Glaciar Mendenhall, Juneau, Alasca

O Glaciar por detrás de Juneau


Caminhada Escorregadia
A Frente Dentada
A Frente de Ablação
Fendas Colossais
Obstáculo Vencido
Mendenhall: o Glaciar e o Lago
Profundezas Azuis
Vale de Verão
Canal Acima
Gelo Crespado
Uma Fila Cautelosa
Profundezas Azuis II
Vista aérea do conjunto Mendenhall
Do Centro de Visitantes
Sara Wong Azulada
Curva Apertada
Os nativos Tlingit denominavam assim este que é um dos mais de 140 glaciares do campo de gelo de Juneau. Mais conhecido por Mendenhall, nos últimos três séculos, o aquecimento global fez a sua distância para a capital diminuta do Alasca aumentar mais de quatro quilómetros.

Em três tempos, o helicóptero Temsco descola da base operacional contígua ao aeroporto de Juneau.

A altitude súbita revela-nos a enseada vasta de Fritz e o canal de Gastineau em que, mais ou menos a meio, se aninhou a capital alasquense.

Do lado oposto, sobre o Norte para que nos dirigimos, desvenda-se o vale de Mendenhall, sulcado pelo rio homónimo. Vemos as montanhas mais próximas do limiar da Boundary Range que, para o interior, separa o Canada dos Estados Unidos.

Em Julho, com o Verão alasquense em pleno, mantêm-se tricolores.

De um verde ensopado, da sua base até a um primeiro terço. Logo acima, de uma rocha escura salpicada e listada de neve.

E na iminência dos vários cumes afiados, cobertas de um branco uniforme de neves eternas.

Para trás desses picos, estende-se o campo de gelo de Juneau, também ele imenso, o quinto mais amplo da América do Norte, ao ponto de se prolongar pelas terras altas do Canadá.

Nuns poucos vales secundários, desciam rios abastecidos pelo degelo. Por algum tempo, sobrevoamos a floresta de coníferas de Tongass. A floresta rende-se à barreira do lago de Mendenhall e do glaciar colossal que curvava vale homónimo abaixo, com a frente semi-afundada no lago que gerava.

Entretanto, a floresta Tongass some-se. Passamos a sobrevoar o lago e, num ápice, o gelo sulcado do glaciar. A baixa altitude, o helicóptero segue os seus meandros.

Expõe-nos as fendas que aumentam e se agravam sobre a curva mais acentuada do rio de gelo.

Aterragem num Campo de Dog Mushing das Montanhas de Juneau

Ascendemos contracorrente. O piloto persegue um acampamento organizado sobre a neve, composto por cabanas para humanos e, a alguma distância, por casotas de cães, também brancas e assim dissimuladas.

Aterramos entre umas e outras. Acolhem-nos no campo de dog mushing local, para excitação generalizada dos huskies e malamutes, que já sabem o que a chegada do helicóptero representa.

Atribuem-nos uma equipa de cães. Deslizamos, aos ziguezagues, pela vastidão nevada daquele cimo remoto.

Pela segunda vez em quinze dias. Tínhamo-lo feito próximo de Seward, no glaciar de Godwin, pelo que, sempre recompensadora, a experiência carecia do factor surpresa.

Valorizamos, sobretudo, o privilégio panorâmico de, a partir do ar, nos deslumbrarmos com o conjunto Mendenhall: o vale, o lago, as torres, o glaciar e tudo o mais que tivesse recebido tal nome.

Glaciar Mendenhall: Incursão Gelo Acima. E Abaixo

De acordo, de regresso a Juneau, concordamos que os deveríamos explorar por terra e ao pormenor. Juntamo-nos a uma pequena expedição focada na descoberta terrestre do glaciar.

Tem lugar no derradeiro dia de Julho, com início às sete da manhã. A combinar com esse horário, a guia que nos conduz chama-se Dawn. Caminhamos, primeiro, por duas horas, floresta de Tongass acima, diz-nos a guia que por áreas que, há 90 anos atrás, estavam debaixo do glaciar.

Atingimos o centro de visitantes do Glaciar Mendenhall. Apreciamo-lo a partir de uma sala escura com janelas polarizadas que enquadravam e faziam destacar aquele incrível fenómeno da Natureza.

Logo, avançamos para uma lateral da frente de ablação do glaciar, para uma margem num plano inferior.

Ali, Dawn dá-nos capacetes, grampos para o calçado, arneses e martelos de gelo. Equipamo-nos com vista privilegiada sobre o lago, os icebergs que nele flutuavam e o glaciar protagonista que os libertava.

O encaixe do glaciar na margem terrosa permite-nos passar sem dificuldade para cima do gelo. Andamos por longos sulcos na superfície que o fluxo de água abre e aprofunda.

Ascendemos a montes gelados, com vista para infindáveis picos, cristas e outras esculturas naturais, frias e azuladas.

Algumas, próximas, mais pareciam máquinas dentadas, prontas a devorarem os grandes blocos de rocha que os sustinham.

Do seu interior, brotavam torrentes de água com urgência de aumentarem o lago.

Frequentadora do glaciar, conhecedora dos seus segredos, Dawn lidera o caminho para algo diferente.

E a Descida a uma Caverna de Gelo Deslumbrante

Um qualquer desajuste entre o gelo e o solo, tinha criado uma gruta azul-gelada que conduzia às profundezas do colosso, com aspecto sólido que bastasse para nela nos podermos enfiar.

Descemos tanto quanto podíamos, até quase nos transformarmos em hologramas subsumidos no azul-gelo.

Fotografamo-nos naqueles visuais místicos. Bebemos da água que caía do tecto, da mais pura e fresca que o Alasca nos poderia oferecer.

Dawn avança um pouco mais, a sondar se poderíamos continuar a descer. “Não… mais para abaixo não me parece boa ideia.” informa-nos.

“Fica demasiado escuro. Nem consigo perceber bem os contornos. Além de que, mesmo se é imperceptível, o glaciar está em movimento e pode espoletar uma qualquer surpresa. Já chegámos aqui e devem concordar que foi fabuloso.

Vamos regressar lá acima.”

Dito e feito. Não tínhamos intenções de nos sacrificar ao glaciar Mendenhall.

O Predomínio de Thomas Corwin Mendenhall na Nomenclatura Local

Já Mendenhall, Thomas Corwin (1841-1924), um físico e meteorologista, dedicou uma boa parte da sua vida à definição de fronteiras exactas na panhandle do Alasca, entre os Estados Unidos e o Canadá.

Como já vimos, o vale, o glaciar, o lago e umas torres rochosas emblemáticas nas montanhas acima, foram baptizadas em sua honra, em 1892.

Como seria de esperar, aos nativos Tlingit destas paragens, o baptismo dos colonos norte-americanos de pouco serviu.

Pelo menos, entre eles, continuam a tratá-lo por Sitaantaago – o glaciar atrás da cidade – ou ainda por Aak’wtaaksit – o glaciar por detrás do pequeno lago.

Em tempos subsequentes à sua formação de 1929, terá feito outro sentido considerar o lago pequeno. Desde o seu comprimento máximo registado a meio do século XVIII, o glaciar encolheu mais de 4km.

Por altura do maior glaciar Aak’wtaaksit, o território em redor era Tlingit com uma presença russa permanente de colonos que estabeleceram entrepostos de captura de peles, sobretudo de lontras do mar.

Panhadle do Alasca: da Presença Russa à Loucura de Seward

A partir de 1804, malgrado frequentes conflitos e batalhas contra os Tlingit, os russos fizeram de Sitka a sua capital alasquense, submeteram os Tlingit a trabalharem para eles e causaram uma ruptura drástica no estilo de vida dos nativos.

No entanto, os russos nunca fundaram uma colónia em Juneau ou em volta.

Em 1867, já o negócio das peles se começava a extinguir, os russos acederam a vender o Alasca aos Estados Unidos. O negócio ficou conhecido como “A Loucura de Seward” de tal maneira os americanos achavam insano o valor que o político oferecia aos Russos.

Ainda assim, concretizou-se.

Alguns anos depois, dois americanos – Richard Harris e Joe Juneau – guiados por um chefe Tlingit de seu nome Kowee – acharam um filão de ouro no que ficaria conhecido por Gold Creek, em redor da actual Juneau.

Amaragem de hidroavião, Juneau a Pequena Capital do Grande alasca

Hidroavião desliza para a doca de Juneau, após amarar no canal Gastineau

Seria o primeiro de vários. Nuns poucos anos de exploração da região, os americanos recuperaram a verba que tinham pago aos russos e passaram ao lucro.

Um fluxo migratório de americanos e estrangeiros inundou Juneau de forasteiros em busca de mais ouro. A própria zona do glaciar Mendenhall foi vasculhada.

De tal forma que um dos seus riachos recebeu e mantém o nome Nugget Creek (riacho das pepitas). É mais um dos que desagua no glaciar Mendenhall.

Glaciar Mendenhall e o Recuo Secular para mais longe de Juneau

O glaciar Mendenhall tem, na actualidade, quase 22km de extensão.

No recuo potenciado pelos efeitos do aquecimento global também do noroeste dos Estados Unidos, fez o lago aumentar.

Como, aos poucos, fez enriquecer o ecossistema dele dependente, de que se destacam vários tipos de salmão, salvelino, truta arco-íris e outras espécies de peixes.

Em simultâneo, em 2012, o retrocesso substancial do glaciar colocou a descoberto uma antiga floresta que o avanço ancestral havia destroçado, coberto e congelado.

Os cientistas espantaram-se quando, ao avaliarem a antiguidade dos troncos, cepos e ramos revelados, concluíram que teriam entre 1200 e 2000 anos.

Estimam ainda que, nesta era de temperaturas cada vez mais quentes, o recuo do glaciar Mendenhall se irá intensificar. Salvo reversão drástica no padrão de aquecimento, o rio de gelo vai separar-se do lago que irriga.

Vai distanciar-se ainda mais da enseada de Fritz.

E ficar cada vez mais para trás da Juneau que inspirou o curioso nome tlingit.

Glaciares

Planeta Azul-Gelado

Formam-se nas grandes latitudes e/ou altitudes. No Alasca ou na Nova Zelândia, na Argentina ou no Chile, os rios de gelo são sempre visões impressionantes de uma Terra tão frígida quanto inóspita.
Juneau, Alasca

A Pequena Capital do Grande Alasca

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta pequena capital que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Prince William Sound, Alasca

Viagem por um Alasca Glacial

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do Alasca. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.
Monte Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.
Anchorage a Homer, E.U.A.

Viagem ao Fim da Estrada Alasquense

Se Anchorage se tornou a grande cidade do 49º estado dos E.U.A., Homer, a 350km, é a sua mais famosa estrada sem saída. Os veteranos destas paragens consideram esta estranha língua de terra solo sagrado. Também veneram o facto de, dali, não poderem continuar para lado nenhum.
Perito Moreno, Argentina

O Glaciar Que Resiste

O aquecimento é supostamente global mas não chega a todo o lado. Na Patagónia, alguns rios de gelo resistem.De tempos a tempos, o avanço do Perito Moreno provoca derrocadas que fazem parar a Argentina
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Lagoa Jökursarlón, Glaciar Vatnajökull, Islândia

Já Vacila o Glaciar Rei da Europa

Só na Gronelândia e na Antárctica se encontram geleiras comparáveis ao Vatnajökull, o glaciar supremo do velho continente. E no entanto, até este colosso que dá mais sentido ao termo Terra do Gelo se está a render ao cerco inexorável do aquecimento global.
Sitka, Alasca

Sitka: Viagem por um Alasca que Já foi Russo

Em 1867, o czar Alexandre II teve que vender o Alasca russo aos Estados Unidos. Na pequena cidade de Sitka, encontramos o legado russo mas também os nativos Tlingit que os combateram.
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Homer a Whittier, Alasca

Em Busca da Furtiva Whittier

Deixamos Homer, à procura de Whittier, um refúgio erguido na 2ª Guerra Mundial e que abriga duzentas e poucas pessoas, quase todas num único edifício.
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
Safari
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Arquitectura & Design
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Cerimónias e Festividades
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida, Suas Danças e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
Mdina, Malta, Cidade Silenciosa, arquitectura
Cidades
Mdina, Malta

A Cidade Silenciosa e Notável de Malta

Mdina foi capital de Malta até 1530. Mesmo depois de os Cavaleiros Hospitalários a terem despromovido, foi atacada e fortificou-se a condizer. Hoje, é a costeira e sobranceira Valletta que conduz os destinos da ilha. A Mdina coube a tranquilidade da sua monumentalidade.
fogon de Lola, comida rica, Costa Rica, Guapiles
Comida
Fogón de Lola, Costa Rica

O Sabor a Costa Rica de El Fogón de Lola

Como o nome deixa perceber, o Fogón de Lola de Guapiles serve pratos confeccionados ao fogão e ao forno, segundo tradição familiar costarricense. Em particular, a família da Tia Lola.
Cultura
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Natal na Austrália, Platipus = ornitorrincos
Em Viagem
Atherton Tableland, Austrália

A Milhas do Natal (parte II)

A 25 Dezembro, exploramos o interior elevado, bucólico mas tropical do norte de Queensland. Ignoramos o paradeiro da maioria dos habitantes e estranhamos a absoluta ausência da quadra natalícia.
Espantoso
Étnico

Ambergris Caye, Belize

O Recreio do Belize

Madonna cantou-a como La Isla Bonita e reforçou o mote. Hoje, nem os furacões nem as disputas políticas desencorajam os veraneantes VIPs e endinheirados de se divertirem neste refúgio tropical.

Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Dominica, Soufriére e Scotts Head, fundo da ilha
História
Soufriére e Scotts Head, Dominica

A Vida que Pende da Ilha Caribenha da Natureza

Tem a fama da ilha mais selvagem das Caraíbas e, chegados ao seu fundo, continuamos a confirmá-lo. De Soufriére ao limiar habitado sul de Scotts Head, a Dominica mantém-se extrema e difícil de domar.
Ilhas
Viti Levu, Fiji

A Partilha Improvável da ilha Viti Levu

Em pleno Pacífico Sul, uma comunidade numerosa de descendentes de indianos recrutados pelos ex-colonos britânicos e a população indígena melanésia repartem há muito a ilha chefe de Fiji.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Sombra vs Luz
Literatura
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Natureza
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Parques Naturais
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Catedral São Paulo, Vigan, Asia Hispanica, Filipinas
Património Mundial UNESCO
Vigan, Filipinas

Vigan, a Mais Hispânica das Ásias

Os colonos espanhóis partiram mas as suas mansões estão intactas e as kalesas circulam. Quando Oliver Stone buscava cenários mexicanos para "Nascido a 4 de Julho" encontrou-os nesta ciudad fernandina
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Magníficos Dias Atlânticos
Praias
Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.
Cabo Espichel, Santuário da Senhora do Cabo, Sesimbra,
Religião
Lagoa de Albufeira ao Cabo Espichel, Sesimbra, Portugal

Romagem a um Cabo de Culto

Do cimo dos seus 134 metros de altura, o Cabo Espichel revela uma costa atlântica tão dramática como deslumbrante. Com partida na Lagoa de Albufeira a norte, litoral dourado abaixo, aventuramo-nos pelos mais de 600 anos de mistério, misticismo e veneração da sua aparecida Nossa Senhora do Cabo.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre Carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
imperador akihito acena, imperador sem imperio, toquio, japao
Sociedade
Tóquio, Japão

O Imperador sem Império

Após a capitulação na 2ª Guerra Mundial, o Japão submeteu-se a uma constituição que encerrou um dos mais longos impérios da História. O imperador japonês é, hoje, o único monarca a reinar sem império.
Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Vida Selvagem
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.