Aruba

Aruba: a Ilha no Lugar Certo


Ventania
A West Punt
Menu do dia
Convívio em Palm Beach
Jolly Pirates
A Capela Alto Vista
Altar Alto Vista
Cruz da Via Dolorosa Alto Vista
Cacto Frutado
Cactos
Tons de Aruba
Farol California II
O Farol California
As árvores Fofoti
Fofoti Falecida
O Caribe de Aruba
Um Melocactus
Convívio à Beira-Mar
Copas ao Vento
Praia Caribenha
Crê-se que os nativos caquetío lhe chamavam oruba, ou “ilha bem situada”. Frustrados pela falta de ouro, os descobridores espanhóis trataram-na por “ilha inútil”. Ao percorrermos o seu cimo caribenho, percebemos o quanto o primeiro baptismo de Aruba sempre fez mais sentido.

Os ventos alísios explicam muita coisa.

São residentes no sul ressequido do Mar das Caraíbas. Sopram com tal vigor que desfazem as poucas nuvens que por ali se aventuram.

É uma das razões porque, sobre Aruba, o céu se mantém limpo e azulão, porque o sol brilha com potência tropical e contribui para fazer de Aruba a “Ilha Feliz”, assim é também conhecida.

Aruba, Antilhas Holandesas, ABC, Mar das Caraíbas

Meia-hora depois deixarmos a capital Orangestad, chegamos a Eagle Beach, na iminência do Sanctuário de Aves Bubali.

Flectimos para oeste e para a beira-mar. Jonathan, o guia que nos conduzia, estaciona aquém de um areal irregular.

Das Árvores ZigueZagueantes Fofoti às Dunas de Sasariwichi

Um limiar de rocha calcária separa a areia do mar das Caraíbas.

A protecção que concede da fúria atlântica e o vendaval contra o sentido da rebentação alisam o mar. Transformam-no num lago tom de esmeralda.

Aruba, Antilhas Holandesas, ABC, fototi

As expressões dos alísios não se ficam por aí.

Duas árvores quase gémeas destacam-se do areal, com troncos retorcidos de um estranho contorcionismo.

Numa ilha pejada de cactos e arbustos espinhosos, estas que são as fofoti trees (conocarpus erectus) e as suas congéneres do interior divi divi (watapanas), tornaram-se emblemáticas, um símbolo incontornável de Aruba.

Ao longo dos tempos, os nativos habituaram-se ainda a usá-las como bússola. Hoje, continuam a apontar o Sudoeste pelo que tal utilidade permanece intacta.

Nuns minutos, a praia compõe-se. Uns poucos banhistas esparramam-se em cadeiras, abrigados do vento, de costas viradas para o mar e para um raro e encurtado arco-íris.

Da Eagle Beach, contornamos o Santuário Bubali. Progredimos rumo ao domínio setentrional Arasji, com passagem por salinas e outras praias, a Hadicurari, Malmok, a Boca Catalina e a Arashi, esta, já à entrada da vastidão das dunas Sasariwichi que se estende até à ponta noroeste da ilha.

Aruba, Antilhas Holandesas, ABC, Farol California

O Monumento Náutico do Farol Califórnia e a Floresta de Cactos que o Cerca

Desviamos para o meio elevado da península.

Daí, desponta um farol com seis pisos coroado por uma campânula reforçada contra o vento que, àquela altura, sopra mais furioso que nunca.

O farol foi inaugurado em 1916. O nome que ostenta tem uma razão náutica e trágica de ser.

Homenageia o vapor “California” que, a 23 de Setembro de 1891, agitado pelas correntes traiçoeiras e pela ondulação ao largo, acabou por naufragar.

A própria navegação de quem visita o farol prova-se complicada. Demasiados turistas-banhistas surgem de chinelos ou calçado frágil afim.

Deparam-se com um solo de pedra coralífera afiada, como se não bastasse, repleto de cactos de distintas espécies.

Aruba, Antilhas Holandesas, ABC, cacto

Mantemo-nos de sobreaviso.

Evitamos os opuntia, as figueiras-do-diabo popularizadas pelos guias como cactos Rato Mickey devido às pontas de folhas arredondadas, semelhantes às orelhas da personagem Disney.

Acima destes, insinuam-se sebes dos sempre hirtos cadushi, (cereus repandus), os predominantes em Aruba, como nas vizinhas Curaçao e Bonaire.

Ao nível do solo, autênticas minas vegetais, abundam ainda os mais perigosos, os melocactus, munidos de grandes espinhos aguçados, dispostos em forma de estrela.

Cirandamos em volta do farol, determinados em fotografá-lo envolto de cactos.

O concretizar da missão custa-nos um tempo com que não contávamos a remover picos das solas das sandálias de caminhada, dos pés e das mãos.

Regressamos à L.G.Smith Boulevard, a derradeira via asfaltada a norte do farol.

Dali, deambulamos pela imensidão arenosa e ondulada das dunas Sasariwichi (arashi), atentos à flora que as decora.

Aruba, Antilhas Holandesas, ABC, West Punt

Jonathan vê-nos perdidos em fotos. Resgata-nos.

Conduz-nos à Boca Westpunt e ao repuxo gerado pela fúria das vagas que rebentam contra a laje recortada da costa.

Tínhamos atingido o extremo setentrional de Aruba e do arquipélago das ABC.

A norte, apenas uma extensão vazia de Mar das Caraíbas que se estendia às imediações da capital dominicana de Santo Domingo, em que, por mera coincidência, há mais de quatro meses, tínhamos inaugurado o périplo pelas Antilhas.

A Demanda da Capela Secular de Alto Vista

O cimo sem saída de Aruba impõe-nos uma meia-volta. Desta feita, descemos pela costa leste, tão ou mais exposta ao Atlântico que a Westpunt.

Passamos nas imediações de uma tal de Druif Beach, de águas batidas, mas que, sempre que o vento e o mar dão tréguas, se converte numa quase-lagoa turquesa.

Continuamos a descer. Deixamos a Aruba Shack beach e o Ranchero Curason multicolor para trás.

Por fim, voltamos ao meio da ilha, na demanda da zona de Alta Vista e da capela católica que a abençoa.

Aruba, Antilhas Holandesas, ABC, Cruz da Via Dolorosa

Se o farol “Califórnia se encontrava envolto de uma fauna sortida de cactos, a floresta cactácea em redor da capela, provava-se ainda mais densa.

Formavam-na, sobretudo cadushis esguios e altos.

Alguns cactos ramificavam em forma de pontas de lança, um evento genético que sucede noutras espécies de cactos (por exemplo nos saguaros do Deserto de Sonora) e que lhes confere um visual extra-surreal.

A ventania tão pouco dava descanso, por estes lados. Fazia os cactos trepidarem. Arrastava arbustos à deriva e levantava uma poeira irritante.

O temporal de faroeste era tal que fazia sofrer, até um bando de cães vadios.

Aruba, Antilhas Holandesas, ABC, Capela Alto Vista

A capela de Alto Vista é conhecida como igreja dos peregrinos. Marca o término de uma Via Dolorosa ditada por cruzes na estrada homónima.

Aparecem visitantes. Turistas crentes, não tanto verdadeiros peregrinos. Parte deles, embrenha-se do Labirinto da Paz desenhado no solo, atrás do templo amarelo. Outros, arrepiam caminho entre o inusitado tapete de cães à porta.

Distribuem-se sobre o piso de xadrez e apreciam a estátua da Nª Srª do Rosário com o Cristo criança ao colo, anichada acima do altar.

Outros ainda, sentam-se. Sussurram as suas preces.

Uma das Igrejas Usadas em Contínuo, há Mais Tempo, das Caraíbas

Aruba, Antilhas Holandesas, ABC, altar da capela Alto Vista

Diz-se que a capela de Alto Vista é uma das mais antigas (senão a mais antiga) igreja usada em contínuo das Caraíbas. A versão actual foi erguida em 1952.

Substituiu o edifício original, mandado construir em pedra e colmo, em 1750, por Domingo António Silvestre, um missionário oriundo da cidade venezuelana de Santa Ana de Coro, incumbido de converter os indígenas de Aruba ao Cristianismo.

Domingo Silvestre desembarcou em Aruba quase duzentos e cinquenta anos após a descoberta de Américo Vespucci e Alonso de Ojeda.

A Descoberta Espanhola e a Subsequente Colonização Holandesa

Em 1499, os navegadores reclamaram a ilha para a coroa espanhola. Impressionados pela estatura superlativa dos nativos caquetío, descreveram-na como uma “ilha de gigantes.

Pouco depois, aliciados pelas amostras de algodão e de pau-brasil exibidas pelo duo, os espanhóis inauguraram a colonização de Aruba.

Só que o algodão e o pau-brasil pouco valiam, se comparados com o ouro e a prata entretanto achados na ilha de Hispaniola.

Em 1508, Ojeda foi nomeado governador. Cinco anos volvidos, os espanhóis começaram a escravizaram os caquetíos e a submetê-los a trabalho forçado nas minas de Hispaniola.

Assim mantiveram boa parte dos indígenas até que, em 1636, no contexto da Guerra dos Trinta Anos, os holandeses capturaram as três ilhas ABC.

Nomearam governador o famoso Peter Stuyvesant, mais tarde, governador de Nova Amesterdão.

Aruba, Antilhas Holandesas, ABC, praia

E empregaram os nativos caquetío que tinham sobrevivido ao jugo espanhol na criação do gado com que passaram a abastecer outras colónias holandesas.

Por altura da missão de Domingo Silvestre, no entanto, a população de caquetíos tinha diminuído de forma drástica.

Os seus sucessores albergavam e convertiam os indígenas no cimo ventoso de Alto Vista quando, sem que o esperassem, o destino condenou a missão.

Uma praga disseminou-se entre padres e nativos. Provou-se de tal maneira mortífera, que forçou os sobreviventes a desertarem para Noord, onde havia sido erguida a segunda igreja mais antiga de Aruba, a de Santa Ana.

Do ex-Covil dos Piratas das Caraíbas à Doca dos Jolly Pirates

Com Aruba nas mãos dos holandeses – rivais históricos do crescente Império Hispânico – os novos colonos viabilizaram que a ilha fosse usada como base operacional dos piratas e corsários.

Holandeses, ingleses, franceses (mais tarde, até americanos), todos eles perseguidores das embarcações espanholas e suas valiosas cargas.

Aruba, Antilhas Holandesas, ABC, Jolly Pirates

Aruba manteve-se um território holandês, hoje, considerada um país constituinte do Reino dos Países Baixos.

É, de longe, a mais americanizada das três ilhas ABC.

Voltamos a constatá-lo quando, já pela tarde, damos entrada no molhe de Palm Beach, uma praia cercada de hotéis das inevitáveis marcas multinacionais, à pinha de gringos em fuga do Inverno do hemisfério norte, ávidos de sol e de diversão.

Nessa mesma praia, sob esquadrões oportunistas de pelicanos, embarcamos no navio de recreio de uns tais de Jolly Pirates. Percorremos a costa de Aruba mais próxima.

Desembarcamos em enseadas recônditas, nadamos entre corais, cardumes garridos de peixes e tartarugas pouco fugidias.

Aruba, Antilhas Holandesas, ABC, tartaruga

Quando desembarcamos, damos com um grupo de jovens americanos a prepararem a sua própria expedição, a carregarem dezenas de caixas de cerveja, sobre um atrelado e aos ombros.

Em Aruba, o sol, o céu azul e o mar esmeralda-turquesa eram, como são sempre, adquiridos.

Empenhavam-se, com aparente exagero, em que não lhes faltasse o carburante refrescante da evasão.

Rincon, Bonaire

O Recanto Pioneiro das Antilhas Holandesas

Pouco depois da chegada de Colombo às Américas, os castelhanos descobriram uma ilha caribenha a que chamaram Brasil. Receosos da ameaça pirata, esconderam a primeira povoação num vale. Decorrido um século, os holandeses apoderaram-se dessa ilha e rebaptizaram-na de Bonaire. Não apagaram o nome despretensioso da colónia precursora: Rincon.
Willemstad, Curaçao

O Coração Multicultural de Curaçao

Uma colónia holandesa das Caraíbas tornou-se um grande polo esclavagista. Acolheu judeus sefarditas que se haviam refugiado da Inquisição em Amesterdão e Recife e assimilou influências das povoações portuguesas e espanholas com que comerciava. No âmago desta fusão cultural secular esteve sempre a sua velha capital: Willemstad.
Santo Domingo, República Dominicana

A Mais Longeva Anciã Colonial das Américas

Santo Domingo é a colónia há mais tempo habitada do Novo Mundo. Fundada, em 1498, por Bartolomeu Colombo, a capital da República Dominicana preserva intacto um verdadeiro tesouro de resiliência histórica.
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Lago Enriquillo, República Dominicana

Enriquillo: o Grande Lago das Antilhas

Com entre 300 e 400km2, situado a 44 metros abaixo do nível do mar, o Enriquillo é o lago supremo das Antilhas. Mesmo hipersalino e abafado por temperaturas atrozes, não pára de aumentar. Os cientistas têm dificuldade em explicar porquê.
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Barahona, República Dominicana

A República Dominicana Balnear de Barahona

Sábado após Sábado, o recanto sudoeste da República Dominicana entra em modo de descompressão. Aos poucos, as suas praias e lagoas sedutoras acolhem uma maré de gente eufórica que se entrega a um peculiar rumbear anfíbio.
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
savuti, botswana, leões comedores de elefantes
Safari
Savuti, Botswana

Os Leões Comedores de Elefantes de Savuti

Um retalho do deserto do Kalahari seca ou é irrigado consoante caprichos tectónicos da região. No Savuti, os leões habituaram-se a depender deles próprios e predam os maiores animais da savana.
Thorong Pedi a High Camp, circuito Annapurna, Nepal, caminhante solitário
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 12º: Thorong Phedi a High Camp

O Prelúdio da Travessia Suprema

Este trecho do Circuito Annapurna só dista 1km mas, em menos de duas horas, leva dos 4450m aos 4850m e à entrada do grande desfiladeiro. Dormir no High Camp é uma prova de resistência ao Mal de Montanha que nem todos passam.
Sombra vs Luz
Arquitectura & Design
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Parada e Pompa
Cerimónias e Festividades
São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré. Siga a Marinha

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.
no Palco, Antigua, Guatemala
Cidades
Antigua, Guatemala

Guatemala Hispânica à Moda Antigua

Em 1743, vários sismos arrasaram uma das cidades coloniais pioneiras mais encantadora das Américas. Antigua regenerou-se mas preserva a religiosidade e o dramatismo do seu passado épico-trágico.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Cultura
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Iguana em Tulum, Quintana Roo, México
Em Viagem
Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Étnico
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Insólito Balnear
História

Sul do Belize

A Estranha Vida ao Sol do Caribe Negro

A caminho da Guatemala, constatamos como a existência proscrita do povo garifuna, descendente de escravos africanos e de índios arawaks, contrasta com a de vários redutos balneares bem mais airosos.

Ocaso, Santo Antão, Cabo Verde
Ilhas
Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda

Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Ilhéu do Farol, Porto Santo, Ilhéu de Cima, Porto Santo, de Frente para a Ponta do Passo.
Natureza
Ilhéu de Cima, Porto Santo, Portugal

A Primeira Luz de Quem Navega de Cima

Integra o grupo dos seis ilhéus em redor da Ilha de Porto Santo mas está longe de ser apenas mais um. Mesmo sendo o ponto limiar oriental do arquipélago da Madeira, é o ilhéu mais próximo dos portosantenses. À noite, também faz do fanal que confirma às embarcações vindas da Europa o bom rumo.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Fortaleza de Massada, Israel
Parques Naturais
Massada, Israel

Massada: a Derradeira Fortaleza Judaica

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Massada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Património Mundial UNESCO
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Promessa?
Praias
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Ilha Maurícia, viagem Índico, queda de água de Chamarel
Religião
Maurícias

Uma Míni Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre Carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Sociedade
Dali, China

Flash Mob à Moda Chinesa

A hora está marcada e o lugar é conhecido. Quando a música começa a tocar, uma multidão segue a coreografia de forma harmoniosa até que o tempo se esgota e todos regressam às suas vidas.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Vida Selvagem
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
EN FR PT ES