PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil


Respeito felino
Jovem leão hesita em aproximar-se de uma das muitas manadas de elefantes do PN Hwange.
Um bebedouro conveniente
Elefantes bebem água num tanque instalado pelo Somalisa Expeditions Lodge.
Na peugada
Robert analisa marcas de animais deixadas na areia do deserto do Kalahari.
O clã juvenil
Alcateia de leões reunida junto a uma lagoa artifical do PN Hwange.
Robert “Kalahari”
Guia Robert Chadyendia junto a uma das lagoas frequentadas pelos animais do parque.
Familiaridade
Roberta observa a alcateia descendente dos já falecidos leões Cecil e Jericho.
Cecil Jr.
Um dos jovens leões descendentes de Cecil.
Cecil Jrs.
Dois outros leões acabam de devorar uma zebra capturada durante a madrugada.
De olho nos olhos
Robert perscruta as imediações do caminho de regresso ao Somalisa Expeditions Camp, em busca de animais nocturnos.
Somalisa Expeditions Camp
A área de BOMA (em redor da fogueira) do Somalisa Expeditions Camp.
No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.

São os elefantes, mais que os leões, os animais emblemáticos e predominantes do PN Hwange.

Ainda assentamos os pés na elegante sala principal do Somalisa Expeditions quando alguns espécimes nos surpreendem. “Venham cá, espreitem aqui!” apela-nos Nônô da abertura da grande tenda militar.

Quando chegamos à sua companhia, vemos quatro enormes paquidermes alinhados a sorver água do tanque que o lodge instalara nos fundos do seu pátio exterior. “Podem lá ir sem problema. Não passem é das cadeiras para diante. Eles estão habituados a encontrar gente!”.

PN Hwange, Zimbabwe, Somalisa Expeditions Camp

A área de BOMA (em redor da fogueira) do Somalisa Expeditions Camp.

Avançamos com a desconfiança natural de quem não gosta de arriscar a vida ao desbarato. Aos poucos, chegamos a dois ou três metros dos bichos que interrompem o sorvedouro barulhento para perceber o se aproximava.

Um deles solta um ténue rugido de alerta mas continuam a hidratar-se.

Nós, sentamo-nos no estrado a apreciar a sua portentosa beleza. Até que a sede se dissipa, a quadra nos vira as costas e se some na vastidão do Kalahari.

Elefantes, PN Hwange, Somalisa Lodge Zimbabwe

Elefantes bebem água num tanque instalado pelo Somalisa Expeditions Lodge.

A partir desse momento de tão próxima comunhão, avistaríamos centenas de outros elefantes. As suas visitas ao Somalisa Expeditions haveriam de se repetir, algumas não tão tranquilas.

Tudo isto se passa no tempo entre chegarmos de jipe e nos instalarmos na tenda que nos tinham destinado. Nessa tarde, ainda saímos para um game drive, conduzidos e guiados por Robert Chadyendia, um dos especialistas em vida animal do Kalahari dos Somalisa.

Em Busca dos Leões do PN Hwange

Robert inteirou-se de que não era propriamente o primeiro game drive que fazíamos. Não precisávamos de lhe dizer que gostávamos de encontrar grandes predadores. Pelo caminho, os elefantes eram tantos que, aos poucos, deixaram de nos entusiasmar. Por mais que se revelassem, os herbívoros de estilo antílope nunca nos encheriam as medidas.

Consciente desta exigência, Robert aponta para um dos charcos reabastecidos de forma artificial para manter os animais na área do parque. “Vamos lá espreitar, nunca se sabe. A esta hora podem andar por qualquer parte mas eles adoram beber ali ao fim da tarde…” A sua aposta foi ganha: “Está ali um jipe de outro campo. Eu diria que sim, temos leões …”

Ao chegarmos às imediações da lagoa, a primeira coisa em que reparamos é na estranheza do entardecer. Duas enormes árvores mortas tinham os seus ramos recortados contra o céu.

Guia em lagoa, PN Hwange, Zimbabwe

Guia Robert Chadyendia junto a uma das lagoas frequentadas pelos animais do parque.

Um bando de patos chafurdava de cabeça enfiada na água e duas tarambolas piavam, como sempre, incomodadas e estridentes.

O Clã que Herdou os Genes do Malogrado Leão Cecil

O grupo de leoas e jovens leões repousava, soberbo, uns poucos metros para lá da margem oposta. “Estão a vê-los? São os descendentes do Cecil. Depois de o Cecil morrer, o Jericho – o outro leão com quem ele se aliou – ficou com duas alcateias.

Mas o Jericho morreu em Outubro do ano passado, de causas naturais. Daí em diante, os leões com mais idade de uma das alcateias tomaram conta do recado. São aqueles … “

Leões, PN Hwange, Zimbabwe

Alcateia de leões reunida junto a uma lagoa artifical do PN Hwange.

Escureceu em três tempos. Ao lusco-fusco, os leões que pouco mais tinham feito que dormitar e espreguiçar-se, levantam-se e seguem pelo mesmo trilhado de que tínhamos vindo.

Quando se metem na vegetação baixa da savana, perdemos-lhes o rasto.

No primeiro dia de Julho de 2015, aconteceu o mesmo aos rangers do PN Hwange – e aos cientistas da Universidade de Oxford – quanto ao grande leão Cecil, a estrela do parque.

Pegadas de leões, PN Hwange, Zimbabwe

Robert analisa marcas de animais deixadas na areia do deserto do Kalahari.

A Vida Vivida pelo Leão Cecil no PN Hwange

Cecil tinha sobrevivido a confrontos com os Askaris, leões de uma alcateia rival com poder consolidado. Para lhes resistir, associou-se a um outro macho solitário, Leander. Leander foi mortalmente ferido pelo líder dos Askaris quando este, mais volumoso e agressivo, resistiu a um ataque concertado de Cecil e Leander.

Cecil sofreu, ele próprio, danos consideráveis mas recuperou. Decorrido algum tempo, foi expulso pelos restantes Askaris para a ala sudeste do parque.

Ali, cresceu e floresceu. Tornou-se num leão majestoso, com uma juba negra exuberante inconfundível.

Entre leoas e crias, a sua alcateia chegou a congregar vinte e dois espécimes. Em 2012, dois jovens leões recém-chegados afugentaram-no. Jericho, que tinha previamente uma outra aliança, teve o seu parceiro abatido por um caçador de trofeus.

No início de 2013, os arquirivais Cecil e Jericho (um Askari) viram-se frente a frente. Em vez de lutarem, perceberam que estariam melhor aliados. De início, a sua relação foi conturbada, com ambos a tentarem desancar-se para afirmar supremacia.

PN Hwange, Zimbabwe, Leões alimentam-se

Dois outros leões acabam de devorar uma zebra capturada durante a madrugada.

Ainda assim, vieram a formar um duo inseparável e imbatível. Em breve, comandavam duas alcateias num território vasto de uma zona muito frequentada por visitantes. Tornaram-se os protagonistas do PN Hwange.

Até que nova e horrífica intervenção humana pôs cobro à vida de Cecil.

O Abate Covarde do Leão Cecil às Mãos de Walter Palmer

Como quase todos os rangers do Somalisa e de outros campos do parque, Robert sabe a história de cor e salteado.

Conta-nos uma parte no fascinante regresso nocturno ao ponto de partida, sob um dos firmamentos mais carregados de estrelas que alguma vez tínhamos visto e, aqui e ali, de foco poderoso em riste, em busca de animais nocturnos.

Apesar da oposição activa de muitas instituições ambientalistas e de incontáveis figuras públicas, a caça recreativa de trofeus angaria, todos os anos vários milhões de euros.

Principalmente por este motivo financeiro mas, claro está, devido à persistente procura por parte de criaturas humanas perversas, o “desporto” prospera em países como a África do Sul, a Namíbia e … o Zimbabué. Uma das organizações que mais o fomenta é o Safari Club International (SCI), uma organização com sede em Tucson, Arizona.

O Clube de Assassinos Doentios do Safari Club International

O SCI conglomera milhares de caçadores de troféus de todo o mundo mediante joias anuais que vão dos 65 aos 225 USD. Além de estar por detrás dos mais influentes lobbies pró-caça de vida selvagem, organiza expedições em que esta mesma é levada a cabo, selada com carnificinas dos animais, assim justifica o direito dos caçadores a colocarem os troféus nas paredes de suas casas.

Apesar considerado um leão especial, Cecil foi só mais uma das milhares de vítimas anuais do SCI.

Em 1 de Julho de 2015, Jericho e Cecil estavam numa área que se tornara seu território mas que ficava fora dos limites do PN Hwange, numa reserva privada em que a caça recreativa era permitida.

Guia de safaris, PN Hwange, Zimbabwe

Roberta observa a alcateia descendente dos já falecidos leões Cecil e Jericho.

Walter Palmer, um norte-americano do Minnesota, sócio do SCI, tinha pago cerca de 50.000 dólares americanos a um guia de caça profissional, Theo Bronkorst, para este o auxiliar a matar um leão, se possível com arco e flecha. Bronkorst atraiu alegadamente Cecil com isco de carne de elefante.

Palmer feriu-o com uma flecha. Ambos perseguiram o leão horas a fio. Palmer afirma que matou Cecil – então com treze anos – com mais uma flecha. As autoridades reclamam que o terá abatido com uma espingarda. O caso foi reportado por instituições de protecção de vida selvagem.

Tornou-se um escândalo mundial. Palmer viu-se perseguido e insultado, tanto nas redes sociais como em todo o lado em que era visto. Teve que encerrar a clínica dentária que mantinha em Bloomington, no Minnesota. O exterior da sua casa de férias da Flórida foi adornado com sucessivas mensagens de repúdio e ódio.

Figuras públicas como Leonardo di Caprio insurgiram-se contra ele e ditaram a extensão da sua perseguição. O dentista-caçador fez questão de sublinhar que não fazia ideia de que Cecil era um leão famoso mas nunca mostrou qualquer arrependimento por matar animais selvagens. Nada indica ter deixado a caça de trofeus.

Palmer livrou-se de qualquer condenação quer nos E.U.A. quer no Zimbabué, isto por ter todos os papéis em ordem na altura da caçada.

Abate do Leão Cecil. Um Crime que Passou a História Quase Impune

A aflição depressa lhe passou. No dia em que se cumpriu um ano do abate de Cecil, os paparazzi apanharam-no a conduzir um Porsche Cayenne Turbo e a exibi-lo ao pessoal do vallet parking dum bar faustoso de Minneapolis. Foi descrito como satisfeito da vida.

E, no entanto, a animosidade gerada em seu torno causou mudanças na atitude de várias autoridades nacionais face à caça recreativa de troféus. Nos E.U.A. e na União Europeia, os legisladores esforçaram-se por banir de vez a importação de trofeus de leões.

A polémica fez com que as três maiores companhias aéreas americanas proibissem o seu transporte.

Entretanto, uma petição de nome “Justiça para Cecil” que reclamava que o governo do Zimbabué parasse de emitir permissões de caça para animais em perigo de extinção foi assinada por 1.2 milhões de pessoas, isto apesar de, como fez notar o jornal zimbabueano “The Chronicle”, 99.99% dos seus compatriotas não fazerem ideia de quem era o tal leão.

PN Hwange, Descendente do Leão Cecil, Zimbabwe

Um dos jovens leões descendentes de Cecil.

As Consequências Políticas da Morte do Leão Cecil

O governo do Zimbabué cedeu. Decretou que tais mortes passariam a ter que ser justificadas e autorizadas pela Direcção Geral dos Parques Nacionais e da Vida Selvagem do país. Para bem dos leões que encontrámos no PN Hwange – vários deles filhos e netos de Cecil e de Jericho – e de tantos outros.

O dia seguinte amanhece com Warthog – um elefante assim baptizado pelo pessoal do Somalisa por ter as presas a apontar para fora como os javalis-africanos – a tentar ultrapassar a barreira de troncos que protegia o pátio do campo. Warthog mostra-se uma vez mais ansioso por devorar os frutos das acácias acumulados no solo.

A obsessão do elefante é tal que Nônô se vê obrigada a chamar Robert. Com recurso a um pau e a repetido bater de palmas, este, consegue, por fim, afugentá-lo para logo detectarem um babuíno escondido na casa de banho oposta à grande tenda.

“Este agora habituou-se a isto”, contam-nos como se de nada se tratasse. “Esconde-se ali e fica a ver se nós deixamos a sala. Quando saímos, entra e rouba bolachas e açúcar!”

De Volta ao Kalahari e ao Domínio Selvagem do PN Hwange

Robert relembra a Nônô que se deve manter de olho na bicharada. Logo em seguida, retomamos o jipe e a descoberta do PN Hwange. Passamos por um outro charco frequentado por dezenas de elefantes e a que acorrem dezenas mais, em longas caravanas.

Num parque qualquer, seria este o foco das atenções mas o PN Hwange é especial. Robert recebe uma comunicação via rádio. “Já os acharam outra vez. Agora estão lá todos.” Dez minutos depois, damos connosco a cinco ou seis metros da alcateia deixada aos seus destinos por Cecil e Jericho.

PN Hwange, Zimbabwe, safari nocturno

Robert perscruta as imediações do caminho de regresso ao Somalisa Expeditions Camp, em busca de animais nocturnos.

Tinham caçado uma zebra durante a noite. Um jovem leão afirmava-se num lugar privilegiado para devorar o que restava da carcaça. Se algum dos outros esboçava uma aproximação, ameaçava-os com o pior do seu mau-feitio.

Não é que fosse necessário, mas Robert deixou bem claro que, na já longa ausência de Cecil e Jericho, aquele jovem da alcateia se afirmava como um provável novo líder.

Nesse momento, no Zimbabwe, arrastava-se uma batalha entre o movimento pró-caça da ignóbil SCI e a força de ambientalistas e conservacionistas que tudo faziam para lhe resistir.

No meio, ainda estava o governo do Zimbabué, liderado pelo decano Robert Mugabe, o “leão” mais resiliente de toda a África. Bom mesmo, seria que a Natureza se conseguisse defender da loucura humana.

Artigo criado no PN Hwange, Zimbabwé, com o apoio precioso dos AFRICAN BUSH CAMPS

Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Grande ZimbabuéZimbabué

Grande Zimbabwe, Pequena Dança Bira

Nativos de etnia Karanga da aldeia KwaNemamwa exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas do Grande Zimbabwe. o lugar mais emblemático do Zimbabwe, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova e problemática nação.  
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Savuti, Botswana

Os Leões Comedores de Elefantes de Savuti

Um retalho do deserto do Kalahari seca ou é irrigado consoante caprichos tectónicos da região. No Savuti, os leões habituaram-se a depender deles próprios e predam os maiores animais da savana.
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Safari
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Arquitectura & Design
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Cansaço em tons de verde
Cerimónias e Festividades
Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival.
no Palco, Antigua, Guatemala
Cidades
Antigua, Guatemala

Guatemala Hispânica à Moda Antigua

Em 1743, vários sismos arrasaram uma das cidades coloniais pioneiras mais encantadora das Américas. Antigua regenerou-se mas preserva a religiosidade e o dramatismo do seu passado épico-trágico.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Cultura
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Bark Europa, Canal Beagle, Evolucao, Darwin, Ushuaia na Terra do fogo
Em Viagem
Canal Beagle, Argentina

Darwin e o Canal Beagle: no Rumo da Evolução

Em 1833, Charles Darwin navegou a bordo do "Beagle" pelos canais da Terra do Fogo. A sua passagem por estes confins meridionais moldou a teoria revolucionária que formulou da Terra e das suas espécies
Vista do John Ford Point, Monument Valley, Nacao Navajo, Estados Unidos
Étnico
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Canal de Lazer
História
Amesterdão, Holanda

De Canal em Canal, numa Holanda Surreal

Liberal no que a drogas e sexo diz respeito, Amesterdão acolhe uma multidão de forasteiros. Entre canais, bicicletas, coffee shops e montras de bordéis, procuramos, em vão, pelo seu lado mais pacato.
Ilha do Pico, a oeste da montanha, Açores, lajes do Pico
Ilhas
Ilha do Pico, Açores

A Ilha a Leste da Montanha do Pico

Por norma, quem chega ao Pico desembarca no seu lado ocidental, com o vulcão (2351m) a barrar a visão sobre o lado oposto. Para trás do Pico montanha, há todo um longo e deslumbrante “oriente” da ilha que leva o seu tempo a desvendar.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Camiguin, Filipinas, manguezal de Katungan.
Natureza
Camiguin, Filipinas

Uma Ilha de Fogo Rendida à Água

Com mais de vinte cones acima dos 100 metros, a abrupta e luxuriante, Camiguin tem a maior concentração de vulcões que qualquer outra das 7641 ilhas filipinas ou do planeta. Mas, nos últimos tempos, nem o facto de um destes vulcões estar activo tem perturbado a paz da sua vida rural, piscatória e, para gáudio dos forasteiros, fortemente balnear.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Torres del Paine, Patagónia Dramática, Chile
Parques Naturais
PN Torres del Paine, Chile

A Mais Dramática das Patagónias

Em nenhuma outra parte os confins austrais da América do Sul se revelam tão arrebatadores como na cordilheira de Paine. Ali, um castro natural de colossos de granito envolto de lagos e glaciares projecta-se da pampa e submete-se aos caprichos da meteorologia e da luz.
Selfie, Muralha da china, Badaling, China
Património Mundial UNESCO
Badaling, China

A Invasão Chinesa da Muralha da China

Com a chegada dos dias quentes, hordas de visitantes Han apoderam-se da Muralha da China, a maior estrutura criada pelo homem. Recuam à era das dinastias imperiais e celebram o protagonismo recém-conquistado pela nação.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Vista da Casa Iguana, Corn islands, puro caribe, nicaragua
Praias
Corn Islands-Ilhas do Milho, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands ou Ilhas do Milho, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.
Religião
Helsínquia, Finlândia

A Páscoa Pagã de Seurasaari

Em Helsínquia, o sábado santo também se celebra de uma forma gentia. Centenas de famílias reúnem-se numa ilha ao largo, em redor de fogueiras acesas para afugentar espíritos maléficos, bruxas e trolls
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre Carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Uma espécie de portal
Sociedade
Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Florida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Penhascos acima do Valley of Desolation, junto a Graaf Reinet, África do Sul
Vida Selvagem
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
EN FR PT ES