Garganta de Taroko, Taiwan

Nas Profundezas de Taiwan


Eternal Spring Shrine
Um santuário budista abençoa uma torrente de água ininterrupta da região e louva as vidas de mais de 200 trabalhadores (militares veteranos) que perderam a vida na construção da Central Cross-Island&n
Conversa conveniente
Visitantes taiwaneses informam-se à entrada de uma ponte que dá acesso a um dos muitos túneis de Taroko.
Meandro rochoso
Leito pedregoso e sinuoso do rio Liwu, o principal curso de água da Garganta de Taroko.
Aventuras fluviais
Visitantes da Garganta de Taroko testam a água límpida do rio Liwu.
À sombra de Taroko
Caminhante admira um desfiladeiro profundo escavado pelo caudal do rio Liwu.
Pagode de Heavenly Summit
O pagode de seis andares que se destaca da vegetação frondosa de Tiangsiang, a última e maior povoação de Taroko.
A ponte de Shakadang
Mais uma das várias pontes que permitiram a continuidade da Central Cross-Island Highway, uma das poucas estradas que atravessa Taiwan de oeste a leste.
Eternal Spring Shrine II
O santuário budista construído na encosta da Eternal Spring, atravessado pela queda d'água constante.
Um trilho iluminado
Estátua de Buda acolhe os visitantes e fiéis ao cimo da encosta de Tiangsiang de que se ergue o pagode de Heavenly Summit.
A entrada dos túneis
Casal percorre a estrada dos Tunnels of Nine Turns, escavados numa encosta de puro mármore.
O Rio Liwu
Pequena lagoa natural formada pelo caudal então diminuto do rio Liwu.
A vertente budista de Taroko
Estátua branca de Buda a meio caminho do pagode de Heavenly Summit, em Tiangsiang.
A caminho da Eternidade
Visitantes percorrem um trilho traiçoeiro escavado na rocha, nas imediações do Eternal Spring Shrine.

Em 1956, taiwaneses cépticos duvidavam que os 20km iniciais da Central Cross-Island Hwy fossem possíveis. O desfiladeiro de mármore que a desafiou é, hoje, o cenário natural mais notável da Formosa.

Só a nós parece divertir a espécie de montanha-russa rodoviária que percorre a costa oriental da ilha principal de Taiwan, entre Suao e Hualien. Os ciclistas inveterados relatam entre si e não só, que, apesar do seu relevo tresloucado, a Formosa é provavelmente o melhor destino asiático para se explorar a pedalar. Maldizem, todavia, este trecho espartilhado entre o oceano Pacífico e o sopé rochoso da Cordilheira Central. Lyndall Pyckering, por exemplo, queixa-se a uma ciclo-comunidade online que mal teve tempo para admirar a paisagem ou sentir a dor nas coxas provocada pelas constantes subidas, tal era a concentração que se via forçado a manter para evitar ser ensanduichado contra os paredões de pedra ou cimento, pelos camiões e autocarros de turismo que disputavam o asfalto.

Ao volante mas da berlina Volvo do patrão, Jack sofria a bom sofrer para evitar que o seu posto de trabalho tivesse o mesmo destino: “maldito trânsito! O governo devia proibir pesados de uma vez por todas nesta costa!” Percebemos que seria esse o seu protesto mesmo se exteriorizado no inglês rudimentar a que já nos havia habituado. Já confiávamos na sua experiência. Por isso mesmo, seguíamos dedicados às secções mais fotogénicas daquele litoral extremo que, por alturas do penhasco de Chingshui, se tornou vertical como nunca. Ali, falésias de montanhas com mais de mil metros mergulhavam, a pique, no mar azulão.

Alguns quilómetros para sul e para o interior, damos entrada em terras de Hsiulin. Este distrito é, há muito, o maior de Taiwan em termos de área. Alberga seis aldeias e tem quase 15500 habitantes, na sua grande maioria de etnia Taroko. Em tempos mais recentes, as etnias aborígenes da ilha e a garganta de Taroko conquistaram tal importância que as autoridades forçaram que Hsiulin mudasse o seu nome para Taroko, termo da etnia truku que significa maravilhoso. Foi alegadamente o que proferiu um indígena dessa tribo quando deixou pela primeira vez o território escavado da garganta e se espantou com o oceano.

Em breve, deixámos essa a vastidão marinha oriental para trás. Entramos num desfiladeiro apertado ora verdejante ora rochoso, de mármore bruto para sermos mais precisos, a razão de ser do seu outro nome, Garganta de Mármore.

Desviamos 2.3 km para oeste da estrada principal e damos com a Eternal Spring Shrine, uma nascente natural profícua e ininterrupta que uma ordem budista abençoou com um santuário atravessado pelo fluxo. Foi erguido em honra dos mais de 200 trabalhadores (militares veteranos) que pereceram na construção arrojada da Central Cross-Island Highway e têm os nomes inscritos em placas de pedra.

Ainda hoje, a Garganta de Taroko e a Eternal Spring Shine reservam os seus riscos, sobretudo se quem as visita é apanhado por tempestades ou tufões, muito frequentes em Taiwan.

Apesar de preferir este novo domínio à estrada marginal frenética que nos trouxe de Taipé, Jack conhece bem os seus perigos. “Cuidado nesse trilho!”, alerta-nos com dramatismo inusitado. “Em tempos, um casal de lua-de-mel posava para fotos junto ao santuário quando foram surpreendidos por uma derrocada!“. Apurámos ainda que aquela encosta já tinha desabado várias vezes e que, desde 1950, o santuário fora reconstruído duas vezes.

Quando regressamos da caminhada e dos salpicos rejuvenescedores da nascente, Jack suspirava de impaciência detrás do seu Taiwan Times amarrotado. “Estava a começar a ficar preocupado” justifica o seu descontentamento ainda e sempre em inglês rudimentar.

Não queremos intensificar o seu desespero. Enfiamo-nos e às mochilas de trabalho no Volvo e arrancamos em direcção às entranhas de Taroko.

Aos 3.6 km, chegamos às imediações da Swallow Grotto, um penhasco pejado de pequenas grutas talhadas por antigas correntes subterrâneas e em que milhares de andorinhas instalaram os seus ninhos.

Para diante, encontramos a ponte suspensa Jinheng e voltamos a atravessar o rio Liwu que percorre todo o desfiladeiro, desta feita, numa inevitável vertigem provocada pelo balanço permanente da estrutura de corda.

Enquanto o cruzamos, percebemos a velocidade drástica com o seu leito profundo se deve inundar vezes sem conta, ao receber o grosso das chuvas torrenciais alimentadas pelo Pacífico sobreaquecido. Após algum esforço, também a forma latente da Yindiaren Rock, um enorme rochedo esculpido pela erosão com a forma de um chefe nativo-americano com o seu cocar.

De volta ao modo rodoviário, cruzamos a ponte colorida Liufang e atingimos o Tunnel of Nine Turns. Ali, o confronto Homem versus Natureza de Taroko assume uma gravidade inédita. A determinada altura, a estrada principal desemboca num desvio que conduz a uma série de túneis curtos escavados no mármore, ao longo da garganta sinuosa e irrigada por quedas d’água que mergulham no rio Liwu, ali agitado por rápidos furiosos.

Caminhamos ao longo destes túneis semi-abertos.  último revela-nos a verdadeira dimensão do cenário

Apenas 2 km para diante, o caprichoso Liwu obriga-nos a nova travessia, a da Bridge of Motherly Devotion.

Esta ponte foi construída pelo ex-Presidente de Taiwan, Chiang Jing-guo, filho de outro bem mais famoso, Chiang Kai-shek pioneiro político-militar da República da China (Taiwan) que viu o seu exército derrotado na guerra civil que grassava China continental e se viu forçado a refugiar na ilha.

Chiang Jing-Guo, inaugurou a ponte em memória da sua mãe, inspirado pelo pai. Chiang Kai-shek, ele próprio, mandara erguer um pavilhão budista em honra da avó de Jing-Guo.

Vencemos os leões de pedra que guardam a sua entrada e contemplamos os enormes calhaus que partilham o caudal farto, agora na companhia de Jack que volta a recorrer um dos seus termos anglófonos preferidos: “Rio doido, não é" ? ” questiona-nos sabendo de cor e salteado que o iríamos confirmar.

Tiangsiang é a última e a maior povoação da Garganta de Taroko. Surge encaixada no seu limiar, com montanhas verdejantes em fundo. Vislumbramos, a destacar-se da vegetação, o pagode de seis andares de Heavenly Summit e um buda dourado que abençoa os visitantes, os que, como nós, se sacrificam a subir o trilho íngreme até ao complexo religioso de Xiangde e os outros que, como o nosso anafado e indolente condutor, se furtavam à pequena peregrinação. “ Lá acima??! Está doido. O Marco está doido, Sara, só pode ser isso!”

Rimos a bom rir, deixamo-lo à galhofa com outros condutores e guias turísticos e fazemo-nos ao caminho. Estávamos no derradeiro território do desfiladeiro e não guardávamos tempo para descontrair nas suas termas de Wenshan, um momento adicional de lazer com que muitos visitantes fazem questão de terminar a exploração de Taroko. Em vez, voltámos a massacrar a pernas em nome de Buda e da descoberta. Seguiu-se uma longa viagem rodoviária pela continuação da Central Cross-Island Highway, até Hsitou, já no lado de lá de Taiwan.

Fish River Canyon, Namíbia

As Entranhas Namibianas de África

Quando nada o faz prever, uma vasta ravina fluvial esventra o extremo meridional da Namíbia. Com 160km de comprimento, 27km de largura e, a espaços, 550 metros de profundidade, o Fish River Canyon é o Grand Canyon de África. E um dos maiores desfiladeiros à face da Terra.

Nantou, Taiwan

No Âmago da Outra China

Nantou é a única província de Taiwan isolada do oceano Pacífico. Quem hoje descobre o coração montanhoso desta região tende a concordar com os navegadores portugueses que baptizaram Taiwan de Formosa.

Iriomote, Japão

Iriomote, uma Pequena Amazónia do Japão Tropical

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.
Taiwan

Formosa mas Não Segura

Os navegadores portugueses não podiam imaginar o imbróglio reservado a Formosa. Passados quase 500 anos, mesmo insegura do seu futuro, Taiwan prospera. Algures entre a independência e a integração na grande China.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Safari
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Cerimónias e Festividades
Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.
Tequila, cidade de Jalisco, México, jima
Cidades
Tequila, JaliscoMéxico

Tequila: a Destilação do Oeste Mexicano que Anima o Mundo

Desiludidos com a falta de vinho e de aguardente, os Conquistadores do México aprimoraram a aptidão indígena milenar de produzir álcool. No século XVII, os espanhóis estavam satisfeitos com a sua pinga e começaram a exportá-la. A partir de Tequila, o pueblo, hoje, centro de região demarcada. E nome por que se tornou famosa.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Verão Escarlate
Cultura

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Sal Muito Grosso
Em Viagem
Salta e Jujuy, Argentina

Pelas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.
Pequeno navegador
Étnico
Honiara e Gizo, Ilhas Salomão

O Templo Profanado das Ilhas Salomão

Um navegador espanhol baptizou-as, ansioso por riquezas como as do rei bíblico. Assoladas pela 2ª Guerra Mundial, por conflitos e catástrofes naturais, as Ilhas Salomão estão longe da prosperidade.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

ilha de Praslin, cocos do mar, Seychelles, Enseada do Éden
História
Praslin, Seichelles

O Éden dos Enigmáticos Cocos-do-Mar

Durante séculos, os marinheiros árabes e europeus acreditaram que a maior semente do mundo, que encontravam nos litorais do Índico com forma de quadris voluptuosos de mulher, provinha de uma árvore mítica no fundo dos oceanos.  A ilha sensual que sempre os gerou deixou-nos extasiados.
Vertente leste do vulcão, Ilha do Fogo, Cabo Verde
Ilhas
Ilha do Fogo, Cabo Verde

À Volta do Fogo

Ditaram o tempo e as leis da geomorfologia que a ilha-vulcão do Fogo se arredondasse como nenhuma outra em Cabo Verde. À descoberta deste arquipélago exuberante da Macaronésia, circundamo-la contra os ponteiros do relógio. Deslumbramo-nos no mesmo sentido.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
Natureza
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Rede em Palmeiras, Praia de Uricao-Mar das caraibas, Venezuela
Parques Naturais
PN Henri Pittier, Venezuela

PN Henri Pittier: entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou
Mahé Ilhas das Seychelles, amigos da praia
Património Mundial UNESCO
Mahé, Seychelles

A Ilha Grande das Pequenas Seychelles

Mahé é maior das ilhas do país mais diminuto de África. Alberga a capital da nação e quase todos os seichelenses. Mas não só. Na sua relativa pequenez, oculta um mundo tropical deslumbrante, feito de selva montanhosa que se funde com o Índico em enseadas de todos os tons de mar.
Verificação da correspondência
Personagens
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Cabana de Bay Watch, Miami beach, praia, Florida, Estados Unidos,
Praias
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É manifestamente parco para o número de almas que a desejam.
Templo Kongobuji
Religião
Monte Koya, Japão

A Meio Caminho do Nirvana

Segundo algumas doutrinas do budismo, são necessárias várias vidas para atingir a iluminação. O ramo shingon defende que se consegue numa só. A partir do Monte Koya, pode ser ainda mais fácil.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre Carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Sociedade
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Vida Selvagem
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
PT EN ES FR DE IT