Circuito Annapurna: 12º - Thorong Phedi a High Camp

O Prelúdio da Travessia Suprema


Antena Espiritual
Caminhante Solitário
Montanhista sobe a ladeira que liga Thorong Pedi ao Thorong High Camp.
Bandeiras Budistas-Tibetanas
Um estendal de estandartes lung ta abençoa a rampa que conduz ao High Camp de Thorong.
Do Hotel ao Miradouro
Hóspede do High Camp dirige-se para um extremo panorâmico umas centenas de metros acima do hotel.
O Carregador
Don num momento de recuperação, durante a ascensão árdua para o High Camp.
Cavalos de Resgate
Equinos caminham em direcção ao High Camp, vindos das terras mais altas do desfiladeiro Thorong La.
Pela Crista
Caminhantes percorrem uma crista que conduz a um ponto sobranceiro próximo do High Camp.
Heli Salvamento
Helicóptero prestes a aterrar junto ao High Camp para socorrer um caminhante a sofrer de Mal da Montanha.
Cumes Nevados
Cristas nevadas dos Annapurnas, à entrada do desfiladeiro Thorong La.
Montanhas Pardas
O branco da neve contraste com o quase ocre das Montanhas da Cordilheira Annapurna.
High Camp View Hotel
Cartaz caído assinala o abrigo providencial do Thorong High Camp.
Subida a 2
Duo de caminhantes quase a alcançar o cimo intermédio do High Camp.
High Camp
A primeira vista dos edifícios do High Camp.
O Bom Caminho
Vale em V Nevado
Nevão da noite polvilhou de branco as encostas e cumes dos Annapurnas.
Este trecho do Circuito Annapurna só dista 1km mas, em menos de duas horas, leva dos 4450m aos 4850m e à entrada do grande desfiladeiro. Dormir no High Camp é uma prova de resistência ao Mal de Montanha que nem todos passam.

Incomodados por alguma ansiedade e pelo barulho gerado por caminhantes em quartos próximos do New Phedi, de saída, despertamos ainda antes das três da manhã.

O hotel estava, todo ele, nevado e gelado. Grandes estalactites pendiam dos beirais, incluindo do interior da casa de banho partilhada. No tempo que passara, o caldeiro com água lá colocado, tinha gerado um grande bloco de gelo, com os danos na higiene que tal solidificação implicava.

Pela conversa de dois grupos de estudantes americanos, liderados por professores, o seu calendário para o circuito era pouco flexível. Percebemos que, devido a um qualquer percalço anterior, se viam obrigados a cruzar o desfiladeiro Thorong La, naquela mesma madrugada.

Quando saímos do quarto e examinamos a situação meteorológica, mais que nos desagradar, a ascensão iminente e precipitada dos americanos preocupava-nos.

As montanhas continuavam sob um véu acinzentado de nuvens baixas e de neblina. Batemos no quarto da Sara e do Manel. Preparavam-se para sair.

Expúnhamos-lhes as nossas dúvidas e inquietações quando desata a nevar forte.

Mais forte do que alguma vez tínhamos visto desde a partida de Pokhara.

Contamos-lhes o que sabíamos do histórico das travessias de Thorong La e o que tínhamos planeado para nos precavermos de sustos, que passava por evitar a ascensão rumo ao desfiladeiro no meio de uma tempestade de neve, mesmo que muito outros caminhantes o fizessem.

A tragédia de 2014, de que falaremos no trecho seguinte do circuito, era mais que motivo para sermos argutos e redobrarmos os cuidados.

Ao constatarem o intensificar do nevão, sem vermos uma única estrela no céu, a Sara e o Manel anuem.

Decidimos os quatro voltar a dormir e vermos como estava o tempo após a aurora.

Manhã Solarenga, Tempo de Deixar Thorong Phedi

Voltamos a acordar por volta das sete da manhã. Com a partida precoce dos dois grupos americanos, o hotel New Phedi parecia-nos deserto.

O nevão já tinha parado. O céu abria a olhos vistos. De tal maneira que o sol entrava, radiante e, aos poucos, livrava-se da nebulosidade persistente.

Este sim, era um cenário que considerávamos favorável. Uma pós-tempestade solarenga com, tudo indicava, horas de céu limpo por diante.

Vamos despertar o Manel e a Sara. Voltamos para arrumar as mochilas.

Don, o nosso carregador, já estava pronto para as instruções que lhe déssemos. Ainda antes das oito da manhã, deixamos todos o Hotel New Phedi.

Ao chegarmos ao início do trilho e da ladeira, temos uma visão mais ampla e real do quanto o nevão da noite havia mudado o cenário.

O vale do rio Jharsong Kola e os cumes imponentes que se projectavam do V apertado a ocidente eram, agora, brancos, com ligeiras estrias de terra onde a neve falhara superfícies demasiado íngremes.

Os Bons Augúrios Tibetanos das Bandeiras Lunga ta

Um longo estendal multicolor de bandeiras budista-tibetanas lunga ta, esticadas na horizontal, destacava-se da imensidão alva.

Os tibetanos conhecem-nas como Wind Horse. São símbolos xamânicos da alma humana, também representativas do cavalo, um dos animais que representam os quatro polos cardeais.

São ainda ícones de desejo de boa sorte.

Ali mesmo, à saída de Phedi, essa Wind Horse tremelicante abençoava as jornadas dos caminhantes nos dois sentidos, se bem que o de Thorong La, o nosso, se provava bem mais desafiante que o oposto.

Devagar, devagarinho, subimos a vertente branca, que o rápido derretimento da neve fazia alvacenta.

De início, éramos só os cinco a subir. Aos poucos, caminhantes saídos de Phedi ou já chegados de escalas anteriores – Yak Kharka, de Ledar e outras – e que tinham optado por não parar em Phedi, surgiam no fundo da ravina.

O Apoio Precioso de Don, o Carregador

Este era, sem margem para dúvidas, o trecho mais árduo desde o trilho ziguezagueante que subia do rio Marsyangdi ao cimo de Ghyaru.

Desta feita, graças aos serviços de Don, estávamos menos carregados.

A opção de contarmos com carregador entre Manang e Muktinah, já do outro lado do desfiladeiro, tínhamo-la tomado precisamente porque, devido ao equipamento fotográfico, andávamos com quase o dobro do peso expectável e que os outros caminhantes transportavam.

Queríamos evitar que uma súbita lesão no fundo das costas, ou afim, já para não falar do Mal de Montanha, nos deixasse incapazes de prosseguir.

Mesmo assim, a Don, calhava apenas o nosso excesso. Aquém do que os carregadores nepalis estão habituados a suportar.

Nós, transportávamos 9 ou 10kg cada um, sobre o limiar do aconselhado.

Nestes modos mais portáteis, numa mera hora de sobe-pára, recupera-retoma, atingimos o alto do High Camp, onde recuperamos, a contemplarmos o novo cenário do cimo e a imensidão que tínhamos deixado para trás.

Nova Desistência Causada pelo Mal de Montanha

Vivemos esse deslumbre quando, ao longe, vemos o que parecia um helicóptero a aproximar-se. Nuns poucos minutos, atingiu o cimo da ladeira do High Camp e aterrou numa saliência plana usada como heliporto.

Dois caminhantes apareceram de um hotel. Um deles era uma jovem, apurámos que israelita e que, para nosso espanto, caminhava de calças de ganga e com dificuldades.

O outro, bem preparado, com calças de neve e um casacão de penas volumoso, entregou-a à equipa de salvamento. A desistente estaria em estado aceitável, caso contrário, não tinha pedido uma foto sua de despedida.

Concretizada a recordação, o helicóptero descolou. Como o tínhamos acompanhado a definir-se contra as montanhas e o céu, assim o vimos sumir-se acima do leito do Jharsong Kola.

Voltamo-nos para a nossa própria realidade.

Com as instalações do High Camp ali ao lado, voltam a assaltar-nos as dúvidas de se queríamos seguir, ou lá passar uma noite.

A Escala Não Planeada no High Camp

Lembramo-nos do que nos tinham contado no Base Camp de Phedi, que as instalações do High Camp, os quartos em particular, eram miseráveis para o frio que lá fazia.

Como se não bastasse, a entrada para o desfiladeiro distava umas centenas de passos. Decidimos continuar.

Caminhamos pelo trilho nevado, por quase quarenta minutos.

Até que, numa zona em que se inclinava sobre um declive pronunciado, sentimos o vento a intensificar-se para rajadas e a trazer nuvens densas do lado de lá da cordilheira, sobre o maciço de Damodar Himal.

Com a visibilidade comprometida e dificuldade crescente para nos mantermos equilibrados e evitarmos tombar para o declive, abortamos o plano.

Invertemos marcha. Refugiamo-nos no conforto do High Camp. Coincidência ou não, já lá estavam vários caminhantes.

Muitos outros apareceriam.

Sobre as dez da manhã, ficamos com os dois últimos quartos duplos disponíveis. Deixamos as mochilas, reencontramo-nos na sala aquecida, a essa hora, já distantes das inevitáveis salamandras.

Tínhamos gasto energia a sério com a ascensão de Thorong Phedi. Sentimo-nos esfomeados muito antes do que seria normal.

Almoçamos por volta das 11 da manhã. Conscientes de que devíamos manter os corpos habituados ao esforço em altitude, voltamos a sair.

À Descoberta dos Cenários Elevados do High Camp

Conquistamos um promontório com vista monumental sobre o vale do Jharsong Kola e os picos nevados em redor.

Coroava a sua extremidade uma pilha de pedras, sustentáculo de uma antena gradeada, uma estrutura mal-amanhada, ainda assim, com direito a bênção religiosa.

Nem a antena nem o lunga ta que a decorava chegavam para abençoar os hóspedes de sinal de telefone, quanto mais de internet.

Mais caminhantes nos seguiram os passos e apareceram das funduras do High Camp. O espaço apertado em redor da antena deixou de chegar.

Forçou-nos a trocas de posições acrobáticas que, mal calculadas, podiam resultar num mergulho para o abismo. Resignados, voltamos a descer para o High Camp.

A Noite Passada às Portas do Desfiladeiro Thorong La

Encontramo-lo à pinha. Conseguimos mesa, uma vez mais, distante das salamandras.

Malgrado o frio e o desconforto, dormitamos, quase até à hora do jantar e as 20h do fecho da sala de refeições que nos remeteu para os quartos gélidos e espartanos.

Nessa noite de ansiedade renovada, o plano era acordarmos às 4h30, tomarmos um pequeno-almoço leve, às 5h. E sairmos às 5h30, sobre o nascer do sol.

Embalou-nos o desejo de que o dia despertasse clemente.

Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a ChameNepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Circuito Annapurna: 5º - Ngawal a BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna - A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
Circuito Annapurna 11º: Yak Karkha a Thorong Phedi, Nepal

A Chegada ao Sopé do Desfiladeiro

Num pouco mais de 6km, subimos dos 4018m aos 4450m, na base do desfiladeiro de Thorong La. Pelo caminho, questionamos se o que sentíamos seriam os primeiros problemas de Mal de Altitude. Nunca passou de falso alarme.
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Circuito Annapurna: 13º - High Camp a Thorong La a Muktinath, Nepal

No Auge do Circuito dos Annapurnas

Aos 5416m de altitude, o desfiladeiro de Thorong La é o grande desafio e o principal causador de ansiedade do itinerário. Depois de, em Outubro de 2014, ter vitimado 29 montanhistas, cruzá-lo em segurança gera um alívio digno de dupla celebração.
Circuito Annapurna 14º - Muktinath a Kagbeni, Nepal

Do Lado de Lá do Desfiladeiro

Após a travessia exigente de Thorong La, recuperamos na aldeia acolhedora de Muktinath. Na manhã seguinte, voltamos a descer. A caminho do antigo reino do Alto Mustang e da aldeia de Kagbeni que lhe serve de entrada.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Safari
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Thorong La, Circuito Annapurna, Nepal, foto para a posteridade
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 13º - High Camp a Thorong La a Muktinath, Nepal

No Auge do Circuito dos Annapurnas

Aos 5416m de altitude, o desfiladeiro de Thorong La é o grande desafio e o principal causador de ansiedade do itinerário. Depois de, em Outubro de 2014, ter vitimado 29 montanhistas, cruzá-lo em segurança gera um alívio digno de dupla celebração.
Casario tradicional, Bergen, Noruega
Arquitectura & Design
Bergen, Noruega

O Grande Porto Hanseático da Noruega

Já povoada no início do século XI, Bergen chegou a capital, monopolizou o comércio do norte norueguês e, até 1830, manteve-se uma das maiores cidades da Escandinávia. Hoje, Oslo lidera a nação. Bergen continua a destacar-se pela sua exuberância arquitectónica, urbanística e histórica.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Hinduismo Balinês, Lombok, Indonésia, templo Batu Bolong, vulcão Agung em fundo
Cerimónias e Festividades
Lombok, Indonésia

Lombok: Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito
Emma
Cidades
Melbourne, Austrália

Uma Austrália “Asienada”

Capital cultural aussie, Melbourne também é frequentemente eleita a cidade com melhor qualidade de vida do Mundo. Quase um milhão de emigrantes orientais aproveitaram este acolhimento imaculado.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Músicos de etnia karanga jnunto às ruínas de Grande Zimbabwe, Zimbabwe
Cultura
Grande ZimbabuéZimbabué

Grande Zimbabwe, Pequena Dança Bira

Nativos de etnia Karanga da aldeia KwaNemamwa exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas do Grande Zimbabwe. o lugar mais emblemático do Zimbabwe, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova e problemática nação.  
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Motociclista no desfiladeiro de Sela, Arunachal Pradesh, Índia
Em Viagem
Guwahati a Sela Pass, Índia

Viagem Mundana ao Desfiladeiro Sagrado de Sela

Durante 25 horas, percorremos a NH13, uma das mais elevadas e perigosas estradas indianas. Viajamos da bacia do rio Bramaputra aos Himalaias disputados da província de Arunachal Pradesh. Neste artigo, descrevemos-lhe o trecho até aos 4170 m de altitude do Sela Pass que nos apontou à cidade budista-tibetana de Tawang.
António do Remanso, Comunidade Quilombola Marimbus, Lençóis, Chapada Diamantina
Étnico
Lençois da Bahia, Brasil

A Liberdade Pantanosa do Quilombo do Remanso

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Tabatô, Guiné Bissau, tabanca músicos mandingas. Baidi
História
Tabatô, Guiné Bissau

A Tabanca dos Músicos Poetas Mandingas

Em 1870, uma comunidade de músicos mandingas em itinerância, instalou-se junto à actual cidade de Bafatá. A partir da Tabatô que fundaram, a sua cultura e, em particular, os seus balafonistas prodigiosos, deslumbram o Mundo.
Ilha do Pico, a oeste da montanha, Açores, lajes do Pico
Ilhas
Ilha do Pico, Açores

A Ilha a Leste da Montanha do Pico

Por norma, quem chega ao Pico desembarca no seu lado ocidental, com o vulcão (2351m) a barrar a visão sobre o lado oposto. Para trás do Pico montanha, há todo um longo e deslumbrante “oriente” da ilha que leva o seu tempo a desvendar.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Sombra vs Luz
Literatura
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Cabo da Cruz, colónia focas, cape cross focas, Namíbia
Natureza
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Vulcão ijen, Escravos do Enxofre, Java, Indonesia
Parques Naturais
Vulcão Ijen, Indonésia

Os Escravos do Enxofre do Vulcão Ijen

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.
Fuga de Seljalandsfoss
Património Mundial UNESCO
Islândia

Ilha de Fogo, Gelo, Cascatas e Quedas de Água

A cascata suprema da Europa precipita-se na Islândia. Mas não é a única. Nesta ilha boreal, com chuva ou neve constantes e em plena batalha entre vulcões e glaciares, despenham-se torrentes sem fim.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Lifou, Ilhas Lealdade, Nova Caledónia, Mme Moline popinée
Praias
Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.
Um contra todos, Mosteiro de Sera, Sagrado debate, Tibete
Religião
Lhasa, Tibete

Sera, o Mosteiro do Sagrado Debate

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre Carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Tombola, bingo de rua-Campeche, Mexico
Sociedade
Campeche, México

Um Bingo tão lúdico que se joga com bonecos

Nas noites de sextas um grupo de senhoras ocupam mesas do Parque Independencia e apostam ninharias. Os prémios ínfimos saem-lhes em combinações de gatos, corações, cometas, maracas e outros ícones.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Vida Quotidiana
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Curieuse Island, Seychelles, tartarugas de Aldabra
Vida Selvagem
Île Felicité e Île Curieuse, Seychelles

De Leprosaria a Lar de Tartarugas Gigantes

A meio do século XVIII, continuava inabitada e ignorada pelos europeus. A expedição francesa do navio “La Curieuse” revelou-a e inspirou-lhe o baptismo. Os britânicos mantiveram-na uma colónia de leprosos até 1968. Hoje, a Île Curieuse acolhe centenas de tartarugas de Aldabra, o mais longevo animal terrestre.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.