todo o arquipélago de Orango a oeste e a bloquear o oceano aberto, o “Africa Princess” navega da ilha Roxa para o litoral oriental de Orangozinho sobre águas ainda mais tranquilas.

Tanto a maré como o sol descem a olhos vistos. O comandante faz lançar âncora nas imediações da Ponta de Canapá.

O transbordo deixa-nos ao alcance da costa sul da ilha e da praia extensa que lhe dita o fim.

Como sempre, Pinto lidera o caminho e marca o passo, ao longo do areal em que a baixa-mar legava umas poucas poças.

Como acontece, com frequência, nas Bijagós, em vez de banhistas, frequentam-no umas poucas vacas malhadas, de pequeno porte, mais intrigadas que apoquentadas pela nossa súbita aparição, avessas a qualquer contacto.

“Estamos mesmo com pressa!” provocamos o guia na brincadeira. “Queria ver se chegávamos ao marco dos colonos ainda com luz, para vocês verem e fotografarem. Mas ainda falta um bocado.”

Caminhamos. E continuamos a andar para sul de Orangozinho. Sob o olhar cirúrgico de águias pesqueiras no cimo das palmeiras-dendê.

Até que atingimos a ponta sudeste de Orangozinho. Um recife de rocha reduz o areal. Aperta-o de tal maneira que o eleva contra a vegetação.

A torre-farol legada pelos colonos

“O marco dos colonos está aí por detrás! “, assegura Pinto. “Só que a vegetação cresceu muito. Está mais escondido que antes”. Subimos para o cimo das dunas limiares.

Dali, conseguimos, por fim, vislumbrar uma torre metálica enferrujada, coroada por uma velha lâmpada. Pinto chamava-lhe marco dos colonos.

Na prática, seria mais uma das infraestruturas deixadas pelos portugueses depois de os Bijagós terem trocado a sua resistência feroz por um tratado de paz.

Nesses anos de Partilha de África e pós-Conferência de Berlim, o arquipélago de Orango era governado por uma rainha poderosa, Pampa, (falecida em 1930, considerada a última verdadeira monarca dos Bijagós) e por uma elite esclarecida, determinada e guerreira que chegou a lucrar com o comércio de escravos de etnias rivais.

Apercebemo-nos de que uma escada servia o farol. Atraídos pela possibilidade de subirmos, sugerimos a Pinto que lhe procurássemos a base. Pinto torce o nariz. “Vão-se arranhar todos, e a escada está a desfazer-se.” Essas, eram as desmotivações mais óbvias a que chegara.

Mais tarde, apuramos que o farol se encontrava junto de uma zona delimitada para os Fanados das Mulheres, períodos-rituais de iniciação da etnia bijagó em que lá deveriam permanecer isoladas da comunidade.

Ele próprio Bijagó, natural da ilha vizinha de Canhambaque por que tínhamos antes passado – a leste da de Bubaque – Pinto sentia-se na obrigação de nos demover de tal intrusão e do provável castigo.

Submetemo-nos ao seu juízo. Regressamos ao areal aplanado. Retomamos a caminhada por Orangozinho.

O Ocaso que Doura o Limiar Sudeste do Parque Nacional Orango

Vencida uma derradeira esquina do litoral, ficamos com o areal meridional pela frente, tão comprido que mal lhe percebíamos o fim.

O sol assentava para esses lados, o que turvava a contemplação.

Concentramo-nos no imediato: em como um palmeiral próximo gerava silhuetas de que, a espaços, descolavam águias-pesqueiras.

E, já de regresso, em como palmeirais distintos rasgavam o céu em fogo, com um espelho-de-água-salgada a reflecti-lo.

Voltamos ao Africa Princess. Estava nos planos regressarmos a Orangozinho.

Como tal, jantamos e pernoitamos ao largo.

De Volta a Orangozinho, em Busca de Uite

O amanhecer confirma novo transbordo para a lancha de apoio e incursão à ilha.

Ainda com a referência da ponta de Canapá, metemo-nos no rio Canecapane e no manguezal que o envolve.

À entrada, numa floresta de mangal que a maré-baixa deixara com as raízes a descoberto, damos com um bando de macacos-verdes entretidos a mariscar.

Serpenteamos Canecapane acima.

A certo ponto, desviamos para um canal apontado ao interior da ilha.

Subimo-lo até ao seu término lodoso, onde dois barcos tradicionais acrescentavam cores à paisagem verdejante.

Para evitarmos atascar-nos, tiramos o calçado.

Entre perioptalmos desconfiados, passamos para um caminho estreito e sombrio. Sem aviso, o trilho abre para uma clareira que abrigava uma escola.

A Maior Tabanca da Ilha

Depois de algum tempo sem vermos vivalma, surpreendemo-nos com dezenas de jovens alunos e estudantes.

Alguns, tagarelavam, sentados lado a lado, sobre troncos horizontais de uma velha árvore. Outros, espreitavam pelas janelas de uma das salas de aula, a tentarem perceber quem seria aquela gente que os visitava.

Conversamos algum tempo com o jovem professor, destacado de Bissau. Quando nos informa que tem que começar nova aula, retomamos o périplo.

Estávamos em Uite, a maior povoação de Orangozinho, com mais de setecentos habitantes, assim nos esclarece Pinto, nem todos de etnia Bijagó.

Como é apanágio das visitas a tabancas bijagós, cerca-nos um magote de crianças pedinchonas.

Reclamam da atenção que vários adultos tornados anfitriões usufruíam.

Um deles, informa-nos que antes a aldeia não era assim, que tinha telhados tradicionais, de colmo, mas que um fogo desgovernado destruiu boa parte das casas e ditou a sua reconstrução com chapa.

Ora, se essa explicação nos apanha desprevenidos, outra seguinte ainda mais.

Uite, uma Tabanca Muçulmana, Cristã e Animista

Ao ver um morador em dificuldades linguísticas, Pinto recorre ao seu português esforçado.

Na prática, procuravam justificar-nos o porquê de tantas raparigas e mulheres da tabanca usarem abaias, ou afins.

“Aqui em Uite, têm duas religiões.

Daquele lado da tabanca são muçulmanos. Deste, são cristãos e acreditam nas coisas bijagós”.

Andávamos havia dez dias à descoberta do arquipélago. Aquela era a primeira ilha em que tal acontecia. O porquê da inesperada comunhão intrigava-nos.

Ora, sabe-se que a determinada altura da colonização das ilhas de Orango, famílias de pescadores de etnias beafada e mandinga deixaram o continente africano e ocuparam o sul de Orangozinho.

Os seus descendentes formam boa parte da população uitense. São responsáveis pela islamização da ilha e do arquipélago, mesmo se, em Orangozinho competem com a igreja católica e a protestante.

A fixação destas duas etnias está longe de ser única. Também os denominados pescadores Nhomincas desceram da região senegalesa do Delta do Rio Saloum, conhecido por rio de Barbacins, na era dos Descobrimentos. Fixaram-se em Orango e em ilhas do vasto arquipélago bijagó Urok.

Atraídos pela abundância de peixe e pela permissividade dos nativos, de tempos a tempos, instalam-se também nas Bijagós ou percorrem-nas grupos chegados da Costa do Marfim, da Guiné Conacri e até da Serra Leoa.

A integração dos Nhomincas, dos mandingas, beafadas, papeis e outras etnias no território e sociedade bijagó daria para toda uma tese de doutoramento. Em vez, retomemos o périplo por Uite.

Pinto explica-nos que, apesar da cisão territorial estabelecida pela “avenida” de terra principal, toda a gente na tabanca se dá bem. “Eles sabem respeitar-se uns aos outros e os conflitos são raros.

Um Périplo Aturado por Uite

Olhem, só para verem, a equipa de futebol daqui de Uite é das melhores das Bijagós. Foram eles os últimos a ganhar o campeonato cá do arquipélago!”

A avaliar pela paixão dos miúdos pelo futebol sob diversas expressões, essa conquista fazia todo o sentido.

Uns poucos, mantêm-se compenetrados num torneio levado a cabo com tampinhas, botões e latas de atum como balizas.

Outros mais velhos, dão toques numa bola atada a uma corda.

Quando os fotografamos, duas ou três mulheres confiscam-lhes o esférico e mostram-nos do que são capazes.

Finda a exibição, rogam a espectadoras vizinhas que nos deem a provar do seu vinho de caju recém-fermentado. Bebericamos.

Sabe-nos bastante melhor que o último vinho de palma que tínhamos provado em Acra, capital do Gana.

Pinto dá a indicação de que estava na hora de partirmos.

De regresso ao Africa Princess, fazemos escala numa língua de areia ao largo, perfeita para banhos.

Por ali, a bordo de um seu barco tradicional, pescadores de Uite preparavam uma continuação de pesca iminente.

Perguntam a Pinto se não precisávamos de levar alguns. Pinto explica que, durante a nossa visita a Uite, a tripulação do African Princess já tinha tratado da sua própria pesca.

Assim era. Quando reentramos na embarcação-mãe, tínhamos, quase pronto, um almoço repleto de peixe das Bijagós.

Naquela tarde, prosseguiríamos rumo à ilha de João Vieira, parte do sub-arquipélago homónimo vizinho do de Orango que tínhamos já percorrido, a partir da ilha Kére,  em busca dos seus esquivos hipopótamos.

COMO IR:

Voe com a Euroatlantic , Lisboa-Bissau e Bissau-Lisboa, às sextas-feiras.

CRUZEIRO ” AFRICA PRINCESS “

Reserve o seu cruzeiro pelo arquipélago das Bijagós em: africa-princess.com

Email: [email protected]

Telm: +351 91 722 4936

Cruzeiro Africa Princess, 1º Bijagós, Guiné Bissau

Rumo a Canhambaque, pela História da Guiné Bissau

O Africa Princess zarpa do porto de Bissau, estuário do rio Geba abaixo. Cumprimos uma primeira escala na ilha de Bolama. Da antiga capital, prosseguimos para o âmago do arquipélago das Bijagós.
Ilha Kéré, Bijagós, Guiné Bissau

A Pequena Bijagó que Acolheu um Grande Sonho

Criado na Costa do Marfim, o francês Laurent encontrou, no arquipélago das Bijagós, o lugar que o arrebatou. A ilha que partilha com a esposa portuguesa Sónia, aceitou-os e ao afecto que sentiam pela Guiné Bissau. Há muito que Kéré e as Bijagós encantam quem os visita.
Bubaque, Bijagós, Guiné Bissau

O Portal das Bijagós

No plano político, Bolama subsiste capital. No âmago do arquipélago e no dia-a-dia, Bubaque ocupa esse lugar. Esta cidade da ilha homónima acolhe a maior parte dos forasteiros. Em Bubaque se encantam. A partir de Bubaque, muitos se aventuram rumo a outras Bijagós.
Ilha Kéré a Orango, Bijagós, Guiné Bissau

Em Busca dos Hipopótamos Lacustres-Marinhos e Sagrados das Bijagós

São os mamíferos mais letais de África e, no arquipélago das Bijagós, preservados e venerados. Em virtude da nossa admiração particular, juntamo-nos a uma expedição na sua demanda. Com partida na ilha de Kéré e fortuna no interior da de Orango.
Tabatô, Guiné Bissau

A Tabanca dos Músicos Poetas Mandingas

Em 1870, uma comunidade de músicos mandingas em itinerância, instalou-se junto à actual cidade de Bafatá. A partir da Tabatô que fundaram, a sua cultura e, em particular, os seus balafonistas prodigiosos, deslumbram o Mundo.
Tabatô, Guiné Bissau

Tabatô: ao Ritmo do Balafom

Durante a nossa visita à tabanca, num ápice, os djidius (músicos poetas)  mandingas organizam-se. Dois dos balafonistas prodigiosos da aldeia assumem a frente, ladeados de crianças que os imitam. Cantoras de megafone em riste, cantam, dançam e tocam ferrinhos. Há um tocador de corá e vários de djambés e tambores. A sua exibição gera-nos sucessivos arrepios.
Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boa Vista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Brava, Cabo Verde

A Ilha Brava de Cabo Verde

Aquando da colonização, os portugueses deparam-se com uma ilha húmida e viçosa, coisa rara, em Cabo Verde. Brava, a menor das ilhas habitadas e uma das menos visitadas do arquipélago preserva uma genuinidade própria da sua natureza atlântica e vulcânica algo esquiva.
Ribeira Grande, Santo AntãoCabo Verde

Santo Antão, Ribeira Grande Acima

Na origem, uma Povoação diminuta, a Ribeira Grande seguiu o curso da sua história. Passou a vila, mais tarde, a cidade. Tornou-se um entroncamento excêntrico e incontornável da  ilha de Santo Antão.
Santiago, Cabo Verde

Santiago de Baixo a Cima

Aterrados na capital cabo-verdiana de Praia, exploramos a sua pioneira antecessora. Da Cidade Velha, percorremos a crista montanhosa e deslumbrante de Santiago, até ao topo desafogado de Tarrafal.
Mindelo, São Vicente, Cabo Verde

O Milagre de São Vicente

São Vicente sempre foi árida e inóspita a condizer. A colonização desafiante da ilha submeteu os colonos a sucessivas agruras. Até que, por fim, a sua providencial baía de águas profundas viabilizou o Mindelo, a urbe mais cosmopolita e a capital cultural de Cabo Verde.
Varela, Guiné Bissau

Praia, derradeiro Litoral, até à Fronteira com o Senegal

Algo remota, de acesso desafiante, a aldeia pacata e piscatória de Varela compensa quem a alcança com a afabilidade da sua gente e com um dos litorais deslumbrantes, mas em risco, da Guiné Bissau.
Elalab, Guiné Bissau

Uma Tabanca na Guiné dos Meandros sem Fim

São incontáveis os afluentes e canais que, a norte do grande rio Cacheu, serpenteiam entre manguezais e encharcam terras firmes. Contra todas as dificuldades, gentes felupes lá se instalaram e mantêm povoações prolíficas que envolveram de arrozais. Elalab, uma delas, tornou-se uma das tabancas mais naturais e exuberantes da Guiné Bissau.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Safari
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
hacienda mucuyche, Iucatão, México, canal
Arquitectura & Design
Iucatão, México

Entre Haciendas e Cenotes, pela História do Iucatão

Em redor da capital Mérida, para cada velha hacienda henequenera colonial há pelo menos um cenote. Com frequência, coexistem e, como aconteceu com a semi-recuperada Hacienda Mucuyché, em duo, resultam nalguns dos lugares mais sublimes do sudeste mexicano.

Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
A Crucificação em Helsínquia
Cerimónias e Festividades
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
Pemba, Moçambique, Capital de Cabo Delgado, de Porto Amélia a Porto de Abrigo, Paquitequete
Cidades
Pemba, Moçambique

De Porto Amélia ao Porto de Abrigo de Moçambique

Em Julho de 2017, visitámos Pemba. Dois meses depois, deu-se o primeiro ataque a Mocímboa da Praia. Nem então nos atrevemos a imaginar que a capital tropical e solarenga de Cabo Delgado se tornaria a salvação de milhares de moçambicanos em fuga de um jihadismo aterrorizador.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Verão Escarlate
Cultura

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Em Viagem
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Tatooine na Terra
Étnico
Matmata, Tataouine:  Tunísia

A Base Terrestre da Guerra das Estrelas

Por razões de segurança, o planeta Tatooine de "O Despertar da Força" foi filmado em Abu Dhabi. Recuamos no calendário cósmico e revisitamos alguns dos lugares tunisinos com mais impacto na saga.  
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

Luzes de Ogimachi, Shirakawa-go, Ogimachi, Japao, Aldeia das Casas em Gassho
História
Ogimashi, Japão

Uma Aldeia Fiel ao A

Ogimashi revela uma herança fascinante da adaptabilidade nipónica. Situada num dos locais mais nevosos à face da Terra, esta povoação aperfeiçoou casas com verdadeiras estruturas anti-colapso.
Vanuatu, Cruzeiro em Wala
Ilhas
Wala, Vanuatu

Cruzeiro à Vista, a Feira Assenta Arraiais

Em grande parte de Vanuatu, os dias de “bons selvagens” da população ficaram para trás. Em tempos incompreendido e negligenciado, o dinheiro ganhou valor. E quando os grandes navios com turistas chegam ao largo de Malekuka, os nativos concentram-se em Wala e em facturar.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Natureza
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Parques Naturais
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Embaixada, Nikko, Spring Festival Shunki-Reitaisai, Cortejo Toshogu Tokugawa, Japão
Património Mundial UNESCO
Nikko, Japão

O Derradeiro Cortejo do Xogum Tokugawa

Em 1600, Ieyasu Tokugawa inaugurou um xogunato que uniu o Japão por 250 anos. Em sua homenagem, Nikko re-encena, todos os anos, a transladação medieval do general para o mausoléu faustoso de Toshogu.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Personagens
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Cabo Ledo Angola, moxixeiros
Praias
Cabo Ledo, Angola

O Cabo Ledo e a Baía do Regozijo

A apenas a 120km a sul de Luanda, vagas do Atlântico caprichosas e falésias coroadas de moxixeiros disputam a terra de musseque. Partilham a grande enseada forasteiros rendidos ao cenário e os angolanos residentes que o mar generoso há muito sustenta.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Religião
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Chepe Express, Ferrovia Chihuahua Al Pacifico
Sobre Carris
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Teleférico de Mérida, Renovação, Venezuela, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Sociedade
Mérida, Venezuela

A Renovação Vertiginosa do Teleférico mais Alto do Mundo

Em execução a partir de 2010, a reconstrução do teleférico de Mérida foi levada a cabo na Sierra Nevada por operários intrépidos que sofreram na pele a grandeza da obra.
saksun, Ilhas Faroé, Streymoy, aviso
Vida Quotidiana
Saksun, StreymoyIlhas Faroé

A Aldeia Faroesa que Não Quer ser a Disneylandia

Saksun é uma de várias pequenas povoações deslumbrantes das Ilhas Faroé, que cada vez mais forasteiros visitam. Diferencia-a a aversão aos turistas do seu principal proprietário rural, autor de repetidas antipatias e atentados contra os invasores da sua terra.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.