Iriomote, Japão

Iriomote, uma Pequena Amazónia do Japão Tropical


Vai-e-vem fluvial
Embarcação navega rio Urauchi acima, no coração da selva densa de Iriomote.
De volta à foz do Urauchi
Caminhante japonesa progride num trilho irregular numa margem do rio Urauchi.
Fluxo Tropical
Pequena cascata a caminho do principal caudal do norte de Iriomote, o rio Urauchi.
Yamaneko
Sinal de trânsito alerta aos condutores para abrandarem para evitarem atingir os cada vez mais raros linces endémicos de Iriomote.
Leito Inavegável
Secção pedregosa do rio Urauchi, em breve substancialmente mais coberta de água devido ao intensificar das chuvas de monção.
Chapéus-de-chuva a bordo
Assentos de uma embarcação o rio Urauchi, equipada com chapéus-de-chuva para que os passageiros se protejam da chuva tropical.
Abrigo Militar
Uma gruta usada para esconderijo e protecção pelos soldados japoneses durante a 2ª Guerra Mundial.
Organização gastronómica
Refeição típica de Iriomote cuidadosamente disposta numa caixa tradicional bento.
‘Kampire-no-taki’
A queda d'água de Kampire, conhecida como o lugar em que se sentam os deuses.
De um lado ao outro do tunel
Sinal em nipónico proíbe a entrada num velho túnel escavado pelo exército imperial nipónico, nas imediações da aldeia de Funauki.
Uma História de Carvão
Painel expõe imagens, mapas e documentos antigos que explicam a importância das minas de carvão de Iriomote.
Praia de Ida
Ida: uma praia sub-tropical de Iriomote, por norma com um mar bastante mais apelativo fora do período das monções desta zona da Ásia.
Queda de água solitária
Queda de água flui na imensidão de selva de Iriomote.
Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.

Good Morning, Marucu and Sara!” São 8 da manhã.

Mantemo-nos dolorosamente ensonados quando recebemos os bons dias da sempre sorridente Kaori Kinjo, que recorre ao trejeito habitual dos japoneses de multiplicar os “us”, nas palavras, para melhor as articularem.

Deixamos a guest house Rakutenya de Ishigaki e saímos, na sua companhia, em direcção ao porto de Rito-Sanbashi. Uma vez chegados, aguardamos pelo anúncio do embarque no ferry para Uehara – um vilarejo portuário de Iriomote – numa sala que não destoria de um pequeno aeroporto.

Tão impacientes como curiosos, saímos vezes sem conta e examinamos as lojas e os escritórios daquela infraestrutura e as bases operacionais de uma ou outra agência turística local. Mas não vemos um único estrangeiro.

Nem sequer japoneses veraneantes. Ao invés, os funcionários do porto e passageiros habitantes de Ishigaki e do restante arquipélago Yayeama olham-nos de alto a baixo, como se não encontrassem qualquer razão para ali andarmos e não nos compreendessem as feições tão díspares.

Embarque Rumo à Outra Ilha Yayeama de Iriomote

Não obstante, Kaori assegura-nos no tom o mais convincente possível: ”A semana passada foi a nossa Golden Week. Muitos japoneses das ilhas principais estavam de férias. Tínhamos dezenas de autocarros repletos às voltas por Iriomote. Agora, voltaram todos a casa. Entretanto, vieram as monções.”

É hora de entrarmos no ferry, uma embarcação delgada e de visual sofisticado, simultaneamente hidro e aerodinâmica. Mal zarpa, aquela espécie de torpedo flutuante atinge uma velocidade impressionante, com a proa bem elevada acima de um mar da China Oriental bastante encrespado. “Mas olhem que estes já são modelos antigos.” diz-nos Kaori. “Em Honshu, é que usam barcos realmente futuristas!”.

Meia-hora depois, atracamos em Iriomote. Do porto de Uehara, seguimos directos para a foz do rio Urauchi, um dos vários caudais sinuosos, lamacentos e remotos que serpenteiam pela ilha e lhe conferem um visual de mini-Amazónia das Ásias.

'Kampire-no-taki'

A queda d’água de Kampire, conhecida como o lugar em que se sentam os deuses.

Iriomote é tropical como nenhum outro domínio meridional japonês. Por aquela altura, as monções do sudeste asiático já estão instaladas. Se o calor se provava opressivo, mais o era a humidade, mantida por uma cobertura persistente de nuvens ora brancas, ora plúmbeas.

E Novo Embarque Rio Urauchi Acima

Enquanto uma barca colorida e silenciosa nos conduz rio acima, ao longo da selva cerrada, confirmamos como a humidade permanente e as chuvas torrenciais alimentavam o Urauchi. E como o rio flui das terras altas a grande velocidade para depois atingir a planura e se entregar primeiro aos vastos manguezais.

Vai-e-vem fluvial

Embarcação navega rio Urauchi acima, no coração da selva densa de Iriomote.

Pouco depois, a um oceano Pacífico que, ali e por aqueles dias, não podia fazer melhor jus ao baptismo de Fernão Magalhães.

Atingido o ponto em que termina o leito navegável desembarcamos. Sentimo-nos anestesiados pelo calor, pelo silêncio e pela beleza algo estéril do lugar. A partir daí, seguimos a pé, subsumidos na floresta encharcada da ilha e em busca de Mariyudo-no-taki, uma das suas quedas de água imponentes.

Queda de água flui na imensidão de selva de Iriomote.

Nos vários quilómetros luxuriantes e ensopados do trilho, cruzamo-nos com um ou outro morador de Iriomote que se exercita no mesmo percurso de olho na ameaça latente das víboras habu, cuja mordedura requer uma injecção pouco demorada do antídoto correcto.

O Fundo Tropical, Última Fronteira do Japão

Apesar de se situar a apenas 20km para oeste de Ishigaki e alguns adicionais para leste de Taiwan, a ilha mais populosa do arquipélago Yayeama, Iriomote é, há muito, considerada a última fronteira do Japão.

Com quase 300 km², prova-se a maior ilha deste sub-arquipélago de Okinawa. Tem apenas 2000 habitantes e uma única estrada que liga as povoações ínfimas das costas norte e leste.

Até ao fim da 2ª Guerra Mundial, às selvas densas e os pântanos de Iriomote mantinham-se infestados de malária. Iriomote praticamente não acolhia habitantes.

De volta à foz do Urauchi

Caminhante japonesa progride num trilho irregular numa margem do rio Urauchi.

O Fim da Malária e a Preservação dos Linces Yamaneko

Esse foi um dos problemas que as tropas dos Estados Unidos conseguiram resolver em definitivo quando introduziram na ilha um tal de Wheeler Plan.

Este plano preconizava o ataque aos mosquitos anofeles com recurso a DTT em vez da aniquilação do parasita da malária já nos corpos dos pacientes, como era feito desde 1920, pelo governo regional de Taiwan, então uma posse territorial nipónica.

Como consequência indirecta, o número de habitantes de Iriomote aumentou. Por esse motivo, a fauna local e, em especial, os furtivos yamanekos – os linces autóctones – são agora forçados a evitar os humanos. Tanto os que se mudaram para o seu território como os que chegam, de tempos a tempos, de outras partes do Japão, entusiasmados pela aventura de explorarem a mais bravia das ilhas nipónicas. 

Já só sobram à volta de cem espécimes do felídeo. O único lugar onde são avistados de forma garantida é nos sinais de trânsito amarelos que, para protecção da espécie, as autoridades disseminaram pela ilha.

YamanekoAproveitamos a escassez do felídeo para brincarmos com os guias sempre contidos e disciplinados. De cada vez que avistamos algum gato doméstico ou vadio, aproveitamos para gritar “yamaneko”. Como é de esperar, só os dois primeiros desses falsos alertas despertam verdadeira atenção.

Terminamos o percurso. Admiramos a queda de água de Maryudo, a de Kampire. E, ao longe, a cascata Mayagusuku. Depois, regressamos ao ponto de partida do trilho e, no mesmo barco, de novo à foz do Urauchi.

Jantar com Banda Sonora em Português

Dali, levam-nos ao restaurante-esplanada de um hotel quase vazio onde é suposto recuperarmos energias a saborearmos comida típica de Iriomote.

O repasto é-nos servido sem mácula, organizado de forma geométrica nos compartimentos de uma caixa bento tradicional e elegante que ocupa a maior parte da mesa.

Organização gastronómica

Refeição típica de Iriomote cuidadosamente disposta numa caixa tradicional bento.

Não percebemos se a escolha musical havia sido intencional ou mera coincidência. O que é certo é que, durante toda a refeição, o restaurante só passou temas cantados – pelo menos em parte – em português do Brasil. Foi o caso da recordação surpreendente de “Underwater Love” dos ingleses Smoke City.

Até ao fim do dia, limitamo-nos a restabelecer-nos do cansaço gerado pela caminhada íngreme da manhã e pela humidade atroz que só parecia aumentar.

Shirahama, Uchibanare-Jima e Funauki: Recantos Insulares e Repletos de História

Pouco depois da nova alvorada, viajamos primeiro até Shirahama, logo para Uchibanare-Jima, onde visitamos uma das minas de carvão históricas de Iriomote.

Abrigo Militar

Uma gruta usada para esconderijo e protecção pelos soldados japoneses durante a 2ª Guerra Mundial.

De 1891 a 1960, 1400 mineiros chegaram a retirar do subsolo da ilha, no período anual de maior produção, cerca de 130 mil toneladas deste combustível fóssil.

Tal como Iriomote, em geral, Uchibanare foi alvo dos bombardeamentos norte-americanos que tentaram terminar com esta extracção e anteciparam a conquista árdua de Okinawa e os bombardeamentos nucleares de Hiroshima e Nagasaki.

Uma História de Carvão

Painel expõe imagens, mapas e documentos antigos que explicam a importância das minas de carvão de Iriomote.

Em Funauki – uma pequena povoação portuária – inspeccionamos uma fábrica de pérolas mas também abrigos e túneis militares preservados.

O guia que tomara o lugar de Kaori era nativo da aldeia. Tinha emigrado para estudar russo, em Moscovo, um ano antes da desintegração da União Soviética. Viajou o mais que pôde pelas novas nações que dela emergiram. “Quando vos ouvi falar, pensava que era russo mas como, depois, não identifiquei nenhuma palavra, vi que me equivocava”.

A sua esposa havia escolhido abrigar-se no extremo oposto da moribunda Guerra Fria. Tinha estudado em Michigan e falava um inglês bem melhor que o do marido. O casal produzia o jornal de Iriomote. Só muito a espaços publicavam notícias da aldeia

Depressa percebemos porquê. Não passavam de 41 os habitantes de Funauki. Pouco ou nada por ali se passava.

À data, eram apenas três os alunos da escola local que empregava apenas nove professores, o presidente, o vice-presidente, uma enfermeira e duas cozinheiras. Isto, por capricho do governo regional que fazia questão de compensar o isolamento do lugarejo.

Praia de Ida

Ida: uma praia sub-tropical de Iriomote, por norma com um mar bastante mais apelativo fora do período das monções desta zona da Ásia.

“Nós não nos queixamos” afiança-nos o casal, habituado à sua vida retirada e pacata. “Para os miúdos é que é pior. A três, é-lhes mesmo impossível fazerem actividades ou jogos de grupo. É raro por aqui aparecem outros amigos.”

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Okinawa, Japão

Danças de Ryukyu: têm séculos. Não têm grandes pressas.

O reino Ryukyu prosperou até ao século XIX como entreposto comercial da China e do Japão. Da estética cultural desenvolvida pela sua aristocracia cortesã contaram-se vários estilos de dança vagarosa.
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.

Garganta de Taroko, Taiwan

Nas Profundezas de Taiwan

Em 1956, taiwaneses cépticos duvidavam que os 20km iniciais da Central Cross-Island Hwy fossem possíveis. O desfiladeiro de mármore que a desafiou é, hoje, o cenário natural mais notável da Formosa.

Okinawa, Japão

O Pequeno Império do Sol

Reerguida da devastação causada pela 2ª Guerra Mundial, Okinawa recuperou a herança da sua civilização secular ryukyu. Hoje, este arquipélago a sul de Kyushu abriga um Japão à margem, prendado por um oceano Pacífico turquesa e bafejado por um peculiar tropicalismo nipónico.
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
Cena de rua, Guadalupe, Caribe, Efeito Borboleta, Antilhas Francesas
Parques nacionais
Guadalupe, Antilhas Francesas

Guadalupe: Um Caribe Delicioso, em Contra-Efeito Borboleta

Guadalupe tem a forma de uma mariposa. Basta uma volta por esta Antilha para perceber porque a população se rege pelo mote Pas Ni Problem e levanta o mínimo de ondas, apesar das muitas contrariedades.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Competição do Alaskan Lumberjack Show, Ketchikan, Alasca, EUA
Arquitectura & Design
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
A Crucificação em Helsínquia
Cerimónias e Festividades
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
Cores e sombras
Cidades

Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.

Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Casal Gótico
Cultura

Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
A Toy Train story
Em Viagem
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Étnico
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Do lado de cá do Atlântico
História

Ilha de Goreia, Senegal

Uma Ilha Escrava da Escravatura

Foram vários milhões ou apenas milhares os escravos a passar por Goreia a caminho das Américas? Seja qual for a verdade, esta pequena ilha senegalesa nunca se libertará do jugo do seu simbolismo.​

Teleférico Achadas da Cruz à Quebrada Nova, Ilha da Madeira, Portugal
Ilhas
Paul do Mar a Quebrada Nova, Madeira, Portugal

À Descoberta da Finisterra Madeirense

Curva atrás de curva, túnel atrás de túnel, chegamos ao sul solarengo e festivo de Paul do Mar. Arrepiamo-nos com a descida ao retiro vertiginoso da Quebrada Nova. Voltamos a ascender e deslumbramo-nos com o cabo derradeiro de Ponta do Pargo. Tudo isto, nos confins ocidentais da Madeira.
Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Repouso anfíbio
Natureza

Mar Morto, Israel

À Tona d’água, nas profundezas da Terra

É o lugar mais baixo à superfície do planeta e palco de várias narrativas bíblicas. Mas o Mar Morto também é especial pela concentração de sal que inviabiliza a vida mas sustém quem nele se banha. 

Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Parques Naturais
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Entrada para a Cidade das Areias de Dunhuang, China
Património Mundial UNESCO
Dunhuang, China

Um Oásis na China das Areias

A milhares de quilómetros para oeste de Pequim, a Grande Muralha tem o seu extremo ocidental e a China é outra. Um inesperado salpicado de verde vegetal quebra a vastidão árida em redor. Anuncia Dunhuang, antigo entreposto crucial da Rota da Seda, hoje, uma cidade intrigante na base das maiores dunas da Ásia.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.
vista monte Teurafaatiu, Maupiti, Ilhas sociedade, Polinesia Francesa
Praias
Maupiti, Polinésia Francesa

Uma Sociedade à Margem

À sombra da fama quase planetária da vizinha Bora Bora, Maupiti é remota, pouco habitada e ainda menos desenvolvida. Os seus habitantes sentem-se abandonados mas quem a visita agradece o abandono.
Queima de preces, Festival de Ohitaki, templo de fushimi, quioto, japao
Religião
Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Nissan, Moda, Toquio, Japao
Sociedade
Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Cabo da Cruz, colónia focas, cape cross focas, Namíbia
Vida Selvagem
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.