Tóquio, Japão

O Imperador sem Império


Torre Fushimi Yagura
Uma das torres do palácio Imperial japonês que recuperou o castelo de Edo.
Excitação
Súbditos nipónicos acenam ao imperador prestes a entrar no palácio imperial.
Pinheiros
Floresta urbana de pinheiros antecede uma área de quase-arranha-céus de Tóquio.
Trânsito interrompido
Polícia barra o trânsito durante a entrada do Imperador no palácio imperial.
Ciclo-Segurança
Segurança do palácio imperial numa bicicleta clássica.
Fotos em uniforme
Jovens estudantes fotografam o palácio imperial.
O Imperador
Imperador Akihito acena aos súbditos de dentro da limousine imperial.
A postos
Guarda Imperial em sentido junto ao seu abrigo.
Fotógrafos
Fotógrafos a postos junto a um plano com a Torre Fushimi Yagura do palácio imperial em fundo.
Hospedeiras em conferência
Hospedeiras de comboios shinkansen discutem planos de trabalho em frente ao palácio imperial.
De saída
O imperador japonês percorre a área em redor do palácio imperial a bordo de uma limusine e seguido por uma longa escolta.
Foto de grupo
Grupo de alunos é fotografado com o palácio imperial em fundo.
Torre Fushimi Yagura (+ próximo)
Plano aproximado da Torre Fushimi Yagura, parte do palácio imperial de Tóquio.
Excursão juvenil
Fila de alunos de um colégio move-se em direcção da torre Fushimi Yagura do palácio imperial.
Um Outono Imperial
Folhas outonais dão mais cor às muralhas sólidas do palácio do imperador, antigo castelo de Edo (a povoação antecessora de Tóquio).
Após a capitulação na 2ª Guerra Mundial, o Japão submeteu-se a uma constituição que encerrou um dos mais longos impérios da História. O imperador japonês é, hoje, o único monarca a reinar sem império.

O palácio imperial impõe-se à cidade como uma das mais marcantes viagens ao passado de Tóquio.

Quando emergimos da sofisticação tecnológica da estação de metro de Otemashi examinamos a realidade em redor. Deslumbramo-nos.

Para trás, salta à vista um núcleo pouco uniforme mas harmonioso de edifícios de escritórios modernos, dois ou três deles quase arranha-céus, outros, mais baixos.

Ao nível do solo, quase até à base destes prédios, estende-se uma floresta urbana de pinheiros verdejantes que mais parecem ter sido aparados por uma equipa de Eduardos Mãos de Tesoura.

selva urbana, pinheiros, imperador sem imperio, toquio, japao

Floresta urbana de pinheiros antecede uma área de quase-arranha-céus de Tóquio.

Entre os pinheiros e o palácio, alonga-se uma vasta área coberta de brita cinzenta só interrompida pelo asfalto mais escuro que dá acesso ao palácio.

Detectamos o muro do antigo castelo de Edo e um estranho alinhamento de pessoas que lhe virou as costas e parece esperar algo.

Ocorre-nos atravessar o asfalto que nos separa delas para verificarmos afinal que se passava. Não vamos longe.

Um polícia grita em nipónico e gesticula para voltarmos para trás.

Fiéis ao objectivo inicial, submetemo-nos a uma volta bem maior. Quando chegamos ao outro lado, a ansiedade tomou conta do grupo que resiste ao frio, de máquinas fotográficas em riste.

Da (E) Iminência à Saudação do Imperador Japonês

Ouvem-se sirenes ao longe. Surgem polícias-batedores em motorizadas volumosas, seguidos por um cortejo composto por sete viaturas negras e uma última, também policial.

visitantes, acenam, imperador sem imperio, toquio, japao

Súbditos nipónicos acenam ao imperador prestes a entrar no palácio imperial.

A pequena multidão entra em frenesim, mais ainda as mulheres que trocam exclamações histéricas, acenam e batem palmas tão comovidas como fora de si.

Abre-se a janela traseira de um dos carros, destacado pela configuração de limusine clássica e por uma bandeira vermelha que esvoaça sobre o meio do capô.

transito interrompido, entrada imperador, imperador sem imperio, toquio, japao

Polícia barra o trânsito durante a entrada do Imperador no palácio imperial.

Um homem de fato, ar cândido e cabelo grisalho revela-se do interior, acena de volta aos admiradores e leva-os a um óbvio êxtase. O cortejo não pára mas abranda.

Em três tempos, desaparece para o interior do jardim do palácio. A multidão rejubila. Dezenas de súbditos nipónicos acabavam de ver o seu imperador. Como se não bastasse, o imperador tinha-os saudado.

imperador, akihito, limousine-acena, imperador sem imperio, toquio, japao

Imperador Akihito acena aos súbditos de dentro da limousine imperial.

No que nos dizia respeito, sem sabermos muito bem como, tínhamos acabado de ver o imperador do Japão. O imperador do Japão tinha-nos saudado.

À partida, a probabilidade deste encontro era semelhante à de se achar um outro imperador ainda no activo à face da Terra: zero.

A Casa Imperial em Cargo Mais Longeva

A casa imperial nipónica mantém-se como a monarquia hereditária mais antiga do mundo a exercer em continuidade. A sua origem é tão ancestral que cai num vazio de rigor, apesar de constar num livro de história japonesa do século VIII que foi fundada em 660. a.C.

No largo período decorrido, o poder do imperador japonês alternou entre um quase total simbolismo e uma verdadeira regência imperial. Mas, na maior parte do tempo – apesar de nominalmente apontados pelo imperador – os verdadeiros líderes japoneses foram os xóguns.

guarda imperial, abrigo, palacio imperial, imperador sem imperio, toquio, japao

Guarda Imperial em sentido junto ao seu abrigo.

Estes senhores feudais disputaram o território nipónico até à entrada em cena da Restauração Meiji, que promoveu o imperador à personificação de todo o poder do reino.

Os exploradores portugueses, pioneiros europeus na chegada ao Japão, compararam-no ao Papa: com grande autoridade simbólica mas soberania limitada.

A Capitulação Forçada que Encerrou a 2ª Guerra Mundial

Após estender-se pela Ásia e Pacífico do final do século XIX até 1945, o Império do Sol capitulou em pouco mais que um ano perante os exércitos aliados. Foi reconduzido ao seu arquipélago ponto de partida e dissolvido, em 1947, durante a ocupação dos E.U.A. que estiveram na base da criação da nova constituição nipónica.

outono, palacio imperial, imperador sem imperio, toquio, japao

Folhas outonais dão mais cor às muralhas sólidas do palácio do imperador, antigo castelo de Edo (a povoação antecessora de Tóquio).

Hirohito foi poupado pelos norte-americanos a condenações por crimes de guerra e preservado no poder com o estatuto de “símbolo do estado e da unidade do povo”. Morreu, em 1989. Akihito ocupou então aquele que é conhecido pelo trono crisântemo.

Este último imperador é venerado da forma que tínhamos acabado de assistir – e de outras bem mais zelosas ou até fanáticas – como descendente directo de Amaterasu, deusa xintoísta do Sol e do Universo, de acordo, a mais alta autoridade terrena desta religião.

Da Capital Imperial de Quioto, o Âmago de Edo e, logo, de Tóquio

Durante onze séculos, os imperadores japoneses residiram em Quioto. A partir do meio do século XIV, a residência oficial – Kokyo – foi mudada para o castelo de Edo, no coração de Tóquio.

palacio imperial, torre fushimi yagura, imperador sem imperio, toquio, japao

Uma das torres do palácio Imperial japonês que recuperou o castelo de Edo.

O seu edifício principal continuava à nossa frente, abrigado sobre muralhas interiores, para diante da ponte Nijubashi, no cimo de uma colina e entre árvores frondosas.

Vemos dezenas de alunos nipónicos vestidos de negro avançarem em fila ao longo da gravilha.

Chegados à ponte, formam com este cenário como fundo e um fotografo, à boa maneira japonesa munido de tripé, regista a imagem dos jovens súbditos para a posteridade.

estudantes, arranha ceus, imperador sem imperio, toquio, japao

Fila de alunos de um colégio move-se em direcção da torre Fushimi Yagura do palácio imperial.

A estação central de Tóquio não está longe. Partem dela a toda a hora comboios-bala shinkansen destinados às principais cidades do país e equipados com uma hospedeira para cada carruagem.

Entretanto, um grupo destas trabalhadoras nos seus uniformes elegantes aflui ao lugar com o mesmo propósito dos estudantes.

hospedeiras, conferencia, imperador sem imperio, toquio,japao

Hospedeiras de comboios shinkansen discutem planos de trabalho em frente ao palácio imperial.

No início do século XXI, estas e outras japonesas quase foram prendadas com uma revolução na sempre tradicionalista relação de género nipónica.

A Crise Sucessória do Palácio Imperial do Japão

Por essa altura, o Príncipe Akishino (segundo filho de Akihito)  mantinha-se o único elemento masculino nascido no seio da família imperial desde 1965.

Com a sucessão em risco, a Casa Imperial decidiu formar um conselho para ponderar a hipótese de uma mulher poder suceder ao Imperador. 

seguranca do palacio, bicicleta, imperador sem imperio, toquio, japao

Segurança do palácio imperial numa bicicleta clássica.

Mas, em 2006, Akishino e a princesa Kiko geraram um príncipe, Hisahito. Pouco depois, o conselho manteve que a sucessão deveria continuar a fazer-se no masculino.

Acontece que Naruhito – o primogénito e provável sucessor do imperador actual – só tem uma filha. O que decidirão os japoneses quando a sucessão voltar a estar em perigo?

Nikko, Japão

O Derradeiro Cortejo do Xogum Tokugawa

Em 1600, Ieyasu Tokugawa inaugurou um xogunato que uniu o Japão por 250 anos. Em sua homenagem, Nikko re-encena, todos os anos, a transladação medieval do general para o mausoléu faustoso de Toshogu.
Okinawa, Japão

O Pequeno Império do Sol

Reerguida da devastação causada pela 2ª Guerra Mundial, Okinawa recuperou a herança da sua civilização secular ryukyu. Hoje, este arquipélago a sul de Kyushu abriga um Japão à margem, prendado por um oceano Pacífico turquesa e bafejado por um peculiar tropicalismo nipónico.
Tongatapu, Tonga

A Última Monarquia da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma outra monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.
Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Higurashi no Naku Koro ni” foi uma série de animação nipónica e jogo de computador com enorme sucesso. Em Ogimashi, aldeia de Shirakawa-Go, convivemos com um grupo de kigurumis das suas personagens.
Hiroxima, Japão

Hiroxima: uma Cidade Rendida à Paz

Em 6 de Agosto de 1945, Hiroxima sucumbiu à explosão da primeira bomba atómica usada em guerra. Volvidos 70 anos, a cidade luta pela memória da tragédia e para que as armas nucleares sejam erradicadas até 2020.
Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.
Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se.
Tóquio, Japão

Fotografia Tipo-Passe à Japonesa

No fim da década de 80, duas multinacionais nipónicas já viam as fotocabines convencionais como peças de museu. Transformaram-nas em máquinas revolucionárias e o Japão rendeu-se ao fenómeno Purikura.
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Tóquio, Japão

Ronronares Descartáveis

Tóquio é a maior das metrópoles mas, nos seus apartamentos exíguos, não há lugar para mascotes. Empresários nipónicos detectaram a lacuna e lançaram "gatis" em que os afectos felinos se pagam à hora.
Takayama, Japão

Takayama do Japão Antigo e da Hida Medieval

Em três das suas ruas, Takayama retém uma arquitectura tradicional de madeira e concentra velhas lojas e produtoras de saquê. Em redor, aproxima-se dos 100.000 habitantes e rende-se à modernidade.
Quioto, Japão

Um Japão Milenar Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Okinawa, Japão

Danças de Ryukyu: têm séculos. Não têm grandes pressas.

O reino Ryukyu prosperou até ao século XIX como entreposto comercial da China e do Japão. Da estética cultural desenvolvida pela sua aristocracia cortesã contaram-se vários estilos de dança vagarosa.
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
Iriomote, Japão

Iriomote, uma Pequena Amazónia do Japão Tropical

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
Ogimashi, Japão

Uma Aldeia Fiel ao A

Ogimashi revela uma herança fascinante da adaptabilidade nipónica. Situada num dos locais mais nevosos à face da Terra, esta povoação aperfeiçoou casas com verdadeiras estruturas anti-colapso.
Magome-Tsumago, Japão

Magome a Tsumago: o Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o xogum Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é percorrido por uma turba ansiosa por evasão.
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 5º - Ngawal a BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Casario tradicional, Bergen, Noruega
Arquitectura & Design
Bergen, Noruega

O Grande Porto Hanseático da Noruega

Já povoada no início do século XI, Bergen chegou a capital, monopolizou o comércio do norte norueguês e, até 1830, manteve-se uma das maiores cidades da Escandinávia. Hoje, Oslo lidera a nação. Bergen continua a destacar-se pela sua exuberância arquitectónica, urbanística e histórica.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Kente Festival Agotime, Gana, ouro
Cerimónias e Festividades
Kumasi a Kpetoe, Gana

Uma Viagem-Celebração da Moda Tradicional Ganesa

Após algum tempo na grande capital ganesa ashanti cruzamos o país até junto à fronteira com o Togo. Os motivos para esta longa travessia foram os do kente, um tecido de tal maneira reverenciado no Gana que diversos chefes tribais lhe dedicam todos os anos um faustoso festival.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Cidades
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Mini-snorkeling
Cultura
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Cenário marciano do Deserto Branco, Egipto
Em Viagem
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
Creel, Chihuahua, Carlos Venzor, coleccionador, museu
Étnico
Chihuahua a Creel, Chihuahua, México

A Caminho de Creel

Com Chihuahua para trás, apontamos a sudoeste e a terras ainda mais elevadas do norte mexicano. Junto a Ciudad Cuauhtémoc, visitamos um ancião menonita. Em redor de Creel, convivemos, pela primeira vez, com a comunidade indígena Rarámuri da Serra de Tarahumara.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Montanha da Mesa vista a partir de Waterfront, Cidade do Cabo, África do Sul
História
Table Mountain, África do Sul

À Mesa do Adamastor

Dos tempos primordiais das Descobertas à actualidade, a Montanha da Mesa sempre se destacou acima da imensidão sul-africana e dos oceanos em redor. Os séculos passaram e a Cidade do Cabo expandiu-se a seus pés. Tanto os capetonians como os forasteiros de visita se habituaram a contemplar, a ascender e a venerar esta meseta imponente e mítica.
Salto para a frente, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu
Ilhas
Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.
Quebra-Gelo Sampo, Kemi, Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Sombra vs Luz
Literatura
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Cumbre Vieja, La Palma, erupção, Tsunami,Um Apocalipse Televisionado
Natureza
La Palma, CanáriasEspanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Hipopótamo na Lagoa de Anôr, Ilha de Orango, Bijagós, Guiné Bissau
Parques Naturais
Ilha Kéré a Orango, Bijagós, Guiné Bissau

Em Busca dos Hipopótamos Lacustres-Marinhos e Sagrados das Bijagós

São os mamíferos mais letais de África e, no arquipélago das Bijagós, preservados e venerados. Em virtude da nossa admiração particular, juntamo-nos a uma expedição na sua demanda. Com partida na ilha de Kéré e fortuna no interior da de Orango.
Visitante, Michaelmas Cay, Grande Barreira de Recife, Australia
Património Mundial UNESCO
Michaelmas Cay, Austrália

A Milhas do Natal (parte I)

Na Austrália, vivemos o mais incaracterístico dos 24os de Dezembro. Zarpamos para o Mar de Coral e desembarcamos num ilhéu idílico que partilhamos com gaivinas-de-bico-laranja e outras aves.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
ilha Martinica, Antilhas Francesas, Caraíbas Monumento Cap 110
Praias
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Gravuras, Templo Karnak, Luxor, Egipto
Religião
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou o Templo de Karnak e a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
A Toy Train story
Sobre Carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Sociedade
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.