PN Etosha, Namíbia

A Vida Exuberante da Namíbia Branca


Acácia sem Saída
Duo do Pasto
Má Camuflagem
“Stay in your Car”
O Rei da Estrada
Girafas Celestiais
Gnus & Rino
Um órix apressado
etosha-parque-nacional-namibia-zebras
Aurora Regada
Um salar vasto rasga o norte namibiano. O Parque Nacional Etosha que o envolve revela-se um habitat árido, mas providencial, de incontáveis espécies selvagens africanas.

Despertamos para uma inesperada aurora chuvosa.

Da beira de estrada em que a admiramos, o sol eleva-se atrás de uma árvore com ramagem ampla mas fina a que a luz faz destacar os mais ínfimos detalhes. Nasce em conflito com uma nuvem ampla e carregada.

Aos poucos, os seus tentáculos ondulantes de água capturam-no e escurecem o dourado. A chuva dança sobre a Terra. Abençoa a savana ressequida com mais vida do que a savana tem.

Se estivéssemos no Botswana, a chuva caía enquanto “pula”, a coisa mais valiosa desta nação do Kalahari.

De tal maneira preciosa que assim se denomina a moeda nacional e o fenómeno ilustra as suas notas.

O Botswana fica logo ao lado, a oriente. A fronteira sul de Angola, está bem mais próxima, antecedida por uma constelação de povoações que, por alguma razão terrena, têm nomes começados por Ó.

Ó de Oshivelo, de Omuthiya, de Ondangawa, de Oshakati, de Ongwediva, de Oshikango, de Okathima, de Oukahao e de Outapi, para mencionar uns poucos.

Para que não fiquem dúvidas da apetência da Namíbia para terras assim começadas, saiba ainda que as três províncias em redor da Kunene que desbravávamos eram Oshana, Oshikoto e Otjozondjupa.

Tínhamos subido ao cimo da Namíbia determinados a, entre outros, ficarmos a conhecer o seu “Grande Lugar Branco”. Assim que a chuva e o áureo da alta madrugada se desvanecem, o Parque Nacional Etosha recupera a sua alvura.

Parque Nacional Etosha: a Grande Namíbia Branca e Salgada

Damos entrada no reduto imenso do parque homónimo. Assim que perscrutamos a paisagem, avistamos um casal de avestruzes, de bicos a sondar o solo e, a espaços, em modo de periscópios de criaturas desconfiadas.

Nas imediações, um dos muitos chacais-de-dorso-negro que habitam as redondezas observa as aves, desmotivado por não figurarem no cardápio da sua espécie.

Na direcção oposta, as expectativas revelam-se ainda mais parcas. Duas girafas adultas destacam-se acima da forragem espinhosa.

De tal maneira altas e espadaúdas que, para se alimentarem, dobra o pescoço exagerado.

Adequada à época, a pluviosidade tinha feito germinar vegetação há meses rendida ao calor.

O verde do ervado selvagem e o amarelo do feno, disfarçavam a aridez e crueza do cenário. Os chifres aguçados e os corpos espartanos de alguns órix destacava-se desse pasto aveludado.

À medida que nos acercávamos do âmago do Parque Nacional Etosha, já nem a chuva fazia milagres.

Aos poucos, Etosha tornava-se a grande planície de sal que recorta o mapa da Namíbia.

Estradas de Sal Cruzadas pelos Animais

Continuamos pela estrada de solo compactado e níveo. A certo ponto, confrontamo-nos com um grupo de zebras que barram a passagem e que, não só não arredam pé, como parecem querer conviver com os passageiros dos carros.

Um desses visitantes ignora as regras. E um mínimo bom senso.

Abre a porta do condutor, acocora-se sobre a berma vegetada e fotografa as zebras. Em vários outros casos de semelhante incúria, em distintas paragens, leões, tigres e predadores afins não perdoaram. A sorte e a probabilidade estiveram do seu lado.

Chegamos a um ponto de observação numa ramificação sem saída, à sombra de uma grande acácia disputada por corvídeos.

Ali, em jeito de marco geodésico, um aviso escrito a vermelho sobre cimento branco relembrava os mais tentados a sair para uma contemplação arejada: “Stay in your car”.

Assim fazemos. Mesmo que, por diante, a visão do Etosha apenas salgado e sem fim, clamasse por inconsciência.

Etosha: um Salar gerado pela Dispersão do Rio Cunene

O salar principal de Etosha tem uns, nada módicos, 130km por 50km. Ocupa mais de 20% da área total do Parque Nacional Etosha e é distinguível do Espaço.

É, ainda, a secção mais profunda do parque, se bem que situada entre os 1071m e os 1086m acima do nível do mar.

O salar de Etosha formou-se durante o Plioceno.

Surgiu de um processo de dispersão do alto rio Cunene e, eventualmente, também do Cubango, para sul que geraram um lago interior e um pântano, semelhantes ao Delta do rio Okavango (Cubango).

Mais tarde, o fluxo do Cunene desviou-se de sul para oeste, na direcção do Atlântico. As altas temperaturas e a insuficiência de chuva fizeram o lago encolher. Até restar argila e o sal contido na água.

O visual aparentemente estéril do salar leva ao engano de se pensar que os animais da savana circundante o evitam. Na realidade, como temos a fortuna de constatar, a sua hipersalinidade é apreciada por várias espécies.

A Distinta Relação das Espécies com a Chuva e a Seca

Após a época das chuvas (Dezembro a Março), quando diversos canais fluem de Angola para sul, o salar fica por algum tempo coberto de água. Nesse período, habitam-no flamingos e pelicanos. Quando a água volta a drenar, deixa a descoberto secções de lama ou de blocos salgados.

O único animal que se embrenha no interior do Etosha é a avestruz que lá encontra lugares de nidificação por que nenhum predador dos seus ovos se aventura.

Nas orlas, com a vegetação à vista, constatamos manadas de zebras e de gnus. Outras espécies de grande porte habituaram-se a lamber a lama e os blocos salgados de maneira a se suplementarem de minerais.

Etosha poderá também significar “Lugar das Miragens”. A fauna que interage em redor do salar é tão real como deslumbrante.

Conta com uma das maiores concentrações de grandes animais à face da Terra.

São elefantes, rinocerontes, elandes, órix, zebras, gnus, leões, hienas e girafas de subespécie angolana, entre outros.

Tanto as espécies como o número de espécimes podiam ser mais.

Parque Nacional Etosha e a sua Vastidão nem sempre Protegida

No final do século XIX, os elefantes – à imagem dos rinocerontes, leões e outros animais de grande porte, estavam quase extintos. O governo colonial alemão da África do Sudoeste reagiu e criou uma reserva animal.

Daí em diante, quase todas as espécies recuperaram.

O território hoje namibiano pertencia já à África do Sul quando, em 1967, as autoridades decretaram Etosha parque nacional. Etosha parecia ter um futuro promissor.

Mas, tal como aconteceu (por exemplo) no PN Gorongosa, de Moçambique e em distintos parques de vida selvagem de Angola, durante as guerras civis de ambos os países, a Guerra de Independência da Namíbia (1966-88), levou a que, tanto a força de guerrilha SWAPO (Organização do Povo do Sudoeste Africano), como as tropas sul-africanas que a combatiam, tenham abatido boa parte dos animais de grande porte.

Daí para cá, algumas das espécies voltaram a recuperar. Outras nem por isso. Temos a sorte de avistar um dos animais emblemáticos e em maior perigo de extinção, o rinoceronte-negro.

O espécime que admiramos caminha solitário duas centenas de metros atrás de uma pequena manada de gnus, dourada pelo sol poente.

Por forma a não atrair caçadores furtivos, as autoridades optam por não revelar qual o total de rinocerontes-negros do parque.

Estima-se, todavia, que só em 2022, na ressaca da pandemia, tenham sido abatidos quarenta e seis dos rinocerontes de Etosha.

O motivo permanece o mesmo. A veneração de países do Oriente (a populosa China à cabeça) do corno do animal, pelas suas alegadas propriedades medicinais e do seu uso em peças de joalharia.

Os elefantes, ao invés, são comuns em Etosha e num número bem superior.

De tal maneira, que acontece, amiúde, e nos aconteceu a nós, as suas deambulações pelas estradas condicionarem o trânsito de visitantes do parque.

Porque lhes bloqueiam a passagem.

E porque estes seguem os paquidermes determinados a deles conseguirem boas imagens.

Alguns visitantes, menos cautos ou hábeis ao volante, chegam a ver-se em apuros.

As Lagoas e Charcos Cruciais que as Autoridades têm que Manter

Com a tarde a caminhar para o fim e a temperatura ainda elevada, os animais ressentem-se. Avançamos para próximo da entrada que tínhamos usado de manhã cedo.

Nas imediações, damos com um lago de acesso algo pedregoso. Ainda estamos a estacionar quando uma longa manada de zebras se aproxima.

Aos poucos, enfia-se na água livre de crocodilos e enche o lago de um listado quase hipnótico.

Esperamos, atentos, à aparição de predadores, de leões ou leopardos, já que as chitas são apenas umas poucas.

Não aparecem nem predadores, nem gnus, que têm o hábito de aderir às rotinas das zebras.

A água satisfaz-lhes a sede comunal. Em seguida, vemo-las debandarem rumo ao coração do parque.

Para mais perto do branco e do sal, o composto ora temido, ora ansiado que faz do Parque Nacional Etosha um habitat e ecossistema especial.

FICHA DE DESTINO

1 – Windhoek

2 – PN Etosha

COMO IR

TAAG – Linhas Aéreas de Angola:  Voo Lisboa – Luanda – Windhoek (Namíbia) em TAAG: www.taag.com por a partir de 750€.

Reserve o seu programa de viagem na Namíbia com a Lark Journeys: www.larkjourneys.com   Whats App: +264 81 209 47 83

FB e Instagram: Lark.Journeys

Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Fish River Canyon, Namíbia

As Entranhas Namibianas de África

Quando nada o faz prever, uma vasta ravina fluvial esventra o extremo meridional da Namíbia. Com 160km de comprimento, 27km de largura e, a espaços, 550 metros de profundidade, o Fish River Canyon é o Grand Canyon de África. E um dos maiores desfiladeiros à face da Terra.
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
Twyfelfontein - Ui Aes, Namíbia

À Descoberta da Namíbia Rupestre

Durante a Idade da Pedra, o vale hoje coberto de feno do rio Aba-Huab, concentrava uma fauna diversificada que ali atraía caçadores. Em tempos mais recentes, peripécias da era colonial coloriram esta zona da Namíbia. Não tanto como os mais de 5000 petróglifos que subsistem em Ui Aes / Twyfelfontein.
Kolmanskop, Namíbia

Gerada pelos Diamantes do Namibe, Abandonada às suas Areias

Foi a descoberta de um campo diamantífero farto, em 1908, que originou a fundação e a opulência surreal de Kolmanskop. Menos de 50 anos depois, as pedras preciosas esgotaram-se. Os habitantes deixaram a povoação ao deserto.
Walvis Bay, Namíbia

O Litoral Descomunal de Walvis Bay

Da maior cidade costeira da Namíbia ao limiar do deserto do Namibe de Sandwich Harbour, vai um domínio de oceano, dunas, nevoeiro e vida selvagem sem igual. Desde 1790, que a profícua Walvis Bay lhe serve de portal.
Namibe, Angola

Incursão ao Namibe Angolano

À descoberta do sul de Angola, deixamos Moçâmedes para o interior da província desértica. Ao longo de milhares de quilómetros sobre terra e areia, a rudeza dos cenários só reforça o assombro da sua vastidão.
PN Bwabwata, Namíbia

Um Parque Namibiano que Vale por Três

Consolidada a independência da Namíbia, em 1990, para simplificarem a sua gestão, as autoridades agruparam um trio de parques e reservas da faixa de Caprivi. O PN Bwabwata resultante acolhe uma imensidão deslumbrante de ecossistemas e vida selvagem, às margens dos rios Cubango (Okavango) e Cuando.
Moçamedes ao PN Iona, Namibe, Angola

Entrada em Grande na Angola das Dunas

Ainda com Moçâmedes como ponto de partida, viajamos em busca das areias do Namibe e do Parque Nacional Iona. A meteorologia do cacimbo impede a continuação entre o Atlântico e as dunas para o sul deslumbrante da Baía dos Tigres. Será só uma questão de tempo.
Spitzkoppe, Damaraland, Namíbia

A Montanha Afiada da Namíbia

Com 1728 metros, o “Matterhorn Namibiano” ergue-se abaixo das dez maiores elevações da Namíbia. Nenhuma delas se compara com a escultura granítica, dramática e emblemática de Spitzkoppe.
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Palmwag, Namíbia

Em Busca de Rinocerontes

Partimos do âmago do oásis gerado pelo rio Uniab, habitat do maior número de rinocerontes negros do sudoeste africano. Nos passos de um pisteiro bosquímano, seguimos um espécime furtivo, deslumbrados por um cenário com o seu quê de marciano.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Safari
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Caminhantes no trilho do Ice Lake, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna – A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Arquitectura & Design
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Atenas, Grécia, Render da Guarda na Praça Sintagma
Cidades
Atenas, Grécia

A Cidade que Perpetua a Metrópolis

Decorridos três milénios e meio, Atenas resiste e prospera. De cidade-estado belicista, tornou-se a capital da vasta nação helénica. Modernizada e sofisticada, preserva, num âmago rochoso, o legado da sua gloriosa Era Clássica.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Indígena Coroado
Cultura
Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes da Venezuela em Fiesta

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
jet lag evitar voo, jetlag, turbulência
Em Viagem
Jet Lag (Parte 1)

Evite a Turbulência do Pós Voo

Quando voamos através de mais que 3 fusos horários, o relógio interno que regula o nosso organismo confunde-se. O máximo que podemos fazer é aliviar o mal-estar que sentimos até se voltar a acertar.
San Cristobal de Las Casas, Chiapas, Zapatismo, México, Catedral San Nicolau
Étnico
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Casamentos em Jaffa, Israel,
História
Jaffa, Israel

Onde Assenta a Telavive Sempre em Festa

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.
Buraco Azul, ilha de Gozo, Malta
Ilhas
Gozo, Malta

Dias Mediterrânicos de Puro Gozo

A ilha de Gozo tem um terço do tamanho de Malta mas apenas trinta dos trezentos mil habitantes da pequena nação. Em duo com o recreio balnear de Comino, abriga uma versão mais terra-a-terra e serena da sempre peculiar vida maltesa.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Inverno Branco
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Almada Negreiros, Roça Saudade, São Tomé
Literatura
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
Natureza
Fanal, Madeira, Portugal

Fanal. Um Pasto algo Surreal

Irrigadas pelas nuvens que chegam do Atlântico Norte, as terras altas e verdejantes do Fanal são ideais para o pasto de bovinos. O gado parece já fazer parte da paisagem mágica e nem sequer as incursões humanas como a nossa parecem afectar a sua rotina.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Banhista, The Baths, Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas
Parques Naturais
Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os “Caribanhos” Divinais de Virgin Gorda

À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.
A Toy Train story
Património Mundial UNESCO
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Personagens
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
Tombolo e Punta Catedral, Parque Nacional Manuel António, Costa Rica
Praias
PN Manuel António, Costa Rica

O Pequeno-Grande Parque Nacional da Costa Rica

São bem conhecidas as razões para o menor dos 28 parques nacionais costarriquenhos se ter tornado o mais popular. A fauna e flora do PN Manuel António proliferam num retalho ínfimo e excêntrico de selva. Como se não bastasse, limitam-no quatro das melhores praias ticas.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a ChameNepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre Carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Uma espécie de portal
Sociedade
Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Florida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Vida Selvagem
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.