Scarborough a Pigeon Point, Tobago

À Descoberta da Tobago Capital


Artilharia Emoldurada
Estacionamento do Casamento
Inspecção de Artilharia
Artilharia
Arsenal
Pausa à Sombra
No Rumo de Port of Spain
O Farol
O Glass Bottom Boat
De Volta
Pontão do Sol
Forte King George abaixo
Balnear a Dobrar
Puro Caribe
Areal Providencial
Frenesim Pelicano
A Swallows Beach
Manobras Crepusculares
Das alturas amuralhadas do Forte King George, ao limiar de Pigeon Point, o sudoeste de Tobago em redor da capital Scarborough, revela-nos uns trópicos controversos sem igual.

Não seria a primeira vez, nem a última.

Nessa manhã, um dos muitos cruzeiros que sulcam o Mar das Caraíbas surgia atracado ao largo de Scarborough. Alguns passageiros tinham desembarcado para umas curtas voltas guiadas pela cidade e distintas partes de Tobago.

Outros, nem isso. Aglomeravam-se num pequeno centro comercial em frente ao porto. Disputavam um sinal de Wifi que para pouco ou nada servia.

Quando por ali passamos e os vemos naquela inércia e desinteresse por Tobago, sentimo-nos privilegiados a dobrar.

Por não seguirmos a bordo do cruzeiro. Por termos bem mais que meia tarde para dedicar à ilha. E por a podermos deixar quando nos der na gana.

Scarborough: À Conquista do Forte King George

Apanhamos um táxi. O destino é o forte King George, o grande monumento da cidade.

Situado no cimo da colina de Scarborough, bem acima da Baía Rockly a que, mais tarde, se apegaria a cidade, o transporte poupava-nos, nem que fosse só isso, a uma caminhada extenuante.

A ladeira da Fort Street termina já em pleno complexo histórico.

O mesmo sítio em que se esgota a sorte do taxista, enfurecido ao se aperceber que uma pick-up acabava de lhe amolgar o carro.

Deixamo-lo a discutir com o responsável pelo incidente.

Uns meros passos e damos com o topo, ainda armado por canhões negros, encaixados em ranhuras deixadas abertas num muro de metro, agora sobre um relvado imaculado.

Os canhões apontam à vastidão azul-marinha e celeste do Mar das Caraíbas. A mesma imensidão aquática em que o farol local sinaliza a ilha à navegação.

Nos nossos tempos, as fronteiras de Trinidade e Tobago estão consolidadas e a salvo de rivais.

Piratas ainda infestam as águas ao largo. Atacam, sobretudo, pequenas embarcações desprevenidas.

Tobago e a Complexa História Colonial das Índias Ocidentais

Na longa era de colonização das índias Ocidentais, como tantas outras, estas partes das Caraíbas foram híper-disputadas.

Até mesmo por nações menos assíduas na corrida ao Novo Mundo, casos da Suécia e da Comunidade Polaca-Lituana.

Os diversos pretendentes europeus confrontaram-se com a resistência aguerrida dos indígenas Kalina que, não obstante, os espanhóis baseados em Hispaniola, conseguiam raptar e usar como mão-de-obra escrava.

Até 1628, os muitos indígenas que contornaram esse destino, evitaram todas as tentativas de ocupação de Tobago. Conseguiram-na, por fim, os holandeses.

Daí em diante, assim registou a História, a ilha mudou de nação mais de trinta vezes.

Os canhões que encontramos disseminados pelo agora complexo-museu, num ambiente tropical-luxuriante salpicado de palmeiras imperiais, serão já menos.

A par com o paiol que os municiava de pólvora e com a vizinha grande cisterna, testemunham o comprometimento dos britânicos, entre 1777 e 1779 em erguerem a fortaleza e se preservarem donos e senhores de Tobago.

Mesmo assim, decorridos apenas dois anos, os franceses reconquistaram a ilha e apoderaram-se do forte.

O já longo ping-pong de Tobago, entre franceses e britânicos prosseguiu.

Os Britânicos tomaram a ilha, de vez, em 1803. Ficaram até à declaração de independência de 1962.

Do zénite panorâmico do forte, apreciamos o ferry que assegura a ligação de Tobago à irmã Trinidade, deixar um rasto curvo no mar.

Vemos o cruzeiro hiperbólico ainda atracado e a fumegar sobre Scarborough.

Só não vemos sinal dos seus passageiros, em grande parte, norte-americanos, no Forte King George Heritage Park que continuámos a explorar.

De Volta a Scarborough

Meia-hora depois, com a lição de história do dia apreendida, regressamos ao quase nível do mar do extremo oeste de Tobago. Apontados a uma provável recompensa balnear.

Desta feita, descemos a Fort Street a pé. Cirandamos um pouco pelo centro de Scarborough. A cidade prova-se incaracterística, pouco ou nada fotogénica. Depressa vemos esgotar-se o interesse que lhe poderíamos encontrar.

Metemo-nos num autocarro. Atravessamos os bairros de Canaan e de Bon Accord, ambos acima do aeroporto principal da ilha e de uma zona dotada de pequenos resorts que uma beira-mar pouco apelativa nada fazia por merecer.

Naquele vadiar, prosseguimos por uma tal de Pigeon Point Road. Percorremos o litoral de Tobago virado a ocidente. Em termos de cenários tropicais, o caso depressa mudou de figura.

A Atarefada Swallows Beach de Tobago

A via torna-se íntima com uma sebe de coqueiros que, a espaços, nos desvenda o Mar das Caraíbas típico de dias solarengos. Tom de esmeralda, para lá de uma barreira de recife providencial, a tornar-se turquesa.

O areal aumenta.

Uma tal de Swallow Beach fervilha sob o sol inclemente e de um inesperado frenesim balnear. Nessa tarde, dezenas de famílias das redondezas por banham-se por ali.

Convivem entre barcos de pesca que servem de pouso a uma outra comunidade local, a dos pelicanos.

Nem todos os tobagenses repousam e se divertem.

Numa propriedade abarracada, uns poucos pescadores amanham e cortam peixes recém-pescados.

Dezenas de pelicanos conflituosos acompanham os seus movimentos, à espera das sobras com que os homens os prendam.

Progredimos para norte. Sem aviso, a península passa de aberta e popular a um domínio pago com cancelas à entrada.

E o Domínio Esplendoroso e Protegido do Pigeon Point

O litoral da Swallow Beach dava lugar ao famoso Pigeon Point de Tobago, à imagem do Fort King George, também ele convertido em Heritage Park.

Os coqueiros despontam, agora, de um relvado aparado. Duas placas afixadas no tronco de um deles indicam o espaço de estacionamento reservado a um casamento.

Passo a passo, percebemos porque se diz que o Pigeon Point acolhe as praias mais deslumbrantes de Tobago.

A razão do seu estatuto protegido e da tarifa de entrada.

A Pigeon Point Rd estende-se por entre os coqueiros. Volta a aproximar-se da beira-mar.

Em simultâneo, daquele que se tornou o lugar turístico imagem de marca de Tobago, o seu pontão dotado de telhado de colmo.

Detemo-nos na base. Apreciamos e a fotografamos as Caraíbas imaculadas em redor.

Dois rapazes saem da sombra do coqueiral. Propõem-nos que nos juntemos ao passeio seguinte de um barco glass bottom ali sediado.

Agradecemos, mas recusamos. Em vez, caminhamos praia acima. Até ao lugar exacto do Pigeon Point e para o lado de lá da península.

Um conjunto multinacional de banhistas, em boa parte forasteiros norte-americanos, britânicos e de outras partes da Europa, banham-se, dormitam, bronzeiam-se em distintos tons do Caribe.

Vão ao bar-restaurante “Renmars”.

Voltam com cervejas “Carib”, rum punches, mojitos e bebidas tropicais afins. Um núcleo particular de veraneantes emborca-as no bar, de olhos postos em partidas de futebol exibidas em TVs.

Tudo parece normal e pacífico. Como acontece, amiúde, nestes confins das velhas Índias Ocidentais, a realidade foi imposta por uns poucos poderosos, para privilégio de outros tantos.

Pigeon Point: a Génese Ornitológica

Crê-se que o nome Pigeon Point teve origem no início do século XIX. Por essa altura, cobria a península um mato tropical denso. Essa vegetação sobreviveu a sucessivos furações e tempestades.

Em, 1887, não resistiu aos planos coloniais de transformação numa plantação de coqueiros.

Assistiu o processo, um capataz, James Kirk de seu nome. Ora, Kirk também era um ávido ornitólogo, autor do guia “List of Birds of Tobago”. Num período prévio à desflorestação, constatou que grandes bandos de pombos selvagens por ali habitavam e nidificavam.

Com o tempo, o seu entusiasmo e testemunho deram origem ao baptismo.

À medida que as autoridades de Trinidad e Tobago viram a importância turística de Tobago intensificar-se, procuraram nacionalizar e gerir os lugares com maior potencial da ilha.

E a Polémica que Perdura

O Pigeon Point pertencia, desde 2005, a um conglomerado poderoso.

O governo viu-se obrigado a despender uma pequena fortuna (em redor de 15 milhões de euros) para o adquirir.

Por esse valor, a promessa foi cumprida e, como era devido, o Pigeon Point transformado em Heritage Park.

A controvérsia adveio e subsiste entre os habitantes, de, terminado esse processo, as autoridades terem imposto um preço à entrada na península, barrando o seu uso pela camada mais humilde da população de Scarborough que se passou a ver limitada à longa, mas quase sempre repleta de barcos de pesca, Swallow Beach.

Com o crepúsculo a insinuar-se, inauguramos um arrastado regresso à casa de Scarborough.

No pontão do Pigeon Point, já contra o fundo alaranjado do horizonte, o barco glass bottom voltava da sua derradeira navegação contemplativa.

Desembarcava passageiros encantados.

À Swallow Beach, por sua vez, retornavam barcos de pesca, carregados com o peixe que alimenta a cidade.

No meio das embarcações, banhistas persistentes prolongavam o repouso balnear.

A Swallow Beach mantinha uma água morna que, por enquanto, nem eles nem os incontáveis pelicanos, tinham que pagar.

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Saba, Holanda

A Misteriosa Rainha Holandesa de Saba

Com meros 13km2, Saba passa despercebida até aos mais viajados. Aos poucos, acima e abaixo das suas incontáveis encostas, desvendamos esta Pequena Antilha luxuriante, confim tropical, tecto montanhoso e vulcânico da mais rasa nação europeia.
English Harbour, Antigua

Docas de Nelson: a Antiga Base Naval e Morada do Almirante

No século XVII, já os ingleses disputavam o controle das Caraíbas e do comércio do açúcar com os seus rivais coloniais, apoderaram-se da ilha de Antígua. Lá se depararam com uma enseada recortada a que chamaram English Harbour. Tornaram-na um porto estratégico que também abrigou o idolatrado oficial da marinha.
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Willemstad, Curaçao

O Coração Multicultural de Curaçao

Uma colónia holandesa das Caraíbas tornou-se um grande polo esclavagista. Acolheu judeus sefarditas que se haviam refugiado da Inquisição em Amesterdão e Recife e assimilou influências das povoações portuguesas e espanholas com que comerciava. No âmago desta fusão cultural secular esteve sempre a sua velha capital: Willemstad.
Aruba

Aruba: a Ilha no Lugar Certo

Crê-se que os nativos caquetío lhe chamavam oruba, ou “ilha bem situada”. Frustrados pela falta de ouro, os descobridores espanhóis trataram-na por “ilha inútil”. Ao percorrermos o seu cimo caribenho, percebemos o quanto o primeiro baptismo de Aruba sempre fez mais sentido.
Soufriére e Scotts Head, Dominica

A Vida que Pende da Ilha Caribenha da Natureza

Tem a fama da ilha mais selvagem das Caraíbas e, chegados ao seu fundo, continuamos a confirmá-lo. De Soufriére ao limiar habitado sul de Scotts Head, a Dominica mantém-se extrema e difícil de domar.
Saint-Pierre, Martinica

A Cidade que Renasceu das Cinzas

Em 1900, a capital económica das Antilhas era invejada pela sua sofisticação parisiense, até que o vulcão Pelée a carbonizou e soterrou. Passado mais de um século, Saint-Pierre ainda se regenera.
Guadalupe, Antilhas Francesas

Guadalupe: Um Caribe Delicioso, em Contra-Efeito Borboleta

Guadalupe tem a forma de uma mariposa. Basta uma volta por esta Antilha para perceber porque a população se rege pelo mote Pas Ni Problem e levanta o mínimo de ondas, apesar das muitas contrariedades.
Rincon, Bonaire

O Recanto Pioneiro das Antilhas Holandesas

Pouco depois da chegada de Colombo às Américas, os castelhanos descobriram uma ilha caribenha a que chamaram Brasil. Receosos da ameaça pirata, esconderam a primeira povoação num vale. Decorrido um século, os holandeses apoderaram-se dessa ilha e rebaptizaram-na de Bonaire. Não apagaram o nome despretensioso da colónia precursora: Rincon.
Maho Beach, Sint Maarten

A Praia Caribenha Movida a Jacto

À primeira vista, o Princess Juliana International Airport parece ser apenas mais um nas vastas Caraíbas. Sucessivas aterragens a rasar a praia Maho que antecede a sua pista, as descolagens a jacto que distorcem as faces dos banhistas e os projectam para o mar, fazem dele um caso à parte.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Safari
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Jardin Escultórico, Edward James, Xilitla, Huasteca Potosina, San Luis Potosi, México, Cobra dos Pecados
Arquitectura & Design
Xilitla, San Luís Potosi, México

O Delírio Mexicano de Edward James

Na floresta tropical de Xilitla, a mente inquieta do poeta Edward James fez geminar um jardim-lar excêntrico. Hoje, Xilitla é louvada como um Éden do surreal.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Cidades
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Cultura
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
mural de extraterrestre, Wycliffe Wells, Australia
Em Viagem
Wycliffe Wells, Austrália

Os Ficheiros Pouco Secretos de Wycliffe Wells

Há décadas que os moradores, peritos de ovnilogia e visitantes testemunham avistamentos em redor de Wycliffe Wells. Aqui, Roswell nunca serviu de exemplo e cada novo fenómeno é comunicado ao mundo.
Conversa entre fotocópias, Inari, Parlamento Babel da Nação Sami Lapónia, Finlândia
Étnico
Inari, Finlândia

O Parlamento Babel da Nação Sami

A Nação sami integra quatro países, que ingerem nas vidas dos seus povos. No parlamento de Inari, em vários dialectos, os sami governam-se como podem.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Trycicles, Bacolod, Negros Occidental, Filipins
História
Bacolod, Filipinas

Doces Filipinas

Bacolod é a capital de Negros, a ilha no centro da produção filipina de cana de açúcar. De viagem pelos confins do Extremo-Oriente e entre a história e a contemporaneidade, saboreamos o âmago fascinante da mais Latina das Ásias.
Dunas da ilha de Bazaruto, Moçambique
Ilhas
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
José Saramago em Lanzarote, Canárias, Espanha, Glorieta de Saramago
Literatura
Lanzarote, Canárias, Espanha

A Jangada de Basalto de José Saramago

Em 1993, frustrado pela desconsideração do governo português da sua obra “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, Saramago mudou-se com a esposa Pilar del Río para Lanzarote. De regresso a esta ilha canária algo extraterrestre, reencontramos o seu lar. E o refúgio da censura a que o escritor se viu votado.
Twelve Apostles, Great Ocean Road, Victoria, Austrália
Natureza
Great Ocean Road, Austrália

Oceano Fora, pelo Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes do estado australiano de Victoria, a via B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. Bastaram-nos uns quilómetros para percebermos porque foi baptizada de The Great Ocean Road.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Bando de flamingos, Laguna Oviedo, República Dominicana
Parques Naturais
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
Albreda, Gâmbia, Fila
Património Mundial UNESCO
Barra a Kunta Kinteh, Gâmbia

Viagem às Origens do Tráfico Transatlântico de Escravos

Uma das principais artérias comerciais da África Ocidental, a meio do século XV, o rio Gâmbia era já navegado pelos exploradores portugueses. Até ao XIX, fluiu pelas suas águas e margens, boa parte da escravatura perpetrada pelas potências coloniais do Velho Mundo.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Viti Levu, Fiji Ilhas, Pacifico do Sul, recife coral
Praias
Viti Levu, Fiji

Ilhas à Beira de Ilhas Plantadas

Uma parte substancial de Fiji preserva as expansões agrícolas da era colonial britânica. No norte e ao largo da grande ilha de Viti Levu, também nos deparámos com plantações que há muito só o são de nome.
Pemba, Moçambique, Capital de Cabo Delgado, de Porto Amélia a Porto de Abrigo, Paquitequete
Religião
Pemba, Moçambique

De Porto Amélia ao Porto de Abrigo de Moçambique

Em Julho de 2017, visitámos Pemba. Dois meses depois, deu-se o primeiro ataque a Mocímboa da Praia. Nem então nos atrevemos a imaginar que a capital tropical e solarenga de Cabo Delgado se tornaria a salvação de milhares de moçambicanos em fuga de um jihadismo aterrorizador.
Trem do Serra do Mar, Paraná, vista arejada
Sobre Carris
Curitiba a Morretes, Paraná, Brasil

Paraná Abaixo, a Bordo do Trem Serra do Mar

Durante mais de dois séculos, só uma estrada sinuosa e estreita ligava Curitiba ao litoral. Até que, em 1885, uma empresa francesa inaugurou um caminho-de-ferro com 110 km. Percorremo-lo, até Morretes, a estação, hoje, final para passageiros. A 40km do término original e costeiro de Paranaguá.
Intervenção policial, judeus utraortodoxos, jaffa, Telavive, Israel
Sociedade
Jaffa, Israel

Protestos Pouco Ortodoxos

Uma construção em Jaffa, Telavive, ameaçava profanar o que os judeus ultra-ortodoxos pensavam ser vestígios dos seus antepassados. E nem a revelação de se tratarem de jazigos pagãos os demoveu da contestação.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Vida Quotidiana
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Pisteiro San em acção na Torra Conservancy, Namibia
Vida Selvagem
Palmwag, Namíbia

Em Busca de Rinocerontes

Partimos do âmago do oásis gerado pelo rio Uniab, habitat do maior número de rinocerontes negros do sudoeste africano. Nos passos de um pisteiro bosquímano, seguimos um espécime furtivo, deslumbrados por um cenário com o seu quê de marciano.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.