Garganta de Taroko, Taiwan

Nas Profundezas de Taiwan


Eternal Spring Shrine

Um santuário budista abençoa uma torrente de água ininterrupta da região e louva as vidas de mais de 200 trabalhadores (militares veteranos) que perderam a vida na construção da Central Cross-Island Highway.

Conversa conveniente

Visitantes taiwaneses informam-se  à entrada de uma ponte que dá acesso a um dos muitos túneis de Taroko.

Meandro rochoso

Leito pedregoso e sinuoso do rio Liwu, o principal curso de água da Garganta de Taroko.

Aventuras fluviais

Visitantes da Garganta de Taroko testam a água límpida do rio Liwu.

À sombra de Taroko

Caminhante admira um desfiladeiro profundo escavado pelo caudal do rio Liwu.

Pagode de Heavenly Summit

O pagode de seis andares que se destaca da vegetação frondosa de Tiangsiang, a última e maior povoação de Taroko.

A ponte de Shakadang

Mais uma das várias pontes que permitiram a continuidade da Central Cross-Island Highway, uma das poucas estradas que atravessa Taiwan de oeste a leste.

Eternal Spring Shrine II

O santuário budista construído na encosta da Eternal Spring, atravessado pela queda d'água constante.

Um trilho iluminado

Estátua de Buda acolhe os visitantes e fiéis ao cimo da encosta de Tiangsiang de que se ergue o pagode de Heavenly Summit.

A entrada dos túneis

Casal percorre a estrada dos Tunnels of Nine Turns, escavados numa encosta de puro mármore.

O Rio Liwu

Pequena lagoa natural formada pelo caudal então diminuto do rio Liwu.

Em 1956, taiwaneses cépticos duvidavam que os 20km iniciais da Central Cross-Island Hwy fossem possíveis. O desfiladeiro de mármore que a desafiou é, hoje, o cenário natural mais notável da Formosa.

Só a nós parece divertir a espécie de montanha-russa rodoviária que percorre a costa oriental da ilha principal de Taiwan, entre Suao e Hualien. Os ciclistas inveterados relatam entre si e não só, que, apesar do seu relevo tresloucado, a Formosa é provavelmente o melhor destino asiático para se explorar a pedalar. Maldizem, todavia, este trecho espartilhado entre o oceano Pacífico e o sopé rochoso da Cordilheira Central. Lyndall Pyckering, por exemplo, queixa-se a uma ciclo-comunidade online que mal teve tempo para admirar a paisagem ou sentir a dor nas coxas provocada pelas constantes subidas, tal era a concentração que se via forçado a manter para evitar ser ensanduichado contra os paredões de pedra ou cimento, pelos camiões e autocarros de turismo que disputavam o asfalto.

Ao volante mas da berlina Volvo do patrão, Jack sofria a bom sofrer para evitar que o seu posto de trabalho tivesse o mesmo destino: “maldito trânsito! O governo devia proibir pesados de uma vez por todas nesta costa!” Percebemos que seria esse o seu protesto mesmo se exteriorizado no inglês rudimentar a que já nos havia habituado. Já confiávamos na sua experiência. Por isso mesmo, seguíamos dedicados às secções mais fotogénicas daquele litoral extremo que, por alturas do penhasco de Chingshui, se tornou vertical como nunca. Ali, falésias de montanhas com mais de mil metros mergulhavam, a pique, no mar azulão.

Alguns quilómetros para sul e para o interior, damos entrada em terras de Hsiulin. Este distrito é, há muito, o maior de Taiwan em termos de área. Alberga seis aldeias e tem quase 15500 habitantes, na sua grande maioria de etnia Taroko. Em tempos mais recentes, as etnias aborígenes da ilha e a garganta de Taroko conquistaram tal importância que as autoridades forçaram que Hsiulin mudasse o seu nome para Taroko, termo da etnia truku que significa maravilhoso. Foi alegadamente o que proferiu um indígena dessa tribo quando deixou pela primeira vez o território escavado da garganta e se espantou com o oceano.

Em breve, deixámos essa a vastidão marinha oriental para trás. Entramos num desfiladeiro apertado ora verdejante ora rochoso, de mármore bruto para sermos mais precisos, a razão de ser do seu outro nome, Garganta de Mármore.

Desviamos 2.3 km para oeste da estrada principal e damos com a Eternal Spring Shrine, uma nascente natural profícua e ininterrupta que uma ordem budista abençoou com um santuário atravessado pelo fluxo. Foi erguido em honra dos mais de 200 trabalhadores (militares veteranos) que pereceram na construção arrojada da Central Cross-Island Highway e têm os nomes inscritos em placas de pedra.

Ainda hoje, a Garganta de Taroko e a Eternal Spring Shine reservam os seus riscos, sobretudo se quem as visita é apanhado por tempestades ou tufões, muito frequentes em Taiwan.

Apesar de preferir este novo domínio à estrada marginal frenética que nos trouxe de Taipé, Jack conhece bem os seus perigos. “Cuidado nesse trilho!”, alerta-nos com dramatismo inusitado. “Em tempos, um casal de lua-de-mel posava para fotos junto ao santuário quando foram surpreendidos por uma derrocada!“. Apurámos ainda que aquela encosta já tinha desabado várias vezes e que, desde 1950, o santuário fora reconstruído duas vezes.

Quando regressamos da caminhada e dos salpicos rejuvenescedores da nascente, Jack suspirava de impaciência detrás do seu Taiwan Times amarrotado. “Estava a começar a ficar preocupado” justifica o seu descontentamento ainda e sempre em inglês rudimentar.

Não queremos intensificar o seu desespero. Enfiamo-nos e às mochilas de trabalho no Volvo e arrancamos em direcção às entranhas de Taroko.

Aos 3.6 km, chegamos às imediações da Swallow Grotto, um penhasco pejado de pequenas grutas talhadas por antigas correntes subterrâneas e em que milhares de andorinhas instalaram os seus ninhos.

Para diante, encontramos a ponte suspensa Jinheng e voltamos a atravessar o rio Liwu que percorre todo o desfiladeiro, desta feita, numa inevitável vertigem provocada pelo balanço permanente da estrutura de corda.

Enquanto o cruzamos, percebemos a velocidade drástica com o seu leito profundo se deve inundar vezes sem conta, ao receber o grosso das chuvas torrenciais alimentadas pelo Pacífico sobreaquecido. Após algum esforço, também a forma latente da Yindiaren Rock, um enorme rochedo esculpido pela erosão com a forma de um chefe nativo-americano com o seu cocar.

De volta ao modo rodoviário, cruzamos a ponte colorida Liufang e atingimos o Tunnel of Nine Turns. Ali, o confronto Homem versus Natureza de Taroko assume uma gravidade inédita. A determinada altura, a estrada principal desemboca num desvio que conduz a uma série de túneis curtos escavados no mármore, ao longo da garganta sinuosa e irrigada por quedas d’água que mergulham no rio Liwu, ali agitado por rápidos furiosos.

Caminhamos ao longo destes túneis semi-abertos.  último revela-nos a verdadeira dimensão do cenário

Apenas 2 km para diante, o caprichoso Liwu obriga-nos a nova travessia, a da Bridge of Motherly Devotion.

Esta ponte foi construída pelo ex-Presidente de Taiwan, Chiang Jing-guo, filho de outro bem mais famoso, Chiang Kai-shek pioneiro político-militar da República da China (Taiwan) que viu o seu exército derrotado na guerra civil que grassava China continental e se viu forçado a refugiar na ilha.

Chiang Jing-Guo, inaugurou a ponte em memória da sua mãe, inspirado pelo pai. Chiang Kai-shek, ele próprio, mandara erguer um pavilhão budista em honra da avó de Jing-Guo.

Vencemos os leões de pedra que guardam a sua entrada e contemplamos os enormes calhaus que partilham o caudal farto, agora na companhia de Jack que volta a recorrer um dos seus termos anglófonos preferidos: “Rio doido, não é" ? ” questiona-nos sabendo de cor e salteado que o iríamos confirmar.

Tiangsiang é a última e a maior povoação da Garganta de Taroko. Surge encaixada no seu limiar, com montanhas verdejantes em fundo. Vislumbramos, a destacar-se da vegetação, o pagode de seis andares de Heavenly Summit e um buda dourado que abençoa os visitantes, os que, como nós, se sacrificam a subir o trilho íngreme até ao complexo religioso de Xiangde e os outros que, como o nosso anafado e indolente condutor, se furtavam à pequena peregrinação. “ Lá acima??! Está doido. O Marco está doido, Sara, só pode ser isso!”

Rimos a bom rir, deixamo-lo à galhofa com outros condutores e guias turísticos e fazemo-nos ao caminho. Estávamos no derradeiro território do desfiladeiro e não guardávamos tempo para descontrair nas suas termas de Wenshan, um momento adicional de lazer com que muitos visitantes fazem questão de terminar a exploração de Taroko. Em vez, voltámos a massacrar a pernas em nome de Buda e da descoberta. Seguiu-se uma longa viagem rodoviária pela continuação da Central Cross-Island Highway, até Hsitou, já no lado de lá de Taiwan.

Fish River Canyon, Namíbia

As Entranhas Namibianas de África

Quando nada o faz prever, uma vasta ravina fluvial esventra o extremo meridional da Namíbia. Com 160km de comprimento, 27km de largura e, a espaços, 550 metros de profundidade, o Fish River Canyon é o Grand Canyon de África. E um dos maiores desfiladeiros à face da Terra.

Nantou, Taiwan

No Âmago da Outra China

Nantou é a única província de Taiwan isolada do oceano Pacífico. Quem hoje descobre o coração montanhoso desta região tende a concordar com os navegadores portugueses que baptizaram Taiwan de Formosa.

Iriomote, Japão

Uma Pequena Amazónia Japonesa

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.

Taiwan

Formosa mas Não Segura

Os navegadores portugueses não podiam imaginar o imbróglio reservado à ilha que os encantou. Passados quase 500 anos, Taiwan prospera, algures entre a independência e a integração na grande China.

Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Praia soleada
Arquitectura & Design

Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Flórida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.

O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Verificação da correspondência
Cerimónias e Festividades

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Go Go
Cidades
Banguecoque, Tailândia

Mil e Uma Noites Perdidas

Em 1984, Murray Head cantou a magia e bipolaridade nocturna da capital tailandesa em "One Night in Bangkok". Vários anos, golpes de estado, e manifestações depois, Banguecoque continua sem sono.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Tempo de surf
Cultura

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Recta Final
Desporto

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Em Viagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Paz de "cenote"
Étnico

Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Apocalipse teimou em não chegar. Na Mesoamérica, os maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Herança colonial
História

Lençois da Bahia, Brasil

Nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.

Castelo de Shuri em Naha, Okinawa, Japão
Ilhas
Okinawa, Japão

O Pequeno Império do Sol

Reerguida da devastação causada pela 2ª Guerra Mundial, Okinawa recuperou a herança da sua civilização secular ryukyu. Hoje, este arquipélago a sul de Kyushu abriga um Japão à margem, prendado por um oceano Pacífico turquesa e bafejado por um peculiar tropicalismo nipónico.
Lenha
Inverno Branco

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Silhueta e poema
Literatura

Goiás Velho, Brasil

Uma Escritora à Margem do Mundo

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro

Natureza
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Homem em caique no Lago Saint Clair, Tasmânia, Austrália
Parques Naturais
À Descoberta de Tassie, 2ª Parte, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
No sopé do grande Aratat
Património Mundial UNESCO

Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.

Curiosidade ursa
Personagens

Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.

Baie d'Oro
Praias

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Preces ao fogo
Religião

Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se

Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Erika Mae
Sociedade

Filipinas

Os Donos da Estrada

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas

Gado
Vida Quotidiana

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.

Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Vida Selvagem
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Vale de Kalalau
Voos Panorâmicos

Napali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto a exploramos por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.