Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake


Pista budista
Estandartes budistas dão mais cor à margem semi-gelada do Ice Lake.
Varandim de Buda
A geologia caprichosa dos Annapurnas. Uma vertente "riscada" pela erosão faz de escala aos picos mais altos da cordilheira.
O Longo Vale Marsyangdi
Mais bandeirolas budistas ramificam na direcção do trilho para o Ice Lake, com o vale longo do Marsyangdi em vista.
Estacionamento nas alturas
Cavalo do proprietário do Ice Lake aguarda pelo regresso a casa.
Vertentes diferentes
A geologia caprichosa dos Annapurnas. Uma vertente "riscada" pela erosão faz de escala aos picos mais altos da cordilheira.
Derradeiras arrumações
Casal prestes a deixar o Ice Lake, de regresso a Braga (Brakka) ou a Manang.
Regresso a Braga
Caminhantes no início do trilho de volta a Braga (Brakka).
Budismo iluminado
Estupa budista numa margem do Ice Lake.
Ice Lake Tea House
Letreiro sinaliza aos caminhantes a chegada reconfortante à "tea house" do Ice Lake.
Caminho de volta
Sara Wong no início do regresso a Brakka, nas profundezas do vale do rio Marsyangdi.
Lago Gelado à Vista
Indicação envelhecida do Ice Lake, um lago em boa parte do ano gelado, a 4600 metros de altitude.
Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.

Já faz parte do senso comum do circuito Annapurna.

Ficar alguns dias em Braga ou Manang era essencial para percebermos se estávamos mesmo em condições físicas. Ideal mesmo seria testá-lo num dos percursos que partem das margens do Marsyangdi para lugares bem acima nas encostas de um ou outro lado do vale.

O Ice Lake era um dos mais aconselhados. O trilho partia logo ali da frente do casario de Braga. Por mais que calculássemos o que nos custaria, não tínhamos como nos esquivarmos.

Tínhamos pedido o pequeno-almoço para as 7h30. Já despertámos vinte minutos depois disso. A tempo de vermos o sempre madrugador grupo teutónico deixar a frente do New Yak Hotel, apontados ao caminho que tomaríamos.

Despachamos o pequeno-almoço em três tempos. Voltamos ao quarto e reempacotamos  as mochilas com mais isto e mais aquilo. São quase nove quando saímos, com aquela impressão tão portuguesa de estarmos atrasados, mesmo se ninguém estabeleceu horários.

Passamos pela base do mosteiro de Braga, seguimos os contornos da povoação e entramos pelo seu casario adentro, como o tínhamos feito no dia anterior. Numa das ruelas sombrias, encontrarmos uma primeira tabuleta a indicar o destino final. Tomamos essa direcção até que o caminho nos faz deixar para trás o casario, encosta acima.

Vista a partir do trilho para o Ice Lake, acima de Braga.

A geologia caprichosa dos Annapurnas. Uma vertente “riscada” pela erosão faz de escala aos picos mais altos da cordilheira.

De Braga (Brakka), Pela Montanha Acima

Pouco depois, damos com o trilho principal que retrocedia na direcção do Mosteiro de Karma Samtem Ling e na de Ngawal, a aldeia de que tínhamos chegado a Braga.

Quanto mais o percorremos, mais panorâmica se torna a vista de Braga e da espécie de ranhura geológica que a acolhera e do vale principal do Marsyangdi. Víamo-lo serpentear desde Manang e ainda mais para montante.

Pouco ou nada recuamos. Uma indicação pintada numa rocha alerta-nos de que estava na hora de ascender a sério. Cortamos para a encosta e iniciamos um ziguezaguear inclinado por ela acima.

Duzentos metros depois, o nosso custoso avanço é travado por uma grande fila de caminhantes com mais idade que ocupava todo o estreito trilho. Passamo-los agitados por uma discussão sem fôlego de se o devíamos fazer à pressa ou aguardarmos retidos ao ritmo deles não sabíamos por quanto tempo.

Acabou por vencer a lei do que ia à frente. Ultrapassamo-los em óbvio sobreaquecimento. Recuperamos a respiração o mais que podemos e tranquilizamo-nos.  Regressamos à nossa passada normal, durante todo o resto do percurso sem mais trânsito digno de registo.

A determinada altura, o trilho ajusta-se a uma aresta sobressaída da vertente. A posição desta aresta revela um cenário mais aberto que nunca, tanto para o lado de Manang como para o oposto.

A Primeira Escala Panorâmica do Trilho

Sensíveis à sua bênção contemplativa e a de que seria lugar perfeito para um primeiro descanso mais longo, os nativos instalaram lá uma um longo estendal multicolor esvoaçante de bandeirolas budistas.

Estandartes budistas, trilho para o Ice Lake, circuito Annapurna, Nepal

Sequência de estandartes budistas marcam um ponto de contemplação do vale do rio Marsyangdi, com vista para Manang e mais além.

Sentamo-nos em rochas mais lisas, devoramos as primeiras barritas energéticas e ficamos a louvar o privilégio algo esotérico de podermos apreciar tais paisagens. De Braga, que ficava logo abaixo, já só vislumbrávamos uma ponta mais próxima do Marsyangdi.

Em jeito de compensação, todo o vale para leste surgia exposto. O casario mais moderno de Manang sobre a sua excêntrica meseta aluvial, o lago Gangapurna um pouco abaixo num contacto íntimo com o Marsyangdi.

No dia seguinte, haveríamos de caminhar paralelos ao rio, até nos instalarmos em Manang. Mas, para diante, tal como o víamos, o vale do rio bifurcava. Queríamos perceber ao certo qual dos desfiladeiros seguintes a Manang nos levaria ao ansiado Thorong La Pass.

A olho nu, ainda era demasiado complicado percebê-lo. Como tal, suspendemos o estudo do vale. Já com as coxas arrefecidas, tiramos umas derradeiras fotos e regressamos à subida.

Vale do rio Marsyangdi, circuito Annapurna,

Mais bandeirolas budistas ramificam na direcção do trilho para o Ice Lake, com o vale profundo do Marsyangdi em vista.

Nova Paragem. Os Sintomas Bem Audíveis do Mal da Montanha

Um quarto de hora depois, voltamos a deter-nos num ponto similar mais acima. Com vista para o vale, mas também para o miradouro das bandeiras budistas anteriores. Nesse preciso momento, a fila de caminhantes que tínhamos ultrapassado chega ao ponto de descanso.

O vento sopra na nossa direcção. Ouvimos dois ou três deles tossirem desalmadamente. Sabíamos que era um péssimo prenúncio e sentíamo-nos seguros por não nos ter ainda acontecido o mesmo. Auguramos que os seus guias não permitiriam que aqueles seus três clientes prosseguissem.

O sucedido extravasou ou que esperávamos que acontecesse. Os guias até eram dois e, segundo nos parecia, um deles poderia descer com o trio com sintomas de mal da montanha. O outro, assim pensávamos, tinha condições para prosseguir com o resto do grupo. Ainda hoje continuamos sem perceber porquê. Em vez, desceram os dois guias e os dez ou doze caminhantes por eles guiados.

Nós, continuávamos sem nenhum contratempo. Encosta acima.

Às tantas, somos prendados com a visão súbita do cume nevado  e supremo da Annapurna, recortado por uma aresta acima do nosso plano.

Um bando de veados selvagens que pastava sobre essa aresta servia-nos de escala para a montanha avassaladora que ali se insinuava. Entusiasmamo-nos de tal maneira a majestosidade do seu cume que quase nos esquecemos do que as pernas sofriam.

Retomamos os passos. Os meus, mais de rebenta e recupera, os da Sara, quase sempre uniformes e bem medidos.

Ice Lake Restaurant na subida para o Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal

Letreiro sinaliza aos caminhantes a chegada reconfortante à “tea house” do Ice Lake.

A Visão Reconfortante da Tea House do Ice Lake

Vencemos mais umas centenas de metros. A meio de nova rampa, o trilho revela-nos uma casa. Por fim, tínhamos chegado ao “Ice Lake Restaurant, Tea & Coffee Shop”, assim indicava uma placa branca e azul colocada a um canto, junto ao telhado de zinco.

Oposta ao cavalo que o proprietário montava todos os dias para de descolar entre o seu lar no já distante vale e o estabelecimento em que ganhava a vida.

Sopra um vento gélido pelo que nos sentamos no interior. O dono dá-nos as boas-vindas e instala-nos. Pedimos chás de gengibre, limão e mel acompanhados de chapatas com queijo de iaque.

Saboreamo-los com o prazer redobrado do esforço e metemos conversa com o nativo que, tem que fazer na cozinha e não está para aí virado.

Por muito que nos apetecesse arrastar a recompensa, não nos retivemos mais que vinte minutos. Com a desistência do grande grupo mais abaixo, tínhamos a sensação que ninguém nos seguia.

A placa no exterior do edifício também anunciava que estávamos a 1h30 do Ice Lake.

Sermos os últimos a descer era sempre de evitar. De acordo, pusemo-nos uma vez mais mexer.

Cavalo do dono do Ice Lake Restaurant, a caminho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal

Cavalo do proprietário do Ice Lake Restaurant aguarda pelo regresso a casa.

Nós a Chegarmos, Quase todos a Iniciarem o Regresso.

Nessa hora e pouco (não chegou a 1h30) que demoraríamos até ao topo, cruzámo-nos com os restantes do dia. Todos os grupos tinham saído bem mais cedo que nós. Cada qual descia do lago à sua maneira e na forma que a saúde e forma física lhes permitia.

Sara Peréz e Edo, o casal hispano-italiano com quem já tínhamos convivido antes, desciam a grande velocidade, sem qualquer problema. Também encontrámos os alemães. Um deles estava com mal de montanha, zonzo, com dor de cabeça e dificuldade para descer. Acompanhavam-no dois deles. Outros dois tinham-se demorado mais acima.

Num esticão adicional, entramos numa secção em que o trilho se mostrava enlameado pelo descongelar diurno da neve. A lama escura, obrigou-nos a refrear os passos.

Não impediu que, mais pausa menos pausa, mais fotografia menos fotografia, chegássemos ao destino final.

Sinalização do Ice Lake, à entrada do lago, Circuito Annapurna, Nepal

Indicação envelhecida do Ice Lake, um lago em boa parte do ano gelado, a 4600 metros de altitude.

Por fim, o Gelado e Ansiado Ice Lake

Quase cinco horas após a partida de Braga, tínhamos conquistado os 4.600 do Ice Lake. Assim provava uma estupa branca e dourada, decorada com bandeirolas budistas.

Estupa junto ao Ice Lake, acima de Braga (Brakka), Nepal

Estupa budista numa margem do Ice Lake.

Bem mais que o lago em si. Tal como o nome deixava antever e, em Março, o lago pouco passava de uma superfície nevada com limites difusos. Já só lá encontramos um casal a tirar as suas derradeiras fotos, apressados para iniciarem o caminho de volta.

Percebemos então que éramos os últimos. Conscientes de que muitas das tempestades do circuito chegam, fulminantes, mais para o fim dia. Sem vontade de sermos apanhados por uma delas, sozinhos, àquela altitude, num trilho exíguo com precipícios de quilómetros de altura à direita, apreciámos os cenários em redor.

Caminhantes junto ao Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal

Casal prestes a deixar o Ice Lake, de regresso a Braga (Brakka) ou a Manang.

Respiramos bem fundo. Fazemos as derradeiras imagens, as nossas e as do casal, a afastar-se sobre o solo branco, ínfimo, contra o fundo avassalador das Annapurnas. Findo esse ritual do habitual, inauguramos a descida. Agraciados com a misericórdia da gravidade, aceleramos a bom acelerar.

A Descida Apressada de Volta a Braga

Temos as coxas, os gémeos e todos os músculos fortes das anteriores caminhadas e da subida o que nos permite travar em pouco tempo.

Vemos nuvens escuras aproximarem-se dos lados de Chame, apontadas aos lados de Manang e o seu tom desagrada-nos.

A vista já a tínhamos apreciado na subida.

Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal

Caminhantes no início do trilho de volta a Braga (Brakka).

Optamos por descer em modo de quase corrida, pelo menos até que os joelhos reagem à sobrecarga e nos começam a doer. Passamos pelo casal que saíra antes de nós.

E por outro pequeno grupo. Tinham sido cinco horas a subir. Foram só duas a descer. De volta a Brakka, recebemos o merecido galardão.

Tínhamos subido e descido sem quaisquer sintomas do mal da montanha. Estávamos bem mais aclimatizados que antes para a travessia dos 5.416m do Thorong La Pass.

Celebrámos, de imediato, a reconfortarmo-nos com  chás de gengibre com mel e limão e um par de pães tibetanos.

Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Safari
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Yak Kharka a Thorong Phedi, Circuito Annapurna, Nepal, iaques
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 11º: Yak Karkha a Thorong Phedi, Nepal

A Chegada ao Sopé do Desfiladeiro

Num pouco mais de 6km, subimos dos 4018m aos 4450m, na base do desfiladeiro de Thorong La. Pelo caminho, questionamos se o que sentíamos seriam os primeiros problemas de Mal de Altitude. Nunca passou de falso alarme.
Competição do Alaskan Lumberjack Show, Ketchikan, Alasca, EUA
Arquitectura & Design
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Cerimónias e Festividades
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Casario de Gangtok, Sikkim, Índia
Cidades
Gangtok, Índia

Uma Vida a Meia-Encosta

Gangtok é a capital de Sikkim, um antigo reino da secção dos Himalaias da Rota da Seda tornado província indiana em 1975. A cidade surge equilibrada numa vertente, de frente para a Kanchenjunga, a terceira maior elevação do mundo que muitos nativos crêem abrigar um Vale paradisíaco da Imortalidade. A sua íngreme e esforçada existência budista visa, ali, ou noutra parte, o alcançarem.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Cultura
Lagoa de Jok​ülsárlón, Islândia

O Canto e o Gelo

Criada pela água do oceano Árctico e pelo degelo do maior glaciar da Europa, Jokülsárlón forma um domínio frígido e imponente. Os islandeses reverenciam-na e prestam-lhe surpreendentes homenagens.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Composição sobre Nine Arches Bridge, Ella, Sri Lanka
Em Viagem
PN Yala-Ella-Kandy, Sri Lanka

Jornada Pelo Âmago de Chá do Sri Lanka

Deixamos a orla marinha do PN Yala rumo a Ella. A caminho de Nanu Oya, serpenteamos sobre carris pela selva, entre plantações do famoso Ceilão. Três horas depois, uma vez mais de carro, damos entrada em Kandy, a capital budista que os portugueses nunca conseguiram dominar.
Músicos de etnia karanga jnunto às ruínas de Grande Zimbabwe, Zimbabwe
Étnico
Grande ZimbabuéZimbabué

Grande Zimbabwe, Pequena Dança Bira

Nativos de etnia Karanga da aldeia KwaNemamwa exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas do Grande Zimbabwe. o lugar mais emblemático do Zimbabwe, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova e problemática nação.  
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Nacionalismo Colorido
História
Cartagena de Índias, Colômbia

A Cidade Apetecida

Muitos tesouros passaram por Cartagena antes da entrega à Coroa espanhola - mais que os piratas que os tentaram saquear. Hoje, as muralhas protegem uma cidade majestosa sempre pronta a "rumbear".
Willemstad, Curaçao, Punda, Handelskade
Ilhas
Willemstad, Curaçao

O Coração Multicultural de Curaçao

Uma colónia holandesa das Caraíbas tornou-se um grande polo esclavagista. Acolheu judeus sefarditas que se haviam refugiado da Inquisição em Amesterdão e Recife e assimilou influências das povoações portuguesas e espanholas com que comerciava. No âmago desta fusão cultural secular esteve sempre a sua velha capital: Willemstad.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Fim do dia no lago da barragem do rio Teesta, em Gajoldoba, Índia
Natureza
Dooars, Índia

Às Portas dos Himalaias

Chegamos ao limiar norte de Bengala Ocidental. O subcontinente entrega-se a uma vasta planície aluvial preenchida por plantações de chá, selva, rios que a monção faz transbordar sobre arrozais sem fim e povoações a rebentar pelas costuras. Na iminência da maior das cordilheiras e do reino montanhoso do Butão, por óbvia influência colonial britânica, a Índia trata esta região deslumbrante por Dooars.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Ilha do Principe, São Tomé e Principe
Parques Naturais
Príncipe, São Tomé e Príncipe

Viagem ao Retiro Nobre da Ilha do Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
Mulheres no forte de Jaisalmer, Rajastão, India
Património Mundial UNESCO
Jaisalmer, Índia

A Vida que Resiste no Forte Dourado de Jaisalmer

A fortaleza de Jaisalmer foi erguida a partir de 1156 por ordem de Rawal Jaisal, governante de um clã poderoso dos confins hoje indianos do Deserto do Thar. Mais de oito séculos volvidos, apesar da contínua pressão do turismo, partilham o interior vasto e intrincado do último dos fortes habitados da Índia quase quatro mil descendentes dos habitantes originais.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, recife coral
Praias
Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.
Sombra vs Luz
Religião
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
A Toy Train story
Sobre Carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Singapura, ilha Sucesso e Monotonia
Sociedade
Singapura

A Ilha do Sucesso e da Monotonia

Habituada a planear e a vencer, Singapura seduz e recruta gente ambiciosa de todo o mundo. Ao mesmo tempo, parece aborrecer de morte alguns dos seus habitantes mais criativos.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Vida Quotidiana
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Fazenda de São João, Pantanal, Miranda, Mato Grosso do Sul, ocaso
Vida Selvagem
Fazenda São João, Miranda, Brasil

Pantanal com o Paraguai à Vista

Quando a fazenda Passo do Lontra decidiu expandir o seu ecoturismo, recrutou a outra fazenda da família, a São João. Mais afastada do rio Miranda, esta outra propriedade revela um Pantanal remoto, na iminência do Paraguai. Do país e do rio homónimo.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
EN FR PT ES