Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação


Pura Curiosidade
Cavalos intrigados pela passagem de uma comitiva humana sobre o seu pasto no leito seco do rio Marsyangdi.
Deco Budismo
Recanto do interior do templo budista da Gruta de Milarepa.
Escadaria Milarepa
Escadaria para a gompa da Gruta de Milarepa.
História em Forma de Letreiro
Um grande letreiro à beira do trilho resume a história de Milarepa e da sua gruta.
Chamas de fé
Fiéis acendem velas em frente ao altar de Jaksun Milarepa, imediações de Brakka.
O Caminho de Buda
Indicação em nepalês a caminho da Gruta de Milarepa.
Em Formação Caprina
Rebanho de cabras prestes a regressar a Manang depois de um dia a pastar nas margens do rio Marsyangdi.
árvore-leito-rio-Marsyangdi-Circuito-Annapurna-Nepal
Árvore sobre o leito do rio Marsyangdi ressequida pelo Inverno rigoroso dos Annapurnas.
Budismo em Linha
Pormenor de estatuetas de Buda no interior do templo da Gruta de Milarepa.
A Velha Ponte do Gado
Rebanho de cabras cruza o rio Marsyangdi por uma ponte nas imediações de Manang.
Vista-de-Braga-(Brakka)-Circuito-Annapurna-Nepal
Vista sobre Braga (Brakka) a partir do trilho que ascende à Gruta de Milarepa.
Os Aposentos
Perspectiva da gompa da Gruta de Milarepa que em tempo acolheu dezenas de monges budistas.
O grande Vale do Marsyangdi
Panorama a partir do trilho que conduz à gruta de Milarepa, para jusante do rio Marsyangdi.
Arte de Trilho
Indicação em caracteres nepaleses, sobre a neve na encosta da montanha Annapurna III.
Calçado fora
Crente descalçam-se à entrada do templo budista da Gruta de Milarepa.
Na Vertente dos Annapurnas
Vista da vertente da montanha Annapurna III, a 42ª montanha do mundo.
Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.

Ditava o percurso que retrocedêssemos os pouco mais de 3km que separavam Manang e Braga (Brakra).

Esta última povoação tinha-nos surpreendido e agradado de tal maneira que a simples perspectiva de a voltarmos a cruzar antes de progredirmos no circuito só soava a recompensa.

Numa manhã solarenga, juntamo-nos a um grupo internacional de companheiros de circuito e pomo-nos a caminho.

Durante uma meia hora, avançamos pela estrada Manang Sadak que acompanhava o rio Marsyangdi. Pouco depois de Braga, atravessamo-lo por uma ponte suspensa de ferro e arame que nos entrega ao solo ressequido e repleto de cascalho do grande vale aluvial.

Como sempre acontece nestas paragens montanhosas do Nepal, depressa nos vemos de frente para uma vertente sem fim, outra de tantas faldas da cordilheira Annapurna que continuávamos a contornar.

Caminho para a gruta de Milarepa, Annapurna III, Circuito Annapurna, Nepal

Vista da vertente da montanha Annapurna III, a 42ª montanha do mundo.

Pela Encosta dos Annapurnas Acima

No caso, situada algures no sopé de dois dos picos nepaleses sumptuosos dos Himalaias, o Annapurna III (7.555m), a 42ª maior montanha à face da Terra, e a Gangapurna, apenas cem metros mais baixa.

Daquele quase meio do vale, ainda víamos os seus cumes nevados, destacados acima de uma floresta pinífera polvilhada de branco.

O vale durou o que durou. Num ápice, entregamo-nos a um trilho íngreme que serpenteava encosta acima, aqui e ali, coberto de neve ou enlameado pelo degelo de zonas expostas ao sol.

Letreiro pintado, a caminho da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal

Indicação em caracteres nepaleses, sobre a neve na encosta da montanha Annapurna III.

Ao ascendermos, perdemos o rasto da coroa alva das montanhas, onde se escondia o Ice Lake (Kicho Tal) a que tínhamos recentemente ascendido.

Em simultâneo, o templo budista-tibetano e o casario de Braga e, a maior distância, os de Manang, expunham-se e insinuavam-se à ladeira sua oposta, de onde, até então, não os tínhamos ainda apreciado.

Vista de Braga (Brakka), circuito Annapurna, Nepal

Vista sobre Braga (Brakka) a partir do trilho que ascende à Caverna de Milarepa.

Uma Ascensão Dolorosa

Subimos. Ascendemos ao ritmo a que as coxas em fogo nos permitiam, com os corações a bombear como loucos, os pulmões alagados do mesmo ar frio e pesado, cada vez menos oxigenado, que nos ruborizava as faces.

Era a arfar que progredíamos. E a arfar demos entrada numa clareira que acolhia uma estupa e um circuito de bandeiras budistas multicolores e ondulantes que glorificaram um já ansiado descanso.

Umas dezenas de ziguezagues escorregadios depois, abandonamos a ditadura verde-castanha dos pinheiros para uma crista sobranceira que nos desvendou um novo panorama.

Panorama a partir do caminho para gruta Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal

Panorama a partir do trilho que conduz à Caverna de Milarepa, para jusante do rio Marsyangdi.

Em frente, Chulu (6419m), a montanha que tinha Braga na sua base.  Para sudoeste, o vale do Marsyandgi em toda a sua amplitude, encerrado pelo séquito de montanhas majestosas que, desde a já longínqua Chame, deixávamos para trás.

E acima, uma sequência por comparação despida do trilho, rendido a uma vegetação arbustiva queimada pelo Inverno e pelo vento.

Ascendemos um pouco mais nessa ladeira. Vislumbramos um novo estendal de bandeiras budistas, a determinada altura, alinhadas com uma escadaria rude, feita de lajes de pedra talhadas e encaixadas apenas o suficiente para gerar degraus desafiantes.

Antes de a atingirmos, um letreiro quadrado, com um fundo ocre e um texto exaustivo a amarelo resgata-nos a atenção. “Milerepa Cave, an Interesting Relious Believe!” versava o título.

À margem da impreterível aclimatização, era pelo budismo, pelo significado daquele lugar e seu misticismo, não tanto pela caverna em si, que ali estávamos. De acordo, detivemo-nos a  estudar a inesperada sinopse.

Letreiro explicativo da gruta de Milarepa-Circuito Annapurna, Nepal

Um grande letreiro à beira do trilho resume a história de Milarepa e da sua caverna.

Viagem pela Vida de Mila Thö-pa-Ga, mais conhecido como Jetsün Milarepa

Resumia a vida de Milarepa – Jetsün Milarepa, nascido como Mila Thö-pa-Ga -, um tibetano que, malgrado um começo pouco promissório, viveu e se notabilizou no Budismo durante os séculos XI e XII.

Boa parte do pouco que se sabe da sua vida provem de obras pioneiras  escritas por Tsangnyon Heruka (nome de autor traduzível como o Louco Heruka de Tsang), já no século XV.

Entre a realidade e lenda, Tsangnyon Heruka compilou o que há muito se contava de geração para geração sobre Milarepa, em dois títulos agora clássicos da literatura tibetana: “Life of Milarepa” e “The Collections of Songs of Milarepa”.

Se não contarmos com os escritos e os testemunhos orais, subsistem apenas algumas relíquias que se atribuem a Milarepa, com destaque para um casaco de pele de urso que chegou a usar nos dias mais frígidos.

Milarepa: De Jovem Perturbado a Feiticeiro Descontrolado

Ora, de acordo com a biografia, Milarepa nasceu no seio de uma família abastada. Quando o seu pai faleceu, os tios privaram-no a ele e à sua mãe da riqueza a que tinham direito.

Mas, Milarepa perdeu também vários outros membros da família e amigos, vítimas de facções rivais da sua povoação.

A determinada altura, a pedido da mãe, Milarepa deixou o lar com o fito de aprender feitiçaria e de adquirir poderes sobrenaturais que lhe permitissem vingar-se.

Tornou-se feiticeiro.

Um mago tão assombroso que deixou de conseguir gerir as suas acções e acabou por assassinar várias pessoas.

Estatuetas de Buda, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal

Pormenor de estatuetas de Buda no interior do templo da gruta de Milarepa.

Anos mais tarde, arrependeu-se. Desesperado por ressurreição, tornou-se aprendiz de Marpa o Tradutor, um sábio budista.

Milarepa entregou-se de corpo e alma ao Budismo e suportou sucessivas provas iniciáticas de humildade e obediência impostas pelo mestre por forma a reverter o karma negativo que carregava.

Milarepa superou-as com abnegação e afinco.

O mestre aceitou continuar a instruí-lo e passou-lhe ensinamentos tântricos preciosos, casos das transmissões de aura tummo e a mahamudra, um grande selo espiritual que ratifica que todos os fenómenos são marcados pelo binómio inseparável do conhecimento e do vazio.

Árvore seca, rio Marsyangdi, Circuito Annapurna, Nepal

Árvore fenomenal sobre o leito do rio Marsyangdi ressequida pelo Inverno rigoroso dos Annapurnas.

Milarepa, o Aprendiz que Conquistou a Perfeição de Siddha

Milarepa não tardou a atingir uma aptidão física e iluminação espiritual que lhe granjeou o raro estatuto de siddha.

O jovem aprendiz evoluiu para se tornar um dos mais conceituados yogis e poetas do Tibete. E Marpa determinou que deveria viajar e praticar uma meditação eremita, em comunhão fiel com a natureza, em grutas e retiros de montanha.

Foi durante essa sua deambulação que a sua vida entrou pela caverna de Milarepa. Prosseguimos no seu encalço, castigados pela inclemência da gravidade.

Escadaria para gompa Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal

Escadaria para a gompa da Gruta de Milarepa.

Conquistamos a escadaria de lajes. No topo, entre bandeiras agitadas pela ventania que quase nos fazia descolar, desvendamos uma estrutura algures entre um portal e um nicho desafogado que alojava uma grande estátua de Buda.

Certas fontes asseguram que este portal conduz à gruta esquiva que acolheu o asceta. Nesse caso, e à data, o acesso ao interior revelou-se vedado.

Em Busca da Caverna Esquiva de Milarepa, a Nepalesa

Seja como for, narrativas de distintos viajantes testemunhavam que aquela entrada era apenas simbólica, que o verdadeiro abrigo na rocha, por que fluía a nascente perene que deu de beber a Milarepa estaria quinze minutos para cima na montanha.

E que o grande sismo de Abril de 2015 que arrasou Katmandu e afectou boa parte do Nepal, a teria feito desabar.

Mesmo em toda a sua integridade, a caverna de Milarepa que buscávamos era apenas uma de cerca de vinte em que o sábio se refugiou durante a sua vida. Longe de ser a mais famosa.

Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal

Fiéis acendem velas em frente ao altar de Jaksun Milarepa, imediações de Brakka.

Essa, conhecida por Namkading Cave, distava centenas de quilómetros para leste, situada numa encosta abaixo da Estrada da Amizade Sino-Nepalesa, em pleno território tibetano que, a partir de 1950, Pequim transformou em chinês.

A caverna agora nepalesa que ali nos havia levado de Manang, pouco mais assegurou ao eremita que uma penosa sobrevivência.

Um Ser Vivo mas Por pouco

Reza a história que, findos os alimentos com que viajara, Milarepa subsistiu de plantas comestíveis que encontrava nas imediações.

A falta de comida, de trajes e de companhia contribuíram para que se mantivesse focado no propósito espiritual superior do seu retiro, ao ponto de ter sucedido em, em vez de expulsar demónios invasores do abrigo, lhes ter imposto os princípios comportamentais budistas do dharma.

O custo físico dessa espiritualidade provou-se atroz. Os poucos peregrinos que, a espaços, visitavam o lugar relataram encontros com um quase esqueleto com uma longa cabeleira e a pele tingida de um esverdeado extraterrestre, devido às grandes doses de clorofila que consumia.

Com o passar dos séculos e o avolumar da reputação religiosa do asceta, o seu retiro Annapurna mereceu mais e mais peregrinações de fieis budistas.

Ao que se aliou a recente notoriedade do Circuito Annapurna entre os montanhistas e amantes das caminhadas, que lá leva, todos os anos, centenas de novos crentes e curiosos.

Gruta de Milarepa: a Peregrinação que Também Serve de Aclimatização

Com frequência, os nativos e os forasteiros partilham o templo que lhe é dedicado na gompa cimeira.

Gompa, Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal

Perspectiva da gompa da Caverna de Milarepa que em tempo acolheu dezenas de monges budistas.

Deambulamos por edifícios elementares que chegaram a servir de aposentos a dezenas de monges ali instalados. Hoje, contam-se, no máximo, dois, ou três, de acordo com a conjuntura ou a ocasião.

Destacado acima, junto ao sopé do grande morro de rocha, encontramos o templo diminuto que abençoava a gompa e os seus visitantes. Deixamos o calçado à porta, na companhia de uma grande roda budista de oração. Uma vez purificados, entramos.

Fiéis tiram calçado, gompa de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal

Crente descalçam-se à entrada do templo budista da Gruta de Milarepa.

Tentamos integrar-nos no misticismo de luz de velas e  do janelo ainda assim colorido do santuário. Instantes depois, surpreende-nos uma família nepalesa recém-chegada.

Conscientes do quão apertado era o espaço, damos-lhes prioridade e aos seus ritos de fé: a oferenda de incenso, o acender de velas aos pés do altar e o sussurrar dos mantras.

Provas de Uma Existência Sobrenatural

Quanto mais nos inteirávamos do martírio a que se submeteu Jetsün Milarepa, mais nos convencíamos da seriedade da sua sacralização, granjeada após as autoridades budistas nele terem constatado a libertação total do mundo material e a Perfeição Budista exigida a um Siddha.

Biografias posteriores chegaram a descrever Milarepa como um Buda Tibetano, mesmo que nunca tenha convivido ou recebido ensinamentos de um mestre indiano ou sequer visitado a Índia.

Indicação em nepalês, Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal

Indicação em nepalês a caminho da Caverna de Milarepa.

Fossem fruto da feitiçaria que aprendera na juventude ou de capacidades mais tarde adquiridas, Milarepa comprovou perante uma audiência de estudante budistas, a sua mestria iógica.

Um dos feitos que exibiu foi mover uma mão pelo ar com tal velocidade e força que gerou uma explosão sónica que ecoou pela caverna.

O outro, passou por empurrar a parede da sua caverna com uma mão de forma a fazê-la moldar a rocha como se fosse feita de argila e, deixando nela, o seu molde. Alguns dos estudantes tentaram emular as proezas de Milarepa.

Só conseguiram lesões nas mãos e frustração a condizer.

O Também Santo Regresso a Manang

O cansaço, o frio e o vento começavam a machucar-nos os corpos profanos. Com o sol prestes a cair para trás das montanhas, estava mais que na hora de inaugurarmos o regresso.

Ainda espreitamos a moreia glaciar que, logo ao lado, fluía Annapurnas abaixo. Logo, regressamos aos ziguezagues do pinhal e ao leito do Marsyangdi.

Cavalos num pasto, rio Marsyangdi, Circuito Annapurna, Nepal

Cavalos intrigados pela passagem de uma comitiva humana sobre o seu pasto no leito seco do rio Marsyangdi.

Em vez de o cruzarmos de imediato para a Manang Sadak, decidimos retornar pela vastidão que o encolher do rio deixara transitável. Passamos por cavalos que pastavam uma palha quase rasa.

Já à sombra, nas imediações da ponte contígua a Manang, deixamo-nos ultrapassar por um longo rebanho preto-e-branco de cabras felpudas.

Rebanho de Cabras, Manang, Circuito Annapurna, Nepal

Rebanho de cabras prestes a regressar a Manang depois de um dia a pastar nas margens do rio Marsyangdi.

Quando reentramos em Manang, somos prendados com os últimos raios solares do dia a iluminarem o sector norte e pela visão de uma fila de mulheres a girarem as rodas de oração da povoação, amornadas pela benesse do grande astro e pelo conforto comunal da sua fé.

Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a ChameNepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Circuito Annapurna: 5º - Ngawal a BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna - A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Circuito Annapurna 11º: Yak Karkha a Thorong Phedi, Nepal

A Chegada ao Sopé do Desfiladeiro

Num pouco mais de 6km, subimos dos 4018m aos 4450m, na base do desfiladeiro de Thorong La. Pelo caminho, questionamos se o que sentíamos seriam os primeiros problemas de Mal de Altitude. Nunca passou de falso alarme.
Circuito Annapurna: 12º - Thorong Phedi a High Camp

O Prelúdio da Travessia Suprema

Este trecho do Circuito Annapurna só dista 1km mas, em menos de duas horas, leva dos 4450m aos 4850m e à entrada do grande desfiladeiro. Dormir no High Camp é uma prova de resistência ao Mal de Montanha que nem todos passam.
Circuito Annapurna: 13º - High Camp a Thorong La a Muktinath, Nepal

No Auge do Circuito dos Annapurnas

Aos 5416m de altitude, o desfiladeiro de Thorong La é o grande desafio e o principal causador de ansiedade do itinerário. Depois de, em Outubro de 2014, ter vitimado 29 montanhistas, cruzá-lo em segurança gera um alívio digno de dupla celebração.
Circuito Annapurna 14º - Muktinath a Kagbeni, Nepal

Do Lado de Lá do Desfiladeiro

Após a travessia exigente de Thorong La, recuperamos na aldeia acolhedora de Muktinath. Na manhã seguinte, voltamos a descer. A caminho do antigo reino do Alto Mustang e da aldeia de Kagbeni que lhe serve de entrada.
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
Safari
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Arquitectura & Design
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Aventura
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Cerimónias e Festividades
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Nacionalismo Colorido
Cidades
Cartagena de Índias, Colômbia

A Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Intersecção
Cultura
Hungduan, Filipinas

Filipinas em Estilo Country

Os GI's partiram com o fim da 2ª Guerra Mundial mas a música do interior dos EUA que ouviam ainda anima a Cordillera de Luzon. É de tricycle e ao seu ritmo que visitamos os terraços de arroz de Hungduan.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Devils Marbles, Alice Springs a Darwin, Stuart hwy, Caminho do Top End
Em Viagem
Alice Springs a Darwin, Austrália

Estrada Stuart, a Caminho do Top End da Austrália

Do Red Centre ao Top End tropical, a estrada Stuart Highway percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, o Território do Norte muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.
Étnico
São Nicolau, Cabo Verde

Fotografia dess Nha Terra São Nicolau

A voz da saudosa Cesária Verde cristalizou o sentimento dos cabo-verdianos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau ou, vá lá que seja, admira imagens que a bem ilustrem, percebe porque os seus lhe chamam, para sempre e com orgulho, nha terra.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Ocaso no Flat Lake, Luisiana
História
Atchafalaya Basin, Luisiana, E.U.A.  

O Grande Pântano do Sul Americano Profundo

Por alguma razão os indígenas o tratavam por “rio longo”. A determinado ponto, o Atchafalaya espraia-se num pântano feito de lagoas ligadas por canais, salpicadas de ciprestes, carvalhos e tupelos. Exploramo-lo, entre Lafayette e Morgan, Luisiana, no caminho para a sua foz do Golfo do México.
Fiéis cristãos à saida de uma igreja, Upolu, Samoa Ocidental
Ilhas
Upolu, Samoa  

No Coração Partido da Polinésia

O imaginário do Pacífico do Sul paradisíaco é inquestionável em Samoa mas a sua formosura tropical não paga as contas nem da nação nem dos habitantes. Quem visita este arquipélago encontra um povo dividido entre sujeitar-se à tradição e ao marasmo financeiro ou desenraizar-se em países com horizontes mais vastos.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Pescadores em canoas, rio Volta, Gana
Natureza
Volta, Gana

Uma Volta pelo Volta

Em tempos coloniais, a grande região africana do Volta foi alemã, britânica e francesa. Hoje, a área a leste deste rio majestoso da África Ocidental e do lago em que se espraia forma uma província homónima. E um recanto montanhoso, luxuriante e deslumbrante do Gana.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Guias penetram na Cidade de Pedra, Pirenópolis
Parques Naturais
Cidade de Pedra, Goiás, Brasil

Uma Cidade de Pedra. Preciosa.

Uma vastidão lítica desponta do cerrado em redor de Pirenópolis e do âmago do estado brasileiro de Goiás. Com quase 600 hectares e ainda mais milhões de anos, aglomera inúmeras formações ruiniformes caprichosas e labirínticas. Quem a visita, perde-se por lá de deslumbre.
kings canyon, Red centre, coracao, Australia
Património Mundial UNESCO
Red Centre, Austrália

No Coração Partido da Austrália

O Red Centre abriga alguns dos monumentos naturais incontornáveis da Austrália. Impressiona-nos pela grandiosidade dos cenários mas também a incompatibilidade renovada das suas duas civilizações.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Praias
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
auto flagelacao, paixao de cristo, filipinas
Religião
Marinduque, Filipinas

A Paixão Filipina de Cristo

Nenhuma nação em redor é católica mas muitos filipinos não se deixam intimidar. Na Semana Santa, entregam-se à crença herdada dos colonos espanhóis.A auto-flagelação torna-se uma prova sangrenta de fé
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre Carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Sociedade
Tongatapu, Tonga

A Última Monarquia da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma outra monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.