Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério


Esticadores naturais
Jovens testam a resistência de lianas que suportam a torre de saltos.
Air Vanuatu
Habitantes acompanham um avião da Air Vanuatu.
De Partida
Mulher e criança seguem a trajectória de um avião da Air Vanuatu, na pista de Lanorore.
Em Paz
Jovem repousa sobre a parte detrás da base da torre de saltos
Jovens espectadoras
Crianças observam a coreografia levada a cabo pelos adultos na base da torre de saltos de Pentecostes.
A caminho de Lanorore
Nativos aproximam-se de Lanorore pelo litoral com a ilha vizinha de Ambae em fundo.
Naghol-pentecostes-bungee-jumping-homens-de-olho-no-salto
Raparigas acompanham a acção dos saltadores no cimo da torre.
Irmãos-Toranja
Crianças dirigem-se para o lugar da cerimónia de Pentecostes pela praia e a comerem enormes toranjas.
Naghol-pentecostes-bungee-jumping-homens-nativa
Mulher da aldeia de Lonorore cobre os seios algo envergonhada entre os valores tribais e os ocidentais
Saltador dopado
Saltador de Naghol com os olhos vermelhos devido ao consumo de drogas naturais que facilitam o salto Naghol.
Nanbawan netwok
Outdoor promove a empresa de comunicaçoes móveis Digicel.
Piolho ??
Irmã mais velha cata uma menina no intervalo de dois saltos.
Pleno salto
Saltador prepara os braços para se proteger de um eventual impacto no solo.
Puro salto
Mais um jovem em pleno ar, nesta ocasião, após saltar de uma plataforma intermédia da torre.
Teste de solidez
Homem de Pentecostes examina a solidez da torre de saltos.
Saltador entre pares
Um dos saltadores convive com outros jovens de Pentecostes, pouco antes do seu salto
Mulheres preocupadas
Mulheres observam o momento de mais um salto Naghol, preocupada com a sorte dos seus jovens
Namba garrida
Cápsula vegetal que distingue dois tipos tribais de Vanuatu, os Big Nambas e os Small Nambas, consoante o tamanho da cápsula.
Cimo da torre
Um dos saltadores no topo da torre de saltos de Lanorore.
Saltador cool
Saltador posa junto à base da torre com óculos escuros emprestados por um espectador forasteiro da cerimónia.
Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.

A aproximação do Harbin Y-12 à pista desvenda o monte Vulmat coberto de selva densa encharcada por dois dias de chuva intensa.

E uma beira-mar exígua feita de areia negra e calhaus que a vegetação invade, quase a alcançar a água azul do oceano Pacífico.

Quando o avião se imobiliza, uma pequena multidão de ni-vanuatu (os habitantes de Vanuatu) curiosos deixa a sombra das árvores e aproxima-se para saudar os novos visitantes.

Avião Air Vanuatu, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu

Habitantes acompanham um avião da Air Vanuatu.

Os Momentos Tranquilos que Antecedem o Naghol de Pentecostes

Convidam-nos a registarmo-nos com os anciãos de Lonorore. Cumprida a formalidade, ficamos livres para explorar o litoral exótico que esconde a povoação.

Aos poucos, chegam mais grupos de nativos por um trilho apertado ou ao longo do areal. Também eles se aglomeram em redor dos barracões que servem o aeroporto.

A caminho de Lanorore, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu

Nativos aproximam-se de Lanorore pelo litoral com a ilha vizinha de Ambae em fundo.

Falta apenas uma hora para o início do ritual. O recinto continua interdito. Frequentam-no apenas os jovens saltadores e os homens que tratam dos derradeiros preparativos.

Estamos no fim de Maio. A época do Naghol ainda vai a meio. Em tempos, o evento tinha lugar uma vez por ano.

À medida que mais viajantes descobriam Pentecostes, a cerimónia revelou-se uma fonte de lucro incontornável para as aldeias que a praticavam.

As Origens e a Tradição Secular do Naghol de Pentecostes

Repete-se, agora, oito vezes, de Abril a Junho. Já a sua origem, se verdadeira, não podia ser mais única.

Conta-se na ilha que uma nativa se queixava da persistência dos avanços sexuais do marido, de seu nome Tamalie. Sem o conseguir sensibilizar, fartou-se e fugiu para a floresta. Tamalie perseguiu-a.

Nativa envergonhada, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu

Mulher da aldeia de Lonorore cobre os seios algo envergonhada entre os valores tribais e os ocidentais

Obrigou-a a trepar a uma figueira-da-índia. Encurralada, ao ver o marido subir, a mulher atou lianas aos tornozelos e lançou-se. Ficou a balouçar junto ao solo, incólume, antes de se soltar.

Sentindo-se desafiado mas sem reparar nas lianas, Tamalie saltou atrás dela e perdeu a vida.

Daí em diante, os homens de Pentecostes decidiram praticar o salto com lianas para que não mais fossem enganados pelas parceiras. Daí em diante, a prática tornou-se kastom (tradição).

Em pleno ar, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu

Mais um jovem em pleno ar, nesta ocasião, após saltar de uma plataforma intermédia da torre.

À margem da lenda, o Naghol é levado a cabo como ritual de passagem dos rapazes das aldeias. Os nativos acreditam que, quando realizado com sucesso, contribui para boas colheitas de mandioca.

Jovens de Pentecostes, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu

Um dos saltadores convive com outros jovens de Pentecostes, pouco antes do seu salto

E para afastar os males próprios da época das chuvas, incluindo a malária que prevalece no arquipélago de Vanuatu, como noutras partes luxuriantes da Melanésia.

O Intensificar Tropical do Naghol de Pentecostes

Quando é dada a permissão para avançarem, os forasteiros depressa se esquecem dos mosquitos que os incomodam e preocupam. Juntam-se ao grupo de espectadores nativos e avançam pela floresta, nos passos de um anfitrião apressado.

A determinada altura, o trilho estreito entra numa clareira ampla. Dela se destacam uma encosta lamacenta e, no seu topo, uma enorme torre de troncos.

Enquanto a assistência se distribui pelo sopé e pelos lados da encosta, alguns homens amolecem o solo na projecção da base da torre.

Outros, revêem e retocam a sua estrutura caótica.

Ancião testa a torre, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu

Homem de Pentecostes examina a solidez da torre de saltos.

Ao mesmo tempo, um grupo de apoiantes tribais – crianças à frente, seguidas de mulheres e, depois pelos homens – dançam, cantam e assobiam, para cá e para lá, em modo de incentivo dos saltadores.

Grupo de apoio, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu

Nativos levam a cabo movimentos repetitivos para encorajar o próximo saltador.

Estes, são mantidos nas imediações da torre durante dois dias, sem contacto com raparigas para garantir a requerida abstinência sexual.

É também habitual que se untem de óleo de coco e que usem presas de javali como amuletos, além das nambas, cápsulas vegetais com que envolvem o pénis.

Saltador, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu

Saltador posa junto à base da torre com óculos escuros emprestados por um espectador forasteiro da cerimónia.

Como pudemos notar mais tarde, alguns, inspiram-se com recurso a substâncias naturais (leia-se drogas).

Quanto mais longo é o salto para que se preparam, maior é a inspiração.

Os Saltos da Torre Naghol. Coragem (ou Loucura) de Baixo para Cima

O ritual começa com mergulhos a partir das plataformas inferiores da torre. Evolui para o topo, consoante a idade dos participantes. Os anciãos das aldeias escolhem as lianas. Têm que as  cortar pouco antes da cerimónia, de acordo com o peso de cada saltador e a altura de que vai saltar.

Apesar da precisão exigida, os responsáveis continuam a dispensar qualquer instrumento moderno. Feita a selecção, desfiam-se as pontas das lianas que são presas aos tornozelos dos participantes.

Se forem mal atadas ou demasiado longas, o saltador infeliz despenha-se no solo. Caso fiquem curtas, o saltador pode colidir com a base da torre, de onde se projectam vários troncos.

Jovem em base da torre, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu

Jovem repousa sobre a parte detrás da base da torre de saltos

O Naghol de Pentecostes que Terminou em Desgraça

Para não comprometer a elasticidade das lianas, o Naghol foi sempre realizado na época seca. Mas, em 1974, a administração colonial quis impressionar a soberana Rainha Isabel II – que visitava as então chamadas Novas Hébridas.

Contra a vontade dos indígenas, a visita da rainha forçou que a cerimónia se realizasse durante as chuvas. Foi uma vez sem exemplo. As lianas usadas por um dos saltadores quebraram-se.

Em pleno salto, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu

Saltador prepara os braços para se proteger de um eventual impacto no solo.

Causaram a única tragédia directamente provocada pelos mergulhos do Naghol.

De regresso à clareira, os saltadores intermédios cumpriram já o seu papel e a cerimónia decorre sem acidentes. O grupo de “apoiantes” volta a dançar e a cantar, então, com intensidade redobrada.

O Salto Tresloucado do Topo Vertiginoso da torre Naghol

O momento da verdade, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu

Saltador eleva os braços ao céu, segundos antes de se lançar do topo da torre do Naghol.

Um último adolescente trepa até ao cimo da torre onde se posiciona sobre uma plataforma ínfima. Já no auge, junta-se aos cânticos por um minuto e acena a olhar para o céu.

Sem mais contemplações, impulsiona-se para diante, cobre a cabeça e o pescoço com os braços e sobrevoa a selva de Pentecostes, antes de mergulhar na direcção ao solo.

As lianas quebram a queda, como a torre que se dobra ligeiramente e suaviza o esticão. Como é esperado, as mãos do saltador tocam ligeiramente na terra.

Além de alguma dor nas pernas, depois de examinado por outros aldeãos, comprova-se que está em condições de celebrar.

Salto para a frente, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu

Saltador projecta os braços para conseguir afastar-se dos troncos cortantes da torre.

Uma vez terminada a cerimónia, a assistência recebe autorização para se aproximar da torre. Em três tempos, envolve e glorifica o novo adulto. Mas a reacção do saltador é contida.

Os seus olhos vermelhos explicam uma certa “ausência” que compensa com sorrisos sem fim.

Saltador dopado, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu

Saltador com os olhos vermelhos devido ao consumo de drogas naturais que facilitam o  Naghol.

Já a compensação monetária exigida pela ilha de Pentecostes às empresas de bungee-jumping do mundo por estas terem copiado o Naghol ainda não foi paga.

Se um destes dias Pentecostes ganhar este caso, todos os seus nativos terão razões extra para sorrir.

Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.

Wala, Vanuatu

Cruzeiro à Vista, a Feira Assenta Arraiais

Em grande parte de Vanuatu, os dias de “bons selvagens” da população ficaram para trás. Em tempos incompreendido e negligenciado, o dinheiro ganhou valor. E quando os grandes navios com turistas chegam ao largo de Malekuka, os nativos concentram-se em Wala e em facturar.

Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a "Survivor"

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.

Pentecostes, Vanuatu

Naghol: O Bungee Jumping sem Modernices

Em Pentecostes, no fim da adolescência, os jovens lançam-se de uma torre apenas com lianas atadas aos tornozelos. Cordas elásticas e arneses são pieguices impróprias de uma iniciação à idade adulta.

Honiara e Gizo, Ilhas Salomão

O Templo Profanado das Ilhas Salomão

Um navegador espanhol baptizou-as, ansioso por riquezas como as do rei bíblico. Assoladas pela 2a Guerra Mundial, por conflitos e catástrofes naturais, as Ilhas Salomão estão longe da prosperidade.

Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
Espiritu Santo, Vanuatu

Divina Melanésia

Pedro Fernandes de Queirós pensava ter descoberto a Terra Australis. A colónia que propôs nunca se chegou a concretizar. Hoje, Espiritu Santo, a maior ilha de Vanuatu, é uma espécie de Éden.
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Crocodilos, Queensland Tropical Australia Selvagem
Parques nacionais
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Arquitectura & Design
Fortalezas

O Mundo à Defesa – Castelos e Fortalezas que Resistem

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Detalhe do templo de Kamakhya, em Guwahati, Assam, Índia
Cidades
Guwahati, India

A Cidade que Venera Kamakhya e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Cultura
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
A Toy Train story
Em Viagem
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
As Cores da Ilha Elefante
Étnico

Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Mulheres no forte de Jaisalmer, Rajastão, India
História
Jaisalmer, Índia

A Vida que Resiste no Forte Dourado de Jaisalmer

A fortaleza de Jaisalmer foi erguida a partir de 1156 por ordem de Rawal Jaisal, governante de um clã poderoso dos confins hoje indianos do Deserto do Thar. Mais de oito séculos volvidos, apesar da contínua pressão do turismo, partilham o interior vasto e intrincado do último dos fortes habitados da Índia quase quatro mil descendentes dos habitantes originais.
Visitante, Michaelmas Cay, Grande Barreira de Recife, Australia
Ilhas
Michaelmas Cay, Austrália

A Milhas do Natal (parte I)

Na Austrália, vivemos o mais incaracterístico dos 24os de Dezembro. Zarpamos para o Mar de Coral e desembarcamos num ilhéu idílico que partilhamos com gaivinas-de-bico-laranja e outras aves.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Brigada incrédula
Natureza
La Digue, Seicheles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Abastecimento
Parques Naturais

PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.

Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Património Mundial UNESCO
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Verificação da correspondência
Personagens
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Insólito Balnear
Praias

Sul do Belize

A Estranha Vida ao Sol do Caribe Negro

A caminho da Guatemala, constatamos como a existência proscrita do povo garifuna, descendente de escravos africanos e de índios arawaks, contrasta com a de vários redutos balneares bem mais airosos.

Cena natalícia, Shillong, Meghalaya, Índia
Religião
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Casamentos em Jaffa, Israel,
Sociedade
Jaffa, Israel

Onde Assenta a Telavive Sempre em Festa

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Vai-e-vem fluvial
Vida Selvagem
Iriomote, Japão

Iriomote, uma Pequena Amazónia do Japão Tropical

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.