Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar


Mokoros
Canoeiros equilibram-se sobre mokoros,
Um céu em fogo
Aves esvoaçam num céu tingido pelos tons fortes do ocaso, em mais um fim de dia africano.
Meandros do Okavango
Linhas do caudal do Okavango que se espraia no deserto do Kalahari, um dos poucos rios do mundo que não atingem nem o mar nem um lago.
Dentro do labirinto
Embarcação com visitantes embrenha-se no labirinto de papiro formado pelo rio.
Sorriso da Terra
Funcionária batswana do lodge Moremi, um dos mais reputados e isolados do Delta do Okavango.
Um pasto fácil
Gazelas devoram erva fresca num prado humedecido pela chuva recente e pela humidade libertada pela água do Okavango.
Power Ranger do Delta
Ranger de serviço a um dos lodges do Delta do Okavango, perito no habitat e nas espécies desta zona do sul de África.
Em formação
Patos alinhados na beira de uma das muitas lagoas do delta.
Cuidados maternais
Gazela lambe uma cria recém-nascida após um período de chuvas.
Rei do Delta
Leão observa a savana em busca de potenciais presas, por norma, muito abundantes na vasta região do delta, sempre repleta de água.
Olho de Ranger
Rangers do parque nacional munidos de binóculos e de muita experiência avistam animais.
Navegação de Delta
Embarcação percorre uma das muitas lagoas vastas formadas pelo dispersar do caudal do rio Okavango.
Um necrófago dos ares
Marabu percorre um céu bem azul sobre o Delta do Okavango, com a habitual grande envergadura de asas.
Panthera pardus
Leopardo descansa e controla os restantes animais da savana do cimo de uma árvore de grande porte.
Chuva vs Sol
Precipitação e ocaso simultâneos sobre o horizonte longínquo do Delta do Okavango, um capricho meteorológico mais ou menos comum nestas partes de África.
Do alto da savana
Girafas destacam-se da vegetação verde, em que o seu padrão malhado não funciona tão bem como camuflagem.
Noite quase escura
Uma lanterna e uma fogueira iluminam ligeiramente o crepúsculo suave que se apodera do delta do Okavango.
Tons de ocaso
Pôr-do-sol resplandecente sobre a savana alagada do Delta do Okavango.
Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.

O voo com partida da região do Savuti que a BBC tornou conhecida pelos documentários sobre os seus leões comedores de elefantes só durou 35 minutos.

Foi o suficiente para nos revelar a imensidão árida do Kalahari, salpicada de arbustos espinhosos, sulcada por longas estradas sinuosas de terra mais arenosa que batida.

Da altitude a que viajávamos, percebíamos em modo geológico e panorâmico, a importância que água tinha para aquela região.

À imagem do caudal do rio Solimões que corre lado a lado com o do Amazonas quilómetros a fio, ambos incompatibilizados devido às suas distintas composições e densidades, vistas do ar, extensões imensas da superfície terrestre ali opunham-se com diferentes graus de humidade.

Verde-amarelado contra um acastanhado aparentemente mais poeirento definiam quantidades discrepantes de água subterrânea.

De quando em quando, fosse em que tipo de mancha de solo fosse, avistávamos manadas longínquas de elefantes que bebiam e chafurdavam em charcos perdidos no nada.

Eram estes os postos de abastecimento que permitiam aos paquidermes e a outras espécies sobreviver à longa migração para sudeste, onde se escondia um domínio bem mais verdejante e estável.

De Rio Cubango em Angola ao Rio Okavango que Alaga o Kalahari

Quando nasce no município Tchikala-Tchohanga do Huambo, o Okavango é chamado de Cubango. Dali, flui através das províncias do Bié, de Huila e de Cuando-Cubango e, logo, pela faixa namibiana de Caprivi.

Pouco antes de entrar no noroeste do Botswana, na iminência das cascatas de Popa, o rio acelera o seu curso. Nas imediações de uma aldeia de nome Shakawe, as suas águas dispersam-se.

Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Meandros do Okavango

Linhas do caudal do Okavango que se espraia no deserto do Kalahari, um dos poucos rios do mundo que não atingem nem o mar nem um lago.

Retêm-nas as areias do deserto do Kalahari e ar seco acima. Só nesta divagação fluvial conta-se 95% da água doce do Botswana.

Enquanto a avioneta se faz ao aeródromo desvendámos meandros caprichosos do rio, desenhados em vegetação baixa.

Pousamos na pista relvada da Reserva Animal de Moremi.

Aterragem Suave no Coração do Delta do Okavango

Assim se denomina a única secção do Delta do Okavango oficialmente delimitada (em 1963) para permitir a preservação da vida selvagem que a caça ilegal fazia declinar.

Rangers nativos recebem-nos com boas-vindas acolhedoras. Em seguida, conduzem-nos a um pontão próximo do aeródromo. Subimos a bordo de um pequeno barco metálico com tecto de lona. Logo, zarpamos rumo à lagoa de Xugana.

Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Navegação de Delta

Embarcação percorre uma das muitas lagoas vastas formadas pelo dispersar do caudal do rio Okavango.

A viagem pouco fica a dever às melhores cenas de acção dos clássicos jamesbondianos.

Durante quarenta minutos, serpenteamos a alta velocidade, por canais com água ocre ou cor-de-champanhe, delimitados por papiros às vezes com mais de dois metros de altura.

Estes canais alargam e estreitam de forma mais ou menos aleatória. Aqui e ali, apertam tanto que as canas invadem os barcos e nos prendam com estaladas vegetais.

Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Canal

Embarcação com visitantes embrenha-se no labirinto de papiro formado pelo rio.

Na sua imensidão, o Delta do Okavango revela visuais contrastantes e, em quase 16.000 km2, abriga os mais diversos habitats.

Grandes áreas de terra seca, surgem do meio de zonas encharcadas sem fim. São florestas de mopane e arbustos espinhosos, savana seca, pastos, planícies alagadas, um labirinto de pântanos, de canais e de enormes lagoas.

Visto do espaço, o Delta do Okavango aparenta uma pegada de ave.

O papiro é uma das duas espécies vegetais que predominam nos seus pântanos perenes , uma das que fornece os registos mais úteis das suas oscilações.

A outra, a palmeira Fénix ou anã, prevalece nas muitas ilhas da região.

As Grandes Lagoas que Intercalam a Navegação pelos Canais

Quando menos esperamos, a embarcação volta a entrar nas tais lagoas desafogadas, cobertas de nenúfares e partilhadas por cerca de trinta e cinco milhões de peixes de oitenta espécies, por crocodilos do Nilo, por hipopótamos, marabus, mergulhões, íbis e uma miríade de outros répteis e aves.

Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, marabu

Marabu percorre um céu bem azul sobre o Delta do Okavango, com a habitual grande envergadura de asas.

Os crocodilos e os hipopótamos são os reis e senhores do Delta do Okavango. De tal forma perigosos que os Bayei – um dos cinco grupos étnicos dos nativos que o habitam o – ensinam uma espécie de poema preventivo às suas crianças:

“Eu sou o rio. A minha superfície dá-nos vida. Por debaixo, está a morte.”

A liquidez impressionante e luxuriante do cenário é alimentada de uma forma pouco palpável ou localizada.

Pode faltar pluviosidade no delta durante meses a fio. No entanto, chuvas intensas nas terras altas ( 1780m ) do Planalto angolano do Bié – a mais de 800 km a noroeste – geram uma espécie de enxurrada em câmara lenta.

A superfície destas paragens interiores de África é tão plana que a inundação pode levar mais de três meses a sentir-se à entrada delta. Aos cerca de 800 km que a nova água percorre desde Angola, há que contar ainda com quatro meses para que atravesse os 240 km de extensão do grande pantanal do Botswana.

Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Um céu em fogo

Aves esvoaçam num céu tingido pelos tons fortes do ocaso, em mais um fim de dia africano.

Ao chegar às imediações de Shakawe, o Delta aumenta de forma substancial. Daí, em diante, a enxurrada vagarosa move-se em várias frentes, pelos tais seis dedos da pata que os satélites registam.

Os habitats mais profundos e diversos residem na “perna” de quase 100 km. Ali, a inundação atinge o seu pico em Abril, quando faz o nível do rio subir quase dois metros.

Em Maio, a profundidade começa a diminuir.

O Achado que Deixou o Missionário David Livingstone Incrédulo

Terá sido o explorador e missionário David Livingstone o primeiro europeu a dar com o Delta do Okavango.

O escocês encontrou-o, em 1849. Nessa altura, o caudal fluía de forma diferente da de hoje, não menos misteriosa.

“A água não pode correr para trás ou para cima” retorquiu Livingstone, ao companheiro de descobertas dessa altura, o naturalista sueco Charles Andersson.

Ambos se mostraram abismados com os canais que ora fluíam a grande velocidade ora paravam de fluir. Ou que chegavam mesmo a inverter o seu sentido.

Livingstone pediu a nativos Bayei para lhe explicarem o fenómeno. Estes, contaram-lhe o que sabiam: todos os anos um chefe do norte do seu território, de nome Mazzekiva, matava um homem e atirava o corpo ao rio. Depois disso, a água corria para sul.

É pouco provável que o aventureiro se tenha conformado com tal esclarecimento.

Muito depois de Livingstone, um Turismo Ecológico Sempre em Voga

Livingstone abriu caminho para uma catadupa de visitantes que, a partir da segunda metade do século XX, se deslumbraram com um dos cenários mais fascinantes de a África.

Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, boma, fogueira

Uma lanterna e uma fogueira iluminam ligeiramente o crepúsculo suave que se apodera do delta do Okavango.

Nos nossos dias, o Delta do Okavango foi protegido pelas normas da Convenção de Ramsar que salvaguardam a preservação dos pantanais do mundo.

Mesmo se a origem e parte substancial do rio Okavango está em Angola e na Namíbia, onde não usufrui dos mesmos cuidados que tem no Botswana, o Botswana só beneficiou.

Nesta jovem nação, apenas as prolíficas reservas de diamantes garantem mais divisas estrangeiras que o turismo no Delta do Okavango.

Os proveitos turísticos têm origem em licenças de operação e taxação de ecolodges sofisticados e dispendiosos instalados em lugares estratégicos. Vários, são geridos por proprietários sul-africanos, mais experientes no ofício.

Xugana. Outro dos EcoLodges Privilegiados do Delta do Okavango

O Xugana em que nos instalamos era um deles.

Camuflado por vegetação densa, culminada por árvores majestosas, tinha, entre outros, o dom da absoluta simbiose com a natureza circundante.

Pulavam, nadavam, arrastavam-se e esvoaçavam, por lá, esquilos e uma miríade de pássaros e insectos coloridos, répteis e anfíbios.

Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, patos

Patos alinhados na beira de uma das muitas lagoas do delta.

Como é frequente no Botswana e noutros lodges que ficaram para trás, o Xugana mantinha-se aberto à fauna local.

De noite, para gáudio dos hóspedes mais entusiasmados com o realismo da Natureza da zona, visitam-no espécies de maior porte, incluindo os furtivos leopardos.

Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, leopardo

Leopardo descansa e controla os restantes animais da savana do cimo de uma árvore de grande porte.

Já instalados, descansamos até por volta das quatro da tarde.

Nesse fim de dia, ainda voltamos a sair de barco para o delta.

A incursão tem como objectivo explorarmos os cenários e a fauna de outras das suas ilhas, também de mokoro, a canoa tradicional da região, feita de um único tronco escavado.

Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros

Canoeiros equilibram-se sobre mokoros,

Mas as mokoro eram demasiado estreitas e instáveis. Tendo em conta que dificilmente conseguiríamos resistir a fotografar de pé, representavam um sério risco para as câmaras que transportávamos.

A Imponência Selvagem e Intimidante de África

Optamos, assim, por começar de fora.

Por avaliar e registar primeiro a acção a partir da margem. Quando nos separamos do resto da comitiva, um dos guias deixa-nos apenas com um conselho: “Se algum animal aparecer, saltem para a caixa da carrinha.”

Olho de Ranger

Rangers do parque nacional munidos de binóculos e de muita experiência avistam animais.

Sós, face à vastidão do delta, sentimos como nunca a imponência esmagadora de África.

As nuvens azuis e lilases que descarregavam à distância, as acácias gigantescas que se destacavam contra o céu pesado e o vento que siflava através da floresta de papiros, impunham-nos uma desagradável sensação de vulnerabilidade.

Além dos hipopótamos e crocodilos que sabíamos ser mais raro atacarem longe das margens ensopadas, o Delta do Okavango acolhe uma população generosa dos mais capazes predadores terrestres.

Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, leão

Leão observa a savana em busca de potenciais presas, por norma, muito abundantes na vasta região do delta, sempre repleta de água.

Leões, chitas, leopardos, hienas e mabecos eram apenas alguma das espécies de que teríamos, em vão, que nos defender caso algo corresse mal.

Em redor, percorriam-no ainda cerca de 60.000 elefantes – uma das maiores manadas do mundo – e milhares de búfalos irascíveis.

Sobrevivemos à espera solitária e ao percurso de mokoro entre hipopótamos e crocodilos furtivos.

No regresso, assistimos a um pôr-do-sol esplendoroso, rasgado por centenas de aves. Vimo-lo, adornado por uma mancha cinzenta e granulada, desenhada pela queda da Pula, a chuva do Botswana.

Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Chuva vs Sol

Precipitação e ocaso simultâneos sobre o horizonte longínquo do Delta do Okavango, um capricho meteorológico mais ou menos comum nestas partes de África.

De tão forma valiosa que denomina a moeda nacional da nação.

Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Manaus, Brasil

Ao Encontro do Encontro das Águas

O fenómeno não é único mas, em Manaus, reveste-se de uma beleza e solenidade especial. A determinada altura, os rios Negro e Solimões convergem num mesmo leito do Amazonas mas, em vez de logo se misturarem, ambos os caudais prosseguem lado a lado. Enquanto exploramos estas partes da Amazónia, testemunhamos o insólito confronto do Encontro das Águas.
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Zanzibar, Tanzânia

As Ilhas Africanas das Especiarias

Vasco da Gama abriu o Índico ao império luso. No século XVIII, o arquipélago de Zanzibar tornou-se o maior produtor de cravinho e as especiarias disponíveis diversificaram-se, tal como os povos que as disputaram.
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
Passo do Lontra, Miranda, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Safari
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Cortejo Ortodoxo
Cerimónias e Festividades
Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Cidades
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Cultura
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida, Suas Danças e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Twelve Apostles, Great Ocean Road, Victoria, Austrália
Em Viagem
Great Ocean Road, Austrália

Oceano Fora, pelo Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes do estado australiano de Victoria, a via B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. Bastaram-nos uns quilómetros para percebermos porque foi baptizada de The Great Ocean Road.
Lifou, Ilhas Lealdade, Nova Caledónia, Mme Moline popinée
Étnico
Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Igreja arménia, península Sevanavank, Lago Sevan, Arménia
História
Lago Sevan, Arménia

O Grande Lago Agridoce do Cáucaso

Fechado entre montanhas a 1900 metros de altitude, considerado um tesouro natural e histórico da Arménia, o Lago Sevan nunca foi tratado como tal. O nível e a qualidade da sua água deterioram-se décadas a fio e uma recente invasão de algas drena a vida que nele subsiste.
Passagem, Tanna, Vanuatu ao Ocidente, Meet the Natives
Ilhas
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Natureza
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Teleférico de Sanahin, Arménia
Património Mundial UNESCO
Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Mahé Ilhas das Seychelles, amigos da praia
Praias
Mahé, Seychelles

A Ilha Grande das Pequenas Seychelles

Mahé é maior das ilhas do país mais diminuto de África. Alberga a capital da nação e quase todos os seichelenses. Mas não só. Na sua relativa pequenez, oculta um mundo tropical deslumbrante, feito de selva montanhosa que se funde com o Índico em enseadas de todos os tons de mar.
Sombra vs Luz
Religião
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre Carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Cabine lotada
Sociedade
Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. O imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Penhascos acima do Valley of Desolation, junto a Graaf Reinet, África do Sul
Vida Selvagem
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
EN FR PT ES