Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre


Ghyaru village II
Casario de Ghyaru como visto do trilho que prossegue para Ngawal, acima de uma pilha de lajes budistas de oração.
O Nepal às costas II
Moradora de Ngawal regressa à povoação carregada de vegetação combustível.
Estupa II
Pormenor de uma estupa com as bandeiras budistas de oração esticadas em vários sentidos.
Mais uma estupa
Um caminhante inesperado
Carregador e guia nepalês no trilho então sombrio a umas centenas de metros de Ghyaru.
De volta ao cimo
Iaque vence uma ruela pedregosa de Ghyaru.
Ghyaru village I
O casario de Ghyaru visto do início do trilho que segue para Ngawal.
Rebanho ao sol
Cabras percorrem uma ruela ainda solarenga de Ghyaru.
Chef à Nepalesa
O Nepal às costas I
Budismo majestoso
Yak Ru hotel this way
O Caminho de Buda
Meandros do rio Marsyangdi
Himalaias
Vista a partir da ladeira ziguezagueante que vai da margem do rio Marsyangdi a Ghyaru.
Um amuleto sedoso
Lenço religioso budista atado a uma rocha pouco antes da rampa para Ghyaru.
Pisang de Baixo
Vista de Lower Pisang à beira do rio Marsyangdi, com a montanha Annapurna II bem acima.
Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.

À medida que nos distanciamos de Upper Pisang, apreciamos a perspectiva lateralizada da povoação com o seu casario malhado pela neve, como que a desafiar a povoação original disposta lá em baixo, ao longo da margem oposta do Marsyangdi.

Lower Pisang, Circuito Annapurna, Nepal

Vista de Lower Pisang à beira do rio Marsyangdi, com a montanha Annapurna II bem acima.

Mais para a frente naquele trecho florestado do Circuito Annapurna, contornamos um meandro do rio que nos expulsa do vale amplo de Pisang e entrega a um novo desfiladeiro com visual alpino, repleto de pinheiros.

Percorremo-lo de fio a pavio. Até que encontramos novo paredão mani e, no seu prolongamento, o casal italo-hispânico que tínhamos conhecido no dia anterior: Edoardo Berto e Sara Perez.

Meandros do Marsyangdi, circuito Annapurna, Nepal

Leito escavado do rio Marsyangdi uma constante em boa parte do circuito Annapurna.

Queixamo-nos do peso excessivo que carregávamos. No seu jeito despachado, Sara avisa-nos que, nesse caso, íamos sofrer a dobrar. “Já viram o castigo que ali vem? O Josh e o Fevsi estão lá para o alto.”

Uma Ladeira Castigadora 

Nem no mapa, nem no terreno. A verdade é que nos passara despercebido o declive que levava a Ghyaru, bem mais assustador que o que nos conduzira a Upper Pisang no final de tarde anterior.

Pintura budista, Circuito Annapurna, Nepal

Pormenor de arte religiosa budista num muro de orações que antecede a subida para Ghyaru.

Edo e Sara deixam-nos entregues a um já merecido snack. Pouco depois, no seu encalço, damos com uma ponte suspensa sobre um afluente desnivelado do Marsyangdi. No lado de lá, o trilho confronta-nos com um ziguezaguear que parece desenrolar-se sem fim pela vertente da montanha acima.

Nesse momento, ainda nos passa pela cabeça voltarmos atrás, para o trilho alternativo e bem mais plano que partia da já longínqua Lower Pisang. Até que vislumbramos os corpos dos outros compinchas, bem mais para o topo.

A sua relativa iminência estimula-nos a enfrentarmos a ladeira, de acordo com um plano em que concordamos: recuperaríamos o fôlego e a postura, nem que fosse só vinte segundos no término de cada um dos zigues ou zagues.

Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal

Bandeiras de oraçao garridas e, em fundo, uma montanha majestosa dos Annapurnas.

Assim dito, assim feito. Passados quarenta e cinco minutos, voltamos à companhia de Edo e Sara, ambos ainda deslumbrados com o cenário que tinham pela frente.

Saudamo-los e partilhamos com eles a vista inacreditável. Nunca, nos dias que já levávamos de caminhada, as montanhas dos Annapurnas, nos pareceram tão próximas e tão íntimas como ali. Era, aliás, a razão porque Edo, Sara, Fevsi e Josh, tinham decidido instalar-se na primeira das guest-houses da povoação.

Juntamo-nos a eles numa deliciosa galhofa multilingue. Celebramos a conquista e almoçamos os seis sobre um terraço de madeira com vista para o panorama surreal que tanto tínhamos feito por merecer.

Por essa altura, já Josh descobrira que se esquecera do seu permit do circuito em Chame e que, por mais frustrante que lhe soasse, teria que recuar dois ou três percursos para o recuperar, a começar na madrugada seguinte.

Em solidariedade para com o alemão mas também em função da vista, os quatro companheiros decidiram pernoitar naquela mesma pousada. Nós, precisávamos de prosseguir.

Dona de Tea House de Ghyaru, Nepal

Dona nepalesa de um pequeno restaurante e hotel logo à entrada de Ghyaru.

De acordo, mesmo contrariados, por volta das três da tarde, compramos uns mini-chocolates de reserva e saímos disparados para a próxima povoação no mapa.

São cerca de duas horas. Duas, mas planas!” assim nos descreve o caminho a dona nepalesa da pousada de Ghyaru, desgostosa por ver partir fontes de lucro com que já contava.

Yak Ru hotel, Ghyaru, Nepal

Entrada para o restaurante e hotel Yak Ru, em Ghyaru.

O caminho (ainda assim) bem mais tranquilo para Ngawal

Depressa nos inteiramos de que, apesar de mais selvagem e monumental que a maior parte do trecho entre Upper Pisang e Ghyaru, o trilho não tinha, nem de perto nem de longe, tal perfil.

Incluía uma série de subidas e descidas quase sempre roubadas às encostas e que espreitavam grandes precipícios sobre o rio cavado no desfiladeiro. O Marsyangdi – nem poderia ser outro – voltava a escoltar-nos.

Morador de Ghyaru, Nepal

Moradora de Ghyaru carrega dois grandes cestos de caruma seca.

Durante todo o tempo, cruzamo-nos apenas com um ciclista europeu que conduzia uma BTT e com um nativo do Nepal que se apresentou como guia ou carregador, o que nos desse mais jeito. Seguiam ambos no sentido contrário.

O facto de o sol ter deixado de dar em largas secções do percurso e de suspeitarmos que o vento reforçado trazia nuvens antes retidas pelas montanhas, faz-nos acelerar o passo.

Estupa entre Ghyaru e Ngawal, Nepal

Estupa entre a sombra e o sol poente, com a cordilheira das Anapurnas ao longe.

Com o destino à vista, as promessas fáceis e vãs do angariador à porta, convencem-nos a ficarmos na segunda das guest-houses que encontramos.

Sete horas e meia após a partida de Upper Pisang, cinco de dura caminhada, damos entrada em Ngawal, a aldeia que nos acolheria na noite que, tal como nós, já quase caia.

Mais informações sobre caminhadas no Nepal no site oficial do Turismo do Nepal.

Circuito Anapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com agrado.
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-Braga, Nepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Circuito Annapurna: 1º Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Sem corrimão
Arquitectura & Design

Brasília, Brasil

Da Utopia à Euforia

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.

Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Sombra de sucesso
Cerimónias e Festividades

Champotón, México

Rodeo debaixo de Sombreros

Com o fim do ano, 5 municípios mexicanos organizam uma feira em honra da Virgén de La Concepción. Aos poucos, o evento tornou-se o pretexto ideal para os cavaleiros locais exibirem as suas habilidades

Assento do sono
Cidades

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

Vendedores de Tsukiji
Comida

Tóquio, Japão

No Reino do Sashimi

Num ano apenas, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Uma parte considerável é processada e vendida por 65 mil habitantes de Tóquio no maior mercado piscícola do mundo.

1º Apuro Matrimonial
Cultura

Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar uniões.

Desporto
Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.
Casario sofisticado de Tóquio, onde o Couchsurfing e os seus anfitriões abundam.
Em Viagem
Couchsurfing (Parte 1)

Mi Casa, Su Casa

Em 2003, uma nova comunidade online globalizou um antigo cenário de hospitalidade, convívio e de interesses. Hoje, o Couchsurfing acolhe milhões de viajantes, mas não deve ser praticado de ânimo leve.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Étnico
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Santuário sobre a floresta II
História

Quioto, Japão

Um Japão Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.

Castelo de Shuri em Naha, Okinawa, Japão
Ilhas
Okinawa, Japão

O Pequeno Império do Sol

Reerguida da devastação causada pela 2ª Guerra Mundial, Okinawa recuperou a herança da sua civilização secular ryukyu. Hoje, este arquipélago a sul de Kyushu abriga um Japão à margem, prendado por um oceano Pacífico turquesa e bafejado por um peculiar tropicalismo nipónico.
Passageiros sobre a superfície gelada do Golfo de Bótnia, na base do quebra-gelo "Sampo", Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Estátuas de elefantes à beira do rio Li, Elephant Trunk Hill, Guilin, China
Natureza
Guilin, China

O Portal Para o Reino Chinês de Pedra

A imensidão de colinas de calcário afiadas em redor é de tal forma majestosa que as autoridades de Pequim a imprimem no verso das notas de 20 yuans. Quem a explora, passa quase sempre por Guilin. E mesmo se esta cidade da província de Guangxi destoa da natureza exuberante em redor, também lhe achámos os seus encantos.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Caminhada Solitária
Parques Naturais

Mérida, Venezuela

Nos Confins Andinos da Venezuela

Nos anos 40 e 50, a Venezuela atraiu 400 mil portugueses mas só metade ficou em Caracas. Em Mérida, encontramos lugares mais semelhantes às origens e a geladaria excêntrica dum portista imigrado.

Praia soleada
Património Mundial UNESCO

Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Flórida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.

Palestra
Personagens

Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell o bruxo da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.

Magníficos Dias Atlânticos
Praias

Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.

Passagem
Religião

Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.

Cable car com Transamerica Pyramid, São Francisco, Califórnia, Estados Unidos da América
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Modelos de rua
Sociedade

Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.

Gado
Vida Quotidiana

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.

Brincadeira ao ocaso
Vida Selvagem
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.